Cicatrizes Seguir historia

vanychan734 Vany-chan 734

A guerra contra o Império Galra havia deixado muitas cicatrizes, e tudo que Shiro queria era alguém para cuidar delas. Felizmente, Keith estava disposto a assumir esse compromisso.


Fanfiction Caricaturas Sólo para mayores de 18.

#romance #yaoi #lgbt #lemon #voltron #sheith #shiro #keith
Cuento corto
3
4.7mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único - Cicatrizes: Marcas da Guerra

NOTAS INICIAIS:

OLaar! Como sempre, eu sou muito influenciada pelas fanarts, mas essa one em especifico virou um dos meus xuxuzinhos. Eu a fiz com o intuito de mostrar um amorzinho gostoso, porém eu tive que me controlar no angst que começou a florescer haha, mas tá tudo bem. Alguns *detalhes* do canon foram alterados para manter a proposta, mas não é necessariamente canon divergence. 
~Fanfic postada em todas as minhas contas (ink, spirit e nyah). 
~Capa editada por mim, créditos das fanarts originais aos artistas @ribbitsplace no tumblr e @yuuya.rt no picdeer.

------------------------------------------------


O Voltron e Atlas, juntos, derrotaram as tropas de Sendak e salvaram a Terra. Por consequência, os paladinos e a tripulação de Atlas se tornaram heróis mundialmente reconhecidos, a ponto de fazerem conferências e ajudarem ONGs ao redor do globo. Mas, às vezes, os heróis também se mostravam humanos e tinham seus momentos de pesar.

Para Hunk, era a mãe com transtorno de pânico¹ por causa da violência sofrida no campo de concentração galra, não conseguindo sair de casa.

Para Lance, era o medo da morte potencializando sua insegurança, afetando o desejo de se manter um paladino, ainda mais agora que estava com sua família e seguro.

Para Allura, era a alteana ainda desacordada no monstro que havia atacado a Terra e a possibilidade de mais alteanos sob o fragmentado Império Galra, a mercê de experimentos e torturas.

Para Pidge, era a ausência de Matt que não fazia contato com a Terra há mais de um mês e nem respondia aos chamados, deixando a dúvida sobre sua morte para toda a família Holt.

Para Keith, era o preconceito dos humanos em relação a si por causa de sua herança Galra, assim como a distância de Krolia que continuava com os Espadas no espaço.

Para Shiro, eram as lembranças de Adam e o TEPT² trazendo à tona memórias do tempo cativo.

Cada um deles tinha uma cicatriz da guerra intergaláctica.

No entanto, Shiro era o único que tinha sofrido torturas e experimentos, deixando de fato cicatrizes em sua pele. Todos se preocupavam com o capitão do Atlas, mas depois de um surto e consequentemente uma mudança estrutural em Atlas, Iverson e o Almirante Holt exigiram que ele começasse um acompanhamento psicológico com um dos funcionários da Patrulha. Shiro também teve o apoio dos amigos para isso e então decidiu acatar às ordens.

E uma de suas questões centrais durante o tratamento era o próprio corpo, suas cicatrizes e o atual braço alteano que Allura havia confeccionado para si.

Ninguém sabia sobre a sua insegurança, vergonha e até certa aversão ao corpo, com exceção de seu terapeuta e Keith. Não porque havia contado algo ao menor, mas sim porque ele era bastante perspicaz quando o assunto se referia a Shiro, e não foi difícil perceber que a sua relação com o corpo era um pouco mais complicada que o normal, uma vez que cada cicatriz, mancha na pele e marca era uma lembrança do tempo que viveu como prisioneiro e Campeão.

O olhar violeta cheio de preocupação o seguia pelos corredores de Atlas, nos centros de treinamento, nas reuniões conjuntas e até mesmo nos vestiários. Keith não dizia nada, mas ele sabia dos sentimentos de Shiro, que por sua vez era grato pelo respeito do mais novo em não confrontá-lo com nenhuma questão, embora se preocupasse consigo.

Shiro não se banhava e nem se trocava junto aos outros paladinos ou patrulheiros. Todos tinham sua própria cabine ou quartos divididos entre cadetes em Atlas, mas muitas vezes o vestiário masculino era um momento de relaxamento pós-treino que os oficiais aproveitavam entre si. Shiro não, ele se encaminhava para sua cabine particular e somente depois saía para suas funções ou reuniões amigáveis. Alguns o questionavam sobre essa fuga, mas o antigo paladino se mantinha cordial, coçava o pescoço e dizia que se ficasse ali iria se atrasar – o que não era uma mentira completa.

Foi por isso que Keith se surpreendeu quando o viu entrar no vestiário com uma toalha nos ombros. A expressão do outro era de leve vergonha e assim que abriu a boca para pedir desculpas por “atrapalhar”, Keith se antecipou:

- Fique.

Shiro desviou o olhar e coçou o pescoço indeciso.

- Se eu não for incomodar...

- Você nunca me incomoda, Shiro.

Os olhos castanhos focalizaram em si e, após refletir por instantes, ele assentiu de modo languido, fazendo Keith passar o sabonete despreocupadamente por seu corpo para se distrair e dá-lo privacidade.

Shiro estava vestido com uma regata branca suada, um shorts azul simples e um tênis de esporte, o que levou Keith a pensar que se tratava de um pós-treino durante a madrugada, ocasionado por algum pesadelo – fator bastante comum para o mais velho.

Coincidentemente, o paladino negro havia voltado de uma missão humanitária na Índia e se dirigiu ao vestiário, que era mais próximo ao hangar dos Leões do que seu quarto.

Ele estava prestes a sair do chuveiro, porém, quando Shiro retirou a camisa e deixou os músculos da costa à mostra, resolveu retardar seu término. As íris violetas focalizaram cada relevo na pele branca de Shiro, constatando sua tensão e fazendo Keith se fantasiar o massageando. A água quente continuava caindo sobre si, mas assim que o mais velho se curvou para se livrar dos sapatos e partes de baixo, Keith ponderou se deveria mudar a temperatura da água para gelada. Shiro tinha costas largas, a bunda levemente arrebitada, coxas grossas e panturrilhas torneadas. As cicatrizes ao longo do torso e até mesmo nos membros inferiores só o davam um charme a mais, exaltando sua masculinidade. Ele era a própria personificação do desejo, principalmente do de Keith, que ofegou quando Shiro se virou de frente e caminhou em direção aos chuveiros, nu, imponente e com o rosto vermelho pela vergonha.

Keith também tinha suas cicatrizes por causa do treinamento com a Espada de Marmora, mas elas eram um lembrete do quanto havia evoluído e até mesmo do tempo que passou com Krolia – responsável por várias das suas marcas. Entretanto, esse não era o caso de Shiro e ainda assim, para Keith, até as cicatrizes do capitão de Atlas aparentavam fazer parte da obra completa.

Eles se ensaboaram em silêncio, Shiro evitava olhá-lo e Keith o observava discretamente.

Para o mais velho, aquele era um momento confortável já que Keith não havia lhe questionado o porquê de estar acordado àquela hora, agindo naturalmente. Ao mesmo tempo, Keith se limitava a apreciar a oportunidade de ver a água do chuveiro escorrer pelo corpo másculo a dois metros de si.

Há tempos Keith vinha se sentindo atraído pelo melhor amigo, mas muitas coisas o levaram a pensar que talvez não fosse o melhor momento para trazer aquele tema à tona, como a Guerra. Contudo, os últimos dias o deixaram um pouco perturbado porque os olhos castanho-acinzentados vinham focando em si por longos instantes para logo em seguida serem desviados, como se o contato não tivesse acontecido de verdade. Como consequência, Keith estava mais estressado também. Shiro era o homem-da-vida de qualquer um, porém, no seu caso, acreditava que ele era de fato o homem-da-sua-vida porque sem Shiro ele não seria ninguém naquela etapa da vida. Keith era mais grato do que poderia explicar, mas toda sua admiração por Takashi foi se transformando ao longo do tempo... e a experiência na base dos clones foi a última peça para que afirmasse seus sentimentos.

E desde aquele dia, eles não conversaram sobre isso.

Keith olhou para ele de novo, dessa vez ignorando a discrição. Shiro tinha a cabeça inclinada em direção ao jato de água, os olhos fechados e a boca levemente aberta, ambas as mãos passando pelo cabelo e por fim deslizaram até o pescoço, ele suspirou pesaroso e depois abaixou a cabeça para deixar a água quente incidir sobre seu trapézio.

Shiro tombou a cabeça para o lado a fim de observar Keith e se surpreendeu ao encontrá-lo o olhando também. O paladino negro terminava de enxaguar a virilha quando se sentiu quente pelo olhar atento do mais velho. Keith tinha quase certeza de ter visto desejo nos olhos de Shiro, mas antes que pudesse dizer qualquer coisa, ele já havia se virado de costas para si.

Keith piscou algumas vezes, tentando organizar seus pensamentos e assim que conseguiu, respirou fundo. Ele já estava farto daquela tensão entre eles, de ambos fingirem se ignorar desde que voltaram para a Terra, de Shiro o evitar o máximo possível e do constante desejo de beijá-lo, tocá-lo e senti-lo. Por esse motivo, ele desligou o seu chuveiro e logo em seguida caminhou até o de Shiro, o surpreendendo com um abraço por trás, unindo os corpos e deixando a água cair sobre eles.

- K-Keith? – Shiro gaguejou enquanto enrijecia os músculos.

O paladino negro não se intimidou. Ele era completamente impulsivo quando se tratava do companheiro, mas naquele momento Keith queria demonstrar o que estava escondendo há tempos. Suas mãos passearam pelo tórax e abdômen definidos, mapeando cada centímetro da pele quente de Shiro, ao mesmo tempo que depositava pequenos beijos na curvatura de seu ombro, fazendo uma trilha até sua orelha.

- Eu vou cuidar de você, Takashi.

Shiro ofegou ao ouvir seu nome ser sussurrado com tanto deleite, em seguida remexeu-se para ver o rosto de Keith tão perto do seu, focando o olhar em sua boca pequena.

- V-Você n-nunca me chamou assim antes...

- Você quer que eu pare? – Keith questionou ardiloso, descendo sua mão direita para a virilha de Shiro e o envolvendo num agarre firme enquanto a outra estimulava um de seus mamilos.

Shiro fechou os olhos e gemeu baixo.

- K-Keith...

O menor voltou a depositar suaves beijos em toda a região que tinha acesso: os ombros, a nuca, o pescoço, a orelha, o maxilar e as bochechas, mas não na boca. Keith apenas a olhava com desejo porque sabia que Shiro deveria ser descoberto e apreciado aos poucos.

A mão humana de Shiro se fechou em seu pulso e parou seu movimento. Keith franziu o cenho e o fitou em busca de alguma explicação.

- Por que está fazendo isso, Keith?

- Você precisa relaxar e eu... quero ajudar – confessou envergonhado, desviando o olhar.

Shiro ainda estava relutante, porém liberou seu punho que passou a se movimentar mais uma vez. Keith enterrou a cabeça na curvatura do ombro de Shiro, voltando a tocar seu corpo e a dedilhar as cicatrizes com cuidado. O capitão de Atlas tremia com o contato, mas os beijos em sua retaguarda e o movimento lento – porém firme em si – faziam seus pensamentos nublarem e impedirem qualquer memória ruim.

Shiro apoiou sua testa contra o azulejo da parede e grunhiu quando sentiu Keith rígido contra sua bunda. O mais novo pareceu notar isso e continuou ondulando o quadril, sorrindo entre os beijos.

- Keith... mais rápido...

- Não... – respondeu antes de beijar seu pescoço.

- Keith! – Shiro gemeu seu nome.

- Devagar, Takashi.

Shiro choramingou, levando a mão humana ao redor da de Keith, tentando em vão obrigá-lo a aumentar o ritmo. Keith se negou e parou de se mover, rindo do parceiro, que gemeu frustrado.

- Aproveite, Shiro – falou risonho, voltando a se mover de forma lenta.

Keith ouviu o gemido aliviado com um sorriso malicioso nos lábios, depois levou sua mão à bunda de Shiro e arrastou os dedos entre as bandas, deslizando-os facilmente por causa da água que escorria entre os corpos.

- Keith! – Shiro endireitou a postura para facilitar seu acesso e se apoiou na parede com a mão alteana, uma vez que a sua apertava a bunda de Keith o trazendo para mais perto.

Keith beijou a nuca de Shiro quando impulsionou o primeiro dedo. A invasão foi lenta e gradual e quando esteve completamente dentro, moveu-se devagar à procura da próstata do parceiro, rodeando seu interior. Não demorou para que o segundo e o terceiro dedo fossem incluídos e, como resultado, Shiro chorou de prazer pela dupla estimulação, se dissolvendo na mão do mais novo.

- Keith...? – chamou languido, se virando de frente.

O mais novo o libertou de seu agarre e aproveitou a água corrente do chuveiro para limpar a mão pegajosa. Shiro engoliu a seco quando viu a cena diante de si e então deu um passo à frente pegando o rosto de Keith com ambas as mãos, o obrigando a olhá-lo.

- Obrigado...

Keith sorriu, e Shiro sentiu seu coração disparar. Ele acariciou as bochechas do mais novo com o polegar, dando atenção especial à cicatriz contida na direita.

- Eu te machuquei...

- Não era você, Shiro – Keith falou, encostando suas testas – Eu sei que você nunca me machucaria.

Shiro desviou o olhar, mas a mão de Keith em seu rosto chamou sua atenção.

- Takashi, você se lembra do que eu disse? Na base dos clones?

Shiro apertou a boca numa linha fina, mas assentiu devagar.

- Então sabe o porquê fiz isso – afirmou, as íris violetas brilhando determinadas e encantando o mais velho – Eu amo você, Takashi.

- Pensei que fosse como um irmão...

- Eu ficaria assim por um irmão? – retrucou arqueando uma sobrancelha e sinalizando o próprio pênis ereto.

Shiro engoliu a seco com a visão e assim que seus olhos focaram nos de Keith novamente, ele o beijou. O beijo era afobado, as línguas se tocavam de maneira desordenada e os lábios faziam sons ao se separarem. O paladino negro passou os braços pelos ombros de Shiro, o apertando e sentindo a textura de seu cabelo. Já o mais velho apertou sua bunda num semi abraço, gemendo ao sentir de novo o membro ereto de Keith.

- Quiznack, você ainda vai me matar Keith – sussurrou entre beijos.

- Takashi... ­

- Caso não tenha ficado óbvio, eu também amo você, Keith.

Keith sorriu apaixonado para ele. Algumas gotas de água escorriam de seu cabelo pela lateral do rosto e a ponta do nariz assim como as bochechas estavam vermelhas pela bruma de vapor ao redor deles, e Shiro estava deslumbrado com o quão bonito Keith parecia naquele momento. Sorriu de volta e em seguida o beijou, ao passo que sua mão humana se dirigia à virilha do companheiro.

No entanto, Keith o parou.

- Use a outra mão.

Shiro estranhou o pedido atípico, se sentindo desconfortável.

- Keith?

- Use a outra mão. Eu quero sentir a outra mão em mim.

- Mas, Keith...

O mais novo tocou seu rosto, obrigando Shiro a olhá-lo nos olhos.

- Eu quero você por inteiro, Takashi. Use a outra mão.

Ele roubou um beijo de Shiro, que seguiu a exigência ainda receoso. Os dedos mecânicos se fecharam em torno de Keith e começaram a subir e descer em seu eixo.

- Fale se eu apertar demais... – ele tentou manter algum aviso, mas Keith assentiu sem dá-lo ouvidos e voltou a beijá-lo feroz.

Shiro se sentia exposto e desconfortável usando uma mão que não era sua, mas quando estava prestes a parar, Keith se afastou de sua boca para gemer alto, atraindo sua atenção. Ele queria ouvir aquele som de novo e tentou trocar a mão, porém Keith se afastou negando com um meneio de cabeça.

- Não, não, não... a mão... a mão... – ofegava.

Seus pensamentos eram nublados pelo desejo, mas ele ainda segurava o pulso humano de Shiro.

- Keith...

- Takashi, eu quero... por favor...

Shiro sentia-se tenso. Ele estava desconfortável, mas ainda não conseguiria negá-lo aquilo. Para distrair a si próprio, Shiro fechou os olhos e encostou suas testas, concentrando-se em apenas ouvir e aproveitar os gemidos cada vez mais altos de Keith.

- Takashi – lamuriou, fazendo Shiro fitá-lo.

 Keith franzia o cenho e tremulava os olhos, perdido em prazer. Shiro inclinou-se para roubar um beijo e o fôlego de Keith, que passou a tremer contra si. Não demorou para que ele também viesse, se despejando entre os abdomens unidos, grunhindo seu nome.

Eles ficaram abraçados por tempo indeterminado, esperando que os corações se acalmassem e as respirações voltassem ao normal. Shiro deixou pequenos beijos na têmpora de Keith enquanto acariciava suas costas e sentia a água quente atingi-los. Quando se recuperou, Keith dedilhou seu corpo com cuidado, tocando cada cicatriz de modo lento. Shiro tremia pelo leve incômodo, porém sabia que estava seguro e que Keith não o causaria mal... ele não era Haggar, afinal.

O mais novo ergueu a cabeça e segurou seu rosto antes de declarar.

- Você é lindo, Takashi – Keith sussurrou, e Shiro quase não o ouviu pelo barulho do chuveiro.

- Keith...

Shiro sentiu o coração acelerar e os olhos umedecerem. Ele não se considerava assim, nem sequer sabia porquê Keith o via daquela forma, mas a sinceridade no olhar do parceiro o confortava de uma forma indescritível.

- V-você acha isso?

A expressão de Keith suavizou, ele acariciou a cicatriz sobre seu nariz e se levantou na ponta dos pés para beijá-la. Shiro estava atônito com o contato, mas assim que Keith se afastou sorrindo, relaxou.

- Nós nunca conversamos sobre o tempo que você esteve com os galras... – Keith começou cuidadoso – E eu sei que foi horrível de qualquer forma, mas cada cicatriz só prova o quanto você é forte, Shiro. Você sobreviveu e derrotou vários galras desde que voltou e o universo agradece a você. Eu sou grato a você. Tudo isso... – Keith abaixou os olhos, mas continuou a tocar as cicatrizes do abdômen dele – só o deixa ainda mais bonito para mim.

- Keith...

- Escute – ele levantou o olhar novamente, e Shiro viu determinação em suas íris violetas – Eu sei que não se sente confortável com seu corpo atual e que provavelmente pensa que é uma arma ou qualquer coisa nesse sentido, mas para mim você é o mesmo cara que cuidou de mim quando ninguém mais fez. Então, me deixe cuidar de você agora, Takashi... me deixe retribuir.

Shiro ofegou e o puxou para mais perto, derramando algumas lágrimas enquanto o envolvia num abraço quente. Sequer precisava respondê-lo. Tudo o que Shiro queria era alguém para cuidar de suas cicatrizes e ele teve certeza de que Keith cuidaria muito bem delas pelos beijos zelosos que foram depositados em cada uma durante o resto da noite.

-----------------------------------------------------


NOTAS FINAIS:

¹Mãe do Hunk tem Crise do Pânico na fic, dúvidas: http://www.scielo.br/pdf/rprs/v31n2/v31n2a02 
² Shiro tem TEPT, dúvidas: http://www.scielo.br/pdf/rbp/v25s1/a04v25s1 
Fanart inspiradora: https://twitter.com/AetherStaza/status/1044639573861527552 

Espero que tenham gostado! <3 <3

2 de Diciembre de 2018 a las 19:00 3 Reporte Insertar 6
Fin

Conoce al autor

Vany-chan 734 Fada do Fluffy e maluca dos angst. Luto pelo fim dos leitores fantasmas, por SasuSaku e por ShiIta, meus OTPs! "KakaSaku - Uma Chance para Nós" não será repostada aqui até ter sido devidamente betada, assim como "O Caminho que Trilhamos".

Comenta algo

Publica!
Minara Hitsugaya Minara Hitsugaya
Amei, foi perfeito
10 de Septiembre de 2019 a las 08:43
Isis Isis
Ai que delicinha! Keith tomando a atitude, 100% real, eu sei, eu tava lá, eu era o chuveiro. Que belíssimo banho eles tomaram. Mais bonito ainda tudo o que o Keith disse no fim. ♡
26 de Diciembre de 2018 a las 08:50

  • Vany-chan 734 Vany-chan 734
    Olaaar! Ah, eu fico muito feliz que você tenha gostado! Eu sempre fico indecisa escrevendo o Keith porque o vejo como tendo 100% atitude e ao mesmo tempo com vergonha do Shiro (Isso faz sentido???) HAUSHUAH Eles mereciam um banho gostosinho assim depois de tudo, e esse é o verdadeiro canon. Eles sao namoradinhos depois da s7. #s8nuncaexistiu Obrigada por ler e comentar <3 27 de Diciembre de 2018 a las 16:53
~