O tempo que errou Seguir historia

agmars A. G. Mars

Era difícil sem Shisui. Ele estava presente o tempo todo... e, enquanto Itachi olhava para o mar, restava apenas se lembrar.


Fanfiction Anime/Manga No para niños menores de 13.

#angst #un #canon #itachi-shisui #shiita #naruto
Cuento corto
2
4.5mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

O tempo que errou

Fanfic gay, feita para o desafio DeLiPa27 do grupo panelinha da limonada https://www.facebook.com/groups/1496203540645612/
Meu tema era jade e o grande limão me abençoou com a única ideia que consegui ter.
A história não tem nada pesado, apenas dor e sofrimento do meu filho, que Itachi me perdoe!
A fic se passa em algum momento do canon muito depois da morte do Shisui.


--//--//--//--


O tempo que errou

   Jurou que não estava ali para esquecer. Era improvável a existência de qualquer lembrança correndo pelo corpo, misturando-se ao chakra, fundindo-se, ainda, a cada célula que compunha aquele corpo moribundo. Tudo deveria ter sido apagado com o sangue que ainda tentava tirar do corpo.

   Até o som das ondas contra a rocha o obrigar a encarar, puro e limpidamente, o jade infinito do mar que se prolongava para além de suas dores. E, naquele cantar, era possível ouvir as promessas jogadas fora, revirando as lembranças até elas se tornarem o vômito preso na garganta. Aquela mesma massa de ácido e água que segurava desde o dia em que ele caíra.

   — Não é uma despedida, ‘Tachi. Nunca é...

   — Shisui...

   — Não fale assim... não comigo...

   — Por favor...

   Quando ainda era jovem, e podia se deitar em frente ao Nakano, ouvia os sussurros da noite. Uma mistura dos sons da água contra o corpo dele nu e seus sedutores múrmuros o convidando para o infinito. E, naqueles dias, ouvia-o contar dos sonhos de fugirem para o litoral. Ficar numa vila pequena ou esquecida, construir uma casa tosca de madeira. Sasuke iria colecionar conchinhas e, em todo o final de dia, caminhariam descalços sobre a areia. As mãos dadas não sentiram o vento. Os pés se afundariam naquele mesmo jade em que seu corvo cismava em molhar as asas.

   E teria esquecido tudo se não precisasse encarar, a cada maldito segundo, o vermelho daqueles olhos. Senão nos orbitais do corvo, nas lembranças cravadas em cada parte do corpo.

   — Não tente me impedir...

   — Shisui... não...

   — Não vai me fazer mudar de ideia... adeus, ‘Tachi...

   — Adeus...

   E não importava quantas vezes se despedisse dele, tampouco o lugar, nunca era o suficiente. Sua voz era falha demais para alcançá-lo além daquelas águas. Era fraca, impotente de ultrapassar as violentas ondas e o tocar em quaisquer que fossem as profundezas que o escondiam.

   Desceu das rochas. O vento forte do final do dia cortava seu rosto, mas não ousou afastar os olhos dos tons de jade que o chamavam. E quase poderia ver na espuma das ondas a forma tão conhecida daquele rosto. Diziam que o Sharingan poderia eternizar imagens, mas nada conheceria tão detalhadamente aquele rosto quanto a ponta dos próprios dedos... ou da língua.

   Sentindo a água bater nas canelas, usou o indicador para contornar a face imaginária. E os traços tão drásticos que nasciam dos olhos arrancados, coloriam-se com a felicidade do jade, tornando o sangue em gotículas de água salgada.

   — Seria loucura...

   — Mas... só imagine! O ventinho gelado..., a areia quente..., Sasuke correndo por aí e você gritando pra ele não ir pro mar sozinho. Nossa maior preocupação seria não deixar o pirralho se afogar!

   Riu sozinho, sentindo os olhos arderem. As lágrimas presas eram a pior dor que já sentiu. Incurável. Mais pesadas que a própria doença qual insistia em fazê-lo cuspir sangue. Poluiu o oceano com a própria maldição. E o rosto de Shisui se desfez em sangue mais uma vez.

   Se ao menos tivesse fugido com ele.

   — Você é tão lindo... tão... excepcional...

   — Eu ainda preciso ir para casa.

   — ‘Tachi... você é tão injusto!

   Trocaria a própria vida para ouvi-lo choramingar mais uma vez. E daria a alma de todos os Uchihas que matou apenas para ter aquele riso ecoando ao redor do próprio corpo novamente. Se ao menos tivesse tido uma escolha..., contudo, ele decidiu sozinho – não egoísta, mas desesperado – e se deixou afundar em águas mais geladas que aquela, tornando seu sangue descartável. Por mais que tentasse encontrá-lo em cada partícula úmida que encontrava no caminho, dando à chuva as próprias lágrimas, jamais teria na pele o calor que apenas Shisui emanava.

   — Ele está morto.

   Repetia para o mar, mas as palavras eram engolidas, encobertas pelas ondas, até tornaram-se salgadas, escorrendo pelo próprio rosto em grossas gotículas quais provava ao tocar os lábios feridos pelo vento.

   — Ele... está...

   O soluço preso tornou-se um grito abafado. Caiu de joelhos, ignorando o frio que subiu pela espinha. Teria apoiado as mãos na areia, mas a água não o permitiu se afundar tanto, empurrando-o falhamente para a beira. No entanto, continuou estático, sentindo que as lágrimas se transformavam em mar e o mar se transformava em lágrimas e Shisui continuava borrado em meio aos tons de jade de um eterno entardecer. O tempo estava parado desde que ele morrera, mas apenas quando mergulhado que se lembrava.

   — Eu não vou pensar nisso, Shisui!

   — Mas é uma possibilidade, Itachi.

   — Eu... eu não ligo! Você não vai morrer.

   — Eu sou um ninja. Corro esse risco e...

   — Se for assim, o que você vai fazer após a minha morte?

   — ‘Tachi... — Ele sorriu. — Você jamais vai morrer... não enquanto eu ainda estiver vivo.

   — Então eu não preciso pensar no que fazer quando você morrer.

   — Tem razão. — Riu baixo. — Não posso deixar você desprotegido, né? — Sorrindo brincalhão, deixou os lábios roçar nos de Itachi.

   — Não... — murmurou baixo, suspirando, antes de se afogar no gosto de paraíso que tinha aquela boca. O corpo se aqueceu.

   — Você prometeu, Shisui... — murmurou baixo, tocando os lábios com a ponta úmida dos dedos. Ali sentiu o gosto de sal, de saudades, de distância, de sangue e de morte. Nada sequer chegava perto do que ainda se lembrava do gosto dele.

   — Eu te amo... — Itachi conseguiu ler os lábios de Shisui se moverem enquanto ele ainda caía. Mas, daquela vez, Shisui não ouviu sua resposta. Era tarde demais.

8 de Septiembre de 2018 a las 03:28 0 Reporte Insertar 1
Fin

Conoce al autor

A. G. Mars Defensora dos Uchihas, escritora, estudante, sonhando com a fama, fortuna e a paz mundial. De leão com ascendente em leão, mas nem sei oque isso significa. Vem ne mim representatividade! ACHO QUE EU NÃO IA ESCREVER HOJE? ACHOU ERRADO, OTÁRIO! NYAH: https://fanfiction.com.br/u/346535/ WATTPAD: https://www.wattpad.com/user/AGMars

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~