Sincero, puro e eterno Seguir historia

hannahms Hannah Maria

A vida sempre é peculiar. Ela nunca segue um padrão, e sim oscilações. As vezes pensamos que estamos tristes, mas na verdade estamos felizes e só descobrimos a verdade momentos depois. Mas Yoongi sabia que estava feliz. Era contente com a vida que possuía. Isso até ver a sua vida o deixar. Porque era isso que Park Jimin era, a sua vida. "Hoje comprei uma miosótis e um cravo. Desde de que você se foi eu aprendi o significado das flores. Miosótis significa amor sincero, já o cravo significa amor puro e entrega. Isso é tão nosso. Eu ainda te amo. É sincero, puro e eterno."


Fanfiction No para niños menores de 13.

#sadfic #jimin #park-jimin #bts #bl #bangtan-boys #yoonmin
Cuento corto
0
4829 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Memórias

Acordar e olhar para o lado, não te vendo no outro lado da cama. Tomar o café da manhã sem poder encarar seu rosto inchado, graças ao recente sono. Sair para trabalhar sem escutar sua melodiosa voz me desejando um “bom dia”, e saber que meu dia de verdade não irá ser bom, pois quando eu chegar você não estará me esperando.

O quão profundo é esse buraco que você deixou em meu coração, eu nunca irei descobrir. Não sei como superar, nem como seguir com a vida. Talvez simplesmente não tenha como. Será que, algum dia, você não será a primeira coisa que irei pensar ao acordar? Será que, algum dia, irei fechar meus olhos e não irei te ver?

Você não foi somente parte da minha vida, mas também foi parte de mim. Só de encostar em você, meu corpo já entrava em êxtase, entrando em ebulição, cada célula reagindo unicamente a ti. Como posso seguir minha vida dessa forma? Como continuarei sem você?

Eu me lembro perfeitamente do dia em que te conheci. Estávamos na biblioteca da escola, e nem logar na sua conta você estava conseguindo. Desesperado, vendo que eu conseguia, veio me pedir ajuda. Eu quis rir tanto da situação, mas me segurei apenas para não te deixar sem-graça. No final, você sequer havia feito sua matrícula na biblioteca, e eu tive de te levar até o lugar onde era feito. Ficamos um bom tempo conversando com a senhora bem-humorada da informática, até ela finalmente lembrar do porque estávamos ali.

Foi bem engraçado, e sempre que relembrávamos daquele dia juntos, riamos. Apenas mais um momento que nunca mais ocorrerá.

Também teve o dia em que fui te ajudar a levar a Layca, sua labradora, para passear. Ela ficava animada com qualquer um que passava, e queria seguir todos. Ela tinha uma verdadeira paixão por sacolas e comidas, sempre perseguindo qualquer um que tivesse isso em mãos. A praça em que a levamos estava cheia de pessoas, o que contribuiu e muito para a animação dela. Até que era resolveu perseguir o pipoqueiro. Ah Jimin, eu falei tantas vezes que eu podia segurar ela, você foi tão teimoso. E assim você acabou encharcado, dentro da pequena fonte do local, enquanto a Layca abanava animadamente o rabo para o senhorzinho da pipoca.

A Layca. Me lembro tão bem do dia em que ela morreu. Você chorava em meus braços, e eu acariciava a sua cabeça, tentando em vão achar alguma forma de te acalentar. Naquela época eu já gostava de você, e me doía tanto te ver mal. Queria apenas te apertar forte, tirar toda a sua dor e transportá-la para mim. Por você, Jimin, eu tomaria as dores do mundo inteiro. Infelizmente não pude. Chorando, me fez prometer que nunca te abandonaria. Que grande bobagem, mesmo sem aquela promessa, eu nunca te deixaria só. Nunca, nem mesmo por um mísero segundo.

Você sempre foi o meu tudo. Meu ar, minhas estrelas, meu sol, minha lua. Meu júpiter, meu netuno, minha galáxia. Meu chão, meu melhor amigo. A pessoa que eu mais amei em toda a minha vida, dono de todos os meus pensamentos e motivo de cada bater do meu coração.

É engraçado lembrar de quando te pedi em namoro. Não foi em um pôr do sol. Não foi em um jantar ao luar. Não teve as palavras mais bonitas que você já escutou. Mas teve as minhas palavras mais honestas, e o meu mais profundo amor. E eu fiz de tudo para te mostrar o quanto eu te amava, mesmo que minhas mãos tremessem e minha voz falhasse. E você entendeu, me respondendo com um doce ‘sim’.

Eu diria que aquele foi o melhor sim que já escutei na minha vida, mas estaria mentindo. O melhor foi o que você me disse quando te pedi em casamento.

Ah, o nosso casamento. Foi algo pequeno e fechado. Uma cerimônia feita apenas por nós, em um campo florido. Um amigo nosso que realizou, e trocamos as nossas alianças sorrindo como nunca. Minha visão estava levemente embaçada pelas lágrimas, já você não enxergava mais nada, de tanto que chorava. Talvez, para a lei coreana, aquele ouro em nossos dedos não significasse nada. Mas para nós significava que um possuía o outro. Não de uma maneira possessiva, mas sim amorosa. Nos amávamos tanto que resolvemos ser um só. Você era a parte que faltava em mim, e eu era a parte que faltava em ti. Como um quebra-cabeça de apenas duas peças.

Nossa vida era boa. Éramos felizes, não caímos numa monomania. Nossos dias eram excêntricos, assim como você.

Você era o motivo dos meus sorrisos, a minha paz e minha calma. Não sei se é possível amar tanto alguém como te amei, mas eu o fiz, e não me arrependo, nem mesmo de um único segundo. E se eu pudesse, viveria tudo de novo. E de novo e de novo, e quantas vezes fosse possível, tudo para passar mais tempo ao seu lado. Apenas para ver seu sorriso, me drogar em seu corpo e me embebedar com sua voz. Você era todos os meus vícios e a minha cura.

Mas algo sempre vem para estragar, não é? Será que algum ser divino sentiu inveja do nosso amor? Ou será que eu somente não era merecedor de tamanha alegria?

Aquele dia reprisava sempre na minha mente. Aquele momento perturbava meus sonhos, os transformando em pesadelos. Eu acordava em lágrimas, remoendo por dentro tudo que eu poderia ter feito para impedir. Era minha culpa, só podia ser.

Você estava do outro lado da rua, rindo e acenando. Fazia um ano e seis meses que estávamos casados, e queríamos mais que tudo sair para comemorar. Por mim, eu comemoraria todos os dias, porque cada dia que eu passava ao seu lado era um motivo para comemorar. E sempre que eu te dizia isso, você corava, rindo e tapando sua boca com uma mão, enquanto com a outra você me empurrava, me chamando de bobo. Era verdade, sempre fui um bobo por você.

Como sempre, estávamos presos em nosso próprio mundo. Não reparamos naquela moto atravessando o sinal vermelho, e eu apenas pude ver você ser atropelado. E de novo eu via o vermelho, e ele saia de você. Eu já chorava, e desesperado estava ao seu lado, segurando a sua mão e pedindo para ficar comigo. Eu apenas pedi isso, Jimin. E mesmo naquele estado, você teimou em dizer que me amava. As últimas palavras que eu vi sair dos lábios que mais amei nesse mundo foi um "eu te amo", mas eu trocaria isso por apenas mais um segundo com você. Faria qualquer coisa para poder apenas escutar a sua risada mais uma vez. Eu vi a vida sair de seu corpo, e no mesmo instante a minha também me deixou. Você era a minha vida.

Eu fui movido por impulsividades, fiz coisas em que não me orgulho. Nossos amigos me ajudaram várias vezes, e talvez eu ainda esteja aqui graças a eles. Desculpa por embaraça-lo aí no céu, deve ser chato contar aos seus amigos daí de cima que seu marido era este idiota aqui. Perdão.

Em um último ato de rebeldia, tatuei “vida” em meu braço. Para os outro pode significar qualquer coisa, mas nós dois sabemos bem o que significa. É você, Jimin. Agora você está em meu corpo, e mesmo que algum dia eu sofra de Alzheimer, em todo momento em que olhar para essa parte do meu corpo, me lembrarei de você.

Desculpe, estou chorando no seu túmulo novamente. E eu sei que peço desculpas por isso todo dia, e que prometo que no dia seguinte não chorarei, mas acaba sendo mais forte que eu. Algum dia conseguirei não chorar. Talvez algum dia esse aperto em meu coração saia, talvez eu não chore olhando os porta-retratos espalhados por nossa casa, e consiga finalmente tirar todas aquelas roupas do armário, e dá-las para a doação. Talvez esse lance de superação deixe de ser ilusão, e comece a se tornar realidade. A incerteza do futuro abre portas para vários 'talvez', mas a minha certeza definitiva é que meu amor por ti sempre irá continuar,

A boa notícia é que estou deixando a florista rica. Você sempre foi tão alegre, odeio pensar que agora você fica neste lugar tão mórbido. Então eu compro flores, uma diferente a cada dia, somente para dar alguma alegria. Evito comprar as laranjas, sei que você não gostava muito dessa cor. Seu túmulo acaba sendo o mais colorido, e preciso admitir que as vezes acabo colocando flores em outros também. Sei que você odiaria o fato de ser o único colorido, enquanto todos seguem o padrão monótono do cinza e branco. Ah meu amor, até mesmo nesta sua pós vida você traz coisas boas aos outros.

Hoje comprei uma miosótis e um cravo. Desde de que você se foi eu aprendi o significado das flores. Miosótis significa amor sincero, já o cravo significa amor puro e entrega. Isso é tão nosso. Eu ainda te amo. É sincero, puro e eterno.

7 de Julio de 2018 a las 19:29 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~