Olhos cor-de-mel Seguir historia

B
Bruna Castro


o personagem principal é ser mistico, um lobo negro, que deseja desaparecer, sumir da vida de todos e se isolar somento em seu mundo. Mas uma menina o encontra e começa a tentar conversa com ele, só que ele nunca responde.


Romance Paranormal Todo público.

#paranormal #sobrenatural #drama #erotico #original #amizade #darkfic #258
0
2088 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los jueves
tiempo de lectura
AA Compartir

O ENCONTRO


Acho que fazem 5 anos desde que eu a conheci... Ela ainda era jovem, uma criança, aos meus olhos. Mas, isso não me impediu de sentir o que eu senti. Na epoca estava passando por complicações e tudo que eu queria era ficar sozinho,em minha propria escuridão, mas, então, ela apareceu,  com... aqueles olhos, puxando-me de volta pra luz. 


--------5 anos atras.


-Ei! 

"A voz de uma criança humana...Vou apenas ignorar, não é como se ela podesse me ver mesmo."

-Eeeii! - Voz um pouco mais perto

"Que irritante! Seja pra quem for, atenda logo essa criança!"

-Ei, você! - Voz praticamente ao meu lado. 

Abro os olhos e, em um movimento rapido, sento-me, chocado com o que  estava a ver. A criança humana estava ao meu lado, curvada em minha direção, me olhando com um sorriso em sua face.

-Ah, finalmente você olhou! - Abre ainda mais o sorriso

"O que? ela ta realmente falando comigo? Essa criança consegue me ver?" penso, chocado, incredulo.

- Hm? O que foi? - Pergunta preocupada - Ta tudo bem? Você está machucado? - Começa a me olhar por completo, procurando por algo.

"Oh Merda ... Ela realmente esta me vendo...".

-Hmmm... você nao parece machucado... - Diz, voltando Ficar reta, fazendo uma cara pensativa. 

"O que eu devo fazer? Talvez assusta-la?" penso enquanto encaro a criança humana, em pé, ainda pensativa, olhando para o nada.

- Ah! - Se agacha bem em frente a mim - Será que... você não fala? - Disse enquanto olhava para meus olhos. Por alguns segundos, fiquei hipnotizado, enfeitiçado por aqueles grandes olhos cor-de-mel, tão belos e brilhantes, pareciam duas grandes joias. Sentia que se continuasse a olha-los, minha alma seria sugada por ela, mas tambem não conseguia desviar meu olhar.

Senti algo em meu coração. E, com isso, voltei a mim. Joguei-me pra tras e desviei o olhar, tentando focar em outro lugar. Ela apenas sorriu e continuou a me observando parada no mesmo lugar e na mesma posiçao.Toquei meu peito por um instante. "Está normal... O que foi isso agora a pouco?". 

"E, afinal, o que uma criança humana está fazendo em um lugar como esse?" Pensei, sentindo um incomodo que jamais havia sentido antes. "Isso é uma casa abandonada,sabe! Não deveria ter alguem aqui!" penso indignado. 

Por causa de algum barulho, ela desvia o olhar, procurando de onde havia vindo o barulho, que provavelmente, era a madeira velha estalando, afinal, estavamos em uma casa velha, caindo aos pedaços. 

Aproveitei a chance e foquei novamente meus olhos nela, tentando puxar mais informaçoes daquela criança, que no minimo, era interessante e que me passava um estranhamento e um desconforto, desconhecido por mim até o momento. 

Comecei a analisar primeiro pelo seus topo, começando por seu rosto, que na verdade, era igual a de toda criança humana, excluindo seus olhos, delumbrantes, cor de mel, que refletidos na luz brilhavam como ouro. Tão deslumbrantes que sempre que os olhava, nao conseguia desviar minha atenção. "Merda!" desviei os olhos novamente, sentindo o mesmo desconforto no peito de antes. 

Voltei meus olhos a ela novamente, desistindo de seus rosto, já que sempre que olhava seus olhos, eu era sugado. Agora estava a olhar para suas partes baixas, ja que, como estava agachada, não conseguia ver a parte superior de seu corpo.  Percebi que a criança estava de saia. "ah, é femea", pensei, ainda analisando." Ah, eu ja vi isso! As crianças humanas vestem isso para ir pra um lugar... isso é... 'uniforme', eu acho". Por uns segundos, ela perde o equilibrio, chamando minha atenção para sua perna, que estava meia aberta e, como sua saia era curta, acabou guiando meus olhos imediatamente para o seu centro, descoberto, onde deveria haver sua roupa intima, mas não havia. "ah... ela... está sem nada...".  Continuei a olhar, sem perceber.

-Hu-hum - grunhiu, fitando-me de rabo de olho, com um sorriso malicioso. - Espirito pervertido! - Sorriu, voltando-se pra mim

"O que? Do que você me chamou, sua pirralha?" Levantei, indignado. Por um momento a criança se assustou, novamente, se desequilibrando levemente. Ignorando-a, comecei a me locomover para fora do quarto que estavamos. Antes que chegasse na porta, ouvi ruidos de sua roupa. "deve ter se levantado" pensei.

Antes que eu passasse pela porta, ouvi um som baixo de um sorriso. Olhei para traz, curioso. Grande erro. Talvez o maior que eu poderia ter feito naquele momento. O por do sol, o vento, tudo, parecia estar ao seu lado. Tudo estava a deixar mais bela. Estava completamente a merce dela. Novamente, não conseguia desviar meu olhar. Com o sorriso mais largo que poderia fazer, ela fala:

-Até amanhã! 

Fiquei hipnotizado por um momento. Talvez por ser a primeira vez que ouvi essas palavras de um modo tão acolhedor, ou, talvez, por terem sido ditas de uma humana com um lindo sorriso e grandes cabelos negros, que se esvoaçavam por conta do ventania que atravessava as velhas grandes janelas quebradas; Ou, talvez por causa do cenario por tras dela do maravilhoso por do sol; Eu sinceramente nao sei, mas... por alguma razão, me senti completamente atraido para ela, sem conseguir mexer algum musculo ou simplesmente desviar minha atenção. 

Ponho a mão no meu peito. "Merda!" pensei, sentindo novamente a palpitação em meu peito.


7 de Marzo de 2019 a las 00:00 0 Reporte Insertar 119
Continuará… Nuevo capítulo Todos los jueves.

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~