¡Nuevo concurso de escritura disponible! #UnMundoParalelo. Leer más.
B
Brunna Tomaino


Conto retirado de uma cena cotidiana. Tem como protagonista Débora, uma criança criativa e fantástica.


Infantil Todo público.

#pulandoemnuvens #nuvensdealgodao
Cuento corto
0
3.7mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Pulando nas nuvens

Débora estava pulando há mais de 30 min na cama dos pais. A mãe a alertou do perigo de cair no chão, mas o impulso de voar é mais forte. As crianças quando pulam sentem uma liberdade difícil de descrever, acho que estão expressando como são mais felizes do que nós. Pula, pula, pula. A mãe vira e vai guardar as roupas limpas na gaveta. O pai vira e organiza a mesa para começar a rotina cansativa de estudo pós-labuta. "Cabum!" Débora cai no chão e os pais correm para ver algum machucado ou braço quebrado. A mãe já chega abraçando, como se a perda daquele sorriso fácil passasse diante dos olhos. O pai, tentando ser mais centrado, começa a explicar o perigo da queda, de machucar a cabeça, quebrar algum osso. Fala de forma bem didática que um machucado mais grave pode levar a Débora para o céu e ela nunca mais veria papai e mamãe. Débora então, atenta e sob grandes olhos marejados, agarrando o pescoço da mãe, retruca (como sempre):

- Mas se eu for para o céu eu posso pular nas nuvens.

Mamãe explica, atônita diante da resposta, que ficaria com muita saudade e não poderia ir atrás dela nas nuvens. Débora, então, se desculpa, diz que aprendeu a só poder pular no chão. Os pais, bem, aprenderam a pensar como criança, para além das nuvens de algodão.

13 de Febrero de 2019 a las 17:58 2 Reporte Insertar 122
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Olá, autora! Gostei bastante do seu conto. As crianças são mesmo difíceis de lidar, principalmente na fase mais aguda das descobertas, quando querem enfiar feijões nos ouvidos e narizinhos, pôr os dedinhos nas tomadas e tal. Meus irmãos eram muito trapalhões com relação a isso! haha! Gostei muito da sua história, leve e descontraída. Gostaria de aconselhá-la a mudar o seguinte: "Débora estava pulando na cama havia mais" para "Débora está pulando há mais" e "já a alertara do perigo" para "já a alertou do perigo", considerando o fato de que a história está escrita majoritariamente no presente.
April 27, 2019, 15:56

  • B T Brunna Tomaino
    Muito obrigada pelo elogio e pelas dicas! Vou considerá-las de fato! Escrevi rapidamente o texto, o que causou uma falha na revisão do mesmo. Obrigada e bons textos para você! July 20, 2019, 15:32
~

Historias relacionadas