Hot Guys Wanted Seguir historia

devilwhore P. Miranda

Do KyungSoo e Kim JongIn são um casal vivendo a pior crise de seu relacionamento; e esta não se limita ao romance, como também a falta de dinheiro que os assola. Já quase sendo despejados, com JongIn desempregado e KyungSoo trabalhando apenas meio período pode ser que esse namoro não dure muito mais. Porém tudo muda depois que o moreno tem a atenção roubada por um anúncio bem chamativo em um site na internet. Mas será que KyungSoo aceitaria a nova "carreira" do companheiro?


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 21 (adultos).

#dirtytalk #camboyau #hardsex #pwp #kaisoo #exo
16
5.0mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Procura-se

    - Se não pagarmos o aluguel em duas semanas seremos despejados. - O mais baixo jogou o bolo de contas sobre a mesa da cozinha, enquanto o namorado parecia despreocupado ao acender um cigarro, começando logo a tragar e encará-lo sem entender muito bem.

- A Sra. Park é legal, ela jamais nos expulsaria. - O mais alto tirou o cigarro da boca e revirou os olhos, deixando a fumaça escapar por entre os lábios bem desenhados.

- JongIn, deixa de ser idiota! Já estamos devendo seis meses, nem a pessoa mais legal do mundo aguentaria isso. - Como sempre KyungSoo era bem mais sério que o companheiro e estava ficando estressado com a falta de interesse do outro naquilo, apesar de tudo, o mais velho sentia-se um pouco preocupado quando o namorado lhe chamava pelo nome de batismo e não pelo apelido, “Kai”.

- Amor, não tem motivo pra ficar assim. - Um sorriso brincalhão nasceu nos lábios do moreno, que levantou-se de onde estava, parou de frente ao amado e segurou seu rosto com ambas as mãos; deixando o cigarro ainda por entre o indicador e o médio da mão direita. Deu um selinho delicado sobre os lábios carnudos do outro, deixando que o sabor da fumaça chegasse ao paladar dele.

- Eu sei que logo vou conseguir um emprego, é que não estão me oferecendo muitos testes; mas eu prometo que logo estarei empregado. - Os olhos desacreditados do namorado deixavam clara sua falta de esperança em tal promessa. Vendo-se que Kai gastava a maior parte de seu tempo em casa fumando, bebendo cerveja, vendo televisão e batendo punheta. Isso mesmo sabendo que o mais baixo passava horas por dia na faculdade e no café onde trabalhava meio expediente.

- Sai! Estou cansado disso! - O castanho-claro bateu nas mãos do mais baixo, afastando-o de si, totalmente incrédulo com a postura dele. - Acha que eu sou idiota? - Perguntou retoricamente já com a voz elevada, pegando a caixa de cigarros sobre a mesa e acendendo um para si. - Você passa o dia em casa com a mão no pau e não se dá nem ao trabalho de mandar currículo para lugar nenhum! Foda-se se é com atuação ou não, ou me ajuda com as despesas ou vamos terminar e você vai sair dessa casa! - JongIn ficou um pouco chocado com as palavras do Do, porém não teve como contestar; apenas abaixou a cabeça, para logo depois tentar reverter a situação ao abraçar o amado por trás.

- Meu amor… Não é assim. Eu prometo, até o fim da semana vou arranjar uma forma de ganhar dinheiro. - Deu um beijo na nuca dele e esperou que aquela postura lhe salvasse do fim da bronca, mas foi em vão, sentiu-se ser empurrado para longe e viu o outro de frente para si.

- Ou você cumpre essa porra de promessa, ou nunca mais vai me ver na sua frente. - Somente ao ouvir a voz séria e baixa de KyungSoo o mais bronzeado percebeu que aquilo era mais que uma simples ameaça. Sentindo as pernas tremerem ao ver o namorado adentrar o quarto e bater a porta com força.

JongIn ficou parado olhando para a superfície de madeira a sua frente. Algumas fotos dos dois foram ali coladas, assim como rabiscos de frases apaixonadas, trechos de músicas que gostavam e pequenos adesivos de coração...

Estavam juntos há mais ou menos três anos e meio, se conheceram em uma boate gay; na época KyungSoo acabara de completar dezenove anos e entrar para o curso de história de uma boa universidade, com uma bolsa de estudos por ter tido notas muito altas no ensino médio, já JongIn iria começar seu segundo ano no curso de artes cênicas, seu grande sonho era ser um ator em peças de teatro e novelas de TV, mas mesmo sendo muito bonito, era complicado conseguir algo no mercado sem ter uma agência ou qualquer contato, já que vinha de uma família menos favorecida.

O primeiro ano que o casal passou junto, ainda moravam separados, pois KyungSoo morava com os pais e não saíra do armário, porém assim que se assumiu para a família, seus pais foram incapazes de aceitar o relacionamento expulsando-o de casa. Foi assim que acabou mudando-se para aquele apartamento com o mais velho, que naquele tempo ainda tinha um emprego em uma loja de conveniência, porém as coisas começaram a ficar difíceis quando Kai formou-se e o Do entrou para o último ano, tanto pelo mais velho ter perdido o emprego, como por crises de relacionamento, devido a postura pouco “leal” de JongIn. Não que ele tivesse realmente chegado a trair o namorado, mas fora por pouco diversas vezes. Sem falar de sua preguiça crescente e da forma desleixada como cuidava da casa e do companheiro.

Não é que não se amassem mais como antes, só que a vida adulta batera em suas portas com força demais, fazendo com que KyungSoo amadurecesse, porém não tendo o mesmo efeito sobre o outro. Ás vezes ele ainda parecia querer viver como um adolescente sustentado pela herança dos pais e um auxílio governamental, como fora até seus dezoito anos.

Kai era órfão de pai e mãe, os perdera em um acidente de avião, ficando com o que era deles para si, mas não era muita coisa, já que até mesmo a casa onde moravam era alugada e a poupança familiar não muito gorda. Foi o suficiente para aguentar um tempo e depois teve de se virar sozinho.

Todas aquelas histórias e situações lhe passavam pela cabeça enquanto olhava a porta fechada a sua frente e ouvia do outro lado da superfície a voz chorosa de seu amado falar seu nome e xingamentos, bem baixinho, achando que ele não ouviria. Tinha certeza que o mais novo encontrava-se com um porta-retrato em mãos, olhando para sua imagem e deixando as lágrimas caírem por sobre o vidro, pois era sempre assim que acontecia.

O ator perguntava-se como deveria proceder, acabou por sentar-se de volta no sofá, acendendo mais um cigarro e levando aos lábios deu uma profunda tragada, pegou o notebook que se encontrava fechado sobre a mesinha de centro, colocou no colo e depois de reparar em quão acabado estava o cômodo a seu redor; com paredes descascando, uma mesa bamba, o sofá furado e a televisão com a tela tão suja que era possível ver até mesmo com o aparelho desligado. Olhou para a janela e as cortinas haviam sido substituídas por lençóis, assim como a toalha também sumira da mesa de jantar, da qual três dos quatro pés estavam sendo segurados por pedacinho de papel, na intenção de deixá-la nivelada. Era mais decadente agora que parava para observar.

Ligou o notebook e assim que a internet abriu digitou Vagas de Emprego Para Atores na barra de pesquisa, esperando que algo lhe parecesse interessante. Depois de links e mais links nada lhe parecia realmente confiável ou promissor, já estava com a cabeça a mil quando finalmente um link de propaganda pareceu lhe chamar a atenção.


Procuram-se Homens Gostosos

Hot Dudes Live* está a procura de solteiros e casais homossexuais dispostos a mostrar todo o seu desempenho para o mundo! Se você tem um belo corpo, sorriso encantador e muito amor para dar; nós o queremos! Se acha que está dentro de nossos padrões, basta preencher nosso formulário. Inscreva-se no link abaixo!


O site parecia um pouco estranho, já que não se viam muitas fotos além de alguns belos homens sem camisa e um botão de log in na parte superior da página, mesmo assim, algo lhe fez pensar que talvez fosse a melhor coisa depois de tudo que vira. JongIn clicou no link que lhe era indicado, sendo mandado para uma nova página, dessa vez parecia algum tipo de ficha de inscrição. Começou a preenchê-la lentamente, prestando atenção para não apertar em nada que lhe pudesse prejudicar e lendo muito bem as explicações apresentadas no início da página.


Hot Dudes Live é um site de entretenimento adulto voltado para o público homossexual masculino cujo objetivo é dar o maior prazer possível a seus cliente por meio de live-cams com homens bonitos e divertidos, dispostos a se expôr intimamente e atender a seus pedidos.

Ao entrar para nossa equipe você pode mostrar toda sua disposição para o mundo e ainda manter suas identidade e sua integridade física protegidas, estando no comando de suas transmissões e de seu prazer!

- Para participar é necessário que seja maior de dezenove anos.

- Na parte de fotos mande três de corpo inteiro vestido(costas, frente e lado), três de corpo inteiro nu (costas, frente e lado) e mais três fotos de rosto (sério, sensual e sorrindo).

- Suas conta de banco e informações pessoais só serão requisitadas caso seja aceito.

- Se for uma ficha de casal, por favor marque esta opção no menu abaixo, indo para o formulário apropriado.

- O pagamento é de ₩ 35.000,00** por acesso. Também lhe será oferecido um bônus de ₩ 18.000,00*** por pedido extra dos clientes. Caso lhe seja requisitado o serviço de chat particular você receberá ₩ 50.000,00**** por cada meia hora.

- Efetuaremos o pagamento assim que terminar sua transmissão.

- Ao informar seus horários livres e criar sua agenda de exibições lembre-se que terá de ser muito honrado com isso.

- Cuidado na escolha de seu apelido, não escolha nada muito parecido com seu nome real.

- Não nos responsabilizamos por prints tirados dos vídeos e nem por vídeos sendo postados em outros sites, mas temos um sistema de segurança para evitar tais acontecimentos ao máximo.

- Seja bem detalhista ao dizer o que está disposto ou não a fazer, pois os clientes têm de saber o que podem ou não pedir-lhe durante a transmissão. Caso lhe peçam algo que não tenha deixado claro se aceita ou não, deve-se ser seguida a vontade do cliente.


Leu tudo aquilo e ficou ainda um pouco mais curioso, algo lhe dizia que era sua melhor chance, mesmo que tivesse certeza de que por enquanto o namorado não poderia nem imaginar do que se tratava.

Respirou fundo ao ver o formulário à sua frente, onde tinha de preencher algumas informações básicas sobre si como: nome, idade, cidade onde morava e coisas assim, para então chegar a parte de fotos, não tendo qualquer problema com isso, abrindo uma pasta de fotos em seu computador, onde diversas fotos nuas de si e do namorado se podiam encontrar, anexando as que se encaixavam no especificado. Sorriu ao ver como mesmo com todo seu sedentarismo ainda tinha um corpo invejável somente com as flexões e abdominais que fazia pela manhã.

Finalmente terminou de preencher tudo e enviou, ficando um pouco preocupado de ter feito a coisa certa, mas pensando que ao mesmo tempo era algo interessante a se fazer, pelo menos conseguiria algum dinheiro para não morrerem de fome ou serem despejados. Saiu da página de confirmação da inscrição e desligou o computador, ligando a televisão para assistir um filme qualquer, até que sentiu o celular tremer a seu lado, indicando que recebera um novo e-mail, ficando muito chocado com a resposta rápida do site.


PARABÉNS!

Olá, KAIOS***** (Kim JongIn), nós da equipe do Hot Dudes Live ficamos felizes em informar-lhe que você preenche todos os requisitos necessários para ser parte de nosso quadro de modelos!

Segue abaixo o link para registro de seus dados bancários e mais detalhes de como proceder agora que é parte de nossa equipe!


Kai demorou quase uma hora para para ler todos os anexos que lhe foram enviados explicando as regras que deveria seguir, seus direitos e como faria para logar-se no site. Ficou bem cansado daquilo quando finalmente terminou de fazê-lo, vendo que já passavam das onze da noite, provavelmente o namorado dormira chorando… teria de ficar na sala mesmo aquela noite.

Deitou-se no sofá e suspirou, pensando em como seria sua vida por enquanto tentando esconder aquele trabalho “estranho” de seu amado.


---


Por fim já era sexta-feira, o dia em que JongIn prometera dizer ao outro que já teria o dinheiro para o aluguel e um novo emprego, mesmo assim ainda não sabia como contar ao amado o que estava fazendo. A verdade que amava aquele trabalho, podia ficar em casa o dia todo se masturbando e exibindo sua aparência; e ainda recebia por isso. Claro que vez ou outra era um pouco estranho, ainda mais quando muitas pessoas se encontravam online, recebia alguns pedidos peculiares, como na vez que um senhor anônimo que disse ter setenta anos lhe pediu para usar vegetais no lugares de consolos, mas nada que lhe incomodasse, pois só fazia o que achasse certo.

Outra coisa que fazia com que o ator gostasse muito do trabalho era que se tornara realmente popular na semana que passara fazendo as transmissões para o site, tendo por volta de cinquenta pessoas sempre lhe assistindo e cada um desses acessos lhe rendia um bom dinheiro.

JongIn acordou pela manhã e foi ao banco, tirou o dinheiro necessário para pagar pelo menos três meses do aluguel atrasado e parou no supermercado, comprando comida para ele e KyungSoo, prepararia um jantar gostoso a noite para comemorar que não estavam mais à beira da falência e ver se conseguia transar com o namorado depois de quase três semanas sem fazê-lo. Por mais que estivesse se satisfazendo de frente a webcam quase todos os dias, nunca seria a mesma coisa que fazer amor com o Do, que era o que lhe dava real prazer, mas não estava conseguindo devido as brigas e ao cansaço do outro. Ainda que a cabeça estivesse desesperada atrás de uma explicação para dar em relação a existência daquele dinheiro.

O ator, é claro, não conseguiu pensar em uma solução, porém preferiu somente pensar que ter o dinheiro bastaria. Chegou em casa e constatou que faltavam apenas dez minutos para sua transmissão diária. Foi para o quarto e posicionou o computador de frente para si como de costume, ligando tudo e fazendo login em sua conta no site, vendo que muitas; mais ou menos vinte pessoas, esperavam para vê-lo. Ligou a câmera e começou aquilo, como sempre dizendo seu nome de guerra e lendo alguns dos elogios enviados por seus fãs mais assíduos.

Era quase como um ritual, sempre começando com aqueles agradecimentos pelo carinho, para então passar a falar besteiras sobre como ficava excitado com aquilo, tirar a camisa e ficar passando a mão por seus mamilos, focar a câmera em seu falo semi-ereto e coberto pela calça… tudo o que lhe fosse pedido. No entanto, quando já estava somente de boxer, acariciando o cacete duro por cima da peça de roupa vermelha e falava sobre seu grande tesão a porta do quarto se abriu e a figura perplexa de KyungSoo se fez a sua frente, deixando as compras que trouxera caírem no chão e os olhos liberarem uma cascata instantânea de lágrimas, ele mal conseguia falar.

JongIn ficou em choque por alguns minutos até dizer que iria desligar e abaixar a tela do notebook em um só movimento, levantando-se da cama e tentando correr na direção do amado, que o empurrou para longe com toda a força que tinha, só então parecendo retomar os sentidos.

- Kim JongIn, que caralhos é isso? - O mais novo berrou ao ver o outro aproximar-se mais uma vez, com os braços esticados, como quem pedia calma.

- Amor, KyungSoo… Não é isso, eu juro. Deixa eu me explicar… - Tentava falar, mas já sentia travesseiros sendo arremessados contra si e outro sair do quarto completamente desacreditado no que vira, chorando como uma criança.

- Como não? Você de frente para o computador com o pau igual uma pedra dentro das calças dizendo que está “doido de tesão por você”! Isso não pode ser outra coisa! - O casal se encontrava na sala de pé um de frente para o outro, já que JongIn achara mais prudente não se aproximar do amante.

- Eu juro, amor, não é bem assim… eu sei com o que se parece… mas é tudo por você! - O mais velho não conseguia manter uma linha certa de raciocínio, estava muito perdido e desesperado para não perder o namorado, acabou se dirigindo para a mesa de jantar, mostrando os maços de dinheiro que ganhara com o trabalho e pretendia usar no aluguel. - É pelo dinheiro, para sairmos dessa situação! - Ficou encarando o garoto para ver qual seria sua reação, mas o outro parecia apenas incrédulo e chocado.

- Você… está se prostituindo? - Os olhos já grandes estavam quase esbugalhados e ainda mais molhados, as lágrimas descendo a cada piscada.

- Não, meu amor, eu jamais conseguiria transar com outra pessoa… - JongIn sentiu-se confiante para dar um passo a frente com aquilo, chegando um pouco mais perto do namorado paralisado. - Eu só me filmo falando e fazendo umas coisinhas e uns tios velhos pagam pra me ver… consegui dinheiro o suficiente pra pagar três meses de aluguel e ainda comprei comida. - Sabia que aquilo soava totalmente inaceitável, mesmo assim não poderia mais ficar escondendo dele o que fazia.

- Não… preciso de um tempo. Desculpa. - Nada mais foi dito já que D.O. adentrou o quarto e trancou a porta, fazendo com que um mais uma vez o Kim fosse forçado a ficar de frente a porta ouvindo-o chorar. Porém dessa vez não demorou até que a superfície se abrisse e o mais jovem lhe dissesse para entrar e para lhe dar as melhores explicações que tivesse, ou estaria na rua em poucas horas.


---


- Mais fundo! Vai! - Os gemidos de KyungSoo eram como música para os ouvidos de JongIn, que por cima conseguia ver cada uma das expressões de prazer do amado, segurava as pernas dele em seus ombros enquanto lhe estocava com toda a força que tinha, sentindo o corpo já fraco. Era a terceira vez na noite que transavam, não aguentaria muito mais.

- Amor, eu vou… - JongIn tentou dizer algo, mas sentiu as mãos do namorado lhe envolverem o pescoço e arranhar a nuca, puxando-o para um beijo intenso, enquanto o corpo dele parecia rebolar sob si, como quem pedia por mais.

Ainda lhe parecia inacreditável que não somente convencera o outro sobre seu novo emprego; como também conseguira uma das melhores noites de sexo de sua vida. Era como as pessoas diziam: o sexo de reconciliação sempre será o melhor.

- Amo você. - Falou no pé do ouvido dele já sentindo a própria porra escorrer em jatos intensos dentro do namorado, enquanto ouvia-o gritar seu nome e liberar o sêmem melecando ambos os peitorais.

- Também amo você. - KyungSoo falou, quando já estava deitado com a cabeça no peito de JongIn, fazendo carinho em seu abdômem, desenhando cada um dos caminhos formados pelos músculos definidos dele.

- Desculpe não ter conseguido nada melhor do que esse trabalho… - Falou Kai com sinceridade; ele realmente não achava que fosse o melhor emprego do mundo, mas o dinheiro valia tanto à pena.

- Desde que não durma com ninguém e que nunca me fale o que tem de fazer, eu não ligo. - Era uma proposta justa por parte do mais novo, simplesmente fingir que nada daquilo estava acontecendo e deixar que o dinheiro entrasse para pagarem as contas e viverem de forma mais confortável. - E me prometa que vai continuar procurando por um emprego normal.

- Eu prometo. De verdade. - Ele sabia que não era exatamente um homem cuja palavra poderia ser levada tanto em conta, ainda mais se parassem para pensar em como fora o relacionamento deles nos últimos meses, mesmo assim KyungSoo queria acreditar nele e não conseguiria simplesmente achar que o namorado não faria nada para mudar tal situação.

- Quero tomar um banho. - O castanho sentou-se na cama e sorriu para o amado, fazendo carinho em seu peito nu mais uma vez. - E quero fazer isso sozinho. - Disse ao perceber um sorriso safado partir do rosto alheio.

- Tudo bem, eu vou esperar você sair para tomar meu banho então… - Aquele clima agradável deixava o coração de JongIn bem mais aliviado, era como se três mil quilos tivessem sido tirados de seus ombros.


---


Três meses naquele serviço e a vida dos dois nunca fora tão boa. Comiam muito, pagavam as contas e até mesmo conseguiam tempo para sair e aproveitar. As cortinas da sala agora eram novas e bonitas, assim como um lindo jogo de toalhas de mesa fora comprado, JongIn melhorou a qualidade de seu serviço comprando uma boa câmera, KyungSoo conseguiu diminuir as horas de trabalho no café e suas notas voltaram a subir na faculdade por ter mais tempo de estudar. Tudo parecia muito bem, era com certeza a melhor fase de suas vidas.

Até que um dia a expressão “há males que vêm para bem”, pareceu se encaixar misteriosamente em suas vidas.

JongIn acabara de terminar uma de suas lives, estava na cama, apenas de cueca, esperando que o namorado chegasse para o jantar e decidiu que seria interessante dar uma olhada na concorrência.

Ligou em uma sala que apresentava um menino magro, aparentemente bem jovem, simulando um boquete em um vibrador, enquanto o público pedia que ele fosse cada vez mais fundo na própria garganta. Não achou nada interessante, mudando para uma outra janela. Ali estava era um homem maduro, talvez uns quarenta anos, corpo escultural, passando óleo por seus músculos e depois por seu traseiro, mostrando bem cada pedacinho de si. Por fim chegou a um casal. Dois meninos baixos, porém bonitos, de pele morena e olhos incisivos, se beijavam intensamente, o de cabelo mais curto rebolando no colo companheiro.

Acabou se demorando naquela janela, vendo os pedidos mais variados aparecerem na tela, coisas como: “morde a orelha dele!”, “nossa, está na hora de uma punhetinha ehm!”, “quero ver sair sangue desse cu!”, “andem logo com isso!”... Ele não sabia se ria dos comentários, ou se ficava assustado com o teor de alguns. Mesmo assim, ficou pensando que talvez, fazer aquilo pudesse ser divertido, sentimento que o encheu de culpa, pois não queria colocar o namorado em tal situação.

Ainda que soubesse ser muito errado, ficou concentrado olhando para aquilo, vendo que eles não pareciam ligar tanto para o que lhes era pedido, pois o público se divertia com os mínimos toques um no outro. Não lhe parecia nada complexo e os dois aparentavam ser um casal bem saudável e apaixonado. Uma pulguinha nasceu atrás da orelha de JongIn.

Desligou aquela janela e não se demorou a entrar na parte do site que era direcionada a casais, procurando pelo formulário de inscrição e começou a ler quais eram os benefícios. Cada casal recebia mais de duas vezes o valor que ele receberia sozinho. Começou realmente a pensar no que poderia fazer para convencer o namorado sobre aquilo.

Foi em meio a esses pensamentos que entrou no chuveiro e começou a banhar-se, ouvindo a porta se abrir, sabia que que KyungSoo havia chegado. Desligou a água quente e saiu do banheiro com a toalha amarrada na cintura, todo animado pensando que como o menino estava em casa mais cedo, poderiam ter uma noite “divertida”.

- Amor, chegou cedo! - Assim que abriu a porta falou todo animado, mas seu sorriso se desfez ao ver o jovem lhe olhando com os grandes olhos inchados e vermelhos, deixando claro que chorara bastante.

- Ei… O que aconteceu? - JongIn viu o castanho deixar todas as coisas que segurava caírem no chão e desabar chorando desesperado. Ajoelhou-se ao lado dele e o envolveu em um gostoso abraço, sem entender nada do que estava acontecendo.

- Perdi minha bolsa e meu emprego… - Aquilo só poderia ser brincadeira da parte dele. Como algo assim poderia acontecer de uma hora para a outra? Um menino prodígio não seria expulso assim do nada, ainda mais sendo um tão esforçado e que vinha melhorando ainda mais. E o emprego, então? Ele era o melhor funcionário e sempre recebia cartas de votos de recomendação de seu chefe. Tudo parecia irreal.

- Como assim? Do nada? - JongIn puxou o namorado para mais perto, deixando a face ele escondida em seu peito.

- Alguém tirou fotos de nós dois e mandou para todos os meus professores, também para o meu chefe… eles não aceitam pessoas como… como nós… disseram que somos sujos e não merecemos esse tipo de coisa. - Ele tremia enquanto falava, soluçava e molhava o peito do companheiro, que por sua vez deixava algumas lágrimas caírem também.

- Olhe nos meus olhos. - Falou JongIn, mostrando que diria algo bem sério. - Não vamos deixar que gente nojenta assim acabe conosco. Não ligo para quem quer que seja que esteja nos expondo… - Respirou fundo antes de continuar. - Para o inferno com essa gente! Vamos dar o nosso melhor e mostrar que temos todos os direitos de qualquer ser humano, ok? Não vão acabar assim com a gente. Eu ainda tenho meu trabalho e posso trabalhar mais e mais! Minha porra pode secar na frente daquela câmera, mas nós vamos viver com dignidade. Pois é isso que merecemos. - Naquela hora nada mais importava para ele além de apreciar o doce sorriso que nasceu na face inchada de KyungSoo, que mesmo contrariado com o argumento do trabalho, parecia entender o que lhe era dito.


---


Mais tarde naquele mesmo dia, o casal se encontrava deitado na cama, olhando para o tempo e conversando sobre o que poderiam fazer para ganhar mais algum dinheiro. Receosos de que não houvesse solução além de verem JongIn deixar o pau em carne viva ou acabar com uma fissura anal de frente para a câmera.

O mais velho sabia que proposta tinha de fazer, mas não queria. Sabia que o outro era tímido demais para aceitar transar com ele com dezenas de pessoas lhes assistindo. Era completamente fora de cogitação.

- Mas não nego que estou curioso para saber quem foi que fez aquilo… - O mais alto falou enquanto se aconchegava ainda mais no peito do amado, suspirando pesado, olhando para o teto.

- Talvez algum daqueles babacas que ficavam te provocando na faculdade, acho que vi um deles com a namoradinha andando pelas redondezas um dia desses, talvez tenha nos visto e resolvido aprontar uma… essa gente só tem ódio no coração e inveja da nossa felicidade. Aposto que ele enfia beringela no cu e grita seu nome nas noites escuras dos sábados solitários, mas chega na faculdade e fica pagando de machão. - Comentou com olhar cheio de raiva, ainda que tirando boas risadas do mais novo.

- Você já fez isso? - Perguntou KyungSoo em ar de brincadeira, fazendo com o ator desse uma boa risada.

- Colocar uma beringela no cu? - Perguntou perplexo com o rumo que aquela conversa, antes séria, estava tomando.

- É, ué. Nunca te pediram isso? - Os olhos dele pareciam interessados, como se estivesse tentando tirar algo bom do estranho emprego do namorado.

- Já, mas eu não cheguei a enfiar tudo, fiquei só provocando. - Riu de lado lembrando-se de como tivera vontade de cair na gargalhada naquele dia, mas teve de se segurar. - Ah, mas uma vez me pediram pra passar leite condensado no pau… foi meio nojento, mas meio que me deu tesão. - Comentou pensativo, enquanto via o outro lhe encarar incrédulo.

- Essa gente é doente… e, aparentemente, você também é! - O Do deu um tapinha no peito dele, rindo ao imaginar a situação. - Bom, quem sabe um dia eu não faço isso em você… uhm? - Lançou ao mais velho um olhar sensual, parecendo se divertir com aquilo.

- Amor… a verdade é que eu sei como podemos ganhar um dinheiro extra… - Coçou a nuca completamente desconfortável, mas sabia que se não falasse agora, nunca mais poderia fazê-lo.

- O que quer dizer? Não está pensando em matar ou roubar nada, né? - Os olhos dele mais uma vez se esbugalharam enquanto ouvia a fala do namorado, pensando em mil e uma coisas ilícitas que poderiam ser feitas.

- No site que eu trabalho… eles oferecem vagas para casais dispostos a… bom, foder ao vivo. - Olhava para baixo, pensando em o quão errado aquilo soava ao ser dito assim. - Eles pagam mais do que o dobro do que eu recebo por acesso e em geral nem temos que ligar muito para o que nos dizem pra fazer. É só dar uma chupadinha e tals… nada demais. - Cada vez menos coragem de encarar o namorado se apresentava em sua face, estava já arrependido de ter começado o assunto e sentia-se como se fosse morrer com toda a vergonha.

- Vamos fazer. - A voz firme e nem um pouco constrangida de KyungSoo tirou JongIn do prumo. Era simplesmente inacreditável que ele estava aceitando assim, com tamanha facilidade.

- O… o que? - Olhou para ele incrédulo, atônito, chocado… mal conseguia falar, esperando por uma explicação de tal atitude.

- Melhor do que ser desonestos, não é? Vamos fazer isso. Não pode ser tão ruim. Além do que, melhor você fazendo sexo comigo, do que começar a transar com estranhos… - A surpresa no rosto do Kim deveria ser tamanha que seu namorado acabou por começar a rir desesperadamente.

- Ok… vamos nos cadastrar então. E já podemos marcar a primeira live. - Após alguns segundos de recuperação o moreno pegou seu computador, colocando-o na frente dos dois, fizeram todos os tramits para mudar sua ficha de solteiro para um registro de casal.

KyungSoo escolheu BabyEyes***** como seu nome de guerra e arrancou algumas boas gargalhadas do mais velho, que lhe abraçou com força e disse que o chamaria assim eternamente em sua vida privada.


---


- Ok, gente! Hoje eu estou aqui com o meu lindo BabyEyes… - JongIn disse com a voz divertida, já com a câmera ligada de frente para o casal, segurava na mão do namorado carinhosamente.

- Olá… - O castanho fez uma pequena reverência, ainda com o rosto muito vermelho, estava terrivelmente envergonhado com aquilo tudo, mas só de pensar no quanto ganharia acalmou-se.

- Ele é tímido, mas logo se solta. - O mais velho estava se divertindo com aquilo tudo. Muitos comentários diziam que eram o casal mais lindo que o site já tivera, outros pediam que começassem logo com a diversão.

- Olha, amor, estão pedindo para nos beijarmos. - JongIn sorriu com a fala, pensando que iniciando daquela forma seria simples. Começou a refletir que o melhor talvez fosse apenas abstrair aquilo tudo e agir normalmente.

Sentado sobre a cama o menino de grandes olhos logo virou-se para o namorado colocando as mãos ao redor de seu pescoço, sentindo o calor do moreno lhe envolver lentamente, deixou que ele tomasse a iniciativa de um beijo bem lento, porém sensual. As línguas por vezes brincavam fora da boca e mordidas eram compartilhadas pelo casal.

Alguns comentários subiam na tela do computador, pessoas elogiando o beijo, mesmo que esse ainda fosse tímido; outras faziam pedidos e quando a dupla finalmente se cansou daquilo separaram-se com um sorriso no rosto. JongIn estava de frente para a câmera, com o namorado sentado levemente de lado sobre seu colo, aproveitou para ver que um dos clientes pagara a taxa extra, pedindo que ele desse alguns tapas na bunda de KyungSoo.

- Bater? Nossa… Ele vai ficar todo vermelho. - Falou o bronzeado olhando com um sorriso safado para as palavras escritas na tela, recebendo algumas risadas escritas como resposta dos internautas. Moveu seus olhos para o Do que estava com a cabeça virada tentando entender o que lhe era pedido. Ainda meio envergonhado saiu do colo do mais velho e ficou de quatro no chão, trajando apenas sua boxer justa, fez com que a visão de todos ficasse mais do que agraciada.

- Eu sei que é exatamente isso o que querem ver, ok? Vou bater com força pra deixar marcas. - Disse JongIn ajoelhando-se na cama ao lado do namorado, de forma a ficar na posição ideal para dar boas palmadas naquela bunda que já conhecia tão bem.

- Amor… começa com cuidado, tá? - A voz manhosa de KyungSoo era falsa; e o Kim sabia bem disso. Mas achou ótimo ver que ele estava entrando naquela onda. Acabou por dar um sorriso malicioso e começar a descer a boxer avermelhada do outro, enquanto lia os comentários que pediam por mais velocidade.

- Vocês são muito apressadinhos, meninos. Fiquem calmos. - Dizia enquanto ia descendo bem devagar o tecido pelas coxas arredondadas do namorado. Aproveitou para alisar a pele branca e delicada, já pensando no estrago que faria ali.

Alisou a nádega esquerda dele e após esperar alguns segundo depositou um tapa forte na região, porém ainda com calma, ouvindo um gemido levemente dolorido escapar os lábios de KyungSoo. Sorrindo ao ver a marca de sua mão aparecer vermelha e bem delineada sobre a pele alva.

- Aqui está dizendo que o pedido é de dez tapas… O primeiro foi cortesia. Mas agora vou começar a contar, ok? Vamos contar juntos? - JongIn virou o rosto para ver como estava o namorado, recebendo um olhar que indicava confiança da parte do outro, apenas voltou-se novamente para a câmera e começou a contar. - 1, 2, 3, 4… - Cada número era um tapa, aos poucos ficando mais forte, vendo todos os internautas comentarem os números no mesmo ritmo que ele.

Apesar de completamente constrangido KyungSoo sentia um tipo estranho de euforia. Talvez o fato de achar aquilo tudo tão errado lhe fosse excitante, já que em geral sua vida fora sempre se escondendo por aí, mostrar-se tão puramente para um bando de desconhecidos na internet fazia a adrenalina de seu corpo correr em alta velocidade. Quando finalmente sentiu o último tapa, que fora realmente forte, acabou dando um gemido quase gritado, fazendo os espectadores comentarem vorazmente sobre sua sensualidade.

JongIn sorriu ao olhar para as nádegas muito vermelhas do outro, fazendo alguns carinhos enquanto exibia seus feitos para os clientes, terminando a sessão com um beijo delicado em casa uma das nádegas. Para ó então sentar-se sobre a cama e puxar o Do para ficar deitado, com a cabeça em seu colo, fazendo carinho nos cabelos tingidos dele enquanto o companheiro passava lentamente as mãos pelo próprio pau, sem se masturbar, mas mantendo sua ereção.

- Meninos, vocês estão agitados hoje… eram tão ansiosos assim para conhecer meu amor? - Disse JongIn com a voz divertida vendo comentários de elogios subirem pela tela rapidamente.

- Nossa, vocês falam bastante… mal consigo acompanhar. - KyungSoo comentou enquanto se virava um pouco de lado, passando a dar beijinhos carinhosos na coxa do amado.

- Olha! Estão pedindo pra você me fazer um boquete… uhm… que tal, amor? - O Kim viu o comentário subir quando um dos internautas percebeu os movimentos de KyungSoo, que provavelmente lhe deram a ideia.

- Bom, existem condições para que eu faça isso. - Mais uma vez a voz do menor ficou manhosa, enquanto aos poucos começava a se mover na cama, esperando para ver se receberiam algo por aquilo. Logo o sinal de pagamento apareceu na tela e um sorriso absurdamente largo banhou os lábios de JongIn. Não tinha nada que ele quisesse mais naquele momento do que um boquete vindo daquelas lábios que tanto amava.

KyungSoo apenas sentou-se sobre a cama e puxou o namorado, colocando-se entre suas pernas de forma que ambos ficassem de lado para a câmera dando uma boa visão para sua audiência. Ficando meio que de quatro sobre a cama, como forma de provocar um pouco mais o público, o Do segurou com firmeza o pau de JongIn, ouvindo um gemido ansioso sair pelos lábios dele enquanto via comentários positivos subirem desesperadamente pela tela do computador. Abaixou a face e de uma só vez colocou o caralho extremamente duro nos lábios, engolindo-o por inteiro e fazendo com que tanto o Kim quanto os homens que os assistiam delirarem. Enquanto movia a cabeça para cima e para baixo suas mãos apertavam o membro e rodavam levemente, mostrando a todos o quão experiente era com aquele tipo de coisa. Sem falar de seus olhos revirados que demonstravam o gosto que tinha por aquilo.

JongIn mal conseguia raciocinar enquanto sentia tamanho prazer, porém sabia que parte de seu trabalho com aquilo era fazer coisas que geracem fantasias na cabeça daquelas que os assistiam. Sendo assim, com apenas uma das mãos segurou com força nos cabelos tingidos do amante pressionando-o com força contra seu pau, ouvindo a tosse rouca do engasgamento do namorado, que assim que recuperou o ar levantou a cabeça desesperado por conseguir respirar, encarando-o com a boca aberta e língua para fora. Era uma cena tão erótica que fez o mais alto gemer de tesão.

Antes que pudessem pensar em alguma outra coisa um pedido apareceu na tela, já pago. Um dos internautas pedia ao bronzeado que beijasse os pés do namorado da forma mais erótica possível. Sendo assim JongIn sorriu divertido, pensando que aquilo poderia acabar ficando mais engraçado do que sensual. Mesmo assim apenas pediu que o outro deitasse na cama, puxando um de seus lá e levando aos lábios, começou a lamber com os olhos fechados, pensando em fazer as mesmas expressões que teria ao chupar o pau dele. Podia ouvir risinhos e gemidos por parte do mais baixo que se encontrava em um misto de prazer e cócegas.

- Uhm… Amor! Assim.. - KyungSoo pedia de forma completamente exagerada, deixando que um pouco do desconforto com a situação fosse embora a cada lambida dele. Estava achando a sensação melhor do que esperava, na verdade, não conseguindo controlar os olhos que rolavam de prazer.

- Gosta quando eu lambo seu pé, é? - A voz do mais velho acabou deixando o outro com vergonha, arrancando comentários maravilhados dos internautas que conseguiam notar a naturalidade da cena.

Aquela brincadeira não durou muito mais, pois um novo pedido foi feito. Alguém requisitara que KyungSoo algemasse JongIn e esse pedido fez a face do mais novo se iluminar instantaneamente. A verdade é que adorava aquele tipo de coisa, mas sabia que o Kim tinha suas restrições quanto a isso geralmente. Moveu-se sobre a cama enquanto o companheiro conversava com os espectadores.

- Vocês querem mesmo me ver algemado? Mas… Uhm, vocês são realmente muito safados. Mas sempre convencem a gente, né? - Enquanto falava o moreno observava o namorado abrir uma das gavetas da cômoda e tirar de lá um par cor-de-rosa de algemas, sorrindo com um ar sádico.

Desde que começara naquele trabalho a quantidade de brinquedos sexuais na casa subia mais a cada dia. Tinham uma imensa coleção de pênisses de borracha, vibradores, algemas, chicotes, fantasia… tudo o que o sexyshop perto da casa do casal poderia oferecer de melhor. Viam o ato de comprar tais coisas como um investimento na carreira.

- Fica quietinho ou eu vou acabar te amordaçando. - Brincou com a voz bem provocante. KyungSoo estava realmente tentando não se lembrar das pessoas assistindo a tudo aquilo, ele preferia pensar que os pedidos feitos eram todas coisas que ele o namorado fariam normalmente; ou que, pelo menos, JongIn tinha como desejos secretos.

D.O. finalmente prendeu o amado na cama, aproveitando da proximidade causada para beijar cada uma das mãos dele e só voltou a sentar-se na cama, onde ficara de joelhos para realizar a ação, quando finalmente terminou. Os olhos encontraram o computador onde viu que lhe pediam para realizar sexo oral no namorado super excitado.

- Olha, amor, querem que eu chupe seu pau. - Falou com a voz animada, ficando de lado na cama, de forma a conseguir fazer o boquete sem esconder a visão de seus expectadores. Ele já conhecia bem aquele sabor, era apaixonado por este.

Sugava, chupava, prendia levemente as bolas por entre os dentes, levantava a cabeça e aguçava os ouvidos para poder identificar cada grunhido e gemido solto pelos lábios de Kai, que parecia estar extasiado com o prazer, por mais que seus olhos escapassem para a tela do notebook vez ou outra.

- Sua putinha, chupa com mais vontade… vai! Assim… isso engole meu caralho! - Tão concentrado no que fazia KyungSoo ficou levemente surpreso com as palavras do namorado, já que aquele tipo de coisa não costumava ter espaço em suas transas e só então viu que era mais um pedido. Mas tinha outro já pago bem embaixo…

- Acha que pode me xingar, é? Vou ser obrigado a te castigar, amor. - Basicamente o Do estava seguindo as instruções de outro expectador para que batesse no companheiro com algo. Ele escolheu usar um chicotinho que estava logo perto deles sobre a cama. - Cinco chicotadas, é o suficiente, Sr. Jot-Ka? - O mais baixo perguntou olhando diretamente para a câmera, indicando que perguntava ao cliente em questão, ao receber uma afirmação pediu que contassem junto com ele enquanto lentamente estalava o objeto de couro rosa no peito do namorado que gemia de dor e trancava os lábios para não gritar.

Para compensar JongIn da dor o de grandes olhos abaixou-se e deu um beijo em sua bochecha, recebendo uma fala engraçada de sua parte:

- Vai ter volta… ok? - Foi dito como um ruído inaudível, mas acabou arrancando um sorrisinho do pequeno que apenas mexeu a cabeça negativamente e voltou a olhar para a tela do computador, lendo os comentários excitados dos internautas.

- Música? Vocês querem música? Qual? Uma sexy… ok! - O baixinho logo sorriu com o pedido, era gratuito, mas com certeza ajudaria a entrar ainda mais no clima. Sendo assim, logo ligou em seu Spotify e escolheu uma música do Jack White, chamada I Don’t Know What You Do With Myself, era a mais sexy que ele julgava conhecer.

Parado de com o corpode de frente para a câmera ele lentamente começava a retirar a última peça de roupa que lhe cobria, o namorado atrás de si quase surtando com a cena, todos podiam ver seu membro ficar cada vez mais duro. Os que lhes assistiam vibravam em seus comentários, elogiando cada mínima parte do corpo baixinho.

- Eu queria tanto apertar sua bunda agora… essas porras dessas algemas. - JongIn falou entredentes arrancando ainda mais ovações dos fãs, eles conseguiam ver todo o tesão do casal um pelo outro.

- Minha bunda não sei… mas vai engolir meu pau todo e vai ser agora. - A voz de KyungSoo ficou cheia de desejo ao ler o pedido pago, comemorando mentalmente por aquilo, logo indo até a cama novamente, ajoelhando-se ao lado do namorado e enfiando o caralho na boca do amante com toda a pressão que podia; pois fora assim instruído pelo cliente. Segurando os cabelos do amado que lacrimejava com o ato o Do penetrava a cavidade bucal alheia e gemia palavras sujas. Finalmente sentia seu corpo bem entregue, até mesmo deixando os olhos entreabertos por um tempo, apreciando o calor e a umidade ao redor de seu cacete.

- Isso… chupa com força! Enfia até o fundo nessa boca… - O menor gemia de forma tão erótica que o bronzeado não conseguia nem sentir-se mal com a profundidade demasiada, estava realmente morrendo de prazer com aquilo.

Apesar do casal estar realmente se divertindo com aquilo os espectadores acabaram interrompendo a “festinha” com um grande flood de um pedido em especial… aquilo chamou mais do que a atenção de KyungSoo, ele chegou a sentir uma fisgada forte no pau só de imaginar a cena. Não demorou a sair da posição em que estava, deixando um JongIn de face confusa e surpresa ainda preso a cama.

O mais baixo foi até o criado-mudo e tirou dali o maior consolo que tinham. Eram vinte e quatro centímetros de pura borracha vermelha no formato de um caralho cheio de veias e com a cabeça larga; seria a primeira vez que usaria aquilo por isso também pegou um pote grande de lubrificante.

- Eu poderia mentir e dizer que não vai doer, mas se fosse assim nem teria graça, né, amorzinho? - O moreno ficou levemente chocado com o comentário do amante, ele nunca o vira liberar aquele lado super dominante, porém estava adorando.

- Enfia essa merda de uma vez, eu quero ver estrelas! Arregaça meu cu, vai! - Aquelas não seriam as palavras comumente ditas por JongIn neste tipo de situação, contudo estava adorando brincar daquele jeito.

- Vou alargar seu cu todinho. - Brincou o baixinho enquanto abria a tampa do lubrificante e espalhava grande quantidade pelos dedos, isso não sem antes ajudar o outro a posicionar-se deitado na cama com as pernas abertas o suficiente para que pudesse finalmente penetrar dois dedos de uma vez no anus dele, bem devagar.

- Amor, você é bem mais aberto do que eu sabia… uhm… gostei. - KyungSoo mordeu o lábio ao final da frase enquanto finalmente começava a mover os dedos dentro do outro, os internautas simplesmente estourando em comemorações e elogios, aquilo os estava enlouquecendo.

- Enfia a porra desse consolo em mim logo, KyungSoo, meu cu ta pegando fogo! - Kai simplesmente não aguentava mais aquilo, principalmente por ver que diversos pedidos para a penetração ser feita subiam na tela junto de seus valores. Ele estava desesperado por dinheiro, porém mais ainda por prazer.

KyungSoo acabou dando uma risada para a o pedido tão exaltado do amante, finalmente cobrindo o objeto vermelho de lubrificante e posicionando-o bem de frente a entrada do outro. Voltou-se para a câmera e perguntou com a voz sensual e provocante:

- É pra colocar mesmo, gente? - Enquanto pronunciava a sentença já tinha a cabecinha do consolo penetrando o namorado, que gemia como um animalzinho recebendo carinho. - Sim? De uma vez só? Ok, então. - E com isso moveu a mão de uma só vez, enfiando o objeto no outro até mais de dois terços de sua extensão, JongIn soltou um grito alto, aquilo doera bem mais que o esperado, chegou a soltar algumas lágrimas.

KyungSoo não sabia se era a coisa certa a fazer, mas acabou deixando seu lado amoroso falar mais do que o dinheiro e perguntou cheio de preocupação:

- Amor, doeu muito? ‘Tá tudo bem? - Ficou encarando o amado enquanto falava, recebendo apenas um suspiro profundo, quase um bufar, e um sorriso simplesmente como resposta.

- Pode enfiar mais, eu gosto é quando dói… - KyungSoo sabia que ele estava se segurando um pouco com aquilo, mas apenas obedeceu, também por terem sido feitos mais pedidos. Começou a mover o objeto dentro de JongIn que começou a gemer fino, querendo mais e mais. Aquilo estava deixando ambos muito excitados, principalmente o pequeno que sentia o membro abandonado pedir atenção.

- Então é pra ele lamber meu cu? - Perguntou ao ver os desejos de seus fãs aparecerem na tela, deu um risinho. O Do manteve o consolo dentro de seu namorado e acabou ficando de quatro na cama, para que mesmo preso o Kim conseguisse colocar a língua em seu anus. O menor apoiou-se em um dos braços e usou a mão do outro braço para abrir uma das nádegas ajudando o namorado, ficando a gemer gostosamente com o carinho na área tão sensível, ainda mais quando ele descia um pouco a face e lhe lambia o saco.

Ficaram naquilo até que o menor finalmente conseguiu identificar um pedido sendo feito na tela, dessa vez era hora de penetrar algo em si mesmo, claramente a preparação para o que deveria vir a ser o ponto alto daquilo tudo. Pegou um cordão de bolinhas tailandesas e sorriu ao rodar o objeto por entre os dedos, provocando a audiência que o parabenizava e o namorado que parecia desesperado para ver a cena. Melecou aquilo no máximo possível de lubrificante e passou o líquido viscoso também em sua entrada, deitado na cama em posição de frango assado.

Começou pela primeira bolinha pequena, a segunda um pouco maior; e foi assim até a quinta e bem larga que o fez soltar um gemido ansioso, imaginando-se com o caralho de JongIn dentro de si, estava doido por aquilo. Passou a puxar o objeto para dentro e para fora em um movimento insinuante, enquanto falava palavras sensuais. Até mesmo o bronzeado lhe dizia palavras de desejo e congratulação, ao mesmo tempo que rebolava no consolo que estava dentro de si.

Finalmente chegou o pedido pelo qual ambos estavam esperando. Alguém acabara de pagar para KyungSoo dar para seu namorado. Ele não demorou nem um minuto para retirar as esperas de dentro de si e pegar uma camisinha na cômoda, abrindo-a de frente para a câmera e depois sorrindo safado para o amado.

- Senta logo no meu caralho. Anda, vadia! - Gritou JongIn, como era pedido pelos fãs, o que arrancou um sorriso cheio de desejo do menor que não hesitou nem um pouco em passar apenas um pouco de lubrificante no pau alheio e finalmente sentar-se com tudo nele, de forma a ficar de costas para Kai e de frente para a câmera.

D.O. começou com pequenas quicadas, já suficiente para quase enlouqueceram seu parceiro, mas foi quando passou a subir e descer muito rápido que todos foram a loucura ao ponto de alguém pagar para que o mais alto fosse solto e pudessem mudar de posição. Com isso, muito a contra gosto, KyungSoo saiu dali, aproveitando para mostrar as contrações de seu anus para a câmera, e finalmente libertou o amado. O Kim deu um gemido alto de prazer ao ter os braços soltos, sentindo alguns músculos doloridos.

- Vai ser agora que vou me vingar… - Com um só empurrou o bronzeado jogou o menor na cama de quatro, sem retirar o pinto de borracha do próprio, meteu no namorado com toda a empolgação que tinha, depositando tapas extremamente fortes nas nádegas muito brancas dele.

- Ah! Amor… vai mais… - KyungSoo simplesmente nem estava mais olhando para a tela, estava completamente extasiado de prazer e nada conseguiria distraí-lo dali em diante; seu companheiro estava na mesma situação. Por sorte nenhum outro pedido foi feito, já que até mesmo os fãs estavam ocupados demais vendo aquela foda tão sincera e sensual acontecer.

Em dado momento o mais alto chegou a puxar o outro pelos cabelos, fazendo-o ficar ajoelhado na cama, lambendo seu pescoço e deixando mordidas por toda a área, sem parar de estocá-lo nem um único segundo. O menor sentia sua próstata ser estimulada de diversas formas, era quase impossível se manter com as pernas firmes.

- JongIn… eu...vou… - Não houve nem tempo para dizer qualquer coisa, o Do apenas sentiu o jato forte escapar de seu pau e seu coração acelerar ao máximo, enquanto seu anus se contraia ao redor do namorado, foi um dos melhores orgasmos que se lembrava de ter tido. Tão intenso que acabou caindo praticamente deitado na cama com o outro ainda lhe penetrando com toda a força que tinha, pronto para logo ter o próprio clímax.

Sem fazer muito esforço, por conta da fraqueza alheia, JongIn o virou na cama e deixou com as pernas bem abertas, apoiadas em seus ombros, passando a mover-se com o máximo possível de velocidade. Ele só parou quando retirou o pau de dentro do namorado, arrancando a camisinha com grande velocidade e deixando que seu sêmen cobrisse o peito de KyungSoo, que ainda parecia completamente perdido em prazer, que foi também como Kai ficou ao cair a seu lado na cama, respirando pesadamente.

- Caralho… - Foi tudo que o mais alto falou enquanto retirava o consolo de dentro de si e respirava fundo, finalmente recuperando a força para olhar o notebook, agora cheio de comentários positivos e avisos de dinheiro bônus. Concluiu que era hora de se despedir, fazendo com que KyungSoo se sentasse com ele sobre a cama e desse um tchauzinho cansado para todos que os assistiam.

- Isso foi louco. - Comentou o mais baixo ao finalmente deitar-se de forma mais confortável sobre a cama, limpando a sujeira em seu corpo.

- Você adorou, né, seu safado filho da puta! - Comentou Kai enquanto começava a conferir quanto tinham ganho com aquela noite de putaria.

- Quanto valeu essa porcaria toda? Não gastei esse monte de lubrificante à toa… - Respondeu o namorado sentando-se ao lado do outro, ainda meio cansado.

- Muito… Muito dinheiro. Olha! São exatamente: ₩ 497.000,00*******!

- Ok. Vamos fazer isso de novo! - A resposta veio com um beijo carinhoso e animado na bochecha alheia.


FIM


Glossário:


Hot Dudes Live* - Garotos Gostosos Ao Vivo
₩ 35.000,00** - R$ 105,17
₩ 18.000,00*** - R$ 54,09
₩ 50.000,00**** - R$ 150,25
KAIOS***** - Um jogo de palavras que soa como "caos" (chaos) em inglês. Derivando de seu apelido "Kai".
BabyEyes****** - Olhos de bebê
₩ 497.000,00******* - R$ 1.493,48

7 de Julio de 2018 a las 02:12 2 Reporte Insertar 7
Fin

Conoce al autor

P. Miranda Uma autora dessas que ou escreve putaria insana, ou drama pra te fazer debulhar de chorar. De vez em quando junta os dois, só pra variar.

Comenta algo

Publica!
ya go ya go
MEU DEUS EU ACHAVA QUE PERFEIÇÃO NÃO EXISTIA ATÉ LER ISSO, MEU DEUS EU TIVE UM PUTA DE UM ORGASMO QUE MEU DEUS TO EM CHOQUE ATÉ AGORA enfim, ta muito bom! Por favor escreva mais kaisoo e continue com o bom trabalho, fighting~~!
20 de Agosto de 2018 a las 00:42

  • P. Miranda P. Miranda
    AAAA NOSSA, EU MESMA ÁS VEZES ESQUEÇO COMO ESSA FIC FICOU SENSUAL E SEXUAL, EU EXERCITEI DEMAIS MINHA MENTE NA HORA DE ESCREVER AAA Eu tenho mais alguns planos de escrever até uma talvez continuação pra essa fic. 24 de Agosto de 2018 a las 07:20
~