♱.ᴍᴏɴ ᴘᴇᴄʜᴇ {sᴜ+ʟᴀʏ}.♱ Seguir historia

lovelyeol lia '

✣➛ Zhang Yixing e Kim Junmyeon eram namorados e viviam em Wuyuan, uma pequena vila na China. Porém, as pessoas acabaram descobrindo o relacionamento, considerado como uma abominação. Com isso, a família Zhang mandou o filho para um seminário para que ele se purificasse do pecado. Oito anos depois, Yixing vai para outra vila, nomeada de Erville, onde prega a palavra e ensina aos fiéis da Igreja Católica. Ele só não esperava que, após tantos anos, iria reencontrar o seu antigo amor e o seu grande pecado: Kim Junmyeon.


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18. © Todos os direitos reservados

#mistério #exo #junmyeon #sulay #yixing
4
4715 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los sábados
tiempo de lectura
AA Compartir

Prologue

Mais uma missa bem sucedida.


Yixing suspirou aliviado ao ver as inúmeras pessoas de Erville saindo pela igreja da vila, contentes e cumprimentando seus amigos e conhecidos. 


Havia alguns meses que o padre local tinha falecido, e como Zhang se formou recentemente no seminário, o mandaram para Erville, o fazendo ser responsável por ser ali o guia espiritual de todos.


Yixing começou a se acostumar a celebrar as missas e casamentos em todos os domingos, diferente do início, o nervosismo não o dominava mais.


Quando todos os fiéis saíram da casa sagrada, o chinês fora até a sacristia e ali retirou sua batina e veste, ficando com sua calça e blusa social - ambas pretas. Seu colarinho branco se destacava nas vestimentas.


Guardou sua batina e veste num armário que possuía ali, logo depois saindo da sacristia.


O ambiente antes calorento e cheio, estava frio e vazio. O cheiro do incenso e a fumaça das velas ainda se faziam presentes ali, fazendo com que o padre tossisse um pouco.


Resolveu não demorar ali, já era noite e com certeza iria pegar algum resfriado se não fosse logo se abrigar em sua casa, no calor aconchegante.


Começou a fechar as janelas grandes de madeira, uma por uma.


    Seus dedos percorriam pela madeira áspera, resultando em pequenas feridas no mesmo.


Quando finalmente trancou todas, saiu da igreja e fechou a porta, também a trancando logo em seguida.


De repente sentiu algo ruim, como se estivesse sendo observado. Seus instintos fizeram com que o padre percorresse com seus olhos todo o local escuro e gélido, não encontrando nada.

 

- Jesus, Maria, José. - suplicou, como forma de ser protegido.


Começou a dar passos rápidos, não deveria mais ficar ali.


As solas de seus sapatos chocavam instantaneamente contra o chão, fazendo barulhos de passos ecoarem pelas ruas desérticas.


Yixing odiava o fato de nos domingos não encontrar ninguém na rua, sempre se sentia mais desprotegido com a solidão nas ruas de Erville. 


Sentiu mais uma vez aquela sensação ruim, um olhar queimando sobre si, como se estivesse sendo observado. 


Mas nada fez, diferente da primeira vez, continuou andando, sem se virar para atrás ou para os lados, só queria chegar logo em sua residência.


Zhang se sentia em um filme de suspense, suas mãos soavam consideravelmente e o frio que antes percorria por sua corrente sanguínea fora substituída pelo calor.


Começou a andar mais rápido, quase correndo, jurou que ouvira também alguns passos atrás de si, então sem escolhas, decidiu correr.


O medo e nervosismo o dominava, até que finalmente avistou a sua pequena casa, bem, era o que cabia para a igreja.


Com mais alguns segundos, chegou na porta de mármore, pegando a penca de chaves que tinha. 


Com pressa, avistou a chave da porta que refletia contra a luz da lua, e logo a encaixou na fechadura e virou a mesma, destrancando-a.


Entrou rapidamente em sua residência e trancou a porta.


Estava a salvo.


Andou até as cortinas tom amareladas - estavam um pouco velhas - e com elas tampou totalmente a visão de quem estava lá fora, agora sim podia ficar mais confortável.


Claro que ele não achava normal a possibilidade de alguém o seguir, mas se sentia seguro pois apesar de ser um pouco velha, a casa era segura - sem contar que tinha vizinhos por perto.


Esperou mais alguns minutos, olhava pela fresta da cortina o movimento da rua, pôde avistar um vulto distante, mas não houve tempo o suficiente de fazer nada, pois a pessoa desconhecida logo começou a andar, indo embora.


O chinês achou aquilo muito estranho, mas decidiu esquecer. Ele talvez voltaria, mas se isso ocorresse, Yixing iria enfrentá-lo.


Deu um grande suspiro, domingo era um dia que o deixava exausto pela quantidade de coisas que realizava.


Tirou os sapatos com os próprios calcanhares, não foi muito difícil já que os cadarços estavam frouxos.


Agora descalço, andou até o banheiro, pegando a toalha pendurada na cadeira.


O chão gelado só fazia aquele ar ser mais solitário, Zhang Yixing era sozinho demais.


Entrou no banheiro e se despiu, se livrou de todas as peças de roupa, ficando nu.


Andou até o chuveiro e o abriu, permitiu que a água morna caísse em seus cabelos, percorrendo logo após pelo seu corpo.


Se encostou na parede do cômodo com os olhos fechados, suspirando.


Se perguntara o que sua família estava fazendo agora, se estavam reunidos em volta da mesa de madeira, ouvindo o rádio ou jogando algum jogo juntos, na China.


E também pensara nele. Não o viu desde quando todos de Wuyuan descobriram o relacionamento de ambos. A família Zhang logo mandou o filho para um seminário, não lhe dando chance alguma de se despedir ou de se explicar para o  namorado. 


Passou oito anos, oito anos estudando a vida religiosa. No início ele não aceitava tal coisa, mas conforme o tempo passava, ele aceitou a vida sacerdotal.


Mas agora estava só, não possuía a família e nem ele ao seu lado, o que lhe feria em alguns momentos.


Se desencostou da parede e voltou a molhar todo o corpo. A água percorria de seus fios de cabelo até a ponta dos dedos dos pés, era tão bom sentir um contato quente contra sua pele, a curando do vento e do frio.


Após se lavar, fechou o chuveiro e pegou a toalha, enxugando seus cabelos castanhos e molhados. Após tirar o excesso de água, enrolou a toalha na cintura, indo até a pia e escovando os seus dentes.


Assim que os escovou, abriu a porta do banheiro. A brisa fria invadiu o lugar, fazendo com que Zhang se arrepiasse com o contato.


Trilhou o mesmo caminho até o quarto. Deixou como rastro suas pegadas molhadas pelo solo de mármore as gotículas de água de água pingavam do corpo do moreno iam de encontro ao chão.


Foi até o guarda-roupa, analisando cada peça de suas vestimentas. 


Não possuía tantas delas, a maioria eram calça e camisas sociais, ambas escuras.


Se enxugou e pegou uma roupa íntima e a vestiu, seguido de uma calça que não era apertada e de tecido macio.


Foi até a sala e jogou a toalha ali mesmo, um dos defeitos do Zhang era que ele deixava as coisas largadas por aí.


Voltou para o quarto, arrumando sua cama. Apesar de ainda ser 22:00, estava cansado e precisaria acordar bem cedo no dia seguinte.


Se deitou no colchão confortável e finalmente pôde descansar por completo o seu corpo.


Se cobriu com o cobertor felpudo cor marrom, suas mãos estavam apoiadas sub sua cabeça, Yixing olhava para o teto, meio pensativo.


Virou para a direita, onde tinha um porta-retrato de si com a sua família.


Era uma das poucas fotografias que tinha, e mesmo assim eram todas da família.


As via quando a saudade o dominava por completo, o fazendo ter vontade de voltar para a vila onde nascera e ter o amor familiar de volta.


Mas sabia que não poderia fazer isso, afinal, se retornasse, as pessoas seriam capazes de o apedrejar, de ser humilhado.


Zhang queria saber como estava Junmyeon, não trazera nenhuma fotografia dele, já que seus pais registaram sua mala antes. Queria saber se Kim foi embora daquele lugar homofóbico ou se aguentou tudo sozinho.


E o pior, é que Yixing foi embora sem ao menos se despedir dele.


O padre suspirou mais uma vez, eram muitas perguntas em sua vida que teriam que ele queria a resposta.


Mas ele não pensava que elas iriam ser respondidas em breve.


Bem, essa é a primeira fanfic que escrevo aqui, então se houver algo confuso, me desculpem pois ainda não me acostumei kskskkk.

Essa fic vai ser curta e se passa no tempo antigo, ok? Esse capítulo não foi muito grande porque é apenas o prólogo, mas os próximos vão ser um pouco maiores. Espero que tenham gostado <3

2 de Octubre de 2018 a las 02:39 0 Reporte Insertar 2
Leer el siguiente capítulo Un

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 3 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión