Alma Gêmea Seguir historia

aikimsoo Ai KimSoo

Em uma universidade conceituada onde somente Alfas e Ômegas, maioria classe média e alta, frequentam o estabelecimento, Do Kyungsoo, um tímido Beta classe baixa que se rebaixa por tudo, estuda nela há 6 meses e faz de tudo para que ninguém o note. Kim Jongin, um Alfa de classe alta, que tinha uma admiração secreta por alguém e não sabia se expressar, também estuda na mesma universidade conceituada. Com o início de um novo período de aulas, uma chopada chega e traz revelações para todos. Afinal, Kyungsoo é mesmo um Beta? E o que mais se inicia nesta chopada? Uma Kaisoo Abo que vai trazer várias intrigas, amores e muita fofura.


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#gay #yaoi #sexo #lemon #chanbaek #kaisoo #kai #jongin #kyungsoo #abo #taoris #hunhan #almagemea #aikimsoo
17
1844 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los sábados
tiempo de lectura
AA Compartir

A Chopada

Notas iniciais:
OIE DANGOS!!!
Olha qual era a fic que prometi pra vocês!!!!

Espero que apreciem a nova leitura pra uns e a releitura pra outros.

Do Kyungsoo

-Kyunggie, levanta essa bunda da cama e vamos logo pra aula! – Baekhyun reclamava enquanto puxava meu edredom.

-Me deixa, hyung! Não quero ter que ir para uma faculdade onde só aceitam alfas e ômegas! – reclamei enfiando o rosto no travesseiro.

-Você já estuda lá há 6 meses! Olha, eu sei que você ainda tem 18 anos e que pode trocar de faculdade quantas vezes quiser, mas poxa, Kyunggie! Você sabe como é uma oportunidade única estudar lá e ainda ter bolsa? Lembra como nossos pais suavam para pagar a outra metade da minha faculdade? – ele perguntou, mas eu nada respondi. – Ok, se você não quer levantar por uma palhaçada dessa, então sugiro que você converse com o Channie e vá com ele na coordenação cancelar sua matrícula! – com isso, meu irmão mais velho saiu do quarto completamente fulo da vida.

Continuei deitado na cama, mas agora eu tinha ficado de barriga para cima e fitava o teto. Baekhyun não estava errado e eu não poderia ficar me lamuriando. Estudar na faculdade que ele e eu estudávamos não era para qualquer um, ainda mais quando se tem bolsa. A faculdade UKS (Universidade Korean Seoul) era muito famosa por sua formação de melhores profissionais em todos os cursos que oferecia e só aceitava Alfas e Ômegas de classe média/alta, coisa que Baekhyun e eu passamos bem longe de ser. Se não fosse por Chanyeol – professor de música, expressão sonora e namorado do meu irmão – eu não estaria lá e Baekhyun teria perdido sua bolsa por não termos como pagar.

Sentei na cama e olhei para o porta-retrato que tinha na minha cabeceira. Na foto estavam nossos pais, eu, Baekkie e Chanyeol, todos sorrindo como se fôssemos ser felizes para sempre. Fazia 6 meses que descobrimos que isso não aconteceria e eu sinceramente ainda não me sentia totalmente recuperado. Na verdade, talvez nunca me recuperasse. Peguei o objeto que eu olhava, acariciei o rosto dos meus pais e depois o coloquei em seu lugar. Levantei da cama e segui para o banheiro que tinha no corredor. Consegui ouvir meu irmão conversando com o dono da casa – vulgo seu namorado – e falando sobre a minha possível decisão de trancar minha matrícula. Suspirei pesadamente e fui para o banho.

Após me lavar e colocar uma roupa casual para a aula, fui até meu quarto e peguei meu material. Coloquei minha mochila preta nas costas e desci as escadas, encontrando Baekhyun saindo pela porta e Chanyeol pegando a chave.

-Oh! Bom dia, pequeno Kyunggie! – Chanyeol falou abrindo um enorme sorriso. Ele podia ser mais velho, porém, parecia ter a mesma idade que meu irmão e eu.

-Bom dia... – respondi baixo, mas eu sabia que ele ouviria, afinal, Park Chanyeol era um alfa.

-Resolveu ir para a aula? – Baek apareceu atrás do namorado e me encarava com uma cara de poucos amigos.

-Sim. – foi tudo o que respondi.

-Então vamos logo para o carro, não posso atrasar meu par de irmãos preferidos! – Chanyeol decretou me puxando pela mão e trazendo meu irmão junto após fechar a casa.

Park Chanyeol era uma excelente pessoa e se não fosse por ele, Baekkie e eu provavelmente estaríamos passando um enorme sufoco. Baekhyun e Chanyeol começaram a namorar quando meu irmão tinha 15 anos e Chanyeol 20. Tinha sido uma confusão só em casa, porque Chanyeol e Baek se conheceram através da internet e nossos pais achavam que Chanyeol poderia fazer algo de ruim ao meu irmão, mas no final, devíamos tudo a ele.

-Eu não vou trancar minha matrícula. – anunciei baixinho enquanto estávamos na estrada a caminho da faculdade.

-Não se sinta pressionado, Kyunggie. Se trancarmos sua faculdade, não haverá problemas e você pode retomá-la quando se sentir mais confortável. – Chanyeol me confortou enquanto Baek me ignorava.

-Não, eu não vou trancar e prometo não causar problemas. – murmurei e ouvi o suspiro do mais velho.

Eu era um beta – apesar de quando nasci dizerem que eu seria um ômega como meu irmão – e estudar em um lugar que só admitia ômegas e alfas, de classe média/alta ainda por cima, me fazia ser o centro dos bullyings. AH! Não podemos deixar de lembrar do fato de que sou bolsista e “protegido” do melhor e mais simpático professor de música da instituição. Meu irmão também era bolsista e bastante visado por ser o namorado do professor, mas as pessoas o conheceram quando ele entrou por seus próprios méritos e como o mesmo já estudava lá há 1 ano, já tinha seu grupo de amigos e era querido por todos. Eu não tinha méritos. Não passava de um beta bolsista e órfão. Não passava de um mero beta num lugar de ômegas e alfas.

Olhei para fora da janela e fiquei pensando como seria maravilhoso se Baekhyun tivesse tempo para ficar comigo. Fazíamos o mesmo curso – Artes Cênicas – mas por ele estar em um período à frente, nossos horários não batiam e ele não podia nem mesmo repetir para ficar comigo. Minha vida acadêmica na faculdade era uma bosta.

-Kyungsoo! – Baekhyun me chamou e eu o olhei. Percebi que já tínhamos chegado ao estacionamento e que meu irmão mais velho estava bolado comigo por ter me chamado pelo nome e não por “Kyunggie”.

Suspirei pesadamente enquanto saía do carro e quando fechei a porta, me despedi dos dois e segui meu caminho. Baekhyun nem se importou em me desejar boa aula, estava irritado comigo e eu conseguia entender seu motivo. Chanyeol não tinha obrigação de nos ajudar em nada e muito menos me acolher, já que nem marcado como ômega do Chanyeol meu irmão era. Eles apenas namoravam e agora moravam juntos com a carga extra, vulgo eu. E pela terceira vez naquele dia, suspirei com pesar. Estava tão perdido na minha vida de merda, que esbarrei em alguém.

-Me desculpe, por favor... – comecei a implorar sem olhar para cima. Implorar era algo que eu fazia com uma quantidade considerável de frequência com todos daquele lugar, afinal, eu era pobre e um beta. Era inferior.

-Não precisar! Eu ser culpado. – ouvi uma voz masculina e carregada de sotaque dizer. Levantei o rosto e encontrei um rapaz de feições delicadas, sorriso simpático, loiro e um pouco mais alto que eu. Ele era ômega e estrangeiro.

-Você é estrangeiro? – acabei perguntando e logo em seguida mordi minha língua. O que eu tinha na cabeça para falar tão normalmente com alguém superior a mim?! E que pergunta idiota era aquela? Claro que ele era estrangeiro, olha o sotaque!

-SIM! Ser Lu Han! China, Pequim. – ele respondeu sorrindo alegremente. – Você ser?

-Kyungsoo... Com licença. – pedi e iria me afastar, mas ele segurou meu braço.

-Por que fugir? Ser novo e perdido. – ele alegou e me olhou desesperado.

-Eu sou um beta e não sou uma boa companhia. Olha, vou mandar uma mensagem para o meu irmão e ele te ajuda ok? Ele estuda aqui há mais tempo, é ômega e...

-BETA?! KYAAAA! – ele gritou e pulou em mim, o que me fez arregalar meus olhos já grandes. – MINHA MÃE SER BETA!

-É melhor me largar, se não...

-Somos amigos! – Luhan declarou e eu consegui deixar meus olhos maiores do que já eram. – Me mostrar a faculdade!

-Mas sua reputação...

-Que reputação! Beta é legal! – ele insistiu e saiu me arrastando.

-Você ao menos sabe para onde está indo? – perguntei rindo e pensando que talvez, por um momento, eu teria meu primeiro amigo em toda a faculdade.

Luhan era da mesma turma que meu irmão, então não pudemos ter todas as aulas juntos, mas tivemos umas 3, porque Luhan não tinha tido aquelas matérias na China e precisava acrescentar em seu currículo estudantil. Na última aula, que nos liberaria para o almoço, Luhan e eu saímos animados para a fila do bandejão. Luhan estava incomodado com o quanto eu era excluído por ser um beta e dizia como odiava toda aquela hierarquia. Sinceramente, eu acho que ele tinha um jeito de alfa, embora fosse nitidamente um ômega.

-Então eu já estou super animada com a chopada! – ouvimos uma menina dizer enquanto passava por nós.

-Hoje ter festa? – Luhan perguntou animado.

-Sim, já que é volta das férias...

-VAMOS! – ele gritou animado e eu torci o nariz.

-Não costumo ir nessas festas, Luhan-hyung. Eu sou um beta e...

-Kyunggie, para! Ser beta não ser ruim, assim como um ômega também não ser ruim! Alfas não servem pra nada além de mandar e achar que manda! Mamãe manda no papai e ele ser alfa! – Luhan protestou e eu iria responder, mas esbarraram brutalmente em mim e eu fui direto para o chão. Infelizmente, em momentos assim, eu tinha a delicadeza dos ômegas, mesmo que eu fosse beta.

-Desculpe, por favor... – pedi de rosto abaixado.

-Não pedir desculpas! Ele ser o errado! – Luhan me advertiu firmemente e eu levantei o rosto para ver quem era. Bom... eu teria meu funeral sim, porque quem tinha me derrubado era Oh Sehun.

-Luhan-hyung, não! Ele é um alfa muito poderoso. – eu sussurrei a última parte após ficar de pé e fazer uma careta de dor. Eu sentia um calor e dor na barriga há alguns dias, mas andava ignorando e agora aquela sensação tinha voltado por culpa do tombo.

-Sussurrar pra quê?! Ele poder ouvir! – Luhan me lembrou e eu mordi minha língua.

-Para um ômega, você é muito atrevido. – Oh Sehun observou com uma expressão de nada. Ele definitivamente fazia jus ao apelido de porta às vezes. Sehun era comprido, liso e sem expressão.

-Só por ser ômega não poder falar?! Avá! Chegar disso, vamos Kyunggie. – Luhan estava irritado e saiu me puxando pelo braço. Eu tentaria pedir desculpas, mas meu novo amigo era mais rápido e nos fez ficar na fila de uma vez. – AISH! Eu detestar aquele alfa!

-Ele é poderoso, Luhan-hyung! Ele e o Kim Jongin são a sensação da faculdade, ninguém os contraria. – expliquei e ele bufou. Eu fiz careta por sentir uma fome avassaladora e a barriga doer.

-Kyunggie, você ser sempre tão quente? – Luhan questionou e eu o fitei confuso, mas nossa hora para pagar a comida chegou e deixamos de lado.

Após pagarmos e pegarmos nossa autorização para entrar no bandejão, fomos pegar nossas comidas. O lugar estava cheio, como sempre, e eu tinha que andar com muito cuidado para não esbarrar em ninguém ou acabaria derrubando minha bandeja cheia de comida. Luhan viu um lugar distante com somente uma cadeira e olhou para mim, mas eu fiz um movimento com a cabeça indicando que ele deveria ir e se sentar. Ele relutou, mas eu insisti e com isso ele sentou primeiro.

Eu fiquei olhando para ver se achava alguma cadeira vazia e no meio disso tudo eu avistei meu irmão e Chanyeol gargalhando enquanto almoçavam juntos. Eles eram tão perfeitos, que eu ainda não entendia a razão de Chanyeol não ter marcado o Baekkie como seu. Desviei o olhar deles e vi quando uma menina levantou de uma cadeira. Sorri satisfeito com aquilo e segui naquela direção, mas antes de conseguir chegar até o assento, tropecei e caí. Derrubei toda a comida em mim e no piso do refeitório. Mordi o lábio inferior com força. Queria muito chorar e sabia que tinha atenção de todos os presentes ali em mim, o que só aumentava minha vontade.

-Aprende a não ficar se achando. – ouvi uma voz grossa e eu sabia quem era. Kim Jongin. Olhei para cima e ele jogou o suco de uva do dia em cima de mim, me molhando completamente. Senti a dor no meu estômago de novo, senti fome e calor. Minha vontade de chorar só aumentou.

-FICAR MALUCO?! PERDER JUÍZO?! – ouvi a voz familiar que tinha me acompanhado a manhã inteira. Olhei para trás e Luhan vinha em disparada para cima de Kim Jongin, o empurrando com brutalidade logo em seguida.

-LUHAN! – eu gritei assustado. O que é isso meu pai? Ele é um ômega e está desafiando um alfa! Um alfa puro, ainda por cima!

-Ficou maluco?! – Jongin perguntou alterado e eu tratei de ficar logo em pé.

-Desculpa, por favor, desculpa! – pedi ficando entre Luhan e Jongin. Eu tinha a cabeça baixa e fazia reverência, mas Luhan me puxou para cima.

-NÃO SE DESCULPE! Esse idiota que te derrubou! – meu amigo chinês estava alterado.

-Quem vai se desculpar é você! – Jongin declarou firme e eu senti sua voz de alfa ser usada. Me encolhi todo e senti Luhan se encolher, mas como em um passe de mágica, meu amigo chinês simplesmente se mexeu, pegou um copo na mesa e jogou em cima de Jongin.

-NÃO USAR ESSA VOZ IDIOTA PRA CIMA DE MIM!

-COMO É QUE É?! – e eu me coloquei na frente, levando o soco que Jongin daria no rosto de Luhan.

-Kyunggie! – ouvi meu amigo estrangeiro gritar e o vi se abaixar. Eu tentei falar que ele seria pego por Jongin, mas o alfa moreno fora puxado brutalmente para trás.

-Você é bastante corajoso! Na verdade, os dois são. – Oh Sehun comentou e depois arrastou o amigo, que se debatia, para fora do refeitório e gritava em fúria.

-Kyunggie?! – ouvi a voz do meu irmão se aproximar e eu fechei os olhos tentando conter as lágrimas.

-O QUE ACONTECEU AQUI?! EXIJO EXPLICAÇÕES! – Chanyeol usou sua voz de alfa e eu me encolhi. Ele era risonho, brincalhão e um grande amigo, mas também sabia ser completamente assustador quando se estressava.

-Eu ouvi um barulho enquanto saía do refeitório com o Channie e depois ouvimos que estavam brigando com você... – Baekkie falava preocupado e eu senti que não conseguiria mais segurar as lágrimas. Minha barriga doía, eu sentia calor e estava com fome.

-Quem ser você?! – Luhan questionou e eu abri os olhos.

Com uma força do além, libertei-me das mãos do meu irmão e do chinês, ficando de pé rapidamente e saí correndo daquele lugar. Eu estava indo para um lugar óbvio demais? Estava, mas era o único local que eu sentia que podia sofrer em paz. Assim que vi o primeiro banheiro masculino, entrei sem hesitar e me tranquei em uma das cabines. Escorreguei pela parede, abracei minha perna e me deixei chorar.

-Argh! – ouvi praguejarem. Segurei o meu choro e prendi a respiração. Não queria ser ouvido e muito menos perturbado. Nessa hora, agradeci muito por não ter cheiro nenhum ou saberiam que eu estava ali.

-Vai pra casa antes que o Park te encontre! – ouvi a voz de Sehun e senti meu corpo se arrepiar. Se me encontrassem ali, eu seria um beta morto.

-Eu vou ver se os preparativos da chopada já estão prontos. – ouvi Jongin dizer e pelo barulho da porta, deduzi que tinham ido embora.

Soltei a respiração que tinha prendido e senti uma fisgada um tanto forte na minha barriga. Ofeguei um pouco diante a sensação e quando a senti parar, resolvi que precisava sair do banheiro e tomar algum remédio para dor. Saí da cabine e quando abri a porta para deixar o local, deparei-me com Luhan e Baekhyun.

-KYUNGGIE! – os dois gritaram e vieram me abraçar, mas eu os afastei.

-Estou sujo. – lembrei e eles reviraram os olhos.

-Estávamos preocupados! Não saia mais desse jeito! – meu irmão brigou e deu um tapa na minha cabeça.

-Aish hyung! – choraminguei e o vi levantar a mão para me bater de novo, mas Luhan impediu.

Apresentei os dois ômegas quando os vi se encararem com desdém e após ambos se conhecerem, que conseguiram abrandar as expressões. Em algum momento que nós três estávamos juntos e já afastados do banheiro, Luhan voltou a mencionar sobre a chopada e eu disse que não queria ir. Baekhyun ficou animado que Luhan estava tentando me arrastar e acabou se empolgando também, mas eu insistia que não deveria, que era um beta, que já tinha sido humilhado demais por um dia e tudo mais. Estava realmente quase os convencendo, quando Chanyeol chegou e disse que iria conosco.

-Channie é o melhor! – Baekkie gritou pulando em cima do namorado e dando um selinho rápido.

-Você não ser professor? – Luhan perguntou confuso.

-Sim, mas antes de tudo, sou namorado do Baekkie. – o meu cunhado respondeu sorrindo e abraçando meu irmão por trás.

-Mas eu não sentir seu cheiro nele. – Luhan comentou e eu sabia que ele se referia ao fato do meu irmão não ser marcado como ômega do Chanyeol.

-Estamos esperando meu cio para ele me marcar. O cio dele vai ter poucos dias de diferença do meu e assim a marca vai ser mais intensa. – Baekkie explicou e pela primeira vez eu entendi a razão dos dois.

-Ah sim! Que legal! Namoram ter bastante tempo? – Luhan quis saber enquanto caminhávamos pelos corredores. Baekhyun respondeu que eles estavam juntos há 4 anos, já que começaram a namorar quando Baekkie tinha 15 e meu irmão estava com 19 agora. Luhan ficou surpreso e feliz. Eu ainda estava molhado de suco e com algumas partes da roupa suja de comida. Minha fome estava gritante, mas eu não conseguia falar nada.

-Hum... Estão sentindo esse cheiro? – Chanyeol perguntou e o olhamos confuso.

-Que cheiro? – Baekkie questionou.

-Não sei, não consigo identificar ainda. É bem fraquinho, mas é um cheiro novo. – ele respondeu e cheirou o ar. – Baekkie, você não está grávido né?

-Até parece! – meu irmão respondeu dando um tapa na mão do maior, que estava se dirigindo até sua barriga.

-Que estranho... Está ficando um pouco mais forte, mas ainda não consigo identificar. Parece flor de cerejeira. – o professor insistiu e acabamos olhando ao redor, em busca de alguma árvore de cerejeira, mas nada encontramos.

-Hum... estranho... – Luhan murmurou e de repente olhou para mim sorrindo. – Vamos para a chopada?

-Estou sujo e...

-Eu saber dirigir! Vamos até sua casa trocar de roupa! – o chinês me cortou.

-Ahhh ótima ideia! Channie, nos encontramos aqui então. Quando chegarmos, te ligo avisando. – meu irmão decidiu me puxando para a saída.

Tentei protestar de várias formas, mas aqueles dois ômegas eram temperamentais e estavam decididos a não me deixar ter opinião. Ainda se julgavam diferentes dos outros, quando na verdade, estavam me tratando igualzinho aos demais e isso tudo porque eu era um diacho de um beta. Reclamei mais algumas vezes e somente quando chegamos em casa e eu senti o cheiro de qualquer coisa para comer, calei minha boca e avancei nas frutas.

-Não comer ter quantos dias, Kyunggie? – Luhan zombou.

-Eu nem tomei café! – respondi com a boca cheia de banana.

Baekhyun e Luhan subiram para o segundo andar, enquanto eu me fazia nas frutas. Fiquei no andar de baixo matando minha fome, até os dois ômegas aparecerem com roupas nos braços e me empurrarem para um banho. Como eu já estava satisfeito, decidi que faria o que queriam e fui sem protestos. Quando terminei de me secar e fui pegar a roupa, percebi que a calça era preta e muito justa, assim como a blusa cinza. Baekhyun com certeza tinha pegado algumas peças de suas roupas no quarto dele.

-ESTÁ LINDO! – Luhan elogiou esbaforido assim que saí do banho.

-Vamos passar maquiagem...

-Hyung, não quero. Eu vou sem reclamar para a chopada, mas não quero me enfeitar. – avisei sério e vi meu irmão mais velho recuar.

-Ok, então vamos. – foi tudo o que ele disse e saímos de casa, indo para o carro de Luhan.

No meio do caminho, os dois cantavam alguma música de algum grupo feminino e eu cruzei as pernas, enquanto sentia o incômodo na minha barriga aumentar. Eu tinha esquecido de tomar algum remédio e falar agora que eu estava sentindo dor acabaria com a animação dos dois. Decidi olhar para fora da janela do carro e fiquei contando até chegarmos ao estacionamento. Dessa vez, Baekkie não precisou me gritar para sair do carro, consegui sair sozinho e já ouvia a música alta que tocava no campus da faculdade.

Após meu irmão avisar ao namorado que tinha chegado conosco, esperamos que meu cunhado aparecesse no portão para entramos. Chanyeol resmungou que continuava sentindo a porcaria do cheiro de alguma árvore de cerejeira, mas ainda não tinha encontrado aquela praga. Todos achariam estranho um professor na chopada, mas ninguém reclamava, porque Chanyeol era querido por todos e se passava facilmente por um de nós. Em meio a corpos dançando, eu comecei a sentir uma leve tontura.

-Eu vou ao banheiro. – avisei no ouvido de Luhan, que concordou e eu me afastei.

Minha barriga doía mais agora e eu sentia algo estranho. Meu corpo estava quente, algo abaixo de mim estava um pouco úmido e eu sentia vontade de algo que eu não fazia ideia. Desviei de vários corpos suados e ouvi alguns rosnarem para mim, o que me fez ficar com o corpo arrepiado. Apressei os passos para chegar ao banheiro logo e lavar o rosto, mas a dor começou a intensificar e eu acabei sentado pelo corredor. Não tinha forças para seguir em frente.

-Aish... – ouvi um resmungo baixo e um cheiro muito forte de menta se apossar do meu nariz. Aquilo parecia cheiro de algum alfa... – Droga, preciso ir para casa... – ouvi murmurarem e eu reconheci aquela voz, mas não consegui nomeá-la. Estava tonto para pensar com clareza.

-Aahhh... – acabei gemendo ao sentir mais dor e me contorci no chão.

-Alguém está aí? – ouvi perguntarem.

-Ahhhh... – tentei responder, mas apenas um gemido foi solto da minha garganta ao sentir o pano da calça e da sunga roçarem no meu membro. Eu me sentia excitado.

-Puta que pariu, que cheiro bom! – falaram e eu fechei os olhos.

-O seu também... – consegui dizer em um gemido. Eu comecei a acariciar meu membro por cima da roupa.

-CARALHO! Você que está com esse cheiro... eu preciso... – e então a voz se calou, assim como meus gemidos.

Uma boca quente tomou conta dos meus lábios, enquanto uma mão maior que a minha substituiu a que acariciava meu membro anteriormente. Ouvi um rosnado, fiquei embriagado de prazer e avancei mais no beijo. Senti apertarem minha bunda e duas ereções serem friccionadas uma na outra. Depois disso, eu só consegui gemer e me sentir ser levado para algum lugar.

Notas finais:

Que nostalgia né??
O que acharam?
Espero que tenham gostado da surpresinha.
Vou ficar postando todo sábado, então aguardo vocês aqui!!!
Beijocas de tapioca doce!

E para quem não sabe, esta fic já foi transformada em um impresso e caso alguém não tenha adquirido na primeira compra, estamos abrindo um novo formulário para uma segunda remessa.

Link: https://projetokaisoobook.wixsite.com/kaisoobook/2a-remessa

Twitter: @KaiSooBook e @AiAiKimSoo

24 de Marzo de 2019 a las 21:11 0 Reporte Insertar 2
Leer el siguiente capítulo A Marca

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 4 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión