Blog do Escritor Suivre un blog

blog Jackie Inkspired Blogger Era uma vez... mas nem toda história começa assim. Lá estava ele: o computador, aberto no tear de vidas. E a personagem. Estava tudo certo, mas, então, ela viu o autor. Curiosa, seu dedo quase o alcançou, e a roda do tear girou. Foi assim que as coisas se tornaram tênues: um toque e tudo daria errado, outro diferente e daria muito certo! A Bela Adormecida representa a fragilidade dos elementos construtivos da história. Uma história não vem pronta, ela é construída com enredo, sinopse, capítulos... O tear representa essa construção, enquanto que a agulha é o perigo de tudo desandar com sua Bela Adormecida. Nós queremos, neste blog, mostrar a vocês dicas para que consigam tear histórias cada vez mais harmônicas.

#embaixadaBrasil #narrativa #conteudo #sinopse #construçao-de-historia #tecendo-historias
Faire un don à cet écrivain
76.6mille
38.8mille VUES
AA Partager

Se estiver cansado, escritor, respire, volte depois para escrever

Eu sei, você está cansado de escrever e escrever. Sua mente está exausta de ver tantas palavras, que algumas delas estão até se embaralhando com outras, impossibilitando que você compreenda o que está escrevendo. Sim, eu sei exatamente como é isto. Não se preocupe, você não está sozinho nessa e eu garanto que isso não é crime algum. Afinal, podemos ter nosso momento de descanso, nosso projeto não vai sair correndo, certo?


Não se julgue nunca por não conseguir continuar aquele texto. Faça o seguinte, feche a aba onde você estiver escrevendo: Word, Documentos Google, Bloco de Notas, seja no computador ou no celular. Ou se você for mais clássico, feche seu caderno. "Ah, Yas, mas o que eu faço agora?" Simples, vá respirar e fazer algo diferente.


Para um dia quente ou fresco, talvez caminhar em uma praia ou ficar um tempo na piscina. Tomar um sorvete na pracinha, ir ao parque e ficar debaixo de uma sombra de uma árvore lendo um livro ou apenas fazendo algum outro hobby. Se você desenha, talvez seja a hora de voltar a desenhar um pouco. Se você tem algum bichinho, leve-o para passear ou apenas brinque um pouco com ele, dar um banho num dia quente também seria ótimo. Imagine só a bagunça que seria você e seu bichinho. Divertido, não?


Se de repente for um dia frio ou chuvoso, praticar aquela receita que você salvou no Facebook meses atrás seria uma ótima ideia. Talvez você seja daquela pessoa que prefere apenas existir e não fazer nada, então acho que dormir depois de uma xícara de chá, café ou leite quente seria muito bom. Ver um filme ou uma série diferente do que está acostumado, atualizar as que você já está vendo ou pegar aquela lista que você tem pra assistir e nunca assiste. Ler um livro que está esquecido na sua estante, dar uma corrida no seu quarteirão… São tantas coisas que você pode fazer para se distrair apenas para não se forçar a escrever algo que você sabe que depois pode se arrepender!


Dê um tempo para sua mente, respire, descanse e depois, quando estiver melhor e mais disposto, volte a escrever. Afinal, seu texto não saiu correndo, né? Está tudo bem parar um pouco às vezes.


Texto por: Yas Pinheiro

Revisão por: Karimy

20 Août 2022 00:08:16 0 Rapport Incorporer 1
~

Como guiar o leitor em sua história

Olá, caros escritores. Espero que tudo esteja bem para todos!


Na conversa literária de hoje, vamos abordar um tema muito interessante, que é essencial para que sua história flua bem e para que os leitores possam entender de quem é o mundo — fictício ou não — que você criou.


Quando você se aprofunda em uma história, o que especificamente faz você ficar tão fascinado nela de tal maneira que o mundo real some de sua visão como em um passe de mágica?


Certamente você diria algo como: "Oh, mas isso dependeria muito do gênero literário que estou lendo, Ivi.”, ou então: "Não sei dizer, acho que não há uma resposta concreta para isso".


Porém devo dizer que estes são pensamentos equivocados.


Desde pequenos, somos levados a uma curiosidade crescente sobre qualquer coisa que possa despertar nossa atenção ao nosso redor que possa facilmente contar uma história, como uma pintura, um livro, ou mesmo sobre todos os seres vivos existentes em nosso mundo.


Ouvi certa vez de minha professora de literatura: “Sabemos como reconhecer uma boa história quando a encontramos” e isso é fato.


No entanto o que torna menos claro para nós compreendermos é: o que pensamos que nos cativou não é, na verdade, o que nos cativou.


O que quero dizer, caros escritores, é que existe um fator vital que fascina e prende o leitor, que dá sentido a toda a história, qualquer que seja o gênero literário.


O que cativa e desperta o interesse de um leitor é o conflito interno, não o externo, que o protagonista é impulsionado a confrontar de capítulo em capítulo.


As histórias são como uma projeção para a vida real, assim você se vê imerso nela, você sente e vive tudo o que o personagem enfrenta, por dentro e por fora. E isso de alguma forma também desperta uma empatia por ele e nos pegamos imaginando como seria se tomássemos uma decisão tão difícil em seu lugar.


Como escritor, você pode planejar uma história que possa realmente prender a atenção do leitor, começando por formá-la em um lugar onde surge todo o significado e conflito: dentro do pensamento do personagem principal.


Com isso, listo as perguntas abaixo:


1. O que você quer transmitir?


2. Qual é o motivo inicial do personagem principal e o que ele quer?


3. Que concepção errada o personagem principal possuiu durante muito tempo e que será forçado a enfrentar e a superar para conseguir o que quer?


4. Que força ou problema de fora da trama impulsionará seu personagem principal a ir atrás do que ele quer?


5. Qual será a ocasião inesperada que fará com que seu personagem abra os olhos?


E depois de responder a todas elas, você se verá diante de uma imersão profunda do personagem, se questionando sobre os porquês de suas escolhas cruciais e perceberá o potencial que tudo isso tem a acrescentar à sua história, o que o levará a usar o backstory do personagem como base também, oferecendo uma visão moldada pelas vivências passadas dele, cuja percepção estará exposta à medida que a narrativa avança, dando significância a tudo.


Texto: Ivina Simplicio

Revisão: Karimy

20 Août 2022 00:00:11 0 Rapport Incorporer 0
~

Liberdade de escrita

Olá, tudo bem?


Para todo escritor, é importante ter liberdade para lidar com os assuntos sobre os quais está inserindo em seu livro. Cada autor tem sua própria maneira de fazer seus textos e de expor seus pontos de vista. Todo autor ama passar seus recados na escrita e se satisfaz quando percebe-se compreendido.


Para que as pessoas compreendam tudo aquilo que o autor está querendo passar, no entanto, é preciso que ele tenha sensibilidade, porque certos assuntos não são fáceis de serem passados aos leitores devido à complexidade do que pode estar incluído ali.


Uma coisa bastante inconveniente, por exemplo, é quando o autor escreve seu ponto de vista em base privada e não busca nada que possa agregar ao tema discutido. Nesse caso, se forem experiências de vida, podem ser ideias válidas, agora, se for algo mais relativo ao geral que o público precisa de um direcionamento, é preciso ter tato de buscar mais acerca do assunto e repassar as diretrizes mais importantes para que todos entendam de forma correta o que se queria dizer e mostrar com o que foi incluído na história.


Não é correto opinar sobre certos assuntos sem antes verificar todas as vertentes que possam interessar ao público. Como dito, baseado em experiências pessoais que te levaram a vivenciar o assunto lidado diretamente é uma coisa, agora tentar influenciar pessoas sem base legal para falar ao público não é indicado, uma vez que, se nada sabemos do assunto, podemos estar falando nada além de bobagens.


A diferença quando escrevemos textos com bases garantidas, contendo informações corretas é que eles podem até auxiliar os leitores que estão passando por aquilo também a tratarem do assunto com mais firmeza e segurança. Como autores, devemos ter responsabilidade para repassar a verdade; já que, dependendo do que falamos, podemos auxiliar ou prejudicar o leitor.


Textos mais realistas e que dão respaldo com credibilidade aos leitores são muito preciosos e podem fazer com as pessoas possam ter mais influência para tratarem o que interessa com mais abonação. Seja um escritor que sabe como usar sua liberdade de escrita de forma inteligente.


Texto por: Amanda Luna De Carvalho

Revisão por: Karimy

10 Août 2022 00:00:28 0 Rapport Incorporer 3
~

“Escritor triste, é escritor produtivo” Será mesmo?

Olá, tudo bem?


Há muito tempo que algumas pessoas ouvem falar que escritores só produzem quando estão numa situação emocional muito ruim ou afundado em depressão. Mas será que isso é verdade? Até que ponto certas situações influenciam na escrita de um autor?


Levando em consideração a amostra que tivemos sobre o assunto nos últimos anos por causa da pandemia, isso pode ser algo verdadeiro para alguns autores, até porque cada ser é diferente, então já digo que não está tudo bem generalizar.


Houve um momento em que era considerado bastante comum e até rotineiro que determinados escritores tivessem hábitos que fomentavam essa ideia de que escritores apenas escreviam quando estivessem tristes ou algo parecido com isso.


Na Década de Sessenta, por exemplo, onde havia costumes de alguns escritores terem um tipo de vida mais eclético e mais livre, era frequente essa conduta. Foi um tempo diferente, onde valores e modos foram repensados por uma geração inteira. E é bom aqui lembrar que, muitas coisas que são consideradas retrógradas hoje, foram definidas por pessoas tidas como modernas na época.


Com o advento da internet, esse tipo de pensamento caiu um pouco por terra. Atualmente, onde a era das informações rápidas acontecem a cada segundo, é comum os escritores terem um ritmo de vida mais focado em organização, uma vez que o tempo é cada vez mais curto.


Na verdade, em parte a afirmação de que escritores só produzem quando estão passando por maus bocados decorre de um mito, porque estamos falando de períodos diferentes, onde coisas diferentes eram focadas. Houve momentos em que os escritores, uma vez que tinham suas vidas mais desregradas, apenas conseguiam escrever em determinados momentos de suas vidas.


Porém isso, como dito anteriormente, aconteceu num momento passado e atualmente os escritores têm rotinas mais reguladas e é até mais recomendável que tenhamos uma rotina corriqueira para termos uma produtividade eficaz naquilo que estamos escrevendo.


Tomando esse tempo de pandemia como exemplo mais uma vez, podemos lembrar de autores que produziram bastante, mas também houve aqueles que ficaram estagnados, sofrendo do terrível bloqueio criativo, justamente por não gostarem de escrever quando suas mentes estão tomadas pelo caos causado pela situação atual.


Lembre-se: os escritores produzem quando produzem, e ponto. Cada um tem o seu ritmo, então respire fundo e aprenda a reconhecer, aceitar e respeitar o seu.


Texto por: Amanda Luna De Carvalho

Revisão por: Karimy

30 Juillet 2022 00:00:25 3 Rapport Incorporer 5
~
En savoir plus Page de démarrage 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16