2minpjct 2Min Pjct

Uma hora antes de começar o primeiro show da Speak Yourself Tour em São Paulo, Yoongi revela a Jimin os seus verdadeiros sentimentos por ele. Jimin, já abalado por conta de sua saúde que não estava das melhores durante aquela semana, não consegue conter as lágrimas durante a música "The Truth Untold". Por conta de tudo que estava acontecendo, Jimin não conseguiu contar ao outro que seus sentimentos eram recíprocos, fazendo com que Yoongi achasse que Jimin o rejeitou, ao simplesmente sair correndo de si. Contudo, após o show terminar e todos os membros seguirem para o hotel, Jimin ouve que Yoongi ficou para trás e vai atrás do mais velho para dizer o que realmente sentia por ele, fazendo com que ambos, após anos reprimindo seus sentimentos, finalmente conseguissem falar abertamente um para o outro tudo o que nunca tiveram coragem de dizer.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Déconseillé aux moins de 13 ans.

#yoonmin #yoongi #universo-real #The-Truth-Untold #The-Truth-Told #suji #sugamin #Speak-Yourself-Tour #show #minmin #minimini #jimin #fluffy #amor-antigo #2minpjct #2min
3
503 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Capítulo único

Escrito por: mimi2320ls /@bebeh1320alsey


Notas iniciais: Oi gente, estou voltando mais cedo do que eu imaginei escrevendo para o projeto. Mas eu fiz essa one, e como pesquisei muito para fazer tinha que postá-la. Eu não fui no show da Speak Yourself Tour em São Paulo, mas gostaria muito de ter ido e o meu lado Yoonmina fanficou que o motivo do Jimin ter chorado naquele show foi outro além do fato dele estar doente. Assim nasceu The Truth Told, espero que vcs se identifiquem com o Ji e o Yoon da estória, é tbm para quem foi ao show, relembre um pouco daquele dia que deve ter sido mágico e emocionante para quem estava lá.

Um agradecimento mais do que especial para a Bru @formynamjoonie/ @formynamjoonie que betou lindamente a one e para a Drika @gguukmong /@gguukmong que foi fez as capas e o design, mesmo passando por momentos difíceis. Vcs são demais, muito obrigada pelo trabalho incrível. No mais, boa leitura, meus amores. ♡♡♡


~~


**

"O amor antigo vive de si mesmo, não de cultivo alheio ou de presença. Nada exige nem pede. Nada espera, mas do destino vão nega a sentença. O amor antigo tem raízes fundas, feitas de sofrimento e de beleza…"

Carlos Drummond de Andrade


Jimin estava nervoso dentro do camarim no backstage do palco no Allianz Parque, em São Paulo. Ele ficou a semana toda doente e não tinha certeza se conseguiria fazer uma apresentação digna daquele público que desde sempre os amava tanto.

O performer havia prometido a si mesmo que daria o melhor de sua dança, canto e alma. Ele amava tanto estar em cima do palco, e se recusava a ficar doente justo quando faria um show para o qual estava tão ansioso. Então, respirando fundo, foi contando até dez mentalmente, enquanto fazia inalação para ajudar em sua respiração que estava chiando, além de, é claro, hidratar suas cordas vocais.

Enquanto isso, do outro lado do local, Min Yoongi também estava se sentindo extremamente nervoso, mas por outros motivos. Depois de longos anos, havia decidido se declarar ao seu mais que colossal amor platônico: Park Jimin. Quer dizer, estava tentando criar coragem para falar para ele que todas as implicâncias, briguinhas bobas e competições idiotas, eram sua forma de demonstrar o quanto amava o baixinho.

O acinzentado não sabia quando aquele sentimento havia começado, se era pelo fato do mais novo o fazer dar risada até suas bochechas e barriga doerem por conta do esforço, ou porque o Park sempre se preocupava em saber se tinha se alimentado. Poderia ser pelo fato do mais novo ficar ao seu lado sem dizer nada, apenas para o fazer companhia enquanto trabalhava no estúdio, ou porque sempre incluía Yoongi em seus planos.

Entretanto, durante muito tempo, ambos se enganaram em relação ao que achavam que o outro sentia. Jimin, no início do grupo, acreditava que o mais velho não gostasse de si, justamente por causa de todas as implicâncias que os dois sempre tinham; por outro lado, o Min achava que era o Park quem implicava consigo, pois se irritava com a forma irônica e ácida que o mais alto sempre o respondia.

Por tantas chateações, Jimin se sentia muito estranho, confuso e, até mesmo, de certa forma chateado, sempre que estava perto do outro. Assim como o mais velho, ele também não entendia como tinha passado a gostar e a enxergar com outros olhos o rapper — quer dizer, ele não sabia como —, porque, quando se deu conta do que estava sentindo, as borboletas em seu estômago faziam festa só de estar perto, olhar e receber a atenção do acinzentado.

Ambos não perceberam, mas, conforme o tempo foi passando, mudaram o jeito como se tratavam. Taehyung sendo o soulmate que era, já tinha notado que seu melhor amigo se comportava de modo diferente quando Yoongi estava no mesmo ambiente, do mesmo modo que Hoseok, que conhecia muito bem o rapper, percebeu que o Min se importava muito com tudo o que Jimin dizia, mas, principalmente, fazia.

Eles mudaram tanto por causa do que sentiam, que o castanho já não ligava mais dele e o mais alto terem altas discussõezinhas por causa da competitividade nos Run's BTS; achava graça das farpas que trocavam e sempre fazia questão de tocar Yoongi de alguma forma quando estavam lado a lado. O mais alto, por sua vez, passou a elogiar a voz e a presença de palco do outro, já que sabia como Jimin era inseguro e precisava de apoio sempre que iria se apresentar. O rapper também fazia questão de entregar os prêmios que recebiam que, conforme os anos foram passando, aumentaram a quantidade, para o mais baixo segurar durante as premiações e discursos.

Eles faziam um ao outro se sentirem especiais com essas atitudes. O castanho já tinha pensado em contar para o mais velho como se sentia, porém ficou com medo de estragar a amizade que lutou tanto para cultivar com o Min. Assim como o acinzentado que andava de um lado para o outro na área de alimentação, pensando se o que estava prestes a fazer não afastaria o mais baixo de si, ou até pior: arruinaria a amizade dos dois.

Cansado de ficar se perguntando o que aconteceria, o mais alto finalmente se decidiu e foi em direção à área onde o Park estava, tentando organizar os pensamentos e montar o discurso que faria para o outro. Chegando à sala, seu coração apertou ao notar como o mais novo estava tossindo fortemente e com o nariz e as bochechas vermelhas. Jimin já tinha uma aparência frágil, contudo, quando estava doente, essa imagem triplicava, deixando-o menor e mais vulnerável do que já era naturalmente.

Quando o baixinho viu seu hyung favorito parado na porta com uma forte cara de preocupação, tentou forçar um sorriso para tranquilizar o mais velho, porém suas intenções falharam já que, enquanto esticava os lábios para sorrir, começou a tossir novamente. Yoongi se aproximou da mesa que ficava em frente ao mais novo e pegou uma garrafinha de água para entregar ao outro, que tinha parado de tossir e estava de olhos fechados tentando regular a respiração.

O Min estava quase indo embora para deixar o castanho em paz, contudo, quando se virou para deixar a sala, o Park segurou seu pulso, olhando-o com os olhos caídos iguais ao de um filhote de cachorro pedindo por carinho. E quem era Min Yoongi para não fazer alguma vontade de Park Jimin? Ele não era absolutamente ninguém, por isso, ficou aguardando pacientemente o performer tomar a água na garrafinha, enquanto observava seu rosto.

O acinzentado amava tudo no outro, desde o dentinho levemente torto que o baixinho tinha, até as pequenas marquinhas que ele tinha na bochecha que eram vistas apenas quando o mais novo estava sem maquiagem. Ele sabia que não conseguiria mais fingir que não suspirava pelos cantos pensando nos olhos que se tornavam duas meias-luas quando o baixinho sorria, nos lábios carnudos e vermelhinhos que ficavam ainda mais chamativos por causa do lip balm que o castanho insistia em passar nos lábios, e na bundinha — que o rapper considerava um bundão — redondinha e saliente que ficava em evidência por causa das calças apertadas e coladas ao corpo que Jimin adorava usar.

Pensando nisso, o acinzentado começou a falar: — Eu estou preocupado com você, Jiminie. Tem certeza que está bem o suficiente para se apresentar hoje?

— Você, preocupado comigo, hyung? Olha, se eu não tivesse com o peito chiando, tenho certeza que gargalharia agora. Não precisa se preocupar comigo, não, bobinho. Eu estou bem para me apresentar hoje, não vou perder esse show por nada nesse mundo, ainda mais por causa de um resfriado.

— Como assim, eu, preocupado com você? É lógico que eu me preocupo com você, pabo. Você tem que deixar de ser tão teimoso, sabia?! O seu corpo está dizendo para você dar uma desacelerada, e você faz o quê? Isso mesmo, o contrário do que ele está clamando. Quando vai aprender, pestinha? — o mais velho perguntou, ficando bravo pelo descaso com o próprio corpo que o mais baixo tinha.

— Eu não sou tão teimoso assim, hyung. Eu só não quero perder esse show, okay?! Eu estava tão ansioso para ele, nós viemos poucas vezes aqui e quero aproveitar o máximo possível. Não posso deixar o meu próprio corpo me atrapalhar nisso. E você só veio aqui para ficar brigando comigo? Você é tão mau comigo, Yoon, estou sempre te dando amor e carinho, e é assim que você me retribui? — O castanho fingiu uma careta brava, e se o Min não o conhecesse muito bem, cairia naquela conversa, porém ele o conhecia e, por esse motivo, se aproximou do outro, se abaixou e, encarando os olhos dele de perto, deu um peteleco em sua testa.

— Quem não te conhece, que te compre, Jiminie. Eu sei muito bem o que você está fazendo, mocinho. Eu não estou sendo mau, coisíssima nenhuma. Estou apenas cuidando de você e do seu bem-estar, já que você mesmo não faz isso, seu irresponsável. Mas eu não vim aqui apenas para isso, não. Eu preciso te falar uma coisa muito séria e que talvez acabe com a nossa amizade, mas que eu não posso mais esconder de você e guardar apenas para mim mesmo. — Yoongi, que já tinha se levantado, encarou os olhos do Park com apreensão, deixando o castanho assustado.

— O que foi, Yoon? Tem que ser muito sério para você achar que nossa amizade vai acabar.

— Sabe, ensaiei na minha cabeça o que falaria quando chegasse esse momento. Eu fiquei imaginando como você reagiria, mas nada realmente me preparou para isso. Achei que perceberia pelas letras das músicas que eu escrevo, ou pelo fato do meu olhar estar sempre dirigido a você. Mas você não percebeu...

— O que você está tentando me dizer, Yoongi-hyung? — Jimin interrompeu o mais velho, com a voz aguda e os batimentos cardíacos acelerados.

— O que eu estou tentando te dizer, Park Jimin, é que todas as letras que eu escrevo são para você. Que os meus suspiros estupidamente apaixonados, os meus pensamentos e o meu coração pertencem a você, somente a você. Estou cansado de fingir que a minha preocupação é apenas porque você faz parte do grupo. Não posso mais engolir esse sentimento para mim, Jiminie. O que quero dizer, há um tempão, é que eu amo você.

O mais novo ficou chocado, arregalou os olhos e tentou processar a confissão do Min. Quando estava quase conseguindo pronunciar algo, uma das maquiadoras entrou no local onde os dois estavam, e o castanho saiu correndo, deixando um Yoongi quebrado e desolado para trás, achando que seu amor não havia tido coragem o suficiente para rejeitá-lo com palavras e que, por isso, tinha corrido de si.

A maquiadora ficou sem entender nada, e o acinzentado apenas balançou a cabeça, negando e dizendo que o outro precisava de um tempo. Enquanto isso, o Park tinha se trancado em um banheiro perto da área voltada para a alimentação dos idols. Ele estava chorando, e não sabia se era por conta do que Yoongi tinha dito, ou se era pelo fato de ser um covarde nato e não conseguir externar o que pensava.

Dentro do cubículo onde se encontrava, conseguia escutar, mesmo que de modo abafado, a movimentação de pessoas e equipamentos do lado de fora, fazendo com que se lembrasse que ainda tinha um show para fazer e que precisaria encarar o cara que gostava e que tinha se declarado para si. Não sabia por que tinha corrido do mais velho; em sua cabeça, tudo estava tão confuso. Quer dizer, até poucos minutos atrás ele e o mais alto eram amigos que se amavam, mas não de um jeito romântico.

Não entrava em sua cabeça que o outro o amava, ele não achava que era tão sortudo ao ponto de ter seu amor correspondido. Mas, Jimin o amava tanto que às vezes chegava a doer em seu peito, fazendo com que chorasse ainda mais ao lembrar que correu do rapper, deixando-o para trás sem explicação alguma e sem dizer o que realmente queria.

Ele ficou tanto tempo se questionando sobre as próprias atitudes, que levou um baita susto com a voz de Taehyung chamando por si.

Hyung, você está aí?

— Oi, Tae, estou sim — o mais baixo respondeu fungando, tentando fazer com que a voz não saísse tão quebrada quanto seus pensamentos.

— Você pode abrir a porta, por favor? O pessoal 'tá te procurando feito doido por todo lado. Aconteceu alguma coisa?

— Falta quanto tempo para o show começar?

— Hm, boa pergunta. Não tenho certeza, mas acho que daqui a, mais ou menos, dez minutos. Você precisa ir se arrumar, ou alguém vai vir até aqui e derrubar essa porta. — O Kim encostou na parede ao lado do cubículo onde o mais velho se encontrava, esperando-o sair, e indagou: — Não vai mesmo me contar o que aconteceu?

O Park abriu a porta e ficou com vergonha de encarar o melhor amigo nos olhos, por isso, apenas balançou a cabeça em negação e disse: — Acho que fiz a maior burrada da minha vida.

O moreno franziu o cenho com a declaração, e questionou novamente o mais baixo: — Como assim, o que você fez, hyung?

— O Yoon se declarou para mim, Tae. E eu fugi dele, sem olhar para trás. Sem dizer que eu o amava de volta. Não sei o que deu em mim, mas entrei em pânico quando ele disse com todas as letras que todas as músicas que faz são para mim, e que ele não aguentava mais esconder que me ama.

— Meu Deus, Minie. Eu te disse que ele também gostava de você, não disse? Eu só não sabia que, quando ele finalmente dissesse isso, você fugiria.

O mais velho encolhe os ombros, limpa o nariz e funga alto, pensando na afirmação do mais alto. O Kim, com pena do outro, o aconselha: — Você sabe que precisa falar com ele, não sabe? — O Park anui com a cabeça. — Então, espera o show terminar, e vai atrás dele. Eu conheço o Yoongi-hyung, tenho certeza que ele vai parar para te ouvir. Agora, levanta dessa privada, passa uma água nesse rosto e vai fazer a sua maquiagem, porque ainda temos um enorme espetáculo para fazer.

Os dois seguem lado a lado em direção à sala onde ocorriam as maquiagens para Jimin terminar de se aprontar e subir ao palco.

Dentro do ambiente, já conseguiam escutar a vibração, os gritos e a euforia da plateia. Pensando nisso, o castanho engole o choro, deixa o maquiarem e coloca um sorriso no rosto. Era um grande dia e não iria estragá-lo por causa das burradas que fazia por sua insegurança.

Ele respira fundo e ativa o modo Jimin: o performer sexy, carismático e muito confiante que era em cima do palco. Ele tinha um show para fazer e daria tudo de si, mesmo que sua mente estivesse em pane e seu coração em frangalhos.

Quando todos ficam prontos, o staff chama os sete para fazerem uma roda e desejar que o show seja realizado impecavelmente, que todos se divirtam e, principalmente, aproveitem. Jimin tenta não olhar para Yoongi, contudo, não consegue parar de encará-lo, mesmo que o outro não esteja se dirigindo a si, nenhuma vez se quer. Todos gritam um alto e forte "BTS", quase como se fosse um rugido; um grito de guerra. O espetáculo iria começar, e o grupo não poderia estar mais ansioso; todos os idols se abraçam, inclusive o Park e o Min, para não ficar estranho, e mesmo que o mais baixo quisesse prolongar o contato, o acinzentado quase não encosta em si e se afasta rapidamente.

O espetáculo finalmente se inicia com um vídeo de introdução de "Dionysus", enquanto eles se preparam para, de fato, subir ao palco e apresentar a música em questão. Depois dela, vem "Not Today", e todos estão tão animados por conta do público, que tanto Jimin, quanto Yoongi conseguem não pensar no que tinha acontecido antes do início do show.

Chega, então, a hora de "Outro: Wings", que é uma versão estendida e uma das canções onde o grupo apenas aproveita a energia das armys, pulando para todos os lados e se divertindo com as próprias músicas. Assim, se encerra o "Ato I" do show, com o Park e o Min se esforçando ao máximo para não deixar suas emoções interferirem na qualidade da apresentação e torcendo para que seus fãs não notem que estão sofrendo.

Os meninos descem para os camarins para se trocar, tomar um pouco de água e secar o suor, pois o "Ato II" tinha se iniciado com um vídeo interlúdio focado em J-Hope e Jungkook, com o main dancer subindo rapidamente ao palco para o solo de "Trivia: Just Dance", ficando os outros seis para assistir a performance incrível de Hoseok. O dançarino realmente cativava a todos com o seu gingado; o acinzentado até se sentiu um pouco culpado por não prestar tanta atenção no solo, mas infelizmente ele não conseguia tirar os olhos de seu amor, que, mesmo tendo fugido de si, ainda continuava o homem mais bonito daquele lugar.

Quando o solo de Hoseok acabou, ele desceu rapidamente, sendo recebido por gritos, assobios e aplausos pelo grupo e pela equipe de trabalho que atuava com os sete. Jungkook já tinha subido para a performance de "Euphoria", e o castanho se questionava se tentava se aproximar do mais velho e falar com ele sobre a declaração. Porém, perdia a coragem ao ver a rap line conversando animadamente sobre o show e as expectativas que ele estava batendo, então apenas bufava em descontentamento e tentava não deixar transparecer para os outros que estava tão chateado. Quer dizer, ele realmente estava tentando.

Por outro lado, Taehyung não tinha deixado a cena do banheiro de lado. Ele ficou observando seu hyung durante um tempo e, não aguentando ver o mais velho tão perturbado, puxa o castanho para um canto mais afastado e inquire: — Você tem certeza que está bem para fazer o show?

Quando Jimin iria responder, a equipe que cuidava do palco os avisou que era hora de apresentar “Best of me” e encerrar o “Ato II”. O moreno olha para seu melhor amigo como se dissesse “Essa conversa não acabou.”, e os sete sobem ao palco para continuar a apresentação.

O Park suspira após o término da música e a volta para o backstage. Estava lidando com tanta coisa, gostaria que tudo fosse menos complicado, dentro e fora da sua cabeça agitada.

Tinha que se preparar, pois teria que performar logo mais e não poderia deixar seu cérebro o autossabotar em um dos espetáculos mais importantes do ano para o BTS; para si próprio. No meio de toda essa bagunça que eram seus devaneios, o “Ato III” se inicia com um vídeo interlúdio focado em Namjoon e o no próprio lead dancer. Ele estava tão nervoso com o seu solo para "Serendipity", pois seria o primeiro a se apresentar em seu bloco, e faria isso sozinho.

Entretanto, quando a hora chega, o castanho se deixa levar pelo coral arrepiante de vozes que transmitiam tanto amor e carinho e executa seu solo perfeitamente, quase como uma pluma que de tão leve, flutua pelo ar. Ele encerra sua performance arrepiado da cabeça aos pés e com um sorriso enorme de genuína e grata felicidade, por ter um público tão fervoroso e apaixonado por si e pelo grupo.

Enquanto desce, Namjoon já está se preparando para voltar ao palco para a sua apresentação de "Trivia: Love" e, por esse fato, nem consegue cumprimentá-lo. O baixinho corre para trocar de figurino e percebe que o acinzentado está olhando para si, virando o rosto para encará-lo de volta, porém, ao ver que o mais novo havia notado que estava o observando, o rapper desvia o olhar rapidamente. O Park suspira audivelmente e segue com a figurinista para o local onde haveria a troca de roupa.

Quando volta para a área de descanso, todos estão esperando o líder do grupo chegar para poderem retornar ao palco e performar “Boy With Luv”.

Namjoon chega, muda sua roupa rapidamente enquanto tenta tomar um copo de água e logo os sete estão de volta ao palco, para a parte mais longa do show. As músicas passam rapidamente, Jimin até se diverte cantando e dançando uma versão mais curta de “Dope”, “Silver Spoon” e “Fire”, além de um remix superanimado de “Idol”.

Quando retornam para o backstage, o castanho se hidrata e deseja boa sorte para o soulmate, pois o “Ato IV” começaria com um vídeo interlúdio e sua apresentação de “Singularity”. O mais velho sabia o quanto Taehyung tinha se esforçado para seu solo e o quanto queria que sua dança saísse perfeitamente. As armys mereciam a excelência e era isso que todos dariam a elas.

Após o término do vídeo de introdução de V e de sua subida para sua apresentação solo, o lead vocal quis se aproximar de Yoongi para tentar falar um pouco com ele, ou para pelo menos explicar o motivo pelo qual havia corrido de si, depois de ele ter feito uma declaração tão linda, como a que fez.

O Park nunca tinha se arrependido tanto por não ter feito nada, por não ter dito nada. Ele sabia que o mais alto merecia mais do que a sua falsa recusa e um covarde que corre de seus sentimentos e problemas. Por causa disso, o mais novo decide que diria tudo o que estava entalado em sua garganta — mas, principalmente, em seu coração — para o Min.

Estava com medo de ser rejeitado pelo mais velho, contudo, não poderia mais deixar de fazer o que tanto queria por conta do que acreditava que aconteceria. Se o acinzentado corresse de si, como havia feito, pelo menos também terá se livrado do peso que ocupava sua mente e o lado esquerdo de seu peito durante tantos anos. O mais alto teve coragem o suficiente para se declarar para si, então também faria isso, não só por si próprio, como também pelo outro.

Ele tenta parar de pensar tanto nisso quando sobe ao palco para apresentar “FAKE LOVE” em uma roupagem rock, encerrando o “Ato IV” em um misto de esperança e apreensão.

Fica eufórico e ainda mais apaixonado pelo acinzentado quando o vê na televisão que tinham na área de preparação, o vídeo focado em Jin e Yoongi, dando início ao “Ato V” do show. O mais velho estava tão lindo — quer dizer, ele é lindo —, mas naquele momento parecia ser o homem mais bonito que tinha colocado os pés na Terra. Jimin o amava tanto e se sentia tão sortudo por agora saber que seus sentimentos eram correspondidos na mesma intensidade.

Quando está assistindo a apresentação solo do mais alto, que canta animadamente “Trivia: Seesaw", sente seu melhor amigo o abraçando de lado, confortando-o por toda a confusão que sentia. Os dois eram assim, não precisavam de palavras para saber quando um não estava bem. O mais velho agradecia por ter o Kim consigo, sabia que, sem o outro, teria enlouquecido com o mundo onde estavam inseridos. Eles também curtem juntos a apresentação solo de Jin de “Epiphany”, cantando em alto e bom som com o hyung piadista e sem graça deles.

Chega a hora de se apresentar novamente, agora com “The Truth Untold”, onde apenas ele, Jin, Taehyung e Jungkook performavam. Quando se posicionaram e o primeiro acorde tocou, Jimin já sentiu os olhos fortemente marejados, principalmente quando seu melhor amigo canta os primeiros versos.

Este jardim está cheio

De solidão florescente

Eu me amarrei

A este castelo de areia cheio de espinhos.

O lead vocal fica extremamente abalado com o fato de que aquela música dizia muito sobre si e a descoberta de seus sentimentos por Yoongi, tudo isso enquanto Jungkook canta o segundo verso.

Qual é o seu nome?

Você tem algum lugar para ir?

Oh, você poderia me dizer?

Eu vi você se escondendo neste jardim.

O castanho escuta o coro da plateia e se sente arrepiar por conta da energia e força que seu público estava passando. Chega a vez de Jin cantar o terceiro verso.

E eu sei

Seu calor é real

Sua mão colhe as flores azuis

Eu quero segurá-la, mas...

Quando é a vez do Park, ele, mesmo com a voz embargada, consegue cantar os primeiros versos.

Esse é meu destino

Não sorria para mim

Me ilumine

Porque eu não posso chegar até você.

Contudo, não consegue controlar o choro na última parte, deixando a plateia cantar o último verso.

Não há um nome para chamar.

Taehyung olha para o mais velho preocupado, mas entende que aquele era um momento onde ele não poderia fazer nada, além de ver o outro chorar. Então, apenas assente com a cabeça e torce para que seu soulmate fique bem. Jungkook chega no refrão.

Você sabe que eu não posso

Me mostrar para você

Me doar para você

Eu não posso te mostrar minha fraqueza

Então coloco uma máscara para te encontrar

Mas eu ainda quero você.

O baixinho agora está pensando em como o eu-lírico da música representa Yoongi. O acinzentado sempre fingia ser forte e não ligar para os meninos, mas na verdade ele se importa muito, ele ama muito todos. Ele o ama e passou por cima de seu orgulho para contá-lo a verdade. Jimin o admirava tanto, e agora queria chorar de felicidade por se dar conta de que o branquelo tinha enfrentado a si próprio e suas inseguranças para dizer em voz alta que o ama.

Jin — assim como Jungkook — olha para o Park, preocupado, e começa a cantar o verso pós-refrão.

Uma flor que parece com você

Floresceu neste jardim de solidão

Eu queria dá-la para você

Enquanto tiro essa máscara estúpida.

E logo, é a vez do castanho novamente, que apenas consegue cantar a parte final e tem o auxílio do maknae em todo o momento:

Eu preciso me esconder

Porque eu sou feio.

Enquanto Taehyung canta seu verso...

Eu estou com medo

Eu sou patético

Tenho tanto medo

No final, você também me abandonará?

Então coloco uma máscara para te encontrar.

Jimin não aguenta e se vira de costas para a câmera que o filmava, começando a chorar.

Chega a parte de Jungkook novamente.

O que eu posso fazer é

Fazer uma linda flor

Que pareça com você

Florescer neste jardim, neste mundo

E então respirar como aquele que você conhece

Mas eu ainda quero você

Eu ainda quero você.

Após alguns segundos de costas e já ter virado para frente no verso cantado pelo mais novo do grupo, o castanho está se sentindo um pouco envergonhado por desabar em frente de milhares de pessoas, entretanto, não poderia fazer nada, se seus olhos estavam transbordando o que sua mente não parava de pensar. Chega a vez do mais velho dos sete cantar o antepenúltimo verso.

Talvez naquela época

Se eu tivesse apenas um pouco mais

De coragem

E ficasse em sua frente

Tudo seria diferente agora?

E novamente Jimin começa a chorar, agachando-se e deixando que o main vocal cantasse sua parte.

Estou chorando

Nesse castelo de areia

Que está desaparecendo

E se desfazendo

Enquanto olho para esta máscara quebrada

E eu ainda quero você.

O Park se levanta apenas no último verso.

Mas eu ainda quero você

Mas eu ainda quero você

E eu ainda quero você.

O maknae se aproxima de si e o abraça de lado, perguntando, enquanto os holofotes se apagam, se estava bem.

Quando o baixinho chega ao backstage, todo mundo da equipe sai correndo para ver se o mesmo está bem, e ele apenas diz que se emocionou com a música e com o público. Yoongi quer o perguntar se era realmente isso que havia acontecido, mas se força a parar e engole em seco, finalizando os últimos ajustes de seu figurino.

O final do espetáculo passa voando para o Park, ele aplaude os rappers pelo "Outro: Tear", dança e canta "MIC Drop" que é a música que encerra o "Ato V", se troca, bebe água, respira fundo e volta ao palco para o encerramento, tudo no piloto automático. Ele estava exausto física e psicologicamente, porém segue firme e canta "Anpanman", "So What", "Make it Right" e uma versão estendida de "Mikrokosmos" da melhor forma que pode e consegue. Ele se sente culpado por ficar feliz quando a apresentação acaba, mas não pode fazer nada quanto a isso.

Quando o show finalmente acaba, todos checam se está bem, inclusive o acinzentado, que parece extremamente preocupado, deixando o mais novo com esperança de que poderiam se resolver. Mas tudo vai por água abaixo novamente pouco tempo depois.

Após serem finalmente liberados para voltarem ao hotel, o castanho segue para a van que iria levar os sete em segurança até o local onde estavam hospedados. Todavia, nota que o Min havia ficado para trás e, ao questionar um dos staffs presentes, fica sabendo que esse tinha esquecido algo e iria voltar para hotel apenas após encontrar o que procurava. Jimin também diz que esqueceu algo e usa isso como a desculpa perfeita para ir atrás do mais velho.

Ao encontrá-lo em uma das salas de descanso, percebe que ele está em frente a um espelho segurando uma polaroide de uma foto dos dois, resmungando que tinha estragado tudo e que havia o perdido para sempre. O castanho imediatamente começa a chorar, sentindo-se ainda pior por ver e saber que seu hyung estava sofrendo por sua causa.

Ele se aproxima do mais alto, fazendo que o outro o perceba no recinto. O mais novo agacha ao lado de Yoongi e sussurra: — Eu sinto muito, Yoon. Não queria te fazer sofrer, eu jamais faria alguém que eu amo tanto sofrer por minha causa. Me desculpa por ter fugido mais cedo, não sei o que deu em mim.

— Jiminie, eu não preciso da sua pena. Você não precisa vir aqui para me explicar nada, já entendi tudo.

— Não, hyung. Você não entendeu nada. Até porque nem eu estou entendendo alguma coisa. Eu preciso que você me escute, tudo bem?

— Jiminie, não precisa fazer isso. Está tudo bem, podemos continuar nossa vida normalmente...

— Não, Yoon. Nós não podemos, eu não posso continuar sendo seu amigo. Eu não posso fingir que nada aconteceu, que não sei de nada. — O Park começa a ficar desesperado com as conclusões que o branquelo estava tirando.

— Então, nem meu amigo você quer ser?

— Não é isso, Yoon. A gente precisa conversar, okay?

— Não, Jimin. Acho que já ouvi demais por hoje. — O acinzentado se levanta da cadeira em que estava e anda rapidamente até a porta, sem nem olhar para trás para ver o baixinho com o olhar desesperado se levantando rapidamente do chão e indo atrás de si gritando hyung. O lead vocal sai correndo atrás do outro, mas, quando vê, o mais velho já havia ido embora.

O castanho se desespera e, correndo atrás de alguém da equipe que era responsável pelo transporte, consegue uma carona com um dos produtores do show e chega voando no hotel onde estava hospedado. Ele não olha para os lados quando entra no prédio, apenas aperta o botão do elevador e se encaminha até o andar onde o grupo estava dormindo e para em frente à porta do Min, batendo e esperando que ele a abra, porém não tendo sucesso.

Jimin respira fundo e joga tudo para o alto. Não iria conseguir dormir sabendo que não tinha contado como se sentia para o acinzentado, então fecha os olhos e começa a falar o que queria por tanto tempo.

— Yoon, eu sei que parece loucura o que vou falar, depois do que fiz hoje, mas eu amo você. Eu amo tanto você. E não sei por que fugi mais cedo... Quer dizer, em que mundo eu acharia que você me corresponderia? Que você me amaria de volta? Parecia uma completa loucura, mas olha só a minha surpresa, não é.

“Eu te amo faz tanto tempo, que nem sei explicar exatamente quando começou, só sei que, quando me dei conta, já não conseguia mais parar de pensar em você, no seu sorriso gengival que acho a coisa mais adorável do mundo, nas letras das canções que você escreve e que secretamente sempre quis que fossem para mim.”

“Eu amo até o fato de você sempre querer me irritar e o fato de sermos extremamente competitivos um com o outro; amo o fato de você parecer um velhinho resmungão, amo como você se transforma no palco, quando encarna o Suga. Eu te amo, hyung, e estou cansado de fingir para todos, até para mim mesmo, que você não é a minha pessoa.”

“Eu sei...”

O baixinho é interrompido por alguém o abraçando de costas e, como está de olhos fechados, não percebe que a pessoa é o Min que tinha chegado no corredor enquanto o mais novo se declarava. Quando abre as pálpebras e enxerga o mais alto, suas pupilas dilatam e seu choro triste se torna alegre. O acinzentado tinha o escutado e agora estava sorrindo radiante para si. Eles se olham durante um tempo, querendo que o relógio parasse e ficassem presos naquele momento para sempre.

O Min abre a porta de seu quarto e, quando ambos adentram o local, o mais alto não perde mais tempo e beija o mais baixo. Começa com apenas um encostar de lábios, apenas para apreciarem o toque, e, quando começam a mover suas bocas, Jimin se belisca para ter certeza de que aquilo estava de fato acontecendo. O castanho então, apressado do jeito que era, introduz sua língua na boca do outro, tornando o beijo ainda mais apaixonado, contudo, sem ser afobado ou agressivo.

Era um ósculo que representava todos os sentimentos que nutriam um pelo outro e, quando o ar se faz escasso e precisam se separar, os dois se olham bastante envergonhados e com as bochechas pintadas em um tom de carmim, entretanto, com os corações batendo acelerados, borboletas fazendo festa em seus estômagos e os orbes transbordando felicidade, mas principalmente, amor.

O Park morde os lábios em nervoso pelo que aconteceria em seguida, e o branquelo segue o movimento com o olhar, fazendo o mais novo ficar ainda mais envergonhado e sussurrar: — O que faremos agora, hyung?

— Agora, a gente poderia ficar brincando de cosquinha ou beijar? — O acinzentado vai se aproximando do outro, devagar e sorrateiramente.

— E como seria esse jogo, Yoon?

— Ah, ele é assim: toda vez que você não quiser uma cosquinha, eu te beijo, e toda vez que você não quiser um beijo, te faço uma cosquinha.

— Ah, mas assim não tem graça, hyung. Eu sempre vou querer te beijar, assim. — O baixinho dá risada, aproximando-se do rapper e ficando cara a cara com o mesmo.

— Essa é a intenção, Jiminie. — O mais novo dá uma risada escandalosa enquanto o Min o joga em cima da cama e começa a fazer cosquinha pelo corpo todo do performer.

Yoongi e Jimin passam a noite e a madrugada toda brincando de cosquinha ou beijar, enquanto se declaram com os versos das músicas que sempre cantam nos shows. O Min dizendo que o castanho tem o melhor de si, e o baixinho dizendo que o acinzentado era sua penicilina. Ambos não acreditavam que um dia ficariam desse jeito um com o outro, mas, após uma verdade contada, podiam finalmente viver aquele amor.


~~


Notas finais: Oi de novo, obrigada a quem leu até aqui, espero que tenham gostado desses dois sofredores de amor antigo, confesso que quando o li aquele poema do Carlos Drumond de Andrade, pensei na hora nessa one. Quem aí ficou com dó do Yoon, meu coração ficou apertado nessa cena, mas o Ji tbm sofreu muito com aquela falsa recusa. Eles são as coisinhas mais lindas do mundo e são muito fofinhos. Muito obrigada há quem dedicou seu tempo para ler, vcs são incríveis. ♡♡♡

13 Octobre 2021 20:04:37 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
La fin

A propos de l’auteur

2Min Pjct Projeto de fanfics do shipp Yoonmin (Yoongi & Jimin) do grupo sul coreano BTS. Nos encontre também no Wattpad (https://www.wattpad.com/user/2MinPjct), Spirit (https://www.spiritfanfiction.com/perfil/suji05), ao3 (https://archiveofourown.org/users/2minpjct) e twitter.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~