Campanha Seguir historia

karinlima Ana Karine

[THREE-SHOT] "Eu particularmente não tinha muito entusiasmo com aquele trabalho, mas eu precisava pagar as contas no final do mês e até que Naruto era gente boa e não pegava muito no meu pé. E claro, tinha o Sasuke. Eu desejava com todas as forças da natureza ter aquele homem pra mim. Mas a sorte não tinha andando ao meu favor ainda."


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#naruto #sasusaku
2
4547 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Atração

Ato I


Era sexta-feira, o último dia de expediente antes do feriado prolongado de 4 de Julho e o gabinete estava uma loucura. Os preparativos para o debate político dos candidatos a presidente que seria a dali duas semanas estavam sendo feitos, e tudo tinha que sair perfeito para que Naruto não fizesse ou dissesse alguma besteira até lá.

Eu particularmente não tinha muito entusiasmo com aquele trabalho, mas eu precisava pagar as contas no final do mês e até que Naruto era gente boa e não pegava muito no meu pé.

E claro, tinha o Sasuke.

Eu desejava com todas as forças da natureza ter aquele homem pra mim.

Mas a sorte não tinha andando ao meu favor ainda.

Vejamos a situação, eu era uma funcionária assim como ele, eu na assessoria imprensa, e ele no marketing.

Eu o vi no segundo dia de trabalho, todo perfeito com a calça jeans preta, uma camiseta cinza e óculos de grau quadrado no rosto.

Sasuke era uma perdição. Alto e moreno, um olhar penetrante que me deixavam sem fala mesmo por debaixo daquelas lentes, ombros largos e uma bunda, Kami! Aquela Bunda! Eu queria.

Mas ele não dava nenhum indício de um dia corresponder a atração que sentia por ele.

Eu precisava de uma solução urgente.

:::

O dia já chegava ao fim, e eu ainda tinha uma pilha de papéis para analisar e corrigir. O pessoal já estava indo embora e o escritório logo iria ser fechado.

– Sakura! – escutei meu nome ser chamado atrás de mim, quando virei minha cadeira, deparei-me com Shikamaru – assessor do Naruto – com um pasta em mãos.

– Olá Shikamaru, posso ajudar?

– Sim, preciso que você entregue urgente esses arquivos para o Sasuke publicar, tem que ser antes dele sair! Pode fazer isso pra mim? Só não vou porque tenho que  atualizar as informações de doações no sistema.

– Claro! Sem problemas!

– Obrigado Sakura! mais uma coisa, Quando você voltar eu já vou ter ido, pode entregar a chave do prédio pro Sasuke?

– Certo.

Peguei o pendrive e o molho de chave e me dirigi ao andar do Marketing, com uma satisfação que eu sabia que não tinha nada a ver com fato de eu ser prestativa.

Assim que que cheguei ao andar, sai do elevador e bati na porta da sala de Sasuke, — Algo injusto já que eu também deveria ter uma sala—,  ele autorizou a minha entrada, e assim que entrei encontrei ele sentado em frente ao computador aparentemente concentrado, ele levantou a vista pra me ver e apenas acenou com a cabeça em um cumprimento, e voltou os olhos pro computador

Eu toda feliz com esse gesto de reconhecimento da minha existência, fiquei ali parada feito uma idiota, sem falar nada.

Ele olhou pra mim novamente, arqueando as sobrancelhas, numa pergunta muda que eu só me toquei depois: Vai ficar aí parada feito uma estátua? diz logo o que quer!

Me repreendi mentalmente pela mancada e tentei resolver a situação.

— Então, er... Sasuke, o Shikamaru pediu pra trazer esses Banners pra você postar ainda hoje e pediu pra mim trazer a chave e você pode fechar o escritório - disse entregando as pasta e o molho de chave em suas mãos, que tocou levemenfna minha, me fazendo estremecer pelo contato frio.

— Publicar hoje? E agora que ele manda isso?

— Bom, foi o que ele disse...

— Abusado, já está quase na hoje de sair, falta o que? Cinco minutos?

Fiquei um pouco assustada pela sua exasperação, ele não me pareceu ser assim, mas logo pude notar o motivo, ele parecia cansado, seus óculos disfarçavam as enormes e escuras olheiras e sua testa estava enrrugada, podendo indicar uma grande dor de cabeça e uma irritação nos olhos.

— Eu posso ajudar se quiser....

Sugeri educadamente e com o melhor das intenções, o que pareceu te-lo deixado surpreso já que ele me olhou por um tempo que eu considerei mais que o necessário antes de responder — Ah... Isso seria... Hum, eu agradeço...

Eu deu o meu melhor sorriso e me aproximei da mesa dele.

— Então, o que eu posso fazer?

— Ah, hum, primeiro tenho que imprimir os arquivos e dar uma última revisada antes de publicar, vou imprimir e você pega alguns pra ver, deve ter uns 20 aí.

— Tudo bem.

E assim nos começamos a trabalhar, eu tinha em torno de doze Banners pra conferir, além de um mini jornal, ele ficou com o resto e já foi programando as postagens dos que terminavamos para adiantar.

Depois de nos certificar que estava tudo certo, fiquei esperando Sasuke terminar de publicar e enviar o jornal pra gráfica.

Estava chegando o momento de eu me despedir, e não estava muito inclinada a fazer isso, a companhia – mesmo que silenciosa – dele era agradável, e pela primeira vez aquela chama, aquela atração que eu sentia por ele deu lugar ao conforto, e eu queria muito mais daquilo, daquela sensação.

Mas por sorte eu não precisei de muito esforço para me manter perto dele.

— Pronto, tudo postado! Eu, será que podeira me ajudar em mais uma coisa? Preciso fechar tudo, e verificar se as janelas estão todas fechadas, alguns funcionários esquecem as deles abertas e isso é perigoso, principalmente por que Óbito é rival do Naruto e ele é ardiloso.

— Ah, Claro! tudo bem. Eu ajudo.

Ele deu um sorriso discreto, mas que fez sorrir automaticamente de volta. O sorriso dele era lindo.

Desligamos tudo e saímos pelo escritório para conferir as portas e janelas, no caminho ficamos conversando amenidades, se bem que conversando não é bem a palavra, foi praticamente um monólogo meu, já que ele se limitava a resmungos e poucos comentários, o que me fez pensar que estava entediando ele.

Terminamos de conferir todo os andares dá sede quando entramos no elevador, o lugar fechado contribuiu pra surgirem em minha mente vários tipos de pensamentos nada puros, o homem ao meu lado exalava masculinidade, o perfume me envolveu de uma maneira que começei a ficar com dificuldade de respirar e de pensar, já estavamos no sexto andar e logo estaríamos no estacionamento, e o silêncio que se encontrava ali estava me dando agonia, eu precisava puxar algum assunto.

– Hum, então, o que você vai fazer no feriado? – Ele me olhou curioso, assustado, talvez o peguei de surpresa com a pergunta, acho que por isso ele ficou me olhando, sem responder – Ah, hum.

Eu fiquei sem jeito, dei um sorriso forçado e calei minha boca.

Ouvi um suspiro vindo dele o que me deixou muito mais sem graça.

O elevador apitou indicando que chegamos ao estacionamento e assim que as portas se abriram nós saímos.

Olhei para os lados me situando e vendo meu carro há poucos metros a minha frente.

– Bom, então, até mais Sasuke, feliz quatro de julho.

Não ouvi resposta então me virei e fui em direção ao meu carro.

– Sakura.

Eu já estava quase lá quando escutei meu nome ser chamado, sua voz alta e firme fez arrepios subirem pela minha espinha.

Me virei pra ele e o olhei com o cenho franzido.

– Sim?

– Eu não tenho planos pro quatro de Julho.

– Ah, hum, tá.

Eu fiquei sem saber o que falar a seguir, ficamos apenas nos olhando feito dois idiotas, meu semblante provavelmente estava engraçado pois ele abriu um sorriso, apesar de ser pequeno.

– Sakura, você tem algum plano pro feriado?

Eu me certifiquei que não estava louca, apertei a alça dá bolça nas minhas mãos pra conter o nervosismo. A vontade de sair correndo e entrar no meu carro, deixando-o sem resposta, surgiu e eu dei um passo pra trás, mas uma vozinha na minha cabeça me fez parar.

“O que você tá fazendo sua louca? Não precisa ser mal educada igual a ele”

Eu sorri sem graça e respondi meia exitante é um pouco alto devido a  nossa distância – Hum, eu não, não tenho plano nenhum.

Eles sorriu novamente e a passos rápidos chegou até perto de mim.

– Hum, eu queria ver os fogos na praça, por quê não vamos juntos?

Abri a boca um pouco surpresa, o convite se repetindo na minha cabeça.

– Tá, pode ser…

Ele deu um sorriso aberto que me fez estremecer, ele parecia bastante satisfeito com a minha reposta o que fez meu coração bater mais rápido.

– Ótimo, me passa seu número e endereço, assim eu te busco amanhã, pode ser às quatro da tarde? Assim podemos passear e ver o desfile da esquadrilha da fumaça.

– Certo, parece ótimo.

Ele sorriu e pegou o celular do bolso, anotando logo em seguida meu número e endereço.

– Até amanhã então.

– Até.

Sorrimos um pro outro e eu me dirigi ao carro entrando logo em seguida com meu coração batendo acelerado.

Sai rapidamente do estacionamento, mas ao olhar pelo espelho retrovisor pude constatar que ele ficou em pé, no meio do estacionamento, o olhar direcionado ao meu carro.

Sorri comigo mesmo.

Poderíamos começar uma amizade a partir daí.

Talvez as ventos estejam soprando à meu favor.

17 de Noviembre de 2018 a las 16:19 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo Contato

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 2 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión