Minha estrela Seguir historia

zero_two Yasmim Pires

Ele tinha ido embora meu coração estava tao machucado, porra Bakugo porque faz isso com migo?


Fanfiction Erótico No para niños menores de 13.

#hot #bakudeku #258 #boku-no-hero
1
3.6k VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Lo_Ve

[POV MIDORIYA]

São três e sete da manhã, não consigo se quer dormir, fico parado contemplando o espaço que existe no teto do meu quarto. Não está totalmente escuro, o luar da lua conseguia iluminar pequenos detalhes, fluo em meus pensamentos, quem sou, como estou, e toda essa bobagem que de vez enquanto é bom parar para pensar.

Eu só quero uma arma para atirar, uma lâmina para me cortar, ou alguém pra conversar, eu quero me jogar, na verdade tudo o que eu mais quero é que ele me mande uma mensagem perguntando se estou bem, eu juro que dessa vez não vou mentir, eu nunca fui de mentir para você, estou precisando conversar com você, para ver se eu me sinto bem, você é meu remédio, eu queria estar viciado nesse remédio que só me traz dor, eu queria ter vinte e quatro horas medicados deste remédio, estou louco, necessito do meu remédio da loucura, Então, por favor, atenda quando eu ligar, ás 3 da manhã, chorando e se lamentando, por que em tudo que eu faço, eu tenho que falhar? Eu falhei com você Katsuki Bakugo?

Cruzo os dedos acima da barriga imaginando que minha mão direita é a sua, tentando ter aquela sensação quente que eu tinha toda vez que você vinha no meu quarto de madrugada e deixava eu fazer cafuné no seu cabelo quase platinado bagunçado, era bom, eu gostava, na verdade, eu amava, porque teve que me deixar? Não existe uma noite se quer que não penso em você, do porque teve que ir, como você está, aonde está, se esta si alimentando, se achou alguém melhor para colocar no meu lugar, não sei, existem inúmeras chances, si eu começar a chorar agora, não serei capaz de parar nunca mais, sem você aqui doe meu interior, já faz três meses que não sinto seu cheiro, quase me esqueço de como é aquele aroma doce de quando você entrava em qualquer parte do meu apartamento pequeno e fechado.

Estive buscando um caminho para seguir novamente eu queria que me levasse de volta para a noite em que nos beijamos pela primeira vez, e então eu poderia dizer a mim mesmo, o que diabos devo fazer, e então eu posso dizer a mim mesmo, para não pensar em andar ao seu lado, e que você se foi, e que se não voltou agora, nunca mais irá voltar, eu tive tudo, a maior parte de você, e agora nada de você, Eu não sei o que devo fazer, assombrado pelo seu fantasma, me leve de volta para a noite em que nos beijamos.

Pessoas temporárias, sentimentos temporários, tudo tão desnecessário, odeio esse sentimento, tudo questão de momento, pessoas vão com o vento, por que tudo foi pelo ralo, momentos tão raros, passaram tão rápido, queria que segurasse minha mão, para irmos para outra dimensão, onde não exista podridão, me diz por que isso foi acabar? Fico toda hora pensando em voltar, esperando que você ainda esteja lá, por que tudo teve que ser desse jeito? Esse vazio que vem do meu peito, eu odeio ter todo esse sentimento, ultimamente me sinto tão só, tudo isso entre nós deu um nó fez amor se torna algo pior.

“Não me peça mais para volta” você disse naquela noite que partiu, ainda não sei o que rolou entre nós, e mesmo que eu queira te negar, eu ainda escuto a sua voz, dizendo que me ama, que odeia a si mesmo por ter me maltratado por anos, que me quer perto, que me observa dormindo, ainda escuto tudo, em momentos como esse penso em como estaria se estivesse aqui, eu estaria bem, você estaria, estaríamos bem, mas não estamos.

Meus olhos ameaçando a fechar, novamente sem você, aqui é o meu maior pesadelo, e o pior é que ele dura para sempre. Escutando a janela sendo fechada com força penso logo ser o vento, e se não fosse, poderia ser um ladrão, e se fosse também, que roube meu coração e destrua, leve tudo, nada aqui importa, lembrar de todos estes moveis e lembrar das coisas que fiz em cima deles junto a ele, só me traz mais dor e destruição.

Não sabia que ficaria tão dependente de alguém, ele se foi junto com a minha felicidade, e si ele não voltar não conseguirei ser feliz, estou preso em alguém que não me quer mais.

- Você continua me esperando? – Bakugo?

Sem acreditar em ouvir palavras daquele quarto tão quieto, ouvir a voz era o que me arrepiava, te imaginava aqui, mas nunca te escutei, era apenas fruto da minha imaginação nada mais. Me levantando ficando sentado na cama, consigo ter a visão, a perfeita visão, do loiro com sua regata preta favorita, sua bermuda camurça e uma mochila azul nas costas, seu cabelo cheio de gel estava impecavelmente igual, seus olhos vermelhos viajantes, sua boca fina porem deliciosa, não via a hora de ataca-la, se isso não fosse um belo sonho eu estaria chorando e não faria nada, isso é um sonho, não é?

Começo a me bater repentinas vezes, não é real, não pode ser real, se for real? Eu estaria morto, eu tenho que estar morto, eu não poderia aguentar a dor, ele some e volta como se nada tivesse acontecido? O que eu me tornaria em aceitar isso? Tento causar dor em mim mesmo para ver se acordo desse pesadelo.

- Deku para – ele pede, ignoro e continuo me batendo forte na cabeça – Deku mais que porra para – ele corre para perto de mim e segura meu pulso forte, e é aí que cai na real, percebo que não é sonho, nem pesadelo, é real, ele voltou, meu remédio voltou. Ele me encara assustado, vê-lo de perto traz uma sensação de alivio no meu coração, como se invés de uma pedra agora fosse uma pena em cima de mim, ele estava aqui, parado, na minha frente, não consigo evitar, eu quero muito jogar ele na cama e fazer o que bem entender com esse corpo, mas sei que não posso me entregar assim.

- Bakugo? – Falo com a voz meio tremula ainda, era difícil aceitar que ele estava aqui.

- Eu sei, eu te deixei, mais agora eu estou aqui, isso que importa Deku – ele fala como se estivesse desesperado, ele quer algo, algo de mim, é como se ele não tivesse muitos minutos de vida e precisasse disso o mais rápido o possível, mais o que seria?

- Eu não – ele interrompe.

- Você deve estar confuso – ele joga a mochila no chão e senta na cama do meu lado – Eu fui embora, eu estava desposto a te deixar para ser livre, eu queria ser livre, e eu fui, livre até de mais, é errado eu querer ir embora da sua vida só para ver o que acontece, mesmo sabendo disso, eu fui, uma parte de mim queria que você sofresse, Deku eu não tinha cabeça pra assimilar que você é o grande amor da minha vida, você é alguém ao qual eu obtenho muitos sentimentos, sentimentos intensos, eu queria que você derrubasse lagrimas por mim, poxa, eu passei tanto tempo querendo te vencer, ser melhor, passamos a maior parte das nossas vidas brigados, e de uma hora para a outra estávamos fazendo sexo no chão do seu banheiro, eu estava confuso, acho que esse tempo foi bom para pensarmos no que queremos

Eu não quero um amigo, eu quero minha vida em dois, esperando por você, quando estava por perto, dançava lentamente no escuro, eu conseguia te beijar na chuva, era para você acabar nos meus braços, você já se decidiu, eu não preciso mais de sinais, dê-me razões para estarmos juntos, você queria que eu sofresse, e eu sofri, para cacete Bakugo, você me olhou como se eu fosse outra pessoa, você não percebe? Eu não quero dançar lentamente, eu que eu, me prendendo em você, como nos velhos tempos.

- Diga algo Deku.

- você ganhou Bakugo – solto um riso nasal e direciono meu olhar para seus olhos confusos e curiosos – você queria que eu sofresse? Eu sofri, meu coração esteve partido por todo esse tempo longe de você, e em nenhum segundo você pensou em como eu estava morrendo sem você aqui, eu pensei que eu tinha feito algo errado, eu me culpei, eu tentei me relacionar com outras pessoas, Todoroki foi uma dessas pessoas, mas nada era a resposta, nada era forte o suficiente para me manter em pé, eu não conseguia comer, pensar, dormir nem amar, eu não era eu, entende? – Ele me encara – e eu fiquei aqui, te esperando, deixando essa dor tomar conta de mim, deixando meu coração se afundar em magoas, lembranças, deixando ele ser completamente seu, inteiramente e unicamente, seu.

O silencio que predominou no quarto era de cortar os pulsos, ele não conseguia me olhar e eu não conseguia parar de olhar ele, o quarto ainda este escuro, o quarto, por mais que nos dois estejamos aqui, este vazio.

- Eu não consigo – ele pausa o silencio.

- Não consegue o que Bakugo?

- Ficar sem beijar você.

E assim, suas mãos são direcionadas ao meu rosto, elas são tão quentes, mesmo me odiando por isso, aceitei seus lábios nos meus, aceitei o contato da sua pele na minha, eu aceitei ele me domar, e agora já era tarde.

Escuto o estralo do beijo, uma parte de mim queria dar fim, mas quando ele me puxou forte pela cintura para cima dele, foi o meu orgasmo final, suas mãos passeavam pelas minhas costas e lombar, me arrepiando, e trazendo sensações distintas, eu apenas conseguia acariciar seu maxilar, era tão definido, artistas deveriam ter inveja dos traços dele, ele morde meu lábio inferior e dando início a um novo beijo, e depois outro e outro, virou um vício, meu remédio tinha voltado,

Antes eu não ligava, eu ignorava, o que você vai fazer? É incrível lembrar da sensação que eu tinha toda vez que nossos beijos obtinham intensidade, não importava aonde ou quando, você sempre foi cheio de novas traquinagens para nos divertir, mesmo que eu na maioria das vezes saia machucado, eu gostava desta dor, eu amava misturar dor com prazer, eu deveria me conter? Esta tão quente aqui, nós vamos queimar a casa inteira, diga-me, estou ficando louco, diga-me, eu perdi o juízo, estou apenas com medo de amar, e medo do que me aguarda de baixo das suas calças.

Alguém acorda meu coração, me acenda, acenda o fogo em minha alma, me deixe sem conseguir dormir, eu quero não poder sentir meu quadril pela manhã, então por favor, para essa porra de beijo e me domine.

- Kacchan, por favor – tento falar entre beijos abafados.

- Se eu começar agora, pecado após pecado, você não sentirá mais nada – ele sorri malicioso, ele não consegue entender que é exatamente o que eu quero?

Eu quero jogos mentais até você me fazer perder o controle, bem, talvez eu pudesse te chamar de Daddy, E você poderia me ensinar todas as regras, sim, eu sou um bom menino, é verdade, mas eu quero ser muito mal com você, me faça gritar de dor,

Você é Um pouco perigoso, é verdade, e eu sou apenas um pouquinho tímido

Mas eu poderia ser muito bom para você.

- Veja o que posso fazer o seu corpo – aproveitando minha vantagem de estar por cima, retiro suas mãos das minhas costas e as levo ao topo de sua cabeça, depois de uma encarada grotesca com seus olhos cheios de desejo, faço uma trilha de beijos lentos e torturantes pela barriga até chegar na barra da bermuda, sem pensar duas vezes desboto com os dentes provando que posso ser perigoso também, Bakugo se arrepia, talvez um medo o chamou, não há do que ter medo, eu não morderei nas partes delicadas.

Vejo sua cueca box preta, seria mais complexo a retirar com a boca, mas sei que si eu tirar as minhas mãos que prendem as suas você trocaria de posição e eu teria que pagar pelo meu castigo mais cedo do que eu planejo, então faço um esforço maior para retirar a fina camada de tecido que cobria o que me faz ter fortes dores nos quadris.

- Você está tão duro kacchan – falo vendo o quão rígido o pau dele estava.

- Você não faz ideia - sem deixar que ele pense que me intimido por ver o tamanho abocanho tudo de uma vez, fazendo ele gritar, passando a minha língua dentro da minha boca passear por toda a extensão do membro, fazendo as pernas do maior tremerem, fico feliz por estar reagindo assim, começo movimentos de vai e vem.

- Mais... mais rápido... por favor – ele arfa tanto que é quase impossível entender algo, faço o oposto, ele tenta forçar o quadril para foder minha boca, infelizmente consigo jogar meu peso sobre ele impedindo de fazer tal ato.

Quem é a puta agora?

- Você realmente está me torturando desse jeito? – Olho para ele que estava furioso e apenas continuo com meus movimentos lentos – eu vou fazer você chorar.

Você é Como um tipo de sádico, Eu acho que ele gosta de ver a dor nos meus olhos, é nítido ver que não aguento tudo o que ele tem, Ele sabe que eu estou apaixonado, Quanto mais eu fico com ele, menos eu fico vivo, mais agora isso tudo não é necessário.

- Diga meu nome, diga meu nome – repito pausando- Se quer algo mais forte que isso, diga: Querido, eu te amo

- Eu te amo Izuku midoriya.

- Ótimo – sorrio satisfeito, aumento os movimentos, cada vez mais fundo, cada vez mais forte e rápido, meus movimentos eram frenéticos, suas pernas tremiam, gemia como se fosse a minha puta, e você era a minha puta, sua vez de chorar!

Você goza na minha boce sem avisar, chupo tudo te olhando, Bakugo joga a cabeça para traz e contorce as costas, foi um orgasmo tão forte assim?

- Tire suas roupas – ele grita, me assusto – agora.

Retiro a camisa, mas as calças finjo não conseguir retirá-las para estressa-lo mais, fazendo ele vir até mim e tira-la com raiva.

- Deite de frente para mim, me implore para parar, eu prometo que vou adorar se você fizer isso, então faça isso por mim,

Desceu mordidas e chupões pelo meu pescoço e peito, deixando marcas roxas, minhas mãos seguravam a fronha da cama com força, doía quando sua boca encostava na minha pele, Ele pegou meus pulsos os aprisionando, gemia igual uma garota virgem, eu tentava desesperadamente me soltar para toca-lo. Apertou meus pulsos com mais força me fazendo arfar de dor. Estávamos sem roupa e nossos membros estavam colados, rebolei. E comecei a gemer bem mais alto, pois a medida que eu me mexia ele chupava a minha pele com mais intensidade

- Precisarei prendê-lo de outra forma- ele disse se levantando e indo até meu armário, procurando em todas as gavetas achou um cinto que eu usava com roupas mais casuais, ele me amarrou com o mesmo

Colocou suas mãos no meu abdômen definido e sem me avisar nada meteu o membro com força no meu buraco, que era tão apertado, ele gemeu alto quando entrou, já eu, gemia de pura dor, já tinha se passado muito tempo, parecia até que estava maior, doeu para caralho, não me deu tempo de me acostumar e começou a meter forte e doloroso do melhor jeito, que só ele sabia como.

- Está gostoso - sussurrei. - Estou me sentido horrível por achar isso bom.

Ele riu, mas não parou, suas unhas curtas começaram a rasgar meu abdomen, ardia, e ficava a marca fraca de sangue.

Me ouviu gemer alto, e isso parece que foi seu auge, eu já tinha gozado três vezes, a cama tinha uma poça branca que escorria até o chão, você cai do meu lado, com a respiração totalmente bagunçada, como a minha, eu estou todo vermelho, ele me apertou e me fez sangrar, pouco, mas fez, fecho os olhos pelo cansaço, Bakugo me cobre me abraçando nos encaixando em uma perfeita conchinha, ele carência meu cabelo e de vez enquanto dos beijinhos na minha cabeça.

- Eu prometo nunca mais ir embora meu pequeno.

- Assim espero.

- Não se preocupe – ele me aperta forte nos braços como se me soltar seria como se me soltasse para sempre – e então.... Quem é esse tal de Todoroki?

30 de Marzo de 2019 a las 16:38 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~