Cuento corto
11
4.9mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único

Poderia ser dito como favoritismo por ser de Busan, mas Jungkook amava praias. Amava o sentimento de ter a brisa do mar batendo contra seu rosto e observar as ondas quebrando no meio das águas, para Jungkook, nada se comparava a ficar ali, em silêncio, apenas observando o movimento da maré. E por causa de seu amor pela praia e o oceano, a maioria de suas fotos eram dele. O pôr do sol, o nascer do sol e a luz da lua contra as águas claras daquela praia de Busan.


E foi naquela mesma praia próxima de sua casa, que Jungkook conheceu Taehyung.


Por não ser época de festas ou de férias, a praia estava praticamente vazia. Os locais quase nunca iam a praia, diziam já ser acostumados demais a ver a água do mar para se incomodarem ir de encontro com a mesma em dias casuais.


Jungkook estava tirando fotos de pássaros voando na areia clara, seu professor de fotografia vivia brigando com o garoto por suas fotografias serem sempre dá praia, Jungkook precisava variar, dizia o professor, mas a praia era uma de suas paixões.


Foi a mãe de Jungkook que havia despertado essa paixão pela praia em Jeon, quando o mesmo era uma criança, a mamãe Jeon trazia seu garotinho até a praia e dizia que toda vez que o céu azul estava brilhando e com poucas nuvens brancas à mostra, era porque os anjos estavam tomando conta das crianças. Mesmo depois da mãe de Jungkook ter falecido, ele continuou com essa memória viva.


Para as crianças cujo os pais não deixava sonhar e adolescentes, quando o pequeno Jeon se tornou um adolescente, aquela parecia uma história boba, eles diziam que anjos eram apenas uma mitologia boba, dita para crianças com medo do escuro sentirem-se protegidas ao dormir. Era verdade, entretanto, Jungkook não gostava do escuro ou do que se escondia nele, preferia mil vezes o brilho do luar, do sol, das estrelas e até mesmo do flash de sua câmera. O único que entendia isso era Yoongi, seu melhor amigo e hyung, com seu jeito maluco e preocupado de ser.


O céu estava totalmente azul quando Jungkook conheceu Taehyung.


Nas fotos de Jungkook estavam algumas gaivotas prestes a voar, cachorros de rua correndo perto da água do mar, algumas crianças brincando e… um garoto de aparência angelical, os olhos calmos e um sorriso leve entre os lábios e uma pintinha na ponta do nariz, roupas totalmente brancas e cabelos castanho claro caído sobre a sua testa por causa do pouco vento no local, ele parecia ter não mais que dezoito anos.


Com um biquinho decepcionado no rosto, Jungkook soltou sua câmera, deixando-a pendurada em seu pescoço. Já havia passado das dez da manhã e o sol estava ficando muito forte, Jungkook decidiu que já estava bom por aquele dia e quando virou-se para pegar sua mochila no chão, tomou um susto tão grande que quase caiu no meio da areia.


O garoto de sua foto ali, parado segurando sua mochila com a mão esticada e um sorriso enorme nos lábios. Ele era mais bonito pessoalmente.


Jungkook franziu a testa, confuso. Olhou para todos os lados e não havia ninguém daquele jeito por perto, nem ao menos alguém parecido. O Jeon pegou sua câmera e olhou novamente para a foto, aquele garoto era lindo, como havia parecido ali? 


— Oh! Me desculpe se eu te assustei! — Ele disse na mesma hora, vendo Jungkook com os olhos arregalados pelo susto. — É que vi você tirando fotos e eu sou fascinado por fotografias!


Jungkook piscou lentamente, analisando o garoto a sua frente, se Jungkook pudesse ler auras teria certeza que a daquele garoto na sua frente seria algo entre cristal e prateado.


— Você… — Jungkook gaguejou um pouco — quer vê-las?


Ele assentiu animado e deixou a mochila de Jungkook cair no chão novamente, deixando perceptível de que era um pouco desastrado. Jungkook ligou sua câmera novamente e mostrou todas as suas fotos para o garoto ao seu lado, Jungkook geralmente não deixava as pessoas olharem as suas fotos sem ele antes editá-las minimamente e também não sabia porque havia feito aquilo.


— Elas são lindas… Você tem talento. — Ele falou fitando os olhos de Jungkook, que sorriu agradecendo.


— Você quer a sua foto? Eu posso revelar ela e entregar para você. — Jungkook sugeriu, deixando sua câmera pendurada no pescoço novamente.


— Talvez um dia.


E ele sorriu, Jungkook se sentiu hipnotizado pela beleza daquele garoto e sorriu junto. O sol naquele momento ficou mais forte, fazendo Jungkook ter que fechar os olhos para que não doessem, no momento que Jungkook abriu os olhos novamente, o garoto não estava mais lá.


O Jeon olhou para todos os lados e ficou confuso, como alguém conseguia sumir daquele jeito? Era impossível. Jungkook estava ficando louco, era isso, aquele garoto que apareceu do nada e sumiu do nada, não era real, não tinha como ser.


Mas, quando Jungkook chegou em casa e começou a editar as fotos, a do garoto, que ele não havia perguntado o nome, estava lá e, com um susto de surpresa, Jungkook fechou o notebook e foi fazer o almoço com sua irmã mais velha na cozinha, era melhor do que ficar vendo coisas.


Na semana seguinte, Jungkook ainda estava com o rosto daquele garoto preso em sua mente, ele até mesmo pesquisou na Internet sobre pessoas que apareciam e desapareciam em questão de minutos, para saber se existiam seres humanos com poderes, mas a única coisa que ele conseguiu encontrar era artigos sobre pessoas desaparecidas nos últimos anos. E Yoongi também não tinha sido de muita ajuda, ele apenas havia dito que Jungkook estava imaginando coisas.


No domingo, sua irmã estava ocupada trabalhando no hospital, ela era uma enfermeira em um hospital para crianças, e ele ficou sozinho em casa, então Jungkook decidiu ir à praia, já que ele gostava e não tinha nada para fazer, além de assistir programas idiotas dominicais. Ele pegou sua câmera e o cachorro que Yoona, sua irmã, havia adotado, e foi até a praia.


Havia algumas pessoas lá, já que o dia estava ensolarado e a água estava quente, havia nuvens brancas no céu e Jungkook sorriu para eles, imaginando que eles eram pequenos anjos os observando.


— Você tem um lindo sorriso, sabia? — Jungkook ouviu alguém dizer isso atrás dele, ele conhecia aquela voz. — Deveria sorrir mais.


Era ele, o cara do outro dia que apareceu na foto de Jungkook e com quem ele sonhou nos últimos sete dias. Jungkook sorriu olhando para ele, que estava vestindo as mesmas roupas brancas da última vez, Jungkook nem ao menos sabia por que tinha aquele estranho sentimento bom sobre ele.


— Oh, olá. — Jungkook disse e o menino se aproximou dele.


— Exatamente assim, desse jeito. — O cara piscou para ele e depois olhou para o mar. — É lindo, não é? O oceano. O sentimento de que você não sabe para onde termina e onde começa, a maioria dos humanos tem medo disso, a sensação de não saber, de simplesmente acreditar, fazer teorias sobre o céu, o mar, a lua, as estrelas, mas não você.


— Como você sabe dessas coisas? — Jungkook perguntou olhando garoto. — Não sabe nem o meu nome.


— Sou muito bom em ler pessoas e você é uma pessoa muito interessante de se observar. — Ele olhou novamente para Jungkook. — E o seu nome é Jungkook, Jeon Jungkook.

Jungkook se afastou, ficando um pouco longe daquele garoto.


— Estava escrito na sua bolsa, — ele mordeu o lábio inferior — a que eu segurei da última vez. “Se encontrada, retornar para Jeon Jungkook.” Eu sou Taehyung, por sinal, Kim Taehyung.


— Você é um pouco estranho, Taehyung. — Jungkook olhou com curiosidade para ele.


— E ainda assim você continua falando comigo. — Taehyung sorriu, desviando seus olhos do mar para Jungkook.


Jungkook sacudiu a cabeça, rindo, Taehyung estava certo. Eles caminharam na areia, falando sobre os mares e os mitos sobre o sol e a lua. E Taehyung disse que o sua história favorita era sobre a vida e a morte, que as duas se apaixonaram a muitos anos atrás e desde então a vida manda presentes para a morte, e ela os guarda para sempre; era uma história bonita, apesar de triste.


E todos os dias depois desse domingo, Taehyung e Jungkook se encontravam na praia depois das aulas de Jungkook. Taehyung falava sobre como ele gostava de ver as fotos que Jungkook tirava e um dia, Jungkook disse que seu dia ficava melhor e mais brilhante toda vez que ele via Taehyung sorrindo.


Mas a única coisa que Jungkook não disse, foi o vazio que ele tinha dentro de si toda vez que Taehyung desaparecia sem dizer nada.


Quando o turno de Yoona do hospital terminou e ela chegou em casa uma sexta-feira, ela achou seu irmão mais novo olhando e sorrindo para um álbum de fotos que ele havia feito. Estava cheio de fotos do garoto que ele não parava de falar sobre. Yoona sentiu-se feliz, estava contente de que Jungkook encontrou alguém que pudesse fazê-lo sorrir mesmo tão próximo de aniversário da morte de sua mãe, geralmente Jungkook se fechava quando esse dia estava perto.


Yoona calmamente fechou a porta e deixou um Jungkook sonhador olhando amorosamente as imagens em suas mãos. Jude, o cachorrinho, latiu para Yoona quando viu que ela estava fazendo isso, mas ela apenas acenou com a cabeça e foi até a cozinha, deixando Jungkook sozinho.


Sempre tinha sido os dois juntos, quando a mãe deles morreu, Jungkook tinha apenas treze anos e Yoona vinte, o pai dos dois havia abandonado a família quando Jungkook nasceu e Yoona ficou responsável de tomar conta do irmão mais novo, e tudo que ela queria era que ele fosse feliz, as únicas pessoas que ele tinha era o melhor amigo e ela, era bom que Jungkook encontrasse alguém para amar.


Os dois jantaram juntos e Yoona falou sobre as crianças que ela cuidou e perguntou sobre Taehyung, ela tinha certeza que o mais novo havia visto o Kim novamente naquele dia.


— Você está apaixonado por ele? — Yoona perguntou tomando um pouco do sorvete da sobremesa.


— Talvez. — Jungkook respondeu com um sorriso bobo entre seus lábios e sua irmã apenas assentiu, sabendo que seu irmão era um idiota.


— Quando você vai vê-lo novamente?


— Amanhã de manhã.


Os dias de primavera estavam quase no seu fim e as árvores estavam cheias de flores e frutas, era uma bela visão nos olhos de Jungkook, quase tão bonita quanto Taehyung. Era verdade o que sua irmã lhe perguntou no dia anterior, ele estava se apaixonando por Taehyung, era um novo sentimento para ele; ele não sabia exatamente o que era o sentimento de amor, se apaixonar, mas ele sente uma sensação tão calorosa no peito toda vez que vê Taehyung e não pode evitar, mas pensar que sua voz é o som mais bonito que Jungkook já tinha ouvido, era como se anjos estivessem cantando em seus ouvidos, e quando ele se pegou fazendo um álbum de fotos especialmente para dar a Taehyung como presente, ele sabia que estava apaixonado por Taehyung.


Jungkook não pôde deixar de sorrir ao pensar nisso enquanto estava sentado na areia seca esperando que Taehyung chegasse. Algumas vezes, Taehyung já estava lá quando ele chegava à praia, em alguns outros, Jungkook espera pacientemente por Taehyung.


— Olá, garoto bonito. — Jungkook ouviu a voz profunda de Taehyung atrás dele e depois o Kim sentou-se ao lado dele.


— Você demorou, — Jungkook fez um biquinho adorável — estou aqui já faz tempo.


— Me desculpe, Jungkookie, eu tive algumas coisas para resolver. — Taehyung deu seu melhor sorriso, em procura de ser perdoado.


— Eu fiz uma coisa ‘pra você. — Jungkook murmurou, tirou o álbum de fotos de dentro de sua mochila e entregou a Taehyung. — Espero que você goste.


How I see you… Como eu te vejo. — Taehyung leu e traduziu em seguida, levantando seus olhos apenas para dar um pequeno sorriso para Jungkook, que estava um pouco surpreso pelo Kim saber inglês.


E ele abriu o álbum, observando todas as fotos que Jungkook havia revelado, organizado e colocado ali, em algumas Taehyung estava distraído e não percebeu quando foram tiradas, outras ele estava olhando para a câmera e sorrindo, em algumas outras tinham desenhos de pequenos anjos e de coisas que Taehyung gostava, como a lenda da vida e a morte ilustrada, e em todas elas havia a data de quando tinham sido tiradas. Jungkook percebeu que já fazia mais de cinco meses que ele e Taehyung se encontrava enquanto o fazia.


— É lindo, Jungkook… Você tem uma visão muito bonita de mim. — Taehyung sussurrou ainda observando as fotos.


— Eu te vejo como um anjo, e tem uma razão pra isso… Levei um tempo para perceber, mas — Taehyung fitou os olhos escuros de Jungkook — eu estou apaixonado por você, Taehyung, como sempre fui apaixonado por anjos.


— Você é tão doce, Jungkook — Taehyung murmurou fechando o álbum de fotos e sentou sobre os próprios joelhos — I may even fall for you.


No primeiro momento, Jungkook pensou que Taehyung havia dito que também estava apaixonado por ele, mas no dia seguinte ele não tinha mais tanta certeza daquilo. Mas, naquele momento, tudo que Jungkook pode fazer foi fechar seus olhos e sorrir, recebendo um beijo suave de Taehyung em seus lábios secos.


E quando Jungkook abriu os olhos novamente, Taehyung já não estava mais lá, nem o álbum de fotos, apenas um bilhete.



Me encontre aqui, nesse mesmo lugar, ao lado do farol, quando o sol se pôr hoje à noite.

Me desculpe por te deixar desse jeito,

mas foi preciso.

Kim Taehyung



Jungkook ficou um pouco confuso, já estava acostumado com os sumiços de Taehyung, só que não esperava ser abandonado no meio da praia logo depois de se declarar. Ele guardou o papel em sua mochila e levantou, bateu em sua calça para tirar a areia e voltou para casa se sentindo um pouco decepcionado, pelo menos sua irmã não estava em casa e não faria perguntas sobre o que havia acontecido, já que ela sabia que Jungkook iria se declarar naquele dia.


Só restava esperar até o pôr do sol e ver o que Taehyung queria consigo. E quando Jungkook chegou em casa, deitou na grama do quintal e fitou as nuvens no azul do céu, imaginando que cada uma delas era um anjo diferente.


Pela noite, Jungkook caminhou lentamente até a praia, quase não havia pessoas na rua, o que era estranho já que era um sábado e geralmente as pessoas saem pela noite nos sábados, principalmente adolescentes e jovens adultos.


O vento frio não era muito comum, o que fez Jungkook arrepender-se de não ter pego uma blusa de mangas quando saiu de casa. Chegou até o lugar que Taehyung tinha indicado, mas não havia ninguém ali, apenas o farol iluminando a praia e o grande penhasco atrás do farol.


Jungkook suspirou, abraçando os próprios braços e fitando a maré que parecia querer subir, se ele ficasse ali por muito tempo, com certeza se molharia.


Taehyung apareceu em um piscar de olhos ao lado de Jungkook e pegou em seus ombros. Suas mãos tocaram as bochechas de Jungkook e depois de um sorriso, beijou os lábios cheiinhos do mais novo.


— Espere por mim aqui… — Taehyung sussurrou enquanto Jungkook ainda estava de olhos fechados — olhe lá pra cima.


E o de cabelos castanhos apontou para o penhasco logo após Jungkook abrir os olhos novamente, suas mãos deixaram as bochechas do Jeon e ele sumiu novamente, deixando Jungkook com os olhos arregalados. O que diabos Taehyung ia fazer em cima daquele penhasco? No momento seguinte, ele apareceu na ponta do penhasco.


— Taehyung! O que você está fazendo aí? — Jungkook gritou caminhando em direção ao penhasco. — Você vai cair!


— Mas eu já cai, Jungkook. — Ele respondeu baixinho, mas do mesmo jeito sua voz chegou aos ouvidos de Jungkook.


O mais novo ficou confuso, Taehyung não estava falando coisa com coisa e aquele penhasco era enorme, tinha pelo menos quinze metros de altura e dava bem na água, se Taehyung não morresse na queda, afogado seria a casa. Jungkook observou os pés de Taehyung saírem de cima do penhasco e ele se jogar.


— Não! — Jungkook gritou com toda a força que tinha.


Mas Taehyung não caiu, ele flutuou, ou melhor. Voou. Atrás de suas costas estavam grandes asas brancas, que o mantinha no ar. Jungkook entrou em choque até o momento que Taehyung bateu as asas rapidamente e parou em sua frente.


— C-como… — Jungkook andou para trás lentamente — você?


— Eu sou um anjo, Jungkook. — Taehyung sussurrou, suas asas foram comprimidas e sumiram em seguida. — Como é que os humanos falam? Um anjo da guarda, isso. Eu sou um anjo da guarda daquele seu amigo, Yoongi. Bem, eu era até ontem, ele era um cara bem divertido, sabia? Mas não precisa mais de mim.


— Eu… Eu não estou entendendo. — Jungkook falou piscando lentamente, sem. desviar seus olhos de Taehyung. — Você é um anjo?


— Exatamente, quer ver minhas asas de novo? — Taehyung perguntou com um sorriso nos lábios.


— Não! Quer dizer… Talvez, mas… Uau. Eu estou apaixonado por um anjo! Faz até sentido, você é lindo demais para ser humano. Porra… Ah! Foi mal, palavrão… Anjo. — Jungkook falou se enrolando todo nas palavras, isso acontecia sempre que estava nervoso.


— Na verdade, nós não nos importamos com palavrões. — Taehyung falou caminhando até o lado de Jungkook e entrelaçando os braços ao redor da cintura de Jungkook, deixando seus olhos fixos nos do moreno — São as ações que realmente importam. E você ficaria impressionado com a quantidade de anjos e arcanjos que são bem boca suja.


— Como você está aqui? — Jungkook sussurrou, tendo o rosto de Taehyung muito próximo ao seu. — Céu… paraíso?


— Você realmente quer saber sobre isso ou quer me beijar? — Taehyung perguntou levantando uma sobrancelha — Pensava que seres humanos quando tinham um amor recíproco era isso que eles faziam.


— Beijar você, definitivamente beijar. — Jungkook perguntou roçando seu nariz ao de Taehyung — Mas eu não estou cometendo nenhum tipo de pecado mortal beijando um anjo, certo?


— Não quando eu também quero te beijar, Jungkook, — Taehyung passou o polegar pela bochecha de Jungkook — agora cale a boca.


Jungkook abriu a boca para responder alguma coisa, mas Taehyung não deixou que ele o fizesse e beijou-o nos lábios, sabendo que mais tarde teria falar que agora ele era um anjo caído, havia se apaixonado por um humano e caído no dia anterior.


Seu humano protegido não precisava mais de si e ele deveria ter voltado ao céu para ser indicado a outro humano, mas não foi e seus superiores descobriram o motivo, fazendo com que ele caísse.


Foi doloroso cair, mas Taehyung tinha certeza que valia a pena.

30 de Junio de 2018 a las 00:02 0 Reporte Insertar 6
Fin

Conoce al autor

jai oliveira maybe we feel so empty because we leave pieces of ourselves in everything we used to love

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~