2minpjct 2Min Pjct

A família de Yoongi caça vampiros por gerações. Durante um dos confrontos, o Min descobre ser impossível destruir o líder deles, Park Jimin. Assim, decide aceitar a oferta que o vampiro faz a ele.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Interdit aux moins de 18 ans.

#bts #yoonmin #yoongi #vampiros #vampiro #sujim #suji #sugamin #minmin #minimini #jimin #2minpjct #2min #insinuação-de-sexo #proibido-para-menores-de-16
3
1.9k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Capítulo único

Escrito por: @louiselobo_/@louiselobo_


Notas iniciais:

Olá ♡ Aqui é a Loui novamente!
Quero agradecer à betagem linda da mygsyl2 / @mygsyl , obrigada pelas dicas, vou guardá-las com carinho para usarvem outras histórias.
E à @je0n
que fez essas capas e banner maravilhosos, ficaram simplesmente incríveis!

Espero que vocês gostem da história, boa leitura 💙


~~~~


As chuvas torrenciais não cessavam. O inverno havia chegado à Ásia tão intenso quanto a escuridão que assolava a região de toda Daegu.

Enquanto o rei tentava suprir as necessidades do povo, Min Yoongi tentava fazer o mesmo que toda a sua família fazia desde as gerações passadas: caçar vampiros.

Não se sabe exatamente como eles surgiram, havia muita dúvida sobre essa questão. Algumas pessoas diziam que eram originários de outros povos, buscando a Ásia como refúgio das guerras que se instalavam na Europa, outros diziam que era um mal que surgiu dos pecados do povo dali mesmo.

Yoongi, particularmente, não se importava em como haviam surgido, estava mais interessado em exterminá-los.

Seus bisavôs, avôs, pais e os que vieram antes destes sempre estiveram envolvidos em ataques aos seres sugadores de sangue e, desde que chegou aos seus dezesseis anos, esteve desejoso por começar a encarar as patrulhas no meio da noite.

A tarefa exigia uma coragem absurda, pois, enquanto o povo se escondia durante a noite, as famílias Min e Kim saíam para enfrentar a escuridão e o que se escondia nela.

Como era costume da época, o castelo era situado no centro da cidade, com toda a segurança possível para que o rei não fosse atacado. E, claro, os súditos eram alojados em casas ao redor deste centro; então, quanto menos abastadas fossem, mais as famílias ficavam afastadas do epicentro.

Exceto pelas duas famílias, que ficavam na borda do povoado justamente para conter tais ataques. Logo, com a chegada do inverno, a cautela e apreensão redobravam, já que as noites estavam mais escuras e frias do que normalmente eram e os responsáveis por combater os vampiros precisavam estar atentos.

O rapaz de cabelos escuros chegava ao galpão de madeira em que organizavam armas e materiais para o combate direto, onde seus dois melhores amigos, voluntários para contra-atacar os vampiros, já o aguardavam.

— Como estamos de munições, Joon? — perguntou ao primeiro que viu ao lado do armário de pólvora.

— Gastamos bastante na última vez, mas acho que ficaremos bem se tomarmos alguns cuidados nas próximas investidas.

— Faremos isso, então — garantiu com o mais novo. — E as estacas?

— Não acho mesmo que funcionem — lamentou com um suspiro. — Se você reparar, não faz nenhum sentido, acho que isso é só uma lenda infundada.

— Não faz sentido esses porcos continuarem existindo e matando outras pessoas, mas é o que acontece, Namjoon, algumas coisas não estão aqui para fazer sentido.

— Certo — proferiu Seokjin, agora ao lado deles. — A armadilha que planejou está pronta, com a neve chegando como está, não teremos problemas em escondê-la.

— Isso, sim, é uma boa notícia.

— Acha que vai funcionar? — indagou Namjoon, com uma sobrancelha erguida enquanto passava uma flanela pelo tubo de uma espingarda.

— Você não acredita em estacas, acha que a armadilha não vai funcionar… Como acha que conseguiremos combatê-los, então? — Yoongi questionou, um tanto aborrecido.

— Não acho que nossos esforços estão sendo muito efetivos, apenas. Faz décadas desde que nossas famílias, a sua principalmente, luta contra isso, mas nunca acabamos com eles. E aquele tal de Jimin? Ele é o que está no comando agora?

— Não sei — respondeu o Min, desviando o olhar. — Alguns o chamavam assim na emboscada do verão, mas só o vi de longe.

Yoongi só lembrava de ver a cabeleira loira esvoaçando rapidamente, um vampiro bem mais rápido e habilidoso que os demais.

Park era o nome da família que, por gerações, atormentava aquela região. Havia os membros mais perigosos, os que eram difíceis de capturar, e Jimin era um daqueles.

Por noites, Yoongi perdeu o sono, pensando em como poderia acabar com aquele ser. Cada homem de sua família tentou, mas desde que era garoto, via um a um caindo enquanto o tal vampiro seguia rindo deles, atacando Daegu quando bem-queria.

Foi por isso que decidiu fazer uma armadilha apenas para ele.

O Min havia reunido tudo o que sabia sobre as fraquezas dos vampiros e, com a ajuda de Namjoon, pensou numa forma de capturar Jimin de uma vez por todas e deixá-lo queimar ao nascer do sol.

— Dizem que é muito bonito — aludiu Seokjin.

— E isso importa? — rebateu Yoongi.

— Foi apenas um comentário.

— Quero ver o quanto ele vai parecer bonito quando estiver fritando no calor do sol.

Namjoon fez uma careta, e Seokjin o acompanhou com um gemido de nojo. Mesmo estando lado a lado com o amigo naquela batalha, para eles não era algo tão pessoal como era para o Min.

— Vamos nos aprontar, então — disse Seokjin. — Não vai demorar a começar a chover novamente, é melhor que estejamos prontos para eles.

— Concordo com você. Chame os que não se machucaram da última vez, enquanto os feridos descansam, economizamos pólvora.

— Tudo bem, volto logo — respondeu Namjoon.

Seokjin se aproximou do amigo, vendo Yoongi arrumar suas vestes grossas para a batalha.

— Yoon — chamou, e o Min virou para ele, esperando que dissesse o que queria. — Eu sei que você quer matá-lo, mas, de verdade, o que pensa que acontecerá quando o virmos? Quando estiver frente a frente com ele? Não tem medo de dar errado e acabar se machucando em vez de abatê-lo?

Yoongi deu de ombros.

— Vou morrer de um jeito ou de outro, em algum momento, Jin-hyung. Se for para morrer, que seja defendendo as pessoas de Daegu. Foi para isso que me tornei caçador, antes de tudo.

— Espero que este dia demore a chegar, meu querido amigo — concluiu o Kim, colocando a mão sobre o ombro do mais novo.

No entanto, Seokjin não imaginava que o encontro entre Min Yoongi e o chefe da casa dos vampiros estava tão perto de acontecer.

Os caçadores, como gostavam de ser chamados, saíram das cabanas ainda cedo, enquanto havia bastante luz e poderiam se arrumar em seus pontos estratégicos. Os vampiros só sairiam à noite, então precisavam chegar aos esconderijos antes do entardecer, quando o tempo ficaria ainda mais nublado e escuro.

— Tem certeza de que vai conseguir ativar o poço sozinho? — perguntou Namjoon, antes de se camuflar entre as folhagens cobertas de neve.

— É só uma corda a ser cortada, tenho certeza de que consigo — respondeu Yoongi.

— Certo, então, boa sorte — desejou o outro Kim, apertando a mão de Yoongi.

O Min puxou o capuz sobre a sua cabeça e seguiu mais para a frente.

Yoongi ajustou sua posição, cobrindo-se com um tipo de pele grossa enquanto a chuva continuava a cair. Em cerca de uma hora, o céu já estaria escuro o suficiente e aqueles monstros poderiam sair para caçar.

Assim como o esperado, Yoongi ouviu o barulho dos passos correndo para onde estavam, gritando em polvorosa e fazendo seu corpo retesar de imediato. Havia chegado a hora, precisava estar pronto para a emboscada.

Os vampiros passavam por ele, correndo rapidamente, e ele já podia ouvir o restante dos caçadores em combate, pelos tiros e ruídos de batalha, estavam enfrentando a horda, mas ele ainda aguardava, escondido, por um em especial.

Ele vinha sempre depois, pegando o que queria, ou mesmo tentando usar a distração que os caçadores tinham com os vampiros corredores para escolher melhor suas vítimas.

Os olhos escuros de Yoongi ansiavam por encontrá-lo e, de certa forma, algo dentro dele também se agitava com a possibilidade. Talvez fosse a ansiedade e o desejo pelo momento importante não só para ele, mas para toda Daegu. Seus antepassados iriam comemorar também, ele sabia.

— Onde você está? — sussurrou para si mesmo, não tirando os olhos da área.

Como resposta, por baixo da chuva grossa, um homem caminhava calmamente, todo vestido de preto e sem nenhum tipo de casaco ou pele cobrindo seu corpo. Seus cabelos loiros caíam sobre a testa e o vento gélido do inverno parecia acompanhá-lo. Os olhos brilhavam em vermelho vivo e, pela primeira vez, Yoongi pôde ver o rosto do homem que colocava todos os moradores de Daegu em desespero.

No mesmo instante, ele sentiu o medo invadir seu corpo conforme o vampiro se aproximava, caminhando em sua direção como se nada o abalasse. E, diferente dele, Yoongi se sentiu abalado.

Ele era lindo e possuía uma aura pesada, o que era intrigante. Seus lábios grossos destacavam-se na face pálida e de formato único.

O Min acompanhava cada passo de aproximação com cuidado, mas não apenas pelo perigo que o vampiro apresentava, e sim, porque era impossível não se manter focado no jeito como seu corpo se movia de forma contínua e suave, parecia fazer parte da própria natureza.

Arrumou as armas e a faca para cortar o suporte da armadilha, pronto para fazer o que havia planejado, mas o vampiro parou, de repente.

Olhou para um lado e depois para outro, rindo diabolicamente.

Abaixou-se na borda do poço, tocando a rede pesada que cobria este, puxando como quem levantava uma folha de papel.

Yoongi não sabia o que estava acontecendo. Nenhum dos outros vampiros havia percebido aquilo, e aquela trilha era o único lugar que dava espaço o suficiente para entrarem na cidade sem a dificuldade do terreno e vegetação.

— Que ousadia tentarem me caçar como um animal. — Ouviu a voz suave dizer à beira do lugar. — Ainda mais com uma armadilha tão estúpida. Estamos ainda no século passado?

Yoongi crispou os lábios, furioso. Saiu de seu esconderijo e pôs-se frente a frente com o vampiro.

Era arriscado, mas ele não tinha medo. Mataria ou morreria defendendo sua cidade e ideais.

— Pode ter evitado o poço, mas não passará de mim, monstro.

O vampiro sorriu, colocando as mãos na cintura, não parecendo mais tão assustador daquele jeito. Era mais ou menos da mesma altura de Yoongi, talvez um pouco mais baixo.

— Foi você quem fez isso? — perguntou para o Min, apontando para o buraco no chão. — Alho e crucifixos, que coisa mais inútil.

— Não é só alho e crucifixos — proferiu, ainda apontando a espingarda para o vampiro.

Namjoon e ele tinham projetado um poço que prenderia o vampiro ali até o dia amanhecer. Por baixo da primeira camada de terra, havia barras de prata que impediriam a saída do ser, mantendo-o lá dentro, com todas as outras coisas que diziam repelir vampiros deixando-o enfraquecido, mas aparentemente Namjoon estava certo, aquilo não os afetava, não passava de lenda.

— Ah, ok, ok — murmurou o vampiro, sentando de pernas cruzadas, elegantemente, na borda do poço. — Mas se funcionasse, o que iriam fazer? Eu consigo pular dessa altura, então eu poderia sair a hora que quisesse.

Yoongi olhou para ele, decidindo não revelar o restante da estrutura.

— Te matar, não é óbvio? — objetou, engatilhando a arma.

A chuva havia ficado menos intensa, deixando assim que o Min visse o vampiro mais claramente.

Um olhar astucioso permanecia em seu semblante, analisando cada movimento de Yoongi. Passava pelas mãos longas que seguravam a arma, indo para as pernas posicionadas, estrategicamente, prontas para mudar de direção e mover assim que precisasse.

— Tenho a impressão de já tê-lo visto, meu jovem. Não nos encontramos em algumas dessas noites?

O vampiro agora dava a volta pelo buraco do poço, indo para perto do humano com seu andar curioso.

— Para sua sorte, não, mas esta noite, com toda a certeza, será lembrada como um dia especial. — Dito isto, Yoongi apoiou o cabo da espingarda em seu ombro, mirando para o peito do vampiro.

Este, por sua vez, abriu os braços sem medo, pronto para receber o tiro que Yoongi havia prometido.

— À vontade, meu querido.

Um barulho alto, e Yoongi havia mesmo disparado, sem pensar.

O sangue escorria pela camisa branca que o vampiro vestia por dentro do terno preto. Mas, ainda assim, o sorriso continuava em sua face, debochando de Yoongi enquanto o buraco feito pela bala e pela pólvora começava a se fechar.

— Impossível — falou engasgado, era assombroso ver o lugar se curando como se nada tivesse acontecido antes. — Mas… Como?

— Não sou como esses famintos, querido. Sou um vampiro puro.

Yoongi atirou mais uma, duas vezes.

— Vai morrer de algum jeito! — vociferou para o vampiro.

— Ah, é? — refutou, aproximando-se. — E quem vai fazer isso? Você?

Yoongi continuava a atirar, mas era inútil. Cada bala que atingia o corpo do vampiro era uma munição perdida.

— Precisa de bem mais do que isso para me parar. Fogo, balas, essas bobagens que colocou aí, nada disso funciona comigo.

Yoongi começava a acreditar que, realmente, nada funcionava com ele.

— Que tipo de demônio é você?!

— Um dos piores — acentuou o vampiro, com suas presas pontudas para fora.

Agora, tão perto, Yoongi conseguia ver claramente os traços belos e obscuros do outro.

Enquanto seus olhos esbanjavam um brilho misterioso, seus lábios avermelhados chamavam sua atenção.

Quanto mais olhava, menos sentia o que estava acontecendo ao seu redor, só percebendo que o vampiro estava a passos dele quando este abriu um sorriso ainda mais largo.

— Tão dócil — falou, chegando junto do Min, tocando a face de Yoongi, olhando para cada detalhe de seu rosto delicado. — Por que não corre, hm? Por que não corre como todos os outros?

— Não tenho medo — garantiu entredentes.

— Oh, não? — provocou, passando o nariz pelo pescoço do Min, segurando sua cintura. — Não tem medo do que posso fazer com você?

— O que pode fazer comigo? — sussurrou e umedeceu os lábios.

O vampiro viu o pomo de Adão descer e subir quando o moreno engoliu em seco, entreabrindo os lábios em seguida.

— Muitas coisas. — Soltou o caçador e começou a caminhar ao redor dele, suas mãos atrás das costas. Os gritos ainda eram ouvidos, mas logo o ataque terminaria, rápido e devastador, como aquele momento entre eles. — Eu gosto de você. Qual seu nome?

— Min Yoongi — respondeu quase automaticamente. — Quem é você?

A risada ecoou atrás dele.

Yoongi poderia ser atacado a qualquer momento, mas continuava com a guarda completamente abaixada.

— Você sabe quem eu sou, não sabe? Park Jimin. O herdeiro da maldição.

— A de matar pessoas?

— Não. A de nunca morrer — segredou ao ouvido do moreno, fazendo Yoongi arrepiar dos pés ao último fio de cabelo. — Estou enganado ou… está mais interessado ao meu respeito do que deveria, caçador? — falou de forma divertida.

— Estou sim. Estou preocupado, na verdade — mencionou com uma longa respiração.

— Posso saber com o quê?

— Com sua falta de habilidade para a morte.

Jimin riu novamente.

— Isso é ótimo para mim.

— Mas não para mim — revelou Yoongi. — Vivi uma vida para conseguir matá-lo. O que vou fazer agora que sei ser impossível?

O Min ficou ali, parado, enquanto o vampiro continuava a cercá-lo.

— Uma vida inteira? Para me matar?

— Sim — disse. — Minha família inteira tentou proteger este lugar. Para que, afinal? Se você não vai morrer.

— Não mesmo — salientou o vampiro. — Mas se importa tanto, a ponto de dedicar uma vida inteira para isso… Não se importaria de continuar fazendo isso, não é?

— Do que está falando? — perguntou, olhando sobre seu ombro, encontrando os olhos vermelhos do vampiro atrás dele.

— Posso destruir os famintos, um a um, basta que me dê algo em troca.

— Que tipo de proposta é essa?

— Uma justa, que te dará exatamente o que quer.

— Em troca da minha vida?

— Sim… Até certo ponto. — Parou na frente do moreno, segurando seu queixo.

— Qual o ponto? — questionou num fio de voz.

— Se você me der seu próprio sangue, eu posso mantê-los longe de Daegu — sussurrou para ele. — Ninguém mais será ferido e sua missão, de certa forma, terá sido cumprida.

Yoongi engoliu em seco novamente, jamais conseguiria se imaginar em tal situação, porém pouco importava o que ele imaginava naquele momento, já que em instante algum pensou na possibilidade de estar conversando tão tranquilamente com o tal vampiro.

Seu corpo não mais expelia o ódio de antes, mas começava a reagir de forma estranha ao vampiro. Yoongi não conseguia tirar os olhos de cima dele, assim como não parava de sentir uma força estranha o puxando para o outro.

— Isso não é muito simples de se fazer — disse, vendo o vampiro olhar para ele com atenção. — Se eu aceitasse, qual seria a garantia?

O vampiro deu de ombros com uma risadinha.

— E o que poderá fazer se eu não cumprir com o combinado?

Ele tinha um bom ponto.

— Estou sendo generoso e muito gentil com você — falou o Park. — Não é sempre que sou tão bondoso, então espero que aproveite a oportunidade.

Yoongi ponderou rapidamente sobre a proposta, duvidava muito que conseguisse arrumar um jeito de destruir aquele ser.

— Dê-me um dia para pensar sobre — pediu, quem sabe Namjoon com sua inteligência conseguisse resolver a situação, ou mesmo pensar em alguma saída.

— Tudo bem. Vou mantê-los longe por enquanto, mas venho receber minha resposta assim que o sol se pôr novamente.

— Eu agradeço.

O vampiro mordeu o próprio lábio, lambendo-os em seguida. O jeito com que olhava para Yoongi o fazia sentir a força deixando suas pernas, ao ponto de que poderia cair a qualquer momento.

Tudo o que via era o olhar escarlate sobre si, e queria bem mais do que só o olhar.

Com um momento de concentração, o vampiro pareceu chamar mentalmente os outros para saírem dali, tão rápido quanto haviam chegado.

Yoongi voltou para o seu esconderijo e o vampiro se despediu dele, erguendo um dedo, sinalizando o tempo que este teria para decidir o que fazer.

[…]

Depois de algum tempo, o Min saiu de onde estava para voltar aos postos. Mesmo ainda sendo noite, os ataques não demoravam mais do que alguns minutos que, para quem estava fugindo para sobreviver, pareciam mais horas de martírio e sofrimento, um verdadeiro caos.

Namjoon estava na frente de uma das cabanas, esperando quem voltava daquela noite turbulenta.

Ao que parecia, o tempo que passou distraindo o vampiro mais forte fez com que os mais fracos fizessem algum estrago pelo caminho.

Mesmo sem o líder, a devastação era real, e agora, sabendo de como Jimin não poderia ser destruído, Yoongi começava a se convencer de que, de fato, era melhor que aceitasse o trato.

Enquanto Jimin permanecesse atacando, mais e mais famílias seriam devastadas.

Ao amanhecer do dia seguinte, contou sobre a emboscada falha e sobre as habilidades de cura do vampiro. Disse a eles que seria impossível destruí-lo. Não teriam como fazer aquilo, mesmo que utilizassem tudo o que pudessem.

— Não acho que seja uma boa ideia fazer isso — opinou Namjoon. — Podemos arrumar algo que o destrua.

— Como o quê? — indagou, sentado na ponta da mesa de madeira, dentro da cabana principal.

— Eu não sei, mas podemos.

— Não podemos, Joon. Não temos como ir contra isso, não contra ele.

— E vai simplesmente se entregar? — foi a vez de Seokjin se pronunciar.

— Sim — respondeu com o rosto quente. — Se for a nossa salvação, a salvação de Daegu, eu não me importo. Foi para isso que vivi.

— Não para morrer nas mãos de um vampiro traiçoeiro, mas para matá-los! — exclamou o mais velho. — Namjoon tem razão, eu também não apoio.

— Eu já tomei minha decisão — falou com convicção.

— Yoon, está se precipitando.

Yoongi concordou. Não tinha dúvidas de que, de fato, estava. Mas o que poderia fazer quando seu corpo desejava pelo vampiro como nunca desejou alguém?

Aceitando aquilo, poderia não apenas salvar Daegu, mas também desvendar o que era aquele homem.

Não revelaria aos dois melhores amigos tal egoísmo, porém seguiria com a ideia de aceitar o que fosse, contanto que o tivesse para si.

Quando o entardecer trouxe as nuvens pesadas novamente, Yoongi não esperou que o tempo piorasse. Era melhor sair dali enquanto os ataques não tinham começado, então se despediu dos amigos e outros caçadores, indo para a campina congelada por detrás das árvores estreitas.

Do outro lado desta, o vampiro o esperava com um sorriso no rosto, seus olhos faiscando como na noite anterior, e estendeu sua mão para o Min.

— Fico feliz que tenha aceitado minha oferta, Min Yoongi, sempre soube que alguém tão corajoso como você não hesitaria por algo tão simples.

Yoongi aceitou e seguiu com ele para o alto de uma montanha. Era corajoso, sim, mas acima de tudo, estava sendo comandado pelos próprios desejos.

Sequer sabia que havia uma construção tão impecável no meio da neve, tão exposta, mas que ninguém ousaria chegar perto.

O quarto em que ficaria era enorme e poderia abrigar todos os caçadores de uma só vez.

Parecia irreal ir até lá por vontade própria, mas o toque gélido em sua mão grande tornava tudo o mais real possível.

A casa de Jimin era esplendorosa, ampla e inimaginavelmente rica.

— Como consegue ter tantas peças em ouro? — perguntou baixo, ainda sendo guiado pelo cômodo grandioso.

— Tantos anos matando reis e tomando tudo deles, não é muito difícil. — Olhou para o Min de esguelha. — Sinto que não aceitou minha proposta apenas para salvar Daegu. Reconheço um homem ambicioso quando vejo um.

— Você tem meu sangue, era o que queria, o que acha que posso querer além de paz?

O vampiro virou-se para ele, acariciando a face pálida enquanto lia seus olhos escuros como a noite.

— Meus anos nesta terra me fizeram entender muitas coisas, Yoongi. E algumas delas ficam bem mais claras quando se vive mais do que vários séculos. — Beijou os lábios finos sem perder o contato visual com o moreno. — Algumas coisas não são facilmente escondidas com desculpas e mentiras. Posso sentir seu sangue quente indo para lugares bem convidativos.

Jimin levou sua mão até o meio das pernas do Min e apertou ali, sentindo o membro semidesperto que fazia volume.

— Posso experimentar pela primeira vez? — sugeriu, colocando seu rosto na curva do pescoço do caçador.

— Espere — resmungou ofegante. — Como vou me certificar de que vai manter sua palavra e não vai me matar aqui e agora, terminando nosso trato e me traindo?

— Ah, querido… Não pretendo matá-lo — disse suavemente, esfregando os lábios grossos por sua pele exposta à medida que puxava sua camisa para baixo. — Quero fazê-lo ficar comigo pelo máximo de tempo que conseguir.

— E quanto aos outros? O que vai fazer com eles?

— Os famintos? Não existem mais. Agora somos só eu e você…

Yoongi sentia seu corpo ficar cada vez mais quente conforme o vampiro o tocava. Caminhou para trás, onde estava a cama, enquanto Jimin o levava até esta.

A necessidade pelo contato físico foi ficando cada vez mais óbvia assim que o Min foi deitado no colchão macio e quente. Suas mãos grandes também buscavam o corpo alheio com curiosidade.

Jimin soltou uma risadinha, beijando o pescoço do moreno, mas afastando-se em seguida.

Os olhos escuros e desejosos combinavam com a bagunça dos cabelos de mesma cor.

Os lábios vermelhos entreabertos tentavam o vampiro a mordê-los sem demora. No entanto, Jimin passou por eles a ponta da língua úmida, sentindo o sabor que vinha dali. Yoongi ansiava por tê-lo perto, para segurá-lo junto a ele e aproveitar o máximo que conseguisse.

— Parece que não fui apenas eu que consegui um bom acordo — apontou enquanto Yoongi tentava beijá-lo novamente. — Não é esse o tipo de beijo que eu queria dar a você.

— Não vou sair daqui tão cedo, talvez nunca saia. É melhor termos tudo o que poderíamos ter.

— Gosto do seu jeito, querido — disse, segurando o rosto de Yoongi para o lado. — Mas antes de dar o que você deseja, tomarei o que eu quero.

Yoongi fechou os olhos, relaxando entre os lençóis, a textura macia dos lábios do vampiro passava por seu ombro, indo para o pescoço, era o momento. E ele queria.

Jimin o mordeu, e ele imediatamente sentiu o torpor invadir seu corpo como um orgasmo, deixando-o relaxado e leve.

O vampiro sugava, e ele arfava baixinho, sentindo o corpo do outro pressionando o seu. Jimin parou logo depois, com seus olhos ainda mais brilhantes em vermelho vivo.

Um filete de sangue descia por seu lábio, indo para o queixo, enquanto observava a face bonita do caçador entre seus lençóis.

— Já tive o que eu queria, querido — concluiu, despertando o Min de seu momento de satisfação. — Agora darei o que quer.

~~~~


Notas finais:

Obrigada se chegou até aqui!

O que acharam do Jimin vampirão? Me deixem saber!!!

Obrigada por lerem mais uma história minha aqui no projeto e até a próxima 💜

~ ILY 💙

Twitter: MYGBADASS
Ccat: SugaPrincess

11 Janvier 2022 19:55:25 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
1
La fin

A propos de l’auteur

2Min Pjct Projeto de fanfics do shipp Yoonmin (Yoongi & Jimin) do grupo sul coreano BTS. Nos encontre também no Wattpad (https://www.wattpad.com/user/2MinPjct), Spirit (https://www.spiritfanfiction.com/perfil/suji05), ao3 (https://archiveofourown.org/users/2minpjct) e twitter.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~