(2014) Brincadeira Seguir historia

chrysiksolemn_ Chrysí K. Solemn

As lembranças que começavam a surgir em sua mente o divertiam, apesar do rapaz não demonstrar. (Levi x Petra)


Fanfiction Anime/Manga No para niños menores de 13.

#spoilers #shingeki-no-kyojin #attack-on-titan #levi #Petra #angst #death-fic
Cuento corto
0
4.6mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Único

O cabo encarou a mulher ruiva com uma estranha frieza em seu olhar.

Ela fitava o céu com uma expressão vazia, completamente diferente da que estava acostumado o rapaz a vê-la.

E em seus lábios e nariz, líquido vermelho.

Desceu da árvore e pousou ao lado da moça.

— Petra — chamou.

Não houve resposta.

Ele fechou os olhos e respirou profundamente. Contou até três e chamou mais uma vez. Novamente, a moça nada disse. Aquilo estava começando a irritar o homem. Uma brincadeira àquela hora?

— Petra, vamos — disse com a voz autoritária. A árvore estava com uma pequena mancha vermelha perto de onde o queixo da moça estava. — Eren corre perigo. A humanidade corre, na verdade.

Mais uma vez, houve o silêncio. E, mais uma vez, Levi suspirou.

Ela não podia estar morta.

Sentou-se ao lado dela como fazia todos os dias no horário do almoço. Daria um fim àquela brincadeira ali mesmo.

— Você se lembra, Petra, de quando eu estava andando pelo corredor do quartel e cruzei com você? Pela primeira vez? — perguntou.

Como esperava, o silêncio se fez. Apenas o vento lhe respondeu, sacudindo as copas das árvores e levando consigo algumas folhas. Não olhou para a jovem, mantendo seu olhar reto para a floresta. Talvez em alerta caso algum titã surgisse, mas ele mesmo não tinha tanta certeza. As lembranças que começavam a surgir em sua mente o divertiam, apesar do rapaz não demonstrar.

— Você parecia tão animada — falou casualmente, recostando as costas na árvore e cruzando as pernas. — Tão... — Sua mão girava no ar com leveza, em busca da palavra certa que a descrevesse.

O sorriso doce de Petra surgiu em sua memória. Ele fechou os olhos, lembrando-se das incontáveis vezes que cruzara em seu caminho e a jovem parecia estar até mesmo cantarolante. Mesmo em meio àquele desespero, aquele inferno que viviam todos os dias, a incerteza de voltarem para casa...

— Tão radiante — o cabo completou.

O silêncio se instaurou mais uma vez. Levi já não mais tinha tanta certeza de que ela podia lhe escutar. O cheiro acobreado que ignorara com facilidade agora tornava-se mais forte e, aos poucos, começava a irritar o olfato do rapaz. Sentiu um pouco de repulsa e estranhou. Era Petra quem estava ali, não restos de carne.

— Você finge-se de morta muito bem — comentou Levi. Afastou algumas moscas que se aproximavam com movimentos rápidos da palma. — Entretanto já disse, precisamos lutar. A humanidade precisa lutar. Eu sei que estás exausta, mas...

O rapaz escutou o som do vento mais uma vez, ainda sem fitar a moça. Ao fundo, o grito de um titã irrompeu o lugar, espantando alguns pássaros que voaram assustados com o som.

— Você me disse, uma vez, que estava muito ansiosa para se casar — Levi lembrou. — Imagino que sabes o que acontecerá com você e seu hipotético marido caso não lute.

Mais uma vez, sem resposta. O rapaz manteve sua expressão constante, mas suas mãos formaram punhos. A ideia de que Petra estava, de fato, falecida, surgia cada vez mais forte em sua mente. Suas unhas, mesmo que curtas, fizeram feridas em sua palma tamanha a força que estava aplicando. Sua mente gritava de ódio, de saudades e de tristeza.

Porém, o máximo de movimentação que seu rosto fazia era o piscar natural.

Ele levantou-se. Enfim, fitou a moça. Petra ainda não movera um único centímetro.

— Você não tá brincando, né?

Silêncio.

— O que foi? Deixou aquela fêmea te derrubar?

O coração de Levi acelerou e sua mente gritou mais uma vez.

— Sua morte não foi em vão — murmurou. Sua mão tremeu quando afastou os fios laranjas do rosto da moça.

Curvou seu corpo e beijou-lhe.

E foi quando Levi percebeu que nunca nem descera da árvore, em primeiro lugar. O sangue ainda brilhava no rosto dela.

Sacudiu a cabeça. Não tinha tempo para baboseiras sentimentais. A humanidade corria perigo.

"Descanse em paz", sussurrou em sua mente, antes de ativar seu DMT e partir.

26 de Noviembre de 2018 a las 03:26 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Chrysí K. Solemn Taróloga e astróloga aprendiz. Filha de Apollo, aluna de Hades, sol em Touro e ascendente em Sagitário. Viciada em Bayonetta. Escrevo mais angst; desculpe por antecipação.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~