Savage Seguir historia

lux-noctis Lux Noctis

10 dias era tempo demais para ficar longe, e quando a saudade aperta, até mesmo uma mentira tosca pode vir a calhar. E quem disse que cama não é tudo o que se precisa numa dor de cabeça?


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 21 (adultos).

#narusasu #pwp #sasuke-uchiha #naruto-uzumaki #naruto-anime
13
3758 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

240


“I mastered it or
did it master me into this world of savagery?”


A forma como ele se movia fazia-o pensar em coisas obscenas demais para às duas da tarde, no escritório com pessoas demais para presenciar o show que se passava em sua mente tão criativa. Era o Hokage, deveria se portar como o líder que muitos viam nele, não? E não se entregar aos desejos ladinos que lhe tomavam a mente enquanto Sasuke relatava os pontos importantes da missão da qual regressara há pouco.

Naruto se perdia na forma que os lábios se moviam, fazendo-o imaginar coisas que não deveria. Por sorte a mesa escondia seu real estado; excitado no local de trabalho.

—  Agradeço os relatos —  umedeceu os lábios antes de reclinar-se à frente, apoiando os cotovelos à mesa, entrelaçando os dedos para então apoiar o queixo nos polegares. —  Mas há um assunto que precisamos tratar… à sós. — E aquela era a deixa para que os demais ninjas se retirassem de sua sala, assim como Shikamaru, seu conselheiro.

Porque ele jamais ousaria ficar, quando fazia ideia do tipo de assunto que Naruto teria a tratar com Uchiha Sasuke. Oh não!

—  Queria falar comigo? —  a voz do Uchiha era tranquila, caminhando para mais próximo a mesa, quando o último homem saiu da sala, fechando a porta.

—  Não necessariamente falar —  aquele tom já era familiar aos dois, Sasuke sabia que tinha muito mais por trás das ações de Naruto.

—  Naruto, você sabe muito bem onde estamos.

—  Sei, na minha sala… porque eu sou o Hokage. E você deveria aceitar as missões que lhes são confiadas, não? —  levantou-se, caminhando sorrateiro até Sasuke, sentando-se na mesa, apoiando um braço de cada lado.

—  Que missão?

—  Eu! A maior missão da sua vida.

O puxão fora sorrateiro, Naruto aproveitando-se da proximidade entre os corpos para envolver a cintura de Sasuke com ambos os braços, fazendo o moreno desequilibra-se parcialmente, apoiando as mãos em seu tórax. Fechando a feição, adquirindo aquele olhar quase capaz de ferir, enquanto o vinco na testa fazia Naruto soltar uma risada.

—  Baka! —  reclamou, afastando-se, no caso apenas tentando. Naruto não cedeu.

—  Uhum. Mas eu sou o seu idiota.

Naruto sempre fazia questão de lembrá-lo aquele detalhezinho. Quase imperceptível. Um que levavam consigo à cada lugar que iam, um elo. Não um qualquer, mas um real, cintilante embora discreto que adornava o dedo anelar de cada um dos dois, na mão esquerda. E mesmo Sasuke com toda a sua pose de indiferente, não conseguia ficar impassível à ele. A tudo o que ele representava e lhe fazia sentir. E fora assim que cedeu ao beijo, aproveitando-se da posição para ficar entre as pernas do marido, lhe roubando um beijo voluptuoso.

E não esperou que Naruto tornasse as carícias mais íntimas, aproveitando-se da guarda baixa que ele adquiria nos beijos, livrando-se daqueles braços ao redor de sua cintura, afastando-se rapidamente, enquanto os dedos limpavam os cantos dos lábios, deixando como segredo o beijo que trocaram.

—  Nos vemos mais tarde… em casa.



E fora aquela a perdição de Naruto, buscando manter o foco, mesmo com o pulsar desejoso de algo mais. Precisou de um esforço extra para não buscar alívio àquilo que tanto o fazia sentir-se apertado nas calças. Ao menos tinha a esperança de que, ao chegar em casa, seria compensado por tudo aquilo.

Shikamaru notava como o Nanadaime estava aéreo, sabia como ele não fazia nada além do que contar as horas para literalmente correr pra casa. E fora assim que deu um jeito para conseguir liberá-lo mais cedo, alegando à todos que o Hokage estava com uma forte dor de cabeça, e nada melhor que um banho e cama para ajudar. E bem, nesse ponto Shikamaru estava certo, os demais que não precisariam saber como Naruto usaria a cama.

Chegou já sorridente demais, mesmo com a casa naquela calmaria, como se ninguém estivesse nela. Mas Naruto havia aprendido, com o tempo, a notar as diferenças. Sasuke era sim muito calado, mas quando ele estava em casa sempre havia um par de surippa a menos na entrada. Havia também o cheiro, que mesclava-se ao aroma natural da casa, com sálvia. O cheiro daquele perfume que era único. Sabia também exatamente onde encontrá-lo. Naquele que era dito como seu quarto particular, afinal, foram anos de uma distância segura de tudo e todos, certos hábitos não se perdiam do dia para a noite, e Sasuke gostava de ter seu próprio canto, onde achava paz. Era o quarto no andar de baixo da casa, ao fim do corredor. Livros, algumas espadas, uma mesa e uma poltrona confortável, aquele era seu lugar de sossego. Para fazer o que desse na mente. E não fora surpresa para Naruto ao abrir parcialmente a porta após uma singela batida, recostando-se ali e notando a calmaria de Sasuke ao folhear um livro.

—  Chegou cedo.

—  Era a saudade falando mais alto. —  Moveu os ombros, como quem tanto fazia para as desculpas. A verdade era que não estava mentindo, havia sentido falta sim, afinal uma missão de 10 dias era uma missão longa demais para aquele coração piegas.

—  E foi essa a desculpa que usou para sair mais cedo? —  os olhos ainda permanecia à folha, como se a leitura fosse muito mais importante, mas claro que ele também estava saudoso.

—  Ah não, Shikamaru deixou implícito que eu precisava de uma cama. Claro que ele não mencionou a falta de roupas e uma companhia. —  As palavras vieram acompanhadas de um sorriso que deixava bem claro que sim, ele seguiria aquelas palavras ao pé da letra. Por isso despia-se da capa, jogando-na na cadeira ao lado da porta, entrando enquanto desabotoava a camisa, buscando o quanto antes despir-se. —  Dez dias é tempo demais.

Os olhos ainda no livro, mesmo que de soslaio notasse a aproximação de Naruto, vendo a sombra dele o atingir ouvindo os passos cada vez mais perto e por fim sentir as mãos dele em seus ombros e o hálito quente contra a nuca enquanto soprava de forma suave, sorrindo logo depois por tê-lo conseguido arrepiar. Assistiu também Naruto esgueirar a mão até seu livro, tirando-o de sua mão e fechando, para então deixá-lo sobre a mesa, sem a menor importância ao momento.

—  Dez dias… sabe o que isso significa? —  o sussurro fez novamente Sasuke se arrepiar, enquanto as mãos de Naruto passavam por seu tórax, descendo a cada vez mais, para então subir, levando consigo a camisa.

—  Sei, 240 horas.

Era claro que Sasuke não daria o braço a torcer, o que Naruto estava esperando? Até parecia que não conhecia o marido e sua personalidade leve e cativante. E sempre tão fácil de lidar e bem humorado.

—  Hm, é… Não deixa de ser, mas me referia à 240 horas privado de sexo. Porque a única pessoa com quem gosto de transar, estava ausente.

A mordida viera nada sutil no pescoço, marcando a pele alva. Como Naruto sempre fazia com Sasuke, ele marcava. Tomava-o como seu, e deixava isso claro para que ninguém fosse tolo o suficiente para se aproximar daquilo que era seu, e com muito esforço!

—  A única?

—  Uhum.

—  Como posso ter certeza disso? —  era um jogo, era sempre um jogo no qual os dois saiam ganhando. Ainda mais quando Naruto virava a cadeira, puxando Sasuke para ficar de pé e então prensá-lo à mesa.

—  Se a aliança no seu dedo não deixa isso claro, —  tomou a mão junto a sua. levando-a aos lábios, beijando ali como a prova do que dizia —  a forma como vou foder você, deixará.

Era uma promessa, os olhares trocados eram os acordos selados. Era a permissão para agirem conforme o instinto ordenasse, era pra ser selvagem, como ambos queriam. Afinal, 240 horas era tempo demais para ficar longe. E tempo suficiente para acumular tesão.

As mãos desceram num rompante às coxas de Sasuke, forçando-o a se impulsionar e abraçá-lo com as pernas e braços. As bocas selaram-se num beijo voluptuoso. Com tanto desejo que por vezes parecia transbordar, quando precisavam se separar em busca de ar e sentiam o filete, quase imperceptível aos olhos, ainda ligar os lábios. Para então selarem novamente os lábios, como se precisassem dos lábios alheios, como se a sanidade dependesse disso, embora a cada beijo perdessem um pouco mais…

Os passos eram erráticos, assim como as batidas do coração de Naruto, que parecia mais um tambor sendo espancado. Direcionava-se ao quarto, carregando Sasuke preso em sua cintura. Por mais que a vontade de debruça-lo à mesa fosse grande, sabia muito bem que a ladainha que viria depois seria digna de fazê-lo querer dormir na varanda, para sossegar os ouvidos.

Ao chegar ao quarto, havia perdido a camisa, e sequer conseguia recordar como e quando Sasuke o livrou da peça. Mas era justo, uma camisa pela outra. Agora faltavam apenas despir da cintura pra baixo, e com isso em mente Naruto jogou-o na cama, sem delongas, sem todo o esmero. Era desejo que falava alto ali, era a necessidade de tê-lo. A peça fora puxada, assim como a íntima, jogada por cima do ombro, pouco se importando onde cairia. Se no chão, ou na poltrona que ali perto havia. Naquele momento Naruto preocupava-se mais em se despir também. Como fazia agora, deslizando as peças de roupa, chutando-as para o canto, assim como a surippa. Ajoelhando-se na cama, e quase parecendo um felino (ou raposa) ao inclinar-se a frente e se aproximar do corpo nu de Sasuke.

—  Parece que não fui o único a ficar com saudade, huh? —  a pergunta era retórica, e a destra de Naruto ocupava-se em masturbar o Uchiha, fazendo-o se mexer sobre o futon, acomodando-se melhor, e buscando mais o contato daquela mão calejada de encontro à seu membro teso. —  Isso é bom, significa que você vai mesmo precisar de algo mais intenso hoje.

A risada fora abafada no pescoço alheio, tão logo distribuindo beijos na pele ainda gélida de Sasuke, sentindo as mãos dele em suas costas, arranhando-o conforme aumentava a pressão à glande, sempre que descia e subia naquela masturbação ainda lenta, mas intensa. Era detalhista, para espanto de alguns. Naruto era perfeccionista naqueles momentos, no que se empenhava a fazer. E o seu empenho era sempre recompensado ao ouvir o primeiro gemido, embora abafado. Podendo olhar pra cima conforme descia em beijos lascivos pelo tórax e abdômen de Sasuke, vendo a forma como ele mordia os lábios e como se contorcia. E descia em mais beijos, no intento de chupá-lo como teve vontade naqueles dez dias.

E céus! Como era bom ouvi-lo naquele breve instante de descontrole. Naruto ouviria aquilo o tempo todo se pudesse. Assim como desejava sentir as mãos de Sasuke em meio à seus fios, puxando-o ao tempo que o empurrava de encontro ao seu pênis. Descontrolado de suas próprias ações, apenas entregue à elas.

Sasuke por sua vez estava apenas saciando os desejos do corpo, buscando que aquela língua o banhasse desde a glande à base, que também lambesse os testículos e o que mais se fizesse no caminho, como períneo e a entrada de seu canal, bem entre as bandas das nádegas, fazendo-o soltar uma das mãos dos fios de Naruto, segurando-se ao travesseiro e tão logo o soltando para que abafasse os sons mordendo o antebraço. Precisou também inclinar-se na cama, forçando o abdômen para que assistisse a bela visão de Naruto chupando-o, enquanto deslizava a mão ao membro para se masturbar, como forma de conter o desejo.

—  Então é só isso? —  precisou respirar fundo para ter fôlego para dizer tudo sem gemer enquanto Naruto ainda o chupava com afinco, sentindo logo aquela língua penetrá-lo, instigando-o, enquanto a canhota o masturbava de forma mais rápida.

—  Ah não… Nem pensar. —  Não cessou a masturbação em si, indo lento para que apenas uma parcela do desejo fosse saciada. Sorrindo lascivo ao umedecer os lábios, piscando para Sasuke. —  Vira pra mim…

E enquanto Sasuke se virava na cama, Naruto se esticava ao criado mudo, tomando em mãos o lubrificante que seria necessário, assim como o preservativo. Deslizando-o sobre o pênis rijo e pulsante, notando a posição de Sasuke na cama. Ambos os braços esticados à frente, acima da cabeça, o tórax colado no travesseiro, os joelhos no futon, as pernas separadas. A visão era um privilégio que definitivamente não era cedido à qualquer um. E Naruto sentia-se sortudo de tê-lo tão entregue. Na cama não havia divergências, não havia dúvidas. Eram um do outro.

O lubrificante fora espalhado, tanto sobre o pênis protegido, quando nos dedos de Naruto, que logo reslavavam sobre o orifício exposto de Sasuke, apenas espalhando o componente viscoso que o ajudaria a fodê-lo como havia dito que faria. Um dedo, apenas uma ponta forçando entrada, para então sair fazendo um som molhado chegar aos ouvidos de Naruto e arrepiá-lo com a ideia de logo ser seu pau ali, forçando passagem, sendo abrigado pelas paredes internas e engolido conforme o invadia. E foi com isso em mente que não cessou a preparação, penetrando-o com dois dedos agora, indo até o limite que a extensão de seus dedos permitiam, e então tirando-os quase inteiramente para tornar a ir o mais fundo que era possível, abrindo os dedos ocasionalmente, de forma sutil, preparando o canal para algo consideravelmente maior.

—  Naruto… —  a voz era arrastada, mas o timbre trazia toda a luxúria que o acometia em momentos como aqueles. Os olhos pareciam ainda mais negros quando o olhava por sobre o ombro. E quando ele movia o quadril de encontro aos dedos de Naruto, como fazia agora, era enlouquecedor. E Sasuke sabia disso, por isso o fazia. Queria que Naruto o tomasse o quanto antes, que segurasse em sua cintura e se forçasse contra si. —  Me fode, agora! — o tom de voz não precisava ser elevado. Era mais que um pedido, e Naruto não tinha dúvidas quanto à isso.

Não esperou outro convite, ou ordem. Retirou os dedos daquele caloroso aperto, ainda ajoelhado sobre a cama, aproximando-se de Sasuke a fim de encaixar-se atrás dele, não sem antes passar a mão desde a nuca por toda as costas de Sasuke, finalizando com um sonoro tapa desferido na nádega direita, deixando ali o contorno exato de cada uma de suas falanges, assim como a palma. Ouvindo o gemido sôfrego de Sasuke, mesclado ao mais regozijo de prazer.

Sentia-se resvalar entre as nádegas de Sasuke, sentindo a necessidade de força-se contra ele, mas manteve uma parcela de sua calma, penetrando apenas a glande, de forma contida, arfando enquanto buscava forças ao se segurar firmemente na cintura de Sasuke, deixando ali também a tatuagem perfeita de suas mãos. Enquanto o Uchiha curvava ainda mais as costas, quase um arco perfeito, facilitando para que Naruto o consumisse em chamas.

—  Porra, é sempre tão apertado. —  Não era forma de erotizar o momento, era apenas Naruto sendo verdadeiro, enquanto forçava-se por inteiro, sentindo o canal de Sasuke num mix entre aceitá-lo e expulsá-lo e as contrações o faziam morder o lábio, tamanho o prazer que sentia ao ter o falo massageado de tal forma.

—  Se você não fizer nada aí atrás…

—  Vai dizer pra sair e dar o lugar pra outro? De jeito nenhum! —  e não mesmo! Afinal fora com vontade que saiu quase por inteiro para voltar a penetrá-lo com toda a sua vontade, ouvindo o som do choque dos corpos ecoar, assim como o gemido de Sasuke que agora segurava-se aos lençóis.

E permaneceram naquilo, em Naruto alargando-o conforme o penetrava sem dó, sentindo por vezes a glande contra a próstata alheia, o que fazia com que Sasuke arqueasse ainda mais e gemesse, isso quando não xingava um ou outro palavrão que, no momento, Naruto não captava de fato. Não quando podia segurar cada banda daquela bunda e assistir seu pau sumir ali, e voltar a aparecer para apenas sumir de novo, e de novo, e de novo. Aquele era um loop que ele não se cansaria. Mas sentia a falta de ver o amado, sentia falta de beijá-lo, por isso levou a canhota até os fios escuros, um pouco mais compridos do que quando dois adolescentes. Puxando-os, trazendo-o para si, fazendo com que os lábios se buscassem de forma errática e tortuosa. Um beijo que era consumado de forma afobada, devido a penetração intensa, do jeitinho que eles gostavam quando tempo demais sem transar. Como Naruto costumava dizer, igual o chá que Sasuke preparava… quente demais, forte demais, mas curiosamente viciante.

Estavam os dois agora de joelhos, e Sasuke (assim como Naruto) sentia o bambear das pernas. Sasuke bem mais, por sorte Naruto segurava-o possessivo. Enquanto agora a mão de Sasuke seguia até seu pênis negligenciado, masturbando-se enquanto a canhota seguia para trás, buscando a nuca de Naruto, para trazer aqueles lábios até seu pescoço e orelha. Pedindo de forma silenciosa que ele respirasse ali, porque em momentos como aqueles a respiração era pesada, e isso atiçava Sasuke, fazia-o se excitar ainda mais. E céus!, seu corpo pedia por aquilo, pelo orgasmo. Era selvagem a forma como aquela respiração ofegante o deixava ainda mais duro. Era quase doloroso quando não tocava em seu membro que pulsava buscando alívio. E quando Naruto o mordia como fazia agora, como sussurrava em seu ouvido o quanto ele era gostoso, e o quanto “aquela bunda merecia ser fodida”, tudo aquilo guiava o Uchiha ao orgasmo, derramando-se na mão, sujando travesseiro e lençol. Comprimindo involuntariamente o canal, obrigando Naruto a empenhar ainda mais esforço ao continuar estocando-o. Sentindo o baixo ventre esquentar na tão característica sensação pré-orgasmo. Indo mais firme, surrando a próstata alheia, pois isso trazia uma agradável sensação à glande, e consequentemente à todo o corpo que agora se arrepiava enquanto expelia todo o prazer naquele preservativo.

Os corpos não tinham forças para mais do que caírem exaustos na cama. Naruto por cima de Sasuke, logo ouvindo-o reclamar:

—  Dá pra sair, vai me esmagar assim.

—  Quem te escuta falando assim até pensa que você não gosta quando eu tô por cima de você. E não falo só durante o sexo, porque é você quem me segura no meio da noite me impedindo de ir pro lado na cama.

Hm, era sempre bom jogar a verdade na cara de Sasuke. Naruto sentia-se leve, como se tivesse acabado de gozar. No caso, de novo.

Sentiu uma cotovelada na costela enquanto sentava-se na cama, sorrindo ao olhar para o lado e ver o belo corpo (agora marcado) de Sasuke. Uma visão e tanto, e aquelas marcas… pareciam feitas por um selvagem.

—  Agora só falta o banho. Sabe, pra seguir a risca o que o Shikamaru disse que eu faria para melhorar minha dor de cabeça —  estendeu a mão na direção de Sasuke, sentindo os dedos de encontro aos seus, entrelaçando-se. — Depois tem a parte da cama… porque como mudei a ordem, preciso agora fazer certinho, né. Vai que o destino cisma de me fazer pagar por não levar a mentira ao pé da letra, e me dá uma dor de cabeça de verdade pela manhã. Tsc.

O sorriso fazia as marcas nas bochechas sobressaltarem, e aos olhos de Sasuke não tinha como Naruto ficar mais bonito do que quando sorria. Exceto, claro, quando ele o fodia.

E obviamente que depois do banho rolou um pouco mais de cama, e depois de mesa de cozinha. E dessa vez para alimentar o estômago e não o tesão.

15 de Enero de 2019 a las 00:16 3 Reporte Insertar 128
Fin

Conoce al autor

Lux Noctis A verdade é que não há absolutamente nada de especial aqui.

Comenta algo

Publica!
Cecilia Jarske Cecilia Jarske
OBRIGADA, SENHOR, POR TER TIDO O PRAZER E A OPORTUNIDADE DE LER ESSE PWP DELICIOSO. AMÉM! sz
15 de Enero de 2019 a las 11:18

  • Lux Noctis Lux Noctis
    ANJO QUE CHAMA, NÉ? COISA LINDA <3 Aguarde mais histórias com esses dois, porque: aparentemente tomei gosto. haha culpa de vocês! 15 de Enero de 2019 a las 16:36
  • Cecilia Jarske Cecilia Jarske
    EITA QUE ESSA CULPA EU ASSUMO E CARREGO COM GOXXXXXXXXTO, AMORE! sz 15 de Enero de 2019 a las 16:38
~