Destiny Seguir historia

cisnenegrow Cisne Negro

Uchiha Sasuke: Um empresário bem sucedido, porém arrogante, narcisista e egocêntrico. Haruno Sakura: Uma ótima médica, porém perfeccionista, orgulhosa e teimosa. Uma festa e uma noite foram suficientes para mudar suas vidas pra sempre. Eles vão compartilhar alegrias, tristezas e o amor da pequena Sarada. Vão experimentar desde o mais profundo ódio até o mais puro amor. Ele vai aprender que existem coisas mais valiosas nessa vida, coisas que o dinheiro não pode comprar. Ela vai ter que abrir mão do seu orgulho e de sua teimosia, se quiser salvar a vida de sua filha.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#drama #romance #sasusaku #naruto
4
4698 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los martes
tiempo de lectura
AA Compartir

Como Tudo Começou

Lá estava ela, observando sua pequena dormir... Tão linda, parecia um anjo.

Mas estava meio doente, uma febre bem persiste e um pouquinho enjoada.

Olhando para ela, não pôde deixar de pensar no quanto era parecida com o pai. Fisicamente, claro. Não conheceu ele tão bem à ponto de saber sobre sua personalidade.

Não levem-na à mal, ela não sabia que isso iria acontecer...

Fora... Algo de uma noite... Mas, isso foi a melhor coisa que lhe aconteceu. Por causa daquela noite, ela recebeu o melhor presente que poderia querer. Pena que não foi um conto de fadas, como imaginara quando era uma menina...

Te olhando assim, meu amor, não posso evitar de lembrar daquela noite...


"Ela tinha acabado de chegar naquela grandiosa festa. Todos muito elegantes e bem vestidos. Nunca tinha visto tantas pessoas importantes juntas.

Era uma conferência internacional que estava acontecendo em Los Angeles.

Haviam pessoas de todas as áreas: advogados, empresários, políticos, médicos... Inclusive, ela era uma convidada de destaque. Haruno Sakura, considerada "a melhor cardiopediatra do Japão"... Ora, do Japão? Por que não do mundo? Sempre quis saber...

A festa estava fascinante, era apenas a recepção. As palestras e exposições começariam no dia seguinte e durariam cerca de uma semana.

Ela conheceu muita gente interessante, de diversas áreas da saúde. Também alguns políticos e até mesmo artistas e militares. Fora realmente uma festa épica. Não se recordava de ter ido a outra conferência daquela magnitude.

Entre uma taça de champanhe e outra, a mulher sentiu alguém tocar seu ombro suavemente. Era uma mão grande, de homem, com toda a certeza.

Quando se virou, pôde contemplar o homem à sua frente. Lindo! Não... Tal palavra ainda era pouco para descrevê-lo. Acho que ainda não inventaram uma palavra capaz de descrevê-lo.

― Dra. Haruno? ― Sua voz a fez "despertar" do transe no qual se encontrava ― É um prazer imenso conhecê-la. Eu me chamo...

― Uchiha Sasuke. ― O interrompeu, pois sabia perfeitamente de quem se tratava ― Eu sei quem você é. Na verdade, acho que todos sabem quem você é. A pergunta é: como você sabe quem eu sou?

― Já te vi em algumas colunas que elogiavam seu trabalho e, também, o seu cabelo é inconfundível. ― Deu um sorriso de canto, muito charmoso, por sinal.

Sakura não pôde deixar de rir desse comentário. Seu cabelo, sempre o seu cabelo...

― Ah, claro. Bem, é que as crianças gostam assim. Ajuda elas a relaxarem durante as consultas. Elas dizem que parece algodão doce. ― Não teve como não sorrir quando eu pensou nos pequenos.

― Ah, entendo... ― E, mais um vez sorriu. Um sorriso que já a estava enlouquecendo ― Será que a senhorita é tão doce assim?

A Haruno viu aquele sorriso encantador virar um sorriso malicioso. Se ele queria jogar, ela entraria no jogo.

― Bem, Sr. Uchiha, acho que nós dois sabemos que só há um jeito de descobrir. ― Correspondeu ao flerte sem pestanejar.

― Nesse caso, estou ansioso para descobrir, Dra. Haruno ― Ele se aproximou da mesma e falou em seu ouvido, deixando-a arrepiada.

― Então somos dois, Sr. Uchiha. ― Deu-lhe um sorriso malicioso e pôs-se a anotar algo em um guardanapo.o

Depois de anotar o número do seu quarto, pôs o papel no bolso do paletó do moreno.

Ele apenas sorriu e se afastou, fora conversar com outros executivos. Ela fez o mesmo, só que foi falar com outros médicos, de outras áreas, mais uma vez.

Após tantas conversas, foi a procura de sua amiga Ino, que estava de conversinha com um pintor, ele se chamava Sai, ou algo assim. Já havia visto alguns de seus quadros, mas não poderia dizer que era fã de sua obra, embora seu talento fosse inegável.

Ao vê-la, a loira se despediu dele e veio ao seu encontro.

― Eu vi, hein. ― Sorriu, maliciosa.

― Viu o quê? ― Indagou, confusa.

― Você de papinho com o Uchiha gostosão. ― Deu uma piscadela, o que fez a rosada corar levemente.

― Ino, tenha modos, em nome de Kami. ― Repreendeu assim que sua bochechas voltaram ao tom normal.

― Tá, tem razão. Deixa eu reformular: Eu vi você de papinho com o Sr. Uchiha Gostosão. ― Depois riu da própria frase.

― Você não tem jeito mesmo. ― Sakura também riu diante da idiotice da amiga de infância.

― Ué, fazer o quê, né. O cara é um verdadeiro deus grego. Ui. ― E se abanou, fazendo a Haruno revirar os olhos.

― Ah, que seja. Quero lhe pedir um favorzinho. ― E fiz cara de pidona.

― Kami-sama... Com essa cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança, já até imagino o que seja...

― E então? Tudo bem pra você? ― Os olhos esmeraldinos brilhando de expectativa.

― Tudo, sim. De uma forma ou de outra, eu não ia passar a noite no nosso quarto, mesmo. ― E olhou para o pintor com aquela cara de "hoje tem".

― Mas é uma vadia mesmo, hein.

― Olha só quem fala. A pessoa que tá praticamente me botando pra fora do meu quarto pra poder foder o milionário gostosão.

― Ino, fala baixo. ― Olhou em volta, temendo que alguém escutasse.

― Relaxa, aqui ninguém vai ouvir a gente. Todos estão focados no discurso de abertura. ― Disse, como se fosse óbvio.

― Ok então... E a nossa advogada lindinha? ― Mudou de assunto, numa tentativa de evitar outro comentário desagradável por parte da Yamanaka.

― Quando eu vi a Hina, ela tava conversando com o braço direito do seu amor. ― Os olhos azuis passaram a varrer o salão à procura da Hyuuga.

― Deixa de ser ridícula. - Revirei os olhos ― Quem é o braço direito de Sasuke?

― Nossa, nem transaram ainda e já é "Sasuke" ― Voltou ao assunto após receber um olhar torto da rosada ― Uzumaki Naruto, acho.

― Você não viu mais ela?

― Nops. ― Deu de ombros.

As duas se olharam com aquela cara de "Huuuuuuuuuuuuunnm"

― E TenTen? ― Também passou a observar o Salão procurando por suas amigas.

Ino riu alto quando Sakura perguntou sobre a Tenente Mitsashi.

― Da última vez que vi a TenTen, ela tava no jardim se agarrando com o primo da Hina.

― Aquela lá não perde tempo mesmo, hein. ― Balançou a cabeça em negativa e sorriu logo em seguida.

― A vida é muito curta pra perder tempo, Saky. ― Ino deu um longo suspiro enquanto olhava para Sai.

― Pois é, como ela sempre diz: "Quando se vê o horror da guerra com seus próprios olhos, você aprende a viver cada dia intensamente, pois o dia seguinte pode não chegar"

― Nossa, você acabou de citar Mitsashi TenTen... ― A Yamanaka bateu leves palmas e se fingiu de impressionada.

― Vá à merda, Ino. Você sabe que o que ela tem de doida ela tem de sábia.

― Realmente... ― Se viu obrigada a concordar ― Ela tem a nossa idade e já viu coisas que nós nunca nem sonhamos... ― Ino viu Sai subir e entendeu o que isso significava. ― Essa é a minha deixa! Deseje-me sorte, testa de marquise.

― Boa sorte, Ino-Pig.

Ela me mostrou a língua e foi direto para o elevador.

Sakura não conseguia achar as outras, então continuou andando pelo saguão do hotel e conversando com as pessoas.

Depois de um tempo, olhou para Sasuke e viu que ele estava atento aos seus movimentos.

Hora de subir, mocinho, pensou e então sorriu pra ele, logo em seguida olhou em direção ao elevador.

Ele sorriu e assentiu. Tinha entendido.

Sem esperar mais, foi direto para o elevador e apertou o botão do terceiro andar. Quando chegou, ele foi para o quarto e esperou...

Cinco minutos depois, ouviu as batidas na porta. Era ele!

Quando abriu, viu aquele sorriso malicioso outra vez. Deu espaço para que ele passasse e então fechou a porta.

E foi assim que a noite valeu a pena."


 Sakura despertou de seus pensamentos ― nada puros, diga-se de passagem ― quando sua pequena se mexeu.

― Mamãe...

― Oi, meu amor. ― Seu tom era calmo carinhoso.

― Tá doendo... ― Reclamou a pequena.

― Onde? ― Chegou mais perto pra poder ver.

― Aqui... ― Ela pôs a mão na região abdominal indicando que era ali que doía.

― Dói muito?

― Sim...

― Já vai passar, meu bem.

― Me ajuda mãe... ― Estendeu os braços ― Quero ir ao banheiro.

― Tá bom. Vem cá.

Sakura pegou a menina no colo e à levou até a porta do banheiro, mas a pequena não a deixou entrar.

― OK, a mamãe fica aqui.

― Mãe, ― Sarada falou de dentro do banheiro ― por que eu não pareço nem com você nem com o papai?

― Por quê você acha que não se parece comigo ou com o papai?

― Porque você tem cabelo rosa e ele tem cabelo vermelho. O meu é preto.

Sakura fechou os olhos e respirou fundo. Cada dia era mais difícil responder às perguntas da filha.

― Você pode ter puxado de um parente distante... Quando você for maior, vai entender.

― Você sempre diz isso, eu quero entender agora. Não quero esperar e... Ôh mãe, isso é normal?

Ela abriu a porta e deu passagem à mãe, Sakura havia a ensinado que sempre que visse algo diferente ou estranho devia mostrar a ela imediatamente ― essa é a vantagem de ser filha de uma médica.

― O quê? ― Quando Sakura olhou dentro do vaso, sentiu o sangue gelar ― SASORISASORI, VEM AQUI AGORA!!

― O que foi, mãe? Por que você tá chamando o papai? ― A menina a olhava assustada. 

― Por nada, meu amor. Não é nada.

― O que houve? ― Sasori apareceu na porta do banheiro com uma cara preocupada.

― Olha pra isso! ― Apontou em direção ao vaso.

― Escura...

― Febre, enjôo, urina escura...

― Será que...?

― Pode ser muitas coisas, temos que leva-la até o Konoha Hospital.

― Certo. ― Ele se virou para a menina ― Vem com o papai, amor. Vamos colocar uma roupa bem bonita.

― Pra quê? A gente vai sair?

― Sim, a gente vai até o trabalho da mamãe.

― Por que, pai? A gente vai ver a tia Ino?

― Sim, amor. Vamos ver a tia Ino.

― Ebaaaaaaaaa! O Inojin também vai tá lá?

― Não sei, será que vai? ― Falou de forma descontraída para não deixá-la amedrontada ― Vamos trocar de roupa e descobrir.

Enquanto Sasori levava Sarada para o quarto, Sakura pegou o celular e ligou para Ino.

― Ino? Desculpe por ligar a essa hora. Preciso que você vá pro KH. É urgente, Ino... Tem algo errado com a Sarada.

5 de Noviembre de 2018 a las 20:07 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo Resultados

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 19 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión