Depois da Aula Seguir historia

lasaphyra Lasaphyra

Aquele professor parecía ser a pessoa mais irritante e desinteressada do mundo, e isso enfurecia Ciel de uma forma inexplicável. Porém, ainda que aquele sentimento fosse recíproco, e das frequentes alfinetadas e insultos, algo entre aqueles dois parecía os aproximar cada vez mais.


Fanfiction Sólo para mayores de 18.

#aloclaude #sebaciel #faculdade #escola #aluno #professor #blackbutler #claude #agni #soma #alois #ciel #sebastian #kuroshitsuji
5
3790 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 30 días
tiempo de lectura
AA Compartir

As primeiras impressões, são sempre as que ficam.

Estavam atrasados.


Os dois homens grandes e desengonçados que só tinham músculos e nada mais. Se esbarravam tentando vestir direito aqueles uniformes de professor que julgavam ridículos mas eram forçados a usar. Resmungando palavras sujas de adultos finalmente conseguiram terminar aquela luta contra os tecidos e descer do carro apertado vendo a enorme construção a frente.


Era o Weston College, um colégio interno para jovens de classe alta ou super dotados do país.


- Isso não vai dar certo… - Disse o de olhos avermelhados enquanto o amigo suspirou em resposta


- Tem que dar certo! Nos metemos com gente da pesada dessa vez Sebastian, essa é nossa última opção…


- Mas, mas ninguém vai acreditar que somos professores!


- Você quer parar com toda essa negatividade?! Quem foi que sobreviveu por um ano comendo só em festas de casamentos aleatórios como penetra?


- A… A gente…


- E quem foi que conseguiu morar de graça naquele hotel chique até pegarem o “inquilino” nú na banheira dando uma “festinha”?


- A gente…


Desta vez o mais alto com olhos amarelados cruzou os braços.


- E quem foi que se meteu com o chefão do tráfico de órgãos e comeu o namorado dele?


- …


- Quem foi Sebastian?!


- FOI EU! TÁ?! EU SEI!


- QUE BOM QUE SABE! Porque é por SUA causa que estamos aqui agora! E se não ficarmos aqui não vamos poder pagar a nossa dívida!


- Haaa… eu deveria ter ao menos completado o segundo grau… - Esfregava a cabeça nervoso


- Temos algo mais importante que o segundo grau.


- E o que é…?


- Contados!


- ISSO NÃO AJUDA EM NADA!


A conversa foi interrompida pela porta traseira abrindo enquanto uma figura prateada saía com o lixo.


- Hmmm? - O aparentemente velho mas de ótima aparência apesar das cicatrizes pelo rosto apertou seus olhos aos dois. - Ora… quem é?~


Lógicamente era um cegueta apesar da boa aparência. Com isso os dois coçaram as gargantas e retomaram a postura.


- Bom dia, somos o senhor Michaelis e Faustus, os novos docentes.


- Aaaaaa que bom! Hi hi hi - foi dizendo enquanto jogava o enorme saco de lixo na lixeira verde. - E a quem eu deveria os levar?~


Se entre-olharam meio nervosos, aquela frase era como uma “frase chave” que deveríam responder adequadamente para saberem a qual lado daquele lugar pertenciam. E com isso, o de olhos rubros respondeu.


- Por favor. - Sorriu desconfortável mas se esforçando em seu papel. - Nos leve ao “Diretor”


O velhinho enxuto de olhos verdes vibrantes sorriu largamente e os indicou para entrarem.


- Será um… enorme prazer~





Enquanto isso o avolroço nos dormitórios tinha outro ritmo.


Alunos extremamente dedicados e procupados com sua vida acadêmica vestiam seus uniformes em passos marcados. Camisa interna, calça, meias, sapatos, gravata, colete, e broche. Esses eram todos os itens para tornar um aluno de Weston, impecável. Ao menos a maioria deles…


- Quanto tempo vai ficar dormindo? Nossa aula começa em vinte minutos


Reclamou o colega de quarto de uma das recentes crianças mais ricas do país, era este Alois Trancy.


- Me dá um tempo… Não é como se a sala fosse longe daqui…


Resmungou sonolento o colega de quarto de um dos garotos mais inteligentes de sua geração, este era Ciel Phantomhive. Sua família não tinha muito dinheiro, na verdade começava a se erguer agora depois de anos lutando contra a diferença salarial, tudo o que queríam era um bom título para se firmar na sociedade hireárquica daquele país “atrasado” e por sorte, haviam dado a luz a um gênio mirím que pulou três séries e pôde se consagrar ingressando naquele colégio com suas notas impecáveis.


- Haaa… você me dá tanto trabalho


- Não me lembro de você ser minha babá, aliás… você não é 2 anos mais novo que eu?


- 3… Você repetiu uma série…


- Aaaarrr você é tãaao chaaatooo…


- Para de reclamar! Vamos! - o balançava infantilmente na tentativa de despertá-lo, Ciel era um garoto bem insistente, e tinha que ser levando em conta de onde vinha. Crianças pobres não tem vez se não exigirem isso. E por conta disso, a última coisa que aquele pequeno tinha, era fragilidade.


Discutiam se balançando até o loiro puxar seu amigo pros lençóis e rir bagunçando seu cabelo


- NÃO! EI! Eu levei uma hora pra arrumar! Para! Paraaaa!


- PFF hahahahaha


- Socorro! Socorro! hahahahah


A porta foi chutada após o segundo grito por ajuda do menor por um belo e reluzente, literalmente pois por cima do uniforme usava brincos e colares de ouro típicos de seu país, rapaz de pele perfeitamente negra e cabelos ondulados num absurdo de maciez.


- CIEEEEEL! - Correu até os dois na cama e se jogou em cima do monte de lençóis fazendo mais peso ali


- WUAAA! HAHAHAA

- KYAAAAAA!


- Eu ouvi você pedir socorro então eu vim! EU! PRÍNCIPE SOMA! DE…!


O sino do colégio tocou longamente interrompendo os três que olhavam um dos sininhos ligados ao alarme geral.


- Oh, é hora da aula!~


Levantou os dois nos braços e correu do jeito que estavam para fora.


- AAAA ESPERA! MEU CABELO!


- ESPERA! ESPERA! SOMA! EU DURMO PELADO!





Parecia ser mais um dia normal até então.


Ao menos para os dois lados daquele lugar, enquanto aos olhos mais rasos o colégio exalava elegância e tradição, pelos olhos mais aprofundados a história daquelas paredes era possível ver uma grande linhagem de pecados no submundo… Mas nada o que predujicasse as crianças.


Na verdade, quase tudo naquele país era liderado por chefes e “diretores” de um mundo mais baixo. E Weston não era diferente, com certeza o país não era lugar para dois já não tão jovens vigaristas que passaram a vida toda dando golpes que nem deram tão certo assim.


Conseguiam sobreviver como dava, caíndo mais do que levantando, mas naquele momento não estavam tentando se dar bem, e sim tentando consertar um desses deslizes.


Fingir ser professor dali por um ano… Essa era a condição. O comandante do colégio Weston era inimígo do homem na qual Sebastian irritou, e em troca de informações sobre o mesmo, coisas que o mesmo descobriu sem querer em conversa de cama, o protegeria naquelas paredes e o pagaria o suficiente para poder fugir daquele país e se livrar de sua dívida. Não aceitaría algo assim se não tivesse envolvido seu amigo nisso também, Claude havía levado uma boa surra em aviso a Sebastian e por isso não tinham mais opções além daquela.


Mas não estava tão animado assim, não era como se não tivesse tentado trabalhar honestamente durante sua vida, mas parecia que sempre queríam passar a perna em sí. O que sempre lhe tirava um pouco da fé na humanidade.


- Afinal qual é a graça de ficar olhando dois marmanjos fingindo dar aula? Isso é ridículo…


Resmungava entrando na sala onde todos os alunos pararam de conversar ao perceber a porta abrir e nisso Sebastian até levou um sustinho. Devagar, olhou rapidamente todos naquela sala que parecia grande demais, era acostumado a chamar atenção naturalmente pelo seu porte, e com isso todos o observavam fixamente enquanto andou em silêncio sem ter idéia do que falar naquele momento. Parou atrás de sua escrivaninha colocando os livros que recebeu do “Diretor” nela. Gaguejou um pouco até olhar o quadro atrás de si, era alto e longo o bastante para escrever um livro inteiro, quase media o tamanho completo da parede.


Ciel era daquela turma, geralmente ficava meio escondido pela altura dos outros alunos mas pôde observar curioso o novo professor chegar e paralisar ali. Era um homem bonito, parecia ter boa postura e seus olhos eram afiados, tinha que admitir que sua aparência era respeitável… Porém… O mesmo já estava de costas pra turma quase durante toda a aula, parecia ter entrado em pânico.


- Mas o que…? - Resmungou ao notar o horário passando e seus amigos rindo baixinho do professor que nada parecia o que aparentava ser. Aquilo o irritou levemente, detestava perder tempo, principalmente tempo de aula. Assim coçou alto a garganta o fazendo virar procurando quem era.


Sebastian olhou para trás onde os alunos já risonhos pelo tanto de tempo que passou ali em silêncio e os dar muita atenção desta vez percebeu uma mão levantada.


- Sim? - Disse confuso ao menorzinho da turma que percebeu ter uma heterocromia diferenciada nos olhos. Assim ao ter a atenção do professor obtida de levantou.


- Você não vai dar aula? - Sua entonação não combinava nada com a aparência infantil do pequeno, parecia irritado com aquela atitude inútil do maior que prontamente se ofendeu com aquele tom.


- O que?


- Aula… A-U-L-A - Disse pausamente - não é pra isso que está aqui? Ou se perdeu no caminho pro almoxarifado?


- O que…?


- “Almoxarifado” não conhece essa palavra? Significa “Já está aí a meia hora disperdiçando o tempo de aula”


Todos riram com o comentário em tom sarcástico do menor o que fez Sebastian se irritar lembrando em como odiava a escola no passado. Não havia notado que passou tanto tempo inérte mas nunca que deixaria um projeto de ser humano como aquele o dobrar.


- Ei ciel… - Cochichou o loirinho ao lado. - Não seja tão malvado, deve ser a primeira vez dele


- E daí? Ele é um professor, tem que fazer suas obrigações, eu não vou perder horas aula por causa de um descaso de um amador


- O que?


- Eu disse que…


- Não não, eu ouvi o que você disse, o que eu quero mesmo saber, é o que um…


Novamente o alarme contínuo do colégio tocava alertando o fim da primeira aula. Os alunos teríam meia hora de intervalo e voltaríam a suas atitvidades depois. Por sorte, o sino interrompeu Sebastian antes que insultasse aquela criança na qual já não foi muito com a cara. Por mais que tenha paralisado, que tipo de nerd mirím reclama de ter uma aula vaga?





E era isso que perguntavam a Ciel no pátio alguns minutos depois.


- HAHAHAHA O que foi aquilo?!


Riam seus amigos ao lado do menorzinho que de braços cruzados havia perdido o apetite.


- Ele reclamou mesmo com o professor só porque ele não deu aula? - Disse Soma já que era mais velho e estava no último ano.


- Sim! Hahahah parecia um nerd viciado! Hahahah


- Cala a boca! Eu detesto perder aula! Sabe quanto assunto ele atrasou por causa dessa hora?!


- E daí? Você já leu o livro todo que eu sei


- Mesmo assim! Detesto quem não leva a sério seu trabalho! - franziu mais ainda as sobrancelhas. - Conseguir um emprego nesse lugar tão renomado e ignorar seus alunos desse jeito… Que tipo de professor ele é?! - O loirinho suspirou longamente


- Ciel ciel ciel… - Dava tapinhas em sua cabeça


- Para.


- Meu pequeno Ciel…


- Para com isso.


- Cielzinho… - O pequeno rosnou mas Alois não parou com a mão. - Você precisa entender que nem todo mundo é um traça de livro, pra gente só foi engraçado ele ter paralisado. Se você for sempre rude assim todos vão pensar que você é um resmungão


- Eu não sou resmungão, só me dá nos nervos quando atrapalham a aula!


- Mas ele não “atrapalhou” a aula, você quem precisa relaxar as vezes! Quer dizer… e se ele estava nervoso por dar sua primeira aula num colégio tão prestigiado que travou? Talvez ele só estivesse nervoso e o que você fez? Humilhou ainda mais ele


- Que…? Eu não… não foi isso!


- Só estou dizendo… - O interrompeu. - Que mesmo ele sendo grandão e mal encarado, pode ser que por dentro ele seja frágil e inseguro, e a última coisa que ele precisa agora… é que seus alunos não o apoiem como educador.


Com os olhos arregalados, os dois que ouviam Alois estavam de boca aberta ao o ouvir dizer algo tão sensato.


- Wow… - Foi a única coisa que Soma conseguiu emanar depois daquilo


- Haaaa… Certo, eu vou tentar não ser tãaao exigente…


- Awwwwww… - O abraçou o pescocço - É assim que se fala meu pequeno pequenino pequenininho Cieeeeel~


- EU JURO POR DEUS QUE EU VOU TE MORDER! ME SOLTA!


- Você vai ver~ Talvez até ele esteja arrependido sobre hoje!~


- Ei. - Soma disse fazendo os dois pararem e o olhar. - Esse professor chegou hoje no colégio?


- Ah, acho que sim, nunca o vi antes, porque? - Respondeu ainda abraçando o menorzinho


- É que a minha turma também ganhou um professor novo hoje que mal sabia o que estava ensinando, não é estranho recrutarem pessoas assim e logo no meio do ano?


Pararam para raciocinar um pouco. Realmente era estranho, mas mesmo que fosse um assunto divertido na qual pensar não tinham muito tempo para falar disso antes de todas as aulas acabarem. Com isso, voltavam as salas depois do intervalo, “por sorte não mais as daqueles professores novatos” pensou Ciel, e mais tarde estavam de volta aos dormitórios.





Já risonhos quando Sebastian entrou na sala dessa vez esperavam algo tão bom para piadas quanto o primeiro dia do maior mas o mesmo parecia estar mais incomodado que no dia anterior apesar do semblante curiosamente suspeito.


Jogou os livros na escrivaninha, sentou e antes de colocar os fones de ouvido emanou em voz alta.


- Leiam as páginas 230 até a 400.


Obedeceram por costume apesar de Ciel rangir os dentes, mas por ter prometido ao amigo que não iria arranjar duas brigas seguidas com o professor nem julgá-lo antes do tempo, então por hora se conteve. Uma hora depois, o sino tocou e todos arrumavam suas coisas para sair enquanto Sebastian se levantava.


- Quero os exercícios da página 401 respondidos até amanhã, e senhor Phantomhive.


O menorzinho parou já perto da escrivaninha para sair enquanto alguns alunos ainda se arrumavam e outros olhavam aquela situação de perto.


- Sim?


- Eu acho que lhe devo um pedido de desculpas por ontem. - O semblante do menor melhorou automaticamente, talvez Alois estivesse certo sobre primeiras impressões.


- Que bom que pensa assim! Eu também acho. - Sorria com os olhos


- Ah é mesmo? Que bom, então me desculpe… - O mesmo sorriso que lhe dava foi substituído por um em outro tom. - Por não tê-lo punido devidamente.


- O que…? - Todos ao redor pararam o que estavam fazendo


- Como punição a sua atitude rude para com um professor, vai ficar depois da aula hoje e vai limpar cada carteira, cada cadeira e cada centímetro do chão.


- Co-como assim?! ESPERA! Isso não é motivo! Porque estou sendo punido por algo assim?! Porque só eu tenho que ficar e limpar a sala?!


- Ah, eu lhe direi o “porque” agora mesmo. - Sorriu maquiavélicamente porém com a imaturidade nítida no olhar ao se aproximar do rostinho do menor e dizer com grande satisfação em seus lábios. - Porque… - Disse pausadamente ao concluir. - EU QUERO.


O sorriso satisfeito do mais velho contrastava com o rosto em agonia do menor que tremia as mãos cerradas ao segurar seu semblante furioso. Ambas as expressões se completavam. Já era tarde, a partir daquele momento nada mudaria suas impressões um do outro.

2 de Enero de 2019 a las 01:40 0 Reporte Insertar 2
Continuará… Nuevo capítulo Cada 30 días.

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~