Cuento corto
0
1.8mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

O ódio já falou de amor

Amor e ódio, por regra, estão interligados.

O ódio também é de pigmentação vermelha das lágrimas, dos olhos inchados, dos berros para o infinito, aqueles gritos que de tão altos te deixam rouco.

O amor semeou dúvidas, colheu indiferença.

O ódio já falou de amor.

O amor perdoou.

O ódio é um menino medroso que se julga adulto demais para reconhecer que errou, tanto que apenas uma vida não basta para oferecer rosas ao coração machucado, atordoante escarlate, arranhando as arestas que outrora foram poéticas, ainda que breves fossem os poucos versos de amor que nunca entregou, as bochechas ruborizadas entregavam todo o esforço.

O amor clamou por redenção porque uma vida não valia de nada sem aquele que com seu coração estava.

O ódio já se entregou por inteiro, exigindo o mesmo compromisso.

O amor é o caminho mais simples para a (não tão) inexplicável insônia filosófica, contendo as teorias de conspiração mais tragicômicas, nem Platão seria pioneiro ao definir tudo que o amor sabe e esconde nos manuscritos imaginários.

O ódio é a constante entre dia e noite. Pressente o fim, não passou do começo.

O egoísmo proveniente da sensação de perda, quando o vazio abraçou mais forte que a própria mãe.

A oração que poderia ter libertado. O telefonema ignorado. Falso sustento no inexistente amor-próprio. Tudo ficou esclarecido a princípio, embora a conversa tenha tomado rumos tão desagradáveis que fica difícil especificar quem está com a razão.

O ódio vence pela brutalidade.

O amor não perde por esperar.

8 de Julio de 2019 a las 14:50 0 Reporte Insertar Seguir historia
1
Fin

Conoce al autor

Mary Uma joaninha itinerante e destemida.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~