Vestiário Seguir historia

minseokbaek kel

Andando por aí com seu inseparável fone de ouvido azul e seus ursinhos de gelatina, Oh Sehun nunca pensou que acabaria debaixo do chuveiro com Zhang Yixing, treinador do seu time. {sexing | pwp | universidade!au}


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#yaoi #lgbt #sexo #homossexualidade #exo #sehun #heterossexualidade #sexing #hunlay #lay
Cuento corto
25
5160 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Trovoadas, água quente e gummy bears

Zhang Yixing era um homem e tanto. E isso era tudo que a mente de Sehun gritava desde que entrou para o time da universidade. Calouro, cheio de sonhos, conseguiu uma bolsa numa das melhores instituições de Seoul por conta dos esportes.


Modéstia parte, ele era um jogador muito bom. Passe pra cá, passe pra lá, Sehun sempre conseguia finalizar um ponto, considerado arma secreta do seu time da escola durante o colegial. Nunca tinha sido nomeado capitão de um time e isso talvez fosse algo que o desanimasse, porque ele só era o carinha alto e esquisito que chutava bem, muitas vezes salvava o time. Mas eram só horas de reconhecimento antes da vitória ser parabenizada ao quarterback, porque isso era tudo que as pessoas conheciam.


Talvez isso tenha sido o que mais o deixou surpreso quando entrou na faculdade. As pessoas realmente gostavam dele, elogiavam seus movimentos e o faziam como parte do time, porque no fim das contas o que ele queria não era popularidade, era pertencer. E tudo isso graças ao treinador.


Yixing, com seus recém formados 26 anos, foi um capitão glorioso durante a maior parte da sua vida, até sofrer uma lesão no tendão esquerdo, o impedindo de competir. Não quis abandonar o futebol e passou a ajudar no treinamento do seu time. Tinha sido estagiário do treinador Donghyun na universidade por três anos, assumindo o posto quando o velho decidiu que podia confiar no chinês (mesmo que vez ou outra, fizesse uma visita ou atendesse ligações preocupadas). E os alunos se dividiram entre “novo demais para ser treinador” e “gostoso demais, imagina sem camisa”, nunca talentoso, esperto e estrategista o suficiente.


As pessoas têm dificuldade em reconhecer qualidades no que estava fora do padrão. Mas não Yixing.


Por isso que quando ele viu o cara que anda com fones de ouvido azuis na cabeça e um saquinho de gummy bears na mão, quase que religiosamente, marcar três pontos extras seguidos, enlouqueceu. Era bom demais pra ser verdade, porque não tinham um bom chute há um bom tempo.


Yixing era o maior fã de Sehun. Conversavam com uma frequência considerável pelos corredores, às vezes um aceno, ou um novo modo de jogo. Mesmo que Sehun estivesse acompanhado dos seus colegas de time, Chanyeol e Yifan, a atenção de Yixing sempre caía mais para o seu protegido calouro.


Um ano inteiro de vitórias se passou, e Sehun acabou descobrindo que ele também era, de certa forma, o maior fã de Zhang Yixing. Não conseguia evitar, mesmo que tenha tentado. E se amaldiçoava toda vez que lembrava que tinha uma queda pelo seu treinador. E não podia contar a ninguém.


Descobriu da pior forma que não dá pra ser jogador de futebol e homossexual sem ser agredido física ou mentalmente. E ainda assim não conseguia controlar o próprio coração.


Não conseguia acalmar o maldito, que bombeava muito rápido toda vez que Yixing entrava no campo. E o alongamento, então? Ele seria capaz de morrer com aquela proximidade, toda vez que as mãos do treinador seguravam suas pernas cruzadas e a empurravam rente ao peito, ficando louco com o sorriso pequeno que ganhava do chinês.


Às vezes parecia ser um interesse recíproco, às vezes parecia que ele só estava sendo simpático. Talvez Sehun nunca soubesse, porque continuaria fingindo que nada estava acontecendo, e que não gozava pensando em Yixing mais vezes que o necessário para sua sanidade.


Sentado na arquibancada com Joohyun, uma amiga que acabou fazendo na classe do ano atual, observava Yixing correndo pelo campo. Os fones gritavam 505, Arctic Monkeys, e ele mastigava seus ursinhos de gelatina em movimentos automáticos, com os olhos presos na figura bonita do treinador. Os braços bronzeados expostos pelo uso despreocupado da regata preta, as coxas levemente marcadas pelo calção que já não servia tão bem assim. Tudo era atrativo para ambos os estudantes.


Joohyun suspirou, cutucando Sehun para que ele abaixasse os fones, querendo conversar. Sehun atendeu o pedido, desviando os olhos da pista.


— Odeio a Joy e Yeri por me largarem aqui depois da aula. Tenho que ficar encarando esse pedaço de mau caminho sem poder fazer nada. - deitou no ombro largo de Sehun e fez um biquinho. Sehun soltou uma risada nervosa. Entendia a menina. — Daria muito.


O que Sooyoung e Yerim faziam depois da aula antes de irem pra casa que dividiam com Joohyun (que jamais perderia a carona), era algo que Sehun queria saber. Mas nunca efetivamente perguntou.


— Tecnicamente você é maior de idade. Se tiver cara de pau o suficiente… - Sehun deu de ombros. — Quem sabe?


Joohyun riu, empurrando o corpo de Sehun de lado.


— Safado. Mas eu tentaria se ele fosse hétero. - as palavras saíram com naturalidade e Sehun levantou as sobrancelhas, arregalando os olhos. Joohyun notou o que disse e cobriu a boca com as mãos. — Droga.


— O quê?


— Ai, Deus. Eu não acredito que eu fiz isso comigo mesma. - suspirou. — Mentira, quem eu quero enganar? Eu já tava louca pra falar disso. Se você disser um A pra alguém eu vou cortar seu pinto fora, entendido? - Sehun assentiu avidamente, com os olhos ainda mais abertos por conta da ameaça. Joohyun riu. — Você é muito fofo.


Joohyun levou a boca até o ouvido de Sehun, abafando sua voz com as mãos em concha. Sehun prendeu a respiração.


— Eu peguei o treinador Zhang dando uns amassos no Junmyeon na sala dos professores.

Sehun piscou algumas vezes, atordoado. A garota se afastou e ele alternou o olhar entre ela e o treinador, que agora bebia água. Sehun passou a língua pelos lábios, engolindo saliva em seguida.


— Q-Quê? Quand-


— Eu acho que você ainda não estudava aqui, foi no meu primeiro ano. Eu estava fazendo um trabalho insuportável e acabei ficando aqui até mais tarde. A máquina de cópias da biblioteca tinha pifado e eu precisava tirar cópias, então resolvi ir usar a máquina da sala de professores. E foi isso.


— Eu… Wow. Alguém sabe disso?


— Claro que não, você acha que eu sou maluca? Na verdade eu contei para as meninas, porque é seguro. E agora pra você. Se eu notar que você está tratando o Yixing com desrespeito eu vou te matar, fica avisado.


— Por que eu faria isso? - Sehun rolou os olhos. — E quem é Junmyeon?


Será que eles eram namorados? Por que Sehun se sentiu um pouco mal com aquele pensamento?


— Ele era professor de química, sabe? Dava aula de orgânica, era um fofo o cara. Mas ele foi embora depois do acontecido. Se mandou. Não sei se ficou com vergonha ou com medo, mas eu prometi que não ia contar nada. - Joohyun fez um biquinho. — Eu até achei os dois bonitinhos.


— Entendo… - Sehun desviou o olhar para o campo de novo, observando Yixing alongar as pernas. Joohyun semi cerrou os olhos, mas antes que falasse qualquer coisa, os dois escutaram passos nos degraus de ferro da arquibancada. Sooyoung e Yerim se aproximavam sorridentes.


— Depois a gente conversa, mas olha, bico calado! - Joohyun levantou o dedo indicador na direção de Sehun. Segundos depois, a garota estava descendo as escadas com as amigas, deixando Sehun com seus pensamentos.


Zhang Yixing era homossexual. Certo, ele podia lidar com aquela informação como se Joohyun tivesse dito que o céu é azul - o que não era no momento, inclusive, porque o dia estava nublado.


Ele não ia pensar que talvez os olhares de Yixing fossem mais que simpatia, ou alimentar esperanças. Era só um fato, ele ainda era o seu respeitoso treinador e nada mais que isso.


— Ei! - um grito não esperado fez o tronco de Sehun se sobressaltar e seu pacotinho de gummy bears quase ir ao chão. Ele piscou, procurando o local que a voz indicava, se sentindo envergonhado ao notar que Yixing acenava ao alcance dos seus olhos. Acenou de volta timidamente e o treinador o chamou com a mão no ar. — Vamos começar o treino!


Sehun franziu o cenho, mas levantou e passou a descer as escadas. Guardou seus pertences na mochila e a deixou em cima do banco.


— Mas é treino é daqui a meia hora. - Sehun estalou os dedos, andando na direção do chinês. Yixing tinha um sorriso pequeno no rosto. — Eu nem me troquei ainda.


— Vamos só fazer uns alongamentos e treinar chutes, já que você está aqui tão cedo. - Yixing segurou o ombro de Sehun, numa saudação amigável. A tensão presente no mais novo foi palpável, e o Zhang afastou a mão ao perceber, dando um sorriso esquisito. — Se estiver tudo bem.


— Ah, tranquilo.


Sehun tentou não olhar para os bíceps de Yixing, nem para seus olhos, nem para a gota de suor que escorria pelo seu maxilar. Sehun tentou tão achar cada parte daquele corpo sensual, mas falhou em todas as opções.


E Yixing fingiu não perceber que o jogador estava hiperventilando toda vez que chegava perto, e que se esforçava mais que o normal para conseguir manter a concentração. Fingiu não ter visto que o rapaz era amigo e conversava com Joohyun, a garota que tinha sua carreira nas mãos.


Ficou em dúvida, porque Sehun estava esquisito e algo o dizia que Joohyun tinha deixado coisas demais escaparem. E se seu jogador favorito soubesse? E se ele estivesse errado sobre suas suspeitas em relação a todos os olhares que trocaram por um ano? Sehun iria mudar com ele? Ficaria decepcionado.


Não tinha pretensão de se interessar por um aluno, nunca teve. Nunca soube o que em Sehun o encantou tanto, mas acabou se apegando a ele. Já pensou em tentar uma aproximação intencional, mas desistia no mesmo momento, porque isso era muito errado. Ele podia perder o emprego e o jogador, perderia a admiração e confiança dos outros alunos.


Provavelmente ficaria na merda. No caso com Junmyeon ele apenas teve sorte, porque poderia ter sido qualquer outra pessoa que não Joohyun a entrar naquela sala. Tinha sido irresponsável, admitia.


De qualquer forma, se identificava com Sehun, com as inseguranças que o mais novo confidenciou em uma conversa no vestiário, que pareciam ser as mesmas que um dia o chinês já teve - e ainda tem. Queria o bem de Sehun, queria que ele tivesse sucesso.


Gostaria de desejar apenas isso.


Seria muito bom não ter sonhos eróticos com um dos seus jogadores, seria muito bom mesmo não ter que socar a parede enquanto bate uma punheta, querendo negar as próprias ações. Se sentia tão terrivelmente errado, mesmo que às vezes parecesse tão certo…


Passou o treino com a cabeça voando, quase esquecendo de liberar os garotos. Carregou mais pesos que o necessário para punir os pensamentos impuros e só então voltou para casa. Ao tempo em que Sehun dava play nas suas músicas internacionais e comprava mais um pacotinho de gummy bears no mercado da esquina, afundando as vontades em gelatina.


{...}


Sehun colocou as mãos nos joelhos quando finalmente chegou ao campo, ofegando. Tinha se atrasado uns bons 30 minutos, porque o frio o fez pegar no sono. Seu sofá cama era quentinho e confortável. Recuperou o ar, sentindo uma aproximação quando estava pronto para perguntar onde estava todo mundo.


Ele só tinha visto Yixing guardando materiais na lateral do campo, e o treinador estava mais perto dele agora.


— Sehun?


— Já acabou? Eu cheguei tão tarde assim? - o mais novo arfou e Yixing sorriu fraco, bagunçando os fios escuros do coreano.


— Você não falou com o Chanyeol não é? Cancelei o treino por conta da chuva.


— Eu cochilei, não falei com ninguém. E que chuva?


— A que vai cair em pouco tempo. - Yixing apontou para as nuvens escuras acumulando no céu, típico daquele fim de outono/início de inverno. Sehun olhou para cima, seu rosto dividido em compreensão e a tristeza de ter perdido uma tarde de soneca enrolado no cobertor, e por ter corrido sem necessidade.


— E por que você tá aqui? - Sehun colocou o capacete debaixo do braço, tentando parecer despreocupado.


— Alguém precisa impedir que todos os equipamentos molhem. - o chinês sorriu. — Estou guardando tudo antes que a chuva caia. Pode ir, Oh. Melhor chegar em casa logo.


O treinador beliscou a si mesmo para controlar a vontade quando Sehun inconscientemente pendeu a cabeça para um lado, pensando no que fazer. Ele queria chegar em casa logo, comer algum doce, assistir uma série e aproveitar o silêncio antes que seu colega de apartamento barulhento chegasse para acabar com sua paz. Mas seria muita falta de educação não se oferecer para ajudar Yixing.


E ele era um cara educado.


Deixando o capacete no banco e não aceitando um não como resposta, o número 94 começou a recolher os pesos e os colchonetes com Yixing, levando tudo para o depósito aos poucos.


Os pingos grossos começaram a cair quando estavam prestes a colocar os últimos steps no depósito, e a cada passo os dois ficavam mais molhados. Sehun riu, puxando a porta de ferro para que Yixing a trancasse.


O chinês xingou baixinho, jogando o cabelo que cobria a testa para trás. Sehun respirou fundo, se perguntando o que ele fez de tão ruim na vida pra ser punido desse jeito. A camiseta branca de Yixing estava ensopada, Sehun conseguia ver seus mamilos pequenos e marrons, e a marca evidente do abdômen trabalhado.


Perdeu-se por alguns segundos, ruborizando quando o treinador pigarreou levemente e passou a andar para buscar a sacola plástica onde as bolas ficavam.


— Vai se trocar, Sehun. Obrigado pela ajuda, mas nem pense em ficar resfriado.


Sehun assentiu, ainda tomado pela vergonha de ter secado descaradamente o corpo do outro. Andou em passos rápidos, recolhendo o seu capacete e indo para os vestiários.


Fechou a porta e encostou as costas molhadas no metal frio dos armários. Seu corpo tremeu por um momento, e ele não soube dizer se foi inteiramente por conta do frio. O corpo definido do treinador tomava conta dos seus pensamentos.


E não ficou surpreso de notar que estava ficando duro, enquanto tirava as roupas molhadas, imaginando como seria se Yixing estivesse os ajudando a se despir, ou tirando a própria roupa.


Quando se viu nu, soube que enfiar a calça jeans não iria esconder aquela ereção, e mesmo que não encontrasse o treinador na saída, estaria andando na rua com um volume suspeito entre as pernas.


Ele também não tinha água quente em casa. E o mundo estava caindo do lado de fora, de qualquer jeito. Deu de ombros, enrolando uma toalha na cintura, fingindo que estava tudo bem em ter que se masturbar no chuveiro por causa de Yixing, de novo.


Entrando nos vestiários atrás de um banho quente e uma roupa seca, Yixing escutou a água começando a cair. Sentiu um arrepio passar pelo seu corpo, porque não existia outra opção de pessoa para estar ali, que não fosse Sehun.


Pensou em dar meia volta, encarar a chuva até o estacionamento e ir para casa, mas contrariou a si mesmo, andando até os chuveiros com uma toalha nos ombros. Viu o comum fone de ouvido azul em cima de uma muda de roupas e engoliu em seco, seguindo seu caminho.


A primeira coisa que viu foi a água caindo sobre o rosto do mais novo, que passou a mão pelo cabelo logo depois. Seus olhos desceram para os ombros largos, encontrando a divisória opaca que cobria todo o resto do corpo, menos a canela e os pés.


Aproximou-se devagar, não sabia se Sehun já tinha notado sua presença e não queria assustá-lo ligando o chuveiro da cabine ao lado sem um aviso prévio. O viu apoiar a mão no azulejo branco da parede, e um grunhido baixinho escapar dos lábios cheios.


Yixing não precisava de mais nada para saber o que estava acontecendo. Se ele se esforçasse, conseguia escutar os sons provocados pela masturbação. O chinês sentiu o ventre esquentar.


Oh Sehun estava realmente batendo uma, poucos passos a frente dele, tão imerso no próprio ato que mal notou a presença do outro. Até Yixing tropeçar no banco quando tentou andar para trás e ir embora sem ser notado.


O mais novo se assustou, ficando paralisado e encarando a parede.


Que vergonha.


Era muita falta de sorte, não era? Foi flagrado sendo indecente. Ótimo. Seu rosto queimava quando ele ousou olhar para trás, encontrando um Yixing tão paralisado quanto.


Os olhos correram automaticamente pelas roupas encharcadas, e Sehun desviou assim que percebeu o que fazia. Não disse uma palavra. Tudo o que escutavam era o barulho de água caindo. Sehun contou até dez para espiar de novo, sentindo a garganta secar e uma fisgada no baixo ventre assim que o fez.


Zhang Yixing estava tirando a camiseta. Estava exposto. Toda aquela pele praticamente gritava seu nome, Sehun quis muito tocá-lo. Invés disso, cobriu a ereção com a mão, se controlando para não voltar à masturbação, mas fraco demais para negar a atenção que o pau pedia. O chinês passou a língua pelos lábios. Ele não tinha nenhuma dúvida, Sehun ficou duro por ele. Pelo menos desse jeito se sentia menos errado lidando com a própria excitação.


Quando os dedos de Yixing tocaram o cós da calça de moletom, Sehun voltou a olhar para a frente, abaixando a cabeça e deixando a água cobrir sua nuca e costas. Ouviu o chuveiro ao lado do seu ser ligado, e demorou alguns segundos para erguer a rosto.


Espiou a água escorrendo pelo corpo de Yixing, mesmo com a divisória, conseguindo ver um pouco mais do que ela permitia. Ainda que de olhos fechados, Yixing sabia que estava sendo observado. E bom, que olhasse.


— Não precisa ficar com vergonha. - a voz súbita assustou Sehun, assim como os olhos que se abriram quando Yixing mudou de posição. Estava de frente para o outro agora. — Todos tomam banho juntos aqui, não é? Finge que eu só sou um colega de time.


A risada rouca deu a Sehun arrepios.


— T-Tudo bem. - Sehun assentiu avidamente, a mão ainda cobria a ereção. Como sairia daquela situação? Yixing não tinha percebido ou estava apenas agindo como se nada estivesse acontecendo?


— Pode continuar o que estava fazendo.


A resposta para sua pergunta mental o atingiu em cheio.


— O-O quê?


Sehun engoliu em seco. O que faria?


Yixing não parecia se importar nem um pouco, molhando o rosto com a água quente, jogando os fios irritantes de cabelo para trás, pendendo a cabeça para o lado para deixar a água cair em seu tronco.


Sehun ofegou, espiar o outro se banhando não era a melhor forma de tentar acalmar os nervos.


— Vai sair na rua com o pau duro, Oh?


Sehun respirou fundo e apertou levemente o membro, tão sensível que o suspiro de prazer foi inevitável. Yixing sorriu de canto.


O mais novo deslizou timidamente a mão pelo seu comprimento, tentando organizar seus pensamentos ao mesmo tempo. Ele poderia esquecer que estava do lado do seu treinador? Era apenas Yixing, um homem tão adulto quanto ele, que estava abertamente o provocando.


Será que estava excitado também? Sehun queria conseguir enxergar.


— Acho que não consigo fazer nada sobre isso.


— Tem vergonha de mim? Pensei que não tivesse. - Yixing voltou a olhá-lo. — Não depois de parecer me querer tanto.


Sehun não sabia mais dizer se seu rosto estava rubro por vergonha, tesão, ou pela água quente.


— Quer ajuda, Sehun?


Seu estômago revirou. Porra, porra, porra. O que era aquilo, exatamente? Um teste? Ele deveria aceitar? Zhang Yixing estava mesmo ali, nu, debruçado na divisória de plástico enquanto o esperava responder?


Sehun o encarou, procurando algum sinal de brincadeira em seus olhos. Mas estava lá, o brilho nas íris escuras e o sorriso sacana no rosto.


Com um passo desajeitado, Sehun encostou no mesmo plástico vermelho, agitado com a ideia de que aquilo era tudo que separava o corpo de Yixing do dele.


— Me ajudaria?


— Muito. Você anda tão tenso, Sehun. - Yixing segurou os ombros do outro, apertando o músculo rígido. — Ninguém consegue se aliviar direito desse jeito.


Sehun fechou os olhos, lidando com aquela proximidade. Estremeceu quando os lábios do outro roçaram na pele do seu pescoço. Estava tentando deixá-lo relaxado.


— Tudo bem. - Sehun aceitou baixinho, quase não acreditando que estava falando aquilo mesmo.


— Vem aqui. - Yixing chamou, voltando para debaixo d'água.


Sehun podia tremer de antecipação. Desligou o chuveiro da cabine onde estava e se enfiou na mesma que o chinês em segundos.


Tirou um momento para admirar o corpo alheio completamente despido, percebendo que ele também estava duro.


Interessante.


A mão amiga do chinês segurou o pau de Sehun, sentindo, apertando, conhecendo. O mais novo tinha as costas apoiadas no plástico e suspirava fraco a cada novo movimento de Yixing.


— Eu deveria prever que você é lindo demais desse jeito. - a mão livre deslizou pelo tronco de Sehun, debaixo para cima, parando no ombro direito. Apertou o músculo tenso de leve, queria que ele relaxasse.


— E você é gostoso. - Sehun deixou os olhos passearem pela nudez do chinês, a frase saiu até antes que ele filtrasse. — Muito gostoso, treinador.


Yixing parou o movimento de vai e vem com a mão e segurou Sehun pela cintura, juntando o corpo o dele pela primeira vez. O choque da pele quente do outro na sua foi algo bom de se sentir. Esfregou-se no mais novo, com os lábios alcançando o pescoço dele. Queria lambê-lo inteiro.


— Se quiser me provar, estou servido. - Yixing murmurrou contra a pele de Sehun, suspirando quando o sentiu segurá-lo pelo quadril e roçar mais os corpos. Poderia fazer aquilo por muito tempo. Sehun apoiou a cabeça na divisória, fechando os olhos quando sentiu os ombros serem massageados com mais afinco.


Yixing selou a pele do pescoço de Sehun com os lábios, subindo a mão esquerda para pousá-la na nuca do outro enquanto os dedos espertos da destra deslizavam pelo peitoral do mais novo, sentindo os mamilos pequenos, descendo pelo abdômen, ao tempo que a língua corria pelo pescoço, maxilar, chegando até a chupar levemente o lábio inferior do coreano.


Segurou os cabelos escuros de Sehun e o viu abrir os olhos. Encararam-se por segundos que pareceram muito mais longos que isso. Por um momento, Yixing se perguntou como acabou naquela situação, mas desistiu da reflexão, não era exatamente uma boa hora para uma possível crise existencial.


Yixing foi o primeiro a aproximar o rosto, alcançando os lábios de Sehun. Lhe deu selinhos longos, esperando que Sehun criasse conforto o suficiente para aprofundar o beijo ele mesmo. E o mais novo o fez, subindo uma das mãos pela lateral do corpo do chinês e segurando o seu rosto firmemente, a outra palma ainda contra o quadril de Yixing.


— Você tem certeza disso? - Sehun sussurrou, seus lábios roçavam nos de Yixing a cada sílaba, o deixando ainda mais ansioso.


Yixing sorriu levemente de canto, evidenciando uma das covinhas que Sehun admirava tanto de longe. O chinês achou engraçado, porque ele quem deveria estar perguntando algo do tipo.


Sem dar uma resposta efetivamente falada, porque achou que não seria necessário, Yixing grudou os lábios nos de Sehun. O mais novo deslizava a ponta do indicador por trás da orelha do outro, no mesmo momento em que o segurava pelo quadril de um jeito quase rude. Era um bom equilíbrio, o chinês gostou daquilo.


Era um beijo intenso e molhado, Sehun inclinava a cabeça para baixo e trazia o rosto de Yixing para mais perto, quase que faminto por aqueles lábios. Quantas vezes sonhou roubar uns beijinhos do treinador? Incontáveis.


A mão de Yixing fechou, prendendo os fios de cabelo de Sehun entre os dedos enquanto chupava sua língua. Separou os lábios para respirar fundo, encarando a boca tão extremamente convidativa para um segundo, terceiro, quadragésimo beijo.


Sehun abaixou a cabeça, chegando perto para sugar a pele do pescoço do treinador, que se arrepiou com o contato quase imediatamente. Pescoço era uma área sensível e Sehun soltou uma risadinha assim que o outro encolheu levemente o corpo, passando a beijar-lhe os ombros.


Yixing espalmava as mãos pelas costas largas do mais novo, contornando as omoplatas, apertando o que encontrava de epiderme até alcançar a bunda.


Mordeu o próprio lábio enquanto apertava as nádegas carnudas que chamava a atenção de garotos e garotas do campus, Sehun respondeu ao toque com um gemidinho baixinho e manhoso perto do seu ouvido.


Era demais. Muita informação.


Porque seu pau ainda roçava perto demais da pélvis alheia e ter a bunda de Sehun ocupando as palmas das mãos lhe traziam a imagem de como seria fodê-lo. Seu baixo ventre quase ardeu. Ainda mais quando Sehun o tocou sem aviso prévio.


Os dedos longos passeavam por todo o comprimento do pau do treinador, começando com os movimentos de ir e vir numa lentidão quase torturante para um Yixing com tesão acumulado. O chinês ofegava no mesmo ritmo dos movimentos de Sehun, soltando um gemido quando o mais novo dispôs pressão sobre o membro, gradualmente aumentando a velocidade.


— Então você gosta assim? - Sehun levantou uma sobrancelha.


— É assim que eu faço quando estou pensando em você.


Sehun se desconcentrou por um segundo, sem deixar de masturbar o mais velho, mas processando a informação. Respondeu com um sorriso malicioso, seguido de um beijo um pouco desesperado.


Afastou as mãos do corpo de Yixing durante o beijo para levá-las aos ombros do chinês e trocar de posições, o levando a encostar na parede fria. Os sons dos trovejos do lado de fora quase competiam com o quão forte seu coração batia.


Por Deus, ele estava dando uns bons e muito bem intencionados amassos em Zhang Yixing, com permissão para fazer o que quisesse.


Já sabendo da área sensível do chinês, Sehun lhe beijou o pescoço com vontade, o ouvindo gemer baixinho a cada novo selar. Desceu os beijos e chupões pelo corpo de Yixing, marcando a pele em diferentes partes. As mãos apertavam a lateral do corpo do mais velho enquanto desciam.


Os joelhos de Sehun chegaram ao chão molhado num estalo e ele agarrou as coxas de Yixing. Apertou a carne, distribuiu beijos molhados pela pele, chegando tortuosamente a parte interna na coxa e saindo de perto segundos depois.


— Sehun...


O mais novo soltou uma risadinha contra a pele de Yixing, deixando um último selo ali.


— O que você quer? - levantou o olhar para o chinês, que ofegou com a visão. Continuou olhando, sendo incendiado pelos olhos de Sehun enquanto o mais novo se aproximava os lábios da glande. — Quer que eu te chupe, treinador?


Cada palavra soprava perto demais da ereção necessitada de Yixing, o fazendo estremecer e pulsar. Sehun segurou o pau de Yixing, passeando pelas veias com os dedos lentamente.


Yixing respirava fundo e pesadamente, soltando um gemido mais alto pela primeira vez quando Sehun o envolveu minimamente com os lábios, afastando-se com o estalo da sucção ocupando o ar.


— Quero. - a voz saiu fraca, porque Sehun não esperou que ele terminasse de falar.


Passou a língua pelo comprimento do pau de Yixing, espalhando saliva e o pré-gozo que expelia em quantidade. O chinês sentiu o corpo tremer. Não só para buscar apoio, Yixing esticou um dos braços, alcançando o registro do chuveiro e diminuindo o volume da água que chegava nas costas de Sehun - não que ele estivesse realmente incomodado.


Sehun usava uma mão para ajudá-lo com a pressão das sugadas, deixando os dedos passearem com intimidade. A cabeça se movia com agilidade, nem lento nem rápido demais. A língua raspava na pele quente, sentindo o gosto do mais velho.


Sentiu os dedos do chinês correrem pelos fios escuros do seu cabelo, quase carinhoso, o que não combinava nem um pouco com aquela situação e incrivelmente não lhe pareceu ruim.


Yixing soltava o ar com dificuldade, as juntas dos dedos ficando esbranquiçadas de tanto que apertava o metal o registro do chuveiro. A garganta lhe implorava um gemido alto, e ele não soube mais segurar quando Sehun apertou sua bunda e o chupou por inteiro, sugando devagar logo depois.


— Você parece estar gostando. - Sehun olhou para cima, encontrando os olhos um pouco perdidos de Yixing. Sorriu para o treinador, gostando de estar lhe causando aquilo. Massageou seu pau, esfregando o polegar na glande. — Goza pra mim, treinador.


Um arrepio tomou o corpo de Yixing quando Sehun voltou a lhe chupar, dessa vez mais rápido, provavelmente querendo saber quanto seria necessário para levá-lo ao limite. Tocava tudo o que alcançava no corpo do mais velho, arranhando seu abdômen com as unhas curtas.


Os gemidos ofegantes do treinador eram um estímulo a mais, o fazia sentir fome, vontade de ir mais fundo. Gemeu contra o pau em sua boca quando a mão do chinês puxou seus cabelos, ainda que não guiasse seus movimentos.


Sentindo que o mais velho estava próximo do orgasmo, Sehun o segurou pelos quadris para o fazer estocar sua boca, o mais rápido e frequente que conseguiu fazer, não se surpreendendo quando Yixing se desfez em seus lábios.


O sabor forte e levemente salgado preencheu o paladar de Sehun, que tirou o membro de Yixing da boca e deixou que o gozo escorresse pelos lábios, pelo queixo. Não se importava com aquilo.


E Yixing particularmente achou até bonito ver o rosto de Sehun melado com sua porra.


Sehun lambeu o próprio lábio inferior, encarando tanto Yixing que ele poderia queimar. Então deu um sorriso divertido.


— Realmente gostoso.


Sehun levantou, colocando o rosto debaixo da água e tirando todo o gozo de si, dando um sorriso pequeno enquanto observava Yixing tentando controlar a respiração, com o peito subindo e descendo pesadamente. Estava absorto na imagem, se assustando com o movimento rápido e bruto que o chinês realizou em seguida: o envolveu pela cintura e puxou o corpo contra o seu, buscando pelos lábios instintivamente.


Beijaram-se debaixo d'água, Sehun suspirando durante o processo porque as mãos do treinador eram muito ágeis. Passeavam pelo seu corpo, apertando a pele, rodeando as nádegas e puxando a carne macia que elas sustentam. Yixing guiou o corpo do mais novo até a parede, puxando levemente o lábio inferior do outro enquanto finalizava o beijo.


— O que você vai fazer comigo, treinador?


Yixing sorriu com a performance de inocência do jogador, arrastando os lábios pela bochecha até chegar ao pé do ouvido de Sehun. Deixou uma mordida satisfatória no lóbulo antes de sussurrar:


— Queria fazer tanta coisa, Oh. - as duas mãos do chinês se apropriaram da bunda de Sehun, e ele se descobriu muito mais amante daquela parte específica do mais novo do que pensava ser. — Queria foder você até te fazer gritar, garoto.


Sehun sentiu o corpo tremer. E ele ainda estava lidando com aquilo teoricamente bem, porque a vontade que tinha era de perder as estribeiras de uma vez.


— Faça.


Yixing riu baixo e rouco, constatando a entrega do mais novo naquele momento.


— Hoje não, Sehun. Eu quero mais tempo, e conforto. E que você pense sobre o que acabamos de fazer.


Sehun prendeu a respiração, porque Yixing falava e deslizava os dedos pela sua fenda ao mesmo tempo. Pensar? Sehun mal sabia o que era aquilo.


— Eu não me importo com isso, treinador. Por favor... - o mais novo arrastou a voz, encostando a testa no ombro de Yixing, que circulava sua entrada com a pontinha do dedo médio.


— Vamos apenas combinar que eu me importo. E que eu preciso de uma desculpa pra repetir tudo o que fizemos. - Yixing deixou um selar rápido atrás da orelha do mais novo. — Mas não ache que você vai sair daqui sem gozar.


Antes que Sehun se recuperasse da última frase, Yixing o virou de costas. Suas mãos automaticamente espalmadas na parede enquanto sentia o corpo do chinês colado ao seu. Sua ereção estava pulsando, principalmente quando o mais velho posicionou-se entre suas nádegas e esfregou lentamente corpo no seu.


Sehun rebolou por reflexo, soltando um gemido por sentir sua entrada sensível roçar no pau de Yixing. O chinês não fez por menos: segurou os fios negros e molhados do cabelo do mais novo com uma mão, o puxando levemente para trás, numa dor suportável. Investiu uma vez, simulando uma penetração, sorrindo para o rebolado automático de Sehun. Aquela maldita bunda era um sonho de consumo., ele até poderia começar a ficar duro de novo só de olhar pra ela.


A mão que segurava firmemente o quadril de Sehun escorregou para a frente do corpo do mais novo, segurando o pau duro que implorava por uma atenção há mais tempo que o necessário. Moveu a mão algumas vezes pelo comprimento - muito do satisfatório, diga-se de passagem - do coreano, e então sussurrou para que Sehun se masturbasse, porque queria estar concentrado nos seus movimentos pélvicos.


Voltou a segurar o corpo do outro, mantendo a frequência e pressão dos movimentos, enlouquecendo com o ritmo que Sehun criava, rebolando para si com muita vontade. O garoto tinha talento pra isso.


Mordeu o ombro largo e branquinho do jogador, aliviando a dor com chupões e beijos estratégicos, sussurrando poucas palavras - ele gostava de ouvir o mais novo gemer. Tão alto e descompassado quanto gemeu quando o orgasmo tomou conta de si, o corpo levado pelos espasmos e pelo tremor característico.


Sehun jogou o corpo para trás, despejando seu peso sobre Yixing, que substituiu o puxão leve de cabelo por um quase carinho, de novo. Sehun levantou os olhos para encarar o mais velho, os lábios vermelhos e entre abertos, soltando o ar.


Yixing sorriu de canto, expondo a covinha e fazendo Sehun adotar um brilho diferente nos olhos. O treinador inclinou o rosto para alcançar e deixar uma mordidinha na boca cheinha do outro, afastando-se logo depois.


— Vamos tomar banho direito agora, sim?




Sehun ainda acabou tomando chuva quando voltava para casa, recebendo reclamação do seu colega de quarto - que ainda assim fez um chá para evitar que o rapaz ficasse resfriado. Mas o importante é que ele nunca vai ver um trovão da mesma forma.

E muito menos o vestiário.

6 de Junio de 2018 a las 18:27 2 Reporte Insertar 7
Fin

Conoce al autor

kel kel; escreve para o alívio da alma. [ficwriter | exo]. if the morning light don't steal our soul // we will walk away from empty gold

Comenta algo

Publica!
Anna Luisa Anna Luisa
Que hino maravilhoso, aaaaa <3 <3 beijos :3
7 de Junio de 2018 a las 16:58

  • kel kel
    aaaa, obrigada anjo ♥ beijoooooo 8 de Junio de 2018 a las 16:33
~