Eu te sinto em meu coração Seguir historia

tany-yashi TANY

Depois de um acidente, Jongin acorda achando que ainda é um universitário. Assim que descobre que perdeu seis anos de memórias da sua vida, o rapaz vai tentar compreender e viver em seu futuro repentino, descobrindo amizades que se perpetuaram, sonhos que se realizaram, enquanto luta para manter seu casamento com Kyungsoo, do qual não lhe resta qualquer memória, e, ainda assim, Jongin começa a achar que talvez não o tenha esquecido completamente.


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#yaoi #lgbt #fanfic #lemon #exo #kaisoo #kai #jongin #kyungsoo #mpreg #258 #D-O- #perda-de-memória #KADI
29
5391 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Meu despertador quebrou.

Eu deveria estar esperando o despertador tocar para ir à faculdade, como fazia todos os dias. Sabe aquele momento em que você acorda no meio da noite e percebe que tem mais algumas horas para dormir antes de precisar levantar? Eu deveria estar nesse momento.

Essa noite eu acordei várias vezes, mas não abri os olhos, pois o despertador ainda não tocara. Afinal, pra que se esforçar de eu posso apenas voltar a dormir?

Algumas das vezes em que acordei, escutei pessoas conversando no meu quarto. Se fiquei irritado com isso? É claro que fiquei! Não sabiam que existia uma sala naquela casa? O que meu quarto tem de interessante para ficarem batendo papo enquanto estou tentando dormir?

Eu entendia que minha mãe gostava de trazer visitas, mas, poxa! Meu quarto é área restrita! Eu poderia abrir os olhos, levantar e retrucar sobre aquilo, mas sentia meu corpo mole demais para isso. Além do mais, a conversa não estava tão irritante assim para alguém tão sonolento como eu, parecia mais um eco dentro da minha cabeça. É; com sorte eu estaria apenas sonhado. Os diálogos eram como:

“Ele ainda não acordou?” parecia a voz da minha mãe, mas não havia motivos para ela perguntar isso, eu confiava no meu despertador.

“Meu Deus, por que está demorando tanto, será que aconteceu alguma coisa?” essa voz definitivamente me parecia familiar, mas ela estava muito mais grossa do que eu lembrava. Eu não entendia nada daquele papo, mas decidi continuar dormindo.

“Kyungsoo, você está bem? Não quer ir pra casa?” nesse momento eu concluí que estava sonhando. Não havia sentido nenhum aquela conversa no meu quarto, ainda mais com uma pessoa que eu nem conhecia. Quem era Kyungsoo, afinal? Eu conhecia todas as amigas e amigos da minha mãe. Ela nunca chamaria ninguém antes que me avisasse com antecedência, nem que fossem cinco minutos antes com um telefonema, basicamente para que eu não fosse pego de surpresa. Mas eu não conhecia nenhum Kyungsoo.

“Você parece muito cansado” aquela pessoa de voz familiar continuava dizendo.

“Não, eu preciso ficar com ele” percebi, mesmo em sonho, que a voz desse tal de Kyungsoo parecia realmente cansada, além de preocupada. Mas com quem ele estava se preocupando? Comigo? Que diabo de sonho é esse que eu nem sei o que está acontecendo? Eu só queria poder dormir em paz. Eu estou bem deitado aqui em minha cama. Quieto. “Quando ele acordar, eu quero estar aqui, quero ter certeza de que está tudo bem”.

Eu não via nada, era um sonho sem imagens, eu apenas ouvia tudo e, com certeza, aquela era uma das experiências mais estranhas que eu já tive.

Meu despertador estava quebrado, tinha quase certeza disso. Eu não aguentava mais dormir. Acho que é quase um pecado dizer isso, mas é verdade. A hora para eu levantar e ir para a faculdade nunca chegava, parecia que eu estava dormindo eternamente. Na última vez que acordei, decidi que me levantaria mesmo se estivesse adiantado ou possivelmente atrasado, eu não ficaria mais naquela cama.

No entanto, permaneci imóvel quando ouvi alguém entrando no quarto. Era minha mãe, tinha certeza! E ela me mataria por ter faltado à faculdade, mesmo que fosse sem querer. Eu esperei, mas não ouvi os gritos da minha mãe, nem a senti puxando minha orelha, porque, na verdade, não era a minha mãe que havia entrado.

– Bom dia, doutor – alguém disse. Era a voz do tal Kyungsoo.

Mas que doutor?! Eu ainda estava dentro de um sonho?! Não, definitivamente não, aquilo era real demais. E se fosse mesmo real, quem eram aquelas pessoas? E o que diabos estavam fazendo no meu quarto? Pela primeira vez desde que comecei a ouvir tudo aquilo, fiquei realmente assustado.

– Bom dia, Kyungsoo – eu não conhecia aquela voz. Caramba, eu nem sabia quem era Kyungsoo! – Como está nosso campeão?

Naquele momento eu senti um formigamento e a sensação de que ele de dirigia a mim.

– Ainda está dormindo – Kyungsoo respondeu, e mesmo que o doutor parecesse ter soado engraçado, seu tom era triste – Por que ele ainda está dormindo?

Ouvi um suspiro. Eu queria mais que tudo abrir os olhos.

– Eu também concordo que ele já deveria ter acordado. Se isso não acontecer até à tarde, vou pedir para que façam mais alguns exames.

Mais um suspiro, dessa vez eu sabia que era do tal Kyungsoo. Se eu abrisse os olhos, ele estaria ali? Ou eu estaria apenas sozinho no meu quarto? Eu tinha completas dúvidas do que deveria fazer, e com toda aquela conversa, eu me sentia ainda mais perdido.

– Tudo bem. Obrigado.

– Kyungsoo, o senhor comeu alguma coisa desde ontem? Sua aparência parece bem casada.

– Ah, sim, eu comi no refeitório ontem à noite – era mentira, não sei como posso ter tanta certeza disso, mas eu sabia que Kyungsoo estava mentindo.

– Que bom, é melhor que esteja saudável para quando o Sr. Kim acordar – Senhor Kim? De quem eles estavam falando? Do meu pai? Se aquilo fosse realmente um sonho, seria possível; meu pai morrera há cinco anos, mas se não fosse, então... Eu não sei – Qualquer coisa é só chamar uma das enfermeiras.

Quando a porta se fechou, eu senti meu coração bater mais rápido. Era agora ou nunca. Eu precisava saber o que estava acontecendo, se aquilo era real ou não. Mas hesitei. Por alguns segundos permaneci quieto enquanto ouvia alguém se aproximando. Tive a impressão que ele estava sentado em uma cadeira ao lado da cama, sua mão parecia passear pelos lençóis, mas não me tocava, e mesmo assim, pude sentir um arrepio correr dos meus dedos até meu ombro.

– Espero que esteja tendo um sonho bom, Jongin – Kyungsoo falou meu nome, ele sabia meu nome.

Nesse momento, me forcei a abrir os olhos e terminar com tudo aquilo. Acabou sendo um esforço maior do que eu imaginava, mas eu consegui, e a primeira coisa que vi foi um par de olhos grandes me fitando e que de repente dobrou de tamanho. Quando Kyungsoo fez menção de se levantar, eu o segurei pelo pulso, ele estava acelerado. Eu o olhava o tempo inteiro, perdido no que poderia ser um sonho ou a realidade.

– Quem é você? – foi a única coisa que perguntei, mas dentro de minha cabeça, eu tinha certeza de algumas coisas.

Eu tinha certeza de que aquele não era meu quarto, mesmo que eu não tivesse parado para analisar. Eu sabia que nada daquilo era um sonho, por mais que eu não pudesse compreender, nenhuma daquelas conversas tinha saído da minha cabeça. E mais do que isso, de que Kyungsoo era a pessoa mais linda que eu vi na vida.

5 de Junio de 2018 a las 10:07 2 Reporte Insertar 8
Leer el siguiente capítulo De repente 27.

Comenta algo

Publica!
Anna Laís Algarves Anna Laís Algarves
nossa que tenso
6 de Junio de 2018 a las 08:43

  • TANY TANY
    kkkkkkkkkkkkk tenso, mas fofo :3 6 de Junio de 2018 a las 09:31
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 14 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión

Historias relacionadas