Entre Aromas e Acordes Seguir historia

mandyfran Mandy Fran

“-Um café ristretto grande e um brownie pra viagem? -S-sim... -Keith... – O de olhos azuis pensou alto enquanto digitava o nome do cliente no pedido. – São dezessete dólares. -Calma ai, lembra do meu nome? E eu nem tinha feito meu pedido. – Ele respondeu, com a voz vacilando entre surpreso e desconfiado e tirando notas um pouco amassadas do bolso. -Você faz o mesmo pedido todas as sextas, eu só acabei decorando. – Lance deixou uma risada escapar enquanto dava o troco ao rapaz. – Cinco minutos de espera, e bom ensaio. -Como...? -A guitarra nas suas costas, não é difícil de perceber... – O moreno riu novamente. – Próximo” Um aspirante a ator, um guitarrista talentoso. Um barista frustrado, um motoboy esquentadinho. Praticamente sozinhos numa cidade metropolitana, o destino desses dois parecia depender apenas do quanto eles se esforçassem para conquistar seus objetivos. Entretanto, alguns contatos, xicaras de café e músicas poderiam mudar o futuro deles.


Fanfiction Caricaturas No para niños menores de 13.

#au #Barista #music #Romura #Lotor #Romelle #Allura #Hunk #pidge #lance #keith #yaoi #klance #voltron
0
4097 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los sábados
tiempo de lectura
AA Compartir

Fluorescent Adolescent

O alarme tocou pela terceira vez naquela manhã, depois de três sonecas, Lance finalmente ouviu o tilintar das notas agudas que emanavam do seu celular. Ele se levantou, foi ao banheiro e encarou o espelho, seu rosto estava magnífico, nada fora do normal. Tomou um café da manhã rápido, arrumou a cama e começou a ensaiar suas falas.

A cada semestre as provas ficavam mais difíceis, os professores mais rígidos, os papéis mais complexos e as oportunidades mais concorridas. Diversos produtores e diretores haviam visitado os palcos nos quais Lance se apresentava todo final de semestre, entretanto, ele nunca parecia ser o foco dos olhares. Seus colegas de turma recebiam ofertas de trabalho em peças, filmes e até comerciais, não era como se ele não se sentisse feliz pelos amigos, mas Lance queria ser parte de tudo isso; queria ver e ser visto pelo mundo; queria estar nas telas de grandes festivais; queria mostrar sua voz em musicais famosos; queria dar vida a personagens com histórias e sentimentos únicos, invés disso estava vivendo numa kitnet em Nova York, e trabalhando como barista para pagar suas contas e a faculdade.

Depois de algumas horas, o latino tomou um banho, colocou seu uniforme e começou seu trajeto em direção a cafeteria onde trabalhava. O lugar não era de luxo, não era uma rede grande e nem oferecia os produtos mais refinados, entretanto, o aroma de café fresco e pão de queijo que emanava daquele lugar atraía clientes a toda hora. Holy Bean não era o pior lugar para trabalhar, e nem o melhor, por mais que Lance gostasse de seu trabalho, ele tinha que lidar com clientes inconvenientes com reclamações que ele não tinha, ou não sabia como, resolver; seu chefe sempre irritado; e as falhas técnicas que resultavam em filas enormes.

Mesmo que a rotina o destruísse por dentro, Lance era um ator; e por mais que o homem na frente dele estivesse demorando uma eternidade para escolher que tipo de café queria; irritando os outros clientes que esperavam na fila e o próprio Lance; o jovem mantinha o melhor de seus sorrisos no rosto enquanto perguntava pela segunda vez:

-Não acha melhor o senhor se sentar e voltar quando tiver escolhido o que quer?

-Não, essa fila está enorme. – Uma veia saltou na testa do moreno. Sua colega no caixa ao lado, Aline, reparou em como Lance estava enfurecido, mas não pode fazer nada, afinal, quem estava tentando dar conta de atender os clientes e preparar os pedidos era ela.

Lance e Aline frequentemente revezavam entre quem ficava no caixa e quem fazia as bebias, simplesmente porque um dos trabalhos era mais estressante que o outro, e a falta de pessoal no lugar não facilitava nada para os dois....

 

Keith já estava de pé quando seu alarme tocou, ele havia passado toda a noite anterior trabalhando em músicas e tentando aproveitar o máximo que aquele momento de criatividade podia dar á ele.

Naquela hora da manhã, Shiro já deveria estar na escola e o mais novo não tinha exatamente que se preocupar com o horário, o ensaio da banda começaria em duas horas, e ele tinha basicamente tudo que precisava, entretanto, a melodia que dedilhava nas cordas da guitarra não soava bem, não soava da forma como ele queria, não soava perfeita.

Pegou seu celular, enviou uma mensagem para Pidge, sabia que ela responderia, era uma desocupada na visão dele.

EuSouTãoEmo

Ei, preciso de ajuda com a melodia de uma nova música

RainhaDaInternet

Nova música?

Desde qnd?

EuSouTãoEmo

Desde ontem a noite

Chega no ensaio mais cedo hj?

RainhaDaInternet

Pd deixar

EuSouTãoEmo

Mais uma coisa...

PARA DE MUDAR MEU NOME DE USUÁRIO CRLH

RainhaDaInternet

Nunca lol

 

Keith suspirou, colocou o celular no bolso, pegou sua hardcase e desceu até a garagem do prédio. Quando viu a mochila do “Burguers & Ice Cream” ainda presa na moto, ficou desconfortável ao lembrar da noite anterior...

[...]

-Pela última vez, o senhor não pediu troco quando fez o pedido, e eu não posso usar o troco dos outros pedidos. – Keith tentava inutilmente argumentar com um senhor que havia acabado de atender, não era comum ele discutir com clientes, mas quando discutia, as coisas saiam um pouco do controle.

-É claro que pode garoto, não me faça esperar e devolva meu dinheiro, eu quero comer!

-Senhor... Me entregue a quantia certa ou serei obrigado a te deixar sem troco...

-Você não ouse!

Keith deu meia volta, se preparando para sair pois já não aguentava aquela gritaria - que não iria a lugar nenhum - e estava prestes a perder o pouco de paciência que ainda lhe restava, mas sentiu uma mão em seu ombro.

-Aonde pens- O homem não foi capaz de terminar a frase, o punho do jovem foi de encontro ao rosto dele.

-...Aproveite a refeição. – Subiu na moto e dirigiu de para o próximo endereço. – Emprego de merda...

 

-Keith! Quantas vezes eu já te disse? Não pode surtar com os clientes, aquele homem ia nos processar se eu não tivesse dito que iria mandar outra pessoa com o troco pra lá.

-Tudo isso por causa de dois dólares...- Ele revirou os olhos. Já era a terceira vez que tinha aquela conversa com o chefe. Não era como se Keith tratasse os clientes mal, ele sempre mantinha a formalidade e a educação, e começou a tentar sorrir depois que o restaurante recebeu uma ligação de uma garotinha dizendo que “o cara que foi entregar comida era muito assustador”, mas ele não se sentia obrigado a tratar bem pessoas como o homem que havia socado.

-Não é sobre os dois dólares, é sobre o soco!

-Não me arrependo...

-Olha... Eu sei que você é um bom garoto, você se esforça pra trabalhar, é um bom motorista e sempre chega no horário. Eu estava pensando até em te dar um aumento no final desse mês, mas não posso te manter aqui se você continuar assim...

-...Me desculpe senhor Torres, não vou fazer mais isso.

-Eu espero. – O maior deu dois tapinhas nas costas de Keith antes de voltar aos seus afazeres. O jovem foi até a divisão entre a cozinha e o caixa, onde pegava as entregas.

-Aprontou de novo Keith? – Entre os vários fogões industriais, estava Hunk, o prodígio da culinária que sonhava em construir grandes aeronaves e trabalhava na cozinha apertada do Burguers & Ice Cream basicamente pelo menos motivo que Keith fazia entregas, pagar as contas e se manter na faculdade.

-Eu não fiz nada, é culpa daquele velho...

-Uhum, eu acredito. Bem, pelo horário não vamos receber mais nenhum pedido hoje, o Jonas foi entregar os últimos, porque não vai pra casa? Eu vou fechar aqui também.

-Certo... quer uma carona?

-Com você? De jeito nenhum, eu quase vomitei da última vez que andei de moto contigo.

Os dois riram, se despediram e Keith pode finalmente voltar pra casa

[...]

Desvencilhou a mochila da moto, subiu na mesma e iniciou seu caminho para o estúdio onde ensaiava, quando estava no meio do trajeto, sentiu um vibrar na barriga e lembrou que não havia comido nada desde a noite anterior. Parou a moto na primeira vaga que encontrou e olhou ao redor em busca da padaria ou lanchonete mais próxima “Holy Bean... Tomara que o café seja melhor que o nome” pensou rindo.

11 de Diciembre de 2018 a las 14:03 0 Reporte Insertar 2
Leer el siguiente capítulo One For the Road

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 25 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión