Convite de Casamento Seguir historia

buneary Buny Uzumaki

Matsuri devolveu o convite para ele com um sorriso enorme. O Uchiha não entendeu o que poderia estar causando tanta alegria na menina em uma situação como aquelas, mas decidiu olhar o outro lado do papel. Surpreendeu-se ao identificar em um cantinho meio rabiscado no verso a letra garranchosa de Naruto: “Estou casando, mas o grande amor da minha vida é você’ttebayo.”


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#drama #amizade #naruto #sasuke #sasunaru #casamento #convite #Baseadaemsertanejo #Masnãotãotristeassim
Cuento corto
5
3.3mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único


Presente --- 25 anos

Sasuke encarava o papel delicado e bonito com uma expressão vazia, releu cada uma das palavras em letras douradas para ter certeza que teria lido certo, sua vida era realmente uma piada de mau gosto. Sabia que aquilo era puramente o reflexo de seus atos covardes e desde que fora embora tinha total noção de que poderia acontecer, mas nunca parou para pensar que realmente aconteceria.

Bom, não tinha como pedir para que alguém esperasse sua boa vontade em ignorar seus preconceitos, na realidade até que havia demorado para que acontecesse.

Deixou o papel levemente amassado em cima da cômoda do quarto e se deitou na cama, se havia ignorado todas as formas de contato que Naruto havia feito até agora, por que não ignoraria um convite de casamento?

Permaneceu daquela maneira enquanto encarava o teto branco sob si, precisava procurar algo para se distrair e evitar que pensasse no assunto, como sempre fazia quando o loiro tentava se comunicar consigo.

Sentiu novamente o gosto amargo que parecia ter origem do fundo de seu estômago e sabia muito bem o que seria aquilo, não era a primeira vez que sentia ciúmes do Uzumaki. Trincou os dentes enquanto tentava controlar a respiração, desde que fugira para longe de Naruto suas crises de ansiedade haviam piorado muito, só de pensar nele, só de pensar em como sua vida poderia estar, em como seria viver ao seu lado.

Levantou-se de forma brusca e seguiu para o banheiro deixando as roupas pelo caminho, se enfiou embaixo do chuveiro e deixou que a água quente caísse pelo corpo na tentativa de aliviar a crise.

Respirou fundo, focou sua audição no som que a água fazia ao cair no chão, no cheiro do sabonete, na temperatura quente e agradável que estava no ambiente. Apertou as mãos com força, talvez uma notícia como aquela fosse demais para ele, não sabia dizer.

Mordeu os lábios enquanto sentia o corpo tremer violentamente, a respiração falhar e o peito doer com a velocidade que o coração batia na caixa torácica. Se odiava sempre que se lembrava do covarde que era, mas receber aquele convite de casamento significava que qualquer chance que um dia teve de consertar as coisas havia terminado.

Receber aquele convite significava que havia perdido Naruto de vez.

Era ridículo, toda aquela situação era ridícula. Havia passado anos de sua vida evitando o que sabia que sentia e quando ele decidisse se casar, percebesse o quão arrependido estava.

Era mais ridículo ainda pensar na quantidade de oportunidades que teve durante toda a sua vida e desperdiçou.

Passado --- 07 anos

Sasuke encarou a porta de casa com um sorriso discreto quando ouviu o melhor amigo lhe chamar.

- Mãe, o Naruto chegou! – falou para a mulher que estava sentada em uma poltrona lendo um livro enquanto corria para destrancar a porta

- Abra para ele então, querido.

O pequeno abriu a porta e pode ver o Uzumaki sorridente com um dinossauro e uma raposa de pelúcia nos braços – Oi teme.

- O que é isso? – perguntou curioso quando viu os brinquedos na mão do amigo

Naruto não esperou que o convidasse, adentrou a casa tão conhecida e correu em direção ao quarto de Sasuke enquanto gritava um cumprimento para a matriarca Uchiha que estava na sala.

O moreno o seguiu e continuou o observando atentamente quando ele se sentou no chão com os dois brinquedos nas mãos.

- Essa é a Kurama, você já conhece – mostrou a raposa de pelúcia – E esse é o Tsubaki, ele é o melhor amigo da Kurama e vai ficar aqui para te proteger – mostrou o dinossauro

O Uchiha o encarou confuso – Me proteger?

- Sim! – ele falou entusiasmado – É a Kurama que me protege quando estou com medo de noite e o Tsubaki vai ficar aqui para proteger você.

Sasuke sorriu discreto, havia contado no dia anterior para o amigo que andava tendo muitos pesadelos e que não andava dormindo bem, ficava feliz em saber que agora não estaria mais em perigo e teria alguém para lhe proteger. Pegou o dinossauro das mãos do loiro e o apertou contra o peito para senti-lo por inteiro – Tem certeza que quer me dar?

- Absoluta! – o menor disse com um sorriso – Você é meu melhor amigo no muuundo inteiro, se eu não te ajudar, quem vai? – ele disse esticando os braços para mostrar o tamanho do mundo

O moreno voltou a sorrir, sua amizade com Naruto era diferente de todas as outras que tinha. Ele sabia que podia contar tudo ao outro sem precisar se preocupar se ele contaria a alguém ou zombaria de si, podia inventar quantas brincadeiras quisesse que ele sempre brincava consigo, podia até mesmo brigar com os outros meninos da escola que o loiro sempre estaria lá para que não os enfrentasse sozinho.

Ele sabia que sempre teria Naruto ao seu lado, independentemente da situação.

-Deixa sua bolsa na cama, vamos brincar lá fora – falou entusiasmado por se lembrar que o loiro dormiria lá naquela noite, então teriam tempo de sobra para se divertir

---

Sasuke ria tanto que sua barriga doía, precisou curvar o corpo e apoiar as mãos pequenas nela para tentar se controlar e conseguir respirar um pouco. Naruto havia escorregado e caído do muro em que estavam escalando, ao primeiro momento tinha descido para ver se ele havia se machucado, mas depois ambos começaram a rir da situação.

O Uzumaki bateu a sujeira da roupa e voltou a subir no muro – Vou te deixar para trás, teme!

- Caindo desse jeito eu duvido muito, dobe! – rebateu enquanto voltava a subir no muro

Antes que pudesse subir, ouviu a mãe chamando-os para jantar. Não precisou avisar o menor, ele mesmo já voltava a descer e em questão de segundos estava ao seu lado com um sorriso travesso – QUEM CHEGAR POR ÚLTIMO É UM BOBÃO! – dito isso ele disparou a correr em direção a porta de sua casa

Sasuke riu e correu o máximo que pode, porém como sempre havia perdido. Poderia ganhar de Naruto quando brincavam de lutinhas, mas em velocidade ele o superava de longe.

- Como sempre você é o bobão – ele disse sorrindo

O Uchiha afundou o dinossauro de pelúcia no rosto do amigo – Vou te mostrar o bobão!

Antes que pudessem iniciar uma luta, sua mãe apareceu na sala – Vão lavar as mãos para comer, meninos.

Ambos obedeceram a mulher e após lavarem as mãos sentaram-se à mesa seguidos dos pais e do irmão mais velho que aproveitou a distração dos dois para bagunçar o cabelo do Uzumaki que riu para ele.

A família jantou ao som da voz escandalosa do loiro e das risadas de Sasuke toda a vez que ele falava algo idiota, para ele Naruto era o menino mais engraçado do mundo todo.

Quando terminaram de comer, a matriarca os mandou tomar banho e se arrumarem para dormir e assim o fizeram.

Naruto entrou dentro da cabana que eles haviam montado no quarto do Uchiha com lençol, algumas tábuas e pisca-pisca branco para não deixar o quarto totalmente escuro, o moreno entrou em seguida carregando seu dinossauro novo.

- Oe teme – o Uzumaki o chamou assim que ele se sentou ao seu lado – Você vai ser meu amigo para sempre, né?

Sasuke o olhou com uma careta – Claro que vou, dobe – respondeu afundando novamente o dinossauro no rosto do amigo – Você é o único amigo que me dá um guardião.

Naruto sorriu – Deve ser muito estranho, né? A amizade dos outros meninos.

- Por que diz isso? – perguntou confuso

- O Lee me disse que contou para o Neji que tem medo de altura e o Neji riu dele – parou por um momento enquanto pensava – Você não riu de mim quando eu disse que tenho medo do escuro.

- Você não riu de mim quando eu disse que tenho pesadelos à noite.

O Uzumaki segurou a mão do amigo com um sorriso – Ainda bem que você mora do lado da minha casa, deve ser muito ruim morar longe do melhor amigo.

- Deve mesmo – Sasuke pensou por alguns segundos – Vamos fazer uma promessa?

O Uzumaki o encarou com os olhos brilhando, adorava fazer promessas com o Uchiha – Qual promessa?

Sasuke sorriu, adorava a cor dos olhos de Naruto e a forma como eles brilhavam com coisas simples.

- Nós nunca vamos morar longe um do outro.

- Mas e a faculdade?

- Vamos entrar na mesma faculdade, ué – falou como se fosse óbvio e estendeu o mindinho para o amigo – Você promete?

Naruto sorriu – Eu prometo.

As crianças continuaram conversando durante boa parte da noite até que adormeceram de mãos dadas dentro da cabana iluminada pelos pisca-pisca que montaram para que o quarto não ficasse escuro e Naruto não tivesse medo de dormir lá.

Presente --- 25 anos

Sasuke acordou assustado durante a noite, sua mente adorava pregar-lhe peças. Era incrível como só tinha pesadelos quando lembrava de Naruto, porém se recusava a recorrer ao maldito dinossauro de pelúcia que ele havia lhe dado.

Respirou fundo e encarou o brinquedo apoiado no criado-mudo ao lado da cômoda, lembrava-se muito bem do dia em que havia ganhado o bicho.

Naruto havia sido seu melhor amigo durante quase toda a sua vida, era extremamente difícil não se lembrar de alguma situação que passara com ele em qualquer momento do dia-a-dia. Fosse no trabalho quando os colegas comentavam alguma situação, fosse no mercado quando passava em frente a seção de macarrão instantâneo, fosse durante a noite quando tinha pesadelos.

O Uzumaki marcara sua vida de tal forma que bastava ele tentar reaparecer que desestruturava seu mundo.

Virou para o lado contrário do criado-mudo, precisaria aceitar que havia acabado.

---

O Uchiha acordou com o despertador pela manhã, estava irritado com a noite mal dormida e com zero de paciência para enfrentar um dia de trabalho.

Ainda assim levantou-se e fez sua higiene matinal, tomaria um café em sua cafeteria favorita e quem sabe aquilo o ajudaria a despertar.

Saiu de casa e parou o carro em frente ao estabelecimento, fazia aquilo com tanta frequência que a atendente já lhe mostrava seu melhor sorriso e começava a preparar seu pedido de sempre. Não se preocupou com o horário, apenas encontrou sua mesa favorita, reservada no canto do lugar e próxima à janela.

Massageou as têmporas, sua cabeça parecia que iria explodir a qualquer momento. Ouviu passos se aproximando e o cheiro de café e pão de queijo invadiram suas narinas.

- Bom dia Sasuke – a atendente falou com um sorriso animado e colocou seu pedido na mesa – Um café sem leite, sem açúcar e dois pães de queijo com requeijão.

- Bom dia Matsuri – falou em tom baixo – Obrigado.

- Está com uma cara péssima – ela riu – Aconteceu alguma coisa.

O moreno sorriu irônico para a menina – Gostaria de poder dizer o mesmo de você - bebericou o café enquanto se divertia ao vê-la corar, sabia muito bem da queda que ela tinha por ele – Pesadelos.

- De novo? – ela disse ao se recompor – Já pensou em procurar um psicólogo e descobrir a origem disso?

Revirou os olhos – Não.

Ela o encarou assustada – Você vive com isso desde quando?

Sasuke engoliu um pedaço do pão de queijo enquanto suspirava – Desde criança quando tive um professor imbecil que me deu aula até o final do ensino médio – mordeu outro pedaço – Ele nunca chegou a fazer nada, mas foi por pouco.

- Meu Deus Sasuke! – ela falou surpresa – Você nunca denunciou ele?

O Uchiha encarou a menina, Matsuri era uma pessoa meiga e sempre disposta a ajudar os outros. Adorava lhe irritar e sabia como tornar suas manhãs melhores, já havia inclusive saído com ela algumas vezes para conversarem.

- Não, mas um amigo descobriu e fez isso por mim – suspirou, e lá estava ele falando de Naruto novamente – Depois disso esse professor foi preso.

Ela pareceu um pouco aliviada, mas continuou – Mas o trauma te persegue até hoje, não? – era uma pergunta retórica – Eu passei por algo assim, sei como se sente.

Sasuke encarou a moça na esperança de que ela falasse mais, porém ela pareceu um tanto perdida em seus pensamentos.

- De qualquer forma eu encontrei uma forma de lidar com isso para que eu pudesse seguir com a minha vida – ela sorriu meiga – Espero que você também encontre, se eu puder te ajudar de alguma forma.

O moreno sorriu malicioso – Existem muitas formas que você pode me ajudar, Matsuri – desceu o olhar pelo corpo da garota que corou novamente

- Estou falando sério, Sasuke! – ela riu

Ele terminou de tomar seu café e respondeu – Eu também estou – suspirou – Eu tinha um dinossauro de pelúcia que esse amigo me deu quando éramos crianças, ele disse que era para me proteger e essas bobagens, por muito tempo isso me ajudou.

- E por que não ajuda mais?

- Porque eu tenho 25 anos e não vou ficar dormindo com um bicho de pelúcia que ganhei de um cara que não converso mais – irritou-se

A garota sorriu maliciosa – Talvez se você dormisse com o “cara” que te deu o dinossauro isso alivie um pouco.

Sasuke a encarou incrédulo – Mas o que...? – não conseguiu terminar a frase, ela já se afastava em direção ao balcão dando risada

- Hoje é por conta da casa, em troca você pensa com carinho no que eu te falei.

O Uchiha revirou os olhos, era só o que lhe faltava.

Passado --- 12 anos

Sasuke sentou-se em um dos bancos para esperar que Naruto voltasse com os lanches, já que ele era desesperado o suficiente para correr para fora da sala assim que soava o sinal do intervalo e ele próprio não tinha essa disposição, então esperava que ele lhe trouxesse algo para comer.

Colocou os fones nos ouvidos e deixou que a música sobressaísse todos os sons ao redor de si e aproveitou para fechar os olhos e assim ignorar qualquer menina que viesse lhe encher o saco.

Não que não gostasse de meninas, só não estava com paciência para isso no momento.

Continuou focado na música que saía de seus fones e não percebeu quando alguém lhe chamou, só voltou a abrir os olhos quando sentiu um cutucão em seu pé.

Suspirou imaginando que Naruto teria chegado com os lanches, porém quando abriu os olhos pode ver Lee afobado falando algo que não chegava aos seus ouvidos por conta do som alto. Pausou a música irritado e encarou o rapaz – Fala de novo.

- O Naruto brigou com uns meninos lá no fundo.

Sasuke se levantou de supetão – Como assim brigou? Quantos meninos eram? – estava realmente assustado, já vira Naruto derrubar três meninos sozinho, mas ele estava sempre por perto.

- Pelo que eu sei eram sete.

- SETE?! ME LEVA LÁ AGORA! – exclamou e colocou-se a correr atrás do outro

O que diabos Naruto tinha na cabeça quando pensou em brigar com sete garotos sozinho? Por que não foi lhe chamar?

Ao chegarem lá Sasuke conseguiu identificar o amigo caído no chão com a cabeça apoiada no colo de Hinata enquanto Neji se mantinha em pé na frente, conseguiu ver quatro meninos, que deveriam ser um ano mais velho que eles, caídos na frente do Hyuuga.

- Que porra que houve aqui? – falou para o moreno em pé

- Não sei bem, a Hinata quem viu a confusão e foi me chamar – ele encarou o Uchiha – Quando eu cheguei esses quatro já estavam caídos, mas havia outros três batendo nele.

Sasuke apertou as mãos em punho, seja lá quem tivesse feito aquilo iria pagar muito caro, com certeza iria. Aproximou-se do loiro caído que lhe sorria enquanto tentava disfarçar a dor – Você está bem, dobe?

Estava preocupado, não era a primeira vez que ele brigava, mas além de normalmente estarem juntos essa era a primeira vez que o encontrava caído. Seu rosto estava inchado, seu olho roxo e com um corte no supercílio de onde escorria bastante sangue, sem falar nos hematomas pelos braços. Sasuke não queria imaginar como estaria seu abdômen por baixo da camisa.

- Melhor impossível – ele sorriu

O Uchiha balançou negativamente a cabeça – Deveria ter me chamado, imbecil – resmungou enquanto ajudava-o a se levantar – Vem, vou te levar para a enfermaria.

- Eu não quero ir...

- Cala a boca, não estou perguntando o que você quer fazer – cortou-o

Ajudou com que ficasse em pé e apoiou um dos braços dele em seu ombro, Naruto era pouca coisa mais baixo que si então não era muito difícil de fazer aquilo.

- Eu vou com vocês – Hinata falou logo atrás deles

- Não precisa – apressou-se em dizer – Eu levo ele e você conta pra diretora o que viu.

Sasuke conseguiu sentir o olhar de Neji a suas costas, todos sabiam da paixonite que a prima do Hyuuga tinha no loiro, mas se o próprio Uzumaki não havia se dado conta não seria ele quem iria contar. Ela quem viesse e conversasse ao invés de procurar momentos para ficar sozinha com ele.

Era uma palhaçada que ele estivesse machucado e Neji acreditasse que sua maior preocupação seria deixar Naruto e Hinata a sós.

- Que merda aconteceu com você? – perguntou no caminho

Naruto suspirou – Eles passaram me chamando de viadinho e essas coisas e até aí eu não liguei muito, mas depois vieram falando que viriam bater em você e eu perdi a paciência.

- Deveria ter deixado, nós dois juntos daríamos uma surra naqueles caras.

- É eu sei, não pensei muito na hora.

- E desde quando você pensa, dobe.

- Oe, eu derrubei quatro deles sozinho! – ele falou irritado

- E em compensação está todo fodido pelos outros três.

Naruto revirou os olhos e imitou sua voz, não adiantaria discutir com ele – Eu não ia deixar que eles viessem até você, teme.

Sasuke sorriu, ela sabia muito bem disso. Naruto ouvia esse tipo de ofensa quase todos os dias e não se importava nem um pouco, porém sempre que citavam seu nome ele se descontrolava e partia para cima de qualquer um que estivesse em sua frente.

O Uchiha nunca entendeu o motivo que levava Naruto a ser alvo de tantas gozações, porém entendia o porquê ele o defendia tanto, em seu lugar Sasuke teria feito o mesmo.

Presente --- 25 anos

Sasuke assinou o último relatório e entregou na mão da secretária de Neji, jamais imaginou que trabalharia na grande construtora dos Hyuuga quando concluiu a faculdade. A verdade é que havia se aproximado muito do moreno enquanto estudaram na mesma universidade e acabou por conseguir um emprego por lá como engenheiro.

- O sr. Neji disse que queria vê-lo – a moça disse

O Uchiha revirou os olhos, sabia que não escaparia do Hyuuga. Suspirou e entrou na sala sem bater, não estava com paciência para formalidades e a intimidade que pegaram durante o curso permitia que fizesse isso.

Ele estava ao telefone e o encarou com uma sobrancelha arqueada, dispensando rapidamente quem quer que fosse do outro lado da linha.

- Fala Hyuuga.

Ele o encarou com um sorriso debochado – Você vai?

- Vou aonde? – mentiu, ele sabia muito bem

O outro ergueu o convite de casamento e o Uchiha pode ler nas letras douradas o nome do Uzumaki – Eu sei que ele mandou para você.

- E posso saber como você sabe disso?

- Quem você acha que passou o seu endereço para ele? – sorriu debochado

Sasuke arqueou a sobrancelha, agora estava explicado como diabos o loiro havia descoberto seu endereço para mandar aquele maldito convite – E posso saber por que caralhos você fez isso?

Neji deu de ombros – Ele pediu, não vi motivo para não passar – os olhos perolados analisavam cada uma de suas reações enquanto os lábios mantinham-se repuxados em um sorriso debochado – Tem algum problema em eu ter passado?

- Eu não falo com ele há oito anos.

- Ah, mas isso porque você foi estudar e morar muito longe – ele se levantou – Não brigaram nem nada, ele quer que você vá no casamento.

Sasuke rolou os olhos – Eu te odeio, Hyuuga. – disse indo em direção à porta

Neji o encarou sério – Pode ser sua última chance, Sasuke – ele disse antes que saísse – Não acha que você me engana com essa fachada, você sente falta dele.

- Isso não é da sua conta – falou por fim

- Você é meu funcionário, isso afeta seu desempenho, mas além disso, é meu amigo – ele falou sereno – Me importo com você.

- Não vou chegar lá e atrapalhar o casamento dele, Neji – encarou o amigo – Ele não merece isso, ele merece ser feliz.

- Me poupe Sasuke, ele vai ser infeliz se casar com qualquer outra pessoa! – ele falou irritado – Você é mais inteligente do que isso.

- Ele fez a escolha dele, não tenho o direito de interferir ou tentar atrapalhar.

- E você? Já fez a sua? Já escolheu desistir dele?

Sasuke revirou os olhos e saiu da sala antes que afundasse a cabeça de Neji na privada.

Será que ninguém o deixaria esquecer aquele maldito casamento?

Passado --- 15 anos

O moreno revirou os olhos, Naruto tagarelava há horas na sua orelha sobre o que poderia ter motivado Shion a romper o relacionamento com ele. A garota havia encantado o Uzumaki desde o dia em que pisou na escola e ele não havia sossegado até que finalmente estivesse namorando com ela, para o total desgosto do Uchiha que nunca foi com a cara da garota. E agora que haviam terminado ele não saía de sua casa resmungando sobre ela, isso se estendia há mais de dois meses.

- Naruto você precisa pegar alguém pra esquecer a Shion! – falou irritado

- É fácil para você falar, teme – ele falou com a expressão magoada – Você tem qualquer menina nos seus pés no momento que quiser.

Sasuke revirou os olhos – Levanta daí! – puxou a mão do amigo e o tirou da cama – Nós vamos em uma festa hoje e você vai pegar alguém.

- O que?! – ele exclamou incrédulo – Que festa?

- Qualquer uma, mas você vai e eu não estou perguntando.

Naruto explodiu em uma gargalhada alta e descontrolada – Você e festa na mesma frase é a melhor piada que já me contou.

- O que quer dizer?

- Você odeia festa, teme – riu – Não suporta a ideia de pessoas suadas invadindo seu precioso espaço pessoal – o loiro debochou se aproximando

O Uchiha revirou os olhos, não era mentira nenhuma, mas poderia sim enfrentar uma festa para fazer Naruto esquecer aquela maldita menina sem sal – Cuidado que você pode se surpreender, dobe – falou com um sorriso malicioso – Aposto que consigo pegar mais do que você em uma noite.

Os olhos do Uzumaki brilharam com o desafio e ele se aproximou de forma brusca, já tinham uma diferença de altura considerável, o que fazia com que o Uchiha olhasse um pouco para baixo para falar com o amigo – Não me desafie, Uchiha.

- Já desafiei – falou sorrindo

Sempre adorou observar de perto e ver como os olhos do menor pareciam tanto com o oceano, a forma como eles brilhavam toda as vezes em que ele se empolgava com algo. Era incrível como aqueles olhos combinavam tão bem com a pele bronzeada, com as poucas sardas que decoravam a região do nariz, as três marquinhas em cada bochecha, o cabelo loiro que lhe caía sobre os olhos e terminava de dar contorno ao mandíbula quadrada que ele tinha.

Naruto era um conjunto muito bonito e ele realmente não entendia quando ele dizia que não fazia sucesso com as meninas.

- Tudo bem – ele bagunçou os cabelos loiros – Eu vou arranjar uma festa para nós e você vai ver como vai perder.

O Uchiha sorriu, preferia muito mais o amigo animado e com os olhos brilhando daquela forma do que enrolado em suas cobertas falando em Shion e, se para isso ele precisava entrar em um local lotado cheio de gente bêbada e suada, ele entraria.

---

Sasuke ajeitou a jaqueta de couro no corpo quando chegaram na frente da enorme casa onde a festa acontecia, não tinha a menor ideia de onde Naruto conhecia o dono daquele lugar, mas aquilo não importava. Eles iriam se divertir e ele pararia de choramingar por aquela garota.

Suspirou e quando viu que o amigo entraria na casa segurou em seu pulso – Lembre-se, não vou contar as pessoas que você pegar longe da minha visão.

Ele o encarou sorridente – Eu sei as regras, teme.

O Uchiha sorriu e ambos entraram, o lugar tinha uma música alta e algumas luzes coloridas. Só de olhar ele já conseguia ver as pessoas se espremendo para andar ou dançar e já começou a se sentir irritado.

A noite seria longa.

O loiro se aproximou de um garoto ruivo e falou algo em seu ouvido, o rapaz sorriu e o abraçou. Em seguido Naruto o guiou para perto de si e falou – Esse é o Gaara, o dono da festa.

- Uchiha Sasuke – falou estendendo a mão para ele

- Fiquem à vontade, o Naruto sabe onde as bebidas estão – ele sorriu – Só não entrem em coma para não dar problema para os meus pais depois.

O moreno riu – Eles sabem que você está dando essa festa?

Gaara riu – Sabem tanto quanto os seus sabem que vocês estão aqui.

Naruto segurou em seu pulso sem deixar que terminasse sua conversa com o ruivo e o arrastou para perto do bar, ali estava alguém que tinha muito dinheiro – De onde vocês se conhecem?

- Sei lá – o loiro riu enquanto pedia a bebida – Eu estava com o número dele no meu celular depois de uma festa em que eu fiquei muito bêbado.

- Todas as festas você fica muito bêbado, Naruto.

O Uzumaki mostrou-lhe a língua e entregou uma lata de cerveja – Na hora que você der PT eu vou rir.

Sasuke riu e tirou o lacre da lata, levando-a até os lábios e sorvendo o líquido amargo. Sempre se perguntou como Itachi tomava aquilo como se fosse água ou algo saboroso, mas ainda assim engoliu esse e todos os outros goles que deu em seguida.

Terminou a bebida e jogou a lata em um cesto de lixo próximo, encarou o amigo de forma sorridente enquanto abria outra lata e brindava com ele – Pronto para perder, Uzumaki?

- Você quem vai perder, Uchiha.

Dito isso ambos tomaram um longo gole de suas respectivas cervejas e seguiram para a multidão de corpos que se apertava pelo local.

Sasuke avistou uma menina lhe observando quando ele avançou contra as pessoas, tentava disfarçar a expressão de desagrado ao máximo, ainda tinha uma competição para vencer. Aproximou-se dela com um sorriso malicioso, esperava apenas que ela não quisesse muito papo, pois não tinha tempo.

Ela devolveu o sorriso e ele aproximou-se do ouvido dela – Sasuke.

- Cassidy, mas meus amigos me chamam de Candy – ela disse

O Uchiha segurou em sua mão e percebeu que gostou do contraste que a pele negra de Candy fazia em suas mãos pálidas, aproveitou esse breve momento para analisá-la melhor. Tinha os cabelos escuros em tranças finas que iam de sua raiz até sua cintura, os olhos eram negros assim como os seus, os lábios cheios lhe entregavam um sorriso provocante, desceu o olhar pelo corpo e pode notar os seios fartos apertados no cropped vinho que ela utilizava, a barriga aparecia um pouco e uma saia preta completava o look deixando sua cintura larga bem marcada.

Sasuke aproveitou que ela ainda segurava sua mão e a puxou para perto de si e envolveu sua cintura em seguida, enquanto a outra segurava em sua nuca. Os lábios se tocaram e ela prontamente entreabriu os lábios para que sua língua adentrasse. Candy também segurou em sua nuca e aproveitou para enroscar os dedos em seus cabelos.

Se o Uchiha imaginasse que fosse encontrar uma menina tão bonita e que beijasse tão bem, jamais teria feito aquela aposta imbecil, pois agora precisaria deixá-la para trás. Aproveitou a mão em sua cintura e desceu até os glúteos, onde apertou com firmeza a carne entre os dedos para em seguida pegar o celular da menina.

Assim que ela o destravou ele digitou seu número nos contatos, afinal nunca se sabe não é mesmo?

Ela sorriu e se afastou dele sem delongas.

Antes que pudesse procurar por Naruto, viu-o se aproximando com um sorriso sacana – Achei que fosse casar com a primeira da noite, enquanto ficou aí enrolando eu já estou indo para a quarta.

- O que?! – exclamou surpreso

- Acelera, Uchiha! – ele falou enquanto se afastava

---

Sasuke sorriu quando viu Naruto apoiado nos ombros de Gaara, não que estivesse em uma condição melhor, mas ao menos conseguia andar sozinho.

- Ele apagou? – perguntou para o ruivo

- Ainda não.

- Me respeita, ‘Suke.

- Meu nome é Sasuke, dobe – ele riu – Vou te levar para casa.

Ele pegou um dos braços do loiro e o apoiou em seus ombros, apertou a mão de Gaara e seguiu até a porta de entrada da casa.

Era horrível apoiar o peso de Naruto sendo que nem o seu próprio estava aguentando direito, andavam em zigue-zague e riam em todas as vezes que iam ao chão. Sasuke mal conseguia enxergar o caminho e agradeceu por morarem tão perto dali.

- E aí? – o loiro falou

- 15 e você? – sorriu prepotente

- Mentira, sério? – ele riu quando o Uchiha confirmou – 15 também, como pode?

Sasuke riu, não duvidava. Naruto deveria ter começado a misturar as bebidas e acabou por parar antes dele, só assim para tê-lo alcançado.

- Ridículo – ele disse por fim

O Uchiha agradeceu quando viu a porta da própria casa, ajudou Naruto a sentar na calçada enquanto procurava as chaves no bolso da calça e quando a encontrou teve dificuldade de encontrar a correta. Estava muito escuro, sua visão estava turva e sua coordenação estava péssima.

Abriu a porta e voltou-se para Naruto que cochilava sentado – Oe dobe, vamos entrar – disse enquanto apoiava novamente o braço dele em seus ombros

- AHH TEME! – ele gritou e em seguida encarou o lugar – Seus pais vão contar para os meus.

Sasuke riu – Não tem ninguém na minha casa hoje, dobe.

Entraram aos tropeços enquanto riam da situação, andar sozinho já era um desafio, um apoiado no outro era ainda pior. O Uchiha deixou o amigo no sofá, trancou a porta e voltou a levantá-lo para seguirem para o quarto onde deixou com que ele caísse em sua cama.

Não estava em condições de fazer muito, então somente tirou os sapatos dele e deixou que se ajeitasse em suas cobertas.

- Oe Sasuke – ele falou ao se sentar

- Deita e dorme, Naruto – respondeu enquanto se ajeitava no colchão que estava ao chão

O Uzumaki desceu para o colchão e encarou o amigo – Precisamos desempatar.

Sasuke riu, não havia nada mais engraçado do que a voz arrastada de Naruto – Na próxima, ok?

O loiro pareceu pensativo – Você vai demorar anos até aceitar a ir em outra festa comigo – ele segurou na blusa do Uchiha e o puxou para que me sentasse – Se eu beijar alguém antes de você, eu ganho, certo?

Sasuke revirou os olhos – Óbvio.

Naruto levantou-se cambaleando e sorriu vitorioso – Eu vou agora beijar a primeira pessoa que eu ver.

- São 04:00 da manhã, imbecil - O Uchiha bufou e levantou-se, segurou no pulso do amigo e o puxou de volta para o colchão, mas esqueceu que seu próprio equilíbrio estava alterado e não conseguiu segurar o corpo do loiro que caiu sobre o seu.

Fechou os olhos quando sentiu o impacto da testa de Naruto na sua e demorou para perceber que a pressão em seus lábios era feita pelos dele.

- Porra Naruto! – praguejou quando o empurrou para o lado – Quando disse que beijaria o primeiro que visse não pensei que seria de forma literal, seu gay!

O Uzumaki explodiu em uma gargalhada escandalosa – Eu não acredito que beijei você – ele apertava a barriga com as mãos – E acabei vencendo por isso.

Ele ria de forma descontrolada e Sasuke aproveitou para socar suas costelas – Para de rir, idiota! – segurou na gola da camisa dele – Se essa porra valesse, estaríamos empatados.

- Eu quem beijei você – ele disse rindo – Então eu ganhei.

- Foi um acidente, não conta – o moreno se arrependeu no momento em que terminou a frase.

Naruto não lhe deu tempo de reagir, segurou em sua nuca com força e grudou seus lábios de forma desajeitada, o segurando por alguns segundos – Ahá! Resolvido o problema!

- PORRA NARUTO! – exclamou ao se levantar muito, mas muito irritado – QUE MERDA VOCÊ ACHA QUE ESTÁ FAZENDO?!

Cambaleou até chegar em sua própria cama, Naruto deveria estar louco. Por que caralhos ele havia feito isso? Por que caralhos seu coração estava tão acelerado? Por que caralhos estava sentindo seu rosto corar?

- Estou ganhando de você – ele disse com um sorriso antes de se ajeitar no colchão – No amor e na guerra vale tudo.

O Uchiha ainda estava perplexo, parado em pé próximo à porta – Não sabia desse seu lado.

- Meu Deus, teme – loiro resmungou sonolento – Foi só um selinho, não vou comer você de madrugada.

- Naruto...

- Deita e dorme, Sasuke – devolveu

Sasuke ainda estava atordoado, não sabia que porra havia acontecido ali, mas esperava que ambos esquecessem isso ao amanhecer. Subiu na cama ainda sentindo o coração descompassado, não era como se tivesse gostado, era?

HAVIA GOSTADO?

MEU DEUS, ELE HAVIA GOSTADO!

Bagunçou os cabelos de forma nervosa, estava bêbado, Naruto estava bêbado, só precisavam dormir e tudo estaria resolvido.

Ajeitou-se embaixo das cobertas e quando fechou os olhos ouviu Naruto sussurrar - Não é como se eu não quisesse.

- NÃO QUISESSE O QUÊ, NARUTO?! – exaltou-se, mas ele já havia dormido

O Uchiha puxou os cabelos para tentar se acalmar, o que caralhos ele queria dizer com aquilo? Não quisesse o que? Te beijar ou te comer? Não tinha muita diferença, em vista de que uma coisa levaria à outra.

Mas que porra estava pensando?

Afundou a cabeça no travesseiro e abafou um grito, não sabia se era de raiva, de dúvida ou...excitação? Definitivamente precisava dormir.

---

O Uchiha acordou com a cabeça latejando e o estômago ameaçando colocar para fora qualquer coisa que estivesse ali, o abuso de álcool no dia anterior mostrava suas consequências agora.

Seguiu para o banheiro e tomou seu banho, ao menos aquilo serviu para aliviar o desconforto nos músculos de seu corpo. Enxugou-se e vestiu apenas uma cueca preta, depois de passar a noite inteira em um jeans não estava disposto a usar nenhuma peça de roupa.

Voltou para o quarto e encontrou Naruto sentado no colchão se espreguiçando e só então as lembranças da noite anterior chegaram à sua mente.

Lembrou-se da mansão enorme, das luzes coloridas, das pessoas esbarrando para conseguirem andar, de Gaara e sua expressão serena atrás dos olhos marcados pela maquiagem, do gosto da cerveja, de Candy e seus quadris avantajados roçando em seu corpo, de outras meninas cujo o nome não dera importância, de Naruto apoiado em si, dos tombos pela rua, da risada escandalosa que ele dava em seu ouvido, do acidente em seu quarto, do selinho que trocaram e da maldita frase que rondou sua mente a noite toda.

“Não é como se eu não quisesse”

Lembrou da quantidade mínima de roupas que estava vestindo, como sempre fizera na presença do outro e percebeu que talvez seria um erro.

Naruto passou por ele e seguiu em direção ao banheiro com uma tranquilidade que acabou por acalmar seu coração acelerado, ele provavelmente teria esquecido boa parte do ocorrido e assim o Uchiha poderia aceitar que tudo aquilo ocorreu por conta do excesso de álcool.

Vestiu uma calça de moletom confortável e jogou-se na cama de novo, não era como se seu estômago fosse aceitar algo além de água.

Ouviu quando o som do chuveiro sumiu e minutos depois Naruto voltou a entrar no quarto já segurando um pote de macarrão instantâneo nas mãos e com a feição revigorada, como se não tivesse bebido uma gota de álcool no dia anterior, a velocidade do metabolismo dele era realmente incrível.

- Você não vai comer nada?

- Se eu comer vou vomitar – respondeu com o rosto no travesseiro

- Mole – riu

Sasuke virou o rosto para encarar o amigo que estava sentado no colchão, precisava perguntar, iria explodir se não fizesse isso – Do que você lembra de ontem?

O Uzumaki riu – Não lembro nem de como chegamos aqui.

O moreno sentiu um peso sair de seu corpo – Oe dobe, você já...ficou com garotos?

O menor o encarou e corou levemente – Já, por quê?

- Saber – deu de ombros – Por que não me contou?

Naruto engoliu o macarrão antes de responder – Porque a primeira vez foi ontem.

O Uchiha travou – Com...quem? – disfarçou

- Com o Gaara – ele coçou a cabeça nervoso – E você?

Sasuke aliviou com a resposta, mas ainda assim estava surpreso com a revelação – Desde quando sente atração por homens?

- Não sei, nunca parei pra pensar nisso – falou sincero – Mas e você, teme? Já ficou com algum menino?

Engoliu em seco, precisaria convencê-lo daquela resposta ou ele o atormentaria – Não.

- Nem selinho?

- Não.

- Mentiroso – o loiro sorriu sacana – Acha que eu não lembro do que aconteceu quando chegamos, teme?

Sasuke sentiu o rosto esquentar de novo e o sangue pulsar nas veias, havia caído em um plano de Naruto?

- O que aconteceu ontem, dobe? – disfarçou

- Queria ver até onde você iria com esse assunto – o loiro voltou a rir – Mas a parte do Gaara é verdade.

O moreno continuou em silêncio, não sabia o que falar sobre isso. Não se importava de Naruto ficar com garotas, então por que se importaria se fossem garotos? Não sabia exatamente o que sentia.

- Oe Naruto – esperou que o amigo voltasse os olhos azuis que tanto gostava para ele – Como foi?

Ele pensou um pouco antes de responder – A mesma coisa de ficar com uma menina, tirando que não tinha peitos e ele roçou o pau em mim – riu – Por que? Está curioso?

O Uchiha o encarou já esperando encontrar a face risonha que sabia que ele exibiria, porém encontrou apenas a feição curiosa e séria do amigo que agora comia algum chocolate que encontrara na cozinha. Ainda assim não respondeu, não sabia se era exatamente curiosidade o que sentia.

- Sasuke? – a voz de Naruto era cautelosa, porém como não teve retorno continuou – Levanta.

- Oi? Pra quê?

- Levanta logo, teme! – o loiro começou a puxá-lo para fora da cama

O Uchiha ergueu o corpo sem entender onde o outro queria chegar, deixou que o guiasse até próximo à porta, fora do colchão em que anteriormente estava sentado.

- Feche os olhos.

- Naruto, que porra...

- Confia em mim caralho! – resmungou ainda segurando sua mão

Sasuke suspirou, não estava gostando do rumo daquilo, mas ainda assim estava curioso para saber a ideia do menor. Fechou os olhos, sentiu o momento em que ele soltou sua mão e se afastou para apagar a luz do cômodo.

Voltou a sentir a presença próxima a si, mas sem voltar a segurar em sua mão.

- Finja que eu não estou mais aqui, ok? Finja que não sabe quem está na sua frente.

O Uchiha sentiu novamente o coração acelerar, não sabia se era receio por imaginar o que ele estava planejando ou...aquilo era ansiedade? Respirou fundo, sabia que não deveria entrar nas ideias do Uzumaki, mas lá estava ele.

Sentiu novamente o calor das mãos de Naruto, mas dessa vez afagavam sua nuca e as unhas curtas o arranhavam levemente, não conseguiu evitar que um arrepio gostoso subisse por sua espinha e eriçasse os pelos de seu corpo, sentiu o momento em que ele, com a mesma delicadeza, enroscou os dedos em seus cabelos e puxou sua cabeça para o lado expondo seu pescoço. Sasuke sentiu o peito se comprimir novamente em expectativa, queria tanto segurar em sua cintura e o puxar para mais perto, mas sabia que ali estava seu melhor amigo e não uma garota, sabia que se fizesse isso talvez a ereção dele fosse de encontro à sua já desperta.

Respirou profundamente quando Naruto tocou os lábios em seu pescoço em um beijo delicado e deixou que uma lufada de ar baixa saísse de seu peito no momento em que ele mordeu de leve seu pescoço.

Em um ato involuntário, Sasuke segurou nos cabelos do outro, indeciso entre impedir que continuasse ou puxar o rosto dele até o seu, porém, como se esperasse por isso, Naruto utilizou sua mão livre para guiar a sua até sua cintura.

Definitivamente o Uzumaki sabia o que fazia.

Ele continuou o que fazia e o moreno pode sentir o momento em que ele ficou na ponta dos pés para chegar até sua orelha e mordiscá-la levemente, causando outra onda de arrepios pelo corpo de Sasuke e que fez com que ele o puxasse pela cintura para aproximar seus corpos, porém o menor resistiu e ele conseguia imaginar o motivo.

Por fim Naruto roçou seu nariz por sua bochecha e trilhou um caminho até que guiasse seus lábios para os dele. Sentiu o toque leve e sem que ele precisasse fazer muito, o próprio Uchiha afundou a mão nos fios loiros e aprofundou o beijo. Ele sequer havia percebido o quanto desejava por aquilo, mas depois de um joguinho como aquele quem não iria querer?

O Uzumaki segurou em sua cintura da maneira mais suave que conseguiu, sem tirar a outra mão de seus cabelos, como se deixasse que o maior comandasse a situação.

Sasuke o puxou novamente e dessa vez não houve resistência alguma, sentiu o momento em que a ereção desperta do amigo chocou-se com a sua, mas por incrível que pareça aquilo o excitou ainda mais. Empurrou o Uzumaki até a porta do quarto e o prensou entre ela e seu corpo, desceu a mão para suas coxas e então para sua bunda e gostou de sentir a firmeza dela entre seus dedos.

Aproveitou-se da situação e ergueu o menor, usando a porta como apoio e percebeu a exclamação de surpresa que ele soltou quando sentiu o chão sumir abaixo dos pés. Sasuke abriu os olhos e quando viu o desejo nos olhos azuis que ele se lembrou do que estava fazendo e com quem.

Assustado e confuso se afastou de forma brusca, derrubando-o no chão e tropeçando no colchão que estava atrás de si, caindo também no processo.

- Porra Sasuke! – ele xingou quando atingiu o chão – Ficou louco?!

O moreno se manteve deitado ainda sem processar a situação – Acho melhor você ir para casa – falou em tom baixo

Sem que tivesse tempo sentiu o peso de Naruto sobre si e suas mãos foram presas ao lado do corpo pelas pernas do loiro que se sentou em sua bacia com a expressão irritada – Que porra foi essa?!

- Me solta.

- Não até você me falar o porquê disso! – ele realmente estava irritado

- Como o porquê, Naruto! – respondeu igualmente irritado – Você é meu melhor amigo, somos homens, preciso realmente responder?

- Ah Sasuke não vem dar gay panic pra cima de mim não, tá?! – ele falou sem desviar os olhos do seu – E daí que somos amigos? E-DA-Í?

Sasuke bufou – Uma merda que fizermos vai acabar com a nossa amizade, porra!

Naruto soltou uma gargalhada irônica – Não estou te pedindo em casamento, seu idiota! – ele respirou fundo – A gente deu uns pegas e foi só isso, se der a gente repete e se não der a gente deixa quieto.

O moreno ainda o encarava incrédulo, mais alguns minutos naquilo e ele realmente estava cogitando transar com o loiro. Não foram só uns pegas.

Antes que falasse algo o Uzumaki falou novamente – Toma um banho, esfria a cabeça, eu vou pra casa e amanhã na escola conversamos melhor, ok?

Sasuke apenas assentiu sem voltar a encará-lo, não que tivesse muita opção. Ele não o deixaria em paz até que concordasse. Em seguida ele observou enquanto o amigo saía de cima de si, juntava suas coisas e saía de seu quarto, porém ele só voltou a respirar quando ouviu o som da porta da frente fechando.

--- 2 meses depois

Sasuke sentiu a agonia e o desespero apoderar-se de seu corpo, junto com um bolo de ar que vinha desde de seu estômago, subindo por sua garganta e quando finalmente saiu, conseguiu ouvir o próprio grito desesperado acordando e sentando no processo.

Procurou desesperado alguma forma de luz ou algo que o trouxesse de volta à realidade, porém sentiu braços quente o envolver e mãos carinhosas afagarem seus cabelos com cuidado – Shhh Sasuke, está tudo bem – a voz de Naruto ressoou no cômodo e chegou em seus ouvidos, trazendo-o de volta à realidade e ajudando-o a se localizar – Estamos no seu quarto, você não está sozinho e está tudo bem.

Deixou um soluço baixo escapar e agarrou-se ao corpo do Uzumaki com força, era tão reconfortante tê-lo por perto naquelas situações. Deixou que ele acariciasse seus cabelos e se permitiu prestar atenção somente ao que ele falava, ignorando o suor gelado que escorria por seu corpo e os tremores que o assolava.

- Vamos respirar juntos, ok? – ele disse com a voz calma – Acompanhe a minha respiração.

Ele inspirava por seis segundos, segurava por dois e expirava em quatro. Uma de suas mãos continuava em seus cabelos sem parar o afago, enquanto a outra alisava suas costas gentilmente. Novamente ele inspirava por seis segundos, segurava por dois e expirava em quatro.

Inspirava por seis, segurava por dois e expirava por quatro.

Sasuke acompanhava o movimento de seu peito, ouvia seus batimentos cardíacos e acompanhava sua respiração.

Inspirava por seis, segurava por dois e expirava por quatro.

Ele não falava, não parava o carinho ou tentava afastá-lo, apenas mantinha o exercício de respiração que havia aprendido única e exclusivamente para conseguir ajudá-lo com suas crises.

Inspirava por seis, segurava por dois e expirava por quatro.

Quando menos esperou sua própria respiração estava controlado, seu coração já voltara ao ritmo normal e os tremores haviam sumido juntamente com o suor gelado. Naruto havia conseguido tranquilizá-lo novamente.

- Se sente melhor? – ele perguntou ainda com a voz serena

Assentiu ainda sem soltá-lo, deixando apenas que ele voltasse a deitar e se aconchegasse em seu peito. Ali, deitado e escutando os batimentos do coração de Naruto, sentia como se nada pudesse atingi-lo, como se estivesse em total segurança e não existisse nada no mundo que merecesse sua preocupação.

Poderia passar o resto de seus dias ali.

Acabou por se lembrar que o loiro havia ido dormir lá como fazia quase todas as semanas desde que se conheceram, porém o colchão no chão servia apenas de disfarce para os pais do moreno.

- Obrigada – sussurrou se ajeitando ainda mais sobre ele

--- 1 mês depois

Sasuke suspirou quando tentou sair da cama e sentiu os braços de Naruto o envolvendo e o impedindo de se levantar. No mesmo instante ele aconchegou o rosto na curva do seu pescoço e deu leves mordiscadas – Pra quê a pressa, teme?

- Amanhã temos aula, dobe – disse quando se livrou do abraço e se colocou para fora da cama – Está ficando tarde, você deveria ir.

- Eu posso dormir aqui se você quiser – ele falou com um sorriso travesso enquanto via o Uchiha vestir a cueca

- Você dormiu aqui dois dias seguidos, daqui a pouco meus pais começam a desconfiar – respondeu

No momento em que viu o olhar triste do amigo se arrependeu, era comum que passassem dias um na casa do outro antes de tudo acontecer, porém agora o moreno sempre acabava por expulsar o loiro com receio que alguém desconfiasse de algo.

O Uzumaki levantou ainda em silêncio e vestiu as roupas que estavam espalhadas pelo quarto. Sasuke odiava quando isso acontecia, ele nunca sabia exatamente o que dizer e parecia que tudo o que dizia piorava a situação.

O relacionamento entre eles era puramente carnal, continuaram os amigos que sempre foram, porém com “benefícios” como o próprio loiro dizia e nada os impedia de se envolver com outras pessoas no processo, porém com o tempo ele parecia cada vez mais chateado com o esforço que o Uchiha fazia em esconder a situação e isso o preocupava. Talvez fosse a mesma sensação que ele próprio tinha quando o via com outras pessoas.

Na realidade Naruto nunca foi tão desejado como era agora e isso estava tirando o moreno do sério, só tinha medo de saber o motivo. Irritava-se quando, em qualquer horário da aula, alguma dupla de garotas aparecia se oferecendo de forma “discreta” para eles e odiava ainda mais a trela que ele dava para qualquer uma delas.

O Uzumaki não havia sido sua primeira transa, porém havia sido o único homem e parecia que agora era o único com quem se envolvia, era como se não se sentisse satisfeito com outras pessoas, como fechasse os olhos e esperasse que quando abrisse encontrasse a face vermelha e o olhar cheio de desejo como da primeira vez em que ficaram.

Definitivamente as coisas não iam bem, estava se apaixonando por Naruto e nada disso estava em seus planos.

Ainda assim segurou no pulso do amigo no momento em que ele sairia de seu quarto – Hey, não que eu queira que vá, mas é para os meus pais não descobrirem como os seus descobriram, você entende né?

Kushina havia sido bem indiscreta em uma noite quando viu o Uchiha entrar acompanhada do filho, sempre com suas piadas e bom humor, porém aquilo havia confundido sua cabeça e despertado em si o receio de seus próprios pais desconfiarem de algo, com toda a certeza não reagiriam da mesma forma que os Uzumakis.

“Usem camisinha, meninos”

Aquela frase lhe assombrava há dias, como olharia nos olhos do pai e lhe diria que estava se envolvendo com Naruto? Não gostava de imaginar sua reação e sabia as coisas cruéis que ele poderia dizer.

O menor lhe direcionou um sorriso que não chegava até os olhos azuis – Está tudo bem, teme. – dito isso saiu do cômodo

Presente --- 25 anos

Sasuke bufou irritado quando o celular tocou, todos que o conheciam sabiam o quanto odiava que ligassem para ele em horário de serviço. Pegou o aparelho no bolso já preparado para desligar antes mesmo de atender, porém quando leu o nome do irmão no visor hesitou.

Itachi só ligava em situações extremamente importantes.

- Fala – atendeu

- Você vai no casamento do Naruto?

Sasuke ficou estático. Ou o irmão estava com alguma brincadeira de mau gosto ou ele havia entendido a pergunta errado – Perdão?

- Você vai no casamento do Naruto? – a voz do outro lado continuava serena

- Sério que você me ligou em horário de serviço pra perguntar isso, Itachi? – apertou os olhos com os dedos na intenção de se acalmar enquanto se afastava dos funcionários que ouviam curiosos a conversa

- Responda à minha pergunta, irmãozinho.

- Itachi, eu estou trabalhando – bufou – Que diferença isso faz?

- Quanto mais rápido responder mais cedo voltará para o seu trabalho.

- Claro que não, Itachi – respondeu como se fosse óbvio – O que caralhos eu faria lá?

- Ótimo, obrigado - e desligou

O Uchiha mais novo permaneceu encarando a tela do aparelho perplexo, em que porra o irmão estaria pensando? Aliás, o que ele estava planejando. Tinha medo das ideias de Itachi algumas vezes.

Ele sempre lhe aconselhou a se declarar para Naruto e ignorar a opinião do pai, sempre havia lhe dito que se algum dia fosse expulso de casa, ele sempre encontraria um lar em seu apartamento. Ainda assim era muito difícil para ele que havia crescido na sombra do mais velho e só foi visto pelo patriarca no dia que Itachi havia lhe “decepcionado” e decidiu seguir carreira naquilo que gostava: Pediatria.

Sasuke havia ficado imensamente feliz de ver o irmão fazendo o que mais amava e estando feliz por isso, porém estaria mentindo se dissesse que não se alegrou quando o pai começou a se interessas por seus gostos e vontades.

Nunca se esqueceria o brilho orgulhoso nos olhos do patriarca quando lhe disse que fora aceito em Harvard para cursar engenharia, embora hoje, aos 25 anos se sentisse extremamente solitário e vazio.

Se lembrava com perfeição das palavras do melhor amigo na última mensagem que recebeu dele antes de bloquear o número, toda a mágoa, o ressentimento, a tristeza e, acima de tudo, a quebra da promessa que fizeram quando crianças. Hoje aos 25 anos não tinha mais certeza se agira certo em querer orgulhar o pai e magoar a pessoa que mais lhe apoiou na vida.

Passado --- 17 anos

Sasuke se assustou quando Naruto entrou em seu quarto em um misto de empolgação e felicidade – TEMEE!

- Para de gritar, dobe – respondeu irritado

Ele ignorou o mau humor do moreno e continuou – Eu acabei de fazer minha inscrição para Stanford e você? Já fez a sua? – ele falou com o rosto próximo ao seu e os olhos brilhando em expectativa

Sasuke quase sorriu com aquilo, amava demais aqueles olhos enormes do amigo – Ainda não, vou fazer mais tarde – falou empurrando o rosto bronzeado até que ele perdesse o equilíbrio e caísse no chão

- Me avisa quando fizer – ele disse sorridente e saiu do cômodo

---

O Uchiha preenchia a extensa ficha para sua inscrição no site da Universidade de Stanford quando ouviu a porta do quarto sendo aberta, revelando Fugaku atrás dela.

Ele encarou a tela do notebook do filho antes de falar – Fazendo sua inscrição? – vendo o filho concordar ele continuou – Por que Stanford e não Harvard?

O mais novo parou o que fazia para encarar o homem a sua frente – Não acho que eu vá ser aceito.

- Não minta para mim, Sasuke – Fugaku falou firme – Você e o Naruto querem estudar na mesma universidade, não é?

Sasuke engoliu em seco, não fazia ideia de como ele havia descoberto aquilo e nem o que poderia estar pensando sobre o assunto – É uma boa universidade, está entre as três melhores do país.

- Estar entre as três melhores não é ser a melhor, estamos falando do seu futuro agora – o homem suspirou e se sentou na beirada de sua cama – Eu quero o melhor para você.

- Eu sei, mas...

- Você carrega o sobrenome Uchiha e tem condições de estar entre os melhores na hora de disputar uma vaga no mercado – ele deu uma pausa antes de continuar – Você e o Naruto podem se ver durante as férias, seria até bom um distanciamento entre vocês que passaram a vida tão próximos.

- Ele é meu melhor amigo pai – falou tentando acalmar o coração acelerado, sabia que ele estava desconfiando de alguma coisa

- As pessoas falam, Sasuke – ele falou firme – Vocês estudarem na mesma universidade só dará margem para mais murmúrios indecentes que podem jogar o nome de nossa família na lama, você quer isso?

O mais novo engoliu em seco – Não.

- Nada me daria mais orgulho do que ter um filho meu formado em Harvard, condições para isso você tem.

Sasuke sentiu o coração acelerar ainda mais e não pode conter o sorriso de surgir em seus lábios, tudo o que sempre quis foi ouvir algo assim do patriarca. Ele pareceu entender, em vista que tocou gentilmente em seu ombro e saiu do cômodo.

O Uchiha ignorou todas as outras sensações que seu corpo lhe enviava para não fazer aquilo e abriu o site de Harvard.

--- 3 meses depois

Sasuke suspirou quando colocou a mochila nas costas e segurou na alça da mala com rodinhas, seria uma das últimas vezes que veria seu quarto por muito tempo e ele não imaginou que aquilo seria tão difícil. Foi ali que sua mãe cantara diversas músicas para que se acalmasse em suas noites repletas de pesadelos com Orochimaru, foi ali que Itachi havia lido e interpretado diversas histórias para ele, fora ali que seu pai disse que acreditava em seu potencial, fora ali que passara diversas noites com Naruto desde os cinco anos de idade, rindo, conversando e formando a amizade sólida que tinham até hoje. Ele só esperava que ela pudesse sobreviver a uma traição tão grande quanto a que ele havia feito.

Só havia pensado no real impacto de seus atos quando recebeu a carta de aprovação em Harvard e, infelizmente já era tarde demais para mudar de ideia. Decidiu que esconderia de Naruto até o dia de sua partida, só não esperava que ele tivesse a ideia de irem juntos até Stanford no carro do pai dele.

Não conseguiu negar e nem dizer a verdade, apenas combinou o horário e dia em que iriam, mesmo que fosse mentira.

Respirou fundo e saiu do cômodo, encontrando a mãe com os olhos marejados na sala – Eu vou voltar, mãe – disse enquanto abraçava a mulher que já estava mais baixa do que ele – Não precisa disso.

- Boa sorte, meu filho – ela disse enquanto o apertava em um abraço – Nos dê notícias, vamos sentir sua falta.

Sasuke sorriu e virou-se para se despedir do irmão que lhe encarava com a expressão séria e o moreno sabia muito bem o motivo. Itachi era contra o que havia feito, ele sabia de seu plano de estudar na mesma universidade que Naruto e sempre deixou claro o quanto odiava a ideia de não apenas não contar para ele, como ir embora sem se despedir.

Ainda assim ele o abraçou com força e sussurrou – Boa sorte, irmãozinho – em seguida deu um peteleco em sua testa

O Uchiha seguiu para o carro sem olhar para trás, sabia que se avistasse a casa dos Uzumaki poderia acabar desistindo de tudo, focou-se apenas no olhar orgulhoso que o patriarca mantinha enquanto dirigia até o aeroporto.

---

O moreno esticou a coluna quando desceu do avião e respirou fundo ao olhar que finalmente havia chegado no estado de Massachusetts.

Mal pisou no aeroporto e sentiu a vibração do celular indicando a enxurrada de mensagens que havia recebido no período em que esteve sem sinal, sabia que quase todas elas seriam de Naruto e por isso decidiu que primeiro chegaria até a universidade e depois resolveria a situação. E com esse pensamento em mente ele rumou para encontrar sua bagagem.

---

Sasuke parou em frente a porta que continha seu nome e o nome do outro aluno com quem dividiria o quarto, só de imaginar que teria a chance de dividir um quarto com o loiro seu coração falhou, porém respirou fundo e decidiu entrar.

O ambiente era simples, as paredes eram em um tom creme, havia duas camas de solteiro encostadas em paredes opostas e com o símbolo da universidade na colcha que cobria o colchão, dois guarda-roupas pequenos e duas escrivaninhas abaixo da janela. Havia sido bem criterioso ao preencher sua ficha e pedir o menor número possível de pessoas em seu quarto e fora atendido.

Escolheu a cama da esquerda já pensando na posição do banheiro próximo a ela, em seguida sentou e encarou a tela do celular para enfim destravá-lo.

Leu todas as mensagens com uma dor que não sabia que poderia sentir, porém quando escutou a voz chorosa e magoada nos áudios seu mundo desmoronou.

Você poderia ter me contado, em que mundo achou que eu não apoiaria alguma decisão sua? Você preferiu mentir na minha cara, dizer que havia feito a inscrição e que foi aprovado, combinar o horário para irmos juntos! Sasuke, isso foi horrível, mas ainda assim eu poderia tentar relevar, mas você não teve e decência de se despedir de mim, você é meu melhor amigo desde os cinco anos e ainda teve coragem de ir embora para um lugar que vai ficar há mais de quatro mil quilômetros de Stanford e não me dar UM MÍSERO abraço. Eu nunca esperei isso de você, esperava de qualquer pessoa, mas nunca de você.”

Sasuke engoliu o bolo que se formou em sua garganta enquanto digitava uma resposta que pudesse aliviar a situação.

Eu não tive coragem de te contar, sinto muito por isso. Acredito que vá nos fazer bem nos afastarmos um pouco, passamos a vida inteira juntos.”

A resposta foi automática, como se ele estivesse com sua conversa em aberto apenas esperando eu respondesse.

“Isso é o que você acredita ou o que seu pai falou para você?”

O moreno sentiu uma fisgada do peito, aquele Naruto agressivo não combinava em nada com o garoto alegre e sorridente que passava os dias entrando em sua casa e gritando em sua orelha, não se parecia em nada com o garoto que o abraçava quando tinha crises ou que conversava por telefone quando acordava tendo pesadelos.

“Eu realmente acredito nisso” – digitou e mandou

“Acredita é o caralho! Você foi porque seu pai estava desconfiando, você foi porque não tinha coragem de assumir quem você é e o que você sente, você foi para se esconder de você mesmo, e você decidiu não vir para Stanford porque não teria como seu pai descobrir o que você faz aqui e teria que assumir que na verdade você é um covarde.”

O Uchiha sentiu o sangue correr pelas veias, ler aquilo vindo de Naruto doeu muito, mas quem ele era para deduzir o que havia feito?

“Fácil me chamar de covarde sendo que você vive enfiado na saia dos seus pais, eles te protegem de tudo e de todos e nunca se importaram com o que você faz da sua vida. Eles se orgulham de você pela pessoa que você é, não pelo que você faz”

Sabia que o loiro tinha razão em estar bravo, magoado e se sentindo traído, porém era injusto de sua parte que lhe chamasse de covarde se não estava em sua pele e não passava pelo mesmo que ele.

“Se você tivesse ido porque seu pai queria que você estudasse em Harvard eu concordaria mesmo sem aceitar, iria respeitar sua vontade. Você foi porque você não se aceita, mas adivinhe só Sasuke, você sempre será você e se afastar de mim não vai te fazer mudar isso.”

O moreno não percebeu quando havia começado a chorar, só se deu conta quando estava com dificuldade de ler a mensagem por conta da visão embaçada. Enxugou o rosto com raiva e decidiu bloquear o amigo de todas as redes sociais.

Seu peito doeu ainda mais quando fez isso, era como se estivesse sendo esmagado ao mesmo tempo em que batia violentamente contra a caixa torácica. Respirar estava sendo doloroso, o corpo tremia e as lágrimas não cessavam.

Sequer imaginou que poderia sentir uma dor como aquela, sequer imaginou o quanto doeria se arrepender do que havia feito. Ter uma crise como aquela sem Naruto por perto lhe mostrava o quão imbecil havia sido e o como tinha consciência disso, só queria entrar no primeiro avião que visse e correr até sua casa, desculpar-se por sua atitude imbecil e ouvir novamente sua risada escandalosa, ver seu sorriso contagiante e ouvir suas piadas ridículas.

Não pensou que doeria tanto admitir para si o quanto amava o Uzumaki e quão amargo seria o sabor do arrependimento, ainda mais quando não teria mais a chance de voltar e mudar o que havia feito.

Presente --- 25 anos

O Uchiha encarou o visor do celular por puro costume antes de entrar na cafeteria para seu desjejum, ainda esperava que Naruto lhe enviasse alguma mensagem depois de tanto tempo, mesmo que já tivesse trocado de chip inúmeras vezes.

Matsuri lhe abriu um sorriso e se aproximou da mesa em que sabia que ele se sentaria – Pensou no que eu te falei?

Ele sorriu irônico e tirou o convite de casamento do bolso e entregou para ela – Pensei, olha aí.

Ela pareceu triste e espantada ao mesmo tempo enquanto passava os olhos pelas letras douradas no papel bonito – Oh Sasuke, eu sinto muito – ela voltou a encará-lo – Vocês ainda se falam?

- Não – disse cruzando os braços e apoiando as costas no encosto da cadeira – E antes que me pergunte se eu irei já lhe adianto que não, ele merece ser feliz mesmo que seja com essa maldita da Shion.

- Você conhece ela?

- Eles namoraram durante um tempo na adolescência e ela só sabia pisar nele – revirou os olhos – Não sei como estão as coisas hoje em dia para eles, mas não vou aparecer lá.

- Acho que deveria falar com ele de qualquer maneira – ela disse com um olhar triste – Vocês foram amigos por muito tempo e é ridículo que as coisas acabem dessa forma.

- Ridículo é eu aparecer depois de tudo que eu fiz, no momento em que ele está feliz.

Ela pegou novamente o convite e passou novamente os olhos pelas letras como se não quisesse acreditar no que lia. Haviam conversado por mensagem na noite anterior e ele lhe contou toda a história para chegar pela manhã e mostrar que o loiro se casaria com outra pessoa, deveria ser um baque.

A garota terminou de ler o convite e o virou para analisar a parte de trás do papel – Ah meu Deus, Sasuke! – ela exclamou – Você leu o verso?

Ele a encarou com uma sobrancelha arqueada – Claro que não, por quê? Tem alguma coisa escrita aí?

Matsuri devolveu o convite para ele com um sorriso enorme.

O Uchiha não entendeu o que poderia estar causando tanta alegria na menina em uma situação como aquelas, mas decidiu olhar o outro lado do papel. Surpreendeu-se ao identificar em um cantinho meio rabiscado no verso a letra garranchosa de Naruto:

“Estou casando, mas o grande amor da minha vida é você’ttebayo.”

O moreno não conseguiu conter a expressão em seu rosto, não sabia exatamente o que estava sentindo, mas seu coração havia acelerado violentamente e os tremores em suas mãos voltaram – Mas o que... – não conseguiu nem ao menos formular uma frase – Matsuri?

- Sasuke! Isso é uma declaração! – ela falou afobada – O que você está fazendo que ainda não foi até lá?!

- Eu não sei...o que isso significa – falou ainda ser acreditar no que havia lido

- Significa que ele te ama, seu tapado! – ela exclamou irritada – Ele está implorando para que você vá lá!

- Mas por que ele não veio falar comigo antes?

- Como por quê? – ela falou como se fosse óbvio – Você rejeitou todas as formas de contato dele!

- Mas se ele não a ama, então por que está se casando com ela?

- Vai lá e pergunta pra ele, Sasuke! – ela falou impaciente – O que você tem a perder? Ficando aqui você o perde e nunca vai saber o que isso quer dizer – ela apontou para o verso do convite

- Matsuri, quem é que planeja um casamento para se declarar para o ex...- pigarreou antes de continuar -...para o amigo.

- Aparentemente ele faz isso.

- E você quer que eu faça o que? – respondeu irritado – Apareça na porta da igreja? Tá achando que isso é uma novela?

- Liga pra ele então!

- Eu não tenho o número dele – resmungou

Ela soltou um grunhido frustrado – Não conhece ninguém que tenha?

- Talvez.

- TÁ ESPERANDO O QUE PORRA!

O Uchiha colocou a mão no ouvido – Ok, ok, vou pedir – falou derrotado enquanto digitava a mensagem para Neji

“Não me pergunte, só mande o número do Naruto”

Antes que recebesse a resposta do Hyuuga já estava irritado, ele iria enchê-lo de perguntas desnecessárias que o atrasariam ainda mais.

“O que te fez mudar de ideia?”

Sabia.

“Que parte do não me pergunte, você não entendeu?”

Neji conseguia ser um grande pé no saco algumas vezes, ainda se perguntava como haviam se tornado tão próximos. Agradeceu por ele aparentemente estar ocupado e não poder ficar enrolando para lhe passar o maldito número.

Sentiu novamente as mãos tremerem quando salvou o contato que ele havia enviado. O que deveria dizer? O que queria dizer após tanto tempo? Era cômico perceber que uma simples ligação para o loiro se tornaria em uma tarefa tão difícil, sendo que antigamente ligava quando ele não aparecia em sua casa por mais de dois dias.

Realmente cômico.

Encarou a menina que o aguardava em expectativa – Matsuri...o que eu falo para ele? – perguntou sincero

Ela sorriu gentil – Fale a verdade, Sasuke.

Sasuke engoliu em seco, mas ainda assim assentiu e foi para fora do estabelecimento, ser sincero não seria ser tão difícil, certo? Sentiu o corpo tremer ainda mais e as pernas falharem enquanto aguardava que fosse atendido.

- Alô?

O Uchiha prendeu a respiração quando ouviu a voz tão conhecida, seu coração acelerou ainda mais, se é que isso era possível. Era como se seu corpo inteiro estivesse em stand-by aguardando pelo dia em que ouviria o timbre rouco tão característico do loiro, tinha medo de imaginar sua reação se algum dia voltasse a vê-lo.

- Yo, usuratonkachi – falou da forma mais natural possível, mas não obteve muito sucesso

Conseguiu ouvir a leve exclamação que o Uzumaki deu do outro lado e em sua mente passava diversas ideias sobre o que ele poderia estar pensando para estar ligando horas antes de seu casamento.

- Sasuke? – ele perguntou após alguns minutos em silêncio

- Já esqueceu a voz do seu amigo de infância? – tentou deixar o clima mais leve

- Seria mais fácil de reconhecer se ele não tivesse me ignorando há oito anos.

O Uchiha fechou os olhos com a resposta, a mágoa e a dor eram quase palpáveis na voz do outro e tudo que ele desejava era poder abraçá-lo e implorar por seu perdão – Eu sei, me perdoe por isso.

- Por que me ligou?

Conseguia perceber o esforço que ele fazia para manter a voz firme, mas ela ainda assim soava trêmula e o moreno conseguia detectar isso facilmente mesmo com todos os anos sem sequer se falarem. De qualquer maneira a resposta seca lhe atingiu em cheio, principalmente por ele ter ignorado seu pedido de desculpas.

Respirou fundo, não sabia exatamente o que dizer – Eu...não faço ideia – deu uma pausa, mas recebeu silêncio em resposta e continuou– Eu sinto tanto a sua falta.

Mais silêncio.

Aquele Naruto silencioso e de poucas palavras não se parecia em nada com o garoto tagarela e escandaloso que havia deixado para trás, não se parecia em nada com o amigo sorridente que sempre tinha uma palavra de conforto na ponta da língua e que em todos os momentos procurava uma forma de alegrá-lo.

Era desse Naruto que sentia falta, era com esse Naruto que havia sonhado durante todos esses anos, era esse Naruto que amava com todas as suas forças, mas tinha plena convicção que não o merecia desde o dia em que virou as costas para ele sem nem ao menos se despedir.

- Naruto? – chamou com cuidado na ausência da resposta

- Eu estou aqui, só não...sei o que dizer – ele respondeu sincero – Você me liga sem saber o motivo, diz que sente minha falta, o que quer que eu diga, Sasuke?

- Eu...não sei...eu – começava a se enroscar nas próprias palavras e precisou respirar fundo antes de continuar – Quero que diga o que tiver vontade de dizer.

Mais silêncio.

Aquilo estava acabando com seu juízo. Era assim que todos ao seu redor se sentiam quando não os respondia?

- Eu sempre fiz diversos discursos em minha mente sobre tudo o que eu gostaria de dizer quando te encontrasse,...mas agora eu só...queria que estivesse aqui.

Naruto estava prestes a chorar, sabia disso. Sua voz já vacilava muito e conseguia sentir a dor acumulada durante todo esse tempo. Como havia conseguido ignorar isso por tanto tempo?

- Naruto...eu...

- Não! – ele o cortou – Está tudo tão difícil nesses últimos meses, a Shion...ela está...- era visível o esforço que ele fazia para que não percebesse que chorava -...e agora você me liga...o que eu devo fazer?

O Uchiha não conseguia mais aguentar aquilo, ainda com o loiro na linha e sem lhe avisar, entrou no carro e deu partida em direção a Boston, sabia que ele ainda morava por lá e não seria difícil de encontrá-lo. Só esperava que conseguisse mantê-lo na linha antes do horário do casamento

- Naruto...- manteve a voz calma na tentativa de que algum consolo chegasse até ele – Por que escreveu aquilo no verso do meu convite? – finalmente perguntou

Ele deu um riso sem humor – Porque eu amo você, independente de quem esteja comigo e eu queria...que você soubesse disso – ele deu outra pausa para respirar – Eu só queria poder afundar a sua cara na porrada e... – parou

- E...? – incentivou, estava finalmente reconhecendo-o como o Naruto que deixou para trás

- E NUNCA MAIS TE DEIXAR IR EMBORA, SEU IMBECIL! – agora ele soluçava, aparentemente havia desistido de tentar esconder o que sentia – Eu tentei tanto te odiar, tanto, mas eu nunca consegui, Sasuke.

Sasuke tentava manter toda sua atenção na estrada, mas era incrivelmente difícil fazer isso enquanto ouvia Naruto despejar toda a dor que havia guardado por tanto tempo, doía ainda mais saber que não poderia fazer nada por ser o único responsável por tudo aquilo.

- Continue, Naruto – incentivou novamente – Coloca para fora tudo isso.

- Pra quê?! – agora ele parecia irritado – Que diferença isso vai fazer amanhã quando você descobrir o grande motivo da sua ligação para mim? Que diferença vai fazer quando você for embora de novo?!

Aquilo doeu, aquilo doeu muito, era como um soco no estômago. Anos de amizade e cumplicidade se resumiam àquilo.

- Eu nunca mais vou te deixar, Naruto – falou na intenção de que todo o seu sentimento e arrependimento chegassem até ele

A gargalhada alta e debochada do outro lado da linha lhe dizia que ele não acreditava – Você disse que não me deixaria, VOCÊ PASSOU ANOS DA SUA VIDA ME PROMETENDO ISSO! – ele deu uma pausa como se quisesse retomar o controle – Por que eu deveria acreditar dessa vez?

- Porque eu amo você, Naruto – falou por fim – E eu sinto muito por tudo que fiz com você.

A resposta dele veio mais rápida do que imaginou – Você me ama desde a infância quando éramos apenas melhores amigos, você me ama desde a adolescência quando desceu a porrada nos sete moleques que me bateram, você já me amava bem antes de eu te beijar a PRIMEIRA VEZ, VOCÊ ME AMAVA QUANDO FOI EMBORA! – outra pausa – Qual é a diferença agora?

Ele sabia que não seria fácil, eram anos de erros, anos de silêncio, anos de fuga sem nem ao menos mandar uma mensagem, como se ainda fosse o adolescente que sonhava com a aprovação do pai. Deveria ter falado algo dias depois de chegar em Harvard, deveria ter tentado ao menos se desculpar e, no fundo sabia que o Uzumaki o perdoaria.

Naruto era bom demais para manter raiva e mágoa dentro do peito, ele era bom demais e com toda a certeza faria de tudo para entender seu lado se tivesse conversado com ele, era bom demais a ponto de ignorar tudo aquilo e manter a amizade que era tão importante para eles.

- Foi o que eu imaginei – ele disse ao receber o silêncio como resposta - Eu tenho um casamento para comparecer, até a próxima vez que você me decidir me ligar sem saber o motivo. – e desligou

- Oe Naruto! – mas ele já havia encerrado a ligação – Tsk, usuratonkachi.

Precisava chegar até ele, precisava olhar em seus olhos e dizer o quanto se arrependia, precisava abraçá-lo e deixar que colocasse tudo para fora como ele havia feito tantas vezes consigo.

Precisava olhar em seus olhos e dizer o quanto o amava antes que se casasse, nem que fosse a primeira e última vez que fizesse aquilo.

---

Sasuke chegou em frente à igreja de Santa Cruz em Boston com o coração praticamente saltando do peito em ansiedade e medo e, mesmo com todos os anos distanciados, conseguiu facilmente identificar Naruto de costas conversando com algumas pessoas que deveriam ser os padrinhos.

Saiu do carro sem seque cogitar no que falaria para ele. Aproximou-se do lugar em que ele estava e percebeu o olhar espantado dos que o reconheciam depois de tantos anos.

Respirou fundo e manteve a voz o mais estável possível.

- Naruto.

Percebeu a forma como o corpo do outro enrijeceu quando escutou sua voz, percebeu sua respiração ofegante, percebeu quando ele apertou as mãos e mesmo que não pudesse ver sua face, sabia que ele estaria com os dentes cerrados, mandíbula travada e olhos fechados.

Ele se virou de forma brusca e gerou um enorme e confuso furacão de emoções em Sasuke. Sentiu o estômago se revirar como se quisesse expulsar tudo o que havia comido pela manhã, as mãos ficaram ainda mais frias e conseguiu sentir calafrios passando por seu corpo quando o suor gelado começou a escorrer debaixo de sua roupa, respirar se tornou uma batalha contra os pulmões que pareciam não conseguir manter o ar dentro deles por muito tempo e o levava a inspirar e expirar muito mais rápido do que o normal, um bolo de ar parecia estar subindo por sua garganta e implorando para sair e seu coração doía com a velocidade em que estava batendo.

Tinha medo, muito medo de perder o melhor amigo que tivera em sua vida, tinha medo de perder definitivamente uma das pessoas mais importantes para si, tinha medo de nunca conseguir restaurar todo o mal que havia causado.

Antes que pudesse pensar em dizer algo, Naruto avançou sobre ele e desferiu um soco em seu rosto, potente o suficiente para derrubá-lo e em seguida sentiu o peso dele sentado em sua bacia e acertando-o novamente do outro lado da face.

Sentiu a visão ficar escura e o Uzumaki o segurou pela gola da camisa e começou a gritar impropérios dos mais variados enquanto tentava controlar o ímpeto do choro novamente.

- O QUE CARALHOS VOCÊ VEIO FAZER AQUI, SASUKE! – ele gritava enquanto olhava diretamente em seus olhos – O QUE VOCÊ QUER?!

O Uchiha precisou de alguns segundos, uma coisa era ouvi-lo gritar sobre o quanto estava magoado, outra era enxergar o oceano de tristeza, dor e mágoa em que os olhos azuis haviam se transformado. Palavras não ditas, choro sufocado, mensagens ignoradas, um adeus sem despedida, Sasuke conseguia enxergar tudo o que ele tentava esconder.

Naruto continuava um livro aberto para ele.

Não prestava real atenção ao que ele gritava e por isso apenas envolveu seu pescoço com os braços e o puxou para um abraço que há muitos anos gostaria de ter dado. No início sentiu a força que ele fez para se soltar, sentiu os punhos batendo em seu peito sem a real força que ele tinha, para finalmente os soluços aparecerem e darem espaço a um choro sentido e repleto de dor.

Deixou que ele chorasse o quanto quisesse e quando menos esperava, o bolo de ar preso em sua garganta subiu ainda mais e saiu em forma de lágrimas que escorriam silenciosas por sua face, enroscou os dedos em seus cabelos e o apertou ainda mais contra si. Havia sentido tanta falta daquele abraço, tanta falta daquele cheiro, tanta falta de tudo que Naruto representava.

- Me desculpe, Naruto – falou em um fio de voz – Eu sinto muito por tudo que te fiz passar.

A demora, a falta de reação, a falta de resposta estavam lhe deixando louco, mas ainda assim não tinha coragem de soltá-lo. Poderia ficar o resto de seus dias apenas deixando que ele chorasse em seus braços e colocasse tudo o que sentia para fora.

Sentiu um alívio enorme quando os braços dele finalmente envolveram sua cintura em um gesto de que estava perdoado e não conseguiu evitar que um grande sorriso surgisse em seus lábios, sorriso esse que apenas Naruto conseguia arrancar.

- Eu sinto tanto a sua falta – ouviu-o sussurrar – Tanto, mas tanto que chega a doer.

O Uchiha puxou seu rosto para que pudesse olhar em seus olhos – Nunca mais vai sentir isso, eu prometo – passou o polegar de leve em suas marquinhas – Me deixa te provar isso.

Os ônix se chocaram com os azuis em uma conversa que só eles conseguiam entender, ali nada precisava ser verbalizado. Conseguiam enxergar tudo o que pensavam, tudo o que realmente sentiam.

Sem esperar por uma resposta e sem se importar com quem os assistia, juntou seus lábios de forma singela. Aquele beijo significava muito mais do que um pedido de desculpas ou uma declaração de amor, era uma confirmação de que Sasuke não esconderia nada dele ou de ninguém, era uma confirmação de que não era mais um covarde.

Conseguia sentir a respiração rápida do rapaz em seu rosto, conseguia sentir a forma que seu rosto havia esquentado entre seus dedos e conseguia perceber a forma como ainda mexia com ele.

E que Shion se explodisse! Havia odiado a garota desde o início e duvidava que ela havia mudado muito desde então.

Quando afastou seus rostos Naruto sorria e somente isso já foi capaz de iluminar o coração do moreno. Aquele sorriso tinha um enorme poder sobre si.

Em seguida conseguiu ouvir a gargalhada gostosa e audível que somente ele tinha – Eu deveria te odiar, sabia teme? – ele falou acariciando a mão que estava em seu rosto – Mas eu amo cada pedaço seu, até mesmo seus defeitos.

- Eu também te amo, dobe – falou sem impedir que um sorriso pequeno aparecesse em seus lábios – O que vai fazer? – perguntou olhando em direção à igreja sem conseguir disfarçar a apreensão na voz

O loiro ergueu o corpo e ofereceu a mão para ajudá-lo – Eu vou mandar a Shion para o inferno! – gritou como se estivesse se livrando de um peso em suas costas, para em seguida arremessar o anel de noivado em direção à rua, ignorando as exclamações dos convidados que saíram da igreja quando perceberam o tumulto.

- Por que iriam se casar? – perguntou estranhando a reação

- Longa história, mas vou tentar resumir – ele bateu a poeira do smoking que usava – Ela veio com umas fotos antigas nossas e disse que divulgaria se eu não me casasse com ela.

- E você se casaria somente por isso? – perguntou incrédulo

- Eu não sabia em qual era a imagem que ergueu ao seu redor para fazer sua carreira, não sabia se estava casado, se tinha família, não iria deixar ela arruinar tudo o que você construiu – falou como se fosse óbvio

- Você continua o tapado de sempre, usuratonkachi! – falou inconformado – Ia acabar com a sua vida para proteger a minha?

Não queria acreditar que ele havia caído na chantagem ridícula que ela havia feito, não se falavam há anos! Como poderia se preocupar tanto com a vida do moreno a ponto de arruinar a própria? Ele definitivamente não era desse planeta.

- Oe teme! Me irrita muito e eu te mando de volta pro seu estado sem as bolas!

Sasuke riu e em seguida Naruto riu também, era incrível que com todo aquele tempo distante ainda tivessem a mesma sintonia e intimidade, bastou poucos minutos e agiam como se nada tivesse mudado entre eles. Jamais iria deixar de amar a capacidade de perdão do outro.

Parou de rir no momento em que encontrou o olhar zangado de Uzumaki Kushina sob si, acompanhado da feição desgostosa tão incomum nas feições de Namikaze Minato. Devia um enorme pedido de desculpas a eles também, sempre fora considerado um membro da família pelos dois e ir embora daquela maneira era uma ofensa para eles também.

Olhou para o loiro que o encorajou com um sorriso, em seguida aproximou-se cauteloso e por um momento sentiu que fosse o adolescente covarde de antes, encarar a ruiva era muito mais assustador do que qualquer outra pessoa.

- Eu sinto muito, por tudo – suspirou – Espero que um dia possam me perdoar.

- Vai precisar fazer meu filho muito feliz para que eu te perdoe um dia, moleque! – ela falou com raiva – Não se despedir de nós foi uma grande falta de consideração, o tínhamos como nosso filho.

Abaixou a cabeça, sabia que havia chateado os dois – Eu sei.

Sem que esperasse, Kushina fechou a mão e acertou um soco no topo de sua cabeça e ele não tinha a mínima ideia de como ela havia feito isso sendo tão mais baixa que ele, em seguida ela segurou em sua orelha de forma dolorosa, mas ainda assim o puxou para um abraço apertado – Sentimos muito a sua falta.

O Uchiha sorriu e retribuiu o abraço, não merecia o carinho e afeto de nenhum dos membros daquela família, mas era extremamente grato por tê-los.

Ao se afastar da ruiva encarou o Namikaze que já retornara para sua costumeira expressão serena – Bem vindo de volta, filho.

O Uchiha não se conteve e o abraçou também, eles sempre tiveram um espaço especial em seu coração.

Porém foi quando olhou para o lado que viu o olhar furioso do pai que assistia toda a cena acompanhado de Itachi e Mikoto. Era óbvio que haviam sido convidados, assim como ele, Naruto sempre fora muito querido em sua família.

Aproximou-se deles e sentiu coragem de encarar o homem quando viu o sorriso satisfeito no rosto do irmão e da mãe.

- Você vai manchar o nome de nossa família – ele falou com visível repugnância – Eu não vou permitir...

Nesse momento seu peito encheu-se de raiva, o pai nunca estaria satisfeito com nada que fizesse de qualquer forma – Não vai permitir o que? Eu sou maior de idade, pago minhas contas, não moro na sua casa e não preciso dar satisfação da minha vida para ninguém!

O homem levantou a mão e Sasuke já imaginou o desfecho, porém não esperava que sua mãe se colocasse entre eles – Já chega! Ele fez tudo o que você queria e no que resultou isso? Um rapaz infeliz e solitário, é isso que você quer para o seu filho?

- Mikoto... – ele falou em tom baixo como um alerta

- Não! – ela o cortou – Foi por sua insistência que ele foi para aquela maldita faculdade e que o transformou nessa pessoa amarga e infeliz, eu não vou deixar você interferir na vida dele!

O Uchiha avançou um passo em sua direção, mas ela não vacilou nem por um segundo.

- Eu deixei você conduzir a vida dele como se soubesse o que seria melhor para ele e tudo o que você conseguiu foi deixá-lo infeliz – ela respirou fundo antes de terminar – Agora chega, Fugaku.

O patriarca o fuzilou com o olhar e se afastou em direção ao carro estacionado.

Mikoto voltou seu olhar para o filho – Espero que faça a coisa certa dessa vez – ela sorriu – Vamos te amar independente de quem você ame.

O Uchiha mais novo apenas sorriu para ela e para o irmão, que havia se movido para frente da mãe no momento em que ela se colocou entre o pai e Sasuke, e os abraçou. Só ele sabia o quão importante era aquele apoio vindo de sua família e no fundo acreditava que a mãe uma hora mudaria a opinião do pai.

--- 5 meses depois

O Uchiha acordou com um solavanco na cama, transpirava muito e sentia como se o coração pudesse sair de seu peito, odiava todas as vezes que acordava daquela maneira, porém antes que pudesse fazer algo sentiu os braços de Naruto o envolverem com carinho.

- Está tudo bem, teme – ele falou enquanto acariciava seus cabelos – Eu estou aqui com você.

Era instantâneo, bastava que sentisse o Uzumaki ou escutasse sua voz e seu corpo inteiro reagia e começava a se acalmar, a segurança que ele lhe passava era única e não havia outra pessoa no mundo que conseguisse tranquilizar seu coração como ele fazia. Não fazia ideia de como havia suportado todos aqueles anos sozinho, sem Naruto para abraça-lo quando tinha seus piores pesadelos.

Ele o puxou para que se deitasse de novo e o aconchegou em seu peito sem parar o afago em seus cabelos – Você não está mais sozinho, Sasuke – ele falou ainda com a voz serena – Eu sempre vou estar aqui.

- Não sei como vivi todos esses anos longe de você – falou baixinho enquanto aproveitava para ouvir seus batimentos cardíacos

- Nem eu – ele riu – Deve ser horrível morar longe dos amigos.

Sorriu quando o ouviu repetir a frase que falara na infância antes de tudo dar errado, antes de toda a bagunça, quando tudo era simples e eles eram apenas duas crianças assustadas ajudando uma a outra – Te garanto que não há sensação pior – falou sincero

Aconchegou-se mais no peito dele e o ouviu sussurrar – Eu nunca mais vou te deixar ir, teme.

- Nunca mais precisar se preocupar com isso – respondeu

- Promete? – ele falou e mesmo que não o enxergasse no escuro sabia que ele estaria sorrindo e com o mindinho erguido

- Prometo.

26 de Julio de 2019 a las 14:41 15 Reporte Insertar 4
Fin

Conoce al autor

Buny Uzumaki 21 anos de pura dor nas costas, 9 gatos, uma dog, muito Naruto, Harry Potter e exaustão. "We won't hear a word they say, they don't know us anywaaay"

Comenta algo

Publica!
KL Kitsune Lyra
Aaaah que amor, que construção liiiiinda desse plot, nossa to mr apaixonada, valeu cada segundo de leitura, morri de ódio do Sasuke e do Fugaku, Itachi reizinho sim, também teria amado Naruto casar com Gaara e ser feliz pra sempre, mas amei mt mais meu OTP se reconciliando <3 Naru muito meu raio de Sol, amor da minha vidinha toda
12 de Septiembre de 2019 a las 12:30

  • Buny Uzumaki Buny Uzumaki
    Poxa fico muito feliz que tenha gostado tanto 😍 Eu gosto de escrever tudo bem soft ahahahhahaha E fico muito feliz de conseguir passar o sentimento deles direitinho ❤️ Itachi nosso reeeei ❤️ Eu nunca escrevi uma GaaNaru, mas agora que você comentou me deu até uma vontadezinha de escrever algo. Vou pensar em alguma coisa, eu gosto deles juntos também ahahahahah Muito obrigada por tirar um tempinho e vir comentar o que achou ❤️ 12 de Septiembre de 2019 a las 12:36
Sunny Bunny Sunny Bunny
IRRRAAAAAAAAAAA MEU DEUS ESTOU MORTA MAS PASSO BEM Aqui não tem muito espaço para me expressar; não é segredo que eu escrevo review do tamanho de capítulo, então vou tentar resumir Eu amo SNS que começa na infância, não vou negar, é a razão do meu viver, e com a tua one não foi diferente; eu comecei já sabendo que teria flashbacks e angst, então estava me sentindo fabulosa desde o começo Me encheu de felicidade ler a forma como eles se descobriram, me deixou soft e tbm ~insira cara de safada aqui~ Acho que tu desenvolveu muito bem os sentimentos dos dois, desde a infância feliz, a adolescência conturbada, a promessa quebrada, os sentimentos confusos e dolorosos Sasuke ter ansiedade é canon e eu posso provar As letras douradas no papel, as palavras usadas... Tu sabe que SNS e sertanejo raiz são meu headcanon, né? EU TAVA MORTA NA HORA QUE ELE LEU E QUANDO ELE SENTIU O IMPACTO EU SENTI O IMPACTO AAAAAAA
26 de Julio de 2019 a las 15:26

  • Buny Uzumaki Buny Uzumaki
    Nossa, você não tem noção do quanto tempo faz que alguém não comenta algo desse tamanho para mim, não é nem questão do tamanho, mas me falar o que gostou. Isso é tão, mas TÃO importante pra mim ❤️ Me sinto muito aliviada por saber que consegui passar o que eu tive a intenção de passar. É exatamente da forma que você descreveu AAAAA ESTOU TÃO FELIZ. Muito obrigada de todo o meu coração por ter vindo aqui e tirar um tempinho para falar comigo ❤️ Enche meu coração de felicidade e me incentiva muito a fazer mais ❤️ Pretendo fazer uma coletânea de sertanejo ahahahahahha Nunca tinha pensado em como sertanejo combina com eles ❤️ A ideia do Sasuke com ansiedade me veio depois que eu já tinha escrito boa parte da história, sabia? E fiquei com receio de não conseguir passar o que ele sentia. Mas ah! Você tirou um peso de meus ombros ❤️ Muito obrigada 😍 26 de Julio de 2019 a las 15:31
  • Sunny Bunny Sunny Bunny
    Enfim, eu amei a convicção do Sasuke em correr atrás do amor da vida dele, a forma como ele saiu desembestado para Boston em busca da última chance que teria na vida para corrigir os erros do passado Eu adorei o Naruto todinho, ficou muito consistente, super verossímil; é o Naruto canon todinho ali, cada palavra, cada sentimento, cada atitude E o desfecho me fez derreter, sério Todo mundo ali, a segunda família do Sasuke o acolhendo, a família de sangue tomando partido, fogo no Fugaku fodace, é o final aaaaaaaaaaaaa aquele mesmo abraço, aquele mesmo peito, aquela mesma forma de acalmar, aquelas mesmas palavras, aquela mesma promessa Fazia bastante tempo que eu não tirava um tempo para ler fanfics e eu to feliz por ter feito isso hoje para ler a sua, me deixou com o coração quentinho Obrigada por compartilhar essa história com o mundo, tu é foda ❤️✨ 26 de Julio de 2019 a las 15:31
  • Sunny Bunny Sunny Bunny
    E não precisa agradecer aaaaaaa Foi meu prazer essa leitura E quanto à ansiedade do Sasuke, como uma pessoa que desenvolveu quadro ansioso, eu me identifiquei e entendi todos os pontos, tive muita vontade de abraçá-lo Eu fico aguardando essa coletânea, inclusive to pensando em fazer uma com aquele hino TE AMO MAAAAS NÃO QUEEEEERO NEM TE OUVIR E NEM TE OLHAAAAR POR ISSO DEUS ME LIVRE EU TENHO MEDO DE VOLTAAAAAAAR ME FEZ SOFRER DEMAAAAIS MAS TE OLHANDO EU FICO BOBO POR ISSO DEUS ME LIVRE DE ENCARAR VOCÊ DE NOVOOOO AAAAAAAAAAAA CHOOOOORA VIOLAAAAA Enfim, eu to feliz por ter lido a sua one e nunca desista das suas ones longonas, pq conforme podemos observar, o esforço é pago com a mINHA FELICIDADE AAAAAA KSKSJDJSKAJSHDKAKA 26 de Julio de 2019 a las 15:36
  • Buny Uzumaki Buny Uzumaki
    Eu não sei nem o que te falar, eu fico IMENSAMENTE feliz de ter conseguido atingir as pessoas da forma que planejei. O Naruto é sempre um desafio pra mim pq por mais que ele seja meu favorito em tudo, eu sou quase um Sasuke de tão chata ahahahahah Então preciso ter muito cuidado quando descrevo as atitudes dele e cara, que alívio saber que ficou fiel ao meu bebê ❤️ Eu não tenho ansiedade, mas tenho crises de pânico, então me baseei um pouco nisso. Por ser um ponto delicado eu fiquei com receio de deixar algo menor do que realmente seja ou de ofender alguém, por isso escrevi com bastante cuidado. Eu reescrevi o final dessa fanfic, estava muito diferente, mas mantive ele correndo desembestado até Boston por mais clichê que fosse ahahahha ESCREVA E ME MANDE O LINK PQ VOU ADORAR LER. Fico feliz de ter te trazido de volta, eu mesma já passei por isso de ficar sem ler/escrever e é bom trazer alguém de volta da forma que te trouxeram ❤️ Meu mais sincero obrigada, do fundo do meu coração ❤️ 26 de Julio de 2019 a las 16:31
Larissa Mármore Larissa Mármore
Ahhhh que linda! Morri de amores por essa história! ❤️
26 de Julio de 2019 a las 14:31

  • Buny Uzumaki Buny Uzumaki
    Fico muito feliz em saber disso 😍 26 de Julio de 2019 a las 14:52
~

Historias relacionadas