Cuento corto
4
4713 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Maldita seja as redes sociais;

   No meio da noite, ou no sol de um imprudente tardar, Katsuki abria o maldito aplicativo.

   O que de certa forma, era irônico, porque o rapaz de cabelos espetados tinha feito de tudo para esquecer o outro garoto desde aquele fatídico dia em que levara um fora. Deletara a amizade no facebook, parara de segui-lo no twitter, nem mesmo se recordava mais do link do tumblr, e tudo que lhe restava era a conta no instagram.

   Não.

   Ele não seguia Todoroki Shoto.

   Apenas possuía a puta sorte da conta do bicolor ser pública e o user ficar registrado em seu histórico de pesquisas.

   Mas okay, teve aquelas duas ou três vezes que, de alguma forma, Shoto havia trocado de user, e Bakugou entrara em desespero e se odiara por não manter mais uma forma de contato com quem considerava ser o amor de sua vida. E no meio de seus surtos, ele se lembrara do nerd de merda, entrara então no perfil do outro e logo encontrara Todoroki na lista de pessoas que seguia.

   Obrigado, nerd de merda.

   Todoroki Shoto era... perfeito. Katsuki não sabia como descrevê-lo, a existência do meio-a-meio deveria estar no dicionário. Meu, como ele tinha a vontade de rir e arrancar os cabelos da própria nuca.

   Porra, Shoto.

   Um garoto quebrou o coração de Katsuki, e ele tinha uma licença para isso.

   As pequenas fotos no aplicativo fazia as palmas do rapaz coçar. E de alguma forma... ele odiava, odiava de mais ver o outro feliz e tão realizado. Katsuki queria apenas aparecer em sua frente e gritar com ele e destruir a sua vida tão perfeitinha do instagram.

   Ora, Todoroki apenas estava se realizando na vida – era as conclusões que Bakugou retirava por conta das fotos – e isso o incomodava... porque... deuses, como Todoroki pôde simplesmente esquecer-se de tudo que ambos passaram juntos... como ele poderia? Apenas jogar tudo aquilo no meio do vazio?

   Katsuki o odiava, mas o amava tanto.

   O misto apenas o fazia querer chorar e despedaçasse.

   Mas ele estava feliz, claro que estava. Por que não estaria?

   A pessoa que ele mais se importava no mundo estava se realizando, estava feliz... Katsuki poderia se contentar com isto.

   Era o que dizia para si toda vez que abria o maldito do aplicativo, mesmo quando a verdade era outra.

   Uma verdade que... a última coisa que Katsuki desejava era poder olhar nos olhos heterocromáticos e dizer mais uma vez o quanto o amava... e que nunca deixaria de fazê-lo. E que aquilo era uma porra, não era saudável, porém não era ele que fazia as malditas regras do jogo. Ele apenas seguia o fluxo, e se transbordava com as flores imaginarias da literatura que nasciam dentro de seus pulmões.

   No meio da noite, ou no triste tardar, ou até mesmo quando se atrevia aventurar-se na perigosa manhã, ele abria o maldito aplicativo na esperança de que ninguém o descobrisse.

   Para olha-lo.

   Para olhar a pessoa que tanto amava.

   Queria xingar o maior pelas coisas que postava. Queria segui-lo e tê-lo de volta.

   Mas o que mais queria era poder esquecê-lo. Entrar em uma máquina do tempo para nunca ter o conhecido... até mesmo desejava sofrer um acidente para que o outro desgrudasse de seu ser.

   Esquecê-lo...

   Todoroki poderia fazer qualquer coisa com Katsuki se quisesse.

   Ele tinha essa liberdade, e era por isso que o loiro o odiava... o odiava por transformá-lo em um ser tão fraco e vulnerável perante ao maior.

   Fazia seus dentes rangerem e os punhos de suas mãos cravarem as unhas nas palmas até sangrarem.

   Bakugou até amou outros depois do meio-a-meio, mas parecia que sofria de alguma maldição do primeiro amor.

   E infelizmente, Shoto tinha essa individualidade de mexer com o cabeça-quente por apenas existir. Era triste, deprimente demais, mas de alguma forma o menor não se importava, Todoroki Shoto estava na palma de sua e poderia ver seu sorriso quando bem entendesse.

   Choraria escondido, é claro.

   Mas Shoto sorria alheio em sua própria vida. Com suas pinturas e seus gatos, com seu ótimo gosto musical e artístico. Vivendo livre, a vida que há tanto desejava. E Katsuki fecharia o aplicativo, na esperança de que o sentimento esvaecesse.

10 de Julio de 2018 a las 03:17 0 Reporte Insertar 3
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

Historias relacionadas