Imperion Seguir historia

jonata-jesus1569640789 Jonata Jesus

Uma história inspirada por mangas Seinen como Berserk,Vinland Saga,Vagabond,uma história sobre ódio, vingança, depressão, suicídio, amizade,família...


Fantasía Medieval Todo público.

#romance #morte #familia #odio #amizade #moral #depressão #vingança #missão #invasão
1
812 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 30 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Arco 01-Odio

"Tudo na vida é um ciclo,ódio gera ódio, vingança gera vingança,não se pode agir com ódio e não esperar o ódio agir de volta"uma frase de um livro que eu li uma vez e que agora eu entendo o que ela significava.

Não sei como tudo acabou aqui,desse jeito,o que eu estou fazendo aqui? Estou morrendo,qual o sentido de eu ter nascido?se era para tudo acabar aqui desse jeito então...porque eu nasci?qual foi o propósito da minha vida?lembrando de tudo agora eu percebo que desde sempre eu fui destinado ao fracasso,engraçado eu sempre achei que eu tinha um propósito maior mas agora eu vejo que não...que era tudo uma mentira criada pelo o meu subconsciente...mas bem cá estou eu,perdido e somente esperando a minha morte chegar.

Eu não sei que horas são ou qual dia que é,mas está frio e chovendo as gotas de água estão me molhando eu ainda estou usando aquelas malditas roupas de prisioneiro e estou com muita dor,meu abdômen dói como se houvesse um buraco nele,mal consigo respirar,cada passo é uma tortura,há um saco em minha cabeça e não enxergo nada,estou perdido,será que estou caminhando em direção a minha morte? Minhas mãos estão nas minhas costas e atadas seguro uma pequena caixa não sei bem o que ela é,meus pés estão descalços e acorrentados e eu estou caminhando em um riacho...sinto a água fria batendo nos meus pés estou andando na mesma direção que a correnteza,as pedras do riacho me machucam...eu não aguento mais penso eu,será mais fácil se eu desistir…será que a minha melhor escolha é morrer aqui? Parar de lutar?eu então me ajoelho no riacho a água então bate em minha cintura,com os pés acorrentados e de mãos atadas eu olho para cima...mesmo sem poder enxergar nada por causa do saco eu penso... eu estou pronto para morrer,acabe com tudo isso eu só quero descansar agora...mas uma parte de mim não quer desistir ainda,ela quer se lembrar...se lembrar de tudo para saber como tudo acabou assim,como eu acabei assim.

01 de janeiro de 1990,00:30

O ano é 1990,01 de janeiro estamos no primeiro dia do verão,minha cidade Mellwhite um pequeno vilarejo com muitas árvores,com pessoas simples como camponeses e fazendeiros estava comemorando uma festa de ano novo,comida,bebidas,músicas, danças e fogos de artifícios,todos no vilarejo estavam aqui...até os Fellbanders que não gostam de festas e barulhos...eu moro aqui com minha família desde que eu nasci a quase 19 anos,a vida aqui é monótona e calma,mas eu gosto desse lugar,não trocaria ele por nada no mundo,eu conheço todas as pessoas daqui e gosto de todas,algumas em especial,como Alicia Aeon,ela sempre me encantou com aqueles cabelos loiros e longos,aquele olhar e sorriso sincero e cheio de ternura que ela me dava quando eu me machucava na escola quando estudávamos juntos,o meu sonho é em algum dia poder me casar com ela...mas eu me pergunto qual será o tipo de pessoa que ela gosta?acho que ela não me vê nada mais do que um amigo,afinal há a chance de eu ser amaldiçoado,o único problema dessa cidade é que ela fica na fronteira com a nação vizinha Hyberion.

É a noite de ano novo todos estavam comemorando,esta tudo alegre nesse dia todos estão reunidos no centro do vilarejo,um lugar rodeado de árvores e mesas,barracas e enfeites para essa noite,eu estou sentado em um banco tomando uma caneca de cerveja e observando meus quatro melhores amigos Nathan e Lenny dançarem,Nathan estava com sua namorada Carmen e Lenny dançando com sua irmã mais velha Sophitia e ele estava tão bêbado que tropeçava no próprio pé e no de Sophitia e a cada tropeço era uma risada que eu dava do meu amigo,eles param e se sentam ao meu lado na mesa exaustos e sorridentes.

A mãe de Nathan,Layla Hoover e a minha mãe são amigas a muito tempo,então nós dois nos conhecemos quando tínhamos apenas 5 anos de idade e somos amigos desde então,praticamente irmãos,ele tem cabelos compridos,loiros e uma franja tapando o seu olho esquerdo e sempre está usando um cachecol vermelho que ele ganhou dos pais, infelizmente seus pais não estão mais aqui e tudo o que ele tem é sua namorada

Carmen Redgrave é outra amiga de infância minha três anos mais nova que Nathan e eu,15 anos, nós dois nos conhecemos na escola e Nathan se apaixonou por ela,os dois já namoram a três anos ela tem cabelos curtos e pretos e usa óculos e também gosta de se vestir de vermelho

Lenny e Sophitia Lynn nos tornamos amigos por coincidência,Lenny tem a mesma idade que Carmen e sua personalidade enérgica e divertida foi um dos fatores de todos nós nos tornamos amigos,ele tem cabelos castanhos e assim como eu usa óculos e dizem que irmãos são sempre o oposto um do outro e se Lenny é enérgico e introvertido então Sophitia é séria e calma,ela sempre foi a voz da razão na nossa adolescência ela é bem séria e gosta que nós seguíamos as regras ou nos punia quando as quebravam,na verdade já perdi a conta de quantas vezes Nathan,Lenny e eu e até mesmo a Carmen já fomos espancados pela Sophitia por fazermos algo errado...ela me dá medo...mas está sempre lá conosco...ela é três anos mais velha que Nathan e eu tendo então 21 anos e lembrando agora ela faz aniversário dia 02 de janeiro,então 22, e nós três estamos preparando uma festa surpresa para ela.

Na festa todos nós estamos na mesa bebendo e rindo contando histórias,todos com uma caneca de cerveja...bem exceto por Nathan que está com praticamente um jarro na mão

  • ( Nathan ) e então Jillian e eu fomos na plantação do velho Maguire e roubamos algumas batatas semana passada

Nathan está contando sobre o dia em que roubamos da plantação do Maguire,Sophitia não vai gostar nada disso,se ela estiver sóbria é claro

  • ( Carmen ) você já me contou isso ontem Nate...mas conte de novo adoro ver você e o Jillian se dando mal

Carmen está soluçando de tão bêbada que ela está,mas ela não larga a caneca,e Lenny está equilibrando o copo vazio na cabeça

  • ( Nathan )E então foi assim o Maguire viu a gente roubando as batatas e então ele pegou uma foice e começou a gritar "ladrões malditos,vou matar vocês"velho idiota
  • ( Eu ) é então então ele começou a correr atrás de nós com a foice na mão e gritando e nós com medo deixamos as batatas e saímos correndo,entramos no milharal mas acabamos tropeçando em nossos próprios pés,o Maguire nos alcançou, ele é velho mas parece que isso não afetou sua condição então ele nos fez trabalhar na fazenda pelo resto da semana e a moral da história é:"se for roubar não fuja pelo milharal"

Lenny começou a gargalhar bem alto e a bater a mão na mesa até cair para trás junto com a cadeira,Sophitia bate a mão na mesa também só que de raiva

  • ( Sophitia ) seus ladrões eu vou ensinar uma lição a vocês dois por terem feito algo tão ruim assim,vocês irão ver só...vou espancá-los tanto que…

Ela então deita sobre a mesa e dorme,roncando bem alto acho que eu sou o único aqui que ainda está sóbrio,Carmen se levanta e ela está com aquele olhar e sorriso malicioso no rosto

  • ( Carmen ) a senhorita manda chuva aqui caiu no sono...Nate rápido pegue umas tintas vamos pintar a cara dela
  • ( Nathan )isso iria deixar ela muito brava com a gente depois...espera aí vou procurar e já volto,acho que um bigode ficaria legal nela

Eu sorrio... é sempre assim com esses dois e Lenny enfim se levanta com a mão na cabeça e vê que Sophitia está dormindo,parece que esse tombo o deixou sóbrio,ele olha para mim,acho que ele quer me contar algo

  • ( Lenny ) ei Jillian vamos aproveitar que a minha irmã caiu no sono venha comigo quero lhe mostrar algo
  • ( Eu ) olha! parece que cair te deixou sóbrio meu amigo

Ele sorri e nós dois nos levantamos e vamos em direção a barraca de doces da senhora Kate

  • ( Kate ) querem alguns doces Lenny e Jillian?

Ela nos diz e Lenny nega mas agradece a oferta e então ele tira do bolso uma pequena caixa a abre e mostra o seu conteúdo para mim, é um belo colar de prata com um broche do formato de uma flor,um colar muito bonito que está brilhando em uma luz pálida

  • ( Lenny ) Está vendo isso Jillian? Eu fui para a Capital semana passada e usei minhas economias para comprar esse colar,vou dar ele de presente para a minha irmã amanhã,o que você achou dele?
  • ( Eu ) ora você realmente está pedindo minha opinião? Bem ele é realmente muito bonito se me permite dizer,tenho certeza que sua irmã irá amar ele

Ele sorri um sorriso sincero,afinal sua irmã mais velha é tudo o que sobrou de sua família desde que seus pais morreram naquela guerra a alguns anos,Lenny era só uma criança na época e Sophitia cuidou dele como uma mãe,então ele sempre se achou um fardo para ela mesmo ela dizendo o contrario

  • ( Lenny ) sabe Jillian,eu amo muito minha irmã eu sempre achei que era um fardo para ela,e sempre que eu pudesse eu tentava fazer ela se sentir a melhor irmã do mundo e quero muito que ela tenha uma vida boa e feliz sem mim,que ela se case com uma boa moça sabe?

Lenny está com uma conversa muito estranha essa noite,ele está com um olhar triste quase como se quisesse chorar,que sensação estranha é essa que eu estou sentindo? É como se essa fosse a última vez que eu verei o Lenny essa é a sensação de que algo horrível fosse acontecer com ele…não só com ele mas com todos nós...

  • ( Eu ) ei Lenny que história é essa dela viver sem você? Que conversa é essa?

Ele enxuga os olhos é a primeira vez que o vejo tão abalado assim,o que será que aconteceu?

  • ( Lenny ) ah não é nada Jillian só estava pensando um pouco…ei venha vamos voltar para os outros agora

Nós dois sentamos na mesa junto com os outros de novo e Sophitia ainda está dormindo,enquanto todos estão bebendo,conversando e sorrindo eu estou concentrado demais olhando Alicia dançar com seu irmão mais novo,ela está usando um vestido vermelho simples ela está muito bonita e essa simplicidade dela me encanta

  • ( Carmen ) ei Jillian por que você não vai e chama ela para dançar com você?

Carmen se levanta coloca as mãos nos meus ombros e fala no meu ouvido

  • ( Eu ) porque não...ela nunca aceitaria dançar comigo
  • ( Lenny ) ahh qual é meu amigo,eu vejo o jeito que ela olha para você é claro que ela vai aceitar vá lá e pergunte

Meus amigos estão tentando me incentivar a dançar com ela,mas eu não estou confiante e decido me levantar e com minha caneca na mão encher ela de cerveja

  • ( Eu ) bem eu vou encher minha caneca

No momento que eu me levanto da mesa Nathan se levanta também e me pega pelos ombros

  • ( Nathan ) ah mas você não vai não!

Nathan me empurra em direção a Alicia,e eu fico cara a cara com ela,me sinto com tanta vergonha agora que eu poderia morrer e também sinto muita vontade de bater em Nathan,mas ao olhar aquele belo rosto dela de perto me faz esquecer de toda a raiva que eu sinto do meu amigo,ela está sorrindo para mim,o sorriso mais belo que eu já vi nesse mundo

  • ( Alicia ) Olá Jillian,você por aqui? Por acaso você não veio dançar comigo não é?

Ela me pergunta,mas eu mal tenho coragem para respondê-la tudo que eu faço são uns sons estranhos com a boca e uns gaguejos

  • ( Eu ) não eu... só tropecei e cheguei aqui de frente a você...me desculpe eu vou embora agora

Eu me viro e fico de costa para ela me preparando para ir embora por tanta timidez que eu estou sentindo,mas no momento que eu me viro de costas para ela,Alicia pega na minha mão e me vira de volta de frente para ela ,nesse momento eu já não conseguia pensar em mais nada

  • ( Alicia ) ora Jillian não seja tímido venha dançar comigo.

Ela olha para mim sorrindo segurando minhas mãos,não consigo pensar em mais nada...e não quero na verdade,eu passo um bom tempo lá dançando com ela,olhando em seus olhos,foi a melhor noite de minha vida e eu não quero que ela termine,no fim o irmãozinho dela a chama para irem para casa e ela solta minha mão

  • ( Alicia ) me desculpe Jillian mas agora eu tenho que ir para casa

Eu coloco minha mão na nuca e sorrio

  • ( Eu )ah não tem problema eu também vou para a minha casa agora,mas foi uma noite muito boa Alicia eu me diverti muito

Ela fecha os olhos e sorri também

  • ( Alicia )eu também Jillian,me diverti bastante e você dança muito bem,me chame mais vezes para dançar tudo bem?

Espera aí ela realmente gostou de passar o tempo comigo ? E ela realmente quer que eu a chame mais vezes ? Será que eu estou sonhando?

  • ( Eu )te chamar mais vezes?tá bom eu chamo sim

Ela mais uma vez sorri

  • ( Alicia ) você promete ?
  • ( Eu ) sim eu prometo

Antes de ir embora com seu irmão ela me dá um beijo no meu rosto e vai embora,nessa hora eu senti que ia desmaiar,volto então aos meus amigos que me olham com um sorriso e um olhar irônico no rosto exceto por Sophitia ela estava dormindo

  • ( Nathan ) e então,não foi tão difícil não é?

Maldito Nathan eu quase morri de vergonha,tenho vontade de dar um soco no rosto metido dele mas eu acho que tudo correu bem no final,Carmen está dando gargalhadas ela nem consegue esconder o fato de que está bêbada

  • ( Carmen ) a você deveria ver a cara que você estava Jillian,parecia um tomate
  • ( Eu ) sua bêbada,cala a boca eu não estou acostumado com esse tipo de situação
  • ( Lenny ) é nosso amigo aqui vive no mundo dos livros.

Por que todos estão caçoando de mim agora? Bem esses foram os amigos que eu escolhi não é

  • ( Nathan ) bem galera,Carmen e eu estamos indo embora já está tarde não é e ela já bebeu demais também

Carmen dá um soco na cabeça de Nathan

  • ( Carmen ) eu não bebi quase nada,vamos ficar mais um pouco
  • ( Nathan )não eu prometi aos seus pais que te levaria para a casa não muito tarde,e não bate em mim de novo seus socos doem!

Os dois começam a gritar um com o outro,a relação deles sempre foi assim,por fim Nathan leva Carmen para a casa dela e sobra somente Lenny,Sophitia e eu

  • ( Lenny ) bem acho que também vou embora,vou pegar minha irmã dorminhoca aqui e ir para casa,você vem junto comigo Jillian? É caminho mesmo
  • ( Eu ) sim Lenny eu vou com você sim

Lenny coloca o braço de Sophitia em volta do seu pescoço,e eu faço o mesmo para ajudá-lo e assim nós carregamos Sophitia pelo caminho

  • ( Lenny ) por falar em irmãs mais velhas,e a tua Jillian?
  • ( Eu ) eu não sei Lenny,faz dois anos que a Jill partiu,não sabemos de nada desde então minha mãe e eu
  • ( Lenny ) tenho certeza que a Jill está bem e ela deve voltar logo
  • ( Eu ) sim,eu espero também

Com essa conversa meio amarga Lenny e eu tomamos caminhos diferentes para nossas casas,Lenny continuará carregando Sophitia para a casa só que sozinho eu entro na minha e lá está minha mãe,Karine,treinando com sua Katana a Rebellion,minha mãe já foi uma das maiores guerreiras em toda a Imperia, lutou em inúmeras guerras e teve inúmeras vitórias,mas hoje em dia ela se aposentou e criou Jill e eu sozinha aqui em Mellwhite ela arrumou um emprego muito bom de assistente do prefeito,e ensinou a mim e a minha irmã a lutar.

  • ( Eu ) Oi mãe cheguei

Ela olha para mim e me dá um abraço bem apertado

  • ( Karine ) Oi meu bebê,que bom que você chegou,se divertiu bastante?
  • ( Eu ) sim mãe,na verdade hoje eu até dancei com a Alicia

Ela olha para mim com um enorme sorriso no rosto

  • ( Karine ) é mesmo? Meu bebê está crescendo,e ela? Ela falou alguma coisa?ela gostou?
  • ( Eu ) acho que sim no final ela me pediu para chamá-la mais vezes

Minha mãe dá um sorriso sincero e cheio de ternura o que só uma mãe da

  • ( Karine ) viu só?eu disse que ela gosta de você é só você ter coragem e acreditar em você mesmo...eu já até posso ver vocês dois se casando e tendo uns 10 netinhos para mim cuidar

Minha mãe fecha os olhos e coloca as mãos nas bochechas,tenho certeza que ela deve estar imaginando Alicia e eu casados e com um monte de filhos

  • ( Eu ) ei mãe corta essa! Acho que você está exagerando um pouco ! E além do mais não foi você que me contou sobre aquela maldição?
  • ( Karine ) meu bebê está crescendo tão rápido,logo logo serei vovó

Ela ignora cada palavra que eu digo e assim nós dois passamos um bom tempo essa noite rindo,um momento mãe e filho,até que decidimos ir dormir,eu vou para o meu quarto e minha mãe para o dela,no caminho há um quadro de minha mãe,Jill e eu isso me deixa triste pois por onde será que minha irmã anda?

  • ( Eu ) boa noite mãe

Minha mãe olha para mim com lágrimas nos olhos

  • ( Karine ) boa noite meu bebê

Porque ela está chorando?eu então vou dormir,durante a noite começa a chover uma forte tempestade,e eu ouço sons de cavalos,brigas,espadas se batendo,gritos e choros e assim eu acordo assustado,minha mãe então entra em meu quarto com a Rebellion em mãos aflita e eu estou confuso

02:40

  • ( Karine ) filho levante-se e pegue sua espada,Mellwhite está sendo atacada!

Ela grita para mim,mal posso acreditar nessas palavras,Mellwhite está sendo atacada mas porque? E por quem?eu pego minha espada e minha mãe e eu saímos de casa,o que eu vejo é uma visão horrível o vilarejo está pegando fogo,há pessoas mortas no chão,pessoas que eu conheci a vida inteira e cavaleiros segurando a bandeira de Hyberion atacando e matando os moradores, eu não acredito nisso

  • ( Eu ) mãe o que está acontecendo?!

Digo com lágrimas nos olhos,e minha mãe está com um olhar de ódio e uma voz rouca de raiva

  • ( Karine ) é Hyberion ela invadiu Imperia

Dois soldados avançam em direção a mim e a minha mãe,minha mãe rapidamente saca sua espada e com apenas um único e rápido golpe ela mata os dois soldados de Hyberion,ela então segura o meu rosto e olha fixo em meus olhos

  • ( Karine ) meu filho!o dia em que eu lhe disse finalmente chegou,está na hora de você se tornar um homem,me prometa que você irá empunhar sua espada com orgulho e matará os seus inimigos

Eu estou chorando,mal consigo digerir tudo o que está acontecendo

  • ( Eu ) mã...mã... mãe o que ? Porque ?

Minha mãe dá um tapa muito forte em meu rosto

  • ( Karine )meu filho,foi para esse dia que eu lhe treinei você está preparado...então se recomponha e me diga...você matará seus inimigos?!

Eu não estou conseguindo entender nada que está acontecendo,todas essas pessoas que eu conheci a minha vida inteira morrendo,o vilarejo que eu moro desde que eu nasci em chamas,eu não paro de chorar

  • ( Eu ) Porque estão fazendo isso?!

Minha mãe mais uma vez me dá um tapa

  • ( Karine ) meu filho…mais uma vez...você está pronto!?

Sim... é como se eu fosse atingido por um raio,não importa o que eu estou sentindo agora,eu estou entendendo,tenho que engolir o meu choro,esses soldados estão destruindo a minha casa e matando pessoas que eu gosto, só há uma coisa a fazer...me tornar um homem...proteger quem eu amo...e matar quem eu odeio...sim mãe finalmente estou pronto,eu então paro de chorar respiro fundo e olho nos olhos da minha mãe

  • ( Eu ) sim mãe,eu estou pronto...vou matar todos os meus inimigos!

Minha mãe coloca a mão no meu rosto e me olha com orgulho

  • ( Karine ) esse é o garoto que eu treinei,agora vá e salve a Alicia e os seus amigos...ajude aqueles que precisarem de ajuda em seu caminho...e mate os desgraçados que trouxeram o inferno a esta cidade

Minha mãe dá um beijo em minha testa e pede para tomarmos caminhos diferentes,e para não procurar por ela

  • ( Eu ) o que você vai fazer mãe?
  • ( Karine ) eu irei ajudar o máximo de pessoas possível...e vou matar o líder dessa desgraça...chegarei ao fundo disso,no fim dessa noite me prometa que você não irá me procurar meu filho,ao invés disso encontre sua irmã!vá até ela!

Ela olha para mim com um olhar sério,eu não gostei disso,mas minha mãe é esperta ela não faz nada sem um motivo então eu aceito .

  • ( Eu ) sim mãe eu irei encontrar a Jill

Ela sorri para mim mais uma vez

  • ( Karine ) bom garoto

Nós então pegamos nossas espadas e vamos em direções opostas,em meu pensamento eu repito "mãe eu prometo...matarei meus inimigos",descendo pela colina e vendo toda essa destruição,casas queimando e por onde eu passo eu vejo corpos de homens,mulheres,crianças e idosos todos conhecidos meus e a primeira coisa que vem em minha cabeça é "Alicia,onde ela está?ela está bem?"no meu caminho surgem três soldados de Hyberion,desgraçados vou matar todos eles,e com muito raiva eu pego minha espada e vou em direção deles,gritando, eu sou quase como um demônio

  • ( Soldado ) olha só que idiota...avançando em nossa direção...vamos matá-lo rapazes

Os soldados vêm em direção a mim,o primeiro ataque do soldado eu bloqueio com a minha espada,o segundo soldado da a volta por trás de mim,mas em um movimento muito rápido eu desfaço meu bloqueio e com minha espada e em um só golpe eu corto os dois braços do primeiro,o sangue dele espirrando em mim,e os seus gritos de agonia despertaram algo em mim,aproveitando esse momento me viro para trás e coloco o fio da minha espada no pescoço do segundo e com um leve movimento para a direita eu o decapito,essa foi a primeira vez que eu matei alguém,mas eu não senti remorso,pois será que eles sentem remorso por terem matado essas pessoas inocentes? Acho que não,só falta um agora e todo esse sangue misturado com essa chuva deixou o chão vermelho,o último soldado me olha com pavor nos olhos como se estivesse vendo um demônio em sua frente...mas foi isso que eles despertaram,ele prepara sua espada e me ataca mas eu me abaixo e enfio minha espada em seu pescoço,ah esse sangue.

Aquele que eu cortei os dois braços está no chão sangrando e agonizando,eu me aproximo dele e ele com medo nos olhos,se arrasta para trás para fugir de mim

  • ( Soldado )por favor...tenha piedade!

Ele está chorando e pedindo por perdão, engraçado tenho certeza que as pessoas da minha cidade pediram para ele a mesma coisa,e ele teve piedade com elas?

  • ( Eu ) você teve piedade com as famílias que você matou hoje?com as crianças?acho que não

Ele continua chorando

  • ( Soldado ) eu sou um soldado…eu só sigo ordens...por favor,não faça isso me deixe ir,você já cortou os meus braços eu não vou causar mal a mais ninguém!

Eu fico do lado dele e aponto minha espada para baixo e olho em seus olhos,aqueles olhos de medo,estou preparado para observar a vida se esvaindo de seus olhos

  • ( Eu ) eu não tenho como ter garantia disso
  • ( Soldado ) o que!?

Eu então enfio a espada em seu coração o matando,paro e olho para cima para a chuva caindo em meu rosto " tenho que procurar Alicia" eu digo a mim mesmo e vou correndo para a casa dela,no caminho me lembro de algo que minha mãe me falou enquanto treinava minha irmã e eu a muitos anos atrás,nesse dia estávamos cansados e de joelhos,Jill havia quebrado um dedo e nossa mãe se ajoelhou em nossa frente e nos disse

  • ( Karine ) meus filhos,a família Grave tem um segredo obscuro,dentro de nós há um poder das trevas,um poder que está adormecido e o seu despertar é na guerra em um campo de batalha. Nós nos transformamos em demônios quando somos motivados pela guerra e pelo ódio…eu já despertei esse poder...e chegará um dia em que vocês dois o despertarão também…

Nunca entendi muito bem o que minha mãe quis dizer nesse dia...mas acho que agora finalmente isso se tornou mais claro para mim,no caminho eu encontro uma casa em chamas...isso me deixa aterrorizado eu conheço essa casa,eu conheço quem mora nessa casa...uma família chamada Lorian,uma mãe chamada Kerry,um pai Ryann e o filho uma criança de cinco anos chamado Dille,o lar dessa família está em chamas diante de mim e a tristeza toma conta de mim...essa família é amiga minha,porque isso está acontecendo?

Eu me ajoelho abatido no chão,enquanto eu entro em depressão eu ouço um grito de uma mulher vindo da casa em chamas

  • ( Kerry ) socorro!...por favor nos ajudem!

Ela grita com todas as forças,eu recupero a razão e sem pensar duas vezes eu entro na casa em chamas...a casa está um verdadeiro inferno eu mal consigo respirar

  • ( Eu ) Kerry!...Ryann!...Dille!,vocês estão aqui!?

Eu grito tentando encontrá-los no meio do fogo e Kerry me responde tossindo

  • ( Kerry ) Jillian!...aqui…

Eu rapidamente vou em direção a voz dela,um escombro do telhado que caiu e o que eu vejo é horrível...em baixo do escombro em chamas está Ryann morto abraçado ao seu filho e sua esposa...Kerry está viva mas ela foi esmagada ao proteger o filho,ela está morrendo….Dille está inconsciente nos braços da mãe,droga eu tenho que salva-los!

  • ( Jillian ) espere um pouco eu vou ajudá-los!

Eu tento mexer com os escombros de madeira...mas o fogo simplesmente queima a minha mão,e tossindo com a voz fraca Kerry me diz:

  • ( Kerry ) não Jillian,esqueça isso...eu não tenho mais salvação...mas por favor salve o meu filho!

Eu não quero aceitar que eu não posso salvá-la,mas eu preciso,pois se eu não aceitar dois podem acabar morrendo e se eu aceitar que ela irá morrer eu ainda tenho chances de salvar a criança…eu então aceito em salvar o garoto

  • ( Jillian ) tudo bem Kerry...eu vou salvar ele eu te prometo!

Ela fecha os olhos e sorri com lágrimas escorrendo pelo rosto

  • ( Kerry ) bom garoto...eu não tenho muitos movimentos mas...eu vou entregar ele a você

Com o pouco que ela consegue fazer Kerry me entrega Dille em meus braços,o corpo dela está destruido por causa do impacto.

  • ( Kerry ) cuide dele Jillian...cuide dele pelo meu marido e eu...cuide dele com a sua vida

Eu estou chorando...não consigo acreditar no que está acontecendo,eu gostava muito dessa família e ver tudo isso deixa um buraco em meu coração,eu coloco o garoto inconsciente em meus braços

  • ( Jillian ) sim...eu prometo

Eu digo a ela e ela muito fraca me agradece

  • ( Kerry ) obri...gada...diga a ele que nós sempre iremos ama-lo

Ela fecha os olhos já morta ao lado do marido,e muito triste eu me levanto com Dille nós braços...a casa está desmoronando nesse fogo...eu preciso salvar esse garoto eu prometi a ela,eu tento sair da casa mas no momento em que eu iria abrir a porta uma grande viga de madeira do telhado cai em cima de mim e eu tento proteger o garoto com o meu corpo e perco a consciência

Eu me desperto depois de um tempo ferido e com dor,o incêndio se apagou por causa da tempestade, a viga está em cima de mim,olho para os meus braços e a criança não está neles…essa não onde está Dille?!eu olho para todos os lados procurando pelo garoto...mas eu não o encontro e com muito esforço eu consigo retirar a viga de cima de mim...mas eu estou quebrado,meu corpo inteiro dói muito e estou muito preocupado,Dille onde você está?!

Eu olho para tras e lá eu vejo ele de joelhos chorando olhando para os seus pais mortos,droga enquanto eu estava inconsciente como foi que ele despertou e conseguiu sair debaixo da viga por conta própria?ele fez isso só para voltar e ver os corpos dos pais? Ele então os abraça ainda chorando

  • ( Dille ) mamãe...papai...acordem…

Droga eu não queria que ele visse isso,tenho que ser rápido e tirá-lo desse lugar, enquanto o garoto está de joelhos chorando abraçado com os pais eu tento chegar até ele...mas algo horrível acontece antes que eu pudesse alcança-lo,o que restou do telhado desaba em cima dele em minha frente,isso não pode estar acontecendo!era para mim proteger ele...eu prometi para a mãe dele

  • ( Eu ) não...isso...não pode ser real... é impossível

Antes que eu pudesse fazer qualquer coisa,eu vou desesperado e chorando em direção a ele,mas é tarde de mais,em minha frente está o cadáver do garoto já morto e destruido e eu não posso fazer mais nada...a casa está desmoronando e se eu ficar aqui eu vou morrer também,então muito desanimado eu saio da casa e por fora olho ela caindo…é isso eu sou inútil não pude nem ao menos salvar uma família que eu gostava muito

Me ajoelho no chão, chorando...mas que droga!eu havia prometido...mas eu não pude fazer nada, não pude salvar o pai,a mãe e nem o filho...que tipo de fracassado eu sou?o garoto está morto porque eu fui incapaz de ajuda-lo...eu sou um maldito miseravel!

  • ( Eu ) Não!...

Com muita raiva, frustração e tristeza eu dou um soco no chão e grito com todo o meu fôlego...eu sou inútil,incapaz de salvar alguém

Uma alma inocente

02:50

Na direção oposta a que Jillian esta Karine entra em confronto com os soldados de Hyberion,em seu caminho há moradores mortos,inúmeros cadáveres,ela chegou tarde e não conseguiu salvar ninguém e ela entra em desespero por não ter sido capaz de salvar todas essas vidas,de joelhos e dando socos no chão ela se martiriza

  • ( Karine )droga!...nem mesmo uma pessoa!...eu não fui capaz de salvar uma única vida!...tudo o que eu sou é um monstro feito para matar e não salvar!

Mas ela ouve os sons de um menino chorando ao lado dos corpos dos pais mais ao longe perto de sua casa destruída e isso acende uma luz de esperança em Karine

  • ( Menino ) mamãe...papai...acordem por favor!...estou com medo!

Diz ele chacoalhando os corpos dos dois,seu rosto encharcado de lágrimas,Karine vê isso com tristeza pois isso a lembra de um momento em sua infância,soldados vão em direção ao menininho,6 no total,ele olha para os soldados com medo e abraça o corpo de sua mãe

  • ( Menino ) estou com medo mamãe...o que esses homens maus vão fazer comigo?

Os soldados tem um sorriso doentio em seus rostos,ao se aproximarem do menino ele chora ainda mais alto

  • ( Menino ) quem são vocês? Porque fizeram isso com minha mamãe e meu papai?

Diz ele chorando,e os soldados riem do garoto um inclusive lambendo os beiços

  • ( Soldado ) venha conosco menino nós vamos te ajudar

O soldado estica seu braço,com um sorriso assustador e doentio para cima do garoto,nesse momento em que seu braço está esticado apenas um vulto é visto e o seu braço é cortado e cai no chão o soldado se ajoelha gritando e jorrando sangue,na frente da menino está Karine empunhando sua Katana com um olhar sedento por sangue

  • ( Karine ) eu desafio vocês a tocarem nele...seus pedaços de lixo!

O soldado no chão agonizando pede para os outros atacarem Karine

  • ( Soldado )o que você fez com o meu braço vadia?! Tem ideia de quem eu sou?!
  • ( Karine ) não me importa o seu nome,mas eu sei muito bem quem você é... é um pedaço de lixo...a escória do mundo...vou ter o prazer de mandá-los para o inferno

O soldado olha com ódio para a Karine e grita para os outros 5

  • ( Soldado )o que estão esperando seus idiotas?! Ataquem essa vadia!

Os 5 soldados avançam em direção a Karine,e ela se mantém imóvel e enfia a espada no chão,os 5 atacam ela ao mesmo tempo mas nada acontece,todos os soldados percebem que não há nada no espaço onde eles atacaram e todos ficam surpresos pois na verdade Karine está atrás deles de pé em frente ao soldado com o braço cortado,ela o encara com ódio,os soldados então tentam atacar ela novamente

  • ( Soldados )lá está ela!

Dizem eles e enquanto Karine está encarando o outro no chão ela gira sua Rebellion e a enfia no chão novamente ao fazer isso todos os 5 soldados começam a gritar e seus corpos são estraçalhados,sangue e carne voam pelos ares,o soldado no chão olha para Karine com medo

  • ( Soldado ) quem...quem é você?!

Diz ele com medo e ela responde com um olhar psicótico

  • ( Karine ) seu pior pesadelo...um demônio

E ela enfia sua espada na cabeça dele,e em seguida volta para ver o menino,que está chorando ao lado dos pais ela se ajoelha em frente a ele

  • ( Karine ) você está bem Charlotte?

Ela pergunta e o menino responde chorando

  • ( Charlotte )eles... mataram...malditos... obrigada por me salvar Karine...se não fosse por você eu...eu...

Charlotte abraça Karine

  • ( Karine ) Jhonatan e Nely eram boas pessoas...boas não,ótimas...e eles tem um lindo e corajoso filho...garanto que eles estão te olhando e te protegendo nesse momento...mas não temos muito tempo a perder,temos que ir embora agora Charlotte,por favor venha comigo

Charlotte balança a cabeça,com lágrimas nos olhos por ter perdido os pais

  • ( Charlotte ) tudo bem,vou apenas me despedir deles e vou com você

Ele se despede de seus pais dando abraços e beijos em cada um,Karine observa tudo com tristeza,e os dois continuam seu caminho o vilarejo está em chamas em meio a essa chuva e em seu caminho Karine finalmente encontra o homem por trás de tudo,um velho inimigo seu Urza Jeano,um homem de dois metros muito musculoso e com um tapa olho no lado esquerdo,cabelos ruivos e compridos assim como Jillian e acompanhado de 10 soldados,mas nem tudo é o que parece...

Amizade rompida

2:50

Cá estou eu andando pelo vilarejo, perdido e depressivo,lugares em que eu passei minha vida inteira todos destruídos e a cada um deles que eu passava me vinha uma memória em minha cabeça desse lugar,e a cada pessoa morta que eu conheçi uma lembrança dolorosa com a mesma,o vilarejo era pequeno e por isso eu conhecia cada mulher homem e criança e tinha alguma memória com essas pessoas,e vê-las mortas agora é simplesmente doloroso,em minha frente eu encontro a casa de Lenny e Sophitia destruída,minha alma se enche de ódio e desespero ao ver a casa de dois grandes amigos meus destruída e sem hesitar eu entro,por causa da chuva a casa está encharcada,eu lembro desses cômodos eu vinha aqui passar o tempo com a Sophitia e o Lenny,meu coração está acelerado eu começo a andar pela casa procurando pelos escombros pelos dois

  • ( Eu ) Sophitia!!...Lenny!!...vocês estão aqui?!

Eu grito com todas as minhas forças pelo nome dos dois,mal consigo respirar por causa disso e então eu percebo que nenhum deles está aqui,me ajoelho desanimado e me entrego às lágrimas mais uma vez,nesse momento eu ouço uma respiração,fraca,mas eu consigo ouvir ela está vindo de uma pilha de madeira eu não tinha vasculhado ali antes, rapidamente vou até lá e uso todas as forças que me restam para levantar a madeira...e o que eu vejo me deixa sem chão...Lenny com o rosto ferido e ensanguentado seu olho esquerdo perfurado por uma lasca de madeira,e duas estacas uma perfurando seu peito e a outra seu abdômen… "não esse é o meu amigo?não pode ser"ao ver isso eu começo a chorar essa imagem não pode ser real! não pode ser!eu vou ter que ver outra pessoa querida para mim morrer em minha frente sem eu poder fazer alguma coisa?

  • ( Eu ) Lenny...o que aconteceu com você?não pode ser!

Minhas lágrimas mal me deixam falar palavras estou gaguejando esse é um dos meus melhores amigos não pode ser ,tenho que salvá-lo,tudo que veem em minha cabeça no momento é salvá-lo

  • ( Eu ) vou te salvar Lenny,vou te tirar daí aguente firme!

Eu tento mexer seu corpo,mas ele grita de dor e enfim ele abre o olho direito e olha para mim

  • ( Lenny )Jilli...Jilli...Jillian? É...você?

Ele mal tem forças para falar comigo,que cena horrível,ele tenta conversar comigo ,mas de sua boca sai sangue e não palavras

  • ( Eu ) cala a boca Lenny!...vou te salvar... só...aguente firme...por favor!

Eu não paro de chorar,ele olha para mim e lágrimas saem de seus olhos

  • ( Lenny )não faça isso Jillian... é inútil...eu estou acabado, é o meu fim

Esse idiota sempre falando asneiras...não está tão ruim

  • ( Eu ) cala a boca Lenny!...apenas uma vez em sua vida cala a boca,você vai ver vou te ajudar!

Eu grito com ele mas de nada adianta eu não sei o que fazer com essas estacas e esses ferimentos em seu corpo

  • ( Lenny )me escute Jillian...esses soldados...eles levaram a Sophitia...eu tentei salvar ela e lutar contra eles...mas você está vendo como tudo acabou...que irmão inútil que eu sou não é?...tudo que eu fui era um fardo para ela...durante todo esse tempo…no fim eu não pude nem protege-la

Diz ele muito fraco e chateado,vê-lo assim me deixa cada vez mais desnorteado

  • ( Eu ) cala a boca Lenny,vou te salvar e nós dois vamos salvar Sophitia e assim você vai poder passar o resto da sua vida reclamando com ela...e isso não é verdade ela sempre me disse que tudo o que ela fazia era para sustentar vocês dois...ela nunca achou que você era apenas um fardo para ela...se recomponha!
  • ( Lenny ) está chovendo não é?...por favor...eu não vou passar daqui...então por favor salve minha irmã Jillian...por favor

Eu continuo chorando enquanto ele olha para mim

  • ( Eu ) não fale assim Lenny,você vai sobreviver...e todos aqueles livros que você disse que ia escrever?eu disse para você que eu seria o seu primeiro leitor

Ele fecha o olho e sorri com lágrimas descendo pelo seu rosto

  • ( Lenny )ah é...acho que eu nunca vou cumprir essa promessa…
  • ( Eu ) o que ?!não diga isso!você vai cumprir sim...você vai escrever muitos livros...você...
  • ( Lenny ) Jillian...eu preciso que você faça algo para mim…

Eu fecho os meus olhos

  • ( Eu ) não...eu não vou fazer nada ! Nós dois vamos sair daqui!

Ele coloca a mão no meu rosto enxugando minhas lágrimas

  • ( Lenny )por favor Jillian me prometa que você vai salvar a Sophitia...saia daqui e vá atrás dela...me prometa...por favor... é o meu último desejo...o desejo de um amigo

Acho que agora eu finalmente entendi...Lenny vai morrer...eu não posso ajudá-lo,mas eu ainda posso salvar Sophitia é duro mas vou ter que deixá-lo ir

  • ( Eu )Sim...eu vou salva-la...eu vou protege-la...eu te prometo…

Ele sorri enquanto lágrimas escorrem de seus olhos

  • ( Lenny ) finalmente você entendeu...aqui...eu estava com isso no meu bolso…

Lenny tira de seu bolso a caixa com o presente de Sophitia que ele ia dar para ela amanhã em seu aniversário,ele pressiona a caixa no meu peito

  • ( Lenny ) entregue isso para a minha irmã...e diga que eu a amo muito...e que eu tenho a irmã mais linda do mundo…

Eu seguro a mão dele em meu peito

  • ( Eu ) sim...eu farei isso…eu lhe prometo

Ele olha para cima

  • ( Lenny )sabe qual o meu arrependimento Jillian?
  • ( Eu ) não...qual é?
  • ( Lenny ) é não poder ter visto sua irmã uma última vez...e ter dito a ela que eu a amava...mas acho que ela nunca iria se importar comigo pois eu sou bem mais novo que ela...mas eu a amo
  • ( Eu )mas a minha a minha irmã sempre falou de você,ela disse para mim que ela sentia algo por você...tenho certeza que ela também te ama Lenny...Lenny?!

Eu olho para ele e Lenny já está de olhos fechados morto,será que ele ouviu alguma coisa que eu disse sobre a Jill?,eu guardo o colar de Sophitia presente de seu irmão em minha jaqueta e começo a chorar,coloco a mão dele em seu peito,minhas lágrimas na chuva,essa é a última vez que eu vou ver o Lenny,a última vez que eu vou ver o sorriso dele,essa é mais uma pessoa importante para mim que eu não pude salvar,que tipo de monstro eu sou?porque eu estou vivo?se eu não for capaz de salvar ninguém que eu amo então eu deveria simplesmente morrer agora...em minha cabeça me vêem uma memória...essa é a memória de quando Lenny e eu nos conhecemos,eu tinha apenas 13 anos nesse dia,estava lendo um livro chamado "Oceano de Ilusões" debaixo de uma macieira no meio do campo,dois anos antes nesse mesmo lugar eu conheci Alicia.

Era durante a tarde e o pôr do sol refletia no verde do campo e todo o som que eu ouvia era o do vento,um clima agradável para se ler,já estava no quinto capítulo do livro,quando uma voz tímida fala comigo

  • ( Lenny ) "ódio gera ódio, vingança gera vingança"uma citação do "Oceano de Ilusões"moço eu posso me sentar com você para ler o meu livro também?
  • ( Eu ) "não se pode agir com ódio e não esperar o ódio agir de volta"

Eu olho para cima para ver quem é,um garoto de cabelos compridos e castanhos usando um óculos,suas roupas são todas esfarrapadas e sujas,roupas bem pobres ele está segurando um livro também,de nome "Sons do Oceano"um livro de terror e mistério enquanto o meu é de fantasia

  • ( Lenny ) eu estava procurando um lugar calmo para ler,e então eu vi você aqui e me parece um lugar tão agradável para se ler,se importa de eu me juntar a você?

Eu sorrio,Lenny tinha apenas 11 anos e era muito difícil de encontrar alguém da minha idade para fazer uma amizade,ter um amigo que tenha interesse em livros assim como eu então eu aceitei

  • ( Eu ) sim...sinta-se a vontade

Ele sorri e se senta ao meu lado,ficamos as próximas duas horas sentados em silêncio lendo estávamos completamente focados em nossa leitura,então eu fecho meu livro e tento conversar com minha nova companhia

  • ( Eu ) e então...qual o seu nome?eu me chamo Jillian Grave

Ele fecha o seu livro também e me responde

  • ( Lenny ) Lenny...meu nome é Lenny Lynn…
  • ( Eu ) esse seu livro...ele é bom? Sons do Oceano não é?eu ouvi dizer que ele é um dos maiores clássicos da Lena Albert
  • ( Lenny ) sim ela realmente se superou ao escrever esse livro,todas as suas outras obras de terror são completamente vazias em comparação a essa...você devia ler se tiver tempo
  • ( Eu ) ah sabe é que eu não gosto muito de livros de terror

Ele olha para mim decepcionado

  • ( Lenny ) ah bem...tudo bem...mas você está perdendo uma grande história

Ele está confiante em fazer eu ler ele acho que não custa nada dar uma chance

  • ( Eu ) mas acho que não custa nada tentar

Ele sorri e olha para o meu livro

  • ( Lenny )Oceano de Ilusões?você gosta de fantasia então?
  • ( Eu ) sim eu realmente gosto desse gênero...mas ultimamente não consigo encontrar nada que chame a minha atenção...esse livro aqui não é tão bom
  • ( Lenny ) sabe...se você quer ótimas obras de literatura de fantasia acho que você devia tentar alguns livros do professor Troir Deloir como A Embarcação Solitária ou A Dama Dos Desejos...já li esses e são realmente muito bons...ótimas obras do gênero fantasia
  • ( Eu )Nossa eu não conhecia nenhum desses... vou dar uma olhada...obrigado Lenny

Passamos quase uma hora conversando,já estava de noite,Lenny começou a falar sobre seus sonhos olhando para o céu estrelado,ele então me conta o objetivo de sua vida

  • ( Lenny )sabe Jillian eu tenho um sonho
  • ( Eu )sonho?...me conte sobre ele então
  • ( Lenny ) meu sonho... é ser um escritor e escrever as mais fantásticas e maravilhosas histórias para todas as pessoas ao redor do mundo lerem e até talvez juntar as nações de Imperia e Hyberion e acabar essa guerra entre as duas nações com as minhas histórias,sabe trazer a paz ao mundo com o meu livro,fazer as pessoas viverem felizes e bem...o que você acha do meu sonho Jillian?

Ele olha para mim com um olhar determinado e esperançoso,ele é a segunda pessoa mais otimista que eu conheço perdendo só para a Alicia...Tanto Alicia quanto Lenny eles têm uma visão mais bonita do mundo...vêem ele com outros olhos,eu fecho os meus e o respondo

  • ( Eu ) bem...se você quer se tornar um escritor...então eu me tornarei o seu primeiro leitor e fã…mas com uma condição...que suas histórias sejam realmente fantásticas
  • ( Lenny ) eu aceito o desafio Jillian...não vou te decepcionar eu prometo...você vai ser o primeiro a ler os meus livros…por falar nisso e você?tem algum sonho?

Sonho? Acho que eu nunca tinha parado para pensar nisso...eu sempre vivo um dia após o outro sem pensar a longo prazo

  • ( Eu ) sonho?nossa acho que nunca pensei nisso até hoje...mas graças a você...acho que vou dar uma chance a isso

Nós dois rimos...ele então se levanta pois está de noite e ele precisa ir para a casa

  • ( Lenny ) bem Jillian...eu preciso ir para casa e contar para minha irmã que eu fiz um amigo finalmente...vamos voltar a ler aqui algum dia desses?

Eu sorrio

  • ( Eu ) sim Lenny...vamos voltar aqui para ler de novo

Eu me levanto e aperto a mão dele...esse foi o começo de nossa amizade,após isso eu conheci sua irmã mais velha Sophitia e todos nós nos tornamos amigos desde então e Lenny e eu voltavamos para a macieira com frequência para ler e fazer sugestões de livros,fizemos isso durante muitos anos

E agora depois de todos esses anos aqui está Lenny em minha frente morto...graças aos soldados Hyberianos Lenny nunca realizará seu sonho e nem lerá mais nenhum livro...nunca mais... é aqui que eu me despeço de um dos meus melhores amigos...adeus Lenny…eu prometo a você...vou salvar a sua irmã

Não há tempo para o luto tenho que ir o mais rápido possível para a casa de Alicia e ver como ela está,pego o caminho mais rápido mas é estranho não há nenhum soldado em meu caminho é como se estivessem me esperando para me emboscar ou que já tenham ido embora...isso não importa eu finalmente chego a casa dela e assim como a de Lenny,sua casa está destruída e meu coração dispara entro nela e encontro seus pais mortos é algo horrível há sangue para todos os lados,será que eu cheguei tarde aqui?vasculho cômodo por cômodo gritando o nome dela,meu rosto cheio de lágrimas…mais adentro da casa dela eu vejo algo horrível...seu irmão mais novo um garoto de 10 anos empalado por uma espada...ele era só uma criança como esses monstros tiveram coragem de fazer algo assim?eu nem ao menos pude saber seu nome...agora nunca poderei pergunta-lo,isso é algo horrível de se ver e percebo que Alicia não está aqui e em uma mistura de ódio com tristeza por não ter sido rápido o suficiente para salvá-la começo a dar repetidos socos com todas as minhas forças no chão e a gritar com todo o meu fôlego,me sinto como se tivesse morrido por dentro,não pude salvar nenhum de meus amigos,ninguém da cidade e nem a garota que eu amo...o ódio tomou conta de mim…dou cada vez mais socos no chão,minha mão chega a sangrar mas eu não sinto essa dor e no último soco meu braço esquerdo entorta para trás e ouço o barulho dos meus ossos se deslocando...acabei de quebrar meu próprio braço mas eu novamente não sinto nada,eu saio da casa dela e do lado de fora sou recebido por cerca de 20 soldados,completamente cercado por esses demônios

  • ( Soldado )esses olhos pretos e esse cabelo vermelho...sem dúvida nenhuma ele deve ser um dos filhos do Demônio,capturem-no temos que levá-lo para a capital!

Estou cercado de lixo e meu ódio cresce cada vez mais, é praticamente tudo que eu sou nesse momento...após tudo o que eu vi essa noite não vou ser capaz de conter o meu ódio

  • ( Jillian ) vocês me querem...pois bem podem vir me buscar!

Meus olhos pretos e amaldiçoados os encaram e alguns soldados sentem medo

  • ( Soldado ) senhor...esses olhos...estão me dando pavor
  • ( Soldado ) não se preocupem ele é só um garoto,não importa se ele é um dos filhos do Demônio de Somnus,ele não é páreo para nós,soldados de Hyberion,iremos derrotá-lo juntos

Com a minha mão direita eu seguro o meu braço esquerdo e o empurro para cima colocando o osso de volta no lugar,mas não sinto dor estou anestesiado pelo ódio

  • ( Jillian ) aqueles que tiverem o desejo de morrer...dêem um passo para frente e lutem comigo!

Não consigo mexer meu braço esquerdo ainda,ele está imóvel e é o braço que eu uso para segurar minha espada e lutar então eu a coloco entre meus dentes,seguro a espada pelo cabo com a minha boca e me preparo para lutar contra os soldados... é matar ou morrer,irei faze-los pagar por tudo o que fizeram

Abandono

03:00

Em meio ao fogo a chuva e os cadáveres está a mãe de Jillian,Karine um garoto que ela salvou Charlotte,10 soldados e o seu general um homem de dois metros,musculoso,de cabelos ruivos e um tapa olho no lado esquerdo,esse homem Urza Jeano é um dos generais mais cruéis de Hyberion e um velho conhecido de Karine

  • ( Karine ) já devia imaginar que você estava por trás de tudo Jeano

Ela diz a ele e ele sorri com um sorriso orgulhoso como se tivesse orgulho do que fez essa noite

  • ( Urza ) você me conhece Karine eu nunca deixo de ir a uma festa
  • ( Karine )sim eu sempre me lembrei de você como um homem cruel e vil…mas invadir uma aldeia de simples fazendeiros e matá-los isso é baixo demais até para os seus padrões Jeano

Urza se irrita e aumenta o tom de sua voz

  • ( Urza ) não fale como se eu estivesse gostando desse massacre!...eu sou um soldado do império...se eu não cumprir com minhas ordens eu viro um desertor e você sabe muito bem o que o império faz com desertores!
  • ( Karine ) Império? É isso que vocês se chamam hoje em dia? Que bobagem...mas desertores é? Até onde eu me lembro eles matam toda a família do desertor
  • ( Urza ) você entende a posição que eu estou não é Karine?! Se eu não concordasse com esse genocídio eles matariam meus filhos e minha Niesle...eu não tive escolha a não ser aceitar,mas enfim eu não espero que você me entenda ou me perdoe pelo que eu fiz eu só preciso que você me entregue os seus filhos

Karine fecha os olhos,o clima está cada vez mais pesado

  • ( Karine )meus filhos? O que o "grandioso império"quer com eles?
  • ( Urza ) você sabe muito bem...eles serão um aditivo excelente para as Espadas de Hyberion

Karine grita com Urza

  • ( Karine )as Espadas de Hyberion?!14 jovens tirados a força de suas famílias e submetidos a traumas e estresses pós traumáticos horríveis,sendo mandados ao campo de batalha forçados a lutarem por causa dos inibidores que os fazem sentir dores excruciantes...14 jovens que o único desejo é irem ao campo de batalha e morrerem para acabar com o sofrimento,mas os inibidores os forçam a lutar,sobreviver e vencer?! O império nunca irá pôr as mãos em meus filhos!

Urza fecha os olhos e suspira decepcionado

  • ( Urza ) muito bem...eu não esperava que você fosse aceitar isso mesmo...então vou ser obrigado a te matar Karine
  • ( Karine )lutar contra mim de novo?você se lembra do que aconteceu a última vez que lutamos um contra o outro?esse tapa olho não é um lembrete suficiente?
  • ( Urza ) você zomba de mim Karine...mas saiba que daquele dia para cá eu mudei muito...mas tudo bem chega de papo e vamos lutar... rapazes ataquem ela!

Urza manda seus soldados avançarem em Karine,ela fecha os olhos confiante de que irá vencer

  • ( Karine )que vergonha Jeano...mandando seus cachorrinhos atrás de mim assim...mas parece que eu vou ter que arrancar seu outro olho para fazer você ficar esperto... Charlotte se esconda !
  • ( Charlotte ) tudo bem senhorita Grave,por favor tenha cuidado eu te imploro
  • ( Karine ) tsc...esses cães nem ao menos irão me fazer suar…

A luta entre Karine e os soldados do general Urza Jeano começa e os olhos dela transbordam confiança

  • ( Karine ) dêem um passo à frente quem tem a ânsia de ir para o inferno!

Ela aponta sua Katana para todos os soldados no local para assinar suas sentenças de morte,a todos os oponentes que Karine já lutou contra o único sobrevivente foi Urza que saiu com um lembrete de como uma luta com ela pode ser dolorosa

  • ( Soldado ) senhor...essa é o Demônio de Somnus?!

Soldados hesitantes transbordando medo em seus olhares

  • ( Urza ) é a primeira e única...qual é rapazes vocês não estão com medo de uma simples mulher não é?vamos ataquem…a vençam e sejam condecorados,percam e morram ou fujam da luta e eu mesmos os mato seus covardes essa são suas escolhas agora decidam-se!

Karina suspira decepcionada

  • ( Karine ) vocês vão mesmo lutar comigo ou vão só brigar entre si?estão com medo de uma simples mulher?
  • ( Soldado ) sim ela tem razão...avancem rapazes!

Todos avançam em direção a ela ao mesmo tempo,Karine embainha sua Katana

  • ( Karine ) meus punhos...meus punhos são tudo o que eu preciso para matar todos vocês!

10 soldados atacam ao mesmo tempo Karine que revida com suas próprias mãos,seus punhos são mais rápidos que sua espada Rebellion,seus golpes são ferozes e violentos...um deles ela agarra sua mandíbula e a arranca usando sua própria força,sangue é jorrado e o soldado agoniza de dor com sua língua pendurada,outro a ataca com a espada mas ela segura a lâmina e para o ataque com a mão esquerda e com a direita ela coloca seus dedos juntos e perfura o coração do soldado,dois que a atacam ao mesmo acabam matando um ao outro por causa da esquiva perfeita de Karine suas espadas dilaceram um ao outro, mais quatro ficam a sua volta,mas suas mãos são mais afiadas que as lâminas de seus inimigos...Karine usa uma técnica antiga da família Grave que foi passada de geração em geração "essência do corte" o nome dessa habilidade,ao deixar seus dedos juntos e retos ela é capaz de transmitir as propriedades de uma adaga para as suas mãos e assim dilacerando seus inimigos em ataques rápidos a curta distância.. os quatros soldados a atacam mas ,suas mãos passam no pescoço do primeiro que a ataca o degolando,o segundo no abdômen abrindo sua barriga e suas entranhas caindo no chão,ao terceiro um ataque vertical em sua cabeça a cortando ao meio e no último sua mão entra em sua boca e em um movimento horizontal ela separa a mandíbula do resto da cabeça...e enquanto aos dois últimos que correm até ela apesar de tudo que testemunharam não restam dúvidas para eles,nada pode parar essa mulher. Eles correm um do lado do outro e Karine estica seus braços e os abre na horizontal e corre em direção aos soldados os cortando ao meio...ela assim derrotou todos em seu caminho exceto por Urza que olha para ela com admiração

  • ( Urza ) essa é a Karine que me treinou…você se livrou desses lixos rapidamente como eu imaginava

Karine passando um pano nas mãos para as limparem do sangue o olha com desprezo

  • ( Karine ) você mandou seus soldados para cima de mim de propósito para morrerem?
  • ( Urza ) sim...tudo parte do "nosso" plano...eu queria me livrar desses incômodos para podermos conversar a sós e com calma
  • ( Karine ) entendo então está indo tudo de acordo com o plano?isso é bom em breve poderemos agir...como estão os outros?mudaram alguma coisa depois de eu ter ido embora?quem está liderando agora é você Urza?
  • ( Urza )não…você me conhece Karine eu não sirvo para fazer o papel de líder,a Ivy está cuidando das coisas…
  • ( Karine ) então vamos indo...temos muito a fazer
  • ( Urza ) eu sinto muito Karine...mas eu ainda sou um soldado imperial...tendo dito isso não importa qual seja a nossa relação eu ainda serei considerado um desertor se eu fugir agora e minha esposa e filhos seriam mortos
  • ( Karine ) entendo...continue com seu teatro então...eu me encontrarei com os outros por conta própria
  • ( Urza ) e o garoto?
  • ( Karine ) vou levá-lo comigo,ele perdeu os pais e algumas coisas nele me fazem lembrar de mim mesma mais nova

Urza fecha os olhos e sorri

  • ( Urza ) você sempre foi sentimental...só não deixe isso te fazer mole lembre-se nosso ideal vem primeiro...a propósito e os seus filhos?

Karine olha para trás

  • ( Karine ) eles ficarão bem...afinal eu os treinei para esse dia...deixarei tudo nas mãos deles agora...vou ter que abandoná-los tenho meu próprio caminho a trilhar mas a mamãe sempre irá amá-los
  • ( Urza ) então vamos...temos muito o que fazer o caminho é longo e perigoso

Os dois tomam caminhos diferentes e Urza vai embora enquanto Karine vai até onde Charlotte se escondeu e ao vê-la ele a abraça

  • ( Charlotte ) que bom que está bem senhora...eu estava assustado achando que você não iria conseguir sobreviver com todos aqueles caras maus

Karine faz carinho em sua cabeça

  • ( Karine ) tudo bem...eles não eram páreo para mim...mas eles agora não farão mal a mais ninguém

Karine o segura pelos ombros de joelhos e o encara

  • ( Karine ) Charlotte eu vou precisar que você seja um garoto corajoso,pois eu estou prestes a sair em uma missão muito perigosa da qual eu posso não voltar...então eu preciso que seja corajoso...vou precisar que você venha comigo...você tem coragem para fazer isso Charlotte?

Charlotte está confuso o que ela quer dizer com isso? é muita coisa para a cabeça de uma criança de 10 anos

  • ( Charlotte )eu?...por que você precisa de um garoto inútil como eu senhora?

Ela fecha os olhos,sorri e coloca sua mão na bochecha dele

  • ( Karine ) você não é inútil...você é uma criança muito especial...você terá uma vida maravilhosa e será um adulto maravilhoso

Ele sorri,pois Charlotte nunca havia ouvido palavras assim,nem mesmo vindas de seus pais

  • ( Karine )e além do mais eu preciso que você me mostre que eu sou humana...que você me lembre de minha humanidade...você ficará encarregado de me manter humana! Você acha que está pronto para isso?

Charlotte mal sabe o que dizer...são todas palavras que ele nunca havia ouvido alguém falar para ele,o garoto segura a mão de Karine que está em sua bochecha

  • ( Charlotte ) sim...irei com você até o fim do mundo se for preciso senhora!

Karine o beija na testa,ele ficou surpreso com isso,sua mãe nunca o havia beijado assim

  • ( Karine ) então vamos...temos um longo caminho pela frente...mas antes preciso fazer algo...tenho certeza que você achará essa espada Jillian pois você precisará dela mais do que eu na trilha que você irá caminhar a partir de hoje...deixo minha Rebellion para você

Karina com sua espada na bainha a enfia no chão antes de partir para assim deixá-la para Jillian a encontrar e com isso ela e Charlotte vão embora de Mellwhite pois eles terão suas próprias histórias

A jornada de uma mãe que abandonou os filhos e de um filho que perdeu os pais começa,uma perigosa jornada,em outra parte da pequena cidade Jillian foi emboscado por 20 soldados imperiais e sua raiva está prestes a explodir em um frenesi violento e descontrolado

Ódio descontrolado

03:20

Estou em um estado de êxtase,matarei todos vocês,esses malditos arrancaram meu coração,arrancaram minha alma...esse lugar...essa cidade era tudo o que eu tinha...tudo que eu gostava e vocês a mataram…viverá apenas em minhas memórias agora,mas chega já sei o que devo fazer.

  • ( Soldado )não o matem...precisamos dele vivo rapazes…

É isso...ou eu mato todos ou eu sou capturado minha raiva me controla não dou ouvidos a razão...a luta começa eu avanço em direção aos 20 soldados com a espada em minha boca...eu corro e luto como um animal...sou mais um demônio que um humano...um,dois,quatro,seis são fatiados pela minha espada o sangue deles espirram em mim e eu entro em um frenesi os gritos e gemidos agonizantes deles me dão cada vez mais força...será que eles têm famílias?filhos?esposas?para mim pouco importa pois eles acabaram com muitas famílias hoje sem remorso nenhum e eu farei o mesmo e em minha cabeça só consigo pensar em uma coisa "Alicia...Alicia...o que vocês fizeram com ela?será que ela está bem?"quanto mais penso nela mais eu sinto raiva deles e a memória de quando nos conhecemos naquela macieira surge em minha mente

  • ( Alicia )gostei dessa história que você leu para mim Jillian...virei aqui mais vezes se você ler mais para mim

Sim ela gostava que eu recitava livros para ela,agora tudo isso acabou,lembro também de quando minha mãe treinava Jill e eu,minha irmã sempre foi mais forte que eu,e quando ela colocava nós dois para brigar eu sempre perdia para a Jill...bons tempos

  • ( Karine ) cuidado com o sangue dos Graves,nossa família quando em frente ao inimigo ou o que nós julgarmos inimigos podemos agir como demônios perdendo nossa humanidade... lembrem-se meus filhos chegará um dia em que vocês terão que lutar por si só,ou para proteger aqueles que vocês amam ou pelo o que vocês acreditam...e quando esse dia chegar...não deixem a herança amaldiçoada de nossa família os controlar,não deixem o ódio controla-los

Eu já havia matado uns 15 soldados o chão já estava uma lama vermelha e viscosa por causa do sangue e da carne desses miseráveis...mas essa memória...de muito tempo atrás de quando Jill e eu lutamos e eu perdi...essa conversa que nossa mãe teve conosco me fez perceber que o que eu estava fazendo era errado...essa criatura louca por morte não era eu...isso me fez parar no meio da batalha eu fiquei paralisado,não era eu nesse momento mas sim o sangue amaldiçoado de minha família me controlando,haviam 5 em minha frente…mas eu não conseguia me mover

  • ( Soldado ) ei...ele parou... é a nossa chance...capturem esse demônio!

Eu não acredito nisso me deixei perder essa luta,aos poucos eles me encurralaram e um golpeia muito forte minha cabeça me fazendo apagar

06:40

Não sei quanto tempo passou,mas eu acordei no meio de uma floresta e parou de chover,estou com uma forte dor de cabeça,usando uma roupa estranha...preta...acho que é de prisioneiro...eu fui capturado...meus braços estão algemados para frente e meus pés também...eu estou deitado no chão descalço e está amanhecendo, parece que estou em um acampamento,quatro soldados estão um pouco longe de mim em volta de uma fogueira conversando e bebendo...bastardos eles vão me levar para Hyberion o último soldado está sentado de frente para mim e ele está dormindo...acho que ele devia estar me vigiando mas acabou pegando no sono...idiota...esse é o seu pior erro...minha mãe me treinou para ocasiões assim...ainda bem que estou de óculos...por algum motivo estou com ele,há um pequeno fio metálico nele em uma de suas hastes escondido foi algo que minha mãe nos ensinou...a escapar...com minhas mãos algemadas eu pego o meu óculos e retiro o fio...com muito cuidado e silenciosamente para não acordar o soldado ou chamar a atenção dos outros.

Com muito esforço e calma eu consigo desfazer as algemas e libertar minhas mãos,me sento e faço o mesmo com meus pés os libertando também…agora é hora de eu escapar...mas não antes de eu revidar,sorrateiramente vou por trás do soldado que está dormindo e com muito cuidado eu algemo suas mãos...ele ainda está dormindo…e em silêncio eu tampo sua boca com minhas mãos...ele acorda e começa a se debater e mexer as pernas,ele tenta gritar e respirar mas minhas mãos o impedem e em silêncio eu quebro seu pescoço,pego sua espada pois ainda há 4 em meu caminho

Os soldados restantes estão de frente para uma fogueira...bebendo,conversando e rindo distraídos demais para perceberem o que eu irei fazer com eles, sorrateiramente eu me aproximo de dois deles e os mato...os outros dois se levantam e sacam suas espadas

  • ( Carter ) caramba... é ele...ele escapou...depressa James!
  • ( James ) maldito...vamos acabar com ele!

Uma luta entre nós começa...eu estou muito mais fraco mas ainda dou conta dos dois,um dos soldados o James me ataca com a espada ininterruptamente e eu defendo seus ataques e por fim revido o matando e seu corpo cai no chão

  • ( Carter ) James!!!...não seu maldito...esse era o meu melhor amigo!
  • ( Eu )melhor amigo?curioso hoje um melhor amigo meu também morreu...e foram vocês soldados de Hyberion que o mataram

O soldado avança em mim sem usar a espada...ele está sentindo o mesmo ódio que eu senti ao ver Lenny morrendo...ele me pega pela barriga e me derruba no chão,sobe em cima de mim e começa a me dar socos,em minha queda eu perco minho espada,eu uso toda a minha força para me virar e tirá-lo de cima de mim,subo em cima dele e dou socos nele também...muitos socos com todas as minhas forças...até ele cuspir sangue e não aguentar mais...eu me levanto exausto e completamente ferido...cada movimento que eu faço sinto uma dor terrível...eu pego a espada que havia caído e subo de novo em cima do soldado e aponto a lâmina para o seu coração estou pronto para matá-lo...mas...ele pega uma foto do bolso e mostra para mim na hora que a ponta da lâmina encosta em seu peito

  • ( Carter ) espera!!... essas...são minhas filhas...Julia e Diana e minha esposa também...Felicity...elas estão esperando eu voltar para casa...por favor...não faça isso comigo...eu só quero vê-las de novo!!

O soldado cai em lágrimas sinceras e verdadeiras... é verdade eles eram apenas seres humanos,com uma vida própria, famílias e amores,pessoas que estão esperando suas voltas,eles apenas estão ganhando o sustento de suas famílias o pão para a boca de seus filhos...por Sereena...quantas vidas eu arruinei hoje?quantos homens eu matei na minha cidade?eu destruí diversas famílias...aqueles homens só estão seguindo ordens e eu os matei...arruinei diversas casas...agora quantas mães e filhos passaram fome por minha causa?no momento em que eu ia matar esse soldado meu corpo paralisou em remorso...o que foi que eu fiz?o soldado está me mostrando uma foto com uma mulher e duas meninas bem pequenas...eu posso não ter feito nada de bom quando eles atacaram...mas eu ainda posso dar a essa família uma chance de uma vida melhor...eu então jogo a espada que eu ia usar para matá-lo longe,você está a salvo,não irei causar nenhum mal a você volte para suas filhas e esposa

  • ( Carter ) que bom que você teve piedade de mim

Eu ainda estou em cima do soldado,eu o perdoo mas eu sinto um dor terrível em meu abdômen,algo atravessando minha carne... é uma adaga!esse maldito ele só queria me distrair...ele pegou uma adaga e enfiou em meu abdômen...a essa dor é a pior dor que eu já senti em minha vida...maldito...ele usou a foto de sua família para me enganar...ele coloca o joelho em meu abdômen abrindo ainda mais meu ferimento e me empurra com ele para me tirar de cima dele,eu caio no chão e me reviro em agonia,ele se levanta e olha para mim...maldito eu não esquecerei seu rosto!esses cabelos castanhos e compridos e seu olhar maldito

  • ( Carter )idiota...você não sabe a primeira regra de uma guerra...nunca hesite...nunca sinta empatia pelo seu inimigo
  • ( Eu )Maldito!...eu vou…
  • ( Carter ) poupe forças...você está perdendo muito sangue

Ele sobe em cima de mim e começa a me dar muitos socos...socos tão fortes que eu sinto que minha cabeça vai explodir...e por fim depois de 20 socos em meu rosto eu apago novamente

O invasor Carter

07:00

Um soldado é um soldado...ele deve seguir ordens e em Hyberion não segui-las significa traição e isso pode custar a vida de sua família...no mais são apenas duas nações inimigas Imperia e Hyberion,um soldado agora se vê em uma encruzilhada Carter Black está prestes a fazer uma escolha inesperada

  • ( Carter ) maldito...ele quase me matou...mas finalmente ele apagou...agora vamos ver isso

Carter tira a camisa de Jillian para ver o ferimento que ele causou...seu objetivo é claro levar Jillian para a Capital vivo...mas no estado atual de Jillian ferido e perdendo sangue será que ele aguentaria a viagem até a Capital?

  • ( Carter ) maldito...ele matou meus amigos...James,Harry e Henry estão todos mortos por sua causa...por que eu simplesmente não acabo o que eu comecei aqui e agora?

Ele está em uma decisão difícil mas então ele pega sua espada e se prepara para matar Jillian...mas algo o impede e ele hesita,o que será?

  • ( Carter )droga!...seu eu levar ele vivo,serei condecorado,promovido e finalmente vou poder dar uma vida decente para a minha esposa e minhas filhas...que droga!...por que nada pode ser fácil?

O soldado então embainha sua espada e pega o corpo de Jillian sutura seu ferimento em seu abdômen,o cauteriza com fogo e o algema de novo seus pés e mãos,só que dessa vez suas mãos estão nas costas,coloca um saco em sua cabeça e o joga em seu cavalo,Carter monta e assim começa a jornada até a capital de Hyberion,no caminho Carter lembra de coisas de sua vida,memórias do passado

  • ( Felicity )Carter...sabe porque eu me apaixonei por você?por que você é uma pessoa boa e sempre vê o melhor nos outros,foi por isso que eu me apaixonei por você seu bobo
  • ( Professor da escola ) Carter...eu sei que você vai crescer e se tornar um bom homem e irá ajudar quantas pessoas puder
  • ( James ) Carter...eu sinto que você tem o potencial para mudar o mundo,já vi você ajudando muita gente...já me provou isso...o mundo precisa de mais pessoas como você

Todas essas memórias abalaram a mente dele...o que ele se tornou?agora nem ele pode distinguir ele mal reconhece quem ele é agora e isso o influenciará em sua próxima escolha,nesse longo caminho os dois a cavalo Carter e o inconsciente Jillian cavalgando no leito de um rio

O sofrimento de Jillian

07:32

Eu finalmente desperto,mas está tudo escuro...minha cabeça dói...estou algemado...e em cima de um cavalo…ah como eu queria que tudo aquilo que aconteceu essa noite fosse um horrível pesadelo...mas agora que eu acordei eu percebo que na verdade essa é a terrível realidade...fui capturado e agora eu não faço ideia de aonde eu estou ou o que está acontecendo, Mamãe,Jill,Alicia, Sophitia,Carmen e Nathan...não faço ideia de aonde vocês estão ou o que vou ter que fazer para encontrá-los,não enxergo nada mas eu ouço o barulho de água então devo estar ao lado de um rio...no cavalo daquele soldado miserável

  • ( Eu ) droga!!
  • ( Carter ) ah...vejo que você já acordou
  • ( Eu ) quando eu sair daqui eu vou te matar seu maldito!

Ele me dá um soco

  • ( Carter )cala a boca demônio!quando chegarmos na Capital você vai receber uma lavagem cerebral...vai esquecer de tudo...quem você é...sua família...sua casa...tudo...você vai ser uma máquina de guerra a Espada de Hyberion

Então é isso? Esse é o meu destino? Tudo irá acabar aqui?maldição!não há mesmo nada que eu possa fazer?tem que ter um jeito

  • ( Carter )não...isso não é verdade...não é esse quem eu sou..eu não me reconheço mais,te darei uma escolha,isso não irá acontecer com você
  • ( Eu ) o que !?

De repente eu ouço o som do cavalo cavalgando na água,o soldado desce dele e em seguida me tira e me coloca de pé em cima do rio

  • ( Carter )não...eu lhe darei essa chance...isso estava com você em sua jaqueta...presumo que seja importante para você

Em minhas mãos que estão algemadas em minhas costas ele coloca uma caixa, é o presente que Lenny ia entregar para sua irmã Sophitia,o que está acontecendo?ele está me dando uma chance de fugir?

  • ( Eu ) o que você está fazendo?
  • ( Carter ) não é óbvio?estou traindo meus objetivos…
  • ( Eu ) mas porque?
  • ( Carter ) vai saber...bem talvez seja porque você demonstrou piedade quando eu mostrei a foto de minha família para você...ou talvez eu seja simplesmente louco

Eu ouço ele subindo no cavalo,e sua voz vem de trás de mim

  • ( Carter ) olha...eu não estou pedindo que você me perdoe pelo que nós fizemos essa noite,não sei se aquilo foi certo ou errado eu só estava sustentando minha família...então não estou pedindo perdão...siga esse rio...talvez você encontre salvação ou talvez você morra no caminho garoto

Tudo isso é tão estranho

  • ( Eu ) qual é o seu nome?
  • ( Carter ) o meu nome?... é Carter,Carter Black
  • ( Eu ) Carter é?bem Carter anote o que eu vou lhe dizer agora,se eu sobreviver a isso eu lhe prometo você vai desejar ter me matado,pois na próxima vez que eu te ver eu vou te matar seu desgraçado!

Minhas palavras estão cheias de ódio,isso eu lhe prometo seu soldado maldito

  • ( Carter ) então é isso?bem estou ansioso pelo nosso próximo encontro então... certifique-se de sobreviver,e então veremos quem irá matar quem

Eu ouço o cavalo dele indo embora,então é isso?tudo o que eu tenho que fazer é caminhar sobre esse rio, descalço com os pés algemados minhas mãos nas costas acorrentadas,segurando o presente para Sophitia,meu abdômen dói por causa de meu ferimento e está chovendo estou com muito frio e meu corpo está tremendo,assim eu avanço em direção ao desconhecido,minha morte ou minha salvação.

Tudo o que aconteceu essa noite comigo,tudo o que eu vi...nada será como era antes,todas as memórias que eu criei em minha cidade,todos os laços...tudo acabou...tudo acabou e nunca mais vai voltar,as vezes que Nathan e eu roubavamos das plantações,os livros que Lenny e eu líamos na macieira,os momentos que Jill,minha mãe e eu passávamos juntos,todas as vezes que Carmen e eu pregavamos uma peça em Sophitia e ela nos espancava depois...e todas as vezes que eu contava histórias para Alicia debaixo da macieira,tudo isso acabou…uma parte de mim morreu junto com a cidade e tudo mundo,eu simplesmente penso em uma coisa... suicídio...e não consigo segurar minhas lágrimas…

Adeus vou me juntar a todos vocês…

Vou esperar a minha dor acabar…

Fecharei os meus olhos...

Vou descansar…

Me ajoelhar…

E morrer…

Quando eu estou prestes a morrer eu me lembro do sorriso cheio de calor e ternura de Alicia

Sim agora que eu me lembrei de tudo o que aconteceu,como eu cheguei aqui eu me vejo de joelhos na água desistindo e pronto para morrer,mas agora que eu me recordo de tudo percebo que eu não posso morrer ainda,tenho muitas coisas para fazer e promessas para cumprir,não posso morrer agora,me recuso a morrer agora e com todas as minhas forças me levanto e fico de pé na água...cada esforço que eu faço é uma dor terrível que sinto...mas não importa eu tenho que continuar

Enquanto eu continuo andando pelo rio eu ouço sons do galopar de dois cavalos e a voz fina e bela de uma mulher...uma voz tão bela que faz eu me esquecer das dores e do sofrimento e me dá forças para continuar

  • ( Evelyn ) olha ali...aquele rapaz!vamos para lá Narcisus!
  • ( Narcisus ) espere irmã!

Eu ouço barulhos do cavalo entrando na água,e o som daquela mulher chegando perto de mim

  • ( Evelyn )pobre rapaz...um prisioneiro de Hyberion,você sofreu muito não é?

Ela tira o saco de minha cabeça e o brilho do sol é tão forte que me deixa cego,o meu rosto está coberto de ferimentos e sangue,estou sem óculos e não enxergo nada,a mulher chega mais perto de mim,e seu rosto é belo,não mais do que de Alicia mas é belo mesmo assim, seu rosto é a única coisa que eu enxergo com clareza é quase como se ela tivesse me curado de tudo

  • ( Evelyn ) acalme-se rapaz você sofreu muito...mas meu irmão e eu iremos te ajudar

A visão dela para mim é quase divina

  • ( Eu ) você é...uma deusa?

Com essas palavras eu desmaio em seus braços

01 de janeiro de 1990,08:34

28 de Septiembre de 2019 a las 03:36 0 Reporte Insertar 1
Leer el siguiente capítulo Arco 02: inferno

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión