Histoire courte
0
528 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Vanidade

São muitos os exemplos de como a raça humana é capaz de transformar certos caprichos em motivos para a carnificina. Quanta inutilidade e tolice existe nos corações daqueles que governam apartados da realidade do mundo. Houvesse um pouco mais de bom senso, tantas ações perniciosas poderiam ter sido evitadas. O que deu errado? Por que estamos nessa situação? Enfrentamos problemas criados por nós mesmos afim de vivermos no ápice da civilização, uma rodeada por barbaridades, exploração, desigualdade e sangue. Temos poder para consertar nosso caminho - tomar decisões corretas, que pelo menos teriam a intenção de devolver a saúde ao nosso destino. Mas por que não as tomamos? Talvez porque a natureza humana seja menos racional e mais propensa à violência: o conflito e a guerra são formas possíveis para resolução da desavença. É desesperador a queda que teremos de enfrentar: talvez a maior parte da humanidade não sobreviva e aqueles que sobreviverem terão de conviver com as situações mais terríveis possíveis. Não somos a finalidade última de toda criação, somos uma contingência, um erro: não era para estar lá, só está por coincidência. Desventurada é a história humana, tal como os interesses - muitas vezes imediatistas e sem objetivo- representados pelos tomadores de decisão. A vanidade de alguns será certamente a causa do fim de nossa sociedade. Pergunto-me então cotidianamente, o futuro é assustador - ele me deixa sem sono e extremamente preocupado. A redenção de não ser capaz de mudar é a única opção a qual eu posso escolher; de resto não sou poderoso o suficiente para ajeitar as coisas. Nada mais é tão estranho do que viver no ápice: pensar que daqui para frente é só ladeira abaixo deixa emoções ruins florescerem e dominarem meus pensamentos. Mas, uma característica marcante da humanidade é a capacidade de se adaptar ao meio. Poucos dentre nós percebem com convicção a natureza intensamente incomum, instável, complexa, temporária e não confiável de nós mesmos. A natureza humana é, portanto, o mesmo que o fogo: ele deve se expandir, pois no instante em que para, sua chama se torna cinzas. Ah o progresso, tu és uma piada. Tu pensas estar sustentando seus ideais? Vê nossa realidade. Não se vê positividade do progresso em nenhum lugar. Vós, defensores desta doutrina, vós lutais demais por seus ideais pelos outros e por vós mesmos. Chamamos isso de ideais justamente por serem inatingíveis: lutar por eles quando sabeis não serem possíveis é estupidez e covardia, não achais?


19 Août 2021 14:40:33 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
La fin

A propos de l’auteur

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~