Instinto Seguir historia

ero-lua Amae

Amar não é pecado não. Mas se amar o namorado da melhor amiga, aí as coisas complicam um pouco, mas também não pecado. Poucas coisas deixam uma mulher fora do comum, e uma delas é a chance de se entregar a uma paixão tão ardente que queima até a alma.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#amor-proibido #Sasuino #naruino #hinata-hyuga #sasuke-uchiha #hentai #sasuhina
0
3.7mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Cap. - 1 - O Vizinho do 313


"Poucas coisas deixam uma mulher fora do comum, e uma delas é a chance de se entregar a uma paixão tão ardente que queima até a alma.".

Esse dia era para ser comum, um dos dias mais comuns na minha vida, mas a primeira coisa que vejo ao abrir os olhos é o teto do meu quarto, minhas fotos com amigas e a chuva que caía lá fora. Sentei na cama olhando diretamente para a janela e lembrei que nem mesmo as cortinas que consegui fechar. Trabalhar, estudar e estudar está sendo complicado pra mim, mas o que posso fazer? Dar um futuro para minha vida, dar orgulho aos meus pais é o meu plano, então eu vou lutar para levar isso a sério. Levanto da cama indo até o banheiro, ligo a torneira para encher a banheira enquanto desço as escadas para colocar a chaleira no fogo. Olhando ao redor, encaro meu apartamento bagunçado. Preciso urgentemente parar um momento para organizar meus livros e minhas fotos e as prateleiras. Tudo. Saco.

No celular algumas mensagens de grupos e algumas da minha mãe, pediu para chegar mais cedo no trabalho e apesar de odiar, eu tenho que fazer. Às vezes um dos funcionários falta e quem melhor do que a filha do casal mais fofo para ir cobrir. A banheira está quase cheia quando volto ao quarto e aproveito para arrumar minha roupa escolhida e tomar um banho poderoso de vinte minutos antes de ouvir a chaleira gritar da cozinha. De toalha mesmo aproveito para tomar café e assim que sento para voltar ao celular minha porta é aberta e fechada tão rápido que mal tenho tempo de virar para encontrar Ino parada na minha frente com os braços cruzados e uma cara nada boa.

- Quando eu disse que você poderia usar a chave que eu te dei quando quisesse não quis dizer para invadir meu apartamento todas as manhãs com essa cara de quem não dormiu nem um pouco. Você é minha melhor amiga, não minha inquilina - volto ao meu café, ao celular e Ino se serve também uma xícara e senta ao meu lado.

- Você está certa, eu não dormi porque chegou um vizinho novo no final do corredor, bem ao lado do meu apartamento. - Ergo a cabeça apenas para ouvi-la falar e despejar seu ódio. - Ele fez barulho a noite toda Hinata, e a noite toda gritando com alguém e mandando ele parar de gritar, mas gritando. Arrasta móvel pra cá e para lá, eu to com tanto sono que não sei se aguento estudar. Posso dormir aqui? - Encarei-a mais séria e voltei ao meu celular.

- Não. Vizinhos novos precisam de seus momentos, Ino. Ele está fazendo sua mudança, deixa ele em paz. - Declaro ao deixar meu celular de lado. - Vou te encontrar na faculdade. Vou mais cedo para o trabalho, alguém faltou e meus pais esperam que eu arrume esse buraco.

- O melhor disso é que você adora seu emprego. Apesar do lugar ser dos seus pais. - Ino levou sua xícara para o sofá e sentou ligando a TV.

- Desculpa, mas meus pais não são ricos... não completamente - Ri de Ino que fez careta e subi novamente para o quarto. Já vestida desço para encontrar Ino deitada no meu sofá dormindo. Nem to acreditando que ela dormiu mesmo ali. Peguei minha bolsa deixando-a no mesmo lugar, mesmo que eu acordasse ela, ela provavelmente ia apenas virar para o outro lado e me jogar um xingamento.

Sai do meu apartamento guardando a minha chave e parei em frente ao elevador. Esperar essa porcaria é a pior coisa do mundo, sempre acabo mofando no lugar antes de ele chegar. Respiro fundo quando escuto passos se aproximando de mim e ao meu lado parou alguém. Olhei para o lado e dei de cara apenas com os ombros e subi a cabeça para fitar o rosto do homem que era quase dois metros. Minha nossa. Seus olhos estavam cobertos por um óculos escuros e podia ver claramente a tatuagem saindo do seu pescoço rodeando sua orelha. Vestido de jaqueta de couro e uma calça cheia de correntes espalhadas ele estava ali marcando presença.

O elevador chegou e ele passou primeiro enquanto minhas pernas tinham o desejo de se mover, mas elas não faziam nada, nada mesmo. Olhei para ele que me encarou levantando uma sobrancelha e eu entrei virando de costas. As portas se fecharam e meu coração acelerou um pouco, talvez fosse o cheiro dele que estava começando a sair para todos os lados e eu comecei a tremer, tremer muito, desde as pernas porque eu não acredito que estou ficando molhada por conta de um cara que eu nunca vi na vida, nunca mesmo. Mas esse ar de badboy é tão... clichê.

- Oi. - Ele disse, sua voz é grossa e arrepia, o meu Deus, como arrepia. - Eu sou desse andar, me mudei ontem. - Ah.

- Ah, então você é o cara que não deixou minha melhor amiga dormir. - Virei para ele e o vi tirar os óculos me dando um sorriso sexy. OH MEU DEUS! - Olha ela tá dormindo no meu sofá porque você passou a noite todinha batendo e arrastando móveis.

- Eu não sabia que não podia fazer barulho. Eu só queria arrumar tudo no mesmo dia porque eu tenho que ir pra faculdade mais tarde. Faculdade vai tirar meu couro e eu não quero perder meu tempo arrumando a mesa no lugar. Eu só queria uma cama, só uma cama. - Avisou e virou para o espelho na parede do elevador e jogou seu cabelo para o lado. É arrumado de mais, bonito demais e cheiroso demais também. Espero que não seja gay porque é um bom partido.

- Ah, então eu posso arriscar e dizer que você tem uns.... vinte e dois, três anos?

- Vinte e quatro e mudei de faculdade e de cidade pra ficar longe dos meus pais. Eles querem que eu faça medicina porque meu pai e chefe de cirurgiões e minha mãe é uma residente muito brava e meu irmão um interno que está chegando no patamar do melhor interno do mundo, e sabe o que eu quero? Construir coisas, coisas grandes. - Ele falava se olhando no espelho e até colocou as mãos dentro da jaqueta.

- Você se mudou, ou fugiu sem eles saberem? - As portas se abriram me apresentando o saguão. Sai primeiro e esperei ele me acompanhar. - Porque você parece que tem muito a dizer, precisa de alguma coisa?

- Beber. Eu preciso beber, apenas isso. Vou na casa de um amigo agora e a gente vai ter que dar um jeito de sair antes de ir pra faculdade amanhã. - Ele disse com um olhar de desespero e respirou fundo se acalmando. - Enfim, estou indo, foi bom te conhecer. Ah proposito, meu nome é Sasuke Uchiha.

- Hinata Hyuga, e foi um prazer te conhecer - Ele assentiu e passou por mim saindo em seguida. Segui para o estacionamento achando meu quarto e fui direto para a lanchonete que pela quantidade de carro estacionados, o lugar estava lotado. Entrei direto indo até o balcão encontrando minha mãe com um sorriso no rosto. - Bom dia, estou aqui como pediu embora eu prefira está dormindo. Quero hora extra, viu? - Ela riu assentindo.

Passar as horas ali indo de um lugar para o outro era até reconfortante. As pessoas eram legais, e me tratavam bem assim como eu fazia. Meus pais estavam sempre ao lado. É tudo familiar. Antes das cinco da tarde eu saí para chegar em casa a tempo. Passei numa cafeteria a mais perto de casa para buscar café e pães, nem sei se a Ino ainda está no meu apartamento. Quando cheguei não encontrei ela na sala, mas minha alegria acabou quando a vi na cozinha terminando de escrever alguma coisa.

- Você vai mudar de casa? Me avisa que assim eu vou cobrar aluguel. - Deixei as compras na mesa e Ino tirou os olhos dos cadernos para me encarar. - Como você está e porque está aqui ainda?

- Meu novo vizinho toca guitarra e está fazendo barulho desde que voltou. Sabe aquele garoto problema da faculdade, o Naruto, pois é, é amigo dele e estão bebendo. Estou começando a odiar esse babaca.

- Ino eu conheci ele hoje de manhã, e sabe, é gente boa. Se chama Sasuke Uchiha e fugiu dos pais para fazer a faculdade que quer. Exatamente como alguém que eu conheço. - Abri meu café despejando a espuma na pia e me encostei na mesma para olhar Ino novamente.

- Eu fugi porque não quero fazer direito. Olha aqui, medicina é a minha vida. MEDICINA. Ajudar pessoas, salvar vidas, isso é comigo. - Ela tirou os óculos levantando para pegar um dos cafés também. - E como ele é? Insuportável?

- Não. Ele é até legal. Fala demais e está surtando porque queria beber. Olha, ele é mega gente boa. E bonito, é gostoso, é alto, tem tatuagens, usa jaqueta de couro e óculos escuros para esconder os olhos escuros. É charmoso, e cheiroso.

- Parece um bom partido. - Ino recolheu suas coisas. - Vai sair que horas? Pode me dar uma carona?

- Vou só tomar banho e trocar de roupa. Menos de trinta minutos, por favor. - Ino bateu a porta e eu subi correndo praticamente. Tomei um banho quente e rápido e me vesti novamente. Escutei a porta abrir e fechar novamente e Ino apareceu no quarto vinte minutos depois. Ela tinha um sorriso no rosto e mexia no celular.

Conversamos um pouco e logo saímos do apartamento indo para o elevador. Não demorou como mais cedo, mas foi um tédio escutar a discussão do casal do 311. Bem ao lado do meu apartamento, entre eu e Ino morava o casal mais chato do prédio, discutiam vinte e quatro horas por dia e isso irritava qualquer pessoa.

- Eu odeio esse casal. De dia briga e de noite transa, e ainda transam brigando. É um saco! - Ino praguejou dentro do carro. - Mas o que podemos fazer? Porque eu já reclamei com o sindico e sindico gosta da porra do casal, são íntimos. - Riu.

Saímos em poucos minutos e não demorou a chegar na faculdade. As mesmas pessoas, os mesmos amigos e todo aquele ar familiar. Poucas pessoas da escola ficaram com a gente, outras fugiram para fazer faculdade em outro lugar ou simplesmente desistiram.

- Hinata, Ino, que bom que chegaram. Vou dar uma festa sexta á noite e quero as duas lá. - Naruto veio correndo em nossa direção nos entregando dois convites. - Minha casa vai está lotada então evitem vestidos. Mas se quiser ir eu vou gostar - Avisou para Ino bem ao pé do ouvido deixando claro seu interesse que não era de hoje. - Até mais.

- Esse Naruto é um idiota. - Ino virou na direção da partida e encarou suas costas - Mas faz um oral muito bom.

- Não entendo, porque você não volta com ele. Vocês se davam bem.

- Estou procurando alguém que me dê mais que sexo Hinata, eu quero calor, paixão, desejo e prazer, amor. Eu quero me apaixonar de verdade por uma pessoa que se apaixone por mim. E se eu me apaixonar primeiro eu vou fazer a pessoa se apaixonar por mim. Eu só quero me sentir amada, entendeu? - Assenti, ela precisa disso. Depois de todos os namoros que não deram certo.

Segui para a sala e a aula passou devagar, porém muito proveitosa, o suficiente para não me deixar em tédio profundo enquanto anotava tudo que preciso. Pouco mais das dez e vinte peguei Ino na lanchonete de sempre com meu lanche favorito e fomos para casa ouvindo minha música preferida. Ino contou sobre coisas novas de suas aulas e que precisava urgentemente comprar alguns livros para melhorar e que isso levaria toda sua mesada que recebia do pai em um mês. E ainda fiquei sabendo que teria uma inquilina sim para café, almoço e janta.

- Eu avisei que vou cobrar aluguel. Minha mãe faz supermercado todas as sexta-feiras para mim. Enche a minha geladeira; ela mais do que eu, tem medo que eu morra de fome. Abasteça sempre com coisas fáceis de fazer, ou que nem precisam ir ao fogo. É um amor de pessoa.

- As vezes eu paro e penso; preciso ter uma mãe como a Hinawa, ela é demais em todos os aspectos. - Rimos juntas outras vez e atravessando o estacionamento damos de cara com uma moto enorme sendo arrumada para um cara grande. Segurei a alça da bolsa com força ao ver Sasuke ajustar a moto no lugar certo e erguer a cabeça para nos encarar. Seus olhos negros prenderam a mim e escutei um suspiro ao meu lado.

- Ela faz barulho, eu sei. Mas eu tive que trazer, não seria eu mesmo sem ela por perto. - Ele disse saindo de trás dela com sua jaqueta de couro e um sorriso gentil. - Amiga nova?

- Amigo novo, Hinata? - Ino me olhou.

- Sasuke, essa é a Ino, sua vizinha que reclamou do barulho. Ino, esse é Sasuke o vizinho barulhento.

- Ah, o vizinho barulhento. Como você disse Hinata, é só o primeiro dia. - Disse ao jogar o cabelo para trás e sorrir como uma garota cheias de segundas intenções.

- Nem vou pedir desculpas pelo barulho. Estava de mudança - Ele riu para ela e eu to vendo que um novo casal está se formando. Chamei o elevador enquanto ouvia eles falarem sobre moto. - Hey Hinata, Naruto disse que conhece você. - Olhei para trás os vendo se aproximar.

- É, ele é legal. É meu amigo e ex-namorado da Ino. - Ele parou ao meu e Ino do outro lado dele. - O que foi?

- Legal. Vai à festa dele na sexta? Eu vou. Ele disse que a festa é para mim. Adoro ser bajulado. - Ele colocou as mãos na cintura se achando.

O elevador chegou e entramos. Ino começou a falar da faculdade e ficou maravilhada quando descobriu que Sasuke também fazia medicina e o papo da melhor faculdade a fuga para fazê-la e os procedimentos e tudo mais. Revirei os olhos umas vinte vezes antes das portas abrirem no nosso andar.

- Ah, a gente trouxe lanche extra, se tiver com fome pode nos dar mais vinte minutos e comer com a gente. - Olhei para Ino assim que peguei a chave do apartamento. Será mesmo que eu to vendo isso? Ino convidando o vizinho que conhecemos hoje para comer no meu apartamento?

- Se não for incomodar. Nem comprei nada ainda. - Ele riu. - Tudo bem Hinata?

- Oi? Claro. - Sorri abrindo a porta. Eu gosto quando ele chama meu nome, é divertido, soar diferente. - Seja bem-vindo ao meu humilde apartamento que deve ser igual ao seu, mas o meu é mais bonito porque foi decorado com amor.

- Ah, que legal. Será que eu não posso decorar o meu com amor também? Eu vou passar sei lá, uns sete anos morando aqui. E eu tenho muito bom gosto.

- Eu não tenho dúvidas. - Ino chamou atenção colocando a mesa. Primeiramente, olhei de Sasuke para Ino toda animada e tudo mais. Segui para as escadas e resolvi tomar um banho. Acho que Ino está interessada em Sasuke e eu não estou afim de ficar ouvindo ela dar em cima. - Ri de mim mesma. - Hinata - Parei no último degrau e olhei para baixo. - Vem comer com a gente.

- Vou só colocar alguma coisa confortável - Avisei e segui para o quarto. Voltei alguns minutos depois e Sasuke estava sem camisa na minha sala mostrando suas tatuagens.

ELE ESTAVA SEM CAMISA MOSTRANDO AS TATUAGENS NA MINHA SALA. Sorri me aproximando e me joguei no sofá depois de pegar meu sanduíche.

- Hinata, ele tem trinta e duas tatuagens espalhadas pelo corpo. E só me mostrou vinte e duas. - Cruzou os braços fazendo bico. Sério que a Ino quer ver todas?

- Minha nossa, isso parece doloroso.

- Você não tem tatuagens? - Neguei com a cabeça - Devia fazer umas, é como um ritual de passagem, e não dói.

- Diziam que trabalhar e estudar, e trabalhar e estudar mais ainda não doía, mas eu estou morrendo viu. - Sasuke sorriu terminando MINHA cerveja.

- Trabalho. Droga, eu preciso falar com o Naruto. Meus pais não sabem onde eu estou então tenho que me virar para conseguir pagar minhas coisas.

- Eles não ficariam nem um pouco felizes caso descobrissem que está aqui para fazer o que gosta?

- Eles vão me matar e me levar de volta. Só o corpo. - Rimos.

- Ah, Hinata, seus pais não queriam uma ajuda extra? Sasuke parece bem forte.

- É, você tem razão, posso falar com meus pais.

- O que seus pais fazem? - Sasuke se interessou com os olhos franzidos. - Não quero matar ninguém.

- Sabe, se um dia eu for no hospital e ver você como douctor todo tatuado e com essa carinha de que vai fazer o meu, eu corro. - Disse claramente arrancando uma gargalhada dele. - E meus pais são donos de uma lanchonete, um restaurante e qualquer tudo que você preferir, é aberto o tempo todo e você pode trabalhar o dia todo se preferir, eles pagam bem, sabe que precisa gastar com despesas. Tem mais dois amigos que trabalham lá por causa da faculdade e sempre que podem, meus pais ajudam.

- Parece o lugar certo, então, se conseguir alguma coisa, te pago uma cerveja qualquer dia desses - Ele levantou pegando sua camisa e a jaqueta - a gente se ver amanhã então. - Ele se despediu com um beijo no meu rosto e Ino saltou do sofá se oferecendo para levá-lo a porta. Como eu disse, ela está interessada e eu quero ficar longe desse clima.

- Uau. - Ela voltou depois de alguns minutos. - Ele é lindo, educado, cheio de tatuagens e tem um corpo tão maravilhoso. Eu estou apaixonada. - Olhei para ela rapidamente.

- Está falando sério? Se apaixonou por ele de repente? - Ino se jogou ao meu lado. - Meu coração palpitou e minhas pernas ficaram fracas quando o vi.

- Não quero ninguém chorando no meu pé. Ok. Agora pode ir embora, eu não quero inquilina. - Ino fez outro bico e se despediu com um sorriso na cara.

Tomei banho e desci para fazer meu café e ler um pouco, infelizmente o sono não está querendo vir, por sorte tenho tanta tarefa que posso muito bem estudar a algumas horas. Trago minha xícara para a mesa e assim que sento com todos os meus livros ao redor na posição certa, escuto alguém bater na minha porta. Ino.

Ino.... Não acredito que ela vai querer dormir aqui.

- Entra, a chave está debaixo do tapete - Gritei e desviei meu olhar para baixo procurando os livros e quando ergui a cabeça para encarar a cara de Ino a porta se abriu revelando ninguém menos que Sasuke Uchiha. - Puta merda.

- Não devia deixar a chave tão fácil, qualquer pessoa vai querer entrar aqui porque tem cerveja extra na sua geladeira. - Ele disse como se não fosse nada. Parou em minha frente com um olhar MUITO AGRADÁVEL.

- O que você quer?

- Esqueci as chaves da minha moto. Será que eu posso pegar? - Assenti desviando olhar de novo.

- Pega e pode ir, eu tenho que estudar.

- Sem problemas. Mas se quiser companhia eu posso ficar aqui sentado olhando você estudar. Não porque gosto de ver alguém estudar, é porque eu gostei da sua camisola. - Minha leitura parou um momento e eu olhei para mim e depois para ele. Será que eu to ficando louca?

- Não é uma das minhas preferidas, mas eu gosto dela. - Sorri. Sasuke se aproximou voltando para a mesa e se apoiou sobre ela. - Porque você voltou?

- Por causa da minha chave, e porque eu queria ver você sem sua amiga tagarela. Ela fala demais.

- Ela ficou interessada em você, sabe disso né? - Ele assentiu se agachando mais, sua mão pousou no meu rosto e seus lábios se abriram em um sorriso.

- E eu fiquei interessado em você. - Meus olhos se fecharam quando sua boca colou na minha.

A maciez da sua língua me pegou desprevenida, sua mão saiu do meu rosto deslizando para minha cintura e me puxou da cadeira, por instinto cruzei minhas pernas em sua cintura com rapidez e firmeza e logo sou jogada na mesa. Suas mãos me prendem mais forte e sinto minhas pernas falharem, me sinto excitada e completamente molhada, sinto seu pau entre minhas pernas e seu corpo subindo sobre a minha mesa, eu sou gozar só com o toque desse homem.

De um homem que não sei quase nada. Respiro quando nosso beijo termina e sua boca logo corre por meu pescoço deslizando até meus seios. A alça da minha camisola é deslizada para baixo e meus seios ficam a amostras. Sasuke sorri enquanto me olha nos olhos e meu coração acelera mais com o toque molhado da sua língua no bico do meu seio. Gemi o mais alto audível o puxando mais para cima de mim, sua jaqueta me atrapalha e com sua ajuda a consigo jogar para longe.

- Eu nem conheço você direito - Digo tentando respirar, mas sua boca de novo cola na minha sugando a toda a alma dentro de mim. Sua mão chega a minha vagina massageando e um dedo entra em mim, gemo mais alto arranhando seus braços. - Gosto disso.

- Sei seu nome, e você sabe o meu. E.... - ele para nosso beijo e olha outra vez nos meus olhos - eu to interessado. Se não quiser eu vou embora agora.

- Continua.... - Ele ri tirando a camisa e outra vez esse homem está na minha sala sem camisa causando conforto e calafrios intensos e eu espero que ele me faça feliz. - Você tem dedos bons.

- Tenho várias coisas boas - ele me puxa para a beirada da mesa, suas mãos na minha cintura subindo até por minhas costas e parou no meu rosto. - Na sua cama, ou posso te levar para a minha?

- Você p- - Parei de falar quando escutei a voz de Ino no corredor. Pelo visto falava ao telefone e com alguém de muita importância. - Se esconde.

- O que? - Seu olhar confuso me faz rir.

- Se esconde agora. Agora. - Ele se afasta pegando sua camisa e a jaqueta e me encara. - A cozinha, atrás do balcão, vai. - Ele me olha dos pés a cabeça enquanto desço da mesa e me sento novamente, meu café derramou sobre os papéis está tudo sujo. - Ino - Digo sem pressa ao vê-la cruzar a porta. - Que droga, me assustou.

- Eu estou com um problema, um problema grande.

- Eu também, mas é melhor você nem saber - Vou até a pia pegar um pano e encontro Sasuke sentado, está vestido pelo menos e enquanto lavo a droga do pano ele toca na minha perna deslizando como se pudesse fazer esse toque me deixar mais feliz, e consegue me deixar mais excitada, e eu acho que vou pirar. - O que aconteceu?

Me aproximo da mesa onde Ino já separava o café dos papéis sujos. - Naruto me ligou dizendo que estava passando para me ver, e sério, eu queria dormir com alguém hoje, mas não com ele. Naruto é passado, embora eu goste do oral dele, é o melhor, com certeza.

- Então o seu problema é ter uma transa marcada, mas não querer, que legal!

- Não é tão legal quanto parece... - Ela me encara colocando uma mão na cintura - sabe o meu vizinho, Sasuke Uchiha?

- Não é nosso vizinho? - Pergunto. Dou total atenção ao sorriso que ela dar.

- Que seja. Pesquisei sobre ele no Facebook, descobri que ele tem várias pretendentes e um irmão gato que se casou aos dezoito anos. Ele é sexy e maravilhoso, e era com ele que eu queria dormir essa noite.

- Ino não tem três horas que você o conheceu.

- O quê que tem? Sexo sem compromisso é uma coisa bem normal. Não precisaria nem saber o nome dele pra tirar a roupa e mandar ele vir com força. - Sorriu. - Eu queria dormir aqui, mas eu odeio quando você acorda cedo. E amanhã você vai acordar cedo né?

- Bom, eu não pretendia dormir, tenho algumas aulas para decorar, e acabei derramando um monte de café, vou ter que imprimir de novo, e ler de novo e tudo de novo.

- Vou te deixar em paz, e bolar alguma coisa para seduzir o badboy gostosão. Até amanhã. - Deu as costas voltando de onde tinha vindo e trancou a porta.

- Você podia ter me ligado e dito tudo isso. Não precisava atrapalhar meu sexo sem compromisso com o badboy gostosão. - Sussurrei e ouvi um assobio. Virei em direção ao gostosão que sorriu abrindo os braços com um sorriso lindo no canto dos lábios. - Vai pra casa, agora.

- Não. Não. Não, a gente ia transar. - Ele se aproxima.

- Você vai pra casa agora. A Ino atrapalhou o clima e eu tenho que estudar agora, Sasuke Uchiha o badboy gostosão. - Sasuke sorri conformado e para em minha frente.

- A gente pode se encontrar em outro momento? Porque eu to interessado.

- A gente vai se encontrar em outro momento, mas não como você está pensando. Vou falar com meus pais e com certeza você terá um emprego.

- E você, eu não vou ter?

- Sasuke a gente se conheceu hoje de manhã. - O empurro em direção a porta ele mia. ELE MIA - E não mia pra mim.

- Você é uma gata, me entenderá assim. - Abro a porta olhando para cada lado antes de o empurrar para fora. - Eu gostei do seu beijo.

- Eu gostei do seu também. Mas some. - Bati a porta e escutei outro miado. O Badboy gostosão mia.

ELE MIA!

.

.

Vi o sol nasceu de olhos abertos sentado em minha cadeira diante das minhas tarefas e assuntos que preciso decorar. Meu café está no fogo novamente e me encontro sozinha para começar meu dia. Levanto para preparar meu banho e separar minha roupa, daqui a pouco Ino aparece para encher o saco, e droga, eu tenho que ir até a lanchonete falar com meus pais sobre Sasuke. Dar o emprego para ele vai nos ajudar? Vai ajudar a mim? Porque eu agora não sei se o quero por perto. O calor dele ainda está em mim e o sabor do beijo também e suas pegadas e seu sorriso e seu miado. Eu gosto disso.

Me arrumo o máximo que posso e tomo café para não dormir enquanto dirijo e respiro fundo antes de abrir a porta. Olho de um lado para o outro, nem mesmo uma mensagem de Ino eu recebi hoje de manhã. Saio devagar evitando olhar para o final. O apartamento de Sasuke fica no final, o último, bem ao lado do de Ino. Ah, a Ino, ele está interessada em Sasuke, e Sasuke em mim. Que vida boa. O elevador chegou e assim que virei para me ajustar dentro vi a porta de Sasuke abrir e ele passar por ela rodando a chave da moto entre seus dedos. Dou um sorriso desviando o olhar e infelizmente, mesmo não querendo seguro a porta. Ele não corre, tem coragem de vir andando e entrar com toda sua masculinidade.

- Bom dia, senhorita expulsa foda boa da casa sem motivos. - Cruzo os braços olhando atentamente para o perfil daquele ser grande e bonito.

- Eu não expulsei você da minha casa. Apenas mandei que voltasse para a sua porque o clima acabou.

- Então se eu fazer o clima acontecer novamente a gente transa aqui mesmo? - As portas se abriram e eu sorri.

- Estou indo até a lanchonete da minha família para falar sobre você, porque você precisa e eles também. Mas não precisa me pagar com sexo. Mas fica me devendo uma, que tal? - Ele me segue para fora, mas ando mais rápido, abro a porta do caror rápido e o encaro de longe, ele sobe na moto com aquele sorriso petulante e assim que o capacete entra na cabeça ele liga e eu entro saindo primeiro.

.

.

- E você o conhece faz muito tempo? - Meu pai perguntou me encarando tão radicalmente que minhas pernas tremeram. Eu ri.

- É amigo do Naruto, chegou de viagem agora, faz faculdade de medicina e se mudou agora. Ele vai precisar de um emprego, ele é como a Ino, também fugiu dos pais para fazer o que gosta, mas ao menos a Ino tem ajuda do papai. Ele não tem ajuda de ninguém. E ele é forte, vai ajudar a Hanabi com as caixas pesadas, vocês a limpar as mesas. Parece gente boa.

- Tem certeza? Ele usa alguma coisa? - Revirei os olhos ao beber mais café. - Está cansada? Passou a noite acordada de novo?

- Tinha algumas matérias para decorar. Se quiser me liberar eu aceito.

- Traga seu amigo. Se ele tiver por aqui não vou precisar da sua ajuda hoje, pode descansar até mais tarde, ok? - Assenti, graças a Deus.

Dali mesmo liguei para Naruto pedindo o número de Sasuke e depois de dar o número perguntou por Ino. Naruto tem uma grande obsessão por Ino e eu tenho inveja disso. Ino tem uma pessoa linda, gente boa e demais para seu bel-prazer. Liguei para Sasuke que atendeu o telefone com uma desconfiança total.

- É a Hinata? Porque se for eu ainda tô um pouco zangado por ser expulso da sua casa. - Me deu uma voz de choro tão fofa que eu quase gargalho.

- Sasuke, meus pais disseram que se você chegar aqui em quinze minutos o emprego é seu. Vou te mandar o endereço e você vem correndo.

- Manda.

Sasuke realmente não demorou a chegar, em treze minutos ele apareceu com um sorriso sacana e se aproximou de mim no balcão.

- Pai, esse é Sasuke Uchiha. Sasuke esse é Hiashi Hyuga o seu novo chefe. - Eles apertaram as mãos e meu pai o levou para dentro. Espero que ele consiga fazer alguma coisa.

Voltei para casa depois de um tempo e dormir para poder me sustentar em pé. Ino mandou uma mensagem avisando que já estava na faculdade e que eu não precisaria levá-la. Graças a Deus. Dormir por uma tarde toda me deixa bem mais animada do que eu achava. Chegar na faculdade depois de relaxar bastante me deixa mais animada ainda. Ino me encontrou no refeitório e veio me contar sobre Sasuke, eles estão na mesma sala e trocaram os números de celular. Fiquei feliz por ela.

- Ele é simpático, embora seja grande e com cara de mal. Cheio de tatuagens, ele é sexy. Deve ter uma pegada sensacional e eu estou louca para descobrir. - Suspirou pesadamente e me encarou - Ele me contou sobre o emprego que conseguiu. Está até cansado, mas ele tá feliz porque assim vai tentar não pedir ajuda do irmão que casou cedo e tem um emprego bom.

- Melhor para ele. Hanabi me mandou uma mensagem dizendo que ele é prestativo e engraçado. Fez a mamãe pirar a cabeça quando apareceu carregando o jarro de flores preferido e quase o derruba. Mas gostou dele. É animado e divertido.

- Que bom que todo mundo gosta dele. Será que eu conseguiria alguma coisa? Estou mesmo interessada.

- Eu acho que você tem que correr para os braços dele rápido porque eu acho que ele tem várias pretendentes. Ainda mais andando com o Naruto - desvio o olhar para minha apostila e Ino se vira procurando o alvo e bate na mesa com raiva. Eu dou um sorriso.

- Não ria, caramba! O que o Naruto está fazendo?

- Apresentando o amigo para as amigas e eu acho que ele está vindo para cá. - Me divirto mais com a cara de Ino que sorri quando eles sentam em nossa mesa. - Oi Naruto, como vai?

- Bem. Preparando a minha festa. E valeu por ajudar o Sasuke, agora ele quem vai pagar as bebidas quando a gente sair para procurar uma gatinha. - Ele ri.

- Sasuke está procurando uma gatinha? Que interessante - Ino se aproximou do moreno que estava ao seu lado. Olhei para seu rosto e seus olhos não saiam de mim.

- É que interessante. - Ele repetiu olhando para ela - quer tomar alguma coisa depois daqui? - Olhei de Naruto para Sasuke que sorria para Ino, ela ficou vermelha.

- Eu topo. Eu vou só... claro, te ligo. - Ela levantou e saiu correndo praticamente.

Olhei para Naruto que encarava Sasuke sem entender e sorriu.

- Vou pra aula - ele levantou me deixando sozinha com Sasuke que tomava seu refrigerante.

- Você sabe que o Naruto gosta da Ino, não é? - Sasuke me olhou de novo e sorriu.

- Pensei que ele pegasse a Sakura e a Tenten, e também a Tayuya que fez um café doce e muito bom hoje de manhã. Além das três ele marcou encontrou com mais uma hoje e está querendo a Ino que tá me dando mole desde ontem quando me viu no estacionamento? - Eu sabia que Naruto é um galinha, isso nem me surpreende.

- Acho que ele age assim porque a Ino não quer ele. Fica pulando de cama em cama, é normal.

- Sei como é ser rejeitado pela gata que gosta.

- Se ainda estiver falando sobre a expulsão de ontem, quero te informar que eu e você não nos conhecemos, e eu não transo com homens sem o conhecer de verdade.

- Você nem deu chance da gente conhecer.

- Você chegou ontem. - Digo mais séria e ele sorri. - E você tem um encontro com a Ino. - Levanto e escuto seus passos me seguindo.

- Se eu desmarcar você sai comigo?

- Não. - Ele para de me seguir e dou um sorriso antes de me virar na direção. - Bom encontro. - Ele revira os olhos e dar um sorriso antes virar e ir pra sua aula.

.

.

Em frente ao computador encaro a tela sem saber como continuar meu exercício. Preciso comprar algumas coisas para começar a desenhar meus trabalhos. Meu celular não apita nem nada e Ino ainda não mandou mensagem. Será que o encontro está bom o bastante para ela sequer mandar mensagem? E eu não dúvido nada, porque Sasuke ficou comigo por cinco minutos e me sinto excitada até agora. Seu toque, seus beijos, ele é um partidão. Puta merda. Será se realmente o encontro está bom demais? Com tantas dúvidas na minha cabeça eu acabei dormindo cedo e nem arrumei meus trabalhos.

Dormir cedo demais para meu gosto e antes do meu despertador soar as oito da manhã, abri meus olhos ouvindo o som de uma cadeira ser puxada. Encarei Ino sentada ao pé da minha cama, seus olhos grandes e azuis, vestia um casaco grande e tinha um sorriso tão grande nos lábios que me senti perdida. Me apoiei sobre os braços. Minha língua travou para perguntar sobre o encontro.

- Porque você está me olhando antes de dizer bom dia com esse sorriso idiota nos lábios?

- A gente transou. - Ela diz e salta da cadeira - Hinata ele é maravilhoso. Gente boa, tem pegada, é gostoso, tem uma bunda gostosa e macia de pegar. Ele é grande e perfeito. Que tal?!

- Você fez café? Eu to com fome. - Levantei da cama indo até o banheiro e liguei a torneira da banheira.

- Eu to te contando sobre o encontro que eu tive. E foi muito bom.

- Que bom Ino. - Limpo o rosto saindo do banheiro. - Onde foram?

- Pro motel. - Ela diz simplesmente. Paro no segundo degrau da escada e me viro para lhe encarar debaixo.

- Vocês não iam beber alguma coisa?

- A gente bebeu lá. Depois do sexo. Foi o melhor sexo da minha vida. - Revirei os olhos descendo o resto das escadas.

- Eu achei que vocês iam ter um encontro. Quando ele te chamou para sair eu achei que iam em um encontro legal e bebessem antes de transarem e pronto.

- Quando eu saí ele já estava me esperando e eu subi na moto. Ele me beijou e disse: sua cama ou na minha? Eu disse na minha e ele disse que essa ocasião ia precisar de um lugar melhor.

Me virei para Ino antes de cruzar a cozinha.

- Antes Naruto te oferecia um encontro à luz de velas e em um restaurante lindo, com vidros e flores. Além do seu oral perfeito. E você agora está se contentando com: Na sua cama ou na minha? - Ri dela voltando a cozinha.

- Eu disse que estava interessada, Hinata. E tem várias meninas atrás dele, e sabe de uma coisa? É o terceiro dia dele aqui, ou eu aproveito minhas oportunidades.

- Concordo.

- Ótimo. Porque eu chamei ele para almoçar comigo. Aí ele disse que tinha que trabalhar e eu fiquei de passar na lanchonete da sua família, que tal? - Legal.

Ino acordou cedo depois do seu encontro e passou a manhã toda falando de Sasuke para mim. A MANHÃ TODA. Cheguei no trabalho e me assustei ao ver o estacionamento cheio. CHEIO. Olhei para Ino que segurava sua bolsa no ombro sem entender nada.

- Eu perdi alguma coisa?

- Eu acho que quem perdeu fui eu - Avisei e adentrei no local. A lanchonete estava cheia, completamente cheia e de longe vi Sasuke anotando um pedido com a roupa de garçom. As tatuagens em seus braços eram notáveis e a do pescoço mais ainda. Era a visão do paraíso. Olhei ao redor reparando que tinha mais mulheres do que homem. - Eu não acredito nisso.

- Meninas, que bom que chegaram. Querem alguma coisa? Hinata, você passou a noite acordada? - Minha mãe chegou logo nos puxando para o balcão.

- O que aconteceu aqui? Não que a lanchonete não fosse bem construída e lucrativa, mas o que está acontecendo agora?

- Primeiro, Hinata eu quero agradecer por nos apresentar aquele carinha ali - ela apontou para Sasuke se apoiando no balcão. - Desde que ele começou a trabalhar na frente, apareceu tantas clientes. Desde as oito da manhã, e a melhor parte é que ao menos estão consumindo. E eu to gostando. Gostando de verdade. Ele é um amor de pessoa, gentil, um bom partido.

- O meu bom partido. - Ino se achou e eu concordei. - Oi Sasuke, como vai o emprego? Podemos almoçar agora?

- Oi. Tá tudo bem. E eu acho que tô ocupado. - Ele se encostou ali fazendo o sorriso de Ino morrer - E você... - Sasuke me olhou dos pés a cabeça e deixei meu copo de suco, muito gostoso por sinal, sem entender o porquê de ele está falando comigo desse jeito NA FRENTE DA INO. - Já almoçou?

- Eu? - Apontei para mim porque eu ainda não entendi nada. - Eu ainda não porque eu estou com minha amiga que veio ver você. Mas vou almoçar agora porque tenho que trabalhar. Tchau, e tchau Ino.

.

.

- O que foi aquilo? - Olhei para Hanabi ao lado e abriu uma barra de cereal. - Ele ignorou a Ino que veio ficar com ele. Na verdade, todas as mulheres da lanchonete hoje vieram pra ficar com ele. Aí ele fala com você e você dar um chute.

- Ele está saindo com a Ino. E eu não tenho a obrigação de ser gentil com ele. - Hanabi sorriu.

- Tenho que ir. Vou estudar antes de ir para a faculdade. - Avisou e saiu do vestuário.

Esperei a porta se fechar para sentar no banco do vestuário e respirar o mais fundo que podia. Eu ainda não acredito no encontro que Sasuke teve com Ino, aquilo não foi totalmente um encontro; Sasuke a chamou para foder e ela foi porque estava afim. E agora ela vem até aqui para falar com ele e ele mal da moral? Será que ela percebeu alguma coisa depois da sua pergunta que foi direcionada a mim simplesmente? Me olhei no espelho do canto e por ali mesmo eu vi Sasuke aparecer na porta a fechando em seguida. Isso só pode ser. Brincadeira, uma brincadeira cheia de músculos que beija bem pra caramba e que cruzou os braços para me assistir o fitar.

Ino tem razão, Sasuke é potente e muito bonito. E suas tatuagens são seu maior charme. Fiquei de pé finalmente e virei em sua direção. Olhar para ele de frente me faz lembrar da noite passada onde todo aquele fogo, toda aquela excitação que eu senti dentro de mim queimou tão intensamente que me deixou de pernas bambas e sem tempo para aliviar isso. Porque eu preciso aliviar. Excitação acumulado é a pior coisa e eu não vou aguentar ficar muito tempo longe de sexo e acho bom Sasuke Uchiha não ser o meu futuro alvo para foda.

- Achei que seria um encontro entre vocês dois quando a chamou para beber alguma coisa. Juro que pensei em um barzinho, aí depois vocês conversam tranquilamente, mas aí você a convida pro motel, assim, do nada?

- Ela queria sexo e eu dei o que ela queria. Pra ser sincero eu a chamei pra sair porque você não quis sair comigo. - Riu de canto - E ela ligou umas cem vezes e ficou em cima.

- Ela é muito legal, tenta conhecer um pouco mais dela antes de ir pra cama. - Avisei. Sasuke sorriu descruzando os braços e parou bem perto de mim.

- Não estou interessado nela. Eu acho que já te disse isso. Estou interessado em você. Sabe aqueles beijos de ontem, eu não esqueci.

- Você saiu com a Ino, Sasuke. Saiu não, já transaram. E ela está afim. Não vou atrapalhar. Ok?!

Sasuke me encarou dos pés a cabeça e fixa nos meus olhos. Sinto uma queimação entre minhas pernas e o calor daquele quero piora a situação em que me encontro. Desviou o olhar por saber que não vou aguentar. Eu não vou aguentar ficar perto dele. Não vou.

- Eu vou indo. - Assim que passei por ele, sua mão segura a minha me fazendo parar ao seu lado. Nossos olhos se cruzam novamente e sua mão empurra meu cabelo para o lado pausando no meu pescoço. Sua palma é quente e me trás um arrepio gostoso que desceu direto para minha vagina. Eu to molhada demais para desviar o olhar. - Sasuke.

- Você tem namorado? Por isso não quis ficar comigo? Porque assim, a gente tinha uma noite toda e você me mandou embora.

- Primeiro, eu conheci você ontem mesmo e eu não aí transar contigo assim do nada. Não estou reclamando do beijo, ele foi bom. Mas não posso transar com um desconhecido.

- Então porque a gente não se conhece direito? - Ele sugere com um sorriso no rosto. Tento ir novamente, mas dessa vez, para acabar um pouco com a paz que há dentro de mim, Sasuke não deixa meu pescoço deslizando até minha cintura colando seu peito nas minhas costas. Com a mão livre ele ergueu meu cabelo para o lado beijando minha pele, começando de baixo para cima e parando apenas no meu ouvido - quando me mandou embora eu fiquei pensando em você a noite toda. No seu beijo, e em todo aquele calor que você estava emanando. - Sua mão parou sobre meus seios os massageando devagar como na noite anterior.

Puta merda.

- Você já ficou com a Ino primeiro, eu não vou ficar com você também. Ou você está nos comparando como uma brincadeira que pode comer à vontade? Somos amigas Sasuke, e ela está mais interessada do que eu.

- Está me dizendo para voltar a levar ela pro motel? - A Ino merece mais que um convite para motel. Sasuke segurou meu rosto levando em sua direção. - Eu quero você.

Sua boca colou na minha outra vez e seus braços apertaram minha cintura. Sua língua circulou com a minha me causando mais arroios do que eu achava que poderia sentir. Eu estava excitada, molhada que pode chegar a escorrer por minhas pernas. Me viro completamente atacando sua boca e ele ergueu meu corpo do chão.

- Eu gosto do seu beijo - Ele senta no banco ali no meio me puxando mais para perto de si. Sua boca é uma delícia que me enlouquece assim como suas mãos que começam a tirar as alças da minha camisa junto com o avental que já tinha colocado. - Eu vou tirar sua roupa.

- Não para de me beijar. - Tento tirar sua camisa e ele me ajuda se livrando dela. Depois de tirar a minha ele levanta meu sutiã beijando e sugando meus peitos. Jogo minha cabeça para trás sentindo a mesma queimação do dia anterior. Esse homem tem uma pegada que jamais poderá ser superada. Não é a toa que Ino estava rindo hoje de manhã. -Sasuke. - Gemo quando sua mão entra na minha calcinha massageando meu clitóris de um lado para o outro e procurou minha entrada colocando um dedo dentro de mim.

Respeito fundo procurando abrir sua calça e também o tocar, ele estava duro e ficando mais e mais a cada minuto. Já o imagino dentro de mim e eu acho que não vou aguentar esperar tanto para ter esse pau macio e grosso dentro de mim. Comecei o masturbar e a satisfação de ouvi-lo gemer no meu ouvido me deixou mais fascinada por aquele sexo. Ele me beijou novamente esperando gemer na minha boca e rimos juntos.

- Você trancou a porta? - Perguntei me ajeitando em seu colo para começar o que eu desejo agora. Sasuke confirmou segurando minha cintura e cuidando seu pênis para dentro de mim. O olhei de cima e gememos juntos quando seu pênis deslizou para dentro causando inúmeras sensações que não sei como reagir. Sasuke agarrou mais forte minha cintura enquanto eu movia meu quadril. Rebolei sobre seu pau o vendo trincar os dentes para não gemer alto.

- Eu sempre acerto nas mulheres quando digo que estou interessado. - Ele fala dando um sorriso lindo e me abraça - Você é gostosa. - Seu abraço veio como forma de apoio para que nossos momentos começassem. Segurando minha cintura ele me ajudava a subir e descer em seu colo deslizando com calma e um prazer imensurável. Gemiamos poucos um olhando para o outro querendo no máximo gritar. Mas talvez se o fizesse alguém atrapalharia nossa foda que por sinal está mais gostosa do que eu achei que poderia ser.

Seu pau dentro de mim vai fundo se arrastando para fora quando atingia um ponto bom dentro de mim, e quando saia me sentia abandonada, ao voltar me preenchia. Era bom, bom até demais. E quando achei que não poderia melhorar, Sasuke começava a aceitar seus movimentos, seguro em seus ombros o ajudando e o que já estava gostoso começa a ficar ainda melhor. Meus dedos do pé se comprimem em surtos de prazer.

Suas mãos circulam pelo corpo chegando ao meu pescoço onde seus lábios brincam com a minha pele mordendo e chupando, embora não seja forte. Cruzo minhas pernas ao seu redor e Sasuke me segura levantando do banco.

- Consegue gemer baixo? - Ele pergunta com um sorriso no rosto antes de me deitar no banco e voltar para dentro de mim mais forte. Me seguro em seus braços olhando para todo seu corpo se mexendo em prol do meu prazer e a satisfação é grande para não poder gemer alto. Bagunça seu cabelo enquanto ele vai mais fundo. Mais rápido. Mais gostoso. Laça minhas pernas ao redor da sua cintura indo tão profundamente que chego a gemer alto e tampo a boca na mesma hora. Ele ri de mim. Rimos juntos, mas ele nunca para, sempre duro e pronto para intensificar o prazer a cada estocada.

Em pensar que eu poderia ter transado com ele na minha cama não nesse vestiário quente. Sinto os fios de cabelo grudar na minha pele com o calor que corre por nós dois, até as mãos dele pegando fogo estão suadas e quentes ao encostar em mim. Seus movimentos aumentam todas as vezes que geme mais alto, e eu tenho certeza que ainda seremos pegos.

Grudo minhas mãos naquele corpo grande a minha frente. Em seus cabelos negros caindo sobre o rosto. Esse homem é de fato uma questão a ser tratada, e eu vou morrer se fizer isso. Sasuke parou o movimento de seu quadril e eu reclamaria se ele não tivesse me virado de costas. Apoiei uma pena no banco e ele voltou para dentro de mim segurando fortemente no meu quadril. Segurei no banco sustentando todas as suas estocadas grandiosas e cada vez mais gostosas. Eu mordia os lábios querendo não gemer, o barulho do nosso sexo se chocando podia ser claramente ouvido lá fora, espero que ninguém esteja por perto, ninguém mesmo. As mãos que prendia meu quadril desceram até meus seios e seu peito encostou nas minhas costas, íamos juntos e sincronizados e voltávamos ainda mais. Eu não podia mais segurar o orgasmo e me preparei para o momento, virei meu rosto de lado procurando um beijo seu, e seu beijo gostoso foi ápice para que eu chegasse a me derreter por inteira.

Sasuke não demorou muito, mais algumas estocadas com seu gemido no meu ouvido o fizeram gozar e quase que eu também de novo. Respirei fundo quando ele virou para se sentar e me levou junto. Sentei de lado em seu colo deitando a cabeça naquele peitoral maravilhoso e ri.

- Nunca achei que transaria com alguém no vestuário dos meus pais - Disse com um sorriso e me afastei para o encarar - E em falar neles eu tenho que ir.

- Ah, espera - Ele deitou no banco quando levantei catando minha roupa e vestindo. - Eu to no meu intervalo, pode ficar mais um pouco comigo.

- Você marcou de almoçar com a Ino, porque não vai ao menos acompanhá-la? - Sasuke me encarou mais duro e sentou no banco.

- Sério? Acabamos de transar e você tá pensando na sua amiga que eu não to interessado?

- Não se esqueça que ela ta afim, e você transou com ela primeiro. - Ri me olhando no espelho. - E isso como você mesmo disse, sexo sem compromisso.

- E eu achando que era só o Naruto que brincava com foda - Revirei os olhos.

- A propósito, Naruto gosta da Ino, gosta de verdade. - Parei em sua frente, - ele não disse nada sobre você ter saído, saído não, transando com ela?

- Ele estava ocupado demais pegando a Tenten. Ela tem uma elasticidade muito incomum, dizendo Naruto. - Ri e saí daquele lugar antes que alguém venha até nós.

Cheguei no balcão olhando ao meu redor, meus pais estavam almoçando em uma das mesas no salão. Alguns empregados atendendo os clientes e Ino e Hanabi sentadas nas cadeiras ao redor do balcão. Ino estava almoçando como veio fazer e por falar nisso, eu também preciso comer.

- Hinata, pedi pra Sasuke te chamar para almoçar comigo, mas você demorou demais, e eu tenho que ir pra faculdade - Ino contou dando uma risada logo depois - Quero sair cedo.

- Hmmm tem planos? - Hanabi perguntou toda maliciosa, rimos.

- Tenho, mas vocês só vão ficar sabendo amanhã. Agora deixa eu ir. Até mais amiga. E manda um beijo para Sasuke.

Ino se foi com aquele sorriso grande, será que ela ficaria muito brava se eu contar o que aconteceu? Nós somos amigas e ela viu e pegou o Sasuke primeiro. Eu pegar depois seria como chegar e roubar sua foda. Quando o vi no elevador nem passou pela minha cabeça que eu e ele podia ter alguma coisa. Foi só quando ele me beijou naquela mesa, quando me mostrou seus toques e o que queria. Eu não deveria ter escondido ele na minha cozinha. Eu não devia ter deixado ele entrar, a Ino tem uma chave do meu apartamento, ela entraria de vez. Se bem que ela esquece.... Mas isso não conta.

O que conta é que ela está afim de Sasuke, está nas nuvens. E eu acabei de transar com ele. Minhas pernas ainda estão bambas e minha boca sente o gosto da de Sasuke.

- Você vai mandar o beijo da Ino, ou dar o beijo da Ino? - Foi arrancada dos meus devaneios corretos quando Hanabi jogou essa pra mim. Me aproximei bem do seu rosto tendo apenas o balcão entre a gente - Passei vinte minutos no corredor desviando qualquer pessoa que fosse ao vestiário. Tá me devendo uma. - Puxou sua bolsa do balcão saindo com um sorriso de cumplicidade.

Hanabi é foda.

- Ah ela já foi. Que pena. - Sasuke apareceu jogando seu cabelo para trás - Vou voltar lá pra dentro.

Sorriu quando passou por mim com a maior cara de safado, bandido.

Filho da mãe.

Passar uma tarde inteira olhando para Sasuke Uchiha desfilar pelo salão com sua caderneta na mão atendendo os clientes e servindo aos demais. Respirei fundo quando parei em frente ao balcão. Aquele corpo era o melhor que eu já tinha deslizado o meu sobre. Quando o sorriso dele aparecia as meninas se derretem todas e eu também. Infelizmente eu também estou derretida.

- Porque está com essa cara? - Minha mãe parou em minha frente arrumando os canudos e sorriu para mim. - Tá passando mal? Quer alguma coisa?

- Eu estou me sentindo bem. Só estava precisando beber algo gelado e eu vou pra casa mais cedo. Tenho que estudar. - Disse piscando algumas vezes porque eu quero ir para casa neste momento.

- Se não está se sentindo bem me avisa, eu compro o que você quiser. - Minha mãe é muito preocupada com coisas bobas. E sorri tirando o avental. - Se quiser ir não tem problema, seu amigo é muito gentil e cuida bem dos clientes e desde que ele atravessou aquela porta os clientes aumentaram, isso é algo bom, não é?

- O pessoal que está aqui é o pessoal da faculdade. Sasuke é bonito e todo mundo quer ficar com ele. É por isso que tá cheio de mulher por aqui, não percebeu? - Minha mãe olhou e olhou e depois me fitou.

- Já reparei que ele é lindo, que é gentil e muito legal. Eu não tenho problema com isso desde que a clientela aumente. - Avisou muito tranquila pegando os depósitos de canudos e levando para duas mesas que estavam sem.

Revirei os olhos voltando ao vestuário para pegar minha bolsa e saí antes que alguém me note e me pare para uma transa louca. Que droga! Cheguei em casa louca para poder ficar em casa, mas a faculdade precisa de mim. Acabei por ficar e revisar alguns trabalhos e ter tempo de lavar meu cabelo e tomar um super banho de banheira porque eu to precisando. Minhas pernas ainda estão meio bambas e tudo que preciso agora é de uma massagem bem gostosa para relaxar.

Na faculdade encontrei com Ino que já veio logo me baleando sobre as notícias da faculdade. Desde que Sasuke entrou naquele lugar as garotas ficaram atiradas para seu lado. E eu não comentaria sobre isso, porque todas elas querem um pedaço daquele mal caminho, até eu.

- Ele chegou ontem, tipo, ontem e toda mulher nesse lugar quer o meu Sasuke? - Ela se prendeu ao meu braço e começando a andar pelo corredor. Lá no final eu podia ver Naruto e o resto de seu bonde, e quando digo bonde, quero dizer que Sasuke está lá e todo o resto dos amigos dele. Desviei o olhar porque não queria encarar Sasuke, mas quando seus olhos negros prenderam a mim, eu tive que sorri.... para Naruto. - Oi Sasuke?

- Oi - ele apenas a encarou logo desviando para seu caderno. - Fazer medicina não é nada fácil, eu to perdido. - Ele levantou a cabeça de novo.

- Jura? Eu posso te ajudar. Passa lá em casa mais tarde. - Ele levantou pegando sua bolsa e assentiu com um sorriso enorme.

- Vou passar. Até mais - ele se foi seguindo Naruto e Ino me encarou.

- Sim, eu estou apaixonada e com saudade do sexo dele. Ele é demais, você não faz ideia. Até mais. - E foi embora.

- Ah Ino, eu faço ideia sim. E ele é muito bom.

Segui para minha aula que foi uma das melhores, pelo menos para mim que sou uma das melhores alunas. Voltei para casa sozinha e ao parar na minha porta, olhei atentamente para a de Sasuke. Não sei se ele já chegou ou se saiu da faculdade, Ino não me mandou mensagem nem disse nada sobre nada. Geralmente ela me manda mensagem me informando se já chegou e que horas ela vai sair, mas hoje, nada.

Fechei a porta olhando para meu apartamento que precisa de uma grande arrumação de uma decoração melhor. Eu faço arquitetura e preciso dar o exemplo da minha casa mais linda do universo. Ao menos é isso que eu espero do fundo da alma. Troquei de roupa para começar a arrumar a sala e fazer um lanche para mais tarde. Vou estudar e revisar minhas pesquisas. Antes da meia noite, Naruto mandou mensagem perguntando se eu sabia de Ino, e é claro que eu neguei. Amanhã a festa dele para Sasuke será um arraso, até porque, ele deixou as garotas do jornal organizar tudo para dar mais tempo de praticar seu tão sonhado discurso de direito para impressionar o pai. Naruto é um amigo gente boa, e sinto muito que Ino não o veja desta forma.

Há exatamente meia noite eu estava sentada revisando meus trabalhos tomando uma boa taça de vinho quando a lembrança de Sasuke veio a minha cabeça. Aquele sexo foi de outro mundo e em um lugar que eu nunca esperei de fato fazer sexo. Ele tem um corpo tão bonito e sabe conversar, ele te leva em uma lábia.... ele é o idiota. É charmoso de um jeito diferente dos outros da faculdade. Mas igual a todos eles. Olhei meu celular de novo na esperança de ter alguma mensagem de Ino, e o que achei foi uma de Hanabi me avisando que passaria a noite comigo.

Todas as vezes que Hanabi quer dormir comigo é porque algo está a incomodando, e tudo que a incomoda neste mundo gira ao redor dos nossos pais. Devo esperar uma briga, ou uma discussão mais quente? Antes das duas da manhã ela chegou com seu rosto vermelho e entrou jogando sua bolsa, casaco, os sapatos e a blusa longa pelo caminho até se jogar no sofá e me olhar. Cruzei os braços em sua frente e tentei sorrir, mas pela sua cara....

- Eu acho que vou me mudar. - Estreitei os olhos não entendendo nada - Comecei a faculdade agora, quero um canto só pra mim. Como você. Você saiu aos dezoito anos de casa e está bem até agora, tem ajuda do papai e da mamãe.

- O que aconteceu?

- Eu cheguei em casa pra dormir e escutei os gemidos do outro lado do quarto. Acho que sou velha demais para aturar isso. - Rimos juntas. - Estou falando sério. Nossos pais precisam de liberdade e eu não quero ser a única filha dentro de casa escutando as intimidades, ainda mais eu que sempre chego tarde.

- Ah, então tudo bem. Decidi morar sozinha é algo legal. Eu posso ajudar a convencer eles desde que você não queira vir morar comigo. Tem apartamentos vagos aqui nesse prédio, posso falar com o síndico.

- Eu sabia que você ia entender. E agora como eu estou aqui e to vendo pipoca, vou dormir por aqui mesmo e amanhã você me leva pra lanchonete cedo. - Levantou terminando de tirar as roupas e subiu para o banheiro.

Revirei os olhos voltando a minha mesa para estudar, irmãs mais novas dão trabalho, se a sua não dar, ela nasceu errada. Passei os olhos pelo celular vendo o nome de Ino no visor e respirei fundo empolgada e o peguei. Era uma mensagem dela, uma mensagem não, uma foto, uma foto dela na cama com Sasuke dormindo ao lado.

Eu disse, ele é gente boa. É gentil e educado, seu sorriso derrete todas as garotas, diferente dos meninos da faculdade, mas igual a eles.

7 de Abril de 2019 a las 17:38 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo Cap. 2 - Festa, Tapas e um pouco de Loucuras

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 4 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión