Invocando Tempestades Seguir historia

pedromontt Pedro Monteiro

Algumas vezes não é possível ignorar o chamado do desconhecido que bate a sua porta, então eu te pergunto, você acredita em bruxas? Venha comigo e entregue-se a magia...


Paranormal Lúcido Todo público.

#magia #misticismo #Rutuais #Evocação #sobrenatural #bruxaria
Cuento corto
0
4518 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

O Cântico do Tempo


Eu acredito que vivemos imersos no sobrenatural, rodeados por ele na verdade, mas com meu histórico familiar não tinha como ser muito diferente disso, a minha conexão familiar com o sobrenatural transcende o próprio tempo, e em um circulo misterioso sempre nos arrasta de encontro ao desconhecido, o fato é que ouvi muitas histórias sobre meus ancestrais, e tive acesso a um rico material deixado pelo meu avô materno e também pela minha bisavó, que vem da ultima linhagem de Sorgiñák, as antigas bruxas bascas, tudo isso somado a minha curiosidade natural, não me permitiu resistir ao chamado, e hoje creio ter arranhado a superfície de segredos que vão muito além do que minha própria imaginação me permitiria ir, tenho livros muito antigos em minha casa, alguns considerados raros, grimórios entre outras coisas...

Mas de antemão já lhes dou uma advertência, nunca leia em voz alta coisas escritas em latim, hebraico antigo, ou seja lá o idioma que for que esteja escrito em um livro que não conheça, pois os resultados podem ser imprevisíveis, isto posto, eu por muito tempo evitei contato com os guardados de meus avós, por recomendação da minha mãe, mas de uns tempos pra cá, não não consegui evitar a forte atração de tantos mistérios ali tão acessíveis, e passei a  consultar com uma certa frequência os ensinamentos do Sefer Há-Razim, também chamado de o livro dos segredos, tem muita coisa, entre tantas, existem formulas, conjurações de forças naturais, e também consulto o livro conhecido como A Chave Menor de Salomão, recomendo a leitura aos curiosos...

Neste dia em especial eu buscava algo relacionado a natureza, ao tempo, e encontrei então um círculo magico, um diagrama relacionado a magia cerimonial que risquei no meu quintal no intuito de estabelecer uma conexão com o mundo imaterial, mas esses círculos são muito complexos, fiz vários acertos, e sempre algo a corrigir, pois tem que ficar perfeitos, era uma daquelas tardes em que o vento sopra morno em nossos rostos, nada é leve, tudo fica tão pesado, cada movimento é arrastado, cansado, então não consegui finalizar o diagrama, e fui deitar um pouco, deixei a porta entreaberta e fiquei observando o balanço moroso das folhas tão preguiçosas que ao soltar-se dos finos galhos pareciam negar-se a tocar o chão, já estava prestes a adormecer, quando ao longe ouvi uma cantiga que entoava numa voz feminina suave que lembrava a voz de uma criança a cantar músicas de ciranda, a cantiga ecoava e se espalhava como se fosse levada pelo próprio vento...

E dizia:

Invoco o vento frio e que sopra do Norte, o criador de tempestades que sopra do Leste, soprando para longe Vulturnos, Eu Invoco o tempo e o vento, invoco a ti oh tempestade, que venha forte, que venha rápido que venha para esta localidade...

E repetia-se incansavelmente, ecoando por todos os cantos, por todas as frestas, o próprio vento parecia entoar a cantiga quando percebi que eu mesmo a sussurrava, repetia cada palavra como se as proferisse desde o início, o vento agora era gélido, arrepiava-me os pelos do corpo, como se além do vento algo mais ali estivesse repetindo comigo aquela cantiga, que agora soava tão familiar, levantei-me e me dirigi até a porta, sem nem por um momento interromper a cantiga que agora já repetia com mais firmeza e propriedade, observei que nuvens negras começavam a se formar interrompendo a claridade do dia numa escuridão reconfortante, o vento soprava agora mais e mais forte, até que o som estrondoso de um relâmpago me tirou do que parecia um transe, dando lugar a um silêncio absoluto, que antecedeu ao som das gotas da chuva que se iniciava, batendo levemente na grama, fazendo subir o cheiro de terra molhada, a leve chuva foi ficando mais forte, o céu mais escuro, o vento bem forte com relâmpagos e trovoadas rasgando o céu com toda a sua beleza, fechei a porta rapidamente antes que molhasse todo meu quarto, ao som reconfortante da chuva que batia a minha porta e o assobio do vento deitei-me na cama e adormeci...

27 de Octubre de 2018 a las 18:05 1 Reporte Insertar 1
Fin

Conoce al autor

Pedro Monteiro "Sou eu a dualidade em pessoa, estou sempre onde a luz e escuridão se encontram, sou eu quem faz fundir o clarão, e as sombras... Sou meio assim.... Feito a lua.... um lado é todo iluminado e exposto, mas tenho outro lado que é escuro e cheio de sombras" Designer de Interiores, Paisagista, Desenhista, por fim, artista, escritor nas horas vagas, fã de Edgar Allan Poe e Stephen King, gosto de escrever suspense e terror, mas passeio na fantasia e no romance.

Comenta algo

Publica!
Willver Hst Willver Hst
Achei o final um pouco exagerado, mas merece palmas par esse conto de invocação de tempestade.
29 de Noviembre de 2018 a las 08:48
~