Essência Seguir historia

padfoot Allec Rameht

“Porque Claude sem querer é predador. E Sebastian sem querer é vitima.” Lembrando que a vítima nunca é a culpada. Outra fanfic cujo tema uma ex minha pediu, mas não tenho muito interesse por me parecer um pouco romantizado.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#au #ua #yaoi #lemon #estupro #kuroshitsuji #sebastian #claude
1
537 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Um

Pra ser sincero não espero de você mais do que educação, beijo sem paixão, crime sem castigo, apertão de mão, apenas bons amigos. Pra ser sincero não espero que você minta, não se sinta capaz de enganar, quem não engana a si mesmo.


Claude estava sentado em sua poltrona dourada e confortável. Apagou o cigarro e apoiou sua cabeça em sua mão. Estava exausto. Cansado dessa situação extremista, desse afã que percorria por suas veias e o fatiga a cada respiração e tragada.

Suas orbes douradas se esconderam por suas pálpebras, e com aquela cena tão estranhamente prazerosa repetindo-se outra e outra vez. Não se arrependia do que havia feito, fato, porém, o outro havia desaparecido depois do acontecido. Não que ele acreditasse em uma súbita mudança de sentimentos partindo dele. Para falar a verdade, ele esperava nada além de educação e autoenganação daquele que invadia sua mente em momentos de ócio e luxúria.

Sim, Claude ainda se lembra dele forçando suas mãos contra o chão, do movimento dos quadris, das palavras desesperadas... Era tão excitante! Havia perdido as contas de quantas vezes se aliviara só de relembrar daqueles olhos escarlates marejados. Daqueles lábios sarcásticos tão débeis...


Nos dois temos os mesmo defeitos, sabemos tudo a nosso respeito, somos suspeitos de um crime perfeito, mas crimes perfeitos não deixam suspeitos.


Balançou a cabeça. Claude estava delirando e tentou em vão pensar em outras coisas além daquelas costas nuas, daqueles gemidos sôfregos, daquela irônica situação. O engraçado é que o moreno sentia que se não fizesse aquilo, ele poderia estar no lugar do outro. E ao invés dos seus olhos dourados, seriam os vermelhos que estaria embaçados de luxúria.

Essa possibilidade não era nem um pouco insensata, já que ambos possuem a mesma essência. A alma de dois criminosos que se enroscam e se confundem como reflexões de um mesmo espelho. E agora Claude havia quebrado a alma do outro por ter ido além do limite daquele relacionamento distorcido, havia cometido o mais perfeito dos crimes da forma mais imperfeita possível.


Pra ser sincero não espero que você me perdoe, por ter perdido a calma, por ter vendido a alma ao diabo.


E Claude sabia que por ter destruído a sanidade do outro, não haveria nenhum rastro de perdão. Não que ele se importasse, havia se tornado o próprio demônio desde o momento que avistou aqueles olhos de cor afogueada. Sim, porque seu nome poderia ser famoso, mas seus olhos eram a ruína.

Outra piscada e ele se lembra de estar rasgando a camiseta do outro enquanto esse implorava por liberdade. Ele ignorava deliberadamente, afrouxando a própria gravata e pondo-o de quatro no chão, arrancando-lhe aquela maldita calça que o mantinha afastado do seu mais profundo anseio.


Um dia desses, num desses encontros casuais, talvez a gente se encontre, talvez a gente encontre explicação. Um dia desses, num desses encontros casuais, talvez eu diga, minha amiga, pra ser sincero, prazer em vê-la, até mais.


Ainda podia se lembrar da sensação de entrar nele, sem preparação ou lubrificante. Ainda podia sentir o sangue escorrendo e sujando as pernas de ambos e de sua mão tampando a boca do outro para que terceiros não escutem. Porque aqueles gemidos eram seus e o lugar era público. Céus, Claude ainda tinha aquela imagem deliciosa dele o marcado como seu, com o sexo e as marcas de mordidas; com chupões e excesso de força para que o outro parasse de lutar tanto. E essa quase prazerosa noite fora a última vez que se viram...

Mas quiça eles se encontrem de novo. Quiça Claude mostrará nenhum remorso. Quiça eles apertar-se-ão as mãos. Quiça o outro apenas estremeça ao ver aqueles olhos dourados queimando por causa de um combustível estranho de diversos sentimentos. Quiça haverá vingança, ou quem sabe ele caia em sua engenhosa teia. Porque Claude sem querer é predador. E Sebastian sem querer é vitima

9 de Junio de 2019 a las 00:00 1 Reporte Insertar 1
Leer el siguiente capítulo Capítulo Dois

Comenta algo

Publica!
Allan Loppes Allan Loppes
são cada palavras com um certa delicadeza perfeita!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión