Watashi no Tenshi Seguir historia

misssiozo Miss Siozo

O anjo novato Sasuke havia sido designado para cuidar de Sakura desde o dia de seu nascimento. O maior problema para ele é ter que conviver com um ser humano doente que está fadado a ter uma vida curta e por esse motivo quase sempre esteve acompanhado de Hinata que é um dos anjos da morte e uma boa amiga. O ser celestial vivia a se questionar o motivo dele ter sido designado para essa tarefa. O Criador sabe das coisas e tem seus planos de difícil compreensão. Nós tomamos conhecimento das coisas depois de quando tudo acontece.


Fanfiction Anime/Manga No para niños menores de 13. © Masahi Kishimoto

#Whatashi-No-Tenshi #Anjos-Drama #Watashi-No-Tenshi #sasusaku #sasuke #sakura #romance #naruto #drama #anjos
1
4.9k VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

O Fim é um Novo Começo

Notas iniciais

Olá pessoal! Essa fanfic era pra ser uma oneshot com o tema de anjos. Eu havia dado a previsão de postá-la ainda esse mês e infelizmente não tive tempo para concluir, então decidi dividir a fanfic em pequenas partes, pois já não me aguentava mais na expectativa de por essa fanfic para as pessoas que eu prometi. Semana que vêm solto outra parte e assim que minhas provas terminarem poderei finalizar essa fanfic que agora é uma short-fic. Espero que vocês gostem! Boa leitura :)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~Konohagakure,1940~

Tudo o que ele queria era ter vivido sua vida humana em paz, ter se graduado em direito na universidade, ter conhecido uma boa e bela jovem para tomar como esposa, construir sua carreira e seu próprio escritório de advocacia, ter uma família grande e ser feliz pelo resto de sua vida ao lado de quem escolheu para estar ao seu lado. No entanto, seu destino já estava traçado e ele morreu num ato heroico ao salvar a vida da esposa de seu irmão mais velho ao empurrá-la para baixo do banco do automóvel quando vários disparos foram feitos contra o carro que o irmão dirigia. Um atentado contra a família que havia construído seu prestígio na cidade nova. Itachi e Fugaku que estavam nos bancos da frente foram atingidos de raspão, despistaram seus algozes e correram para o hospital mais próximo, porém era tarde para o Uchiha mais novo.

Ele havia morrido como um herói, não era um religioso devoto e isso não quer dizer que em vida teria sido má pessoa, ele havia herdado a bondade de sua avó, o coração dele sempre foi puro por mais que a dor de a perder para uma doença levou quase todos os seus sorrisos e uma imagem mais fria para cobrir o sentimento de tristeza havia aparecido.

Sasuke sentiu-se estranho quando saiu misteriosamente do carro em que estava, instantaneamente procurou por algum vestígio de bala, não sentia mais aquela dor absurda em suas costas. Ele estava incrédulo e desesperado quando viu aquela moça pela primeira vez. Os cabelos dela eram preto-azulados e seus olhos perolados eram intrigantes, usava um vestido azul claro sem grandes detalhes.

- Confuso senhor Uchiha? – ela perguntou com sua voz doce – Eu sou Hinata e estou encarregada para buscar-te.

- Perdão senhorita – ele estava visivelmente nervoso – Buscar-me? Quem mandaste a senhorita aqui?

- Eu sou um anjo da morte e meu mestre pediu para buscar tua alma – aproximava-se dele enquanto o jovem recuava – Acalme-te, pois tu irás para um bom lugar. Tu salvaste uma mulher grávida, vossa cunhada.

- Eu nunca fui praticante de nenhuma religião, como poderei ir para um bom lugar? – disse desconfiado – Tu não estás a enganar-me?

- Eu não minto senhor – disse com seriedade – Esta foi tua última vida humana e era vossa última oportunidade de aprender suas lições – estendeu a mão para que o moreno a pegasse – Você tem apenas uma pendência para resolver e terá a eternidade para pensar sobre ela.

- Pendência? Qual seria? – erguia o braço para pegar a mão dela, mas, a recolheu –Não podemos partir com uma pendência, certo?

- Na verdade pode sim – suspirou – Não tem como trazê-lo a vida novamente.

- Pelo menos posso ver como minha família está?

- Sim.

A belíssima figura angelical o acompanhou primeiramente para o hospital onde as ambulâncias carregavam seus parentes feridos e seu corpo morto, ele podia ver as enfermeiras fazendo os primeiros socorros em sua cunhada que apenas sofrera arranhões e mesmo assim estava sendo acompanhada pelo estado de sua gravidez, em seguida viu as balas serem extraídas de seu pai e seu irmão.

- Precisamos chegar até tua casa – estendeu a mão ao Uchiha outra vez – Assim poderá despedir-se da figura de tua mãe – ele anuiu ainda absorto.

Eles chegaram na hora que o telefone tocava e Mikoto atendia, ela que não os acompanhou por estar sentindo uma indisposição, talvez sexto sentido, eles viram o semblante da matriarca Uchiha mudar, ela corria para o quarto apenas para pegar a bolsa e seu sobretudo, seus cabelos estavam desgrenhados, estava com uma camisola por baixo do sobretudo, pegou carona na viatura da polícia que fazia a ronda pelo bairro.

-Mãe... – por mais que tentasse não demonstrar os pequenos sinais denunciavam que ele estava se sentindo mal com aquela situação, suas mãos estavam no peito tentando controlar o nervosismo que saía de sua voz quase inaudível – Eles ficarão bem? Por favor, diga-me – apertou a mão do anjo.

- Os nomes deles não estão nessa lista se queres saber – tentou transmitir confiança – Eles encontrarão os culpados, após uma situação dessas por certo a polícia dará proteção à tua família.

- Compreendo – aquilo era para deixa-lo aliviado, mas, ainda não conseguia crer como poderia ficar longe de todos aqueles que o amavam, de todas as possibilidades perdidas – Acho melhor nós partirmos agora.

- Vamos senhor Uchiha – enquanto eles ascendiam ouviram um outro barulho de disparo e Hinata notou que o jovem ficou atordoado com isso – Acredito que dessa vez ficará tudo bem – mentiu da melhor forma possível, um espírito não poderia ficar muito atordoado durante a partida, pois assim teria consequências negativas – A eternidade o espera – encorajou o espírito que decidiu não se pronunciar mais.

~Konohagakure, 1996~

Um choro de um bebê recém-nascido poderia ser ouvido na sala de parto e ecoou pelo corredor do andar. Era uma bebezinha careca e seus olhos estavam fechados ainda, a família dela estava muito feliz pela chegada tão esperada daquela criança em suas vidas. A pequena Sakura era amada desde que souberam da gravidez de Mebuki, o nome veio da inspiração da flor favorita da mãe. Uma oração havia sido feita antes da entrada na sala de parto para que mãe e filha fossem protegidas pelos anjos do céu e que nada de mal acontecesse a vida delas dentro daquela sala. Os humanos daquela sala não conseguiriam ver a quantidade de anjos que lá estavam, a obstetra era guiada por um, a mãe estava acompanhada por outro e era a primeira vez que ele estava de volta para a terra como um anjo.

- Essa é a sua primeira protegida como um anjo – disse o seu superior – Eu acredito que fará um bom trabalho Sasuke.

- Como pode acreditar nisso Naruto? – o moreno olhava para a progenitora de sua nova protegida – Eu ainda não descobri qual era a minha pendência que deixei, mal posso acreditar que sou um anjo!

- Você saberá meu amigo – sua fala era confiante – É difícil ver alguém tornar-se anjo em tão pouco tempo. O Criador tem um plano para você – tocou o ombro dele – Ela será sua responsabilidade desde o primeiro suspiro.

- Boa jornada novato! – disseram os outros anjos no recinto enquanto um choro ecoava pela sala.

- Sua jornada começa agora – o loiro fez um sinal de positivo antes de subir aos céus.

O moreno tentava se acostumar com a ideia de ser anjo, afinal já haviam se passado 56 anos desde que partira da terra. Havia se encontrado com sua mãe no paraíso alguns anos depois, mas, após um tempo teve que a deixar partir, ela teria que viver sua última vida. Seu único contato com o plano terrestre era quando o conhecido como “Sábio Sarutobi”, o ancião o qual detém o “espelho da vida” mostrava como estavam seus entes queridos, por mais que o Uchiha soubesse que precisaria se distanciar de suas raízes o arcanjo Naruto permitia que sua mais nova amizade no plano celestial o fizesse apenas uma vez por ano, no aniversário de sua morte, apenas para sanar com as preocupações do amigo.

Sasuke aproveitou o momento que sua protegida estava na incubadora para olhar o ambiente onde estava, ele tinha ciência de como a humanidade havia se tornado mais moderna no decorrer das décadas pelo o que via pelo espelho do sábio, apenas não imaginava tudo isso que via, um monte de aparelhos diferentes dos quais via nos hospitais que esteve enquanto humano. Não demorou muito até sentir aquela presença familiar pousar ao seu lado.

- Hinata – disse em tom indiferente.

- Sasuke? Uma surpresa vê-lo por aqui! – disse a morena curiosa o rondando travessa – Quer dizer que já foras promovido para um anjo da guarda?

- Sim – limitou-se a responder.

- Quer dizer que se livrou daquela pendência? – perguntou em tom positivo – Fico feliz por você!

- Não fiques feliz por mim – olhou para ela – Eu ainda não descobri.

- Então como pode ter se tornado um anjo então?

- Naruto.

- Espero que ele não tenha cometido um erro.

- Eu também – confessou – Então qual alma veio buscar dessa vez? – perguntou para desviar-se do assunto e também possuía curiosidade em saber.

- Chiyo Akasuna – olhou em sua agenda preta – Uma senhorinha bem simpática de 87 anos. A família dela está sofrendo muito por causa do câncer que ela possui e o alzheimer também não ajuda a situação, a única pessoa que ela ainda se lembra é do neto Sasori – fechou a agenda – Triste, não?

- Sim, realmente – olhava para sua nova protegida tentando acostumar-se com seu novo propósito – O tempo dela chegou, será melhor assim, não é?

- Isso é verdade – concordou – Quando preciso levar uma pessoa idosa a tarefa parece ser mais simples, afinal eles já estão mais conformados com a ideia – o Uchiha prestava atenção nas palavras dela – Os acidentados são os mais difíceis de convencer, tive sorte contigo, pois teve consciência de que aquela bala teria o matado – ele rangeu os dentes com desgosto ao escutar aquela frase e ela sorriu divertida – O que me dói mais é ter que levar as crianças que são tão inocentes – o sorriso sarcástico murchou – São almas tão puras ou almas que precisavam cumprir um carma para prosseguir. Preciso dizer a elas que elas precisam passear para um lugar muito distante, isso quando eu não carrego os bebês em meu colo – falava em tom mais emocionado e choroso.

- Eu sinto muito por ti – olhou para ela com pesar – Sua função não é algo fácil – na verdade nem ele sabia direito o que dizer, nunca havia pensado na função de Hinata enquanto esteve noutro lado.

- A sua também não será – limpou seus olhos brevemente antes de sair –Eu gosto de ver o início de uma nova vida e isso me deixa feliz, agora eu preciso voltar ao trabalho. Boa sorte Sasuke.


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Notas finais

E aí pessoal? Espero que tenham gostado! Adianto que o próximo capítulo será sobre a infância da Sakura e os desafios de Sasuke como guardião de primeira viagem.

Aviso: Ele e Hinata são apenas amigos nessa fanfic. Caso alguém venha a entender que há algum tipo de química entre os dois.

Obrigada e até a próxima ;)

2 de Junio de 2018 a las 00:00 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo A Infância Tem Cheiro de Doces

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 6 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión