Shunkashuutou - As quatro estações - Seguir historia

aoimoon Aoi Moon

A coletânea de songfics Shunkashuutou - As quatro estações - trás quatro universos diferentes onde as mesmas almas se encontram e vivem diferentes tipos de amor, ambientados em cada uma das estações do ano e conduzidos ao sabor de diferentes canções.


Fanfiction Anime/Manga Todo público.

#songfic #naruto #sasuhina #OneshotCollection
0
530 VISITAS
En progreso
tiempo de lectura
AA Compartir

Antes que chegue a primavera

"Os dias em que era óbvio estarmos juntos chegaram ao fim rápido demais.

Você, que sempre mostrou a mim incontáveis sorrisos..."

.

Deitado com os braços atrás da cabeça, Sasuke sentia a brisa úmida e fresca de março roçar-lhe os negros cabelos e os raios de sol mornos queimando-lhe a pele clara. Definitivamente aquele era o melhor lugar para se estar. Não tinha tempo, nem paciência, para o sentimentalismo que estava tomando conta dos outros alunos do terceiro ano agora que a formatura se aproximava. Todos chorando a todo o momento, marcando encontros e reuniões, tentando desesperadamente manter vínculos que, inevitavelmente, o tempo desgastaria. Pelo menos ali, no terraço da Konoha Gakuin, estava em paz. Pelo menos por enquanto...

"Me poupe dos sermões." O moreno disse ao sentir uma sombra bloquear-lhe os raios de sol no rosto.

"Juro que estou tentando, mas você não toma jeito nem faltando duas semanas para a formatura." A voz feminina respondeu. Doce e ao mesmo tempo firme. Com uma intimidade que só melhores amigos têm um com o outro.

"Ok, senhorita representante de sala, me dê outra advertência e vamos acabar com isso." Disse sentando-se sobre os calcanhares e finalmente observando a figura ao seu lado. Braços cruzados, longos cabelos ao vento. De um azul tão denso que pareciam o mar. A pele clara e os olhos perolados sempre deixaram o rapaz feliz internamente por vê-la, porém, na maioria das vezes, sabia que ela representava a responsabilidade da qual ele teimava em sempre fugir.

"Eu realmente deveria te dar uma por estar matando aula, mas não existem mais advertências, Sasuke kun. E logo, logo, não vai haver mais nada." Desfazendo a postura séria, Hinata segurou a saia que balançava ao vento e sentou-se ao lado do amigo. Aquele uniforme que sempre lhe caiu tão bem, logo não seria mais usado. Fato que certamente seria lamentado pelos seus conhecidos do sexo masculino.

"Finalmente." Comentou ríspido.

"Todos estão tentando criar boas memórias nesses últimos dias. Por que não se junta a nos? Só dessa vez, Sasuke kun. Por mim!" Pediu manhosamente enquanto segurava levemente o ombro do amigo. Não era a primeira vez que a garota tentava, também não era a primeira vez que Sasuke negava. Na verdade, sempre havia sido assim. Todos os dias, desde muito tempo atrás...

.

"Meu peito dói ao vê-la chorar, ferida por alguém.

Ensinaram-me que, quando algo assim acontece, é porque essa é uma pessoa especial."

.

"Desculpe, Hinata. Eu e a Sakura chan estamos saindo há alguns dias... Eu... não tinha percebido seus sentimentos antes."

Naquele tarde, no início do ano, Hinata passou horas chorando nos braços do amigo. Havia sido rejeitada pelo pelo cara por quem havia se apaixonado desde o início do ensino médio. Claro que sempre havia percebido os olhares dela para o loiro com cara de idiota da sala, mas preferia pensar que seu interesse era apenas mais uma de suas responsabilidades como representante de sala, afinal, o cara era cheio de problemas. A inteligente Hyuuga Hinata não cairia de amores por qualquer um. Todo mundo sabia que se fosse para escolher alguém daquela escola, Uchiha Sasuke era o melhor! Popular, bonito, inteligente e atlético, porém, não foi assim que aconteceu...

Como alguém que corre para um porto seguro, Hinata bateu na casa do amigo de infância tentando ao máximo segurar as lágrimas logo após ser rejeitada:

"Quer dar uma volta no parque comigo, Sasuke kun?" Pediu com seu sorriso gentil de sempre, mas que no fundo escondia o amargor que tornou-se lágrimas assim que o moreno a pressionou um pouco mais.

Enquanto as lágrimas da garota molhavam-lhe o ombro, Sasuke tentava definir o que era aquele sentimento dentro de si. Eram raras as vezes que via Hinata chorando. Ela era sempre tão serena e alegre... Mas, naquela tarde, o rosto sempre alvo estava tomado por um tom avermelhado, assim como seus olhos. Seu coração estava quebrado e não havia nada que o Uchiha pudesse fazer. Como aquele imbecil não havia percebido o que ela sentia? Vê-la dessa forma deixava Sasuke com raiva, triste, amargurado... Enciumado. Hinata era sua melhor amiga, a pessoa que estava sempre ao seu lado, confortando, rindo, dando broncas, cofiando nele... Algo não estava certo ali! Ela não deveria chorar por outro cara. Não deveria estar pensando em ninguém que não fosse o Uchiha.

.

"Olhei apenas para você, Pensei apenas em você

"Obrigado" é apenas o que preciso dizer

Preciso dizer, Preciso dizer... Antes que você se vá."

.

"Mina san, os álbuns de formatura chegaram. Aqueles que gostariam de trocar dedicatórias com os colegas, devem retirá-los na sala do grêmio estudantil e têm até sexta feira para devolvê-los." Hinata anunciou instantes antes do início do intervalo para o almoço, causando uma verdadeira corrida dos alunos até o primeiro andar, onde ficava o grêmio.

"E então? Não vai pegar o seu?" A morena perguntou com um sorriso sécio aproximando-se do amigo Uchiha que, com os pés apoiados na própria mesa, não demonstrava intenções de sair do seu lugar.

"Não." Sasuke respondeu sem interesse. Sabia que se estivesse com seu álbum, não teria sossego até o final da semana.

"Engraçado como eu já esperava por isso." A Hyuuga disse enquanto tirava um pacote retangular de debaixo de sua mesa e colocava sobre a mesa do Uchiha, completando:

"Daqui há alguns anos você vai me agradecer por ser tão insistente com os seus problemas se sociabilização." Usando sua influencia como representante, Hinata retirou o álbum do Uchiha, juntamente com o seu, assim que as caixas foram entregues na escola. Algo que não deveria ter sido feito, mas que ela sabia ser por uma boa causa.

"Obrigado por me condenar ao inferno." O moreno agradeceu falsamente com uma expressão irônica no rosto.

"De nada!" E com um sorriso no rosto, Hinata virou-se em direção à porta. Porém, antes de alcançá-la disse:

"Ah! Depois confira a página 12. Escrevi algo para você."

"Tsc! Para quê? Vamos continuar nos vendo todo dia de qualquer jeito" A casa de ambos ficava a menos de um quarteirão uma da outra. Sasuke acreditava que mesmo que não estudassem na mesma faculdade, ver Hinata todos os dias era algo natural que sempre aconteceria. Porém, algo fez o sorriso da garota vacilar e ela disse em um tom hesitante:

"Sasuke kun... Essa semana eu fui aceita em uma universidade em Tóquio e... decidi ir..."

Quase como um soco no estômago, onde você fica sem reação, foi a sensação que o Uchiha teve. Isso significava que, em pouco tempo, Hinata iria embora para longe e, provavelmente para sempre. Com a cabeça vazia e ainda sentindo o sangue gelado dentro das veias, a única coisa que conseguiu dizer foi:

"Sou ka... Yokatta ne."

.

"Você apareceu subitamente.

Naquele tempo, nós vivíamos uma vida completamente diferente de agora, não é?"

.

"Tadaima" Sasuke disse ao entrar no amplo sobrado em que vivia com os pais e um irmão mais velho que, de vez em quando, vinha visitar.

"Okaeri, Sasuke kun." A voz de Uchiha Mikoto, deu boas vindas ao filho caçula antes de comentar: "Hikari san me disse que Hinata chan vai embora! Ela foi aceita em uma grande universidade e decidiu partir. Você sabia disso?"

"É, fiquei sabendo." E sem mais, subiu as escadas em direção ao seu quarto.

Sem pensar muito, apenas deixou a bolsa de couro com as matérias escolares em algum canto e jogou seu corpo sobre a cama perfeitamente arrumada por sua mãe. O rosto enterrado no travesseiro bloqueava a sua respiração, mas o que realmente lhe sufocava eram os pensamentos que corriam em sua mente. Por que ela não havia lhe contado antes? Não eram melhores amigos? Não haviam prometido estarem juntos custe o que custar? Apoiar um ao outro em todos os momentos? Como Sasuke cumpriria essas promessas se Hinata não fazia sua parte?

"É bom que você tenha tirado esse uniforme suado antes de deitar na cama, Uchiha Sasuke." A voz de Mikoto soou autoritária do pé das escadas. Sasuke tinha esse hábito desagradável que a mãe sempre tentava corrigir.

Levantou-se e começou a desabotoar os punhos do gakuran e, logo em seguida, os botões principais. Quando suas mãos alcançaram o segundo botão, a imagem da Hyuuga veio clara em sua mente. O segundo botão era dado pelos garotos após a cerimônia de graduação, como forma de declaração: O botão mais próximo do coração, repleto de sentimentos, nas mãos de uma garota especial... Terminou de desabotoar o gakuran, a camisa branca e, finalmente, vestindo apenas as calças de alfaiataria, Sasuke jogou-se de costas na cama novamente. Ainda lembrava-se do dia em que a Hyuuga chegou transferida de outra escola e o professor colocou-a sentada ao lado do Uchiha. Todos diziam que pareciam irmãos, tanto pela aparência física quanto pela personalidade quieta. Demorou alguns meses até começarem a conversar naturalmente, porém, quando se descobriram morando tão próximos, as voltas para casa juntos e freqüentes visitas acabaram por construir naturalmente a amizade.

E agora Hinata estava indo embora... Talvez ela não se importasse mais com nada disso. Talvez nem considerasse o Uchiha tão importante quanto ele achava que era. Talvez fossem apenas colegas de sala com um pouco mais de intimidade que os outros... Suspirou derrotado. Não adiantava ficar especulando sobre a realidade. A verdade é que não queria perder Hinata. Não queria que ela fosse para lugar algum, se esse lugar fosse longe dele.

.

"Obrigado, pois a encontrei

E só isso, já foi o maior tesouro da minha vida.

Esta flor nunca irá murchar."

.

"Sasuke kun! Vamos ser expulsos daqui!" Hinata cochichava enquanto seguia o moreno Uchiha por debaixo da cerca que protegia o prédio da escola de ensino fundamental onde haviam estudado anos atrás.

"Se não nos pegarem, não corremos risco nenhum." Sasuke dizia enquanto sacudia a poeira das pernas de sua calça.

Pouco depois das aulas do período vespertino, o Uchiha havia convencido Hinata a ir com ele a um lugar muito importante. Mesmo sem saber aonde o amigo a levava, a garota o seguiu tentando imaginar o que se passava em sua mente. Quando percebeu, já estavam invadindo a escola em que estudaram juntos a partir da terceira série. Era começo de noite e apenas uns poucos alunos que freqüentavam os clubes com atividades até o período da noite ainda estavam por lá.

Esgueirando-se para longe de onde os professores costumavam estar, Sasuke levou a garota até onde costumava ser a sala de ambos.

"Uau! Não mudou quase nada! Até o mesmo tipo de atividades coladas na parede..." Hinata dizia ao admirar os trabalhos manuais que as crianças produziam e penduravam em barbantes na parede.

"Lembra que a gente sentava aqui? A cadeira parece bem menor agora..." Sasuke dizia tentando encaixar-se no lugar que costumava ser seu.

"Lembro que morria de medo de conversar com você nos primeiros dias. Todas aquelas meninas ao seu redor me deixavam receosa." Hinata confessou sentando-se sobre a mesa que costumava ser sua.

"Então foi isso? Tinha medo que elas implicassem com você?" Sasuke perguntou surpreso. Sempre achou que a Hyuuga fosse apenas tímida demais para puxar conversa e por isso deixava de lado qualquer tentativa de aproximação.

"Na verdade tinha medo que você achasse que eu era como elas e não quisesse se tornar meu amigo." Hinata respondeu com o rosto levemente corado, como se revelasse algo que escondeu durante anos.

"Hum... quer dizer que você esteve de olho em mim o tempo todo?" Sasuke disse em tom de flerte que foi rapidamente transformado em piada pela amiga.

"Quando se é um aluno transferido, vale todo esforço para conseguir amigos. Até ficar observando o menininho mal encarado que senta do seu lado."

"Eu também te observava o tempo todo. E você não era como as outras meninas... Por isso quis me aproximar de você. Senti como se você fosse uma das poucas pessoas com quem eu poderia desenvolver algum vinculo ali." As palavras sinceras do Uchiha fizeram o coração da Hyuuga disparar. Um leve nó na garganta fez com que as lágrimas começassem a pinicar seus olhos e ela respondeu:

"E estamos aqui hoje, não é? Parece que você estava certo..."

Os gritos de kiai do clube de kendo podiam ser ouvidos de longe assim como o apito do treino do clube de futebol. Um silêncio nostálgico invadiu o ambiente e abraçou a dupla de morenos. Sentindo um leve pesar no peito, Sasuke indagou:

"Quando você vai para Tóquio?"

"Logo no início da primavera..."

.

"Mesmo hoje não pude dizer

Apesar de ter seu telefone, as coisas que preciso lhe falar são muitas.

São muito sérias, pois eu te amo demais."

.

"... E hoje, encerramos mais um ciclo em nossas vidas. Dizendo adeus às paredes que nos abrigaram durante momentos importantes e que ficarão para sempre em nossas memórias como uma lembrança preciosa. Porém, não significa que precisamos fazer o mesmo com as pessoas que compartilharam este espaço conosco. Vamos nos esforçar para mantermos vivos os laços de companheirismo e amizade que construímos durantes estes três anos. Konoha Gakuin, mestres, colegas. Muito obrigado e otsukaresamadeshita."

No auditório da escola, após as palavras do presidente do grêmio estudantil, incontáveis capelos pretos foram arremessados para o alto, criando uma chuva que se extinguiu tão rapidamente quanto se formou. Os agora ex-alunos da Konoha Gakuin abraçavam-se em uma despedida cheia de sorrisos e lágrimas ao som de uma melodia tristonha. Era o adeus não apenas à escola, mas a vida de adolescente e os primeiros passos para os anos que viriam como adulto.

Após a cerimônia, ainda haveria algumas horas para recolher todos os pertences e despedir-se de todos os professores e cantos daquele lugar. Os formandos aproveitavam para escrever mensagens de adeus no quadro, tirar fotos juntos, marcar encontros e chorar um pouco mais. Sentado naquele que era seu lugar, Sasuke observava a tediosa movimentação no pátio sem muito interesse. Sem perceber, levou a mão direita ao peito e sentiu o segundo botão de seu gakuran mais quente que o normal. Como se realmente todos os sentimentos concentrados ali estivessem gritando para ele fizesse o que deveria ser feito. Na verdade, nunca havia pensado que um dia se pegaria desejando fazer isso, porém, talvez inconscientemente sempre soubesse que, se existia alguma garota a quem gostaria de dar aquele botão, ela seria Hinata. A Hyuuga, por sua vez estava ocupada repassando para seu sucessor todas as informações necessárias antes de despedir-se de vez de seu cargo de representante.

Sem mais delongas pegou o celular e mandou uma mensagem pelo aplicativo de conversas.

"Ainda está ocupada?"

"Só mais 10 minutos e termino tudo aqui. Vamos juntos hoje?"

"Antes me encontre no terraço, ok?"

"O que você está aprontando?"

Sem responder a garota novamente, o Uchiha levantou-se e caminhou até a escadaria que levava a parte mais alta da escola. Encostrou na grade de proteção e respirou fundo o ar gelado e úmido que soprava ali. Não sentiria falta de muitas coisas naquele lugar, mas com certeza sentiria falta do seu refúgio particular. Da sensação de paz que tinha ali e, até mesmo, das vezes que Hinata o invadia e lhe pegava no flagra, matando aula. Riu consigo mesmo das vezes que, quando eram pequenos, ele levantava a saia dela quando a Hyuuga começava a reclamar demais. A garota costumava ficar extremamente vermelha, de raiva e de vergonha. Até que um dia disse que se ele continuasse fazendo isso, teria que se casar com ela.

"Aposto que está pensando besteira." A voz feminina disse aproximando-se.

"Por quê?"

"Uchiha Sasuke sorrindo? E sozinho?" Hinata respondeu em tom de piada.

"Estava lembrando das suas calcinhas há alguns anos atrás" Sasuke devolveu com a mesma ironia, fazendo o rosto da garota explodir em vermelho

"Baka!" O rapaz apenas riu.

O vento soprou mais forte calando a ambos. As cerejeiras da entrada da escola já despontavam seus brotos. Logo estariam totalmente floridas e prontas para recepcionar os alunos novatos. Alunos que Sasuke e Hinata não iriam conhecer...

"Por que pediu para que eu viesse aqui?" Ela parou ao lado do amigo, apoiando a fronte na grade e olhando-o nos olhos. Hinata havia se tornado uma garota muito bonita. Ainda era jovem e sua beleza não estava no ápice, mas mesmo assim era o suficiente para deixar Sasuke encantado e, com certeza, outros rapazes também... Certamente em Tóquio não seria diferente. Homens ricos e atraentes iriam cobiçá-la e ela acabaria apaixonada por alguém que não seria o Uchiha... Cerrou os punhos sobre o botão recém tirado do gakuran. Não, era melhor não fazer isso.

"Vou sentir sua falta, Hinata. Seja feliz em Tóquio." Por um instante, Sasuke viu uma sombra de decepção no olhar da garota que desviou o olhar para o chão antes de dizer com um sorriso misto de tristeza e gentileza:

"Eu também vou sentir a sua, Sasuke kun. Mais do que tudo nessa cidade..."

.

"Apenas não fui capaz de te dizer, não fui capaz de te olhar e te dizer

Preciso dizer "Eu te amo"

Preciso dizer, preciso dizer... Antes que chegue a primavera"

.

Sasuke pedalava com todas as suas forças. Estava esgotado, mas se realmente se apressasse, talvez conseguisse alcançar o trem que partiria dentro de poucos minutos. Como havia sido idiota, cabeça dura e egoísta dizendo aquelas coisas para ela! Definitivamente era um grande imbecil...

"Hinata chan! Esse é um grande passo, um momento muito importante na vida. Seja feliz e saiba que aqui na sua cidade natal, você não tem apenas uma, mas duas famílias esperando que volte um dia para nos visitar. Seja feliz em Tóquio. Kampai!" Uchiha Fugaku, pai de Sasuke, dirigia algumas palavras em um brinde à Hinata.

A casa tradicional dos Hyuuga estava cheia como há muito não acontecia. Além de Hiashi e Hikari, pais de Hinata, e Hanabi, sua irmã 5 anos mais jovem, estavam presentes o casal Uchiha, Fugaku e Mikoto, e até mesmo Itachi, seu filho mais velho, havia aparecido para comemorar com um jantar a despedida da filha mais velha da casa que partiria para a capital do país no dia seguinte. Mikoto e Hikari haviam preparado um verdadeiro banquete: Misonasu, harusame, misoshiru, takuan, tsukemono de espinafre e alho poró, arroz, sukiyaki e vários tipos de sushi temaki. Os adultos se divertiam conversavam em voz alta e tomavam bebidas alcoólicas enquanto os menores de idade degustavam as delícias regadas a calpis water e suco de laranja.

"Poxa Hiashi kun! E eu que achei que viraríamos uma família só... Pelo visto meu garoto não foi rápido o bastante." O pai de Sasuke, já influenciado pelas cervejas que havia dividido com o patriarca dos Hyuuga, comentou ignorando a presença do moreno na mesa.

"Há, há, há! Acho que o problema é que a moça daqui de casa só tinha olhos para os livros mesmo..." Hiashi justificava com o rosto rosado devido às bebidas.

"Mas o mais velho ainda tem esperança, não acha?! É bom o homem ser mais velho..."Fugaku disse passando o braço ao redor do pescoço do amigo e analisando o filho mais velho de alto a baixo.

"Ganbare, Itachi!"O pai de Hinata incentivou ignorando a expressão de desaprovação do primogênito do Uchiha.

Com os adultos já bêbados, rindo e falando besteira para as paredes, os mais novos foram saindo da mesa aos poucos para cuidar de suas coisas de adolescente. Hanabi foi para seu quarto, Itachi saiu para telefonar para a namorada e Hinata sentou-se na varanda com chão de tatami e ficou observando o luar. Seria o último que contemplaria daquele lugar.

"Detesto quando o oyaji bebe e começa a falar desses assuntos..." Reclamando, Sasuke sentou-se ao seu lado.

"Deixe os dois... Estão sentindo o tempo passar depressa com os filhos saindo de casa."Hinata respondeu com um sorriso plácido..

"Já está tudo certo?" O moreno quis saber dos preparativos.

"Sim... o trem parte às 11 da manhã"

"Está animada?"

"Com um pouco de medo. Não sei que tipo de pessoas vou encontrar... Vai ser como foi anos atrás quando fui transferida para cá." O tom de lamento na voz da jovem era claro. Hinata estava triste, mas tentava disfarçar.

"Quem sabe você encontre alguém como eu! Alguém para ser seu novo melhor amigo." Sasuke disse em um tom natural, como se esta fosse a verdade mais óbvia do universo.

"Até parece!" A Hyuuga retrucou rindo.

"Quem sabe com ele você até namore e se case" Hinata ficou mais séria e respondeu:

"Isso não está nos meus planos."

"Ah! Verdade. Para que você se interesse não pode ser alguém como eu. Tem que ser idiota e cabeça-oca. Tipo aquele loiro marginal." O tom despreocupado do Uchiha irritou a garota que perguntou olhando no fundo de seus olhos:

"Por que você está falando assim? Qual o seu problema?" Sem pensar muito e aproveitando a tensão que ele mesmo havia causado, Sasuke comentou com desinteresse:

"Estou apenas falando a verdade. Aliás, acho que eu também deveria começar a sair com algumas garotas na faculdade. Elas sempre ficam atrás de mim mesmo."

"Você é mesmo um grande imbecil!" Hinata disse sem encarar o Uchiha. Sua voz estava embargada e seus punhos cerrados.

"Eu só estou cansado de ser invisível." Completou antes de ver a garota levantar-se e ir para o próprio quarto sem despedir-se.

Konoha não era uma cidade grande, mas, naquele momento, parecia maior que a Europa, tamanha era a lentidão com que a estação de trem se aproximava. Dez horas e cinquenta minutos! Sasuke só tinha mais dez minutos antes de o trem partir. Precisava chegar a tempo! Precisava dizer a ela... Dizer que a amava.

Sim a amava. Não "gostava" ou "estava a fim". A amava de verdade! Amava sua mania de organização, seu senso exacerbado de responsabilidade, sua timidez exagerada, seu coração puro e inocente, sua retidão de caráter... Amava Hinata com todos os seus defeitos e qualidades. Queria estar ao lado dela, queria ficar ao lado dela mesmo que isso representasse mudar seus planos de vida: Se ela não ficaria em Konoha, então ele iria para Tóquio! E ela precisava saber disso. Precisava saber que ele iria atrás dela onde fosse preciso.

Quando chegou à estação ferroviária, ouviu o apito do trem anunciando a partida. Correu o máximo que pode em direção à plataforma, gritando pelo nome da Hyuuga por todas as direções. Logo uma janela na metade do trem se abriu e, acenando, o rosto familiar chamou de volta pelo seu nome:

"Sasuke kun! O que está fazendo? O trem já vai partir..."

"Hinata! Me perdoe! Eu não queria ter sido tão idiota com você na noite passada... é que... eu te amo. Não queria te perder..." Parando em frente a janela da Hyuuga, Sasuke viu o rosto de Hinata desmanchar-se em lágrimas antes de ouvi-la dizer:

"Eu também te amo, Sasuke kun... Me perdoe por ter percebido isso tão tarde..."

Sasuke estendeu o braço, segurou a mão alva e pequena de Hinata, depositando dentro dela o segundo botão de seu gakuran.

"Me espere. Não importa onde, eu vou te buscar..." O trem apitou pela última vez anunciando partida imediata.

"Eu vou te esperar. O tempo que precisar!" Hinata disse, porém, suas palavras foram engolidas pelo barulho do trem em movimento.

Sasuke ficou parado no mesmo lugar até que o trem não pode mais ser visto no horizonte.

A partir dali precisava começar uma caminhada solitária para chegar até onde estava Hinata e, enfim, viverem esse amor guardado por tanto tempo.

~x~

~X Fim X~

~x~

Vocabulário:

Mina san - Pessoal
Sou ka - Ah, é?
Yokatta ne - Que bom
Tadaima - Cheguei em casa
okaeri - Seja bem vindo
Gakuran - Uniforme escolar masculino japonês
Kiai - Aqueles gritos que se dá em artes marciais antes de atacar
Kendo - Arte marcial japonesa com espadas
Otsukaresamadeshita - algo como "você fez um bom trabalho"
Misonasu, harusame, misoshiru, takuan, tsukemono, sukiyaki, sushi temaki - várias comidas japonesas
Calpis water - A oitava maravilha do mundo. rsrs É uma bebida japonesa feita a base de leite
Ganbare - Forma imperativa do verbo ganbaru, esforçar
Oyaji - Pai (forma coloquial)


Notas finais:

Yo people! Aqui está a minha primeira coletânea de songfics/oneshots SHUNKASHUUTOU.

Aí, vcs perguntam: Mas tia Aoi, por que esse nome tão complicado?
E eu explico: É simples, pequenos garfanhotos! Shunkashuutou é uma palavra da poesia japonesa que significa as quatro estações (literalmente é a junção dos kanjis de tds as estações) É uma palavra muito bonita e cheia de poeticidade.

Quando morei no Japão, percebi porque eles são tão ligados a essas questões da natureza. Cada estação lá é extremamente bem definida e acaba pintando todo um cenário no dia a dia das pessoas. Quis ambientar cada história em uma estação do ano para passar para vocês um pouco do que eu senti estando lá.

Para começar eu escolhi o primeiro kanji da palavra que é a PRIMAVERA (em japonês Haru, leitura chinesa, shun)
A primavera no Japão é TÃO diferente do que eu imaginava. É mega fria e chove demais, mas realmente é cheia de sakuras para tds os lados (mas a maioria das sakuras, pelo menos das que eu vi, são quase brancas e não tão rosinhas como vendem para a gente)

A música utilizada como base para essa história se chama Haru ga kuru mae ni da banda Golden Bomber. As letras contidas nas historias são traduções realizadas por mim e não estão na íntegra.


Espero que vocês tenham gostado e comentem, pfv! Lembrando, também, que cada capítulo é uma oneshot, ou seja, não tem continuação. A próxima estação, será uma história diferente, ok?^^
Beijocas

13 de Marzo de 2019 a las 01:23 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo O verão mais quente do mundo

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión