1
3.2k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Preciso ser sincero com você

Escrito por: @MiaChan_/@Miaxhan_

Notas Iniciais: Oie gente, tudo bem? Apareci aqui de novo, só que dessa vez com uma nova fanfic. Espero muito que gostem, boa leitura!


~~~~



Jimin percebeu o nervosismo estampado no olhar de Yoongi, parado naquele altar enquanto fingia não notar os convidados cochichando entre si. Já fazia quase uma hora de atraso e Park estava explodindo por dentro.

— Para mim, já deu! — Quando percebeu o que havia dito, já tinha dado um passo à frente e todos o encaravam. — Preciso ser sincero com você, Yoongi.


(...)


Muito antes de nascerem, os pais de Yoongi e Jimin eram grandes amigos. Por causa disso, os dois acabaram cultivando uma amizade desde a infância, eram como irmãos de pais diferentes:

— Eu me lembro desse dia. Você ainda era uma criança baixinha e chata. — O Min riu, mostrando uma foto dos dois. — Não que tenha deixado de ser.

— Você que era insuportável! — rebateu Jimin, franzindo a testa. — Não esqueço até hoje, fomos expulsos da lanchonete por sua causa.

— Pelo menos deu pra comer sem pagar.

— E depois tivemos que fugir por meses para não nos verem, idiota! Tive que sair mais cedo de casa várias vezes para poder comer um bom sanduíche em outro lugar.

— Olha pelo lado bom, te acompanhei todos esses dias, tem coisa melhor que a minha incrível companhia?

— Você é tão irritante, Yoongi.

— Ah, é? — Ele riu, vendo o mais novo virar para o outro lado e arremessar uma almofada. — Pois adivinha só, você vai ter que me aguentar por muito tempo ainda.

— Deus me livre! Por que você não casa logo?

— Vai achando que vou te deixar em paz depois de casar, garotão. Você vai cuidar dos meus filhos!

— Eu virei babá agora, é?

— Você pode brincar com eles, tenho certeza de que o tamanho não é problema.

— Vai se achando, Minzão. Daqui a pouco te passo, fica moscando pra ver só!

— Até parece. — Yoongi deitou de barriga para cima, com um sorriso de orelha a orelha. — Em qual livro infantil você leu isso?

— Naquele livro lá, chamado Você é um otário no país das maravilhas.

— Parece interessante. Já leu Cresce primeiro e depois a gente conversa?

— Nossa, você é um palhaço mesmo. Por que não começa a trabalhar num circo?

— Já tenho a plateia perfeita, essa sua cara de decepção é ótima.

— Tchau.

— Não vai embora, não, Parkzinho! — disse rindo e puxou Jimin pelo braço. — Eu te chamei porque preciso conversar sobre uma coisa séria.

— Uma coisa séria? Você?

— Tudo bem, agora é realmente sério. — Sua expressão mudou em questão de segundos, ajeitou o corpo e fez sinal para que o outro sentasse ao seu lado. — Na verdade, tinha me esquecido completamente do que ia dizer, mas como você tocou no assunto…

— Está doente?

— O quê?

— Uma doença terminal ou algo assim. — Jimin segurou o ombro dele com firmeza, olhando em seus olhos. — Olha, sei que falar isso é difícil, mas você sabe… Somos amigos e você não precisa ter medo de dizer nada.

— Calma, não é nada disso. Credo!

— Então, você engravidou uma garota?

— Meus pais me matariam.

— Eu te mataria bem antes, pode ter certeza.

— Sabe… não é uma coisa ruim, acho. — Cruzou as mãos e apoiou a cabeça, encarando um ponto preto na parede. — Me pergunto se fui rápido demais ou…

— Agora eu estou preocupado de verdade. Que merda você fez, Min Yoongi? E de quem você está falando?

— Você lembra da Chae Soo Bin?

— Chae Soo Bin? Conheço o nome. O que tem ela?

— A família dela esteve conosco na virada de ano, eles trouxeram aquele prato gigante de peru que torrou no forno porque todo mundo esqueceu que ele estava lá, lembra? Ela estava usando um vestido azul, inclusive.

— Junto com uma moça alta com um bebê?

— Isso mesmo, aquela é a irmã dela.

— Lembro sim, ela era bem tímida…

— Ficamos bem próximos depois daquele jantar, Jimin, ela é uma pessoa muito legal.

— Vai me dizer que está namorando com ela?

— Na verdade, não. — Hesitou um pouco e tentou ler o rosto de Park. — Eu fiz uma coisa…

— Disse que não havia engravidado ninguém.

— E não engravidei.

— O que foi então, ser humano?

— Eu a pedi em casamento. — Desviou o olhar, fazendo Jimin franzir a testa. — Tenho certeza de que você já está me julgando na sua cabeça por causa disso, mas pensa comigo, Parkzinho, meus pais gostam dela e tudo mais. Eu já tenho carro, um emprego estabelecido e acabei de comprar uma casa enorme, não acho que deveria enrolar se já podemos construir alguma coisa.

— Uau. — Jimin voltou os olhos para o outro lado da sala, sentindo um estranho nervoso. — Quando disse para você se casar, era só brincadeira!

— Está bravo comigo?

— Por que eu estaria?

— Não vou deixar de andar com você por causa disso, Jimin.

— Mas você vai casar! Querendo ou não, muita coisa vai mudar.

— Eu sei disso.

— Olha, não estou dizendo que não vou te apoiar nisso, 'tá? — disse, sem fazer contato visual. — A sua felicidade é prioridade.

— É por isso que estou te contando. Sua amizade é uma das coisas mais importantes pra mim e eu não quero nada na minha vida que vá estragar a nossa relação.

— Quanto tempo faz isso?

— Isso o quê?

— O pedido de casamento.

— Bom… — Ele abaixou a cabeça e começou a contar nos dedos. — Nos conhecemos faz quase um ano e meio, começamos a sair faz uns nove meses… então fiz a proposta dois meses atrás.

— E está me contando só agora?! Por quê?

— Não sei, Jimin. Uma parte de mim estava louco para contar e outra com um pouco de medo.

— Medo?

— Foi tudo muito rápido, estava empolgado e na hora em que toquei no assunto com meus pais, eles pareciam felizes.

— Contou aos seus pais?

— Ainda não, vou fazer isso mais tarde. Você é a primeira pessoa que está sabendo.

— Como sou importante, nossa.

— Estou realmente aliviado por saber que você levou isso na boa, Jimin. Não sei o que faria se de alguma forma você ficasse bravo comigo por causa disso ou…

— Está tudo bem, Yoongi. Não precisa ficar preocupado desse jeito.

— Você vai ser padrinho, já pedi para ela colocar na lista. Entrego o convite em breve, não esquece de chamar os seus pais também! — Levantou-se, com um sorriso satisfeito no rosto. — Agora vou visitar meus pais e contar tudo. Posso voltar aqui à noite para jantarmos?

— Acho que não vou fazer nada hoje, Yoongi. Eu estou um pouco cansado, talvez peça uma pizza e um refrigerante pequeno…

— Parece perfeito para mim! Passo aqui umas oito então, beleza? Vou dormir na sua casa hoje.

— É…

— Muito obrigado mesmo, Jimin. Você é um amigo e tanto! — O mais velho se levantou e foi caminhando até a porta. — Nos vemos mais tarde.

— Esqueceu de me dizer quando é que vai ser o bendito casam… — Park tentou dizer, mas a porta se fechou bem na hora. Um suspiro escapou, ele, então, afundou a cabeça no sofá e encarou o teto, fechando os olhos pouco a pouco. Não iria mais receber visitas naquele dia, Yoongi já havia enchido sua cabeça o suficiente.

Bastou a notícia inusitada para Jimin fugir do Min de todas as formas. É claro que estaria em seu casamento, mas queria ter certeza absoluta de que sua posição no evento seria de padrinho e melhor amigo, nada mais. Não podia negar que sentia um pouco de ciúmes, já que muitas coisas mudariam entre os dois — era como ter o irmão mais velho divertido saindo de casa. Mas apesar disso, sempre colocou a alegria de Yoongi acima de tudo, então se isso o faria feliz, Jimin não hesitaria em apoiá-lo


Chat

Min Yoongi está online.


Yoongi: Jimin?

Yoongi: Faz tempo que não nos vemos.

Yoongi: Fui na sua casa aquela noite, mas você não atendeu.

Yoongi: Imaginei que estivesse dormindo.

Yoongi: Por onde você anda?


Park Jimin entrou na conversa.


Jimin: Ocupado.

Yoongi: O que acha de almoçarmos juntos?

Yoongi: Vai fazer algo hoje à tarde?

Jimin: Não sei, provavelmente sim.

Yoongi: Passo aí 13h em ponto.

Jimin: Vou ver e te aviso.


Park Jimin saiu da conversa.


Estava agindo como um idiota e sabia disso, mas tinha certeza de que aquilo seria para o bem dos dois. Olhou mais uma vez o horário que Yoongi havia dito e suspirou, jogando o celular na mesa e saindo do sofá. Não tinha absolutamente nada para fazer naquele dia, muito menos no outro, no outro e no outro, estava mais livre do que nunca, e por isso precisava arrumar qualquer desculpa para evitar Yoongi mais uma vez. "É só sair de casa mais cedo que o combinado e dizer que tive uns imprevistos", pensou, achando a ideia um pouco estúpida no início, porém bem útil para a ocasião.

E assim fez, quando o relógio já marcava 12:30, colocou um casaco e rapidamente saiu de casa.

— Foi o que eu pensei. — Estava trancando a porta quando foi surpreendido por uma voz muito familiar. — Você está fugindo de mim, Jimin.

— O quê?

— Eu que pergunto. O que eu fiz?

— Nada. — Ele tentou manter a postura diante de Yoongi. — Eu só estava indo no mercado comprar pão.

— Pão, Jimin? Sério?

— Eu ia deixar para amanhã…

— Você tem um estoque de pão na sua casa. Por que iria comprar mais?

— Sei lá, pão fresco.

— Sabe que até amanhã ele não está mais assim.

— Ok, você venceu — murmurou — Onde é que vamos almoçar?

— Você vai descobrir quando chegarmos. — Um sorrisinho vitorioso surgiu nos lábios do Min, que, sem hesitar, caminhou até o carro e abriu a porta do passageiro, fazendo sinal para que Jimin entrasse.

— Eu mereço…

— Tenho certeza de que você vai gostar, então pode parar com essa cara e entra logo.

— Ah? — Jimin franziu a testa assim que sentou, olhando para o banco traseiro — Sua noiva não vem?

— Não. Por que viria?

— Ela é sua noiva, afinal…

— Jimin, nós vamos casar, mas não quer dizer que minha vida social acabou, sabe?

— É mesmo?

— Claro que é.

— Entendi.

— Falando nisso, você recebeu o convite? A roupa também serviu?

— Sim, para os dois.

— Ótimo. Sabe que precisa chegar um pouco antes dos convidados, não é?

— Uhum.

— No dia vou deixar meu carro na garagem, você pode usá-lo.

— Obrigado.

— Sabe que sua presença lá é extremamente importante para mim, certo?

— Sei.

— Você está tão estranho, Jimin. Até na forma como conversamos, está diferente. Sem contar que andou sumido por meses e quase não responde minhas mensagens. Tem alguma coisa te incomodando?

— Só minha barriga roncando mesmo. — Deu de ombros e virou o rosto para o vidro, fechando os olhos.

— Vamos fazer uma festa na próxima semana, despedida de solteiro. Gostaria que fosse, mesmo você odiando isso.

— Você já tem sua resposta, Yoongi.

— Por favor, faz isso por mim. Sabe que eu também não gosto nem um pouco disso, mas a família da Chae…

— Topou porque a família dela quer?

— Sabe, eu não quero criar intrigas, ainda mais sendo algo tão especial. Para ser sincero, tem muita coisa que eu imaginava de outra forma no meu casamento, mas Chae parecia tão decidida quanto a tudo que resolvi ficar quieto…

— Você não é desse tipo, Yoongi. Que finge gostar de algo apenas para agradar aos outros.

— Quando estivermos casados, as coisas vão ser diferentes, Jimin. E eu não acho que deveria dar importância a algo tão banal.

— Eu não teria tanta certeza. Não é como se a família dela fosse simplesmente desaparecer, por exemplo.

— Eles não são ruins. Diria que são… um pouco diferentes apenas, acho que não vivemos muito no mesmo ritmo.

Jimin ficou em silêncio por alguns minutos, ainda de costas, observando o Min pelo reflexo do vidro.

— Você está com olheiras, nunca te vi assim.

— É muita coisa na minha cabeça — respondeu de forma apressada, como uma fala decorada.

— Sei.

— Eu quero que seja perfeito…

— Vai ser, Yoongi. Não precisa ficar tão paranoico assim. É um momento especial, eu sei, mas não deixa de ser apenas uma comemoração.

— Talvez você tenha razão. — Respirou fundo, um sorriso aliviado surgindo em seu rosto. — São só algumas horas, né?

— Isso... — Finalmente virou o rosto para olhar o Min. Sentiu-se culpado ao vê-lo naquele estado, sabia o quanto era ansioso até para as pequenas coisas e havia o evitado durante meses, quando ele mais precisava — Me desculpa.

— Uh? Pelo quê?

— Eu vou nessa despedida de solteiro. — Voltou a cabeça para frente, prestando atenção em Yoongi com o canto dos olhos. — Mas só porque sou um amigo muito legal e você precisa de alguém para te levar pra casa depois que estiver bêbado.

— Está falando sério?

— Estou!

— Jura?!

— Se você perguntar mais uma vez, eu mudo de ideia.

— Obrigado, Jimin, eu te amo! Você não faz ideia do quanto queria ouvir isso. — Um sorriso enorme surgiu em seu rosto. — Te ter por perto me faz me sentir mais calmo, estava entrando em pânico só de pensar que você…

— Não precisa ficar animadinho desse jeito, só vou te acompanhar porque não tenho nada para fazer na próxima semana. Também seria uma pena você passar por algum tipo de constrangimento na festa e eu não estar por perto para ver.

— Então essa é sua forma de dizer que me ama?

— Você é tão ridículo...


(...)


Jimin respirou fundo, levantou a cabeça e olhou fixamente para o espelho por alguns instantes.

— É só uma festa. Apenas uma maldita festa de despedida de solteiro, Jimin. Nada pode dar errado, certo? — Franziu a testa ao terminar de falar, dando as costas. — Por que fui aceitar?

Ouviu a campainha tocar e rapidamente ajeitou a manga da camisa, passou perfume e abriu a porta

— Oi, cheguei. — Yoongi o cumprimentou com um sorriso nervoso, olhando o Park da cabeça aos pés.

— Estou vendo.

— Gostei da sua fantasia. — Riu entre os dentes, estendendo as mãos. — Me prenda e faça o que quiser, senhor policial.

— Já falei que você é ridículo, vampiro? — Ele revirou os olhos enquanto trancava a porta, em seguida, caminhou em direção ao lado do passageiro.

— Atrás, Jimin.

— Atrás?

— Olá! — O vidro abaixou e uma garota sorridente surgiu acenando. — Você é o Park Jimin, né? Amigão de infância do meu noivo.

— É, sou eu mesmo. — Forçou um sorriso depois de ouvir uma definição tão forçada quanto essa e abriu a porta, enfiando-se no carro com pressa. — Chae Soo Bin, não é? Prazer.

— O prazer é meu. — Usava um vestido branco com manchas vermelhas espalhadas por toda parte, uma maquiagem de mordida gigantesca em seu pescoço, muito bem-feita.

Seguiram o caminho em silêncio, trocando uma ou duas palavras sobre o ar condicionado. Levaram cerca de trinta minutos para chegar ao local, uma boate gigantesca.

— Não estava sabendo que seria…

— Nem eu, Jimin. Estou tão chocado quanto você, é sério!

— Ai, ai… Sorte que você é meu amigão de infância, senão eu te matava — brincou, batendo no ombro do Min e logo os três adentraram o local.

Chae, então, se separou, correndo para um grupo de garotas que acenaram assim que ela chegou, deixando os dois rapazes totalmente submersos nas luzes coloridas e música alta.

— O que a gente faz agora?

— A gente bebe enquanto espera essa merda acabar. — Yoongi sorriu, indo em direção ao bar onde pediu um copo de whisky.

— Tem certeza de que é uma boa ideia?

— Não tem muito o que fazer por aqui. Quer dançar ou algo do tipo?

— Nem pensar.

— Você ama dançar que eu sei! — Bebeu em um gole e pulou da cadeira, puxando o mais novo pelo ombro. — Vamos dançar juntos, Parkzinho!

— Credo, você já está com bafo.

— Para de ser chato e faça como eu — disse, começando a fazer passos estranhos e totalmente desconexos. — É divertido, você vai ver.

— O quão fraco você é pra bebida, Yoongi?

— Sei lá, só bebi duas vezes na minha vida. Essa é a segunda.

— 'Tá de brincadeira…

— Vou pegar mais um copo. Fica aqui!

Jimin não questionou, continuou parado na pista de dança enquanto aguardava o outro voltar. Não era de beber — na verdade, fazia isso apenas quando estava extremamente triste ou sozinho em sua casa num dia de tédio. Mas, apesar de estar num lugar completamente diferente do que gostaria, decidiu que permaneceria sóbrio durante a festa, sabia que no final alguém teria que se dispor a dirigir o carro.

— A gente deveria dar uma volta por aí. Descobri que tem uma pista de dança no andar de cima, parece mais tranquilo. — Novamente o Min apareceu. — Será que tem comida também? Estou morrendo de fome!

— E eu tão perdido quanto você. Acredite, a última vez que entrei numa boate foi aos dezoito e nem fiquei por lá tanto tempo assim.

— Vamos, vamos! — Yoongi segurou o Park pelo braço e caminhou apressado em direção a uma escada que dava acesso a uma sala mediana, com fumaças e poucas luzes.

— Tem um sofá vago ali no canto, que ótimo.

— Não, Jimin, vamos dançar!

— Pode dançar, vou estar sentado te observando. — Sorriu satisfeito e bateu no ombro do rapaz, logo dando as costas.

— Como você é sem graça!

— Dança, gatinho, dança! — gritou em meio aos risos, o que fez Yoongi revirar os olhos. — Juro que daqui a pouco eu danço com você.

— Tanto faz. — O Min deu de ombros e começou a remexer todo o corpo; parecia feliz, ou apenas era a bebida começando a fazer efeito mesmo.

De qualquer forma, Park Jimin continuou sentado com um sorriso idiota nos lábios enquanto observava o amigo ficar cada vez mais ridículo no meio de toda aquela gente. Sentia-se feliz em tê-lo por perto, fazia tempo que não viviam loucuras como essa, havia até esquecido o motivo dos dois estarem ali. Foi então que decidiu levantar e buscar uma bebida depois de um tempo, afinal, só um copinho não fazia mal algum, certo? E ele sabia que era forte para bebidas, então dificilmente ficaria transtornado.

Pediu um copo de vodka e, em seguida, foi para pista atrás de Yoongi, que abriu um enorme sorriso ao vê-lo, os dois começaram a dançar enquanto riam juntos sem se importar com as pessoas ao redor. Fariam aquilo a noite inteira se fosse necessário, a euforia tomou conta de seus corpos completamente.

Algumas horas haviam se passado e Jimin finalmente se sentiu cansado de tanto dançar, estava encharcado de suor, não sabia ao certo se havia tomado mais do que um copo, mas sentia-se um pouco tonto. Resolveu se afastar um pouco da multidão quando percebeu que Yoongi parou para falar com alguém, precisava recuperar o fôlego, então decidiu se apoiar numa mureta de ferro na escada, onde tinha visão da festa inteira. Sentiu-se estranho ao notar um par de olhos no meio da multidão lhe encarando, mas estava com a visão tão ruim que não conseguiu reconhecer:

— Cansou? — Não demorou muito para o Min surgir ao seu lado, parecia ainda ter energia de sobra.

— Você já deveria estar cansado também. Nós dançamos pelo menos por cinco horas seguidas, tem ideia disso?

— A hora passa rápido quando estamos nos divertindo. — Riu como se aquilo tivesse sido a maior piada do mundo, em seguida, virou-se para Jimin e segurou seu rosto. — Você é bonito.

— Meu Deus, você está puro álcool! — O rapaz franziu a testa e o afastou, procurando por alguma coisa no bolso. — Toma aqui, chupa uma bala para, pelo menos, diminuir um pouco esse seu hálito de todas as bebidas possíveis juntas.

— É de quê?

— Menta. Mas isso importa?

— Estava prevendo que eu ficaria bêbado?

— Sempre carrego alguma bala no bolso, você sabe disso.

— Obrigado. — Colocou pelo menos seis balas na boca de uma só vez. — Acho que assim está bom, Chae odeia cheiro de álcool.

— Por que você bebeu então?

— Sei lá. — Deu de ombros e apoiou-se na mureta com um sorriso idiota nos lábios. — Às vezes é tão cansativo ser eu mesmo, a bebida me faz esquecer os problemas por um tempo.

— Disse o garoto que está bebendo pela segunda vez na vida como um louco.

— E tem outra coisa para fazer por aqui?

— Não sei, qual é o objetivo de uma despedida de solteiro?

— Viver do jeito que eu quero por uma noite, sem me importar com as responsabilidades que logo vou ter que assumir. — Havia um tom triste em sua voz, mas logo ele riu. — Que diabos eu estou falando, né?

— Está realmente feliz com tudo isso?

— Isso o quê?

— Com esse casamento.

— Ah… — Hesitou um pouco, encarando o copo vermelho em suas mãos. — Claro que estou. Que tipo de pergunta é essa?

— Que bom. Ouvir isso me deixa mais aliviado.

— Aliviado por quê? Queria se livrar de mim, é?

— Se eu te disser, promete que não vai lembrar de nada disso amanhã?

— Eu acho que não vou lembrar disso nunca mais. — Riu de forma escandalosa. — Nem sei como cheguei nesse lugar para falar a verdade.

— Céus, como você é um bêbado horrível!

— Mas o cheiro diminuiu, não é? Vou parar de beber, ainda preciso dirigir hoje.

— Nem pensar! — Jimin pegou o copo de suas mãos e derramou o resto da bebida no chão. — É pra parar de beber porque você chegou no seu limite, mas nem pense em dirigir hoje. Você está numa péssima condição.

— Ainda consigo distinguir as pessoas.

— Duvido que vai conseguir distinguir as placas! Eu que não bebi quase nada estou vendo tudo embaçado, quem dirá você.

— Tá, tanto faz. Mas agora me conta o motivo de você estar aliviado.

— Ainda estamos nesse assunto?

— Parece algo comprometedor, quero ouvir.

— Não é nada comprometedor.

— Ah, é? Então por que não conta?

— Nem sei por que entrei nesse assunto.

— Talvez seja porque você quer que eu saiba, mas não pode me contar.

— E por que não?

— Porque é algo comprometedor — disse, com um sorriso e malícia nos olhos. — Teve algum sonho erótico comigo, não é?

— Não!

— Eu já tive vários com você.

— Yoongi? — O rapaz arregalou os olhos, estava vermelho de vergonha. — Por que tá me contando isso?

— Só queria saber se eu não era o único. — Riu, apoiando a cabeça em uma das mãos enquanto olhava encantado para o outro.

— Tudo bem, já tive. Mas isso não importa, faz tempo e eu… Nós somos amigos. Você vai casar.

— E daí?

— Que devemos esquecer qualquer coisa que já tenha acontecido. Fala sério, vou ser seu padrinho de casamento! Não quero que olhe pra mim e lembre dessas coisas. — Desviou o olhar para o teto. — E fecha essa blusa, por favor, você está quase pelado!

— Eu sei, eu sei. Na verdade, nunca contaria isso a você se não estivesse bêbado, sabe disso.

— Vamos parar por aqui, Yoongi. Me sentiria horrível em saber de um monte de coisa porque você está bêbado, então apenas fique quieto, pode ser? — Ficou de costas para a mureta e cruzou os braços, evitando contato visual. — Talvez seja melhor voltarmos a dançar.

— Lá está muito abafado, ainda preciso tomar um ar.

— Então vou te aguardar no sofá, termine de recuperar seu fôlego primeiro. — Não esperou por uma resposta, saiu apressado e enfiou-se no meio da multidão, procurando por um banheiro. Fechou a porta rapidamente e foi até a pia jogar água em seu rosto. — Ele está bêbado, Park Jimin. Nada do que ele disser deve ser levado a sério! É só um hétero, idiota e bêbado, que vai casar em poucos dias.

Andou de um lado para o outro, murmurando repetidas vezes. Havia feito um esforço imenso para enterrar o que sentia, estava disposto a seguir em frente, mas tudo parecia ter ido por água abaixo com apenas poucas palavras.

— Jimin! — Tremeu ao ouvir seu nome, seguido por um bater de porta.

— O que foi? Só vim lavar o rosto. — Abriu a torneira novamente e deixou a água molhar sua cabeça. — Por que me seguiu?

— Pensei que talvez estivesse passando mal, mas pelo jeito só está com raiva de mim. Foi por eu te chamar de bonito? Eu realmente te acho bonito, Jimin. O que tem de errado nisso?

— Por que falou aquilo tão de repente? Estava querendo me testar?

— Aquilo o quê? — Franziu a testa por um momento, mas logo depois revirou os olhos e se encostou na parede. — Ah, sobre aquilo.

— É, Yoongi. O que esperava que eu fizesse? Me confessasse pra você?

— Talvez um pouco. — Ele deu de ombros. — Mas não inventei aquilo, juro. Saiu por sair.

— Saiu por sair?

— Fala sério, Jimin. Vai ficar irritado comigo por causa disso? — Aproximou-se dele e ficou encarando o espelho.

— Não é por isso.

— Então o que é? Fala pra mim! Nós somos amigos, Jimin, eu jamais te julgaria e você sabe disso.

— Esse é o problema. Nós somos amigos, sempre fomos.

— Isso te incomoda? — Seus olhares se encontraram, Jimin estava transbordando de raiva.

— De jeito nenhum, na verdade, as coisas estão bem melhores assim! Então não fique querendo me testar, porque eu não sinto nada por você além de ódio.

— Ódio é uma palavra muito forte, não acha?

— Casamento também. — Fez menção em sair, mas Yoongi o impediu.

— Me desculpa, Jimin. Por favor, eu não queria…

— Você sabia desde o começo e por isso ficou com receio em me contar sobre o casamento, demorou meses para fazer isso.

— Eu sei que agi como um idiota, foi exatamente por isso que te respeitei quando decidiu se esconder de mim durante todo esse tempo! Acha que não saquei, Jimin? Foi tão difícil pra mim quanto para você.

— Difícil? O que foi difícil? Você vai casar! Por que ligaria para o que eu sinto?

— Porque você é a pessoa mais importante que eu tenho, Jimin. Se não tiver você, não faz sentido.

— E pra isso precisa ficar me testando?

— Fui um babaca fazendo isso, confesso. Se eu quisesse saber de algo, era só perguntar pra você diretamente.

— Exato. — Sorriu como quem havia acabado de ser coberto por toda razão do mundo.

— Então, se é assim, seja sincero comigo. O que sente por mim? Sou apenas um amigo? Não vou perguntar duas vezes, Jimin, quero que me diga a verdade e, independente do que for, não vamos levar essa conversa adiante. Podemos fazer de conta que ela nunca existiu se quiser.

— Gosto de você, Yoongi. Da mesma forma que sei que jamais ficaremos juntos.

— Esperou que eu anunciasse um casamento para me contar isso?

— E o que adiantaria se eu dissesse? Você nunca me deu chance mesmo, sempre manteve essa sua posição de macho hétero, muito ridícula por sinal.

— É assim que você me vê? — Ele riu, ainda fazendo contato visual. — Não sei se deveria ficar triste ou ofendido.

— Pode sentir os dois se quiser. — Jimin sorriu, suspirando. — E eu achando por anos que tinha alguma chance.

— Escondeu isso por anos?

— Todo mundo sabia, Yoongi. Menos você, seu lerdo!

— Não está apoiando meu casamento ou aceitando ser padrinho contra sua vontade, né?

— Sendo bem sincero? Não é contra minha vontade, fico feliz em saber que você está feliz e encontrou alguém para viver ao seu lado por toda a vida.

— Mesmo que essa pessoa não seja você?

— Estou recolhendo os cacos... Quem sabe algum dia apareça alguém que me ajude a colar um por um.

— Estou mal por isso, Jimin.

— Não fique.

— Pra ser sincero, nunca soube ao certo o que sinto por você. Só sei que a ideia de não te ter por perto parece horrível, me sinto incompleto.

— Esse não é o momento certo para pensar nisso agora, ok? Apenas abandone essa dúvida, enterre todas as perguntas no fundo baú até que elas não estejam mais lá pelo simples motivo de você ter esquecido da existência delas.

— Será que um dia você vai me perdoar?

— Por isso? Não estou com raiva de você, Yoongi. Como disse antes, estou feliz por saber que encontrou uma pessoa legal e que vai te fazer o homem mais realizado do mundo. A parte de deixar meus sentimentos de lado totalmente vai acontecendo aos poucos, afinal, eles foram regados por anos.

— Me perdoar por ter sido um idiota em pensar que te afastar seria a melhor coisa a se fazer, porque assim eu não sentiria essas coisas estranhas…

— Aquelas coisas estranhas?

— Já sentiu como se borboletas estivessem agitadas em seu estômago? — Ele riu, fazendo o mais novo tocar em seu peito. — Ou então seu coração disparar só de pensar estar com aquela pessoa?

— Sim, sim.

— Eu sinto isso, Jimin. E é estranho, da mesma forma que me deixa feliz, também me deixa com medo.

— O amor é assim. Ele te faz ter coragem de pular de um penhasco, mas ter medo de dar o presente errado.

— O que eu deveria fazer com isso?

— Apenas sentir, Yoongi. Se for amor de verdade, você vai saber o que fazer, assim como quando decidiu pedir Chae em casamento, você sabia que queria isso.

— E se eu estiver errado todo esse tempo?

— Não quero que viva com essa dúvida.

— Como você tem tanta certeza de que gosta de mim…? — Sua voz tornou-se baixa. Tocou o rosto de Jimin e, com cuidado, afastou alguns fios de cabelo dos seus olhos, encarando-os por um tempo. — Como pode saber que essa palpitação é amor e não um sinal de ataque cardíaco?

— Você é um idiota mesmo! — Revirou os olhos, balançando a cabeça. — Mas como eu disse antes, você saberá quando for verdadeiro.

— Acho que agora sei o motivo da existência dessa festa. — Sorriu envergonhado e observou o Park por alguns instantes. — Talvez só assim pra descobrirmos o que realmente está no nosso coração.

— O que quer dizer com isso?

— Você pode afastar, se quiser — Hesitou um pouco, mas logo seus lábios foram ao encontro dos de Jimin, este que não o interrompeu; pelo contrário, sentia como se estivesse precisando daquilo mais do que nunca.

O beijo tornou-se ainda mais intenso, ambos esqueceram completamente do mundo lá fora, estavam envolvidos por desejos reprimidos e sonhos abdicados. Yoongi, então, empurrou o mais novo contra a parede e envolveu uma das mãos em sua nuca, deslizando a outra pela sua cintura e puxando-o para mais perto de si.

— Yoongi… — disse meio rouco, segurando o rosto do Min com as duas mãos, com uma enorme vontade de rebolar em seu colo. — O que estamos fazendo?

— Não faço ideia. — As coisas pareciam estar saindo do controle. — Sinto como se eu quisesse isso há muito tempo.

— Nós… não podemos. — Jimin parou de beijá-lo, desviando o olhar para o chão. — Você vai casar e isso não é certo.

— Me desculpa, eu… Eu não sabia onde estava com a cabeça. — Afastou-se rapidamente, seu rosto vermelho como um pimentão. — Céus! Me perdoa por isso, Jimin.

— Tudo bem, a culpa é minha. Eu que continuei.

— Não está chateado comigo, está?

— De jeito nenhum. Vamos manter isso em segredo e… foi efeito da bebida, não precisa ficar preocupado. Beleza?

— Ah, sim. É. Foi efeito da bebida, nós dois estamos loucos…

— Uhum. — Nervoso, o Park jogou uma água no rosto e forçou uma risada. — Uau! Mas que noite, não é? Acho que preciso ir para casa.

— Eu te levo até lá. Quer dizer, peço para alguém te levar porque minha condição é péssima agora.

— Não se preocupe, posso pedir um táxi ou quem sabe um Uber. — Sorriu, batendo no ombro de Yoongi. — Obrigado por hoje, nos vemos no seu casamento!

— Não deixe de me ligar para dizer que chegou.

— Farei isso — disse sem convicção. — E não beba mais, por favor.

— Não vou, sinto que vou explodir se tomar mais um copo.

— Espera. Tenho remédio para ressaca, você vai precisar amanhã. — Gentilmente pegou uma cartela de comprimidos da carteira e entregou ao rapaz.

— Mas e você?

— Em casa tem, não se preocupe.

— Obrigado, Jimin. Por tudo.

— Estarei aqui para o que precisar. — Olhou para o mais velho por alguns segundos, depositou um beijo carinhoso em sua testa e então se afastou dali. — Boa noite, Min Yoongi.


(...)


Os dois não se falaram mais desde o ocorrido, porém o dia tão importante havia, enfim, chegado. Ao entrar no salão onde seria a cerimônia e, mais tarde, a festa de casamento, Jimin não podia negar que a decoração estava impecável. Chae tinha realmente um bom gosto.

No lugar recheado de flores e cristais, o Park vestia um terno azul marinho assim como todos os outros padrinhos e madrinhas, esses que foram convidados para uma mesa próxima dos noivos. Os olhares dos rapazes se encontraram, mas Jimin logo desviou e fingiu não ter prestado atenção, havia tentado esquecer do que aconteceu naquela noite, mas parecia quase que impossível, deveria evitar Yoongi ao máximo.

As orientações foram dadas cerca de quarenta minutos antes e, logo em seguida, Jimin saiu para tomar uma água. O noivo já estava se preparando no altar e os convidados, aos poucos, preenchiam todos os assentos.

Jimin observava a decoração quando de repente o relógio bateu, anunciando o início da cerimônia.

Logo Yoongi apareceu na entrada, acompanhado de sua mãe, e uma música suave começou a tocar, os dois, então, caminharam juntos até o altar.

Em seguida, foi a vez do pai do noivo juntamente com a mãe da noiva, essa que olhava de um lado para o outro sem parar, suas mãos inquietas.

Até que chegou a vez dos padrinhos. Park estendeu o braço para uma moça ruiva que seria seu par naquele momento e ambos assentiram, sendo os primeiros a entrar.

— Você leu minhas mensagens? — Yoongi não hesitou em perguntar assim que o mais novo parou ao seu lado.

— Acordei atrasado hoje, não tive tempo.

— Ou é porque está com raiva de mim…?

— Esse não é o momento certo para falarmos sobre isso. — Jimin não fez contato visual, estava sério e suas mãos suavam.

A música, então, parou, todos os padrinhos e madrinhas já estavam no altar. A noiva ainda não havia aparecido, o salão estava mergulhado em um profundo silêncio e isso deixou Jimin estranhamente preocupado. Será que algo tinha acontecido no meio do caminho? E por que ninguém dizia nada? Aproveitou para dar uma olhada nas mensagens de Yoongi, esse que deu um suspiro e permaneceu parado com as mãos no bolso enquanto resmungava algo.


Chat

Min Yoongi está online.


Yoongi: Jimin?

Yoongi: Chae e eu brigamos na noite passada, mas dessa vez foi feio.

Yoongi: Eu disse a ela que não tinha certeza do que estava fazendo e virou a maior confusão.

Yoongi: Me responde, por favor.

Yoongi: Sei que está irritado, mas realmente preciso da sua ajuda agora, só mais essa vez.

Yoongi: Estraguei tudo.

Yoongi: Me sinto culpado.

Yoongi: Estou chorando, te machuquei, não é?

Yoongi: Por anos.

Yoongi: Nada do que fiz naquela noite foi por impulso, apenas não havia notado antes.

Yoongi: Agora é tarde…

Yoongi: Se não aparecer hoje, vou entender.

Yoongi: Só espero que me perdoe algum dia.


Min Yoongi saiu da conversa.


Ficou sem reação após ler as mensagens, aquilo era um balde de água fria em sua cabeça. Sentiu seu corpo se arrepiar da cabeça aos pés, como as coisas haviam acabado daquela forma?

Logo um rapaz se aproximou do noivo por trás e sussurrou algo em seu ouvido, sua expressão não era das melhores. Jimin percebeu o nervosismo estampado no olhar de Yoongi, parado naquele altar enquanto fingia não notar os convidados cochichando entre si. Já fazia quase uma hora de atraso e Park estava explodindo por dentro.

— Para mim, já deu! — Quando percebeu o que havia dito, já tinha dado um passo à frente e todos o encaravam. — Preciso ser sincero com você, Yoongi.

— O que está fazendo? — questionou o Min em forma de resmungo, os olhos arregalados.

— Bem, eu… Primeiro, quero pedir desculpas para todos vocês — disse, voltando o olhar para os convidados, que até o momento permaneciam em silêncio. — Talvez muitos aqui não me conheçam e estejam se perguntando "Que diabos ele está pensando em fazer?", pois bem, me chamo Park Jimin e por muito tempo estive ao lado de Yoongi, nós somos melhores amigos como muitos dizem. E hoje é um dia especial na vida dele, o que torna um dia especial para mim também, pois estive compartilhando todas as minhas alegrias com ele durante todos esses anos, mas, como boa parte dos que estão presentes aqui hoje já perceberam, a noiva não virá.

Murmúrios começaram a tomar conta do salão, Yoongi faz menção em pegar o microfone, mas Jimin logo o impediu, olhando em seus olhos que já estavam começando a lacrimejar.

— Silêncio, por favor. — Hesitou por um momento e respirou fundo. — Eu sei o quanto Min Yoongi se dedicou para o dia de hoje, conversei com ele algumas vezes durante esse tempo e percebi o esforço que estava fazendo para que as coisas fossem simplesmente perfeitas, saíssem todas conforme o planejado. Me machuca saber que, no fim, as coisas ficaram assim, mas sei que tem os seus motivos. Peço desculpas do fundo do meu coração se em algum momento um dos motivos foi a minha existência na sua vida, Yoongi. Se tem algo que sempre darei preferência é pela sua felicidade, independentemente de estar incluído nisso ou não, e você sabe muito bem disso. Jamais vou interferir nas suas escolhas, se você está disposto a casar com Chae, então pegue seu celular e ligue para ela agora mesmo, esqueça todo o motivo da briga e prossiga com esse casamento!

— Jimin, por favor… — O mais velho mantinha um olhar assustado, as suas mãos tremiam e sua voz estava rouca, encarava o celular como quem não soubesse seu propósito. — Já tentei falar com ela, mas você sabe que isso não é o que eu...

— Estive me segurando por muito tempo, Yoongi. Durante todos esses anos, eu te amei mais do que qualquer coisa e não queria esperar um anúncio de casamento para falar sobre isso. Sei que parte dos que estão aqui vão me odiar agora, mas não quero que o dia mais importante da vida do meu melhor amigo seja arruinado desse jeito. Então, se Chae não está disposta a estar ao seu lado, farei isso com todo prazer.

O mais novo pôde ver os olhos do Min brilharem, sua expressão era de choque e, ao mesmo tempo, alívio. Os convidados permaneciam em silêncio com as mais diversas expressões.

— Eu sei o quanto você é incrível e merece alguém que te apoie em todos os momentos da sua vida, alguém que você possa compartilhar todos os seus sonhos e metas, que veja a pessoa maravilhosa que você é e valorize isso mais do que qualquer outra coisa. Diante de todas essas pessoas, quero deixar registrado que estou pronto para assumir essa responsabilidade se você aceitar, mas não vou deixar de te ajudar no que for preciso, independente da sua resposta. Que essas pessoas me odeiem o quanto quiserem, nunca fui tão sincero na minha vida quanto hoje. Se eu tiver o apoio deles, tudo bem, mas se não tiver, tudo bem também.

— Você…

Yoongi hesitou por um momento, olhou para os convidados e depois para o homem que acabara de se confessar em meio ao seu casamento, esse que mantinha um enorme sorriso no rosto. Seu coração começou a disparar, o Min sabia que todas aquelas palavras estavam cheias de verdade e sinceridade, Jimin estaria ao seu lado apesar de tudo o que havia acontecido, assim como esteve durante anos.

— Naquele dia, você me disse que o amor é como pular de um penhasco sem medo, você sente que encontrou a pessoa certa, porque é totalmente diferente de uma simples paixão. Você sabe, mas nem sempre quer assumir isso... — Segurou o microfone com mais firmeza e sorriu, usando a outra mão para tocar o rosto de Park. — E eu cansei de ter medo, Jimin. Não quero mais ignorar os sinais, forçar a mim mesmo algo que não tenho certeza e colocar como verdade na minha vida.

“Desejo estar ao seu lado mais do que qualquer outra coisa e peço desculpas por demorar tanto tempo para perceber, para aceitar isso. Eu te amo muito, Park Jimin. Amo a forma como você não desiste de mim, como abre mão até das grandes coisas para cuidar do idiota que eu sou, amo o jeito que seus olhos ficam fofos quando sorri, amo te ter por perto e sinto que, se eu tiver isso, tenho tudo. Então se você ainda estiver disposto, quero que seja a pessoa que vai me apoiar em todos os momentos da minha vida, aquele com que quero construir sonhos e metas, que vai me ajudar todos os dias a me tornar a pessoa maravilhosa que você vê em mim…”

— Isso é sério?

— Posso simplificar, se quiser. — Riu, enchendo os pulmões de ar. — Quer casar comigo?

— Eu quero, mais do que tudo.

Naquele momento, não importava quem iria se levantar e ir embora, ou quem permaneceria de pé batendo palmas. O amor venceria tudo, pois eles estariam juntos um pelo outro, em todos os momentos.

~~~~


Notas Finais: Quero agradecer a @migukie pela betagem maravilhosa e @Je0n pelas capas impecáveis, muito obrigada mesmo! Vocês duas são uns anjos, fiquei muito feliz! Obrigada também a você leitor por acompanhar a fanfic até aqui, espero muito que tenha gostado de ler assim como eu amei escrever... nos vemos numa próxima!

3 Septembre 2021 20:43:28 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
La fin

A propos de l’auteur

2Min Pjct Projeto de fanfics do shipp Yoonmin (Yoongi & Jimin) do grupo sul coreano BTS. Nos encontre também no Wattpad (https://www.wattpad.com/user/2MinPjct), Spirit (https://www.spiritfanfiction.com/perfil/suji05), ao3 (https://archiveofourown.org/users/2minpjct) e twitter.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~