Nas areias do deserto. Seguir historia

tia-kuro-neko ❤ Tia Kuro Neko ❤

Na cama, não havia senhor e criado. Amantes se encontravam em todas as noites, unidos por um amor que com eles levariam para outra vida. Gaara tinha medo de que quando seu coração fosse pesado na balança dos mortos, o peso de seu amor fosse maior que o da pena da verdade. Mas por Lee, não se importava em ser devorado por Ammit. Lee o venerava, mais do que qualquer um de seus criados ou súditos. Suas mãos - ásperas pelo manuseio de armas e a vida sem luxos - corriam por sua pele como se cada centímetro dela requisitasse atenção igual. Cada toque contava a história de um desejo e amor em iguais proporções.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#faraó #general #egito #deserto #lee #gaara #leegaa #gaalee
Cuento corto
10
5181 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Nas areias do deserto.


Notas Iniciais:


Oi amores, olha mais uma one da tia para vocês. Dessa vez o casal escolhido é GaaLee, essa fofura linda que enche o coração da gente de amor <3


Comentários são bem-vindos.


⧊⧊⧊


   O sol estava alto no deserto, pintando o céu e as dunas em um tom dourado – era como ouro líquido emanando do astro rei para banhar a terra.

 

  O faraó estava satisfeito.

   

   Por todos os lados os trabalhadores davam o máximo de si para levantar a pirâmide, vozes animadas eram carregadas pelo vento, juntamente com a areia e o aroma de sândalo. Gaara sorriu. O perfume - tão único quanto intenso - indicava a presença de alguém que era a personificação de tais singularidades.


   -Meu faraó. – O general, Lee, tinha um sorriso nos lábios. Ele também, estava satisfeito.


   -General Lee. – Gaara o cumprimentou com um pouco mais de ânimo que o comum. A ação atraia olhares de puro desagrado, olhares aos quais estava acostumado.


   Estavam em tempo de paz, fato que permitia a presença freqüente de Rock Lee a seu lado. Por várias vezes ele ofereceu ao homem o posto de seu segurança pessoal, mas seu general amava proteger - não só a ele, mas o todo o império. E mesmo que pudesse tê-lo somente para si com uma única palavra, Gaara se curvava a sua vontade.


   Gaara sempre se curvava às vontades de Lee. Eram tão poucas e tão puras que o faraó sentia puro prazer em conceder cada um de seus desejos.


   -Os soldados têm fome. – Lee curvou seu corpo, se dobrando em uma demonstração de respeito e admiração, sentimentos tão mais profundos que os de qualquer outro em todo o território egípcio.


   O homem que se curvava diante do faraó era forte, poderia causá-lo dano com a mesma facilidade com a qual um crocodilo feria um antílope. Seus cabelos era tão negros quanto o manto da noite, os olhos brilhantes como duas estrelas roubadas do céu. Gaara gostava especialmente de seus lábios, eles continham os segredos de sua felicidade.


   Rock Lee poderia ferir seu corpo se assim desejasse. Poderia destruir seu coração. E por ele poder, mas nunca ser capaz de considerar essa possibilidade, Gaara se entregava a ele de corpo, alma e peito aberto.


   -General, já lhe disse que não precisa de minha autorização para alimentá-los. É só chamar pelos criados. – Gaara tinha seriedade em sua voz, mas um sorriso brincava em seus lábios.


   -Jamais correrei o risco de um ato meu ir contra sua vontade, meu senhor. – Os olhos de Lee, agora levantados – embora ele ainda estivesse curvado, transbordavam devoção.


   -E para isso vai contra minhas ordens diretas e nega a seus homens o alívio imediato para a fome que os tormenta.


   Gaara gostava de provocar Lee, de dar a ele questões que o confundiam. Gostava pela forma que Lee apertava um lábio contra o outro, ou como desviava o olhar por um breve momento, só para no seguinte o encaram com resolução.


   -Pode me punir, meu sol. – Gaara jamais puniria.


   -Mas não vou. – E o sorriso de Lee era rival a toda e qualquer estrela do universo. Ele iluminava nações. – Vou me unir a vocês para a refeição.


   Seus conselheiros o olharam em reprovação, mas era apenas o que eles podiam fazer. Olhar. Nenhuma palavra evitaria que Gaara se unisse a Lee, ninguém seria capaz de afastá-los – uma vez que o faraó, o próprio sol na terra, tinha tomado sua decisão.


⧊⧊⧊


   -Lee. – Gaara o chamou, sua voz estava rouca, tão baixa que mal pode ser ouvida. Mas Lee estava atento a ele. Sempre estava.


   -Senhor?


   Lee interrompeu a trilha de carícias que traçava pelo peito dourado de seu Faraó, os olhos verdes se voltaram para ele em confusão, traçados pelo mais perfeito Kohl eles eram arte – emoldurada pelo negro da tinta – iluminada pelo fogo das tochas presas às paredes.


   -Pelo meu nome Lee, sem títulos em meu quarto. – Gaara voltou a apoiar a cabeça sobre seu travesseiro, as plumas - cobertas pelo tecido mais rico – não eram tão macias quanto a carne de Lee. - Em nosso leito, me chame pelo nome.


   -Gaara. – Lee chamou, com rouquidão e logo abaixo de seu ouvido. Os lábios travessos tomaram o lóbulo entre eles e o general sugou. – Gaara. – Ele sussurrou, e o faraó gemeu.


   Os corpos se uniam, a pele dourada do imperador do Egito se roçava a de seu braço direito. O homem que o representava em batalhas, que por ele fazia milhares de homens caírem, fazia o Nilo correr vermelho, tingido pelo sangue de seus inimigos.


   O mesmo homem que lhe dava vida, que lhe dava um novo fôlego a cada beijo.


   Na cama, não havia senhor e criado. Amantes se encontravam em todas as noites, unidos por um amor que com eles levariam para outra vida.


   Gaara tinha medo de que quando seu coração fosse pesado na balança dos mortos, o peso de seu amor fosse maior que o da pena da verdade. Mas por Lee, não se importava em ser devorado por Ammit.


   Lee o venerava, mais do que qualquer um de seus criados ou súditos.


   Suas mãos - ásperas pelo manuseio de armas e a vida sem luxos - corriam por sua pele como se cada centímetro dela requisitasse atenção igual. Cada toque contava a história de um desejo e amor em iguais proporções.


   -Lee. – Gaara chamou pela segunda vez, ele não teria problemas de implorar se fosse preciso, ele apenas queria ter Lee para si, em seu corpo.


   -Só um segundo, Gaara.


   Seu nome, dito por uma voz contida e áspera, era como um feitiço. Evocando um desejo crescente no corpo do faraó.


   -LEE.


   O general pausou seus atos, olhou para seu senhor com certa surpresa e permitiu que um sorriso ladino brincasse em seus lábios. Era raro que Gaara perdesse o limite, mas – quando o fazia – era uma visão inebriante.


   -Impaciente? – Rock Lee acariciou o rosto de seu imperador, correu os dedos pela tinta que corria perto aos olhos marcantes. Estavam suados, ambos queimavam um fogo intenso dentro do peito.


   -Não estivemos juntos por três dias, pretende torturar seu Faraó por quanto tempo mais?


   -Achei que em nosso leito títulos não eram necessários.


   -Se eu precisar ordenar que me tome, eu o farei.


   -Não precisará.


   Lee se levantou, rindo baixo do muxoxo de desaprovação que deixou os lábios de Gaara. Nenhum dos dois estava contente com a separação, ainda que breve. Rapidamente o general alcançou um pequeno pote com óleo, era perfumado e estava aquecido pela proximidade ao fogo.


   Antes que Gaara pudesse dizer "Seth" , Lee estava novamente a seu lado. Seus corpos se comunicavam sem a necessidade de palavras, os toques e os olhares eram toda conversa da qual necessitavam, as pernas do Faraó se abriram, um convite ao qual o general não poderia recusar.


   Rapidamente Lee molhou os dedos com o óleo e se colocou entre as coxas do imperador, sua mão correu pela carne macia até se acomodar entre as nádegas. Seus lábios se encontraram aos alheios ao mesmo tempo que seus dedos acariciaram o anus de Gaara.


   Eles roçaram ali, com pressão o bastante para provocar, mas não para entrar. Lee sentia Gaara pulsando e, enquanto as línguas travavam uma batalha separada, os dedos venciam a resistência dos músculos que se contraiam diante da invasão.


   -Vo-você está demorando. – Gaara apertava os dedos contra os ombros fortes de Lee, seus olhos não se desviavam dos alheios. Os negros olhos do general estavam opacos pelo desejo, as pupilas dilatadas traiam o cuidado da preparação.


   -Apenas relaxe para mim, meu sol. Me deixe entrar.


   Gaara deixou, os dedos se afundaram em seu corpo e ele os recebeu com uma contração forte. Lee gemeu, só podia imaginar como seu membro seria recebido.


   Os dígitos de arrastavam pela próstata de Gaara, entrando e saindo do calor do corpo alheio. Só Gaara podia ser tão quente quanto o sol. Só ele podia ser tão brilhante também.


   Seria tolo se pensassem que qualquer homem seria capaz de render Gaara a gemidos e ofêgos. Esse feito era capaz de ser realizado por Lee, e apenas Lee.


   O Faraó, acostumado a dar ordens para todo um império, acostumado a ter o mundo na palma de suas mãos. No quarto era fadado a ter paciência, a submeter-se a vontade alheia e ter seu corpo controlado pelo amante. Gaara era apenas Gaara, e Lee tomava dele o que queria.


   Mas lhe dava tanto em retribuição.


   Após minutos do que poderia ser classificado apenas como uma deliciosa tortura, os dedos se afastaram. Gaara abriu os olhos. Ele gemia em frustração, perdido em tantos sentimentos e sensações que só quanto tomou controle do próprio fôlego é que foi capaz de entender o quão perto havia chegado de se desfazer.


   Lee sorria. Seus olhos possuíam o brilho dos de um predador. Como se na cama houvesse uma leoa, encarando sua caça.


   -Está pronto Gaara? – A voz era quase um rosnado, o desejo de Lee se derramava por entre cada sílaba.


   -Nasci pronto para você. – Como se para confirmar o que seus lábios diziam Gaara levantou os quadris, empinando a bunda de uma forma que muitos julgariam indigna a um imperador.


   -Nasceu para mim. – Lee o corrigiu e se ajeitou entre as pernas de seu amado, tomou o rosto molhado entre as mãos para manter os olhos verdes colados aos seus. Um esforço desnecessário.


   Com a maestria de quem conhecia bem o caminho percorrido, ele se afundou nos prazeres de Gaara.


   O corpo quente acolheu o membro rijo como se dele sentisse falta. Os músculos se apertaram a seu redor, o puxando para mais fundo, mantendo o falo imóvel enquanto Gaara se acostumava a deliciosa sensação de estar novamente unido a seu amante.


   -Sempre tão perfeito. – O general gemeu contra a pele arrepiada de Gaara. Em algum momento suas mãos haviam corrido para os quadris alheios e seu rosto se afundou na curva do pescoço do imperador.


   -Olhe para mim e mova-se. – Gaara exigiu, poucas vezes usava sua voz autoritária no quarto.


   -Como desejar, meu senhor.


   A resposta veio acompanhada de um movimento longo dos quadris de Lee. Gaara gemeu baixo, seus dedos correram pelos cabelos lisos de seu amante, se afundando entre os fios e os puxando com afinco quando o movimento foi repetido com mais força. Gaara gritou.


   O faraó puxou o rosto de Lee, erguendo seu rosto para tomar seus lábios, enquanto seu corpo era tomado pelo outro.


   Juntos eles se moveram, carne contra carne enquanto os batimentos se uniam em sincronia.


   A areia do deserto nunca era a mesma. O caminho do povo egípcio era móvel, renovado pelo vento a cada noite e dia. Mas isso não importava para Gaara, o imperador sempre caminharia até Lee, sem se importar com o destino final, desde que o general estivesse a seu lado.


   Eles estavam ofegantes, seus corpos cobertos por suor, seus olhos cobertos em desejo.


   -Gaara. – Lee o chamou, se movendo mais rápido, mais forte. Querendo muito mais do calor que o cobria. – Meu faraó, meu senhor, meu sol. – O general gemeu em seu ouvido, e dessa vez Gaara não se importou com os títulos. Estavam todos acompanhados de "meu".


   O imperador atendeu ao chamado, suas sementes foram derramadas entre eles. Ele poderia gerar uma linhagem de guerreiros, uma linhagem de imperadores para tomar todas as nações. Mas ele preferia estar ali, com Lee, com o fruto de seu prazer sendo derramado entre seus corpos, sujando sua pele – ao mesmo tempo sentindo o general se derramando em seu corpo.


⧊⧊⧊


   -Isso é um absurdo. – A frase foi repetida pela quinta vez, mas Gaara não sei importava.


   - Isso é meu desejo. É a minha ordem.


   -A única pessoa permitida em sua pirâmide é sua esposa...meu...meu senhor.


   -Nesse caso, me casarei com Lee.


   -Mas...ele não pode lhe gerar herdeiros.


   -Kankuro e Temari são meus herdeiros. – O faraó se levantou, dando o assunto por encerrado ele caminhou pelo tapete posto diante de si. Fora de sua tenda ele tinha a visão perfeita de sua pirâmide, finalizada e o aguardando para sua caminhada até os deuses. – Lee é o único permitido a meu lado.


   -Temari é sua irmã, a união de vocês trariam para o império as bênçãos de uma linhagem pura.


   - A idéia de eu me deitar com meu general lhe causa repulsa, mas a de eu me deitar com minha irmã é uma benção? – Gaara parou, seus pés estavam cobertos pela areia quente, seu peito nu era banhado pelo sol, abençoado por Rá.


   -Meu senhor...


   -Cale-se. – Gaara o interrompeu, a ira estava clara em sua voz, mas seu tom não se alterou. Seus conselheiros estavam todos atrás de si. Todos prontos para esfaqueá-lo pelas costas, se necessário. – A minha palavra é a lei do deserto, e o meu desejo é o desejo do deus sol. Com quem mora a tua fidelidade?


   -Contigo, é claro meu faraó. – O homem sibilou, o veneno se escondia em suas palavras e o barulho de tecido indicou que ele se curvava.


   -E a minha com Lee.


   Voltando a caminhar até a pirâmide Gaara deixou para trás qualquer possibilidade de ser contestado.


   Quando sua vida fosse clamada e seu corpo precisasse ser deitado no monumento erguido para si, um espaço estaria vago. Espaço que poderia ser ocupado apenas por Rock Lee. Pois o espaço físico era um mero reflexo do espaço tomado em seu peito. Lee era seu amado, seu amante. A única riqueza que ele gostaria de levar para sua vida eterna. Ele sabia que partiria antes de seu general, um monstro crescia em si, tomando cada minuto de sua vida, mas havia deixado sua vontade explícita. 


   Se curvariam a ela, por bem ou mal.


   Entrando na pirâmide, descalço e sozinho, Gaara sentiu um peso sobrenatural sobre si. As paredes contavam sua história – de forma incompleta e mística – mas sua. Seus pés tocavam o granito gelado e ele sentia sua energia vital correndo pelas paredes decoradas do lugar.


   Figuras eram desenhadas com ouro, óleo aromático era queimado e – inevitavelmente – o lembrava de sua última noite com Lee. Ele caminhou pelas passagens, pelos corredores planejados para esconder seu corpo, seus tesouros. Algumas pequenas aberturas permitiam a passagem de luz, e o sol banhava o lugar, acompanhando seus passos até o salão principal.


   O salão do rei e da rainha. O salão que ele se recusava a dividir com mulher alguma, se recusava a dividir com qualquer um que não fosse Lee.


   Gaara se ajoelhou, dobrando-se perante os deuses e os céus. Assumindo sua humilde posição como o humano que era. E ele pediu.


   "Que uma maldição caia sobre aqueles que forem contra a minha vontade" , ele rogou, "que as areias do deserto apaguem seus nomes, cubram suas faces. Que sejam devorados pelos ventos e carregados para o Nilo, mas que nenhum animal toque seus corpos, que apodreçam, sem enterro ou homenagens, e que suas faces sejam desconhecidas perante os deuses", as lágrimas corriam por seu rosto, como oferendas – mais preciosas que o sangue – e ainda assim ele derramou sangue.


   A lâmina, presente de Lee, cortou sua mão sem esforços. O sangue gotejou, correndo, das mãos reais, para o chão.


   "É por amor, e com amor, que peço. Lee é o homem a quem me entreguei e por quem reinei de forma justa e honesta. Se me aprovam como faraó, devem aprová-lo como meu companheiro. Então vos peço, que Lee – e apenas Lee – possa me acompanhar durante minha vida, e morte".


⧊⧊⧊


   Lee caiu, seus pulmões ardiam, suas mãos estavam cobertas de sangue – seu e de seus inimigos.


   -Você não é bem vindo nesse império Rock Lee. Aceite seu exílio ou sua morte.


   Lee não se importava, nada importava. A anos os deuses haviam clamado seu mestre, seu amor. E tudo o que ele queria fazer era cumprir sua última vontade, deitar-se com Gaara uma última vez, para partirem em paz.


   - O faraó me aguarda. – Cada palavra rasgava sua garganta como uma adaga.


   -O faraó está morto.


   -O faraó lhes deu uma ordem. Era seu desejo que eu dormisse ao lado dele. – Lee tentou se levantar, só para ser chutado novamente para o chão. Suas palmas estavam arranhadas pela areia, assim como suas costas e bochecha. Mas era seu coração que doía.


   -Na pirâmide? Um mero mortal?


   -Eu liderei seu exército, levei seus homens para a vitória, defendi sua casa e sua família. Eu sou a vontade do sol. E você. – Lee se esforçou mais uma vez, ajoelhou-se. – Você vai me ouvir.


   -Ou? – O soldado riu, a risada fria e impertinente foi acompanhada pelo último gesto de desrespeito, ele colocou uma faca na garganta de Lee, pronto para sacrificá-lo como a um animal.


   -Ou uma maldição cairá sobre o deserto, e a vontade de Gaara varrerá todo o império.


   O corpo caiu sobre a areia sem barulho algum.


⧊⧊⧊


   A lua de Thot iluminava os céus do Egito quando uma parede de areia se levantou. O vento uivante carregava as palavras de uma promessa. Morte encontrou aqueles que traíram a vontade de Gaara, pois ele era o imperador do deserto e as areias serviam a ele.


   Gaara do deserto carregou seu amado para casa. Seu espírito se misturou aos grãos de areia, suas lágrimas se uniram as águas do Nilo.


   Naquela noite, a pirâmide se iluminou com o brilho de mil galáxias.


   Nas areias do deserto a vontade de Gaara se cumpriu. O faraó estava unido a seu general.


⧊⧊⧊


   -Professor. – Rock Lee chamou quando conseguiu finalmente abrir o segundo sarcófago, aquele que – segundo a história contada na parede da pirâmide – estava vazio.


   -Muito bem Lee. – Gaara sorriu e se aproximou, juntos eles levantaram a tampa e juntos deixaram que a surpresa e a excitação de uma nova descoberta tomasse conta do momento.


   -Então ele tinha sim uma esposa. – Os olhos negros de Lee brilhavam, Gaara não queria deixar de olhar para eles, mas era necessário.


   Ele arregalou os olhos, e sorriu.


   -Olhe direito Lee.


   Rock Lee, aluno de mestrado, aplicado e observador, cumpriu suas ordens. E ele também arregalou os olhos.


   -É um homem. – Ele sussurrou.


   -Sim, aparentemente...o companheiro de Sabaku no Gaara era um homem. Como desconfiei.


   -Desconfiou? – Lee levantou os olhos curiosos, a teoria era desconhecida para ele, para muitos.


   -Já ouviu a lenda de Sabaku no Gaara e seu general Rock Lee?


   -Ah, por isso escolheu esse codinome para mim? – Lee sorriu, e Gaara começou a lhe contar a história.


⧊⧊⧊  

12 de Julio de 2018 a las 00:09 4 Reporte Insertar 7
Fin

Conoce al autor

❤ Tia Kuro Neko ❤ Oi, eu sou uma moça menina, senhora ou senhorita, chame como preferir. Escrevo quando sentimentos transbordam do meu peito, quando as palavras me escapam por entre o respirar suave, inspirar e expirar. Sim, escrevo apenas fanfics no momento e sim, são fanfics repletas de "putaria e viadagem", mas olhe por entre as linhas, encontre meus segredos, desvende minha historias, leia os meu desejos.

Comenta algo

Publica!
Isis Isis
Eu não vou cansar de gritar o quanto essa história é UM HINOOO! Em primeiro lugar a construção dos personagens dentro da atmosfera da sociedade e da mitologia do Egito antigo ficou simplesmente maravilhosa. Cada detalhe, a maneira de falar, de agir, as posições dos dois. Tudo encaixou tão bem! Os detalhes da mitologia egípcia que vc colocou aaaa que satisfação pra quem conhece! O grito que eu dei quando o Gaara disse que temia que seu coração pesasse demais na balança por amar tanto o Lee foi ouvido lá na pirâmide. E esse fim? Com eles arqueólogos? Ai meu coração, eu não posso ver uma dica de reencarnação que já fico doida. Ficou tudo perfeito aqui, tudo muito bem desenvolvido e lindo e apaixonante, mas se vc aumentar isso, olha, eu vou amar demais. Imagina que coisa incrível a gente indo e voltando das vidas do Faraó/General e do Professor/aluno? Aiai. Fora que eu adoraria saber mais... como foi que eles começaram? O que era o monstro que crescia dentro do Gaara? Nossa, preciso falar da cena da areia cumprindo o desejo do Faraó. Uau. Só uau. Eu imaginei perfeitamente e caramba, que poder. Sério, Kuro. Eu realmente poderia ficar aqui elogiando por horas e ao mesmo temmpo me sinto sem palavras pra dizer o quanto amei essa história. <3
13 de Julio de 2018 a las 09:26

  •  ❤ Tia Kuro Neko ❤ ❤ Tia Kuro Neko ❤
    ELA VEIO AQUI COMENTAR GENTE, SOCORRO. Eu to besta ainda, pq eu não achei que tinha capturado o Egito antigo tão bem, ou que faltavam detalhes, e ai vem vc que estudou isso e me diz que tá maravilhoso e eu fico como? AAAAAAAAAAAA. Esse negocio ai de mesclar futuro e passado eu não tinha pensado, e que ideia maravilhosa, pqp. A cena da areia foi a que mais me preocupei, achei que devia ter descrito mais, mas aaaaaaaaaaaaa obrigada e que bom que gostou. 17 de Julio de 2018 a las 12:10
Políbio Manieri Políbio Manieri
Kuro de deus mulher socorro! Eu to meio afastada dos mundos das fics, mas dei uma parada para conferir porque atiçou a minha curiosidade e eu nao poderia estar mais maravilhada. Cada detalhe da cultura egípcia, cada delicadeza ao descrever os sentimentos dos personagens mesclados com os costumes de toda uma civilizaçao construiram o clima perfeito. Eu me vi embalada pelas lendas do egito até o ultimo momento! Quando iniciei pensei que iria ser mais do que uma one, porque tinha muito detalhe a se ater a atençao, deu pra perceber seu cuidado em cada linha, entao muito me surpreendi em ver que coube tudo numa one. Todas as suas ideias foram muito bem passadas e absorvidas, estou bem encantada com esse roteiro! Parabéns, tá muito lindo!
12 de Julio de 2018 a las 15:03

  •  ❤ Tia Kuro Neko ❤ ❤ Tia Kuro Neko ❤
    Ai moça, ta afastada pq? Perai, ta tudo bem? Que bom que deu um conferida aqui e que melhor ainda que você tenha gostado.Muito obrigada mesmo pelo carinho e eu fico muito feliz que cada detalhe eu coloquei tenha sido notado pq, nossa eu tava nervosa eheuhuee. É a minha primeira GaaLee (primeira fic dedicada a eles) e eu não consegui pensar em outro tema que não esse (até pq é egito antigo e eu amo), me surpreendi com o tanto que gostaram dela, então obrigada. 17 de Julio de 2018 a las 12:07
~