Storybook Seguir historia

bullet Minki Byun

Era uma vez a história de duas Alices. Uma caiu na toca do coelho e foi parar em Wonderland. A outra só lembra estar caindo em uma imensidão preta e acabar parando em um mundo totalmente estranho e um pouco macabro. Wonderland era criado a partir dos seus desejos. Underground era criado a partir dos seus pesadelos.


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#Jisoo #Joshua #Jeonghan #Jihan #seventeen #Taekwoon #Hongbin #leo #leobin #vixx
5
5.1mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Wonderland

Jeonghan estava totalmente impaciente enquanto estava sentado no parque esperando por seus amigos, eles tinham marcado de se encontrarem lá para fazer um piquenique, mas como sempre, eles estavam atrasados, Jeonghan já deveria estar acostumado com os seus amigos nada pontuais, mas isso sempre o deixava irritado, seu celular não parava de apitar, estava cheio de mensagens com diversas desculpas do porque eles estavam atrasados. O garoto suspirou, não estava a fim de ler nenhuma daquelas desculpas, eram sempre as mesmas : " Acabei perdendo horário", "Estou preso no trânsito", "Encontrei um amigo no meio da caminho e acabei não vendo o tempo passar". Até parecia que eles não se importavam com ele. Deitou na toalha xadrez estendida no chão, e suspirou, ele estava sozinho, e tinha gasto o seu precioso tempo preparando lanches para aquele piquenique que ele nem estava a fim de fazer, mas seus amigos insistiram para que fizesse.

E quase que por um instante, ele pode jurar que vira um coelho passando por ele, mas o intrigante disso era que o pequeno ser com pelo branco e olhos vermelhos, estava usando um tipo de colete e parecia preocupado com o horário. Jeonghan não entendeu o que acabara de ver, olhou em volta do parque para ver se tinha alguém usando algum tipo de droga perto dele, mas lá só tinham outras famílias aproveitando uma tarde de lazer. Curioso sobre o tal coelho, o garoto de cabelos compridos decidiu o seguir, afinal não tinha nada a perder mesmo, talvez seus amigos nem fossem para o tal piquenique.

O coelho seguiu até uma toca, sem desconfiar do loiro atrás de si, entrou nela sem hesitar, ainda resmungando coisas que Jeonghan não conseguia entender. Agora o garoto estava em um dilema, ele deveria entrar na toca do coelho? Ou deveria desistir, e jamais contar sobre isso para ninguém, seus amigos achariam que ele se juntou com algum grupo de drogados do parque, e provavelmente o internariam. Mas, e se ele entrasse como ele faria para voltar depois? Provavelmente ficaria com a roupa toda suja, e teria que explicar para os outros o que aconteceu, e no final das contas, tudo acabaria com seus amigos achando que ele era drogado. Drogado por drogado, o ideal era entrar pela toca do coelho e acabar com toda aquela curiosidade. Ele se abaixou, e tentou olhar como era o local por dentro, o que foi inútil já que estava tudo escuro, apenas respirou fundo e começou a praticamente rastejar pelo local, que era pequeno e úmido, até se ver em uma queda livre para o desconhecido.

Estranhamente, agora tudo estava iluminado, e ele podia ver como era o local que estava caindo, guarda-louças, estantes de livros, e quadros pendurados por um prego, ele se perguntou como aquelas coisas foram parar ali, e se elas estavam caindo junto com ele, pensou em como iria se machucar caso caísse em cima de uma das estantes. Demorou um certo tempo até que o mesmo atingisse o chão, e estranhamente ele estava inteiro, sem nenhum machucado, estava feliz por estar vivo, pensou que iria acabar morrendo por conta da altura que caiu. Quer dizer, em circunstâncias normais, as pessoas morreriam se caíssem dessa altura, não é mesmo? Tentou ignorar isso é começou a caminhar pelo longo corredor a sua frente.

Chegou até um salão comprido, iluminado por uma fileira de lâmpadas, havia várias portas brancas nele, mas a única que importava era uma minúscula, onde ele vira o coelho passar apressado, antes de chegar lá à porta foi fechada, ele se abaixou para tentar abrir, mas ela tinha sido trancada, ele se jogou no chão frustrado, e agora o que ele iria fazer? Além de não ter a chave para abrir a porta, ele era grande demais para passar pela mesma.

Avistou uma pequena mesa de vidro no meio do salão, e caminhou até ela, não havia nada em cima dela, apenas uma pequena chave de ouro, pelo tamanho ele logo imaginou que seria da pequena porta. Ótimo, já sabia como iria abrir a porta, agora precisava descobrir uma maneira de passar por ela.

Olhou impaciente em volta a procura de algo que o pudesse ajudar, e quando voltou sua atenção para a mesa novamente, se deparou com uma garrafa em cima dela, ele podia jurar que não tinha nada ali em cima antes, mas não questionou muito, aquilo poderia ajuda-lo a passar pela porta, ele pegou a garrafa e a analisou com cuidado, tinha uma pequena plaquinha, onde estava escrito “beba-me”. Antes de beber o conteúdo da garrafa, colocou a chave no chão, ele não seria burro o suficiente de deixar a chave em cima da mesa, pegou a garrafa e bebeu aquele líquido doce, que parecia uma mistura de sabores que ele não saberia descrever.

Sentiu seu corpo diminuir, mas suas roupas não estavam ficando pequenas junto, logo, ele se viu minúsculo e nu. "“Legal”, pensou “ Agora eu tenho a chave para a abrir a porta, e o tamanho ideal para passar por ela, agora eu só preciso de roupas". Bufou, e olhou em volta novamente, seus olhos passaram por um baú, ele sorriu, ele se sentia sortudo por isso, mas sentiu toda aquela felicidade ir embora ao abrir o caixa de madeira e se deparar com um belo e fofo vestido azul.

- Isso é sacanagem comigo, não é?

Suspirou, não tinha outra escolha a não ser vestir aquela roupa, vestiu todas as peças que tinham no baú, menos as roupas íntimas, ele parecia uma bonequinha vestido com aquele vestido, a meias brancas compridas que iam até a sua coxa, e delicadas sapatilhas pretas. Ele estava rindo da sua aparência, mas logo pegou a chave e abriu aquela pequena portinha e ficou encantado com o que viu.

De sua perspectiva as flores eram enormes, pareciam ter dois metros de altura, e aparentemente conversavam entre si, elas pareciam não ter reparado na presença do garoto enquanto tagarelavam, mas ele não queria a atenção das flores, e sim de um certo coelho branco que tinha ganhado uma aparência humana diante de seus olhos. Ele tinha cabelo escuro, a pele branca, e se Jeonghan estivesse nas condições normais, o garoto seria menor do que ele.

- Coelho branco! - Gritou, tentando chamar sua atenção, mas o outro parecia não ouvir - Ei coelho, você poderia me ajudar? - Não tinha conseguido a atenção do coelho, mas as flores pareciam ter notado os gritos do garoto.

- Ei Dino, tem uma garotinha te chamando - Disse uma das flores, fazendo com que o coelho, que aparentemente se chamava Dino, virasse para trás para ver o que estava acontecendo, se surpreendeu ao ver Jeonghan, que estava um pouco irritado.

- Eu não sou uma garota - Resmungou, mas os outros não deram atenção.

- Alice?

- Eu não sou a Alice, meu nome é Jeonghan.

- Ah, isso é um problema. - O coelho estava inquieto - Como você chegou aqui?

- Eu te segui.

- Então você é a Alice.

- Já disse que eu não sou a Alice.

- Isso só pode ser um erro, eu não acredito que eu trouxe a pessoa errada.

- E eu não acredito que você me confundiu com uma garota.

Dino não deu atenção para as palavras do outro, precisava resolver isso, mas ele não tinha tempo para isso, estava atrasado para seu compromisso com a rainha. Suspirou e voltou sua atenção para o garoto de cabelos compridos.

- Procure pelo chapeleiro, ele vai saber como te ajudar.

Disse e sumiu no horizonte deixando Jeonghan sozinho. O garoto ficou desesperado por um minuto, agora ele estava sozinho no meio daquele jardim, e não tinha ideia de como começar a procurar esse tal de chapeleiro, pensou em pedir ajuda as rosas, mas elas não pareciam mais se importar com o garoto, o ignorando, então decidiu começar sua busca e começou a caminhar pelo jardim.

Ele sentia como se estivesse andando em círculos, totalmente perdido, sentou-se em uma pedra e suspirou, no que ele foi se meter?

Agora ele estava perdido em um lugar completamente estranho, onde coelhos viram humanos e flores podem falar, e para piorar, ele não tinha mais do que 20 centímetros de altura. Cogitou a ideia de estava ficando louco, principalmente quando viu um sorriso flutuar no ar, olhou fixamente enquanto via aparecer a cabeça de um gato.

- Olá Alice.

Disse o gato, antes de desaparecer completamente. O lugar foi coberto por fumaça, que aos poucos foi ganhando forma humana, grandes olhos azuis brilhantes se destacam na paisagem, em seguida seu sorriso brilhante ganha forma. Por mais que tivesse um corpo humano, possuía orelhas de gato, e uma enorme cauda felpuda, ela tinha duas cores, preto e azul, assim como suas orelhas e seu cabelo. Usava um terno azul escuro brilhante, digno de uma corte, a fumaça sumiu, e com ela o brilho dos olhos do gato, que agora ganhara uma coloração escura, o mesmo olhou para baixo, para o pequeno garoto que tinha os olhos grudados em si.

- Precisa de ajuda? Parece perdido - Disse ironicamente.

- O coelho me mandou procurar pelo Chapeleiro, mas eu não faço ideia de como acha-lo.

- Oh Alice, que memoria fraca a sua, não se lembra de que eu ensinei o caminho para você da ultima vez? Alias, tem alguma coisa diferente em você.

- Eu não sou Alice, e eu nunca estive aqui antes.

O gato olhou espantando para o garoto, e desapareceu na sua frente, Jeonghan bufou irritado, ótimo estava sozinho de novo, era o que ele pensava até o ver o felino reaparecer ao seu lado, e para sua surpresa, ele estava pequeno como ele.

- Se você não é Alice, quem você é?

- Jeonghan, e você?

- Sou o gato de Cheshire. - Jeoghan teve uma tentativa falha de pronunciar o nome do outro, que apenas riu do esforço loiro, e falou. - Mas se preferir, você pode apenas me chamar de DK.

- É bem mais fácil, você vai me levar até o Chapeleiro?

DK assentiu com a cabeça e levou Jeonghan até a casa do chapeleiro, no caminho encontraram com os gêmeos Tweedledum e Tweedledee, o loiro tinha problemas para pronunciar os nomes das pessoas desse lugar, imaginou se a verdadeira Alice também enfrentou esse problema, por sorte os gêmeos, assim como DK, também tinham apelidos, Jun e The8, e por mais que fossem gêmeos, eles não se pareciam nada, The8 tinha cabelos loiros e encaracolados como os de um anjo, e o outro parecia que tinha saído de algum drama chinês de vampiros. Os irmãos acompanharam Cheshire e Jeonghan até a casa do Chapeleiro.

O gato de Cheshire voltou ao seu tamanho normal e colocou Jeonghan em seu ombro quando estavam se aproximando da casa. De longe já era possível ver a casa, ela não era muito grande, seu formato lembrava ao de uma cartola, o segundo andar possuía duas janelas redondas enormes, que lembravam aos óculos steampunk, a casa era toda feita de madeira, e no topo tinham quatro pás de moinho. Em frente da casa, uma comprida mesa de madeira estava exposta com várias guloseimas e bules de chá.

Chapeleiro estava sentado na ponta, seu cabelo alaranjado estava escondido sob a cartola que usava, ela tinha cor escura, e possuía uma fita azul turquesa amarrada em volta, com um delicado laço na parte de trás, era enfeitada com um relógio e penas. Usava um delicado terno azul escuro com renda preta e botões dourados, tinha uma gravata azul turquesa, combinando com a da cartola, em forma de laço, com um broche em formato de mariposa com uma pedra lápis-lazúli. Seus olhos eram escuros e estavam fixados nos visitantes que acabaram de chegar.

A Lebre de Março estava sentada ao seu lado, ele também tinha forma humana, e não parava de rir, e falava várias coisas sem sentido, como a falta de gotas de chocolate no chá, ele vestia uma blusa marfim de seda e um sobretudo bege, ele tinha longas orelhas castanho-avermelhado, assim como seu cabelo. Ao seu lado estava um rapaz com orelhas pretas, assim como o seu cabelo, que lembravam as de um camundongo, usava uma blusa social branca, com um laço preto, calças vinho e botas, mantinha uma espada presa no cinto.

- Olá Chapeleiro, encontrei esse pequeno ser perdido no meio da floresta, ele disse que estava atrás de você - Disse DK, enquanto Jeonghan em cima da mesa.

- Alice ?

- Jeonghan, por que as pessoas estão me chamando de Alice?

- Porque você está usando as roupas dela.

- Eu perdi minhas roupas quando encolhi.

- Hm...Faz sentido, nesse caso, coma isso. - Chapeleiro entregou um pequeno bolinho escrito "coma-me" para o loiro - Mas coma apenas um pouco. - Disse enquanto o colocava no chão. Jeonghan comeu um pequeno do bolo, e logo voltou ao seu tamanho normal, estranhou o fato de que suas roupas cresceram junto de seu tamanho.

- Por que essas roupas acompanharam o meu crescimento, mas as minhas roupas normais não?

- A diferença é que essas roupas são magicas.

- Hmm....Se não fosse incomodar, eu acho que essas roupas não são muito apropriadas para minha pessoa. - Chapeleiro pensou por um minuto, analisando as vestimentas do garoto.

- Eu discordo, acho que você fica muito bonito com elas. - E ficaria ainda melhor sem elas, pensou Chapeleiro, sorriu imaginando como seria o corpo do loiro. Jeonghan ficou vermelho por conta do comentário do outro, sem nenhuma resposta, e no final, Chapeleiro acabou cedendo. - Me acompanhe, vou arrumar roupas para você.

Chapeleiro levantou da cadeira e fez sinal para que Jeonghan o acompanhasse, o garoto assentiu com a cabeça e o seguiu para dentro da casa de madeira. A casa por dentro era bonita e confortável, não tinha muitos móveis e nem os equipamentos eletrônicos que Jeonghan estava acostumado a ver nas casas normais do lugar de onde veio, apenas dois sofás, uma mesinha de centro e algumas estantes com livros. Seguiu por um pequeno corredor até chegar onde imaginou ser o quarto de chapeleiro, o loiro sentou-se na cama, enquanto o alaranjado procurava por uma roupa em seu guarda-roupa, ele tirou dali um terno não muito diferente do que estava usando, a diferença era que possuía uma cor turquesa, o que fazia com que a renda preta chamasse mais atenção na roupa.

- É um terno muito bonito - Falou Jeonghan - Mas, você poderia me arrumar roupas íntimas também? Eu também as perdi.

- Ah sim, claro. - Chapeleiro se deliciou com o pensamento de que o loiro não estava vestindo absolutamente nada por baixo daquela saia, pegou a peça que faltava no armário e a entregou para o garoto - Quando terminar vá lá para fora, estaremos te esperando para o chá. - Disse antes de sair do quarto.

Jeonghan esperou até ter certeza de que estava sozinho na casa, e começou a se despir, finalmente se livrando daquele vestido e daquelas meias que marcaram sua coxa. Vestiu a roupa que o outro o entregou, para sua surpresa, tinha servido perfeitamente. Saiu do quarto quando já estava pronto, e voltou para o lugar onde os outros o esperavam, sentou-se ao lado de Chapeleiro.

- Ah finalmente, vejo que as roupas ficaram perfeitas em você.

- Sim, muito obrigado. - Sorriu - Acho que devo me apresentar formalmente, não? Meu nome é Jeonghan - Disse olhando para as outras pessoas na mesa.

- Eu, como você já sabe, sou o Chapeleiro, mas você pode me chamar de Joshua ou Jisoo, se preferir. Aquele é a Lebre de Março - Disse apontando para o garoto com enormes orelhas - Mas você também pode chamá-lo de Seungkwan ou de Boo. E por último, o meu amigo com orelhas de rato, S. Coups.

- É um prazer conhecer vocês.

- Então, me responda uma coisa Jeonghan - Fez uma longa pausa, e não tirou os olhos um segundo do loiro - Por que um corvo se parece com uma escrivaninha?

- Ora, como você espera que eu saiba a resposta disso? - Tentou pensar um pouco, mas nada veio à cabeça - Eu desisto, qual é a resposta?

- Não tenho a menor ideia.

- Então por que você me perguntou?

- Não sei, imaginei que você soubesse como responder. - Deu de ombros - A próxima pergunta você saberá responder, como você chegou ao País das Maravilhas?

- Estava esperando pelos meus amigos no parque, até que um coelho branco usando um colete passou por mim reclamando que estava atrasado.

- Dino? Eu nunca vi aquele coelho não reclamar que está atrasado.

- Sim, eu o segui até a toca, e resolvi entrar, e quando vi estava aqui.

- Que intrigante, a única pessoa do seu mundo que nos visitou foi Alice.

- Será que ele será a pessoa que acabara com a guerra? - Questionou Coups.

- Eu sugiro levarmos ele até a lagarta. - Sugeriu The8

- Eu acho essa ideia excelente - Disse Boo, praticamente gritado.

- Então vamos todos! - Exclamou Joshua de levantando da mesa.

Terminaram de tomar seu chá e foram em rumo a lagarta. Jeonghan não se espantou ao ver que a lagarta também tinha forma humana, só se questionou o porquê de eles o chamarem de lagarta, mas ignorou isso, nada naquele lugar fazia sentido. A lagarta era um belo garoto de cabelos castanhos com mechas douradas, a pele branca tinha um contraste bonito com a roupa azul escura que usava, estava deitado em cima de um cogumelo, fumando tranquilamente um comprido narguilé.

- Quem é você? - Perguntou a lagarta olhando diretamente para o garoto de cabelos compridos.

- Meu nome é Jeonghan, e eu sou do Reino dos Humanos. - A lagarta arqueou uma sobrancelha.

- E o que te traz ao País das Maravilhas?

- É isso que gostaríamos de saber Vernon. - Disse Joshua se aproximando do cogumelo.

- Vocês esperam que eu tenha todas as respostas?

- Ou pelo menos algo que ajude, não deveria ser Alice aquela que iria acabar com a guerra?

- Aparentemente estávamos errados ao pensar isso.

- Desculpe atrapalhar a conversa, mas de que guerra vocês estão falando?

- Vocês não falaram para ele?

- Não tivemos tempo...

- Eu vou te contar - Disse Vernon, dando uma última tragada em seu narguilé. - Nosso reino atualmente está dividido em dois, de um lado o Rei Vermelho Woozi acusando que, o guarda real Mingyu quebrou seu violão, e do outro lado, o Rei Marfim Wonwoo, falando que seu nobre cavaleiro fez isso sem querer, e Woozi não deveria ser tão drástico.

- Não posso acreditar que a guerra tenha um motivo tão idiota, vocês nunca pensaram em dar um violão novo para Woozi? - Todos olharam para Jeonghan por um minuto, eles não tinham pensado nisso, parecia algo tão simples, mas mesmo assim, só ficaram assistindo aos dois Reis brigarem sem fazer nada.

- Até que não é uma ideia tão ruim.

- Não é, mas para funcionar o próprio Mingyu terá que entregar o violão para o Rei Vermelho.

- E aonde nos podemos arrumar um violão por aqui?

- Sugiro que procure na loja de Excentricidades Humanas.

- Você tem certeza disso Vernon? Pode ser perigoso.

- Não deve ser tão ruim quanto lutar com um Jaguadarte, não? - Falou Jeonghan.

- Se você não tomar cuidado, e acabar acordando as prateleiras, que são feitas de madeira tulgey, elas podem te levar para um lugar chamado Qualquer Outro Lugar..

- Como assim?

- Ela possui uma porta para outra dimensão na garganta, e se eu fosse você tomaria muito cuidado com ela, o mundo dos espelhos pode ser horrível, e se você for rejeitado pelo espelho, você volta de lá deformado.

Jeonghan sente uma onda de medo invadir seu corpo, mas agora era tarde, ele precisava cumprir sua missão e trazer a paz ao reino. Respirou fundo, ele não iria ter medo da madeira Tulgey, nem de ser mandando para Qualquer Outro Lugar, muito menos de ser rejeitado pelo espelho e ficar deformado e ainda lutaria com um Juaguadarte se fosse preciso, Jeonghan tentou entender porque ele tinha cismado com Juaguadarte, só conseguia pensar nisso.

- Onde é que fica essa loja? - Falou decidido, deixando todos espantados.

- Eu irei te levar até lá. - Disse chapeleiro sorrindo, estendendo sua mão para Jeonghan - Vamos?

O loiro pegou na mão do outro, e ouviu seus amigos desejando boa sorte enquanto começavam sua caminhada em rumo à loja das Excentricidades Humanas, ou pelo menos era isso que Jeonghan pensava, até que quando já estavam consideravelmente longe do lugar de onde saíram, Jisoo parou de andar e o olhou sério.

- Que foi? - Questionou Jeonghan preocupado.

- Nos não precisamos ir para a loja, nos podemos fazer um acordo.

- Como assim?

- Eu tenho vários violões em minha casa, e poderia entregar um para o Rei, se você me desse algo em troca.

- O que você quer? - Joshua se aproximou do loiro.

- Um beijo - Sussurrou em seu ouvido, deixando Jeonghan totalmente sem reação.

Começou a pensar que beijar chapeleiro não seria tão ruim, quer dizer, era isso ou correr o risco de ser devorado para outra dimensão. Não pensou muito, e logo respondeu a proposta do outro.

- Eu aceito a sua oferta.

- Fico feliz em ouvir isso.

- Devo te beijar agora?

- Não, apenas quando tudo isso acabar, ai sim você paga a sua parte do acordo.

- Combinado. - Eles apertaram as mãos, Chapeleiro mal podia esperar para que tudo isso acabasse, para poder sentir os lábios do loiro nos seus.

Agora, a caminhada deles tinha tomado outro rumo, estavam voltando para o ponto inicial, a casa do Chapeleiro, por sorte, lá estava vazio, todos deveriam ter ido para o castelo do Rei Marfim esperar pelo retorno deles, entraram na casa apressados, Chapeleiro pegou um dos seus melhores violões, e os dois logo estavam a caminho do castelo, durante o percurso falavam de coisas aleatórias, sobre como era a as coisas no Reino dos humanos, entre outros. Logo, já estavam passando pelos enormes portões do Reino, onde todos os esperavam ansiosos.

O Rei de Marfim olhava esperançoso para lá garotos que acabaram de chegar, queria acabar logo com a guerra. Wonwoo era muito bonito, possuía um olhar profundo, que se destacava ainda mais com a maquiagem escura, sua pele era pálida, os cabelos eram negros, e usava uma blusa e calça social branca, e estava descalço, por mais que seu cavaleiro Mingyu achasse que ele deveria usar roupas dignas da realeza, o Rei se sentia confortável usando essas roupas. Mingyu estava ao seu lado, impaciente, usava belas roupas como as de um cavaleiro.

Chapeleiro entregou o violão para Jeonghan, para que o mesmo o entregasse para o Rei. O Rei observou todos os detalhes do objeto, desde suas cordas até os mínimos detalhes na madeira, e o entregou para Mingyu. Voltou sua atenção para o garoto a sua frente, olhando cuidadosamente para os traços de seu rosto, e para seu longo cabelo loiro.

- Agradeço por ajudar o meu reino a se redimir com o de Woozi.

- Não é como se ele não fosse ganhar nada em troca - Joshua sorriu malicioso, Jeonghan arregalou os olhos, espantado.

- Não é nada disso! Vocês precisavam de ajuda e eu tinha a solução. - Wonwoo sorriu enquanto olhava para os dois, conhecia muito bem Chapeleiro, já podia imaginar o que estava acontecendo.

- De qualquer forma, muito obrigado. Tudo ocorreu tranquilamente na loja?

- Na verdade - Começou o alaranjado - A ida até a loja não foi necessária, eu tinha um violão sobrando em casa, então fiz um acordo com Jeonghan...

- Sim, foi tudo tranquilo, não encontramos problemas - Jeonghan praticamente gritou, abafando o que o outro havia dito, dava para perceber nitidamente o nervosismo em seus olhos - Quando nos vamos entregar o violão para o Rei Vermelho?

- Amanhã pela manhã, sugiro que passem a noite aqui - Fez um sinal para que suas serviçais - Levem os para seus aposentos.

- Obrigado majestade.

Acompanharam elas até o interior do castelo, Jeonghan olhava para tudo impressionado, nunca tinha visto nada tão bonito antes, o interior do castelo era todo em branco e marfim, o quarto onde ele ia ficar era bem espaçoso, tinha uma cama de casal no centro, com lençóis brancos com bordados em bege, Jeonghan se jogou na cama, sentindo a textura macia deles, naquele momento não sentiu nenhuma vontade de voltar para casa, fechou os olhos e suspirou, ele poderia se acostumar com as loucuras de lá.

O loiro acabou adormecendo, e quando acordou, sentiu seu estômago gritando por comida, saiu do quarto e olhou para ver se tinha alguém no corredor, mas ele estava vazio, então decidiu sair e procurar pela cozinha. Só não contava que o castelo seria tão grande, e que ele acabaria perdido. Ao passar em frente a um portal que levava até a varanda em frente ao jardim, ouviu uma voz familiar o que o fez parar, e voltar para ver quem estava ali. O Rei Marfim estava conversando com Mingyu, Jeonghan se escondeu atrás de uma cortina, para não correr o risco de os dois verem que ele estava ali. Wonwoo olhava fixamente para o jardim a sua frente, enquanto Mingyu tinha toda a sua atenção voltada para o rei.

- Finalmente a guerra vai acabar. - Disse o rei, enquanto esboçava um sorriso.

- Sim, graças aquele garoto, finalmente a paz vai voltar para o reino.

- Mas vocês sabe que nós não precisaríamos ter passado por tudo isso se você não tivesse ido até o quarto de Woozi.

- Não foi culpa minha, e você sabe disso, eu estava procurando pelo seu quarto quando sem querer acabei passando pelo quarto dele e ouvido a conversa.

- Eu sei, mas isso o deixou muito irritado - Suspirou - Sabe... Você nunca me contou sobre o que os dois conversavam...

- Era algo muito pessoal, mas lembravam das coisas que nos conversamos, só que da maneira deles claro. - Os dois riram, eles conheciam muito bem as personalidades opostas de Hoshi e Woozi.

- É incrível como mesmo depois de todo esse tempo, Hoshi ainda não desistiu de conquistar Woozi.

- É porque no fundo, ele sabe que Woozi o ama, e ele ainda tem esperança de que um dia Woozi aceite seus sentimentos. - Acariciou o rosto do outro - Assim como eu ainda tenho esperança de que você aceite os meus...

- Mingyu..

Antes que pudesse falar qualquer coisa, Mingyu se aproximou e o beijou, Wonwoo logo se entregou, ansiava por isso já a algum tempo. Jeonghan observava toda a cena com um imenso sorriso no rosto, eles combinavam tanto, por um minuto se lembrou do acordo que fez com Joshua, e se sentiu um pouco ansioso por isso. Estava prestes a sair de lá, quando sentiu uma respiração em seu pescoço, seguido de um sussurro:

- Perdido? - Quase pulou por conta do susto, mas logo se recompôs.

- Ah, Sim.. Eu estava procurando pela cozinha e acabei me perdendo - Se virou para ver com quem estava falando, e se deparou com um garoto loiro na sua frente, usando roupas parecidas com as de Mingyu, imaginou que fosse outro cavaleiro.

- Você é novo por aqui? Não me lembro de ter te visto antes.

- Sim, é a minha primeira vez aqui...

- Onde estão meus modos? Prazer, meu nome é Minhyuk, sou um dos cavaleiros do reino - Beijou uma de suas mãos, sem tirar os olhos do loiro.

- Prazer Minhyuk, eu sou Jeonghan.

- Então é sobre você que todo o castelo está falando?

- Sim.

- Fico feliz por ter te encontrado perdido aqui, estava curioso para saber quem era aquele que trouxe a paz ao reino - Jeonghan corou.

- Hm, eu só dei uma pequena sugestão...

- De qualquer forma, a ideia ainda foi sua - Sorriu - Venha, vou te levar até a cozinha.

- Não será preciso, eu mesmo o levo até lá – Jeonghan sentiu uma mão em volta do seu ombro, olhou para o lado e viu Joshua.

- Eu já disse que iria fazer isso, você pode voltar para seus aposentos.

- Mas agora eu estou aqui e vou acompanhá-lo até lá.

- Você precisa estar descansado para amanhã, deixa que eu o acompanhe.

- Desculpe, mas quem você pensa que é?

- Sou um dos cavaleiros do rei, e você quem?

- Sou o namorado dele – Jeonghan olhou para Joshua confuso, como assim namorado? De onde ele tirou isso? Chapeleiro apenas olhou para o loiro e sorriu.

- Ah...Vocês são namorados? – Minhyuk olhou para Jeonghan.

- Sim – Jeonghan não acreditava no que tinha acabado de falar, mas ele não iria contrariar o Chapeleiro, pelo menos não agora, eles teriam tempo para discutir sobre isso depois – Nos somos namorados.

- Me desculpe, eu não sabia, eu vou me retirar – Jeonghan esperou até que Minhyuk desaparecesse no corredor para finalmente dar um tapa em Jisoo.

- Como assim namorados?

- Nos temos um acordo, não vou deixar que outras pessoas se aproximem de você até que tenha comprido a sua parte. – Sorriu ao lembrar-se da cena – Não sei por que você está reclamando – Se aproximou e sussurrou em seu ouvido – Você não hesitou em concordar – Beijou seu rosto, Jeonghan sentiu seu rosto queimando pelo contato que o outro, que o puxou pelo braço em direção à cozinha.

- Onde estamos indo?

- Você não disse que estava com fome?

Jeonghan nem se lembrava mais do porque tinha saído do quarto, até sentir seu estômago gritando por comida. Chapeleiro estava muito concentrado em preparar algo para o loiro comer, ele ia de um lado para o outro pegando os ingredientes, Jeonghan observava tudo encostado na bancada. Joshua sorriu orgulho ao servir o garoto, ele tinha feito um simples sanduíche, o loiro sorriu e agradeceu. Jisoo observava enquanto o outro devorava o sanduíche, depois o acompanhou até seu quarto, em silêncio.

- Esteja preparado para amanhã, trate de descansar.

- Digo o mesmo para você, boa noite Joshua.

- Boa noite.

Jeonghan entrou no quarto fechando a porta atrás de si, caminhou até a cama, se jogando nela, lembrando-se do comportamento do alaranjado, parando para pensar agora, seu comportamento era como os de alguém que está com ciúmes, achou esse pensamento fofo, Joshua com ciúmes? Lembrou que desde que chegou ao País das maravilhas, ele ficava o provocando, ou simplesmente olhando como se pudesse agarrar ele naquele momento. E com esse pensamento, o garoto acabou pegando sono.

Na manhã seguinte todos estavam muitos tensos no castelo, os soldados já estavam prontos para caso algo desse errado, e o Rei Vermelho mandasse atacar. Quando todos já estavam prontos, foram em rumo aonde o encontro tinha sido marcado, no tabuleiro de xadrez. De um lado estava o Rei Vermelho Woozi, com seu leal cavaleiro Hoshi ao seu lado, e seu exército atrás. Do outro, o Rei Marfim Wonwoo, Mingyu ao seu lado direito, Jeonghan e Chapeleiro à esquerda, atrás deles além do exército, estavam os habitantes do País das Maravilhas. O gato de Cheshire apareceu ao lado de Jeonghan.

- Isso é tão excitante! Você está confiante de que isso vai dar certo?

- É isso ou eles vão batalhar até a morte.

- Não me importaria de presenciar uma guerra sanguinária. – Disse antes de desaparecer.

Ambos os reis caminharam até o centro do tabuleiro, com seus cavaleiros atrás de si, Mingyu segurava o violão.

- Olá Woozi, quanto tempo não?

- Sim, da última vez que nos vimos seu cavaleiro quebrou meu violão.

- Se bem me lembro foi você quem quebrou o violão nele.

- Se bem me lembro foi ele quem estava bisbilhotando atrás da porta, ele tem sorte por eu não ter mandado cortar-lhe a cabeça.

- Em compensação você começou uma guerra entre os reinos.

- Você acha que eu deixaria isso passar impune?

- Hey! Vocês estão aqui para fazer as pazes ou para piorar a situação? – Questionou Jeonghan.

- Sim, você está certo, o objetivo aqui é acabar com a guerra.

- Estou curioso, como pretende fazer isso?

- Lhe oferecendo um violão novo em um acordo de paz. – Mingyu entregou o violão para o menor, que pegou e analisou o objeto antes de entregá-lo para Hoshi.

- Eu aceito sua oferta, e declaro a guerra acabada. – Disse Woozi em um tom autoritário.

Nesse momento todos começaram a comemorar, uma enorme festa se montou ali, no calor da emoção, Hoshi acabou puxando Woozi para um beijo, o menor correspondeu ao beijo, mas logo em seguida deu um tapa no rosto de Hoshi, e virou o rosto para o outro lado corado, Hoshi passava a mão no local do tapa sorrindo, por mais que tivesse doído, sabia que isso só tinha acontecido porque Woozi tinha medo de admitir seus sentimentos.

Enquanto todos comemoravam, Jeonghan e Joshua caminhavam pela floresta em rumo a casa do alaranjado, não demoraram muito para chegar lá, eles foram praticamente correndo. Estavam ansiosos para esse momento, passaram a noite pensando nisso, assim que chegaram Jisoo trancou a porta, não que alguém fosse aparecer, já que estavam todos na festa, mas não queria correr riscos.

- Então chegou a hora de cumprir sua parte do contrato – Sorriu malicioso.

- Por que você quis fazer isso aqui? Não seria melhor fazer isso na frente de Minhyuk?

- Seria um sonho, mas vou ter que deixar isso para outra oportunidade – Se aproximou, segurando a cintura do loiro – E eu te trouxe para cá, porque queria ficar sozinho com você.

O puxou para um beijo, as mãos de Jeonghan logo foram até a nuca do outro, um beijo intenso e totalmente apaixonado, logo eles estavam andando em zigue-zague pela casa em direção ao quarto, sem separar o beijo, se livrando de seus ternos e os jogando pelo caminho, desajeitadamente tiraram seus sapatos antes de Jisoo jogar o loiro na cama, se colocando de joelhos por cima dele, as mãos do mais velho foram até os botões da blusa social do alaranjado a abrindo apressado, a arrancando em seguida, levou uma de suas mãos até a nuca do outro, e a outra deslizou por seu peitoral até a sua calça, acariciando seu membro por cima do tecido, Chapeleiro gemeu baixo por causa do toque do outro.

Joshua separou o beijo, e tirou a roupa do loiro, e se livrou das peças restantes que vestia em seguida. Jeonghan jogou o outro na cama, se colocando por cima do mesmo, o mais velho fez um caminho de beijos começando pelos lábios do outro, indo descendo pelo seu pescoço, ficou ali por algum tempo, dando leves chupões no local, depois seguiu pelo peitoral do outro, até chegar a sua ereção a envolvendo com a mão, fazendo movimentos lentos para cima e para baixo, enquanto lambia a glande, abocanhando toda a sua extensão em seguida, isso fez com que Chapeleiro gemesse, levanto as mãos até o loiro, e ditando a velocidade das estocadas, logo o alaranjado chegou ao seu ápice se desfazendo na boca do loiro, que levantou para beijar o mais novo em seguida.

Joshua levou os dedos de Jeonghan até sua boca e os chupou até que estivessem úmidos, o loiro mordeu os lábios com a cena, Jisoo sorriu malicioso, enquanto o mais velho levava sua mão até a entrada rosada do mais novo e fazia pressão com os dedos ali, beijava seu pescoço quando penetrou o primeiro dedo na entrada do alaranjado, que soltou um gemido de dor, os outros 2 dedos entraram em seguida, sempre com um pequena pausa entre eles para que o mais novo se acostuma-se com dor.

Ajeitou-se no meio das pernas de chapeleiro, e o beijou quando começou a penetra-lo, suspirou quando sentiu toda a extensão do loiro dentro de si, e quando tinha se acostumado com a dor, fez um sinal para que o outro começasse a se mover.

Jeonghan começou com estocadas lentas, acelerando conforme os gemidos de Jisoo aumentavam. O loiro começou a massagear o membro do mais novo, quando percebeu que por conta de suas estocadas, ele estava ficando ereto de novo.

Já podia sentir o pré-gozo do outro escorrer pela sua mão, e sentia que seu ápice estava perto, o que o fez aumentar a velocidade de seus movimentos. Os dois não tentavam nem um pouco controlar os gemidos de prazer, principalmente quando Jeonghan acertava seu ponto especial. E cada vez mais que o loiro ouvia o outro gemia pedindo por mais, mais excitado ficava, estava perdendo sua sanidade a cada estocada. Não demorou muito para que Joshua gozasse em sua mão, e ele dentro do interior do mais novo.

Jogou seu corpo cansado e suado ao lado de Jisoo, ambos estavam ofegantes, o mais novo se ajeitou nos braços do loiro, que acabou pegando no sono em seguida.

Quando acordou Jeonghan percebeu que não estava mais no quarto de chapeleiro, sentou-se rapidamente, percebendo que estava novamente no parque, vestindo suas roupas originais. Começou a pensar que tudo aquilo tinha sido um sonho, se sentiu triste por causa disso, por mais que fosse louco, ele tinha gostado do País das Maravilhas. Principalmente de um certo chapeleiro maluco, que simplesmente tinha roubado seu coração e lhe proporcionado a melhor foda da sua vida.

- Hey Jeon! - Olhou para o lado procurando o dono daquela voz, e apenas tinha visto seus amigos se aproximando - Nos desculpe pela demora, tínhamos ido buscar um parente meu no aeroporto.

- Hm, tanto faz, eu não senti o tempo passando..

- De qualquer forma, deixa eu te apresentar ele - Um garoto de cabelos alaranjados e olhos escuros apareceu em sua frente, Jeonghan paralisou, o garoto é a cópia do seu chapeleiro - Jeonghan, esse é o Joshua.

Joshua.

Era o mesmo nome.

Começou a se perguntar se realmente tinha sido um sonho. Apenas sorriu para o alaranjado, e eles começaram o piquenique, todos conversavam sobre coisas aleatórias, mas o loiro só tinha atenção para Joshua, ficava revendo as imagens do País das Maravilhas na sua mente. Não poderia ter sido só um sonho, ele sentia como se tudo fosse real. Definitivamente, ele estava louco.

Ao final do dia, depois de todos se despedirem, Joshua puxou Jeonghan para o canto, o loiro estranhou o ato do mais novo, mas apenas o acompanhou.

- Você ficou me olhando o tempo todo, algo errado?

- Ah? Não, nada de errado... É que você me lembra a um amigo meu - Riu desviando o olhar, não imaginava que tinha sido pego.

- Você poderia me contar mais sobre esse seu amigo? Que tipo de relação você tinha com ele?

- Digamos que, éramos mais do que amigos - Joshua sorriu com a resposta do outro.

- Querido Jeonghan, permita-me fazer uma pergunta, por que um corvo se parece com uma escrivaninha?

- Chapeleiro - Um sorriso se formou em seus lábios e logo correu para abraçar o outro - Então não foi um sonho.

- Não, foi tudo muito real.

- Então por que você me trouxe de volta?

- Pensei que você quisesse ficar aqui, junto de seus amigos, família.. - Disse enquanto brincava com uma mecha do cabelo do loiro.

- Você está errado, eu não tenho nada que me prende a esse lugar, eu não queria ter voltado.

- Bastar pedir e eu te levo de volta - Deu um beijo rápido nos lábios do mais velho.

- Chapeleiro, me leve de volta.

8 de Junio de 2018 a las 19:54 0 Reporte Insertar 2
Leer el siguiente capítulo Underground

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 2 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión

Historias relacionadas