Pedaços do Coração Seguir historia

ero-lua Amae

Hinata finalmente decidiu sair de casa para ir a faculdade dos sonhos, e além dela, encontrar aquele que fazia seu coração crescer todas as vezes que o via; Neji Hyuga seu primo, mas revê-lo não trouxe a palpitação de antes, trouxe apenas pedaços espalhados pelos corredores a cada decepção, mal sabia ela que havia alguém catando cada pedaço de seu coração mesmo quando gritara várias vezes para fazer o contrario. Ele quase nunca sorria ou era gentil, mas estava sempre disponível para atendê-la e fazê-la sentir que mesmo o coração despedaçado ainda pode ser remendado, e uma vez inteiro se apaixonar outra vez. Sasuke Uchiha não era um cara comum, o mistério que o cercava chegava a ser mais intenso que seus olhos negros e mesmo assim, ele foi capaz de se apaixonar uma garota comum e bela... e ao assumir isso ele tem consciência de suas consequências e ainda a quer mais do que um dia já quis ar para viver.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#Hinata-Powe #Sasuke-BadBoy #faculdade #romance #hentai #sasuhina
3
4590 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Cap. 1 - Sentimentos do Passado

 As malas estavam sendo colocadas uma a uma dentro do porta-mala do carro e a cada uma que entrava eu vi uma lágrima escorrer pelo rosto perfeito da minha irmã mais nova. Eu sinto muito que tudo isso tenha acontecido de repente, mas não podemos negar ou esperar mais que ela cresça para que eu possa seguir com a minha vida. Estou à espera dessa oportunidade desde o colegial terminou e agora que veio até meus pés, eu não posso virar as costas e dizer não, ainda que me doa do fundo do coração deixar minha irmã sozinha em uma casa tão grande quanto a nossa sem a presença real de nosso pai.

Voltando a encarar seu rosto, me aproximo devagar agachando para ficar do seu trabalho, Hanabi é uma garota maravilhosa, tão bela quanto nossa mãe era enquanto estava viva. Tiro os cabelos de seus olhos e enxugo suas lágrimas. Sussurro outro vez o quanto a amo, e dessa vez, ela me agarra sabendo que chegou o momento. O abraço que damos é verdadeiro e cheio de amor, tento não chorar para ser mais forte que ela nesta despedida, mas acabo sorrindo. Não estou indo embora para outro país ou fugindo de casa, estou apenas me mudando para outra cidade para ir para a faculdade dos meus sonhos, e a outra cidade não dar seis horas inteiras de carro até.

Deixo outro beijo quando meu pai aparece, ele quase nunca está em casa e quando estar, se tranca em seu escritorio conversando com seus empregados e tudo que tem haver com os negocios da familia. Seguir para essa faculdade e estudar pisicologia me dar a oportunidade de fugir do que ele quer para mim, e ainda que doa deixá-la, eu não vou recusar ou desistir agora. Meu pai não diz nada, está ciente do que quero e eu estou mais ainda ao saber que não terei sua ajuda, ainda lhe dou um abraço para o avisar que o amo acima de tudo. Dou as costas dessa vez sem vacilar, o carro está a minha espera e as chaves também.

Dando partida no mesmo, os encaro por pouco tempo, eu não estou fugindo, estou criando meu destino. Tenho certeza disso. Sei que nossos pais sempre querem o melhor para a gente, mas como posso aceitar que o melhor para mim seja tomar conta de hotéis e músicas e coquitéis ou simplesmente servir de ponte para que meu pai tenha socios. Isso é o que as pessoas ricas fazem, acabam com a vida de seus filhos, seja ele como for. 

Grande parte do meu pai proibir a minha ida para a outra cidade é por causa de Neji Hyuga, seu sobrinho, que enfrentou tudo e todos para seguir a vida como queria dando facadas nos sentimentos dos pais e do titio que mais o protegia. Neji e eu eramos pequenos quando esse mundo nos engoliu por completo, didiviamos tudo, inclusive, nossas primeiras vezes, foi um choque saber que ele estava indo estudar em outra faculdade quando terminamos o colegial, eu não queria me afastar dele e nem do que ele me dava, meu pai não me deixou ir junto dele e com a morte da minha mãe nada me ajudou desde então. Mas após três anos eu não mais esperar, não quero ter uma vida assim. A faculdade ser meu ponto de partida para a vida que eu quero levar e ninguém mais pode me tirar dela. Não mais.

.

.

Como foi me dito, de Kirigakure a Konoha não é tão distânte, cinco horas e quarenta minutos de viagem sem correr tanto com duas paradas para comer. Olho para o GPs que indica o lugar onde consegui com muito esforço alugar um quarto, o dormitorio não ficava longe da faculdade por inteira, dava para ir andando e de carro não custaria cinco minutos. Isso é maravilhoso. Depois de horas de briga com meu pai, consegui ao menos que me deixasse trazer o carro que ganhei da minha mãe, já que dinheiro me foi negado desde a mesada a ajuda com a mensalidade dela. E como eu vou me virar? Facil, eu tenho algo gargado, minha mãe me deixou uma conta e eu vou precisar de um emprego, mas por hora, quero apenas encontrar o bloco onde irei morar.

Konoha era uma cidade fria e ainda que seja quatro da tarde já sinto o frio correr nas minhas pernas ainda dentro do carro. Olho outra vez para o endereço e me deparo não apenas com os blocos certos, como também a estrutura bem-feita de um condominio especial para os alunos da única universidade de Konoha. Paro em frente ao bloco D e dou um largo sorriso, finalmente cheguei. Estaciono o carro para entrar primeiro, passo pela entrada encontrando alguns alunos que me cumprimentam mesmo sem saber quem sou. Meu andar é o número seis e rapidamente pego o elevador. Há alunos em tudo que é lugar, todos desesperados para a faculdade começar, para morarem juntos e as festas que teram para se divertir. 

Quando chego ao andar saiu do elevador junto a várias pessoas, caminho pelo corredo estreito olhando as decorações da parede, tudo aqui parace ter sido feito para nos ajudar. Há mapas para chegar mais rápido a faculdade, lugares para sair, beber, comer, números de lugares onde fazem entregas, parece que sabem bem o que estavam fazendo. Cheguei a porta do quarto onde irei ficar e tendo a chave em mãos que foi enviada pelo correio abro sem hesitar. Fecho a porta ao ouvir pequenas vozes ao fundo. Cada quarto abriga ao torno de cinco a seis meninas e na minha cabeças as coisas seriam mais apertadas. Deixo um suspiro escapar ao ver a sala confortavel a cozinha mais para o fundo. Ao lado da porta de entrada uma escada para subir para o outro andar que eu tenho certeza ficar os quartos. Entro para olhar tudo com atenção, do lado da sala é uma janela grande com varanda. Esse lugar não é grande, mas é confortável e muito lindo.

- Oi - Ergo a cabeça para o andar de cima, uma das meninas que provavelmente vão morar comigo me acenou enquanto se apoiava no corrimão - Você deve ser a Hinata, é a única que está faltando chegar - Sorri - Ela vai para a escada descendo e chega até mim dando um largo sorriso e estende a mão. - Sou Temari no Sabaku a líder do nosso apartamento, eu reuni as garotas certas que tem tudo incomum, para não termos o mesmo acidente que aconteceu no ano passado - ela desvia o olhar colocando as mãos na cintura.

- O que aconteceu no ano passado? - Ela volta a me olhar e sorri.

- Coisas pequenas, uma besteira, vem comigo, estamos desfazendo as malas de uma das meninas... ah e onde estão as suas? - Ela parou na escada.

- Estão no carro, eu queria saber como eram as coisas aqui antes de trazer - ela assente e volta a subir. Enquanto caminhamos ela conta sobre as regras, não pode ouvir música alta e nem de madrugada para não acordar as meninas caso estejam dormindo. Todos os sabados há reuniões de manhã no café para que possamos conviver melhor. 

E tanta regra que acho que voltei para casa.

Entramos em um dos quartos e meus olhos se espantam com a quantidade de roupa jogada no chão.

- Meninas, essa é a única que faltava, Hinata Hyuga - Dou um sorriso para todas que param para me olhar.

- Ela parece com o Neji - Diz uma das meninas que logo salta da cama. Eu reviro os olhos afinal, sequer liguei para dizer que cheguei bem. - Sou Tenten, esse quarto bagunçado aqui é da Ino - apontou para uma loira que sorriu jogando outro vestido para o céu e veio até mim.

- Não preciso que me apresente, eu sou Ino Yamanaka, a futura estrela da moda, torça por mim - despeja dando um largo sorriso e jogando os cabelos para trás.

- Temos mais duas que devem está procurando algo para usar, e espero que tenham me entendido. Venha, eu vou te mostrar seu quarto e então você pode trazer suas malas e começar a se arrumar. - Temari me pareceu a mais normal de todas. Meu quarto é quarto da fileira.

Não é algo muito grande, há apenas uma cama de casal, um armario de um lado junto a porta do banheiro que estava aberta, uma comoda para guardar mais coisas além de uma mesinha do outro lado da cama com vista para fora do prédio. Isso é de fato inovador e algo bem planejado, bonito e aconchegante.

- Sabemos que veio de uma familia rica, eu conheço seu sobrenome, mas espero que possa se adpatar aqui. - Ela ri e eu reconheço.

Ao ficar sozinha, dou uma olhada para o quarto parando em frente a janela, ando até a mesma e olho para baixo, é realmente alto, mas a vista que começo a ter é maravilhosa. Sinto o celular vibrar e procuro dentro do meu casaco, o nome do Neji me faz sorri.

- Oi? Você chegou? Porque não me avisou?

- Cheguei sim. Estou no meu novo quarto, estarei descendo para pegar minhas malas, você pode me ajudar - Ele ri do outro lado da linha.

- Claro que vou ajudar. Meu tio disse para cuidar de você como se fosse o meu dinheiro, e eu adoro o meu dinheiro - Reviro os olhos saindo do quarto e desço as escadas, abro a porta esperando encontrar o corredor somente quando dou de cara com mais duas meninas estavam prestes a entrar.

- Oi? - Uma ruiva me saudou - Você deve ser a Hinata eu estava me perguntando como você seria - A ruiva sorriu entrando e a outra entrou passando direto para a escada e subiu - Sou Karin, a mau educada ali é a Sakura, mas ela não é assim, está aflita por causa do namoro, coisa normal. Está saindo? Precisa de ajuda com alguma coisa?

- Não, estou bem. Até logo. - Saio do quarto encerrando a ligação e faço o mesmo percurso até o estacionamento, onde encontro meu primo com um sorriso de orelha a orelha. Me suprrendo com seu tamanho e a força de seu abraço, depois de anos nunca pode achar que o encontraria tão irresistivel quando na nossa infancia.

- Ah Hinata, você está tão bonita, da onde surgiu todo esse peito, você mal tinha ano passado - Reviro os olhos indo até a parte de trás do carro. - Estou brincando, você sempre foi assim, encantadora.

- Eu que me pergunto quantas bombas você tomou, e se já mostrou ao titio, ele vai matar você. - Neji ri e me ajuda a tirar a primeira mala, e depois as outras duas. - Preciso levar isso até o sexto andar.

- Em que quarto ficou? Quem é a líder?

- Temari No Sabaku, foi o que ela disse.

- Ah a Temari, complicada, mas gente boa, procura se enturmar com as meninas do quarto, todas são veteranas, vão te ajudar em tudo que precisar. 

- Aposto que sim - O encaro depois de fechar o porta-malas. Não acredito que realmente estou diante de Neji, o primo por qual tinha uma queda quando criança. Ele sempre foi certinho e chato, usava das roupas que seu pai escolhia, estudava em casa, todo babaca e estupido e ainda assim, o encarava de longe sonhando em poder beijá-lo se ele fosse mais legal, e aqui está, um Neji forte, mais alto do que eu, e legal. - Me diz, já arrumou alguma namorada?

- Eu acho que não dar para namorar na faculdade se não conhecer de verdade a pessoa, mas tive casos longos de uma semana - reviro os olhos - E você, já deu seu primeiro beijo de verdade? - O encaro novamente notando se sorriso.

- Meu primeiro beijo foi de verdade - Revirei os olhos novamente ao lembrar de quando eramos mais jovens - Mas para sua informação, sim, conheci algumas pessoas depois da escola quando você me deixou. - É sua vez de revirar os olhos.

- Eu não deixei você, apenas fui embora para ter algo que eu sempre sonhei. Sabia que ia se virar bem sem mim – ele ri tocando no meu rosto, eu senti falta desse toque maravilhoso – Você continua tão linda quanto naquela epoca. Acho bom que tenha tido primeiras vezes de verdades sem mim por perto, porque agora chegou a vez de você fazer loucuras, e eu quero estar presente em cada uma dessas loucuras. 

- Aposto que vai estar – ele sorri se afastando, não antes de morder seus lábios. Nossa, ele ficou mais encantador, não achei que posso possivel.

Deixando essas palavras no ar, Neji me ajudou a subir com minhas malas, sempre muito gentil me contanto pequenos segredos da faculdade, enquanto estavamos juntos notei que Neji era bem popular entre as meninas, todas paravam para lhe dizer algo ou passavam com um sorriso sexy o encarando sem pudor. Noto que além de ter ficado bonito ele deve ter pegado todas essas garotas e se não pegou, estão na fila dele para pegar. Sinto meu peito apertar com um incomodo. Devo falar algo a respeito? Chegamos ao meu andar e percebo que as meninas continuam a olhar até uma desejar boa sorte para a noite seguinte. 

- Você parece bem popular entre as meninas - ele ri parando na porta do meu quarto, me olha jogando o cabelo longo para trás, um charme de familia.

- Não é que eu seja popular, eu e alguns amigos formamos uma banda e vamos tocar amanhã na festa de sexta feira para os calouros.

- Pensei que as aulas só começassem na segunda e a festa de comemoração seria de noite. - Cruzei os braços e o vi se aproximar.

- Acostume-se a festas todos os dias, a gente não brinca em serviço. Peça para ir com a Temari, todo mundo vai está lá. Coloque algo sexy, vou te apresentar para meus amigos.

- Nossa, muito obrigada pela hospitalidade. - Ele sorri e beija meu rosto antes de ir embora.

Subir as malas para meu quarto quase não dava certo se Temari não me ajudasse, consegui organizar algumas coisas e achar uma roupa para domir. Temari nos convidou para jantar juntas e disse que seria por sua conta, sentei pela primeira vez com aquelas meninas que vienham de lugares diferentes do mundo, contaram um pouco de suas vidas, no entanto, somente uma ficou de longe, mas cedo Karin tinha dito sobre sua situaçao com o namorado, por isso o mau humor, notei que nenhuma das meninas pareceu se importar com seu silêncio ou a distância. Quando voltei ao quarto, mandei algumas mensagens para Hanabi e fui respondida na mesma hora, Neji havia mandando uma mensagem me desejando boa noite.

Deitei dando um longo suspiro, a partir de hoje, terei que batalhar para meu sonho se realizar.

Todos eles...



12 de Noviembre de 2018 a las 02:36 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo Cap. 2 - Amigas Novas, Sentimentos Velhos

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 19 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión