Kappa Zeta Seguir historia

kazuno Lari

O dia dos namorados estava próximo, e Baekhyun sendo o líder da fraternidade Zeta Beta não pouparia esforços para que sua festa angariasse o maior número de convidados. Entretanto querer não é poder, já que Chanyeol usaria o verão a seu favor em mais um evento aguardadíssimo da popular Kappa Tau: a festa dos solteiros.


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#república #mençãokaisoo #pool-party #Mençãohunhan #love-hate #zeta-beta #kappa-tau #fraternidade #dia-dos-namorados #irmandade #universidade #baekyeol #chanbaek #rivalidade
43
5040 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Zeta Kappa

O dia dos namorados estava cada vez mais perto, e aquela última semana até a data estava sendo enlouquecedora. Na Universidade Acadêmica de Seoul — UAS para os mais íntimos — essa data era uma das mais importantes para as repúblicas que quisessem mais visibilidade dos calouros que ingressavam na mesma; e com Chanyeol e Baekhyun sendo os líderes das mais populares, a rivalidade crescia ainda mais a cada berro dado aos transeuntes que passavam pelo vasto jardim da UAS.


— FESTA DOS AMANTES, PORQUE NADA MELHOR QUE DECLARAR O SEU AMOR COM UMA RODADA DE TEQUILA NA FAIXA! — o acastanhado berrava a plenos pulmões, chamando a atenção para si, distribuindo vários convites e panfletos aos garotos e garotas que se viam interessados na enorme lista que aquele open bar teria.


O Byun não poderia estar mais feliz e agradecido da generosidade de seu pai — e diretor da faculdade — ter permitido que pelo menos naquele dia as bebidas estavam liberadas. Claro que após muitas promessas de notas impecáveis e chantagem emocional, mas nada que o único herdeiro da família não conseguisse com seus olhinhos brilhantes e sua voz melodiosa.


Em contrapartida, seu rival e vizinho — pois não bastava Chanyeol ser insuportável, tinha de comandar a república ao lado da sua — conseguia angariar tantos alunos quanto si, o que deixava emputecido no real e total sentido de tal palavra.


— FESTA DOS LIVRES, PORQUE TODO MUNDO SABE QUE O DIA É DOS AMANTES, MAS A NOITE É DOS SOLTEIROS! — o garoto alto de cabelos vermelhos e sorriso fácil chamava a atenção das garotas, que correram de onde o Byun estava para tirar “dúvidas” com o Park. — NA KAPPA GARANTIMOS QUE ENQUANTO A NOITE NÃO ACABAR, A BEBIDA VAI ROLAR! — não dispensou o sorrisinho para o garoto que tinha o rosto vermelho ao seu lado, apenas ajeitando o casaco vermelho e laranja que usava representando as cores de sua casa.


— POIS NA FESTA DOS AMANTES, A MÚSICA NÃO PARA ATÉ A ÚLTIMA PESSOA IR EMBORA! — deu de ombros de maneira fofa combinando com o tom rosa e marrom de seu próprio moletom da fraternidade Zeta. O Park fechou a cara ao ver que estavam empatados novamente.



*~♡~*



O mais alto sorriu satisfeito ao ver sua lista de convidados completamente preenchida, espreguiçando-se ao levantar-se da cadeira há pouco utilizada e arrumando sua própria bagunça para enfim voltar para sua tão adorada Kappa Tau. Orgulhava-se como só ele por ser um dos bolsistas com maiores notas de todo o campus, sendo ótimo nos esportes e também em socializar com alunos e professores. Não havia um único ser naquele lugar que não soubesse e simpatizasse com Chanyeol; exceto pelo garoto baixinho e metido que arrumava os próprios papéis ali, ao seu lado.


Byun Baekhyun se gabava por ser filho do diretor e ter uma mesada gorda o suficiente para mandar fazer diversos modelitos de moletons e casacos enaltecendo sua república — Zeta Beta — sob medida para todos os agregados. Apesar de um pouco difícil de lidar e exigente, o baixinho era muito atencioso com todos que chegavam até si e se via disposto a ajudar quando lhe era solicitado; não era à toa que seu pai lhe dava tudo o que era pedido, afinal seu pequeno fazia por merecer. A única coisa que Baekhyun se recusava era se dar bem com o bolsista idiota da fraternidade ao lado. O modo como o mais alto conquistava todos ao seu redor irritava o acastanhado, e se ele pudesse, arrancaria aquele sorrisinho cínico no tapa — não que ele já não tenha tentando o feito, coisa que lhe custou um mês de cartão de crédito bloqueado.


O Byun olhou de relance, percebendo o abdômen definido do outro que ficou rapidamente à mostra por conta da regata branca que subiu conforme o erguer de seus braços. Revirou os olhos.


Tão exibido só porque se dá bem nos esportes. — murmurou baixinho, mas isso não impediu que que o maior dos dois ali escutasse.


— Talvez se o princesinho não tivesse tanto medo de quebrar uma unha, poderia ganhar alguns músculos nesse poço de banha. Fazer exercícios emagrece, sabia? — ah se havia algo que o Park adorava, essa coisa era irritar Baekhyun justamente com seu ponto fraco: seu corpo.


— Que merda você disse?! — o menor se levantou indignado. Suas narinas até se mexiam, tamanho seu descontentamento. Chanyeol não tinha noção do perigo.


— A verdade. Mas como eu sei que isso não muda em nada na sua vida, como você mesmo diz — levantou a regata, deixando todo seu peitoral definido exposto, ganhando um arregalar do acastanhado à sua frente ao que passou a mão pelos gominhos durinhos —, pode olhar à vontade. — sorriu debochado. — Eu deixo. — o Byun sentiu seu rosto se avermelhar tamanha raiva sentida, não demorando a amassar um dos papéis inúteis que ajeitava, jogando no garoto de cabelos vermelhos que apenas ria de ter conseguido seu objetivo mais uma vez.


— Eu te odeio, seu ridículo! — gritou batendo o pé nervoso, logo se virando para suas demais coisas agarrando-as com pressa. — MORRA, PARK CHANYEOL! — bradou ao que caminhava para dentro de sua república.


O Park gargalhou satisfeito, fazendo o mesmo e seguindo para sua própria fraternidade, rindo um pouco mais ao estrondo da casa rosa e marrom ao lado da sua por ter sua porta brutalmente fechada pelo Byun-estressadinho-Baekhyun.


Essa festa daria muito o que falar.


Mesmo já em seus quartos, o Park e o Byun não deixavam de se alfinetar, já que por ironia do destino, seus lugares de descanso eram de frente um para o outro. Assim, quando a janela era aberta, até conversar um com o outro eles poderiam — obviamente isso jamais aconteceu, apenas xingamentos e gritos quando as janelas estavam abertas. Entretanto, mesmo quando não estavam direcionando palavras de ódio e sinais feios um para o outro, haviam outras formas de fermentar a ira no pobre coraçãozinho de Baekhyun, e a pior delas se resumia às músicas que o Park fazia questão de ouvir no último volume. O gosto musical variando entre o rock pesado e os raps cheios de palavrões. E era exatamente isso que o ruivo estava ouvindo no momento.


Baekhyun choramingava esperneando em sua enorme cama, como de costume pós qualquer diálogo com Park-orelhudo-Chanyeol. Ia gritar mais uma vez, já procurando em sua penteadeira algo que pudesse atingir a janela do outro — talvez um tiro? —, quando batidas na porta foram ouvidas. Desistindo momentaneamente de seu homicídio, permitiu a entrada, logo vendo o melhor amigo entrar por ela.


— Não me diga que brigou com o Chanyeol de novo... — o loiro magrinho caminhou até a cadeira acolchoada onde o acastanhado estava com um bico irritadiço nos lábios.


— O que você acha? — bufou. — Ele me chamou de gordo, Hannie! Eu estou gordo por acaso? Você acha que ele tem razão? — os olhinhos claros, devido a lente cinza que o Byun usava, marejavam cada vez mais.


— Claro que não, Baekkie! — negou o chinês com o cenho franzido. Chanyeol merecia uns tapas por magoar seu pequeno dessa forma. — Você está ótimo! E muito gostoso, se quer saber. Já reparou em como sua bunda é redondinha? Ou em como suas curvas chamam atenção e te deixam sexy com qualquer roupa que você vista? — cruzou os braços arqueando uma sobrancelha, vendo o Byun morder o lábio tristonho. — Se eu já não namorasse, estaria dando em cima de você nesse exato momento! — se ajoelhou na frente do outro e lhe tomou em um abraço apertado, este que durou um tempinho. Quando se separaram, Luhan apoiou suas mãos nos ombros alheios. — Você nunca se importou com o que a praga do Park diz para você, por que isso agora? — franziu o cenho.


— Ah, é que ele fala tanto que eu estou um poço de banha que fica difícil desacreditar. — confessou, ainda se sentindo magoado. — Eu odeio aquele idiota!


— Eu sei, bebê. — abraçou mais uma vez o melhor amigo. — E eu sinto muito, mas eu vim até aqui para outra coisa. — suspirou ao que o castanho passou a lhe encarar curioso, esquecendo-se por completo das difamações do rival da fraternidade vizinha. — Você precisa ir falar com o senhor surdo ali sobre a festa do dia dos namorados. Caso você não se recorde, nossos quintais são colados um no outro, e no dia eu duvido muito que a galera vai se ligar naquela faixa de tinta branca delimitando o nosso espaço do deles.


Baekhyun só pôde choramingar. Havia esquecido esse pequeno infortúnio.


Por alguma razão, o construtor das casas colou, ou melhor, não fez questão de dividir à área aberta nos fundos. Assim não havia nada que separasse o quintal da Kappa Tau e da Zeta Beta; parecia até mesmo proposital, e Baekhyun até reclamaria com o pai — não que ele tenha feito isso setenta e oito vezes, por favor —, mas as casas já estavam ali há anos, muito antes até mesmo da época em que seus pais estudaram ali. Sendo dessa forma, nada poderia ser feito e ele teria de pensar em alguma coisa para separar seu gramado verdinho das piscinas ridículas da fraternidade ao lado.


— Tudo bem. — suspirou e se levantou. — É por um bem maior. — tentava convencer a si mesmo enquanto rumava até sua própria janela, abrindo-a de maneira desgostosa.


O som se tornou ainda mais alto, mas o que deixou o castanho de bochechas vermelhas foi ver ali em sua frente, o garoto de madeixas avermelhadas secando seus cabelos apenas de boxer enquanto parte de seu corpo ainda detinha algumas gotas escorrendo. Foi impossível não se perder no raciocínio, e logicamente o Park não deixou passar batido. Jogou a toalha por cima do ombro e inclinou-se um pouco para tentar captar o olhar do garoto estático à sua frente. Quando percebeu Baekhyun se sobressaltar em seu próprio lugar, sorriu convencido ao notar o rubor no rosto alheio.


— A que devo a honra de ter sobre mim, um mero plebeu, a atenção do adorado líder da Zeta Beta? — Baekhyun apenas sussurou cansado. Era difícil manter uma pose defensiva quando as palavras “gostoso”, “pecado” e “delícia” rondavam sua mente perturbada. Coitadinho, a música alta do Park acabou por danificar alguma parte cognitiva do cérebro do Byun.


— Me erra, Chanyeol. Só me encontra no jardim que eu preciso conversar com você sobre a festa do dia dos namorados. — o falso ruivo franziu o cenho, “o que houve com esse baixinho?”,pensava confuso mas sorriu achando que fosse algum tipo de brincadeira e que as farpas fossem começar a ser trocadas à partir daquele momento. Abriu a boca para debochar, mas foi cortado pelas palavras que jamais cogitou ouvir vindas de Byun Baekhyun: — Por favor.


— Olha, eu não sei o que diabos aconteceu com você, mas se é sobre a festa, o assunto me interessa. — ajeitou sua pose numa faceta séria, inédita para o Byun. — Me encontra lá em baixo, ‘tô descendo.


E com isso o som foi desligado e a janela da Zeta fechada. Luhan tinha a boca aberta e Baekhyun ainda estava aturdido com o que viu momentos antes.


Aquela semana realmente estava enlouquecendo os alunos da UAS.



*~♡~*



— Então? — Chanyeol vestia uma bermuda preta larga e um moletom da Kappa; vermelho com o logo da fraternidade em laranja. Suas mãos estavam dentro do único bolso disposto em sua blusa enquanto um Baekhyun mantinha seus braços cruzados em frente ao corpo com um moletom extremamente parecido, diferindo apenas nas cores, essas rosa com os dizes em marrom. — O que é tão urgente e sério que te faça agir como um esquisito?


— Não estou agindo esquisito. — debateu no mesmo momento, e então o Park sentiu seu interior vibrar em alívio por ainda ter o verdadeiro Byun Baekhyun em sua normalidade novamente. — E precisamos conversar sobre a ambientação das nossas festas. — começou. — E como isso vai demorar, eu não estou a fim de ficar aqui fora nesse tempo. Vai esfriar e eu preciso estar em perfeito estado de saúde para receber todos os meus convidados na sexta feira. — antes que o maior pudesse debochar e alfinetar, o castanho continuou: — E como eu tenho certeza que você também quer estar cem por cento, sugiro que você venha comigo. — e sem esperar uma resposta, negação ou qualquer outra coisa, Baekhyun passou a caminhar em direção à casa de sua fraternidade. Sem muitas opções, Chanyeol seguiu os passos do menor, mas apenas porque o assunto também lhe interessava e as palavras ditas não eram mentira. Como ele iria aproveitar de sua pool party se estivesse doente?


Chanyeol nunca havia visto a Zeta Beta por dentro, e estava ligeiramente impressionado com o quão organizado o ambiente era — totalmente o oposto de sua amada Kappa —, e também do quão caros e bonitos os móveis e decoração pareciam ser. Byun Baekhyun tinha um ótimo bom gosto e isso ele não poderia negar.


Tudo lhe atraia atenção, e quando viu a enorme televisão com os vários consoles de todos os vídeo games existentes, ele se viu encantado pela fraternidade dirigida pelo castanho. Já ia começar a tagarelar com seu — por um breve momento, esquecido — rival, o mesmo abriu uma porta e adentrou o cômodo enorme. Aquele quarto daria dois da fraternidade de Chanyeol, e nem mesmo o quarto dele sendo o maior — por ser o líder — chegaria à grandeza do de Baekhyun. Estava com inveja.


O quarto do pequeno era em tons rosa e branco, aqui e acolá alguns detalhes marrons, externando a devoção do Byun pela sua casa. Além de ter uma enorme cama de casal, havia uma penteadeira com um grande espelho, uma cômoda, duas portas — sendo uma para o closet e outra para um possível banheiro; Chanyeol não se espantaria se nele tivesse uma banheira de hidromassagem. —, uma enorme televisão, uma extensa mesa de estudos, sem contar as pelúcias fofas dispostas em sua cama e em um dos cantos do quarto, uma estante cheia de livros e mangás, além de várias prateleiras com alguns figure actions. O Park quis chorar, já que em toda sua vida não imaginou que seu rival fosse ter um gosto tão parecido com o seu. O quarto do Byun parecia com a casa dos sonhos mais molhados de Chanyeol.


“Talvez com uma bateria ali, uma guitarra aqui e umas caixas de som...”


— Eu sei, meu quarto é fabuloso. Agora se você puder parar de olhar para tudo sorrindo, eu agradeceria. — no mesmo instante o Park fechou a cara, cruzando os braços.


— Fala logo que eu não tenho o tempo todo. — o Byun estreitou os olhos. Odiava quando usavam esse tom consigo, falando como se ele não fosse importante.


— Meça seu tom para falar comigo! Orelhudo... — murmurou a última parte, ganhando um olhar de ódio vindo de Chanyeol pelo apelido. — É o seguinte: sua casa e a minha precisam de algo que possa impedir que nossos convidados se misturem, já que o arquiteto de merda esqueceu de colocar um muro dividindo os espaços. O que vamos fazer? — se sentou em sua própria cama, fazendo o ruivo reparar na janela atrás de si “Então é assim que ele vê o outro lado...” — Park! — chamou a atenção do outro que apenas suspirou em desgosto pelo quanto a voz do Byun conseguia ser irritante.


— O que quer que eu faça? Construa um muro faltando menos de uma semana? —o rosto do menos pareceu se iluminar. — Não. Nem cogite essa ideia. O máximo que você pode fazer é mudar sua festa de local ou aceitar que qualquer pessoa em sã consciência irá preferir uma festa na piscina do que uma rave. Afinal, estamos no verão. — e então aquele sorriso cínico apareceu, causando a ira do acastanhado.


— É impossível tentar manter uma conversa com você! Ah, quer saber? Morre, Park! E sai da minha casa antes que seu instinto Kappa contamine o meu quarto. — desdenhou de forma esnobe, e essa era a face de Baekhyun que Chanyeol mais odiava. — Está esperando o que para sumir? Se não vai ser útil, pode ir embora. — abanou a mão no ar indicando o quando queria o ruivo longe.


— Claro, vossa majestade. — disse de forma enojada, logo se virando. — E pode ficar tranquilo que vou fazer questão de manter a realeza bem longe das pessoas de verdade no sábado. — Byun estreitou os olhos.


— Está me chamando de falso? — cerrou os punhos, recebendo um sorrisinho de superioridade do Park, que logo se fingiu de ofendido.


— Imagine! Estou afirmando mesmo. — e antes que o baixinho tivesse chance de debater, o barulho de sua porta batendo com força quase o deixou surdo. Se jogou na cama pensando no quanto seria impossível algum dia ter alguma conversa com Park Chanyeol sem que ambos quisessem enfiar uma chave de fenda no olho do outro.



*~♡~*



Era quinta feira e o clima das duas maiores fraternidades do campus da UAS era mais pesado que o de costume. Jongin e Kyungsoo conversavam animadamente enquanto levantavam uma rede no meio do quintal, exatamente acima da risca feita em um dos muitos surtos do Byun em tempos passados. Mesmo ambos sendo de fraternidades rivais, não deixavam de manter uma amizade boa, onde o Kappa Jongin vez ou outra jogava alguns flertes no Zeta Kyungsoo, que apenas sorria envergonhado, porém não negando as investidas.


— O clima aqui está horrível! Chanyeol anda tão nervoso que até mesmo eu tenho medo de conversar com ele. — o moreno dizia ao terminar de fincar a última estaca no gramado.


— Nem me fala, daqui conseguimos ouvir os gritos dele... — Kyungsoo confessou um pouco preocupado. — E Baekhyun não anda muito diferente, só que ao contrário do Park, ele se tranca no quarto e nos ignora. Nem o Luhan está conseguindo lidar com ele, e olha que eles são melhores amigos. — Jongin assentiu enquanto ambos desenrolavam aquela enorme rede e ajeitavam de modo que ficasse graciosa, mesmo a ideia de dividir os fundos de ambas as casas fosse idiotice aos olhos dos dois.


Assim que terminaram, Kyungsoo continuou a papear com o Kim, mesmo que ele estivesse do outro lado, corando vez ou outra com alguma coisa dita.


— Posso saber o que o senhor pensa que está fazendo, Soo? — a voz de Baekhyun era cortante, assustando o garoto de pele clara que se virou para o líder de forma culposa, como se ele realmente estivesse fazendo algo errado. Baekhyun olhava bravo para o Do e logo depois cheio de desconfiança para o Kim.


— Só estávamos conversando. — Jongin se pronunciou, mas logo que saltava em surpresa era o próprio com a voz grave que vinha de trás de si.


— Pois então pare. Temos treino daqui vinte minutos, Kai. — e com um adeus mudo, os dois amigos entraram para suas respectivas repúblicas, enquanto Chanyeol e Baekhyun se fuzilavam. — Pronto para assistir a melhor festa de dia dos namorados, gatinho? — perguntou debochado, arrancando um riso desacreditado do acastanhado.


— Claro! Até porque eu estarei sendo anfitrião da mesma. — deu de ombros, vendo aquela feição faceira não abandonar o rosto do Park um momento sequer.


— É o que veremos. — e com olhares silenciosos, os dois entraram para dentro de suas casas.


Jamais admitiriam, mas o alívio que tomou ambos por dissiparem o clima pesado foi enorme, tanto que não deixaram de sorrir ao voltarem para seus quartos e Chanyeol ligar o som alto e Baekhyun gritar sobre o quanto ele era irritante o tempo todo.


Tudo estava em seu devido lugar agora.



*~♡~*



— Luhan, pelo amor de Oh Sehun! Arruma direito esses corações! — Baekhyun gritava a plenos pulmões, fazendo o melhor amigo lhe olhar cheio de ódio. Mas o que ele poderia fazer? Era quinta à tarde, e a decoração tinha de fazer jus ao tema de namorados apaixonados com direito à corações vermelhos e vários “eu te amo”.


— Byun Baekhyun, eu amo você, mesmo! Mas se você continuar falando desse jeito, eu serei obrigado a enfiar esses corações no seu orifício anal até sair pela boca. — o chinês dizia calmo, mas seu olhar não negava a veracidade de suas palavras.


— Assim você me ofende, Hannie! — o acastanhado choramingou, deixando um bico amolecer o coração do melhor amigo que não tardou em agarra-lo em um abraço.


— Ah meu bebê, me perdoa. — os demais garotos da Zeta Beta encaravam a cena um tanto quanto cansados. Os dois estava a trocar insultos e se abraçarem desde que a arrumação da casa começou.


— Eu sei que vocês estão muito entretidos nessa reconciliação, mesmo que seja a vigésima vez que fazem isso, mas acho que com esses últimos arranjos de flores, meio que acabamos. — Kyungsoo se prontificou, ganhando a atenção dos demais.


— Tem razão. — o líder da fraternidade disse orgulhoso. — Bom trabalho, Zetas! — bateu palminhas e olhou em volta, vendo que os ambientes da casa estavam cheios de amor. Literalmente. — Oh, só ficou faltando colocar as flores ali. — apontou para a rede que Kyungsoo havia ajeitado naquela manhã. Este que percebendo que Jongin limpava a piscina do outro lado, logo pegou pequenos arranjos e se prontificou.


— Eu vou! — e sem esperar qualquer resposta, correu para os fundos da Zeta Beta.


Alguns agradeceram por se livrar da tarefa, mas Baekhyun apenas observava com desconfiança o irmão pregando as flores na enorme rede branca. Decidiu deixar isso de lado e ir para seu próprio quarto, estava cansado.


Kyungsoo percebendo o movimento disperso, se permitiu olhar para o Kim do outro lado. Este que trajava apenas uma calça de moletom vermelha que por estar um pouco baixa demais, deixava o elástico de sua Calvin Klein à mostra enquanto limpava a enorme piscina naquele dia de calor. Suspirou e tentou se concentrar no trabalho que se propôs a fazer.


Jongin estava entediado por ficar com a pior e mais chata parte da arrumação. Chanyeol queria o punir por mais cedo, só poderia ser! Ajeitou o corpo e passou as costas da mão na testa tirando dali o suor que começava a se acumular. Olhou para o outro lado na intensão de ver o gramado vasto verdinho onde ele adoraria se jogar e descansar, e como um prêmio por todo o seu esforço, o Zeta que lhe chamava atenção estava ali, lindo como sempre.


— Kyungsoo! — deixou o cabo da pequena rede que estava a utilizar de lado, indo até onde o Do estava. — Trabalhando bastante também? — sorriu deixando o outro praticamente sem fôlego.


— Tipo isso. — deu uma risadinha enquanto trançava a pequena margarida amarela na divisória entre os dois. — Estou vendo que você também está ralando aí do outro lado. — baixou o olhar para o abdômen definido do Kim. A Kappa Tau não ostentava o título de a melhor fraternidade no quesito esportes à toa. — Calor hoje, não? — brincou com o outro que gargalhou concordando.


— E como! Minha vontade é deixar essa tarefa de lado e me jogar nesse gramado aí aproveitando o ventinho fresco. — o Zeta riu e negou com a cabeça.


— Com uma piscina dessas o que você queria é se jogar nesse gramado sem graça? Não te entendo, Jongin. — ambos riram novamente enquanto uma margarida vermelha era presa na imensa rede.


— ‘Tá brincando? Olha só esse espação todo, imagina jogar bola aí! — o maior apontou, fazendo o Zeta pensar.


— Parando para pensar, parece que um foi projetado para completar o outro. — pontuou, ganhando ainda mais a atenção do moreno. — Porque olhando por esse lado, seria o quintal perfeito para os fins de semana ensolarados.


— Agora que você falou... realmente. É uma pena que essa rede nos separe. — o Zeta não pôde evitar corar, enquanto assentia desviando do olhar do Kappa.


— Uma pena mesmo. — murmurou.


Os dois conversaram durante todo o tempo que usaram para terminar suas devidas obrigações, demorando-se mais que o necessário só para aproveitarem um pouco mais da companhia um do outro.


Enquanto os flertes continuavam nos fundos das duas casas, Baekhyun refletia sobre a vida. Quer dizer, tentava, já que o som estridente daquela música irritante vindo da Kappa não o deixava pensar em outra coisa senão as formas de cometer assassinato e sumir com o corpo sem que as pessoas dessem falta. E cheio de raiva foi até sua janela — como sempre —, e abriu já aos gritos.


— PARK CHANYEOL, VOCÊ É SURDO OU O QUE?! — bradou irritado, só então percebendo que na verdade, era o ruivo que estava tocando a música.


Chanyeol parou momentaneamente o solo de guitarra que fazia, desligando o acompanhamento da bateria e baixo que ecoavam sozinhos agora. O ruivo sorriu debochado, retirando a correia do instrumento e deixando-o de lado para assim aproximar-se da janela onde conseguia ver o baixinho mantendo aquele bico irritado.


— Desculpe, gatinho. — seu tom em falso arrependimento.


— Eu hein, nunca vi isso. E outra, não veste mais roupa não? — porque outra vez, o Park deixava aquele peitoral ridiculamente definido à mostra. O maior só pôde rir.


— Para de ser invejoso Byun. Só porque eu tenho um corpo invejável e você é esse montinho de gordura, não precisa se conter. Já disse que deixo você olhar o quanto quiser. — desdenhou ganhando um bufar do outro lado, mas ao contrário do que estava acostumado, viu a cara amarrada se desfazer em uma tristonha.


— Você acha mesmo que eu estou gordo? — o Zeta divagou, levantando um pouco a camiseta rosa que usava, deixando parte da barriga leitosa e chapada à mostra. Chanyeol não conseguiu não olhar, sentindo um arrepio totalmente incoerente percorrer pelo corpo. Porém logo a visão daquele pedacinho do corpo do castanho lhe foi privada novamente. — Mas que merda eu estou perguntando? — Baekhyun revirou os olhos para si mesmo. — Só... Não faz tanto barulho ou vou te denunciar por perturbar a paz! — e sem querer manter mais nenhum diálogo com o gigante Kappa do outro lado, voltou a fechar as janelas, não demorando a se jogar novamente em sua cama e levantar novamente a camiseta, apertando a pele da barriga e pensando em talvez começar alguma dieta.


Já do outro lado, Chanyeol tentava entender o motivo de ainda pensar na pele branquinha do Zeta. Obviamente o ruivo não achava o rival gordo, longe disso na verdade. Porém ele preferia dizer isso a ter de admitir que vez ou outra reparava no bumbum redondinho que o outro possuía, ou na cinturinha que ficava mais visível com as babylooks que o outro usava quase sempre. A verdade era que o corpo de Baekhyun era lindo, tanto quanto o rosto do castanho, mas admitir isso para o próprio estava totalmente fora de cogitação.


Espantou os pensamentos estranhos que lhe invadiram a cabeça e voltou a treinar Scream Aim Fire — dessa vez em um volume bem mais baixo.



*~♡~*



O entardecer da sexta feira foi regado de tranquilidade para os Zetas que arrumavam as garrafas de bebida e checavam o freezer com os sacos de gelo. Baekhyun sorria orgulhoso de sua organização, já que tudo estava perfeito. Daqui algumas horas as pessoas chegariam, segundo sua lista, até mesmo alguns garotos da Omega Chi confirmaram presença na festa do castanho — obra de Luhan, que namorava um dos irmãos mais populares daquela casa; Oh Sehun.


O baixinho preparou um copo de vodka com morangos para si e foi dar uma volta no gramado. Não podia deixar o enorme sorriso abandonar seu rosto, pois pela gritaria vinda da casa ao lado, era nítido que alguém estava totalmente perdido no quesito organização. Caminhou a passos leves e despreocupado deixando explicito a pessoa plena que ele era, mas desatou em gargalhar ao bater os olhos por além da divisória e ver os garotos malhados da Kappa Tau correndo de um lado para o outro enquanto Chanyeol berrava.


— Parece que alguém deixou tudo para última hora. — debochou enquanto bebericava o líquido vermelho como o rosto de Chanyeol que bufava irritado colado na rede que os separava.


— Não enche o saco, Baekhyun. — ralhou rude, fazendo com que o menor erguesse as mãos em sinal de rendição, ainda que um sorriso brincasse em seus lábios.


— Não está mais aqui quem falou. — olhou para a bagunça que acontecia do outro lado, percebendo que a fraternidade Kappa Tau fazia jus aos boatos de serem desorganizados. “Imagina como deve ser o quarto desses daí”, pensou enquanto negava com a cabeça.


— Pode rir, sei que deve estar adorando. — o Park contorcia seu rosto numa feição que ia da raiva até a tristeza beirando o desespero.


— Sinceramente, estou mesmo. — confessou, recebendo um resmungo do mais alto. — Mas, vocês têm tempo, se organizar direitinho todo mundo transa. — Chanyeol encarou o Byun desacreditado não se dignando a abrir a boca e responder. — Aigoo melhora essa cara. — porém o mais alto apenas ignorou o baixinho.


Baekhyun adorava implicar com o Park, mas ver seu rival assim, tão tristinho despertava seu lado empático mesmo ele não querendo. Sabia que se arrependeria de contribuir para a festa que competiria em potencial com a sua.


Olhou para dentro de sua casa e viu que os Zetas estavam conversando entre si enquanto comiam alguns dos petiscos ali, ou testando o som repassando a playlist que tocaria a noite toda; até mesmo Luhan papeava ao telefone — com certeza conversando com Sehun — enquanto bebia algo naquele copo rosa berrante. Tudo estava extremamente em ordem, então não teria problema fazer sua boa ação do dia.


— Toma, para você não falar que eu sou ruim. — entregou o copo rosa na mão do Park e com um dar de ombros o maior saboreou a bebida, estendendo o copo de volta em seguida. Baekhyun negou, recebendo um olhar confuso do ruivo. Suspirou e ergueu a rede semelhante à de vôlei, porém enfeitada “Não posso esquecer de parabenizar o Soo mais tarde” pensou enquanto erguia seu corpo já do outro lado, vulgo território inimigo.


— Mas que merda você está fazendo aqui?! — alguns irmãos da Kappa até pararam seus afazeres, assim como os Zetas no outro lado. Baekhyun apenas se virou para o gigante e sorriu, logo fechando sua expressão e voltando para os garotos sarados que estagnaram em seus lugares como estátuas.


— ESTÃO AÍ PARADOS POR QUE?! PODEM TRATAR DE SE MEXEREM! — passou a caminhar para dentro da casa. — Você, você e você. — apontou para três garotos que não tinham nada em mãos. — Tirem as roupas jogadas no chão e coloquem no cesto do banheiro A-GO-RA! — imediatamente os indicados correram e começaram a seguir a ordem do Byun, que não demorou em virar-se em direção aos demais. — Você e você separem os petiscos em vasilhas, e nada de misturar, pelo amor de Deus! — logo o pedido foi obedecido. — Você, você e você arrumem as bebidas e os copos. Acho legal colocarem essa mesa ali — apontou para a parede da casa do lado de fora. —, assim as pessoas terão acesso mesmo aqui fora. É uma festa na piscina, certo? Então é perto dela que as bebidas devem ficar. Ah, aproveita e coloca o gelo lá também. — e assim que o pequeno terminou de dar suas ordens, voltou para onde Chanyeol estava, e este lhe encarava atônito. Baekhyun apenas sorriu de maneira fofa e pegou o copo de suas mãos. — É assim que um líder deve agir. — e sem esperar uma resposta, o acastanhado puxou a rede e voltou para sua casa.



*~♡~*



— Hannie, essa calça ou aquela? — apontou para uma calça jeans clara e outra jeans mais escura.


— Você fica lindo em qualquer uma das duas. — o chinês tentou argumentar, mas recebeu um estreitar de olhos do acastanhado. — A clara.


— Obrigado! — sorriu e tratou de se vestir ali na frente do amigo mesmo.


Já eram quase oito da noite, e muito em breve as pessoas começariam a chegar. Luhan já estava arrumado, apenas esperando Baekhyun para que ambos fossem receber seus convidados.


O Byun vestiu o jeans de lavagem clara, que lhe serviu perfeitamente junto daquela camiseta agarradinha que davam destaque às suas curvas perfeitas. Se perfumou e como a maquiagem já estava feita, apenas pegou o casaco estilo college com as cores de sua tão adorada Zeta Beta.


— Amém! — Luhan brincou, recebendo um soquinho do Byun em resposta.


Conversa vai conversa vem, as pessoas começaram a chegar. Baekhyun recebia-os e logo os mesmos já estavam ambientados com um copo de bebida em mãos e rebolando no jardim extenso.


Depois de algum tempo, a casa já se encontrava bastante cheia e a música alta duelava com a da fraternidade ao lado. Baekhyun trocou algumas farpas com Chanyeol — que se exibia naquela bermuda vermelha e ainda vestia a camiseta com as cores de sua casa —, enquanto sentia o arrependimento bater por ter ajudado o mais alto. Se o Byun soubesse o quanto ele ficaria irritante, teria deixado sua festa fracassar.


O barulho das risadas e pessoas se jogando na água animados deixava o acastanhado possesso, mesmo que sua festa não estivesse caída, ele conseguia perceber no olhar de alguns a vontade de se juntar à farra da outra casa.


— Parece que seus convidados estão com vontade de se refrescar nessa noite quente de verão. — Chanyeol disse com um copo laranja em mãos, próximo de onde Baekhyun bebericava sua própria bebida. — E pelo visto, parece que não são só eles. — gargalhou ao ver que o menor se abanava como podia. Baekhyun parou no mesmo instante, percebendo algumas meninas da Gamma Phi encarando com olhinhos desejosos para as pessoas que dançavam naquele espaço enorme da casa Zeta Beta.


— Pois eu acho que suas garotas que não querem estragar o cabelo estão muito tentadas a trocar de lado também. — sorriu superior ao que até mesmo alguns Kappas se sentiam tentados à música alta e espaço de sobra. — E me parece que elas não são as únicas. — fixou seu olhar em Jongin, que estava muito próximo à rede que os separava. Chanyeol fechou a cara no mesmo momento em que um burburinho foi ouvido da entrada da casa Zeta Beta.


Quando Baekhyun se dignou a olhar, pôde ouvir querubins cantando, já que caminhando até onde ele estava só poderiam ser deuses. Os garotos mais bonitos da Omega Chi haviam vindo marcar presença na festa de dia dos namorados da Zeta Beta, sendo liderados por Oh Sehun, Kim Minseok e Wu Yifan, a santa trindade da UAS vestidos com as cores verde e cinza de sua casa.


Não que o acastanhado tivesse uma queda amorosa por algum deles — afinal sempre estava ocupado demais discutindo com Chanyeol —, mas quando os três garotos mais gatos do campus comparecem a um evento seu, é impossível não tremer na base.

Minseok foi o primeiro a notar o Byun, não poupando sorrisos ao se aproximar do mesmo.


— Festa maneira Baekhyun. Obrigado por nos convidar. Posso? — perguntou apontando para o copo nas mãos do acastanhado que ainda estava um tanto quanto desnorteado. Mesmo sendo um dos mais populares da universidade por conta de seu pai e dinheiro, o Byun novamente não conversava muito com os outros por causa de Chanyeol.


— Ah, claro! — estendeu o copo para o garoto que sorriu agradecido. Minseok conversou mais um pouco com o Byun para se desculpar e seguir para onde os outros dançavam. Se bem se lembrasse, o Omega Chi tinha um caso com Jongdae, um de seus irmãos na Zeta Beta — o que foi comprovado ao ver os dois sorrindo apaixonados em meio a uma dança. — Parece que o jogo virou, não é mesmo? — não deixou de sorrir para o Park que tinha a cara amarrada. Deixou o garoto se remoendo e se juntou aos amigos que pulavam ao ritmo de uma música pop.



*~♡~*



Muitos copos de bebidas e rodadas de tequila depois, tanto o lado da Kappa Tau quanto o da Zeta Beta estavam um tanto quanto alterados pelo álcool, e isso começou a ser perceptível quanto em uma discussão entre Chanyeol e Baekhyun sobre qual casa era melhor rendeu em um jogo de vôlei entre os convidados. Obviamente a Kappa Tau venceu, o que gerou uma outra briga que perpetuava até o momento enquanto os alunos continuavam a curtir a festa. Nem mesmo quando a rede foi retirada e ambas as casas começaram a se misturar, os dois pararam de discutir.


— A minha casa é melhor porque já ganhamos vários jogos de vários esportes. — Chanyeol dizia. — A maioria dos troféus na sala do seu pai, fomos nós que conquistamos. — sorria ao se portar convencido à frente do menor que estreitava os olhos.


— Pois se não fosse graças a minha casa, nem mesmo vocês teriam o direito de perambular pelo campus sem uniforme. Caso você não se lembre, antes de eu começar a estudar aqui, os garotos usavam terno e gravata por obrigação. — se gabou o menor.


— Obrigado vossa majestade por trazer o senso de estilo para dentro dos muros dessa instituição conceituadíssima! — desdenhou do feito.


— Urgh! Você é tão irritante, Park! — bradou, batendo o pé e cruzando os braços de maneira infantil.


— Não mais que você! Poço de banha. — não se aguentou e riu alto.


— Ora seu... Poste de orelhas! — apontou para as orelhas salientes do mais alto que continuou debatendo com o menor até sua criatividade acabar, dando espaço para repetir sobre o corpo do castanho.


— A festa da Zeta é toda num tema de casal, mas o próprio Baekhyun não namora. — Yixing, um Gamma Phi comentou na rodinha de conversa que mantinha com Junmyeon, um Zeta Beta assim como Kyungsoo, Luhan e Jongdae, a trindade da Omega Chi, e Jongin, da Kappa.


— E a da Kappa é a típica farra de solteiro, mas o Park nunca foi visto pegando ninguém do campus. Nunca. — Junmyeon disse, arrancando risadinhas dos demais.


— Desculpe me intrometer, mas os dois não namoram? — Zitao, o calouro chegado da China se juntou ao grupinho.


— Eles se dizem inimigos, mas agora que você falou... — Yifan respondeu o novato que ainda não havia se candidatado a nenhuma fraternidade até o momento.


— Sério? Porque olhando os dois, claramente parecem um casal. — Zitao riu como se tudo aquilo parecesse uma piada de mal gosto; e de fato era.


O grupo esqueceu momentaneamente os rivais e passou a conversar sobre seus interesses em comum enquanto bebiam e gargalhavam em determinados assuntos.


— Oh, então agora você quer descer o nível e falar sobre classe social? — Baekhyun estava perigosamente próximo ao Park e da piscina atrás deste.


— Não, estou falando de inteligência e esforço, que eu como bolsista tenho de sobra. Já você... — debochou, ouvindo logo em seguida o grunhido de raiva do pequeno.


O sorriso de Chanyeol teria durado mais em seu rosto se não fosse aquelas mãozinhas espalmando em seu peito e o empurrando para trás. Na tentativa de se segurar em algo, encontrou o braço do Byun, acabando por leva-lo junto a si para dentro da água.


Tal acontecimento ganhou a atenção de todos ali, inclusive do novo grupo de melhores amigos para sempre, que tinham os olhos arregalados devido às circunstâncias da situação. Quando emergiram, a face do menor estava vermelha de raiva enquanto o Park explodia em risadas.


Porém antes mesmo que pudessem voltar a gritar um com o outro, Taehyung, um Omega Chi que brotara no meio dos que dançavam chamou a atenção ao gritar um “BALA DE CANHÃO”sendo seguido por grande maioria das duas festas. Baekhyun totalmente descontente enfrentou a multidão e saiu da água com Chanyeol logo atrás de si.


— Eu não acredito que você me jogou na água! — berrou ao torcer parte de sua camiseta ainda em seu corpo.


— Mas foi você que me empurrou primeiro, gatinho. — Chanyeol riu, já que como sua festa era na piscina, estava trajado para tal.


— E era para você ter se afogado sozinho! — grunhiu irritado, ganhando uma gargalhada de Chanyeol. Baekhyun passou a dar tapas naquele peitoral definido, mas logo teve seus pulsos segurados de maneira cuidadosa.


— Olha, eu só agarrei a primeira coisa que eu senti na frente. — disse e o Byun emudeceu, pois sabia que o maior falava a verdade. — Ah Baekhyun, para vai. Até parece que você não queria dar um mergulho com esse calor que ‘tá fazendo.


— Mas desse jeito?! — bradou e Chanyeol riu um pouco mais.


— ‘Tá bom. Vem comigo. — ignorou as contestações do menor e passou a puxá-lo para dentro de sua casa.


Passaram pela cozinha — que haviam casais se pegando —, pela sala — mais casais —, subiram as escadas — um casal, porém de bêbados —, até alcançarem o último quarto do enorme corredor.


— O que pensa que está fazendo?! — indagou quando adentraram o cômodo e da janela aberta o Byun conseguiu ver seu quarto.


— Pegar uma toalha para você. — respondeu simplista, já abrindo a gaveta da cômoda que havia ali.


Ao contrário do que Baekhyun imaginou, o quarto de Chanyeol era organizado. A cama era grande e havia instrumentos musicais em um certo canto. Alguns livros e mangás eram organizados em prateleiras e apesar de não ser tão grande como o seu próprio, até que o lugar era espaçoso. As paredes eram em um laranja claro, com alguns detalhes em vermelho — como tudo o que envolvia os Kappa Tau —, mas mesmo assim não deixava de ser bonito.


Chanyeol logo lhe entregou a toalha seca junto com uma boxer branca — nova, ao julgar pela etiqueta ainda presa na peça — e uma camiseta da fraternidade rival. Mesmo que ele pudesse muito bem contestar e dizer que sua casa ficava ali ao lado, ao ver o rostinho do Park lhe encarando sem deboche ou desdém, ele não conseguiu recusar.


Baekhyun retirou a camiseta molhada que grudava em seu corpo e secava-se com a toalha felpuda, pouco se importando com Chanyeol ali. Pelo menos até o momento que percebeu seu olhar pairando sobre si.


— Já sei, sou um poço de banha. — revirou os olhos, mas ao não receber nem uma afirmação quanto uma negação, o menor encarou o Park de maneira confusa. — Chanyeol? — perguntou estalando os dedos na frente do rosto alheio.


Você é gostoso ‘pra caralho. — só então seus olhares voltaram a se encontrar. Baekhyun sentiu suas bochechas queimarem instantes depois ao que o maior não se retratou do que havia dito. Pelo menos não ao primeiro instante. — Quero dizer, gordo ‘pra caralho! — o maior engoliu em seco torcendo para que seu rosto não se avermelhasse. — Um poço de banha.


— Grr, seu ridículo! — grunhiu antes de estapear o braço do outro. Como Baekhyun pôde cogitar a ideia de Chanyeol estar o “comendo com os olhos”? Era óbvio que o maior estava tirando uma com a sua cara. — Pelo menos eu não tenho orelhas gigantes! — sua frase era entrecortada por tapas e mais tapas.


O maior tentava se defender, mas só conseguiu parar o menor quando agarrou seus pulsos, como foi feito próximo à piscina mais cedo. Chanyeol nada dizia, apenas encarava os detalhes do rosto de Baekhyun. “Quando ele se tornou tão bonito?” Chanyeol não sabia dizer, mas se houvesse reparado anos antes o quão atraente o pequeno era, talvez aquele colar de lábios não tivesse demorado para acontecer.


Baekhyun sentia seu coração bater forte contra o peito, quando o Park lhe encarou demais, pensou que talvez o maior estivesse escolhendo como lhe insultaria daquela vez, mas nunca, jamais imaginou que o ruivo o beijaria. Por esse motivo demorou tanto para fazer alguma coisa — e quando eu digo alguma coisa, quero dizer corresponder ao ósculo.


O Byun poderia negar muitas coisas, menos o quanto o corpo do rival era bonito e agora o quanto sua língua passeando por seus lábios o deixava à beira de um ataque. Porém nada se comparou quando a permissão lhe foi concedida e aquele músculo se enlaçou com o seu. O beijo de Chanyeol era... maravilhoso.


O ósculo ganhava cada vez mais movimentos, e a cada chupada que ganhava em sua língua e lábio inferior, Baekhyun se segurava para não ofegar. Há quanto tempo ele não era beijado dessa forma? Ele não conseguia ao menos se lembrar, então como qualquer ser humano normal — e começando a ficar excitado — passou a retribuir na mesma intensidade. As mãos de Chanyeol prenderam em sua cintura apertando o local com vontade, o que fez o Byun arfar e subir seus toques para os fios tingidos do Park, colando seus corpos juntos.


Quando Chanyeol abandonou os lábios agora vermelhinhos do Byun, colando-se no pescoço deste enquanto sentiam o membro alheio cada vez mais duro, o acastanhado soube que precisavam parar. Assim, com muito esforço Baekhyun afastou Chanyeol.


O ruivo estava ofegante, assim como o castanho, e se olhavam com os rostos vermelhos sem saber como começar aquela conversa.


— B-Baek, isso... e-eu... me desculpa! Eu me descontrolei e acabei atacando você! — os olhos do maior se abriam tanto que o menor achou que uma hora eles saltariam para fora. — Desculpa mesmo, eu não sei o que me deu, desculpa! Eu sou um idiota, eu nem devia ter te encarado tanto, e eu me sinto um pervert...


— Eu gostei. — o Byun disse simplista, sem olhar diretamente para o maior a sua frente.


— O quê?


— Eu gostei do beijo. — levantou seu olhar para a expressão cheia de confusão impagável do maior.


— Gostou?


— Sim. — confessou mordendo o lábio e ainda sentindo a sensação do beijo ali.


— Mas você me odeia!


— Isso é verdade, mas... é bom beijar você. — desviou do olhar alheio novamente. — E se for por isso, você também me odeia...


Nem sei mais se odeio tanto assim... — murmurou mais para si mesmo, mas o Byun ouviu perfeitamente. — Você me confunde, ‘tá legal?


— Isso não faz sentido... — trocou o peso de um pé para o outro e o silêncio reinou no quarto.


— Baek. — chamou tímido pela primeira vez.


— Oi? — respondeu olhando para os lábios gostosos do outro.


— Posso te beijar de novo? — o menor sentiu o estômago se contorcer.


— Achei que não fosse pedir. — e mesmo ainda sendo estranha essa vontade de beijar Chanyeol, Baekhyun deu passos até o maior colando seus corpos em outro beijo tão quente quanto o primeiro.



*~♡♡♡~*



— Soo, você viu o Chanyeol? — Jongin perguntou ao alcançar o — agora — ficante.


— Não... na verdade eu ia fazer a mesma pergunta sobre o Baekhyun. Ele não está no quarto dele e eu não o vejo desde a festa de ontem. — sentiu-se arrepiar ao ter sua cintura enlaçada pelo moreno. — V-você já foi ver no quarto do Park? Talvez ele esteja lá. — fixou seu olhar nos lábios alheios.


Impossível.... — Kyungsoo elevou seu olhar, percebendo a feição de espanto do — talvez futuro — namorado.


O Zeta se virou e seus olhos triplicaram de tamanho. Byun Baekhyun saía das portas da fraternidade Kappa Tau, trajando apenas uma camiseta com as cores daquela casa e uma boxer branca, sem contar Chanyeol apenas com uma calça de moletom vermelha que o acompanhava de perto. Perto demais.


— E-eu não acredito! O que significa isso hyung?! — Kyungsoo estava ficando louco e Jongin também? Pois não era possível uma coisa dessas. Não com aqueles dois, afinal — Vocês não se odiavam?! — o Byun sentiu suas bochechas esquentarem, mas Chanyeol apenas riu faceiro.


— Parece algumas coisinhas mudaram. — Chanyeol disse em meio a uma risadinha, ganhando um tapa e uma cara feia do Byun.


— Mas isso... isso não faz sentido! — Kyungsoo não conseguia entender, então uma discussão foi iniciada com todos os três falando ao mesmo tempo até serem interrompidos por Baekhyun.


— Gente! — todos olharam para si — É dia dos namorados, vão mesmo querer passar ele inteiro aqui discutindo?


— Ele tem razão. — Jongin concordou, prendendo seus olhos em Kyungsoo, que mordia o lábio por ser encarado daquela maneira. Logo o moreno foi se aproximando para um selar, mas então uma dúvida surgiu: — Isso quer dizer que voc... ué, cadê eles? — perguntou olhando em volta, mas foi puxado pelo colarinho pelo Do, que unia seus lábios juntos tomando a iniciativa do toque pela primeira vez. — Wow. — e com um sorrisinho sacana, voltaram a se beijar.



*~♡~*



— Byun, eu estava pensando... — Chanyeol estava agarrado à cintura do outro enquanto um filme qualquer passava na enorme televisão no quarto de Baekhyun.


— Milagre. — riu com a cara feia que o Park lhe direcionou. — No que, bebê?


— Que talvez devêssemos unificar nossas fraternidades. Uma Kappa Zeta, que tal? — o menor apenas o encarou desacreditado.


— Nem pensar! — ditou com a face séria, assustando até mesmo Chanyeol. Talvez sua sugestão tenha sido estúpida demais. — Zeta Kappa, fica bem melhor. — e com um sorriso o maior atacou os lábios alheios em vários selares.



— Baek?


— Hm?


— Você acha que o Kyungsoo e o Jongin estão namorando?


— Óbvio que sim.


— E nós?


— N-nós?


— Uhum.


— ...



— Baek?


— Hm?


— Quer namorar comigo?

26 de Junio de 2018 a las 18:21 7 Reporte Insertar 7
Leer el siguiente capítulo Rivalidade [extra]

Comenta algo

Publica!
nana nana
iti essa fanfic <3333 li no spirit, mas ainda amo demais graças a deus essa fic existe a
28 de Junio de 2018 a las 16:15

  • Lari  Lari
    Ainnn tu por aqui ♡♡♡♡♡ Só queria dizer que vem extra por aí e que ele tá enorme ahhshahshahsha ♡ 28 de Junio de 2018 a las 16:26
  • nana nana
    EXTRA?! socorro morta em chanbaek land 28 de Junio de 2018 a las 18:48
aeri std🍉 aeri std🍉
Eu já li essa fanfic antes, amo demais <3
27 de Junio de 2018 a las 15:44

  • Lari  Lari
    Ainnn 🙈🙈❤❤❤ Vai ter extra :3 Obrigada por ler aqui também e comentar ♡♡ 28 de Junio de 2018 a las 16:25
bruna . bruna .
aaaaaaaa💗💗💗💗 eu to amando mttttto!!! ja to esperando o proximo cap
26 de Junio de 2018 a las 20:59

  • Lari  Lari
    Só tem mais um, mas tá bem grandinhooooo Espero que goste ♡ Obrigada por ler ♡♡♡♡♡♡ 26 de Junio de 2018 a las 21:11
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión