A impostora Seguir historia

milu0108 Milu R.R

Impostor: Que ou quem engana com falsas aparências, com mentiras; Pessoa que se faz passar por alguém que de fato não é. Olhava-se no espelho, mas não se reconhecia. Nem fisicamente, nem mentalmente. Não fazia ideia de quem era antes de tudo aquilo, nem sabia se havia de fato um antes. Afinal, tudo o que precisava saber de quem precisava ser, do quanto precisava roubar, estava nos arquivos.


Fanfiction No para niños menores de 13.

#sasosaku #Sakukarin #naruhina #narusaku #sasusaku #naruto
4
4316 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 10 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Start

Berlim, Alemanha. Um mês antes.

 

     

          Folheio os papéis de maneira impaciente, o dia parecia que nunca acabaria e conseqüentemente a ansiedade me consumia aos poucos. Estava tudo decorado, cada palavra, mas eu continuava a repetir com medo de esquecer e falar bobagem. Com esses pensamentos, decidi confirmar logo a reserva.

 
 

- Confirme minha reserva, Shion – peço com um sorriso largo no rosto para minha secretária – hoje nada poderá dar errado! – murmuro logo depois.

 

- Ja, Herr Uzumaki  – ela confirma após se assustar e derrubar seu pote de canetas. Se Lise, ciumenta do jeito que é, visse esta cena, jogaria na minha cara mais uma vez sobre a paixonite de Shion por mim. 

 

- Você está realmente ficando boa nisso! – elogio o seu alemão, e em seguida acho graça ao vê-la corar feito um pimentão.

 
 

    Shion era minha secretária em Konoha e, a pedido meu, foi mandada para cá recentemente. Prometi á ela que ajudaria com o seu alemão e é o que venho tentando fazer.

 

    Há alguns meses vim para representar meu pai e fechar um contrato importante e ao sair da reunião esbarrei na garota dos meus sonhos. Foi só do que precisei para permanecer em Berlim. 

 

    Caminho de volta para minha sala logo após a rápida conversa. O tempo passou voando, analisei alguns documentos e quando bati o olho no relógio já era hora de ir. Visto o terno que estava pendurado próximo a porta, pego minha maleta, passo o olho pela sala para ver se me esqueci de algo e quando confirmo que não, caminho em direção ao elevador.


- Nos vemos amanhã. – me despeço de Shion antes de entrar.

 

                    

                                                                  XxX

 

 

    Corro para o banheiro assim que o loiro entra no elevador, fecho as mãos em forma de concha, junto um pouco de água e em seguida enxáguo o rosto. Respiro fundo e encaro a imagem patética de mim mesma refletida no espelho, observo meu rosto ainda vermelho e solto um muxoxo. Aquilo sempre acontecia quando ele chegava perto de mim.

    Escuto o toque de o telefone soar distante e corro para fora do banheiro para conseguir atender, chego a minha mesa e atendo de forma atrapalhada.

 

- Escritório do Senhor Uzumaki, com quem falo? – falo ainda ofegante.

- Shion? Sou eu Nara. – escuto a voz de Shikamaru, que geralmente é calma e preguiçosa, sair de forma nervosa.

- Shikamaru? Está tudo bem? Precisa de algo?

- Sim, está. Preciso que passe para o Naruto.

- O senhor Uzumaki saiu já tem... – olho as horas em meu relógio – mais ou menos uns dez minutos. Tem algo que eu possa fazer?

- Droga! – é tudo o que escuto antes dele desligar.

 

 

                                                                  XxX

 

 

    Nem a música irritante do elevador o incomodou naquela noite, enfiou a mão no bolso de sua calça e de lá puxou uma caixinha de veludo branca logo a abrindo, fitou a safira e tentou imaginar de que forma sua amada reagiria ao receber o anel, já podia imaginar as bochechas coradas e os olhos azuis arregalados. Estavam juntos há pouco mais de oito meses e essa era sempre a forma como ela reagia quando ele a presenteava com coisas que ela julgava pomposa demais para si.

   Percebo que já estou fora do prédio quando esbarro de forma desastrosa em uma senhora que por um acaso carregava um vaso nas mãos, esse agora estava em pedaços no chão. Arregalo os olhos, não só pelo prejuízo que causei a senhora, mas também por ter olhado logo em seguida para a caixa de veludo e a ter encontrado agora vazia, em minhas mãos.

   Olho desesperado em todas as direções em busca do anel, depois de te alguns segundos de puro desespero, aliviado o encontro próximo aos pés da senhora. Pego o anel e o guardo rapidamente suspirando aliviado. Subo o olhar e encontro a senhora me encarando com uma carranca, dou uma risadinha envergonhada.

 

- Me desculpe, eu vou cuidar do dano – retiro uma quantidade considerável de cédulas do bolso e estico para a senhora, ela me ignora e sai resmungando sobre como nós ricos achamos que podemos comprar tudo e todos. Encolho os ombros e logo decidido voltar a caminhar.

 

     Reparo no lugar cheio de flores logo a frente e minha mente se ilumina. Flores! Claro, é isso. Ela adora flores, como não pensei nisso antes? Já sei até quem pode me ajudar com isso. Entro no carro e logo começo a dirigir em direção a famosa floricultura Y&U.

 

- Ligar Ino. – falo em voz alta, depois de um tempinho chamando, escuto a loira engrossar a voz do outro lado.

- O numero chamado está desligado ou não pode atender ligações do irmão idiota, tente novamente quando deixar de ser um. Um idiota. Não meu irmão. Ainda preciso de você para jogar a culpa do vaso chinês da mamãe que quebrei hoje. – fala de forma rápida.

- Você o que??? – pergunto com desespero na voz – a mamãe vai te matar.

- Me matar? Mas quem quebrou foi você! – escuto a loira cantalorar.

- Você vai pro inferno, Yamanaka.

- Logo atrás de você, irmãozinho. – escuto sua gargalhada e reviro os olhos pensando no quão fodido eu estava, dona Kushina com certeza acreditaria na loira.

 

     Bom, você deve estar se perguntando “Mas, irmãos com sobrenomes diferentes?“. E eu te respondo: Sim, irmãos com sobrenomes diferentes. Meus pais ficaram com a guarda da Ino há 13 anos atrás, depois de um acidente trágico envolvendo seus pais, que os levou a falecer, meus pais tinham um carinho muito grande pelos Yamanaka e quando o advogado deles bateu em nossa porta com um papel onde dizia que se algo acontecesse á eles, seus pais, a guarda de Ino seria passada então aos Uzumaki , eles não precisaram pensar duas vezes antes de aceitar. E assim Ino Yamanaka passou a ser Ino Yamanaka Uzumaki.

  

- Podemos lidar com isso outra hora, agora preciso de um favor! – digo de forma ansiosa.

- Que seria? – ela fala de forma demorada para eu dar continuidade.

- Um buquê! O mais bonito que tiver aí! – minha voz se torna mais animada a cada palavra – estou passando para busca-lo.

- Um buquê? Pra Lise? – a voz dela se torna animada.

- Sim! Pedirei ela em casamento oficialmente.

- Em casamento? – escuto varias tosses seguidas e percebo que ela engasgou - Na igreja? Com véu e tudo mais? Não está sendo precipitado? Você conhece ela a tão pouco tempo e... – a interrompo.

- Tenho certeza que encontrei a garota perfeita, confie em mim! – Tento passar confiança. Depois de passar um tempo calada ela finalmente diz algo.

- Caramba, eu tenho o buquê perfeito. – Nós pareciamos dois loucos gritando depois dela soltar essa frase, nossas conversas eram sempre assim – Nunca te vi sendo tão dedicado com outra garota. Estou muito feliz por você, Naruto. Você é maravilhoso e Lise te faz tão bem, parece que foram feitos um para o outro. – escuto sua voz sair de maneira calma e amorosa.

- Obrigada, Ino. Você ainda encontrará alguém que faça o mesmo por você ou até mais, porque você merece ser feliz tanto quanto eu.

- Ok, ok, agora chega desse papo meloso! Seu buquê logo ficará pronto, venha logo antes que as flores decidam murchar. – é tudo oque ouço antes dela desligar em minha cara.

 

 

                                                                XxX

 

 

- Então? – questiono de forma ansiosa.

- SIM, SIM, SIM, SIM, SIM!

- SIM?

- Claro que a resposta é sim, Naru. – a puxo pela cintura depois de conferir se coloquei o anel no dedo certo e em seguida sinto seus lábios sobre os meus.

 

       Essa era, no minimo, a centésima vez que eu lembrava da noite maravilhosa que tive hoje, estou me sentindo nas nuvens desde o bendito ‘sim‘, também já me belisquei algumas vezes, para ter certeza de que não estou tendo nem um tipo de sonho ou alucinação. Não era dificil ter garotas bonitas na minha cama, mas com Lise é diferente. Ela vai além de um rostinho bonito. Acho que nunca amei alguém como á amo.

      A seguro com mais força em meus braços e assim adormeço com esses pensamentos.



                                                                             XxX


 

 

ATUALMENTE.

 

 

     Desperto com os raios de sol batendo em meu rosto, resmungo e esfrego os olhos. Olho pro lado e vejo que estou só na cama. Levanto, saio do quarto e desço as escadas rapidamente.

 

- Lise? – chamo enquanto vasculho os cômodos á procura dela. Paro na sala de estar ao me deparar com a TV ligada, pausada em um tipo de video.

- Querida? – chamo mais uma vez e continuo sem respostas.

     

     Levado pela curiosidade sento no sofá e aperto o play, logo fico com confuso ao perceber que é Lise quem está no vídeo:


 ´´Olá, irei esclarecer algumas coisas para você. Primeiro: você foi enganado. O relacionamento era uma farsa. Foi tudo planejado. Desde o começo, eu sempre soube quem você era e quanto havia na sua conta bancária, que talvez você ainda não tenha checado, mas, está limpa... ´´

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                          

 

 

 

 

 

29 de Noviembre de 2018 a las 01:00 1 Reporte Insertar 2
Continuará… Nuevo capítulo Cada 10 días.

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
Karimy Karimy
Olá! Escrevo a você por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Sua história foi colocada em revisão pelos seguintes apontamentos retirados de sua história a fim de fornecê-la uma explicação: 1)Flexão verbal e construção frasal incorreta, como em "Pessoas que se faz passar por quem que de fato não é" em vez de "pessoas que se fazem passar por quem não são" ou em "Sim, está" em vez de "Sim, estou". 2)Acentuação incorreta, como a colocação da extinta trema em "consequentemente". Uso incorreto de acento agudo, como em "prometi á ela" "prometi a ela". Falta do uso correto da crase, como em "chego a minha mesa" em vez de "chego à minha mesa". Falta de acento em verbos com pronomes oblíquos em ênclise. 3)Falta de vírgula em termos explicativos, como em "mas eu continuava a repetir com medo de esquecer e falar bobagem" em vez de "mas eu continuava a repetir, com medo de esquecer e falar bobagem" em vez de. Uso de hífen em vez de travessão para demarcar diálogo. Falta de vírgula em orações invertidas, tal como em "quando bati o olho no relógio já era hora de ir" em vez de "quando bati o olho no relógio, já era hora de ir. Falta de vírgula em "aliviado o encontro próximo..." em vez de "aliviado, encontro-o próximo..." (obs.: aconselho ponto antes dessa frase). 4)Mudança de pessoa gramatical na narração; de terceira pessoa do singular, passa para a primeira pessoa do singular a partir do parágrafo iniciado como "Percebo que já estou fora do prédio...". Aconselho que procure um beta reader; é sempre muito bom ter alguém que possa nos ajudar com a ortografia e também com uma opinião sobre nosso trabalho, e é isso que um beta faz. O Inkspired estará disponibilizando betas a partir do dia 20 deste mês, então se tiver interesse, pode pedir betagem pelo Serviços de Autopublicação. O primeiro capítulo da sua história está muito bacana, e o final me surpreendeu. Sucesso!
18 de Febrero de 2019 a las 19:17
~