0
2.7mille VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 30 jours
temps de lecture
AA Partager

One Night In A Strange City

Taehyung viaja até Seul para fotografar para uma revista. No hotel ele conhece Kim Namjoon. Um modelo também solitário. Os dois saem pelas ruas de Seul explorando a madrugada e também a própria solidão que os uniu.



Quando abriu os olhos Taehyung havia emergido para realidade após um longo período de sono, não se lembrou exatamente o momento havia pegado no sono, suas últimas memórias eram estar encarando o teto. Fez um pequeno alongamento para se sentir mais acordado, seu corpo ainda estava inerte. Olhou pela janela já era noite, havia pequenas luzes dos prédios, acesas que podiam ser confundidas com as estrelas, estas estavam sumidas cobertas pelas nuvens. Se sentou novamente na cama refletindo, um sentimento o atormentava, coçava atrás da nuca, era uma presença onisciente e onipresente que aparecia sempre no vazio. Seu nome era tédio. Taehyung estava em Seul para fazer uma sessão de fotos para uma revista, sua carreira — se é que tinha uma — não estava nos seus melhores dias. Essa oportunidade foi oferecida após um editor ligar para ele demonstrando interesse. Em sua infância sempre achou fascinante captar momentos com uma câmara, sentia que imortalizava cada experiência vivenciada. Levou essa ideia a fundo, no final da faculdade fez uma tese intitulada A Vida através da lente. Era o retrato de uma luminária posta no chão, a luz possuía o formato em V numa sala completamente escura. O tema era mostrar que aquela luz era a vida, a sombra ao redor era um momento antes de nascimento e a morte. A ideia surgiu ao leu Fala, Memória, uma autobiografia do escritor russo Vladimir Nabokov.

Taehyung decidiu fazer o que todos os adultos entediados e com necessidade de algum convívio social em comum, o universalmente álcool. Pegou uma jaqueta preta e sua carteira com a chave do quarto. Andou por um longo corredor até o salão principal, estava bem movimentado, Tae observou todas aquelas pessoas que iam e vinham. Em sua mente a máquina fotográfica que relatava suas memórias tiraram uma foto imaginária daquele cenário. Perguntou ao recepcionista onde era o bar do hotel, o homem gentilmente se dispôs a acompanhá-lo. Chegou lá ironicamente estava vazio, se sentou em frente a bancada, seus olhos passavam por cada garrafa de bebida, todas muito diferentes entre si. Taehyung pousou os olhos num whisky, se lembrou da época da faculdade em que fez um ensaio com várias garrafas vazias numa sala com apenas uma única luz que atravessava o vidro delas. Era como Newton fazendo experimentos sobre a dispersão das luzes branca em várias outras cores sobre um prisma polido. Mas Taehyung não estava interessado nas cores, e sim nas sombras que se formavam. Taehyung sempre admirou como as sombras eram formadas pela luz.

“Posso me sentar ao seu lado?” Taehyung olhou para o dono da pergunta, um homem alto de cabelo preto, ele usava jeans azul com um suéter verde-água, acenou positivamente, ao receber o sim ele sorriu mostrando dentes perfeitos com duas covinhas, uma posto em cada lado. Ainda olhava para o sujeito, a máquina fotográfica de sua mente tirava várias fotos, ele possuía uma aura encantadora, desde o sorriso, até a maneira educada que se aproximou. Olhou outra vez e se lembrou que o havia visto anteriormente, mas não se recordava exatamente onde. “Meu nome é Namjoon, Kim Namjoon.” ele se virou estendendo a mão. Taehyung retribuiu o gesto. “Taehyung, Kim Taehyung.” voltou ao seu copo ainda cheio, não sabia por que havia pedido se não tinha intenção de beber. Namjoon pediu o mesmo que o recém conhecido ao seu lado. “Se me permite perguntar, por que veio a Seul?” Taehyung tinha a atenção de Namjoon toda para si. “Recebi uma oportunidade para fotografar para uma revista.” Namjoon arregalou os olhos, surpreso. “Então é um fotógrafo famoso.” Taehyung riu um pouco melancólico. “Minha carreira mal começou e está para o fim.” Namjoon fez um semblante um pouco triste. “Mas aposto que é muito talentoso.” Taehyung voltou a olhá-lo dessa vez sem saber por que estava sorrindo. Ou talvez soubesse, Namjoon arrancava sorrisos apenas por estar, por ser, algumas pessoas possuíam essa habilidade. “Nem nisso eu apostaria.” Taehyung agora se virou para ele era sua vez de perguntar. “O que te levou até Seul, Kim Namjoon?” Namjoon bebeu um gole de sua bebida e se apoiou na bancada. “Deixe me adivinhar. Você é um modelo certo?” Taehyung havia se lembrado de onde havia visto pela primeira vez, em uma revista de moda que leu no aeroporto. Namjoon sorriu por ser reconhecido. “Sim.” Ele ficou tímido. Sua carreira também não era a mais promissora possível, contudo, conseguia suprir suas necessidades. Mas queria dar um passo além, queria um salto que o faria ser chamado por todas as agências, marcas de roupas e os fotógrafos mais excêntricos. Namjoon tamborilava os dedos no copo como se quisesse falar algo mais, Taehyung notou essa inquietação e decidiu continuar a conversa com ele. “Você também está sozinho?” Namjoon o olhou um pouco surpreso. A solidão era algo fácil de identificar entre outras pessoas solitárias. “Sim. Me acostumei a ela e agora me acompanha em todo lugar.”

Taehyung terminou o seu copo e olhou novamente para Namjoon. Estava levemente curvado sobre o balcão olhando para outro ponto. Queria estar com sua câmera naquele momento, daria uma bela fotografia. “Posso substituir a solidão essa noite? Também quero tirar a minha.” Namjoon deu novamente aquele sorriso, Taehyung retribuiu com o seu, era quadrado e muito adorável. Os dois conversaram sobre várias trivialidades. Taehyung contou de sua tese de conclusão do curso, Namjoon ouviu encantado e cada vez mais atraído por aquele homem. “Traz conforto pensar assim. Quando estiver morrendo irei me lembrar disso.” Taehyung parou e olhou para seu reflexo no espelho atrás das bebidas. Teve um pensamento rápido e quase que iria sair por sua boca, mas Namjoon cortou o pequeno silêncio. “Você quer sair?” Taehyung arregalou os olhos, era exatamente o que iria dizer. “Sim, com toda certeza.” Namjoon se levantou animado. Taehyung falou que antes iria para seu quarto pegar sua câmera. Namjoon o acompanhou, esperou na porta enquanto Taehyung procurava o objeto. Pegou a câmera e a pôs no pescoço.

O salão principal já estava vazio. Ao saírem do prédio, o vento frio e forte da madrugada bateu em seus rostos; Namjoon olhou as horas no celular, eram 23:48. Taehyung viu que a lua estava presente, as nuvens a haviam se dissipado, era possível ver as estrelas junto dela. As ruas possuíam pouca iluminação, além a que vinha do céu, os postes estavam acompanhando. A cidade estava vazia, mas daqui a algumas horas estaria cheia. Namjoon e Taehyung aproveitaram o momento para passear sem serem incomodados. Namjoon rodopiou pelo poste como se estivesse no filme Cantando na Chuva. Taehyung aproveitou para tirar fotos dele. Voltaram a andar novamente. Sem um lugar em específico para chegar, estavam experimentando a liberdade de não precisar ir. Taehyung começou a apertar o passo, e depois a correr, segurou sua câmera para que não sofresse nenhum dano. Namjoon foi logo atrás, os dois estavam correndo, rindo para a noite. Pararam num beco com uma música que vinha de dentro do prédio. Da porta saiu um casal animado, mas deveriam estar alterados. Namjoon fez um gesto com a cabeça para convidá-lo para entrar. Taehyung aceitou. Dentro se ouvia apenas a música alta, Namjoon tinha de gritar para ser escutado. Os dois dançaram animadamente, mas Taehyung resolveu ir para um canto mais calmo. De lá pode ver Namjoon ainda com energia para gastar, Taehyung pegou a câmera mais uma vez e tirou outras fotos. Em uma delas Namjoon olhou diretamente. Se sentou ao lado dele e Taehyung se apoiou em seu ombro. Decidiu mostrar as fotos que havia tirado. “São lindas. Você manda elas para mim?” Taehyung acenou que sim com um sorriso. Saíram da boate por onde entraram, caminhavam calmamente para descansar e aproveitar a calmaria. “Tem algo que esqueci de perguntar, por que veio a Seul, Namjoon?” Taehyung parou por um momento enquanto andavam. “Estou a procura de novos trabalhos. Quem sabe você não possa me fotografar.” Taehyung sorriu com a proposta e Namjoon começou a posar para Taehyung que novamente tirava mais fotos, com diferença de não serem mais em momentos espontâneos. Fizeram um mini ensaio fotográfico na calçada. Quando terminaram Namjoon ficou muito feliz com as fotos, elogiou Taehyung por ser tão talentoso, aquilo lhe deu mais confiança para amanhã.

Namjoon e Taehyung continuaram a explorar Seul, indo até para lugares mais remotos. Como um prédio abandonado, entraram no local, o teto da construção faltava, Namjoon parou no centro, a luz da lua iluminava apenas aquele ponto. Enquanto Namjoon se distraía, Taehyung aproveitou para tirar uma foto, mas se empolgou e foram várias, Namjoon além de ser naturalmente encantador para as pessoas era também para as câmeras. Era possível ver as partículas de poeira que eram iluminadas, aquele momento possuía algo etéreo, único. Namjoon foi até Taehyung e o puxou até a luz. “Posso tirar uma foto sua? Você tirou várias fotos minhas, quero ter você em minha memória também.” Taehyung concordou, nunca tinha sido o Spectrum, apenas o Operator (o que tira a foto). Os lugares foram trocados, Namjoon tirou do bolso o celular, andou um pouco para trás e apertou o botão da câmera. Taehyung não olhou, fechou os olhos timidamente e sorriu. Namjoon tirou outra foto dessa vez ele estava mais sério. Taehyung se deitou para observar o buraco que havia no teto, se estendia até o último andar. Namjoon novamente tirou outra foto e deitou ao seu lado. Nenhum dos dois disse em voz alta, mas era romântico aquele momento. Observaram o céu por um longo tempo, Taehyung aproveitou para tirar mais fotos. Daquele ângulo ficaram incríveis e queria revelar o mais rápido possível, assim como as que tirou de Namjoon.

Decidiram sair do prédio e caminhar mais um pouco pelas ruas de Seul, ainda vagando sem um rumo. “Quer voltar Taehyung?” Namjoon indagou, Taehyung concordou se sentindo cansado, Namjoon ligou o celular para ter certeza se ainda tinha bateria suficiente para acessar o GPS. Os dois estavam na ponte que passava pelo rio Han, Taehyung observou o reflexo das poucas luzes noturnas, o vento estava mais calmo, era uma brisa refrescante. Namjoon ficou ao seu lado traçando o caminho pelo GPS. Namjoon indicou para onde deviam ir de volta ao hotel. Chegaram tão leves depois de andarem explorando a cidade, mas também a si mesmos. Algo dentro dos dois dizia para continuarem a se falar, era o sentimento de fazer uma amizade falando. Na porta do quarto de Taehyung, Namjoon o adicionava em seus contatos. “Quando poderemos nos ver novamente?” Namjoon perguntou um pouco ansioso, Taehyung iria embora um dia após a sessão de fotos. Havia momentos em que encontramos pessoas especiais, porém, de alguma forma elas irão partir muito em breve, machucava não poder estar com elas como se fossem nossos conhecidos de muitos anos. Taehyung se aproximou e olhou para os lábios de Namjoon, fechou os olhos e sentiu seus lábios um contra o outro. “Em breve.” Falou com um sorriso. Namjoon saiu até seu quarto com aquela pequena centelha que Taehyung lhe dera.

5 Février 2022 19:22:05 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
Lire le chapitre suivant Começos e Fins

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 8 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!