Recordações Seguir historia

fernando-camargo1554138998 Fernando Camargo

Uma história da família reunida em volta da mesa. Da pescaria com o pai e irmãos, uma história cheia de boas lembranças e de recordações pra vida toda.


Cuento Todo público.
Cuento corto
0
3.4mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Recordações

Senti o cheiro de longe e isso me fez correr até ele. Era uma mistura de doce com salgado. O fogão estava forrado com panelas, todas cheias. Em uma tinha arroz com carne, na outra, feijão com bastante bacon e linguiça; tinha macarrão com molho e carne de panela. No forno um bolo assando e na geladeira um mousse de manga pronto para ser devorado.

Do lado de fora vovô fabricava vassouras sentado na beirada da escada. Minha mãe e minha avó cuidavam do almoço, enquanto meu pai e meus irmãos cavavam um buraco na terra a procura de minhocas, eles iriam pescar mais tarde. Era divertido ver o beija-flor chegar e se aproximar de um bebedouro com uma flor grudada nele e ficar ali parado no ar com suas asas batendo numa velocidade descomunal.

Comida quase pronta. Após desocupar uma das bocas do velho fogão azul, mamãe botou outra panela. Vovô não almoçava sem antes saborear um prato de sopa. Um a um os ingredientes foram sendo colocados: batata cortada em pequenos pedaços, cenoura em rodelas e frango em cubinhos; a sopa seria feita com arroz.

Depois de tudo realmente pronto todos se sentavam a mesa. Pratos brancos com detalhes desenhados nas bordas, copos e talheres. Travessas com arroz, feijão, macarrão e a panela de sopa do vô. E ali se fazia o silêncio, ninguém falava, resmungava ou reclamava, era uma quietude só. Terminada as refeições os pratos eram recolhidos e a louça era lavada, tudo era guardado nos armários e nas gavetas. Tudo seria repetido no dia seguinte.

Varas separadas, anzóis também e as iscas colocadas dentro de uma lata velha de achocolatado. Chapéu de palha enfiado na cabeça para proteger do sol quente e um recipiente telado para botar os peixes pescados. O caminho até o lago era feito a pé, de chinelo de dedo para proteger das pedras e do cascalho que machucava. No local tudo era arrumado; as varas eram posicionadas e começava a pescaria. Era preciso fazer silêncio, senão os peixes não viriam.

Na volta eu carregava o recipiente telado contendo dois peixes de tamanho médio. Vovó e a minha mãe estavam no portão esperando a gente chegar; atrás delas a Brasília creme com uma sandália em miniatura pendurada no retrovisor. Meu avô arrumava em um quartinho lotado de tranqueiras as vassouras fabricadas e organizava um pouco da bagunça.

Todos estavam de volta. Os peixes seriam limpos e preparados para o jantar. Na sala a televisão ligada anunciava a próxima atração; os banhos seriam tomados, pratos seriam cheios e depois esvaziados por bocas famintas; corpos cansados ganhariam descanso em camas macias, e assim se encerrava mais um dia.

21 de Mayo de 2019 a las 23:58 0 Reporte Insertar 119
Fin

Conoce al autor

Fernando Camargo Escrevo desde os oito anos de idade, culpa da professora de português. De tanto gostar de fazer isso (escrever), resolvi estudar jornalismo. Formado, atualmente eu passo meus dias a criar personagens e novas histórias.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~