Superlove Seguir historia

bielcastelli Biel Castelli

Um clichê, poderia dizer com todas as letras que minha vida é um completo clichê. Sem traumas de infância, uma bolsa de estudos em uma faculdade distante e uma paixão adormecida pelo meu melhor amigo. Tudo isso poderia acabar ali, mas mesmo depois de anos, quando fui convidado para uma cerimônia tão importante descobri que o clichê ainda faria parte da minha vida, pois o que eu não esperava era que sentimentos isolados na minha adolescência viessem á tona, e me mostrassem que... porra eu ainda sou apaixonado por Katsuki, e ele ainda é meu melhor amigo.


Fanfiction Romance adulto joven Sólo para mayores de 18.

#bnha #bokunohero #bakudeku #boyxboy #yaoi #deku #izuku-midoriya #katsuki-bakugou #fluffly
4
3.9mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los sábados
tiempo de lectura
AA Compartir

Take a Bow

Como prometido eu vim aqui postar o primeiro capítulo da minha história nova, Superlove vai ter no máximo 7 capítulos e vou está postando um por semana. Já aviso que essa história é bem clichê e o relacionamento do casal principal não vai evoluir da noite para o dia. Espero que vocês gostem e Boa Leitura.



Cheguei na escola exausto, havia passado a madrugada inteira estudando para a prova final, caminhei até a cantina em passos arrastados e me sentei em uma cadeira jogando a bolsa na mesa. Olhei em volta vendo que ninguém prestava atenção em mim, então a ajeitei fazendo da mesma um travesseiro.


– Ei nerd, acorda – sorri ao escutar aquela voz conhecida, abri os olhos devagar encarando Katsuki Bakugou, o garoto por quem eu era perdidamente apaixonado e coincidentemente também era meu melhor amigo. Mas era óbvio que Kacchan não sabia que eu o amava, até porque tinha chegado boatos até mim de que ele estava tendo um caso com outro amigo nosso chamado Eijiro Kirishima e bom, se ele estava feliz então, eu também estava.


– Oi Kacchan – sorri vendo o loiro fazer um bico em descontentamento ao ouvir o apelido.


– E cadê o nosso oi? – provocou minha melhor amiga Uraraka que chegava acompanhada de seu namorado Iida e logo atrás Kirishima e Jirou.


– Oi cara de bolacha – mostrei a língua enquanto ela me mostrava o dedo do meio.


– Você está com a cara horrível, Izu – disse Jirou.


– Eu sei amiga, mas eu precisava estudar para essa maldita prova.


– Nerd – resmungou Kacchan sorrindo.


– Izuku – me virei ao ser chamado por Shoto Todoroki – Será que a gente podia conversar?


– Claro – sorri me levantando, não pude deixar de notar Katsuki fuzilando o rapaz que tinha o cabelo de duas cores.


A verdade é que desde os boatos sobre Kacchan e Kirishima chegaram até mim eu comecei a seguir minha vida em diante, até porque não poderia ficar melancólico pelos corredores da escola por causa de um amor que não seria correspondido nunca. E em meio a isso foi que surgiu o Shoto na minha vida, eu nunca imaginei que começaria a sentir algo por ele até porque ele não parecia ser aquelas pessoas que gostam de se relacionar, mas eu estava redondamente enganado.


– Bom eu tenho um pedido para te fazer – parou em frente a mim ao chegarmos em uma área da escola que não tinha muitos alunos naquele momento.


– Diga – sorri levando minha mão até sua bochecha e fazendo um carinho que foi correspondido na hora.


– Você quer namorar comigo? – sussurrou tão baixo que eu quase não ouvi.


– É sério isso?


– Muito sério, nunca pensei que chegaria a esse ponto com uma pessoa – falou ficando com o rosto vermelho igual a uma parte de seu cabelo


– Eu aceito – sorri o abraçando – Eu nunca namorei e sei que você também não, então vamos fazer isso funcionar juntos – beijei seus lábios rapidamente antes de ser abraçado novamente.


Ficamos ali abraçados até o sinal da aula tocar e fomos cada um para a sua sala, já que infelizmente não estudávamos juntos. Entrei na classe com um sorriso de orelha a orelha e fui encarado por Uraraka e Jirou que deram aquele sorriso de “Você vai nos contar tim tim por tim tim”. Notei que do outro lado da sala Bakugou me encarava praticamente me fuzilando com seu olhar. Passei as primeiras aulas tentando fugir do assunto com as garotas e só pararam de me questionar quando prometi que contaria assim que a prova acabasse. O sino do intervalo mal tocou e eu fui arrastado pelas duas em direção cantina, esperei os meninos chegarem e contei o que Shoto queria comigo, e como esperado todo mundo ficou feliz por mim, bom quase todo mundo já que Bakugou surtou.


– Não vai dar certo – bufou.


– E porque não daria? – perguntei meio desapontado, esperava que pelo menos a porra do meu melhor amigo ficaria feliz por mim.


– Ele não presta, Deku – me encarou com aqueles olhos vermelhos cheio de raiva – Ele é igual ao pai.


– Por que tá falando isso Kacchan?


– Você é burro caralho, Todoroki não passa de um moleque mimado que quer foder com a sua vida igual fez com a última namorada dele – gritou recebendo a atenção das pessoas que estavam em volta.


– Kacch… – fui interrompido por um novo grito.


– Sai daqui Deku, vai ser a putinha do seu macho bem longe de mim – me olhou de cima em baixo com uma expressão de nojo.


Sai dali segurando o choro, Katsuki não merecia que eu derrubasse uma lágrima por ele, fui ao encontro de Todoroki enquanto Uraraka me seguia perguntando se eu estava bem. Eu não estava nada bem, mas ninguém precisava saber.


1 ano depois…


Me levantei animado, finalmente seria o último dia do ensino médio e no dia seguinte iria ter uma festa apenas para os alunos comemorarem. Sem contar que eu estava ansioso com a possibilidade de ir para Londres estudar em uma das melhores faculdades de lá, não que Los Angeles não tivesse também, mas tinha chegado a hora de viver experiências novas. Entrei na cozinha já pronto para a escola vendo que minha mãe já estava sentada tomando seu café.


– Bom dia dona Inko – sorri divertido


– Bom dia filho, acordou animado? – sorriu docemente


– Ansioso para falar a verdade.


– Tente se acalmar, tenho certeza que eles vão te aceitar na faculdade.


– Deus te ouça – me levantei vendo que já estava atrasado – Até mais – beijei sua testa e sai.


Entrei no colégio e recebi mensagem de Shoto avisando que já tinha chegado e estava na cantina. Estava tão concentrado em responder ele que quase fui ao chão, quando Katsuki passou esbarrando em mim com toda força.


– Sai da frente maldito – praguejou.


Olhei para ele que continuava a andar, e me lamentei mentalmente. Katsuki tinha mudado bastante nesse um ano que passou, todo mundo mudou para falar a verdade. Depois daquele dia terrível a um ano atrás, eu nunca mais falei com Katsuki como antigamente e no fundo eu me culpava por ainda ser apaixonado por aquele idiota. Quanto aos meus amigos a nossa amizade acabou se abalando também e era raras as conversas que tinhamos, apesar de ainda estudarmos na mesma sala. Quanto ao Shoto, esse sim se mostrou outra pessoa depois de cinco meses de namoro, tinha se tornado uma pessoa fria e distante. Ele demonstrava pouco se importar com meus sentimentos ou o que sentia por mim, às vezes sentia que ele apenas fingia que gostava. Acabei me juntando ao seu grupo de amigos que era constituído por Denki, Shindo e Shinsou, os quais poderiam ser considerados amigos da onça por darem em cima de mim na frente de Shoto que simplesmente não fazia nada.


Mandei mensagem para Shoto falando que iria para a sala por esta com um pouco de dor de cabeça e não querer aturar Denki falando de mulher. Entrei na classe me sentando ao lado de Momo, uma garota que chegou de fininho e logo nos tornamos amigos, mesmo algo me falando que não era tão confiável como parecia ser. As aulas passaram arrastadas, eu não via a hora daquilo acabar para chegar a noite para saciar minha sede de álcool e ter uma boa transa com Todoroki.


– Vai ir na festa né? – perguntou Momo ao ter o sino tocado anunciando o fim das aulas.


– Serei o primeiro a estar lá – ri me despedindo dela e fui para casa com Shoto que mal se despediu de mim, ainda dando a desculpa de que teria que ir até a empresa do pai, mas que nos veríamos a noite na festa. Entrei em casa vendo que mamãe não tinha chegado do trabalho, suspirei ao me jogar no sofá. Eu precisava tanto desabafar com ela.


~x~x~x~x


Me olhei no espelho uma última vez vendo se a roupa estava boa em meu corpo, baguncei o ninho verde que eu chamava de cabelo, o deixando mais bagunçado que o normal. Sorri me admirando, gostava do ar despojado que ele ficava e da forma em como eu parecia mais gato assim. Desci já dando um até logo para minha mãe e fui para a escola, a festa seria lá. Entrei na quadra onde estava acontecendo o baile de despedida dos veteranos e ri ao ver Kirishima fazendo suas dancinhas malucas, Katsuki e Uraraka acompanhada de Iida estavam bebendo próximos ao Kiri. Sai em busca de Shoto que já devia ter chegado aquela hora, passei nas mesas de bebida pegando um copo de ponche e fiz uma careta ao constar que aquilo tava cheio de Vodka. Algum aluno idiota já havia dado um jeito de batizar o ponche sem que um dos supervisores o pegassem. Dei mais uma olhada pela pista de dança e avistei Shindo e Hitoshi que conversavam animadamente, me aproximei ganhando a atenção dos dois que sorriram ao me ver.


– Oi meninos, viram Shoto ? – estranhei quando começaram a cochichar antes de responder que ele estava perto da mesa de comida. Agradeci aos dois e caminhei em direção a onde ele poderia estar.


Uma zombaria alta começou quando a música do nada parou de tocar, mas eu ainda não via a mesa em que Todo poderia estar. Ao longe vi o lugar e me aproximei aos poucos, bem ao canto estava Shoto virado para a parede, fui chegando mais perto para visualizar o que estava acontecendo. Levei um baque ao perceber que Shoto estava aos beijos com Momo, aquilo não podia estar acontecendo. Nesse momento eu queria me bater por não ter confiado nos meus sentidos, quando eles falaram que ela não era de confiança e me socar mais ainda por confiar em Shoto.


– Atrapalho? – falei alto vendo os dois se separar com um sorriso.


– Sim – respondeu Shoto alto e visivelmente alterado demais ganhando a atenção das pessoas em volta, inclusive de Kacchan.


– Quero entender o porque disso – sorri tentando controlar o choro.


– Você achou mesmo que eu ficaria com uma pessoa igual a você? – sorriu maldoso – De início talvez sim, mas depois eu vi o quão insuportável você era, ainda mais com esse sentimentalismo barato de ter perdido os amigos ou falando de sonhos impossíveis.


– Não precisava disso porra – limpei meu rosto rápido ao ver que Katsuki tinha se aproximado.


– A verdade é que amei você ter conhecido Momo, isso me proporcionou as melhores noites de sexo, enquanto você não sabe o que é dá prazer para alguém – esse não era o Shoto que eu conhecia.


– Obrigado por ter feito isso Shoto, me poupou de terminar contigo e além do mais vocês dois se merecem – limpei meu rosto – E por último um alto e sonoro vão se foder – berrei me afastando dali.


– Você estava certo – falei para Bakugou ao passar por ele.


Saí daquele inferno de festa e caminhei até uma praça que tinha ali perto e me sentei no balanço, então me permiti finalmente deixar sair tudo o que eu sentia em forma de choro. Como eu pude gostar de uma pessoa tão infantil?


~x~x~x~x


Passei o final de semana trancado no quarto, depois de contar tudo o que tinha acontecido para minha mãe, ela apenas me abraçou dando aquele conforto carinhoso que apenas o colo dela tinha. Acordei cedo na segunda feira mesmo não tendo mais aula, me sentei no sofá com um xícara de café enquanto assistia algum desenho bobo que passava. Eu já estava a ponto de dormir de novo ali mesmo quando escutei baterem na porta, me levantei e uma pontada de esperança me tomou ao ver que era o carteiro com as correspondências. Agradeci fechando a porta e fucei no meio dos recebidos até achar o que eu tanto queria ver. Senti meu coração parar e minhas mãos suarem, enquanto com os dedos trêmulos eu abria aquele pequeno envelope. Tudo dependia do que poderia estar escrito naquela folha, eu precisava disso ainda mais depois de tudo que aconteceu. Poderia mudar toda a minha vida.


Tirei o papel que tinha dentro e fechei os olhos enquanto desdobrava. Meu corpo estava dominado pelo medo, abri um olho e só Rihanna sabe o quanto eu gritei ao ver a palavra aprovado naquele papel.



AAAAAAAA e então, gostaram ? odiaram ? me contem tudo pq eu estou animado com essa história e espero realmente que vocês gostem. Então é isso, eu vejo vocês provavelmente no próximo sábado com mais um capítulo de Superlove.


História betada pelo anjo Marcelajackson

19 de Enero de 2019 a las 17:18 0 Reporte Insertar 121
Leer el siguiente capítulo i'm happy for you

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 5 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión