Murder Seguir historia

tiatatu Tatu Albuquerque

Após ter uma carta respondida por Sakura S. Haruno, a escritora da série de romances policiais de maior sucesso do momento, chamada Murder, Sasuke, seu auto entitulado fã número um, começa a se sentir mais íntimo e tenta ao máximo saber mais da vida daquela que considera ser sua mais nova amiga. As coisas se tornam mais tensas quando ele descobre que "Shannar'oh", a protagonista de Murder, pode ser mais real do que imagina.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#policial #naruto #sasusaku #fns
24
4818 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 30 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Prólogo

O som dos rápidos passos dados por alguém que tentava, em vão, fugir da morte iminente travestida da bela mulher que o perseguia em passos calmos logo deu lugar aos estridentes gritos que ninguém poderia ouvir e, mesmo que ouvisse, dificilmente alguém viria ao seu socorro.


A iluminação adentrava o galpão de forma precária, sendo “cortada” pelo lento giro das hélices de ventilação que de nada serviam para amenizar o calor, mas possibilitava a ele ver o rosto de sua assassina enquanto tentava fechar a ferida que ela havia aberto em suas costelas.


Seu rosto tão belo era incapaz de fazer qualquer um pensar ser o de uma assassina, o que fazia com que compreendesse que ela era inteira uma armadilha na qual havia caído como um gato faminto que acaba envenenado ao comer pão com veneno para ratos.


Shannar’oh ria em um êxtase quase orgásmico diante do cumprimento de mais um plano e da face de pânico de mais um em sua lista.


O sangue escorria pela luva que cobria a esguia e delicada mão que em nada combinavam com a faca que seus dedos seguravam firme.


Sua vítima ainda vivia e caía de joelhos, tomando a pose e o olhar de quem pedia por piedade, mas Shannar'oh não era piedosa.

O sorriso maquiavélico que brotou em seus lábios fez o ferido engolir qualquer pedido por clemência ao mesmo tempo que cuspia o sangue que subiu por sua garganta depois de ser esfaqueado na altura do estômago.

Ela poderia degolá-lo, mas Shannar'oh gostava de degustar o sofrimento das pessoas como quem saboreia um doce ou assiste um espetáculo e, aquele em especial, estava divino.

O rosto de um róseo saudável do homem atacado se empalidecia aos poucos como consequência da grave hemorragia que jorrava o fluido vermelho que sujava os sapatos masculinos que ela usava e que seriam deixados para trás quando se fosse, já que adorava plantar falsas provas para a polícia que só chegaria quando estivesse bem longe.

Ensacolou a arma do crime para que pudesse se livrar dela em um lugar que lhe fosse seguro, rindo admirando a cena que lhe era a mais bela obra de arte até então, se despedindo do morto com um beijinho voador, largando um dos sapatos à porta do lugar para que pensassem ter sido esquecido no furor de uma fuga.


Riu vitoriosa, saindo dali como se nada tivesse acontecido, jogando as luvas usadas no mesmo saco em que havia posto a faca, os guardando em sua bolsa, seguindo até onde seu carro estava parado, sem reclamar da distância entre os locais apenas por saber que era isso que assegurava sua segurança.


O sorriso se manteve enquanto ela cortava a rodovia com seu carro alugado com placa adulterada, dentro do limite de velocidade como a boa cumpridora das leis que era, sem nenhum tipo de culpa ou remorso, afinal, na mente peculiar de Shannar’oh, ela não havia feito nada demais.


Era mais um crime sujo de cunho perfeito onde ela sairia ilesa, com seus cabelos voando no vento gélido da noite, pronta para atacar o próximo.


×


Sasuke finalmente podia respirar ao fim do trecho lido, fechando o livro em seguida.

Era a décima vez, sem exagero, que lia aquele que era o quarto livro de sua série favorita, escritos por sua autora favorita Sakura S. Haruno, mas ainda assim se sentia impactado como se fosse a primeira.


Todos os livros da franquia Murder lhe eram arrebatadores, mas aquele em especial lhe destruía mentalmente da forma mais viciante de todas, principalmente por ter aquele final tão aberto.


Precisava saber se, como nos outros livros, Shannar’oh também sairia ilesa e sem chamar a atenção do Investigador Sussan’o, se ela havia deixado algum detalhe incriminatório para trás, quem seria sua próxima vítima ou qualquer coisa que diminuísse sua curiosidade, o que só aumentava sua expectativa para o lançamento do próximo livro de S.S.H.


Precisava de respostas! Precisava de muitas respostas que não haviam sido sanadas sequer com a 10ª leitura minuciosa dos 4 livros. Grunhiu irritado, com o livro fechado sobre seu rosto, fervendo de curiosidade e sentindo que sua cabeça ia explodir.


Aquela mulher devia ter algum tipo de ciência por trás de sua escrita… Ou ele era mesmo muito alucinado por aquele tipo de assunto, mas enfim, algo tinha que ter por trás de sua fissura por Murder e a figura da anti-heroína Shannar’oh.


Suspirou lamentoso, olhando para todos os pôsteres ao redor e consultando pela milésima vez naquele mês o grupo de Facebook dedicado aos livros para verificar se os outros fã, tão doentios quanto ele, não haviam formulado nenhuma nova teoria ou se havia alguma informação nova dada pela produção da editora para promover o lançamento que viria nos próximos 4 meses.


Nada, mais um dia e nada! Xingou até a próxima geração dos produtores que não tinham consideração nenhuma com o fã numero de Murder. Sim, Sasuke se considerava o maior fã da saga e achava que isso era comprovado por ter sido o primeiro comprador dos livros nas concorridas pré vendas virtuais. Como também consumia todo os tipos de itens promocionais lançados, costumava pensar que era quem mais gerava renda para a editora e Sakura, dando ainda mais ênfase à sua tese de que devia ser melhor tratado.


Suspirou pesado. Era melhor se recompor antes que Itachi lhe flagrasse e cumprisse a ameaça, não de interná-lo, mas de destruir seus amados exemplares que só faltava usar luvas pra não marcar as folhas, um cuidado que tinha com todos os livros, mas que assumia ser maior com os de S.S.H.


Ajeitou o cabelo e tomou da água já quente que havia posto em seu copo personalizado com a representação gráfica de Shannar’oh. É… Devia assumir que talvez seu irmão estivesse certo em afirmar que havia se apaixonado pela personagem fictícia. Era melhor que a anterior tese de lavagem cerebral por códigos sutis nos escritos. Fazia mais sentido e lhe dava a sensação de ainda estar são, o que certamente não duraria muito tempo.


Faltava muito ainda para a continuação e tinha muito medo de não aguentar até lá, já tendo chegado ao ponto de mandar uma carta para S.S.H. Era melhor não perguntar como ele havia encontrado o endereço pessoal de sua ídolo, mas era mais fácil que achar seu e-mail e nem mesmo redes sociais a mulher usava, já que alegava estar sempre focada na escrita.


OK, admitia que provavelmente não iria ser respondido e que havia sido uma loucura de sua parte enviar a correspondência, mas era uma ação desesperada de um fã desesperado e ansioso por respostas…


Respostas, respostas, respostas… Ou pelo menos algum especial, um conto extraoficial, um trecho que não havia ido ao ar… Mas nem fofocas da vida pessoal de S.S.H tinha para alimentar sua curiosidade.


Até mesmo os boatos de uma possível adaptação da Netflix para uma série ou filme não eram confirmados e, por mais que soubesse que seria quase um crime com Murder o resultado, veria apenas para diminuir a verdadeira abstinência sentida.


Precisava de notícias novas que não fossem o lançamento de mais algum produto, pelo bem de seu bolso que já estava quase abrindo falência.


Murder já era a série atual de maior sucesso mundial. Mais uns anos de auge e credibilidade e ele poderia abrir um museu e ter o retorno financeiro de um bom fã número um… Pensar nisso fazia parecer menos doentio que até seus lençóis tivessem a imagem de Shannar'oh.


Aliás, achava que todo seu bairro já fazia graça com seu aparente vício na história fictícia, mas é que era tudo tão real, tão… Achava as descrições sensacionais e a ambientação… Se imergia no mundo de Murder a cada leitura e julgava que podia até mesmo recitar fala a fala dos diálogos.


É… Talvez estivesse fissurado demais e precisava sair um pouco… Talvez assim não pensasse tanto no livro e parasse de se imaginar no lugar de Sussan’o… O que lembrava de citar as belas fanfics que ele lia e escrevia e que também não tinham atualização frequente.


Em mais um dia de folga que podia aproveitar para ao menos amenizar a espera de seus leitores, estava ali, focado em pensar mais em Murder… Definitivamente precisava de uma pausa!


Saiu do quarto sem levar o copo, achando que talvez fosse melhor dar uma volta pela casa e mostrar a todos que ainda não havia sido consumido por sua obsessão(?) por Murder, Shannar’oh e S.S.H., que, aliás, esperava estar bem confortável em sua casa, escrevendo, de preferência.


O pior era a surpresa de todos ao lhe ver do lado de fora do quarto, se bem que nenhum dos olhares que davam para ele parecia de alguém que queria lhe zoar e sim de pessoas realmente assustadas.


Sua mãe mesmo estava boquiaberta, mirando as correspondências do dia e depois a ele, como se fosse a coisa mais absurda do mundo.


— O que houve? - perguntou aos familiares trêmulos e confusos. - Morreu alguém? - era o que parecia, mas todos negaram.


— É-é pra você! - disse Mikoto lhe entregando o envelope selado de carta pessoal.


Franziu o cenho, estranhando o horror deles. Era só uma carta, não era? Viu até se não era uma intimação judicial por perseguição, mas não fariam isso por envelope pessoal e sem um oficial de justiça.


— Eu não sei como você conseguiu isso, mas eu acho que você precisa de ajuda! - completou Itachi em um tom preocupante.


Deixou-os de lado para ver melhor sua carta e os entendeu ao ler quem era o remetente: Sakura S. Haruno. 

25 de Septiembre de 2018 a las 02:32 2 Reporte Insertar 4
Continuará… Nuevo capítulo Cada 30 días.

Conoce al autor

Tatu Albuquerque Mãe de Konohamaru, madrinha de Hanabi, adepta da Fé do Sagrado KonoHana. Você tem 5 minutos pra ouvir a palavra da minha igreja? Kaiten no cu e gritaria, kore!

Comenta algo

Publica!
CM Cristiano Moreir
Primeiro capitulo está óptimo Sasuke é fã dos livros da sakura em que uma assassina comete os crimes e safa ileso pelo que vejo o sasuke gosta muito dos livros e queria conhecer a autora e enviou uma carta . Sakura correspondeu e enviou uma carta para seu fã mikoto e itachi acham que ele precisa de ajuda mas ele está muito bem na cabeça
31 de Octubre de 2018 a las 16:15
Tenten Plushie Tenten Plushie
Primeiro capítulo show de bola, anciosa para ir ao próximo!
24 de Octubre de 2018 a las 12:48
~