Normas de uma Mulher Seguir historia

aloucadoscavalos A Louca dos Cavalos

Tsume Inuzuka é uma ninja Elite de Konoha e líder do clã Inuzuka, possui dois filhos renomados, Hana Inuzuka que é a médica veterinária da vila e Kiba Inuzuka, que é um sobrevivente da guerra. Neste conto, é revelado a história por trás da personalidade forte e selvagem de Tsume Inuzuka.


Fanfiction Anime/Manga Todo público.

#contos #naruto #empoderamento #kiba-inuzuka #Hana-Inuzuka #Tsume--Inuzuka
Cuento corto
0
807 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Líder Inuzuka

As conversas do estabelecimento foram silenciadas pelo barulho do abrir da porta e diante das pisadas do salto alto, todos os presentes se viraram para reparar na mulher que entrava; a cor vibrante que exalava da dona se dava ao fator da vestimenta exuberante vermelha que trajava, fazendo o tecido se mesclar com os sapatos no andado gracioso e firme.

Depositou seu casaco sobre a cadeira, ao se sentar na mesa afastada depositando a carteira sobre e se posicionando, as bochechas se alargaram com o sorriso dado evidenciando as garras ali tatuadas, o garçom viera solicitar o pedido porém não era necessário, era de costume o que pedia; as longas unhas arranharam lentamente a mão do copeiro quando lhe entregou o copo de bebida esfumaçando devido o gelo.

O líquido desceu em um gole e o gosto forte não causava alterações na feição séria, bateu o objeto na mesa erguendo a mão em sinal para ser atendida, eram poucos os prazeres que lhe deixavam em um estado pacífico inalterável e certamente a bebida era um deles; o ambiente conhecido por si era um bom lugar para relaxar também, após uma semana exaustiva de missões.

Se perguntava do motivo de continuar realizando missões se possuía uma renda o suficiente para se manter por anos mas na verdade, embora não ousasse admitir, era para compensar o tempo solitária; seus filhos já tinham a vida formada e não dependiam mais de sua renda porém era a líder de um dos clãs de renome de Konoha e não podia ficar parada enquanto seus membros realizavam missões e serviços pela vila ou para os próprios interesses no entanto, tinha os momentos que precisava estar presente totalmente, como em algumas ocasiões de nascimento de alguém do clã ou falecimento, assuntos confidenciais, interações entre os clãs e a presença do Hokage.

Lhe serviram com a garrafa de bebida e então virou no copo o conteúdo, suas pupilas em fendas fitaram seus dedos e demoraram-se no anelar da mão esquerda, onde já houve duas alianças; a primeira causava lhe deleite enquanto pela segunda possuía somente desgosto.

Hana fora fruto de um relacionamento encantador que tivera com um homem da vila, para um casal apaixonado clãs ou sobrenomes, não importavam, somente estarem juntos sempre e a todo momento, por terem se conhecido havia alguns anos e pela certeza da paixão recíproca, logo decidiram ter uma criança e por ambos serem sucedidos realizando missões, renda não era algo que os preocupou. A gravidez de Hana fora uma tranquilidade, completamente diferente dos disseres das mulheres do clã e o nascimento, embora assustador fora imperturbado; seu marido fora forte o suficiente para assistir o parto e deu força quando precisou.

Desde a concebição, Hana espelhou a personalidade do pai, pois seu esposo era um poço de calmaria e raramente discutiam porquanto estava brava e estar nos braços dele, lhe acalmava a alma de tal maneira, portanto a criança nascera sem quaisquer características dos Inuzukas, porém precisava ser registrada a alguma família; os dois eram inseparáveis e sempre eram vistos perambulando pela vila juntos e animados, tal pai e tal filha.

No entanto, a notícia horripilante viera a si em uma noite chuvosa, em que sua filha estava passando mal em casa, se lembrava até hoje de sua feição assombrosa quando o Jounin lhe deu aquela notícia, à porta de sua casa completamente ensopado, desejou estar no lugar dele para que as lágrimas não fossem percebidas; a parte mais dolorosa fora ter que contar para a filha sobre o pai, felizmente Hana havia feito laços com os três irmãos Raimaru e estava na fase da incumbência de treiná-los e se tornarem amigos.

Virou outro copo na boca e tornou a encher o utensílio, o barulho do líquido em contato com o vidro ajudava-a se descontrair; e observava sua feição pela poça de água que se formara na mesa, devido o gelo da garrafa.

Kiba, embora não tivesse tido culpa, fora fruto do seu relacionamento mais conturbado, após ter se tornado líder do clã Inuzuka casou-se novamente e desta vez com alguém do clã e ambos possuíam a mesma personalidade forte e selvagem, o convívio era duro e atormentado, pois ambas as características entravam em conflito; a gravidez fora uma consequência e totalmente complicada com enjôos e recaídas.

Seu segundo marido não fora presente em parte alguma de sua gestação por conta das inúmeras missões, portanto não estivera junto ao parto e tampouco a ajudara, pois a criança simplesmente não nascia mesmo com todos os esforços que fazia, porém quando os médicos iriam realizar o procedimento fórceps, o menino finalmente nasceu; em seu período de resguardo tiveram a discussão e briga mais feia do relacionamento, o colocou para correr debaixo de xingos, murros e pontapés.

Tanta briga era exaustivo e estava começando a afetar Hana e não queria que sua filha vivesse em um cenário como aquele, por serem ambos explosivos e não se tornar submissa ao marido discutiam, ele gostava de mandar mas não recebia ordens, tanto por ser a líder e outro Inuzuka não lhe mandava, quanto não aceitava no ambiente doméstico; não escondeu a paternidade e o mesmo arcou com as obrigações.

Sua vida fora uma trajetória de batalhas e sobrevivências, já vira a morte de frente inúmeras vezes no entanto, sentira medo apenas duas vezes na vida. No ataque da Kyuubi à vila, não que a besta lhe amedrontasse mas pelo motivo de que possuía duas crianças em casa, um recém nascido de quatro meses e a mais velha que tinha apenas cinco anos, enfrentou aquele monstro com a fúria de duas mães, pela cumplicidade a dor de Kushina. A segunda vez, fora quando seus filhos foram convocados para a Quarta Guerra Ninja para servirem na Quinta Divisão, Hana era uma ninja médica, independente se fosse formada em veterinária, era muito importante para as tropas e Kiba, serviria como reforço.

Ficara desolada quando recebera a notícia de que não iria participar no campo de batalha pois sua presença fora requisitada em Konoha, então teve apenas de fazer seu trabalho e confiar em seus filhos, não era de chorar portanto continuou firme para os receber ao final de tudo; percebera que tornara-se mais apegada a eles depois da prova de fogo.

A verdade que com Kiba sempre possuía discórdia por conta das personalidades semelhantes, não se davam muito bem, era teimoso e impulsivo e quando chegavam a discutir em casa, muitas vezes Hana tinha de aparecer para acalmar ambos; no entanto aprenderam a se dar bem e se suportarem, ambos eram vistos aos risos pela vila.

Com Hana jamais tivera conflito, ela era um poço de tranquilidade mesmo que já tivesse visto a filha virada em fúria, não era difícil para ambas se aturarem e dado o fato de ser sua primogênita, acabava sendo sua fonte de mimos; sentiu demasiado quando ela fora morar sozinha para assumir adequadamente a responsabilidade sobre a clínica.

Em seu percurso de vida, tivera muitas batalhas tensas e ardilosas mas uma das piores, fora quando Kuromaru se feriu em luta, a perca da orelha esquerda e o olho direito, o debilitara mas mesmo assim derrotaram os ninjas inimigos e os matou em vingança; como todo Inuzuka, fora o primeiro laço a formar na vida e estava cansada de receber mordidas ou repreensão quando irritava o ninken, o cão não era de demonstrar afeição portanto raramente recebia alguma lambida ou elogio, eram iguais nesse aspecto.

Antes mesmo de se tornar líder já era respeitada e reverenciada e igualmente seu cão privilegiado por conta de que era o único ninken do clã Inuzuka capaz de falar, então boa parte dos cães do clã eram suas crias; inclusive os de seus filhos.

Passou a se acostumar em viver solteira e não sentia precisão de homem, tinha seus desejos e conseguia os satisfazer sem compromisso, já atingira o auge dos relacionamentos, uma mulher só procura um convívio conjugal quando se está em momentos de carência e esse ciclo é finalizado ao se deparar com dois tipos de união; um casamento bondoso e conveniente e um casamento insatisfatório e nocivo.

Por ter arcado com os dois estilos, sentia-se cessada a quaisquer relações que não fossem amigadas, pois já havia se enjuriado de alianças e a única que prezava, era guardada em sua cabeceira; afinal, também possuía a questão de seu clã, descartava toda vez o pensamento de perder o domínio dos Inuzukas por conta de algum novo relacionamento.

Não era segredo as investidas que recebia, mas priorizava a integridade do clã acima de quaisquer outras decisões que viesse a ter, afinal eram igualmente sua família e responsabilidade; liderava todas as decisões e opiniões do grupo.

Depositou a garrafa vazia sobre a mesa molhada e após o copo vazio, com a marca do batom vermelho na borda e os riscos das longas unhas; depositou a nota, pegou seu casaco e o colocou sobre os ombros, se retirando do local com a mesma imponência de quando adentrou, sorrindo e evidenciando os caninos afiados.

30 de Junio de 2019 a las 01:22 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~