Update now! We have a NEW Android app! Download it now in the Google Play Store. En savoir plus.
2minpjct 2Min Pjct

Park Jimin é um diplomata que luta pela paz entre vampiros e humanos, mas, desde que assumiu esse posto, tem sofrido com constantes ameaças dos nobres ou dos chamados sangues-puros. Porém, tudo muda quando seu relacionamento com Min Yoongi, o último herdeiro do trono e atual rei, vem a conhecimento público, causando uma revolta ainda maior por parte dos nobres.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Interdit aux moins de 18 ans.

#fantasia #bts #yoongi #jimin #yoonmin #jimintop #sugamin #minimini #suji #2min #minmin #2minpjct #Aashnni
1
956 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Promessas

Escrito por: Aashnni / Aashnni


Notas iniciais: Gostaria de agradecer a administração do projeto por ter tido paciência comigo, principalmente a @misstaeko/misstaeko que sofreu muito por conta dos meu bloqueio criativo e também pelo meu celular ter quebrado nesse meio tempo. Apenas a agradeço pela paciência e aos outros administradores por terem entendido a minha situação nesse meio tempo.


~~~~


Há alguns séculos, o mundo sofreu drásticas mudanças devido à guerra entre criaturas místicas, causada por conta dos vampiros que acreditavam na supremacia da própria espécie sobre todas as outras.

Eles iniciaram um intenso conflito contra o conselho de criaturas místicas ao quebrarem o acordo de paz estabelecido e o código de conduta para viverem às escondidas dos humanos, vivendo entre a humanidade como se fossem humanos e usando de feitiços e outros tipos de magia para se camuflarem com sucesso. O acordo havia sido selado há alguns milênios, escondendo o sobrenatural de toda a humanidade e fazendo com que acreditassem apenas na ciência ou na existência de algum Deus.

A guerra trouxe ao mundo um caos ao qual apenas os mais fortes e resilientes sobreviveram.

O conflito principal era entre vampiros e lobos, devido às desavenças entre essas duas espécies que vinha desde o início dos tempos — a regra mais importante do código de conduta quebrada pelos Pimeys (vampiros) foi como um álibi para Elpins (lobos) cometerem um genocídio contra aquela espécie e não serem punidos por seus crimes. Afinal, os Pimeys estavam numa desvantagem absurda, devido ao baixo número da população vampírica e eles estarem no temido estado de choque, por conta do baixo estoque de sangue e uma parte da população Helin ter fugido durante algumas batalhas.

Um dos fatores contribuintes para essa situação foi a falta de preparo da população vampírica, afinal, a grande maioria não tinha sequer habilidade de defesa e o que sabiam sobre magia era relacionado a feitiços de ocultação. Isso facilitou o trabalho dos Elpins e forçou os vesperianos, mais conhecidos como sangues-puros, a pedirem aos helinos morcegos ou transformados para conseguirem salvar o que restou da espécie.

Em um ato de desespero, viram-se obrigados a reconhecê-los como iguais, libertando-os da condição de escravos de sangue e os livrando da segregação a qual estavam condenados desde a transformação.

À medida que a guerra se expandia, os conflitos contra outras espécies também seguiam no mesmo ritmo. Chegou ao ponto que não eram apenas criaturas místicas contra outras criaturas místicas; o conflito se tornou intenso e exaustivo contra os humanos, ou os chamados Arius — a espécie traz consigo o infortúnio, a má sorte e a desgraça —, ocasionando na redução da população humana a menos da metade, o que restou tinha a função de servir de alimento para vampiros e demônios.

O mundo o qual conhecemos foi completamente destruído e reconstruído lentamente. A sociedade passou a ser dividida do mais forte ao mais fraco, como uma hierarquia — não que antes fosse diferente, afinal, tudo era dividido de acordo com a classe social e o total de zeros que tivesse na conta bancária.

Elpins, mais conhecidos como lobos, tornaram-se responsáveis pela proteção da raça humana e pela justiça entre espécies. Eles eram fisicamente mais fortes do que um humano, dependendo da classe do lobo, ele podia facilmente vencer um Pimey, ou vampiro, durante o combate. Além disso, eles têm entre si o senso de justiça e proteção aos mais fracos.

Por outro lado, Pimeys eram responsáveis pela liderança e proteção das criaturas místicas em risco de extinção e trabalham em conjunto com os lobos para manter a justiça entre todas as espécies. Fisicamente, eram mais fortes do que qualquer outra espécie, mas, assim como os lobos possuíam uma divisão, onde cada tipo de lobo possui uma classificação — ômegas, betas e alfas —, vampiros tinham um sistema parecido. Porém, cada tipo pertencia a um clã e eram divididos em dois: os transformados, que pertenciam ao Clã Helin; e os sangues-puros, que pertenciam ao Clã Vesper.

O clã Helin era conhecido por ser pacíficos e acreditar fortemente na diplomacia, pelo principal fator de terem sido transformados e, em algum dia de suas vidas, terem sentido e vivenciado emoções humanas. Eles eram chamados pelos vesperianos de morcegos ou helinos. Possuíam maior entendimento sobre a natureza humana e, por tal motivo, eram os únicos da espécie permitidos a ter contatos com humanos, pois, além do entendimento da natureza, conseguiam se controlar melhor perto deles. Geralmente eram altruístas e de uma natureza bondosa e pacífica, mesmo que algumas exceções acreditassem que algum dia poderiam alcançar o domínio sobre qualquer outra espécie.

Os helinos eram denominados morcegos por produzirem fluidos sanguíneos e poderem se camuflar facilmente entre os humanos, não precisando consumir sangue com a mesma frequência que os vesperianos. Foram criados com o intuito de servir como escravos de sangue para os vesperianos, afinal, não precisavam comer para produzir sangue, eram o alimento perfeito para aqueles que não gostavam de caçar.

Já o clã Vesper, era conhecido pela sua ganância e pensamento de superioridade sobre qualquer outra espécie; guiavam-se pelo instinto de caça e ganância. Eles possuíam pouco entendimento das emoções humanas e majoritariamente tinham um caráter questionável, devido à ideologia de supremacia e por terem uma força maior que qualquer outra espécie.

Eles eram chamados de sangues-puros por não terem passado por um processo de transformação, mas sim nascido com essa condição. Tal fator os tornavam nobres, porém estavam em desvantagem com qualquer outra espécie ou variação da mesma raça, por não conseguirem produzir fluídos sanguíneos se não consumissem sangue e, se passassem muito tempo sem comer, entravam em estado de choque.

Tal estado consistia no ressecamento do corpo de forma lenta, conforme o corpo ia consumindo o restante dos fluidos sanguíneos, deixando-os com a pele pálida e veias saltadas. A fraqueza e as fortes dores pelo corpo eram uns dos sinais mais dolorosos. Conforme os dias iriam se passando, a dor se tornaria cada vez mais intensa e seria inevitável não morrerem pela fome.

O contato com o Sol nesse período seria como um suicídio, afinal, precisavam de sangue para produzir a proteção corporal contra os raios e, caso entrassem em contato com a luz solar, iriam queimando lentamente como se estivessem em uma fogueira, num processo lento e doloroso até, enfim, morrerem.

Atualmente o rei, Min Yoongi, o último sucessor da linhagem ao trono Vesper, tentava arduamente alcançar a paz entre os clãs e acabar com a divisão dos sangues-puros e transformados, por estarem sofrendo ataques de outras criaturas que aproveitavam a baixa do estoque de sangue para atacar aqueles que estavam mais fracos.

Mas ambos os clãs tinham suas desavenças devido ao passado conturbado, e a cada tentativa de união recebia negações com justificativas plausíveis dos helinos e infundadas dos vesperianos — o último caso não passava de preconceito disfarçado de opinião. Céus, nunca odiou tanto o fato da sua família ter apoiado esse tipo de pensamento.

— Majestade? O solstício de inverno já está começando. Planeja ir ao festival? — questionou Jungkook, despertando Yoongi de seus pensamentos mais profundos.

— Sabe que odeio quando me chama de majestade ou de qualquer termo formal, por favor, pare! — repreendeu Yoongi, mas apenas escutou a risada debochada de Jungkook, fazendo-o suspirar em desaprovação. — Você pretende ir? — perguntou.

— Provavelmente sim, Hoseok vai estar lá e eu quero vê-lo… — confessou Jungkook com um sorriso tímido nos lábios, arrancando uma risada de Yoongi.

— Você não esqueceu aquele alfa mesmo, hm? Sabe que seu envolvimento com ele não é bem-visto pelos outros. Agora, respondendo a sua pergunta, provavelmente não, o festival do ano passado foi um fiasco por conta da minha presença, e eu acredito que seja melhor evitar conflitos por agora.

— Hare! Vamos, Yoongi. Vai ser legal e eu sei que gosta dos festivais de solstício, principalmente os de inverno! — Jungkook falou com entusiasmo, encarando Yoongi revirando os olhos mais uma vez.

Jeon Jungkook era uma das pessoas mais sábias e reservadas que Yoongi já conhecera em toda sua existência. Ele estava sempre aconselhando e dando o seu melhor em tudo o que se dispunha a fazer. Realmente não sabia como esse homem foi se tornar um dos seus melhores amigos, porém sempre reconheceu que, se não fosse a sabedoria de Jungkook como comandante do exército e seu conselheiro pessoal, não estaria apenas morto, mas sua espécie teria entrado em extinção.

— Isso não significa que eu esteja confortável em estar lá. Sabe muito bem que a maioria dos vampiros me odeiam. E eu não estou com paciência para lidar com os mesmos julgamentos nesse ano também — Yoongi respondeu, deixando claro o seu ressentimento e mágoa para com outros vampiros.

Sabia muito bem que não era bem-vindo nesses festivais e tudo piorava quando o tratamento da população era de total desprezo e desdém. Helinos o odiavam por saberem que todo o sofrimento de seus antepassados só ocorreu por conta da família Min e sua ideologia de superioridade, já os outros nobres carregavam uma espécie de desprezo e desdém por si porque Yoongi recusava a ideia de supremacia vesper sobre helinos. Afinal, reconheceu que, se não fosse por aqueles que julgavam como inferiores, estariam mortos há muito tempo.

— Se fosse o Jimin te convidando, tenho certeza que já estaria planejando qual traje usar — resmungou Jungkook, revirando os olhos em desgosto.

— Você tem razão, porém não posso me dar ao luxo de desfrutar da companhia de Jimin e nem mesmo de ir ao festival. Ultimamente tenho estado ocupado com alguns nobres se juntando para acabar com qualquer possibilidade de aliança entre nossa espécie e os humanos, e todos nós sabemos que o Jimin tem trabalhado duro para conseguir esse acordo.

“É como assinar a própria sentença de morte, se acabarmos com as possibilidades de sucesso. Estamos com baixo estoque de sangue e alguns de nós têm sofrido ataques de outras criaturas por conta de o estado de choque ter afetado uma boa parte da nossa população. Fora o fato de acreditarem que vão conseguir lutar com elpinos, qualquer pessoa com dois neurônios saberia que as chances de morte na primeira batalha são de 98%, seria no mínimo burrice iniciar uma guerra agora.”

Yoongi fez uma breve observação sobre a atual situação dos clãs, afinal de contas, não reinava apenas para os nobres, reinava para todos, e era sua obrigação garantir segurança e paz para todos os vampiros, independente de serem transformados ou não.

Passou a mão pelo rosto, que agora se encontrava vermelho, devido ao sentimento de raiva apenas por se lembrar da insolência dos outros nobres.

— Sabemos que isso seria facilmente resolvido se você me permitisse matá-los de uma vez — sugeriu Jungkook, sorrindo cúmplice para Yoongi.

— Sabe que ainda tenho o dever de protegê-los, não? É tentadora a sua proposta, mas ainda devo honrar o meu título como rei e último herdeiro da família Min — Yoongi recordou-o, dando uma risada baixa e sendo acompanhado por Jungkook.

— Você é tão difícil de lidar, mas entendo a sua preocupação. Sei que prometeu à sua mãe que cuidaria do reino e que seria um bom rei, porém devia deixar de se cobrar tanto. — Jungkook fez uma breve pausa, aproximando-se dele e mantendo seu olhar fixo em Yoongi.

— Acredito que você deveria escutar os próprios conselhos, Jungkook — Yoongi rebateu, arrancando um suspiro irritado de Jungkook.

— Você é tão difícil, Yoongi! — Jungkook suspirou cansado por conta da teimosia do amigo.

— E você é um hipócrita! No final, estamos no mesmo nível. — Yoongi riu baixinho, observando Jungkook estalar a língua no céu da boca em sinal de desistência.

— Não vou manter essa conversa com você, no final você vai ganhar de qualquer maneira — Jungkook pôs um fim naquela possível discussão, fazendo Yoongi dar de ombros. Ele também não estava afim de continuar com aquilo.

— Só queria te ver irritado, mas eu tenho um compromisso importante agora, e, para sua infelicidade, não vai poder apreciar a minha agradável companhia neste fim de tarde — debochou Yoongi com aquele mesmo sorriso vitorioso nos lábios.

— Se vai transar, pelo menos use camisinha. Não é porque é imortal que está livre de alguma IST — advertiu Jungkook, arrancando um riso sincero de Yoongi.

— De qualquer forma, eu preciso ir — avisou Yoongi, logo se retirando do escritório e deixando Jungkook para trás.

Enquanto caminhava em direção à ponte que servia como fronteira entre os castelos, sentia a brusca queda da temperatura, porém não era algo que o incomodava, sempre gostou de temperaturas mais baixas devido à sua baixa tolerância à luz solar. Talvez esse fosse um dos principais motivos do inverno ser a sua estação do ano favorita.

Recordava-se de poucas lembranças felizes de sua infância, e todas elas envolviam sua falecida mãe. A que mais gostava de lembrar era de quando estava nos primeiros treinos de caça, defesa e ataque com sua mãe.


"— Yoongi, não deve baixar a sua guarda jamais. O seu adversário nem sempre vai ter o mesmo senso de ética que você. — Escutava atentamente cada orientação da sua mãe.

— Mas não seria covardia atacar alguém que mal consegue se manter em pé? — ele questionou, encarando sua mãe, esta que mantinha um sorriso orgulhoso em seus lábios tingidos de vermelho.

— Em uma batalha, não existe ética ou princípios. Apenas anseio pela vitória, então não espere que tenham princípios ou ética durante um conflito — explicou de maneira calma, mantendo o mesmo sorriso acolhedor em seu rosto."


E sua mãe tinha razão, afinal, ela morrera durante uma batalha onde estava completamente encurralada e não tinha chance alguma de vencer, mas, mesmo assim, fizeram questão de fazê-la sofrer até o último segundo de sua vida.

Yoongi se culpava porque não conseguira sair do local onde estava escondido. Ele estava paralisado pelo medo, e umas das últimas memórias que teve de sua mãe foram a cena em que cravaram a estaca em seu peito e o som das risadas enquanto aqueles homens saíam do quarto.

Ainda tinha conseguido se arrastar do esconderijo onde sua mãe havia o deixado e havia se aproximado do corpo da mulher, colocando-a em seu colo. Nem percebera quando suas lágrimas começaram a cair.


"Foi algo súbito quando sua mãe abriu os olhos e o encarou com o mesmo sorriso acolhedor de todas as outras vezes em que sentiu medo ou receio de alguma coisa.

— Você não deve se culpar… Não foi culpa sua… Você é só um menino! — fez uma breve pausa enquanto o encarava nos olhos, sentindo a dor diminuir conforme perdia o restante de suas forças. — Eu só quero que me prometa que vai ser um bom rei para o nosso povo e que não vai carregar ressentimento dos humanos…

— Mãe… Apenas me prometa que vai ficar comigo... — pediu, sentindo as grossas lágrimas rolando pelo próprio rosto, e logo a mão de sua mãe estava ali, acariciando sua bochecha em uma tentativa de acalmá-lo.

— Eu não posso prometer algo que eu não vou cumprir. Apenas me prometa que vai ser um bom rei e que não vai guardar ressentimentos dessa espécie… apenas me prometa — pediu a mulher em tom de súplica.

— Eu prometo! — afirmou Yoongi, chorando ainda mais e escutando os batimentos de sua mãe cada vez mais lentos.

Havia prometido, porém não conseguia tirar de seu peito a sede de vingança e a vontade de dizimar tal espécie."


Agora se apoiava no parapeito da ponte que servia como uma fronteira para os castelos dos clãs, enquanto observava o céu estrelado e a lua junto a sua mãe. Sentia muito a falta de sua mãe, mas tudo o que podia fazer era se lembrar dos momentos felizes que tiveram juntos e da promessa que fez e deveria cumprir a qualquer custo.

— Yoongi? — O chamado de Jimin o fez despertar de seus pensamentos. Ele apenas sorriu encarando o homem à sua frente.

— Jimin… Se eu fosse mortal, eu teria morrido pelo susto que me deu — afirmou Yoongi, rindo junto a Jimin.

— Felizmente você não é um ser mortal, então não seja tão dramático. — Jimin riu, aproximando-se do homem e o abraçando por trás. Apoiou o queixo no ombro de Yoongi, observando o céu estrelado.

— Você me traz uma sensação de conforto que eu só tive quando eu era criança — confessou Yoongi, sentindo o cafuné de Jimin em seus cabelos.

— Não fala assim… me deixa com vergonha — revelou Jimin, escutando a risada de Yoongi e logo entrelaçando suas mãos junto com as do outro.

— Consegui deixar Park Jimin envergonhado? Acredito que mereço um prêmio por isso, não? — brincou Yoongi e virou o seu rosto em direção a Jimin.

— Sim, você merece — concordou Jimin, virando-o de frente para si.

Aproximou-se lentamente de Yoongi, selando seus lábios em um beijo calmo e lento, tentando matar toda a saudades que sentia dele com esse ósculo. Nenhum dos dois tentava ter o controle da situação, apenas queriam aproveitar um dos poucos momentos que tinham a sós.

Jimin sentiu a mão de Yoongi adentrar seu casaco e ele depositar alguns selares em seu pescoço, logo o encarando com o mesmo sorriso de felicidade de todas as vezes em que se beijavam.

— Eu estaria sendo meloso se eu falasse que eu amo você? — perguntou Yoongi ainda sorrindo.

— Não, não estaria! — afirmou Jimin de forma afobada, encarando-o nos olhos e voltando a sorrir. — Eu gosto de quando você demonstra afeto e gosto ainda mais quando você diz que me ama.

Era a mais pura verdade, Jimin adorava quando Yoongi demonstrava afeto e adorava ainda mais quando o rei dizia que o amava.

— Eu te amo, Jimin! — Yoongi confessou com o mesmo sorriso de antes. Sabia o quanto aquilo significava para Jimin e também para si.

Jurou a si mesmo que faria de tudo para ver seu amado bem e feliz, mesmo que lhe custasse sua vida.

— Eu também te amo, Yoongi! — o vampiro mais novo afirmou, fazendo um beijo de esquimó com o vesperiano, que riu devido às cócegas que sentia na ponta do nariz.

— Eu quero saber se você aceita ir ao festival de solstício comigo… — perguntou Jimin de forma rápida demais pelo nervosismo, e Yoongi apenas riu baixinho.

— Pode repetir? Fala um pouco mais devagar, amor? — pediu o outro, encarando-o nos olhos. Não havia entendido nada do que ele tinha falado.

— Você aceita ser o meu acompanhante no festival de comemoração ao solstício de inverno? — perguntou Jimin com a voz mais calma e encarando o homem no fundo dos olhos.

— Você sabe que eu não sou bem-vindo nesses festivais e eu não quero estragar a comemoração como aconteceu ano passado. Eu seria uma péssima companhia pra você! — afirmou Yoongi, encarando-o no fundo dos olhos, com um misto de felicidade e medo tomando o seu coração.

Felicidade porque nunca pensou que Jimin um dia iria querer assumir o relacionamento para o público, e o medo por ter receio de Jimin sofrer rejeição do próprio clã e também das armações do clã Vesper se concretizarem contra o seu amado. Não se perdoaria caso não conseguisse proteger Jimin do próprio clã.

— Você mais que ninguém deveria saber que eu não ligo se vão ou não me rejeitar por estar envolvido com você… Yoongi, eu não quero mais manter nossa relação em segredo, e muito menos ver você sofrendo com esse tipo de sentimento, sendo que o nosso povo não sabe nem mesmo da metade do seu esforço para mantê-los em segurança.

Ainda sentia muito medo, mas não por medo do preconceito que poderiam sofrer por serem dois homens em um relacionamento — felizmente, com o passar dos séculos, aquele tipo de pensamento havia evoluído. As pessoas estavam ocupadas demais cuidando de suas próprias vidas e pouco se importando se haviam ou não pessoas LGBT+ em sociedade.

Seu medo vinha por conta do plano de outros nobres. Caso descobrissem seu romance com Jimin, isso o colocaria em risco e não suportaria perder outra pessoa que amava.

— Assim como você, eu quero assumir a nossa relação, porém eu não quero colocar a sua vida em risco e não vou poder te proteger 24 horas por dia das chances de ataque dos outros nobres. Eles já te odeiam, vão odiar você mais ainda se souberem da nossa relação — advertiu Yoongi.

— Porra, Yoongi! Eu não quero a sua proteção e eu não quero que você me proteja do seu clã. Eles vão ter que me engolir querendo ou não, só estão vivos por conta do nosso esforço, e se continuarem com essa merda de tentarem estragar o acordo dos clãs com os humanos, vão acabar morrendo de fome ou sendo atacados por outras criaturas — o vampiro transformado disparou com ódio, logo se soltando do corpo do outro.

Céus, como odiava a forma como Yoongi o tratava como uma criança. Ele sabia muito bem dos riscos caso seu relacionamento fosse revelado ao público e o que poderia trazer para ambos. Sabia também do plano dos outros nobres, mas, ainda assim, dispensava toda aquela preocupação que Yoongi tinha consigo.

— Olha… Eu acho melhor pararmos por aqui hoje. Às vezes parece que você só quer manter nossa relação em segredo para ninguém nunca descobrir. Quando você quiser me levar a sério, me procure! — pediu Jimin, afastando-se de si.

— Jimin… Não é questão de eu querer ou não assumir o nosso relacionamento. Eu não suportaria perder você por causa disso. Céus… Se você soubesse o quanto eu quero poder andar de mãos dadas contigo pelo reino e te beijar em público, levar você para o meu castelo e dormir com você… não falaria isso. Eu amo tanto você, por favor, não pense que é porque eu não quero. Eu só não quero te colocar em mais risco ainda! — Yoongi desabafou em tom de súplica.

De qualquer forma, já era tarde demais, Jimin nem mesmo estava mais em sua forma humana. Ele já havia se transformado em um morcego, e Yoongi apenas podia observá-lo voar em direção ao castelo Helin, suspirando de forma cansada. Sabia que Jimin estava certo, porém não queria colocá-lo em perigo.

[...]

Fazia algumas semanas que não via Jimin devido a briga que tiveram e aquilo estava o matando por dentro, afinal, a culpa daquela discussão havia sido exclusivamente sua. Então, escreveu uma carta e comprou um buquê com tulipas vermelhas, pedindo para ser entregue a Jimin, todavia, não esperava que ele fosse perdoá-lo com tão pouco. Ele era orgulhoso, e ambos sabiam que o perdão de Jimin valia bem mais que uma carta e um buquê de flores, mesmo que fossem suas flores favoritas.

— O que você fez pro Jimin? — Escutou a voz de Hoseok atrás de si e apenas suspirou fundo, mantendo seu foco nos papéis em suas mãos.

Adorava a companhia do alfa, mas odiava o cheiro que denunciava a sua presença. Mesmo que fosse algo característico dos Elpins, ainda era um cheiro desagradável para Yoongi e lhe causava náuseas. Contudo, apenas se virou de frente para o homem e o encarou nos olhos.

— A pergunta deveria ser o que eu não fiz — o vampiro o corrigiu e escutou a risada bem-humorada de Hoseok.

— Então me diz, o que você deixou de fazer para deixar o Jimin daquele jeito, hm? — Hoseok voltou a questioná-lo.

Yoongi suspirou de forma cansada, passando a mão pelos cabelos — mania adquirida por culpa de Jimin. Eles passavam tanto tempo juntos que acabaram pegando manias um do outro, desde passar a mão nos cabelos quando estavam em situação de estresse a roerem as unhas quando estavam ansiosos com alguma coisa.

— Eu não assumi o nosso relacionamento ainda… Não é porque eu planejo ficar com outra pessoa, nada disso. Eu amo apenas o Jimin, e ele é a única pessoa com quem eu me imagino no futuro, mas eu estou com medo dos outros nobres. Atualmente eles têm feito reuniões sem a minha presença, e é desesperador saber que qualquer deslize meu pode ocasionar a morte do único homem que eu amo — desabafou o rei, querendo chorar mais uma vez naquele dia.

— Yoongi… Não devia se preocupar tanto com isso, o Jimin sabe o seu receio e os motivos do porquê de não ter o assumido antes. Ele tinha aceitado porque sabia que não iria conseguir se proteger sozinho. Eu acredito que, se ele quer dar esse passo no relacionamento de vocês, é porque ele se sente seguro o suficiente e sabe que vai conseguir se defender sozinho. O Jimin não é uma criança e nem mesmo o seu filho pra você tratá-lo desse jeito.

Escutou Hoseok falar e apenas suspirou, concordando com ele e pensando se deveria ou não seguir o conselho de Hoseok. Conversaria com Jungkook e pensaria se estava sendo extremo demais ou se deveria apenas chutar o balde e assumir sua relação com Jimin.

— E escuta o Jimin um pouco mais, a base de um bom relacionamento é o diálogo. Vocês se amam demais para esse namoro terminar por algo mínimo — aconselhou Hoseok, levantando-se e indo em direção a saída do escritório onde Yoongi estava.

— Hoseok!? — Yoongi o chamou, tendo a atenção do alfa voltada para si mais uma vez. — Presta mais atenção no Jungkook, ele quer te falar algumas coisas, mas não consegue, e siga os seus próprios conselhos.

— Eu sei, Yoongi! — Hoseok concordou, sorrindo de forma cúmplice para Yoongi, logo saindo do local em que estava.

— Jimin, você é um grande filho da puta, mas eu não faço ideia de como seria a minha vida se eu não tivesse te transformado naquela invasão.


25 Novembre 2021 04:12:51 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
Lire le chapitre suivant Solstício de Inverno

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 1 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!