Cuento corto
1
4472 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único


A porta da funerária foi aberta, um homem de terno pediu para ver os diferentes caixões. O vendedor mostrou-os, um a um, e antes do homem ir-se embora, perguntou para quem era.

– Minha esposa.

– Minhas condolências.

– Ela é tão cheia de vida e amor, tão cheia de graça...

É, o senhor diz? Ela já não morreu?

O homem sorriu e disse:

– Tão logo eu chegar em casa.


31 de Octubre de 2018 a las 14:17 2 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

C Clark Carbonera “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”

Comenta algo

Publica!
Alice Alamo Alice Alamo
Olá! Eu Verifiquei a história, mas acho legal te avisar de um errinho que notei para caso queira corrigir. No lugar de "sorri e diz", para manter o tempo verbal da narrativa, deveria ser "sorriu e disse". Fora isso, parabéns pelo microconto ;)
7 de Marzo de 2019 a las 17:49

  • C C C Clark Carbonera
    Olá, Alice. Muito obrigado por verificar a história (vocês são bem rápidos com isso - sei que devem receber inúmeros pedidos de verificação - estão de parabéns pelo trabalho!). Obrigado pelo comentário e pela atenção também, já vou corrigir, pois concordo contigo que a narração se passa no passado mesmo, então não caberia nesse caso a mudança do tempo verbal para o presente como fiz nessa parte :) 9 de Marzo de 2019 a las 09:28
~