2minpjct 2Min Pjct

Jimin, filho de Afrodite, vai a uma celebração no Olimpo pela primeira vez. Lá ele se vê encantado pelo filho de Hades, Yoongi, cujos olhos felinos não deixam de observá-lo durante o jantar. Entretanto, o deus do submundo não gosta nem um pouco quando encontra Jimin em seus domínios. Para achar uma maneira de conseguir ficar perto do amado, o rosado recorre à mãe.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Déconseillé aux moins de 13 ans.

#amor #bts #yoongi #jimin #yoonmin #fluffly #minimini #suji #mitologia-grega #2min #minmin #sujim #2minpjct
4
833 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Se for destino, você sabe

Escrito por: @louiselobo_/@louiselobo_


Notas Iniciais: Oi, aqui é a Loui!

Eu gostei demais escrever essa história, espero que vocês possam curtir ela também 💙

Agradecimentos especiais às adms do projeto, à Naoh @minie_swag que betou essa fic em tempo recorde, à Thainá (@busanjimin) que fez essa capa maravilhosa (to babando muito nela, sim) e à @YinLua que vai postar 💙

Espero que gostem, vejo vocês nas notas finais!


~~~~



Era mais uma mudança de estação, e os deuses se reuniram novamente para celebrar o tempo bom que iniciava, mais uma primavera chegava. Jimin nunca havia ido a alguma comemoração grandiosa daquelas, sua mãe sempre o deixava em casa cuidando de tudo e preferia levar seu irmão mais velho, Seokjin, como acompanhante. Ele achava injusto, mas até entendia, ou pelo menos tentava. Apesar de ser filho de Afrodite, Jimin era tímido e um tanto inseguro. Características essas pouco comuns aos filhos da deusa, tendo em vista que eles eram lindos e de autoestima elevada, não havia um ser na Terra — e quem sabe no Olimpo — que não caísse aos encantos dos filhos de Afrodite.

Jimin não duvidava disso ao olhar para Seokjin, o irmão possuía uma elegância sem igual e conquistava quem ele quisesse com sua fala articulada e sua beleza única. A risada era meio estranha, mas mesmo assim todos caíam de amores por ele.

Entretanto, Jimin acreditava que toda a herança da deusa havia ficado com o irmão. Ainda que seus cabelos rosados fossem realmente adoráveis, o rapaz ainda tinha muita insegurança por causa de suas bochechas fofas, mas ele não queria se tornar um obcecado por aparência, então, na maioria das vezes, ele tentava não se deixar abalar por essas pequenas questões, sempre tentando ser gentil e cordial com todos que que encontrava.

― Ei, pirralho ― chamou Seokjin enquanto entrava em seus aposentos.

―Oi, hyung. ― Virou-se para ele. ― Ué… Não está pronto ainda?

― Hm… bom… ― Seokjin andava de um lado para outro, com suas pernas longas elegantemente vestidas em uma calça de tecido raro.

― Fala logo, Seokjin… ― disse impaciente.

― Eu preciso de um favor. ― Cruzou os braços.

― Não vou te fazer massagem agora, nem vem.

― Não é isso!

― Então fala logo, eu tenho coisas a fazer. ― Deu as costas ao outro.

― Nossa, que coisas? Retocar o cabelo de novo? Tá desbotadinho mesmo…

― Seokjin?! Fala de uma vez, o que você quer?

― Tenho um encontro hoje. Não tenho como desmarcar, vai com a mamãe, por favor! ― falou de uma vez.

― O-o quê?! — disse assustado. ― Mas ela não vai deixar, hyung. E eu nem arrumei nada e eu não conheço ninguém e...

Seokjin andou até ele sorrindo e ele conhecia muito bem aquele sorriso, era o que o mais velho fazia para conseguir convencê-lo do que quisesse, aquele era seu maior artifício.

― Ah, qual é, Jiminie, vai ser muito legal! ― começou. ― Todos os grandes estarão lá, imagine só, tem muita comida, bebidas deliciosas…

― Estou de dieta! ― disse para tentar parar o outro. Não era que ele não queria experimentar ir à tal comemoração pela primeira vez, mas ele nem havia se preparado para isso! ― E eu nem tenho roupas adequadas!

― Jimin, por Zeus, qualquer coisa que colocar vai ficar incrível ― falou com sinceridade. ― E, ora, se não tiver roupa, vista a espuma do mar e mesmo assim continuará lindo.

― Você faria isso?! — perguntou com uma careta e viu o outro dar de ombros.

― E por que não faria?

Jimin começou a pensar que seu irmão era mais maluco do que ele imaginava. Seokjin puxou-o pelas mãos e sentaram-se na cama fofa e arrumada de Jimin.

― Aproveite a oportunidade, falando sério agora, é realmente divertido. ― Sorriu. ― Vá e conheça pessoas novas, sorria, seja a pessoa encantadora que você é e quem sabe até consiga dar alguns beijinhos.

― Hyung! ― repreendeu.

O rapaz de cabelos rosados era sensível quando se tratava daquele assunto. Ainda não havia beijado ninguém, ele esperava que fosse em um momento especial com uma pessoa especial e, como essa pessoa ainda não havia aparecido, ele esperaria pacientemente.

― Eu vou, mas fale com mamãe primeiro. Não quero que ela fique brava.

― Ela já sabe e está de acordo ― disse, levantando-se. ― Então vá tomar um bom banho de banheira e se arrumar para mais tarde.

― Hyung…

Seokjin depositou um beijo leve em sua testa e afagou suas bochechas.

― Não tenha medo, confie em si mesmo.

― Ok… Espero que tenha um bom encontro.

O mais velho acenou já saindo do quarto, batendo a porta devagar.

Jimin suspirou e deitou na cama, olhando para o teto. Seria a primeira vez que iria a um evento daquele tipo e, pensando bem, levando em conta o fato de que não havia muita coisa para se fazer ali naquela ilha, era melhor que se divertisse mesmo.


(...)


O novo lar dos deuses era uma ilha enorme, grande mesmo, mais parecia um continente bem no meio do oceano para ser mais exato.

Zeus tinha seu templo no topo de uma montanha, tão alta que não conseguia enxergar ali do chão, mas em dias de festas, conseguia ver as luzes dos holofotes coloridos. Poseidon tinha seu castelo submerso, ele era meio metido, na opinião de Jimin, chato até demais, mas muito comprometido com seus trabalhos. O reino de Hades se estendia por baixo de tudo aquilo, como uma grande caverna quente e sombria.

Bom, era isso que ele havia aprendido durante todo sua vida, pois nunca havia ido a lugar algum. Tudo o que ele sabia eram as histórias que sua mãe e irmão contavam. Jimin nunca havia ido além da campina florida onde moravam.

Para Afrodite, havia sido designado aquele lugar como território, perto da praia onde algumas náiades sempre brincavam, em uma campina ensolarada e florida. O pequeno templo tinha tendas brancas na frente, onde a própria deusa e seus filhos gostavam de passar a tarde e apreciar o pôr do sol. A grama era sempre verde e havia diversos tipos de flores por ali. Mais à frente havia um bosque iluminado, era o acesso para a floresta onde Ártemis reinava e ele só chegava até ali, nunca havia recebido permissão para ir além dele.


Levantou da cama determinado e pronto para começar a se arrumar, teria a oportunidade que tanto desejou, então faria como Seokjin disse, aproveitaria o máximo que pudesse.

Buscando em seu armário de roupas algo que lhe caísse bem, optou por uma camisa de tecido fino e rosado, ela possuía algumas flores na gola e nos punhos. Uma calça preta simples e um sapato social bem lustroso. Arrumou o cabelo deixando os fios róseos sobre a testa e passou um perfume sutilmente floral; a maquiagem foi bem pouca, apenas para ressaltar seus olhos pequenos e seus lábios cheios, afinal, ele era um filho da deusa da beleza.

Andou pelos corredores do templo, algumas servas andavam de um lado para outro terminando de arrumar sua mãe. Como o esperado, ela estava magnífica. Seulgi, como gostava de ser chamada pelos mais próximos, estava deslumbrante como sempre; seus cabelos negros semipresos em um penteado ornavam com o rosto suave e delicado, suas roupas pareciam ter sido feitas de nuvens, tão esvoaçantes elas eram. Ela era linda, a mais linda. Jimin observava com admiração a mulher sentada em frente a um grande espelho.

― Está pronto, meu amor? ― perguntou sorrindo. ― Nervoso?

Jimin concordou um pouco envergonhado, gostaria de não ser tão inseguro quanto era, queria ter herdado a confiança da mãe.

― Está tudo bem ficar nervoso — disse enquanto se aproximava. ― Seokjin também estava quando foi a primeira vez. Vamos?

― Vamos, mãe. ― Sorriu.


(...)


Eles foram de carruagem até o topo da montanha de Zeus; mesmo sendo uma carruagem, é óbvio que havia magia ali, pégasus a puxavam, então ela simplesmente passou por cima de todo o bosque, indo por cima de toda a vegetação. Em um piscar de olhos, já estavam no local iluminado que era uma praça na entrada do templo de Zeus.

Cumprimentaram quase todas as pessoas ali e entraram no grande salão onde aconteceria a festa. Uma mesa enorme estava disposta bem no centro do cômodo, cheia de iguarias das mais diversas regiões do mundo. Jimin andou pelo local e pegou um dos drinks que estavam sendo preparados no bar, bebericou um pouco e correu os olhos pelo lugar, buscando alguém que conhecesse, alguma das filhas de Poseidon, quem sabe.

Mas seus olhos fixaram em um rapaz pálido e de cabelos escuros. Suas roupas negras ficavam perfeitamente arrumadas em seu corpo esguio, ele vestia uma camisa vermelha por baixo do terno preto e Jimin só percebeu que estava de boca aberta quando sua própria mãe a fechou.

― Yoongi, filho de Hades. ― Jimin virou para a mulher que tinha um olhar firme sobre ele. — Hades é… complicado, Jimin.

― Eu… só estava olhando. Não é nada demais, mamãe.

A mulher observou o rapaz por um instante e suspirou, sabendo que não poderia fazer muita coisa. Ela entendia de paixões, amores e via nas bochechas coradas e olhos brilhantes de Jimin que ele estava encantado. E nem poderia culpá-lo, o outro garoto era lindo, não sabia como Hades havia feito um filho tão polido quanto Yoongi, fora que até ela admitia que o menino era tão bonito que poderia até ser um de seus filhos, mas não era o caso.

― Venha, vamos nos sentar, o jantar já vai ser servido ― disse levando o filho até a grande mesa.

Coincidentemente, Hades havia sentado quase na frente de sua mãe, com Yoongi ao seu lado, quase de frente para Jimin.

Dali ele conseguia ver as feições suaves do rosto do moreno e quase esqueceu que precisava comer e não ficar encarando o rapaz. Yoongi o pegou de surpresa enquanto Jimin o olhava de esguelha, o que levou o rosado a tossir levemente pelo susto de ter sido pego. O moreno esboçou um sorriso e Jimin sentiu que poderia derreter a qualquer momento.

Passaram o jantar inteiro trocando olhares envergonhados; Jimin tentava não parecer muito interessado, mas era impossível, o moreno possuía um ar de mistério que o deixava curioso e encantado ao mesmo tempo. Sem contar que seus olhos felinos e atentos faziam com que o rosado sentisse empolgação ao vê-lo retribuir suas encaradas.


Quando o jantar terminou, os convidados foram socializar pelo grande salão, a música animada tocava sem pausas e alguns aproveitaram para dançar, outros preferiam beber e conversar. Afrodite estava cercada de pessoas, como sempre acontecia onde quer que ela fosse, o rapaz de cabelos rosados imaginou que se fosse Seokjin ali aquela noite, estaria do mesmo jeito que a mãe, mas ele não estava pronto para isso ainda.

Andou mais um pouco até chegar em uma varanda pouco iluminada, longe daquela barulheira toda.

― Entediado? ― Ouviu uma voz rouca dizer e virou-se procurando o dono da mesma. ― Eu não gosto muito dessas festas, mas…

O filho de Hades estava ali, no canto da varanda, encoberto pela penumbra.

― Eu sou o Yoongi ― disse olhando para Jimin. ― Filho de Hades, você sabe. — Abaixou o rosto um pouco envergonhado e o rosado teve a impressão de ver as bochechas do outro ficarem vermelhas.

― Jimin. ― Sorriu para o moreno e viu o outro ficar boquiaberto. ― O que foi?

― N-nada! ― Pigarreou. ― Eu nunca tinha te visto.

― É a primeira vez que eu venho… Também só fico na praia ou na campina a maior parte do tempo…

Jimin caminhou até estar apoiado no parapeito da varanda.

― Qual parte da praia? ― perguntou curioso.

― Perto da entrada do Bosque de Ártemis, você conhece?

― Acho que…

― Yoongi? — Ouviram a voz pesada de Hades chamando pelo moreno.

Yoongi fez uma breve reverência para Jimin, o rosado imitou o movimento do outro.

― Tenho que ir… ― disse cabisbaixo. ― Foi um prazer te conhecer, Jimin. ― E saiu rapidamente.

Jimin nem percebeu que prendia a respiração, soltou o ar de uma vez quando ficou sozinho. Levou sua mão até o peito para constatar o óbvio, seu coração batia acelerado, suas bochechas aquecidas também o denunciavam. Ele continuou na varanda até ver Yoongi passar pela pequena praça da entrada acompanhando o pai, a cabeleira negra como a noite esvoaçava com o vento. Ele suspirou.


(...)


Haviam se passado dois dias desde a festa no templo de Zeus. Jimin andava pela praia tranquilamente, os pés descalços na areia fina e seus pensamentos que não deixavam aqueles olhos misteriosos de Yoongi. Perguntava-se se algum dia conseguiria ver o moreno novamente.

Sentou na grama baixa na saída da praia, apreciando a vista do oceano enquanto se permitia divagar pela sua imaginação onde ele era um garoto bem mais confiante e chamava o rapaz para tomar um chá enquanto conversavam a tarde toda.


Ouviu de repente um barulho estranho, olhou para os lados em busca da origem do som. Correndo na areia fofa, um poodle de pelagem fofa e marrom, um cachorrinho pulava em sua direção.

― Ei! ― Pegou o filhote no colo. ― Oi, neném, de onde você veio, hein?

O animalzinho latiu e saiu do colo do rapaz. Jimin não entendeu a princípio, mas não demorou a perceber que ele queria que o rosado o seguisse e, como qualquer pessoa faria com um pet adorável daquele, ele o seguiu.

O poodle saltitava contente à sua frente, passaram pelo templo e pela campina, indo em direção à entrada do bosque, mas quase chegando lá, ele parou perto de uma parede de trepadeiras. Jimin nunca havia prestado muita atenção nela, mas o cachorro latia sinalizando que tinham chegado ao lugar que ele queria.

― O quê? Não tem nada aqui, fofinho ― disse para o animal.

O cachorro ignorou o que Jimin havia dito e simplesmente entrou na parede, como se a mesma fosse feita de ar. O rosado hesitou por um instante, mas o poodle colocou a cabeça para fora da parede novamente, chamando-o, e ele foi. Quando passou pela parede, não podia acreditar em seus próprios olhos. Um jardim imenso se estendia pelo que parecia ser uma caverna enorme. O cheiro era tão bom que ele parou um segundo para inalar profundamente.

― Venha, Holly! ― Escutou a voz grave chamando. Ele reconheceria aquele tom em qualquer lugar, mesmo que tivessem trocado apenas algumas frases.

― Yoongi! ― Sua voz saiu aguda. ― Ele é seu?

― Pode-se dizer que sim, é da família. ― Sorriu gentilmente.

Jimin se aproximou um pouco mais, notando que ainda estava descalço e com suas tradicionais vestes de linho branco. Yoongi vestia linho também, mas preto. O rosado queria ao menos ter passado alguma maquiagem naquele dia, mas seu rosto estava limpo e a insegurança o afetou novamente.

― Onde é esse lugar? ― perguntou, tentando desviar a atenção de Yoongi de seu rosto. ― Nunca vi algo assim antes…

E realmente nunca havia visto. Aquele jardim ficava no submundo, pertencia à Perséfone, mãe de Yoongi, ela cuidava do lugar cuidadosamente e com muito carinho. Jimin sentou na relva sem se importar se sujaria a roupa, aquele lugar precisava ser admirado. O moreno sentou próximo a ele, com o cachorrinho em seu colo.

― É o jardim da mamãe ― disse dando de ombros. ― Gosto de vir aqui às vezes, brincar um pouco com Holly e respirar ar puro.

― Ele se chama Holly? ― falou fazendo carinho no animal.

― Eu chamo… Papai o chama de Cérbero.

Jimin automaticamente ligou o nome à figura e recuou a mão rapidamente. Yoongi riu da atitude do rosado, um sorriso gengival que fez o ar de seus pulmões se esvaísse. O pai poderia parecer assustador para Jimin, mas o filho parecia o mais doce dos seres. Yoongi pareceu ficar constrangido, então ele desviou o olhar para o jardim. Era realmente lindo. Havia flores ali que ele sequer saberia nomear, tantos tipos e cores diferentes que ele poderia ficar ali para sempre. Viu Holly correr pelo meio das flores e sorriu.

― Como ele me achou na praia? Aliás, como passamos por aquela parede?

― Eu pedi que ele fosse te chamar… e a parede é um portal. Coloquei ali para… para… enfim, é um portal.

― Aqui é lindo. Obrigado.

― Você é lindo… ― disse alto sem perceber. Jimin riu quando o moreno escondeu o rosto com as mãos.

― Você também é.

Passaram parte do dia falando sobre seus gostos, Yoongi amava música, assim como Jimin, que até cantou um pouquinho a pedidos do moreno. O filho de Hades ensinou o nome de várias espécies de flores que cresciam somente naquele jardim. Comeram das frutas que davam nas árvores e brincaram com Holly.

De repente, o cachorro parou e sentou olhando para o nada.

― Droga… ― Yoongi falou e se colocou à frente de Jimin.

― Yoongi! O que ele faz aqui? ― disse Hades parecendo irritado.

― Estávamos conversando.

― Ele não pode vir aqui, você sabe muito bem disso!

― Desculpe, senhor… Eu já vou, sinto muito. ― Jimin pediu desculpas, ele sabia que Hades não gostava de almas vivas em seus domínios.

Saiu de trás de Yoongi e reverenciou o deus do submundo e olhou uma última vez para Yoongi.

― Jimin, espera! ― chamou o moreno. ― Esse é o jardim da mamãe, eu posso trazer alguém.

― Continua sendo meu território ― disse sério. ― Volte para o templo de sua mãe.

Jimin assentiu ainda triste, mas saiu dali o mais rápido que pôde. Com o coração apertado, ele correu pela campina até chegar ao templo, entrou correndo e foi em busca de Seokjin. Ele encontrou o mais velho escrevendo cartas de amor para Hoseok, filho de Apolo. Entrou sem pedir permissão e jogou-se na cama do outro.

― O que você aprontou? ― perguntou. ― Da última vez que apareceu no meu quarto desse jeito, você tinha quebrado os perfumes da mamãe.

Jimin choramingou, abraçando o travesseiro e gritando contra ele.

― Ei! O que aconteceu? ― Foi até a cama, sentando-se ao lado do irmão. Jimin levantou e começou a contar tudo.


(...)


― Por que me chamou? ― perguntou entediada, não sabia o que Hades queria, mas sabia que boa coisa não era.

― Você sabia que seu filho estava no submundo nesta tarde?

― O quê? Jimin?

― Eu realmente não sei nome, o que tem cabelos róseos ― falou impaciente.

― O que ele estava fazendo lá?

― Você deveria saber, não é mãe dele?

Afrodite revirou os olhos, chato.

― Não sei como ele foi parar lá, mas vou orientá-lo a manter distância.

― Acho que meu filho o levou até lá.

― Yoongi?! ― Surpreendeu-se. ― Bom… então acho que meu filho não estava lá por acaso.

― Não importa, Afrodite. Se ele entrar de novo, eu mesmo garantirei que ele não vai sair.

A deusa levantou do banco onde estava sentada, a praça na frente do templo de Zeus por vezes era usada para conversa entre os deuses.

― Se for o destino, você sabe, não teremos como evitar.

― Mantenha distância, apenas isso.

Revirou os olhos novamente. Hades levantou e arrumou as vestes.

― Então diga para seu filho não ir atrás dele.

― Eu já fiz isso.


(...)


Sua mãe entrou no templo e olhou para ele e o irmão parados no salão de entrada.

― Ele tá apaixonado. ― Seokjin apontou para ele.

― Mãe...

― Hades já me disse tudo.

― Nossa, que fofoqueiro ― disse o mais velho ao sentar em uma das poltronas.

A deusa sentou em outra e sinalizou para Jimin sentar na terceira, à frente dela.

― Você entrou sem permissão, ele não gosta.

― Eu sei, mas… ― Parou ao ver ela erguer a mão.

― Yoongi não é o dono do Inferno, o pai dele é.

Jimin afirmou triste com a cabeça, um bico de choro ameaçando aparecer. Seokjin olhou para a mãe, não gostava de ver o irmão daquele jeito.

― Não podemos fazer nada? ― tentou. ― Matá-lo… sequestrar o Yoongi e o casar com o Jimin escondido?

Jimin e Afrodite riram das ideias furadas do irmão. Ele poderia deixar isso pra lá, mas sendo filho da deusa do amor, ele entendia bem daquele sentimento e sabia que não se tratava de uma paixão passageira que dali algum tempo perderia o interesse, como sempre acontecia com o irmão. O que sentia por Yoongi era intenso e sabia que seria duradouro.

Só de lembrar do sorriso do outro, seu coração parecia querer explodir de amores. O timbre de sua voz ficou marcada em sua memória e era tão doce falando consigo que era impossível resistir. Pelos olhares de Yoongi, ele também conseguia ver o quanto o outro lhe tinha apreço.

― Você gosta mesmo dele, não é?

― Sim, mãe. ― Balançou a cabeça positivamente. ― Eu gosto tanto dele.

― Vamos tentar dar um jeito.

Naquela noite, ele deitou na cama e demorou a pegar no sono. Repassando em sua cabeça tudo o que conversaram no jardim de Perséfone, a voz melodiosa falando sobre flores e, claro, a imagem do sorriso gengival, o sorriso mais lindo que poderia existir naquele mundo.

Pensando em Yoongi, ele adormeceu.


(...)


Alguns dias passaram e o rosado não parava de pensar no moreno, seus pensamentos sempre voltavam a ele, mesmo quando tentava se concentrar em algum livro ou tarefa que precisava fazer.

Jimin acordou tarde, ninguém havia ido até seu quarto. Levantou e foi até a banheira, tomou um longo banho de pétalas com ervas perfumadas, vestiu uma roupa leve. Não sentia fome, seu coração ainda pesava e ele começava a pensar que sua mãe não conseguiria achar uma solução. Ele não queria ser o deus dos amores não correspondidos, ele queria amar Yoongi e ser amado de volta.

Caminhou até uma das tendas na praia, com seus livros de estudos em mãos, tentando não pensar em Yoongi.

Já lia por horas quando as ninfas que ficavam por ali pareciam agitadas demais. Ergueu a cabeça tentando ver do que se tratava e não percebeu o que era até ver Holly correndo pela campina em sua direção.

― Ei, garoto! ― chamou. ― Venha cá, Holly!

O cachorro pulou no colo do rosado e se aninhou ali, recebendo o carinho do rapaz.

― O que você tá fazendo aqui, hein? ― perguntou. ― Ei, espera.

Olhou em volta procurando alguém e viu uma figura pálida em suas vestes negras caminhando até ele. Seu coração quase saiu do peito ao identificar os cabelos negros que pareciam tão sedosos. Alguns passos a mais e Yoongi chegou até a tenda.

― Olá, Jiminie ― disse com um sorriso tímido.

― Oi… Como…? ― Viu o outro dar de ombros.

― Afrodite disse que eu podia passear nos domínios dela sempre que quisesse… Holly queria passear, então…

― Ah… ― disse um pouco desapontado. Sua mãe havia arrumado uma solução para que não deixasse de ver Yoongi, mas ele queria levar o cachorro para passear?

― E eu queria ver você.

Jimin sorriu tão largo ao ouvir aquilo que seus olhinhos sumiram com a ação.

― Posso sentar?

― Claro!

― Que livros são esses? Poesias? ― Jimin concordou. ― Eu tenho… alguns poemas que escrevi, você quer que eu recite para você qualquer dia desses?

― Tenho certeza de que vou adorar.

Eles permaneceram na praia até o pôr do sol, enquanto liam juntos e conversavam sobre os poetas que mais gostavam, assim como os heróis que mais admiravam. As horas passavam rápido quando eles estavam juntos, o tempo parecia voar. Holly sempre perto deles, resguardando-os, como um fiel escudeiro de Yoongi.

A companhia do moreno era doce e tranquila, diferente do que todos imaginavam se tratando do filho de Hades — talvez fosse pela influência da mãe, mas Yoongi era sempre gentil e calmo, amoroso e atencioso.

Yoongi visitava o rosado todos os dias, cada dia levando uma flor diferente do jardim de sua mãe. Jimin admirava o presente singelo, ele amava flores e Yoongi o presenteava com as mais belas.

Os sentimentos de ambos não passavam despercebidos, Jimin estava mais sorridente que nunca, mais empolgado e feliz. A razão era óbvia, bastava o rapaz de cabelos negros aparecer pela campina que tudo ganhava um ar diferente. Quando ia embora, se despediam por longos minutos.

― Até amanhã, Yoonie ― dizia sem soltar a mão do outro.

― Até logo, Jiminie. ― Deixava um beijo terno na testa do rosado e entrava pelo portal.

Em uma tarde, quando o sol já começava a desaparecer no horizonte, Yoongi chamou a atenção do outro para si, um pergaminho em mãos e começou a recitar um poema. Era um poema que ele havia feito para Jimin, dizendo tudo o que o rosado representava para ele e declarando seu amor.

Com as ninfas que também ouviram o poema e as náiades que assistiam tudo do mar, eles se beijaram. Calmamente, com os lábios roçando levemente uns sobre os outros, selares seguidos de sorrisos.

― Eu te amei desde o primeiro momento ― disse Jimin entre um beijo e outro.

E continuaram ali, descobrindo o sabor dos lábios amados e dos sentimentos de amor correspondido.


Do templo, Afrodite abençoava o jovem casal e desejava a eles todo o amor do mundo.

~~~~


Notas Finais: Obrigada por chegarem até aqui!

Espero que tenham gostado da história e ficado boiolas com os yoonmin.

Me deixem saber o que acharam!

Até a próxima! 💙

Loui 💜 Vocês!

5 Août 2021 21:07:00 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
3
La fin

A propos de l’auteur

2Min Pjct Projeto de fanfics do shipp Yoonmin (Yoongi & Jimin) do grupo sul coreano BTS. Nos encontre também no Wattpad (https://www.wattpad.com/user/2MinPjct), Spirit (https://www.spiritfanfiction.com/perfil/suji05), ao3 (https://archiveofourown.org/users/2minpjct) e twitter.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~