Segunda Chance Seguir historia

teffychan Steffanie Pinheiro

Um foi desprezado por todos os adultos ao seu redor e estava sozinho desde que se lembrava. O outro teve seu clã massacrado em uma única noite, sendo deixado só, seu coração cheio de rancor e tristeza. Essas duas crianças terão uma segunda chance para superar suas dificuldades e recomeçar suas vidas ao perceberem que, mesmo tendo personalidades opostas, possuem mais coisas em comum do que imaginavam. Porque conheciam a dor de não ter uma mãe para lhes dar carinho nem um pai para ajudar com o treinamento. Porque apenas Naruto e Sasuke eram capazes de compreender o sofrimento um do outro e amenizar o mesmo. E quem sabe um dia curar seus corações feridos.


Fanfiction Anime/Manga Todo público. © Todos os direitos reservados

#drama #naruto #sasuke #longfic #uzumaki #uchiha
35
2589 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 10 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo I

— É aquele menino de novo.

— Por que permitem que ele fique na Vila?

— Fiquem longe dele!

Todos os dias era a mesma coisa. Naruto não podia sequer colocar os pés para fora de casa que as pessoas começavam a olhá-lo com desprezo. Como se fosse um pedaço de lixo. Os adultos da vila o desprezaram durante todos os sete anos de sua curta vida. As outras crianças raramente se aproximavam dele, já que seus pais não permitiam. Mandavam seus filhos ficarem longe, como se ele pudesse transmitir alguma doença.

Naruto se perguntava por que eles agiam desse jeito. Perguntou-se isso durante muito tempo, mas desistiu de tentar entender. Se não gostavam dele agora e o ignoravam, então Naruto faria com que todos o notassem. Por isso decidiu entrar para a Academia Ninja, desse jeito poderia se tornar Hokage algum dia. Aí sim todos terão que lhe respeitar!

Em teoria o plano era ótimo, mas na prática era outra história. As aulas eram mais difíceis do que aparentavam. As outras crianças riam dele e apontavam quando Naruto cometia algum erro, ou seja, quase sempre. Iruka-sensei, que cuidava de sua turma, era um dos poucos adultos que costumava ser gentil com ele, talvez até o único, no entanto era um sensei bastante severo. E, é claro, também havia ele.

O garoto prodígio que as meninas da classe idolatravam, Uchiha Sasuke. O que havia de tão especial nele afinal? Tirando o fato de que o menino tinha uma mira perfeita, nunca errava os arremessos com shurikens e kunais e era ótimo fazendo clones das sombras… certo, o garoto era bom, Naruto precisava admitir. Mas Naruto era melhor! Então por que sempre perdia em uma luta entre eles?

Até mesmo naquela tarde, durante o treinamento de taijutsu.

Iruka-sensei havia separando os alunos em duplas para lutarem entre si e mandou que Naruto lutasse contra Sasuke.

Eles se encararam por alguns instantes, analisando um ao outro. Finalmente Naruto poderia descarregar toda aquela irritação. Isso sem contar que, se derrotasse o queridinho das meninas, talvez conseguisse se tornar mais popular e arranjar mais amigos!

— Comecem! — Iruka mandou, se afastando dos dois.

— Eu não vou perder! — Naruto gritou, partindo para cima do garoto.

Naruto mal notou o que aconteceu. Pareceu apenas piscar os olhos e o menino estava em cima dele, imobilizando-o, um dos punhos apontados para sua face.

No entanto a possibilidade de levar um soco era o que menos lhe preocupava naquele momento. O olhar que aquele menino demonstrava… era igual ao modo como todas as outras pessoas da vila o olhavam. Era um olhar repleto de raiva, forte demais para uma criança tão jovem. Mas havia algo diferente… ao contrário dos outros moradores da vila, a raiva dele não era direcionada para Naruto.

As demais lutas prosseguiram, mas Naruto não prestou atenção. Depois que se recuperou da surpresa em ver o colega de turma daquele jeito, percebeu também que havia outro sentimento camuflado por baixo de toda aquela raiva que Naruto não conseguia identificar, o que apenas o deixava ainda mais curioso. O garoto era popular, forte, possuía um ótimo taijutsu e mira perfeita, era o primeiro aluno da classe. O que mais ele poderia querer?

Será que o queridinho da classe tinha noção de como era precisar se esforçar até o limite do seu corpo para melhorar suas habilidades? Será que tinha alguma ideia de toda a humilhação que Naruto sofreu a vida inteira? Sendo ignorado pelas pessoas, insultado pelas costas, tratado como um animal que tinha alguma doença… não, é claro que ele não tinha! Naruto passou por tudo isso sozinho sem sequer saber o motivo de ser tão odiado. E enfrentava isso sozinho porque não tinha pais, nem fazia ideia de quem eles eram. Simplesmente porque não tinha ninguém para perguntar. Todos na vila o odiavam, por que lhe contariam sobre seus pais afinal? Se Sasuke tivesse alguma ideia de pelo menos metade do sofrimento que ele estava enfrentando, ainda que não demonstrasse, talvez tirasse aquele ar arrogante do rosto.

Naruto despertou de seus pensamentos ao ouvir o barulho de uma pedra quicando na água do rio. Olhou para a margem e fez uma careta. Ali estava ele… esse aí não morria nem tão cedo.

Estranhamente Sasuke não pareceu notar que era observado assim que Naruto parou de caminhar, o que era incomum vindo dele. Seus reflexos geralmente eram melhores do que isso. Naruto encarou melhor a pouca parte visível do rosto do menino enquanto ele arremessava outra pedra no rio fazendo-a quicar até a outra margem, e finalmente conseguiu identificar o outro sentimento que ele tanto se esforçava para camuflar embaixo de toda aquela raiva. Pura e intensa tristeza refletida no olhar do menino. Naruto não conhecia Sasuke muito bem, mas ele parecia ser do tipo orgulhoso, então é claro que não demonstraria com tanta facilidade que estava triste. Mas estava sozinho agora, então não precisava esconder seus sentimentos.

Pensando bem, por que ele estava ali sozinho, arremessando pedras no rio? O sol já estava se pondo, a maioria das crianças já deviam ter voltado para casa. Naruto sempre enrolava para voltar e ficava na rua quase até o anoitecer. Voltar para casa apenas o lembrava de que não havia ninguém lhe esperando lá, fazendo com que se sentisse solitário, por isso ficava na rua até tarde. Quando não estava treinando, ficava brincando com Shikamaru e Chouji até que suas mães fossem buscá-los, o que já tinha acontecido. Mas por que Sasuke ainda não tinha voltado para casa também?

Considerou ir até lá para perguntar isso a ele, mesmo não sendo de sua conta, quando o menino finalmente notou sua presença. Ele encarou Naruto, parecendo irritado por não ter percebido antes que estava sendo observado e fez uma careta, muito parecida com a que Naruto tinha feito antes por sinal.

Naruto virou o rosto e continuou seu caminho. Por que tinha se dado ao trabalho de se preocupar com Sasuke afinal? Ele que ficasse lá a noite toda, não era da sua conta mesmo.

Mas não deixava de ser intrigante o fato de haver outra criança na rua até o anoitecer além dele, o único órfão da vila.




~~~~~X~~~~~X~~~~~




Aquele acontecimento se repetiu durante o resto da semana. Sasuke agia como um maldito exibido arrogante durante as aulas, sequer se dava ao trabalho de conversar com alguém, e, no entanto, todo fim de tarde lá estava ele, sentado no mesmo lugar na margem do rio com uma expressão de dar pena. Se ele não fosse tão convencido Naruto iria lá conversar com ele e perguntar se o garoto estava com algum problema. No início era apenas curiosidade, mas agora Naruto estava realmente começando a ficar preocupado com ele.

Quando as aulas daquela tarde terminaram Naruto acabou cochilando em seu lugar na carteira da Academia mesmo. Na verdade dormiu durante a aula e sequer percebeu quando exatamente ela chegou ao fim. Quando acordou havia apenas meia dúzia de estudantes na sala, conversando e enrolando para ir embora. Até que a conversa de dois meninos perto dele lhe chamou atenção. Naruto juntou suas coisas e se aproximou a passos lentos, fingindo estar indo embora enquanto mantinha o foco na conversa dos meninos.

— Você soube? Todos do clã Uchiha foram assassinados.

— Sim, eu sei. Eu ouvi meu pai falando sobre isso. Ele é o único sobrevivente.

Naruto inclinou a cabeça e viu que Sasuke estava sentado a apenas uma carteira de distância dos dois, lendo alguma coisa e fingindo não ouvir a conversa sobre sua família morta.

Naruto parou de caminhar e continuou encarando o menino, os olhos azuis arregalados. Então ele também não tinha pais? Isso explicava porque Sasuke sempre ficava até tarde na margem do rio. Não havia ninguém para manda-lo voltar para casa cedo, dizendo que se não voltasse logo poderia pegar um resfriado como a mãe de Shikamaru fazia, ou que precisava voltar a tempo para o jantar, como dizia a mãe de Chouji. Sasuke estava sozinho… igual a Naruto.

E sentiu-se estranhamente feliz com isso. Não porque o garoto tinha perdido a família, sabia como era horrível ser órfão e não desejava isso para ninguém, mas porque tinha encontrado alguém igual a ele. Porque Naruto não era a única criança solitária daquela vila. Se tinha alguém capaz de compreender a dor e o sofrimento de não ter uma família, esse alguém era Naruto. E por isso ele foi o único capaz de enxergar toda a tristeza e solidão que Sasuke mascarava tão bem por baixo daquele olhar frio.

Se já tinha vontade de falar com ele antes, ela apenas aumentou após saber o que aconteceu com a família do menino. Não demorou muito para Sasuke se cansar de tentar fingir que não estavam falando sobre a tragédia que se abateu sob seu clã e deixou a sala de aula. Naruto esperou alguns minutos antes de segui-lo, e na verdade nem foi preciso. Lá estava ele, sentado na margem do rio, recusando-se a voltar para casa. Provavelmente ficaria ali até anoitecer.

— Ei! — Naruto chamou, caminhando na direção dele. Percebeu então que não sabia o que deveria dizer. Deveria ter formulado um plano antes de ir até lá.

— O que você quer? — Sasuke fez uma careta ao avistá-lo — Se quiser lutar de novo é melhor desistir enquanto pode…

— Não vim lutar! — Naruto interrompeu — Eu… ouvi sobre o que aconteceu com o seu clã.

Houve uma pausa longa. Tão longa que quase fez Naruto se arrepender de ter ido até lá. Sasuke encarava o rio e os cabelos negros impediam Naruto de ver sua expressão facial.

— Pensei que as fofocas tinham acabado. A vila inteira já está sabendo, você está atrasado — Sasuke respondeu por fim, sua voz soando mais baixa do que de costume — Veio até aqui só para me dizer isso?

— Não! Eu queria dizer… que sinto muito pela sua família. E que entendo o que você está sentindo…

— “Entende”? — Sasuke repetiu, colocando-se de pé. Lá estava a dor que apenas Naruto parecia notar. Mas a raiva havia voltado, misturando-se a ela. Naruto perguntava-se do que ele tinha tanta raiva afinal — Acha que entende o que estou sentindo?

— É claro que entendo! — Naruto garantiu — Eu também sou órfão. Conheço melhor do que ninguém a dor de não ter um pai e uma mãe te esperando quando você chega em casa.

— Naruto, certo? — Sasuke perguntou o nome dele só para confirmar e o menino assentiu. Desde a tragédia que aconteceu com seu clã, na mesma época em que ingressou na Academia Ninja, Sasuke se esforçava em manter o foco apenas no treinamento para que sua mente não voltasse a vagar para o dia em que seu clã foi massacrado, então não prestava muita atenção nas pessoas ao seu redor — Você é o menino de quem todos se afastam sei lá por que. Se me lembro bem, você é órfão desde sempre. Então não pode entender a dor de perder sua mãe e seu pai, que conviveram com você durante todos esses anos!

— Tem razão, eu não posso — Naruto concordou — Mas posso entender a dor de chegar em casa e não ter ninguém para te dizer “bem vindo de volta”. De não ter ninguém para fazer as refeições junto com você. Nem para te dar conselhos, ou te ajudar com o treinamento, ou brigar com você porque está na rua até tarde e pode acabar pegando um resfriado, ou te elogiar quando você faz alguma coisa certa… eu entendo a dor de estar sozinho.

Sasuke calou-se de novo. Odiava admitir, odiava mesmo, mas, olhando as coisas por esse ângulo, Naruto tinha razão. Os adultos da vila tinham pena dele, as crianças o admiravam, mas ninguém tentava de fato compreender como ele se sentia. Ninguém seria capaz de entender a dor de perder todo seu clã em uma única noite.

Exceto, talvez, alguém que nunca teve um.

— O que você quer de mim afinal Naruto?

— Quero ser seu amigo — a resposta soou simples, surpreendendo Sasuke — Você é como eu, não tem pais. Está sempre sozinho. E eu aposto como você sempre fica sentado aqui até escurecer apenas porque não quer voltar para casa, já que não tem mais ninguém lá te esperando.

Ele acertou de novo. Naruto parecia apenas um idiota durante as aulas, no entanto era mais esperto do que Sasuke imaginou.

“Amigos”… até que parecia uma boa ideia. Naruto era escandaloso e, embora compreendesse a dor de estar sozinho, continuava sendo um idiota, mas não parecia uma ideia ruim ter um amigo.

— Ali está ele! — uma voz irrompeu antes que Sasuke pudesse responder alguma coisa — Foi ele quem pichou a minha loja!

— E o meu açougue também! — outra voz adulta acrescentou.

— E a minha casa — uma mulher exclamou — Esse moleque só causa problemas!

As duas crianças se viraram na direção das vozes e viram pelo menos uma dúzia de adultos encarando Naruto com o ar reprovador com o qual já estava familiarizado. Era verdade, ele tinha pichado algumas propriedades naquela manhã e escapado com sucesso. Mas nem de longe esse era o motivo pelo qual os adultos o detestavam tanto.

Na verdade Naruto não sabia o motivo. Não fazia ideia do que tinha feito para ser tão odiado pelas pessoas. Era sempre ignorado pelos adultos, excluído por todos. Então sempre fazia travessuras para que prestassem atenção nele. Para que as pessoas percebessem que ele existia.

— Então finalmente me acharam! Até que demorou bastante hein, seus velhotes — Naruto zombou — Eu fugi de manhã e posso fazer isso de novo, vocês nunca vão conseguir me pegar. Sou muito mais rápido do que vocês! Não é, Sasuke? — ele voltou-se para onde o menino estava, mas Sasuke tinha desaparecido. Olhou mais adiante e avistou o garoto a alguns metros dali, se afastando dele — Ei! Aonde pensa que vai?

— Embora. Você parece ter coisas mais urgentes para resolver do que tentar fazer novos amigos — Sasuke respondeu sem olhar para trás, a voz um pouco abafada pelos gritos dos adultos que ainda brigavam com Naruto.

— Ah, é? Acha que não sou bom o suficiente para ser seu amigo? Tudo bem continue sozinho então! Eu não dou a mínima! — Naruto gritou indignado enquanto Sasuke se afastava, desaparecendo rapidamente do seu campo de visão.

Quem ele pensava que era? O príncipe da vila ou algo assim? Como podia se achar melhor do que Naruto depois de tudo o que ele disse?

Bem, quem se importa? Por mais arrogante que aquele garoto fosse, tinha razão em uma coisa: Naruto tinha um assunto mais importante para resolver no momento. Se os adultos da vila colocassem as mãos nele seria o fim!




____________________



Notas Finais:

História postada também no Nyah! Fanfiction e no Spirit.

Perfil no Spirit:

https://www.spiritfanfiction.com/perfil/teffy-chan88




5 de Junio de 2019 a las 18:31 3 Reporte Insertar 6
Leer el siguiente capítulo Capítulo II

Comenta algo

Publica!
Allan Loppes Allan Loppes
digno!
21 de Junio de 2019 a las 05:46

  • Steffanie Pinheiro Steffanie Pinheiro
    Que bom que está gostando ^^ Obrigada por comentar *-* 21 de Junio de 2019 a las 08:04
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 11 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión