Inveja Seguir historia

cupcake_ruivo

Cada um deles guardava um pecado de estimação. Eles não eram particularmente bons, tampouco ruins, mas cada um dos sete compartilhavam em si a essência de um só. Pouco a pouco, eles escorregavam para a boca do inferno, engolindo os próprios temores e aceitando que, no fim, talvez não fossem tão pecadores assim.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18. © todos os direitos reservados

#OsSetePecados #lemon #yaoi #naruto-sasuke
21
5.4mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Inveja

OLÁAA

Então, era pra eu ter postado isso há uns 15 anos, mas enfim. Relevem. 

Essa one faz parte de uma coletânea de shots sobre os sete pecados onde eu participei com mais 6 autoras. JunoWolf, XixisssUchiha, JuuhWalker, Akuma_Lia, Cammis e Caramelosama.

É um pwp, com um tantinho só de plot e umas safadezas uhauahaua Enfiiim, pra quem não tinha lido, espero que gostem e pra quem já leu e parou aqui de novo, você é um xuxu.

CHEGA DE PAPO

BORA PRO CAP


Quem passou primeiro pela porta foi Naruto.

Sasuke havia cedido a passagem enquanto entravam no apartamento devidamente arrumado. O loiro observava minuciosamente a residência de cômodos médios, surpreso. Acreditava que Sasuke morava numa casa maior. Aliás, numa casa, de fato, e não num apartamento no centro da cidade.

Mesmo assim, olhando para todos os detalhes daquele lugar, ainda podia notar que era a cara do Uchiha. Toda aquela classe sutil e organização impecável eram uma marca que, com certeza, estaria também no lugar onde vivia.

Tire os sapatos – o moreno mandou.

Claro. Não podia ser diferente.

Era sempre daquele jeito, desde que se conheceram na adolescência. Sasuke era bom em todas as matérias, todos os esportes, adorado por todos os professores e desejado por todas as pessoas – porque algo no Uchiha mexia com a sexualidade até de alguns caras. Ele era o playboyzinho, herdeiro das organizações Uchiha, tendo tudo na palma da mão, na hora que quisesse. Isso incluía Naruto.

Era por isso que o odiava. Sua raiva quase chegava ao mesmo ponto do desejo, mas no fim, ele sabia qual parte iria se sobressair.

Nunca haviam se envolvido na juventude, deixando a tensão sexual ser encoberta por uma competitividade explícita. Era infantil, os dois sabiam. Mas não conseguiam evitar. Foi até mesmo um pouco difícil se despedirem um do outro ao fim do Ensino Médio, com aquela mesma sensação mista de ódio e saudade. Acreditavam que nunca mais se veriam e todo o relacionamento conturbado que construíram com o tempo se perderia em memórias colegiais. Foi um momento tão estranhamente sensível para ambos, que permitiram-se sorrir um ao outro, com a certeza de que, dificilmente se encontrariam novamente.

Mas a vida pode ser surpreendente.

Foi uma coincidência que Naruto tivesse arrumado um emprego no mesmo lugar onde Sasuke já tinha uma vaga elevada garantida. E foi quase automático que a lembrança amigável de despedida do colegial tenha se esvaído quando recebeu a primeira ordem.

Ter que se submeter ao Uchiha corroía-o por dentro, dia após dia, mas agora, adultos, a tensão que sempre existiu entre eles parecia crescer cada vez mais. Quanto mais o tempo passava e os dois precisavam interagir, mais era difícil esconder o desejo latente.

A voz grave de Sasuke parecia arrastar Naruto numa onda inquietante de vontades encobertas e aquele desgosto. O moreno estava sempre vestido em roupas caras que Naruto jamais conseguiria pagar, calmo, ponderado, indiferente, com aquela pose de líder que parecia se encaixar nele como uma luva.

Mas algo havia acontecido naquela reunião de fim de ano.

Era uma oportunidade de fingir que todos eram iguais, dividir algumas garrafas de champanhe e tentar socializar com algumas pessoas que você, na verdade, não queria conhecer. Ainda assim, aquilo pareceu levar o Uzumaki e o Uchiha pra perto, como um íma, onde a provocação certamente estava presente.

Que eu me lembre, você é fraco pra bebida – Sasuke disse sem olhar para o loiro.

No Ensino Médio você também era, teme – respondeu, sem nenhum medo de ofendê-lo, porque havia algo muito natural naquilo quando se tratava dos dois.

Vai acabar dando trabalho a alguém tendo que voltar bêbado pra casa, dobe.

Naruto devia controlar os próprios instintos competitivos, mas quando notou, já tinha bebido um pouco mais do que aguentava. A questão é que quem ficou ali por tempo o suficiente pra vê-lo em seu estado pouco além de “alegre”, foi o próprio Sasuke.

O moreno acabou levando-o até o estacionamento enquanto Naruto continuava a balbuciar alguma coisa sem sentido – coisa que não precisava estar bêbado para fazer.

Você não vai dirigir – foi tudo que Sasuke disse, com aquele tom autoritário.

Pretende me deixar dormir aqui no estacionamento? - o loiro indagou, com a voz e a expressão transitando entre a raiva e o deboche.

Eu te levo.

O Uchiha se virou, abrindo a porta do passageiro sem esperar que o outro confirmasse se iria ou não. Ficou esperando, impaciente até que Naruto cedesse e entrasse de uma vez no veículo. De fato, não estava muito bem pra dirigir e não precisar gastar dinheiro com um táxi parecia uma boa coisa.

No entanto, ter Sasuke ao seu lado no banco do motorista pareceu levar embora o seu restinho de bom senso.

Isso tudo é pra ficar perto de mim, teme? - perguntou, exibindo um sorriso de lado enquanto apoiava a cabeça no encosto do banco.

E se for?

Os olhos negros viraram-se para si e o choque entre estes e os azuis causou um arrepio em ambos. Poderia ter sido a festa, o champanhe, a carona, os anos de tesão reprimido… Poderiam ser milhares de coisas que fizeram os dois se inclinarem ao mesmo tempo encostando os lábios de forma lasciva.

Não houve nenhum selinho, nenhuma calma, ou paciência. Seus corpos gritavam desesperados para cumprir seus desejos, não tinham tempo a perder.

Depois disso, Naruto tinha certeza de que não iria mais para a própria casa aquela noite. Era por esse motivo que estava agora na sala do Uchiha, observando o moreno lhe entregar um copo com água.

Beba.

Por que? - olhou desconfiado para o copo.

Você precisa ao menos se hidratar depois de ter bebido tanto – revirou os olhos.

Eu não bebi tanto assim – Pegou o copo, obedecendo mesmo a contragosto.

Tinha bebido um pouco mais do que normalmente fazia, mas não chegava a estar bêbado, muito menos fora de sua consciência. Quando terminou, ergueu o copo, como se dissesse “veja, bebi tudo”, e deixou-o de lado sem querer perder mais tempo do que já tinham perdido com aquela bobagem.

Para sua surpresa, assim que seus lábios voltaram a encontrar os de Sasuke, não houve nenhuma batalha por controle. Sasuke se agarrou em suas roupas, mas claramente estava deixando todo o comando pra si e isso foi estranho tanto quanto foi prazeroso.

Onde é o seu quarto? - o loiro perguntou, ainda beijando-o.

Sasuke não respondeu. Em vez disso, puxou Naruto de encontro a segunda porta no curto corredor e entrou no cômodo com pressa. As roupas foram sendo tiradas, peça por peça. O Uchiha parecia ainda mais ansioso do que Naruto esperava, tanto que se viu na obrigação de falar.

Calma, teme – a voz rouca soou pelo quarto muito mais intensa do que era sua intenção – Nós dois esperamos muito por isso, eu quero aproveitar direito.

Viu a pele pálida se arrepiar e os olhos se fecharem em deleite. Era a voz? Ou o comando? Naruto ainda não sabia dizer, mas se preocupou em levar a boca até o pescoço, lambendo e mordendo, deixando sua primeira marca. A mão bronzeada foi até a bunda, apertando a carne macia, trazendo o corpo pra mais perto do seu. Um suspiro escapou dos lábios de Sasuke.

Gosta quando te toco assim? - o loiro perguntou, virando o rosto para encarar o moreno que tinha as bochechas um tanto coradas – Responda – deixou um tapa onde antes apertava.

Sim – o gesto fez um gemido se formar.

Então era isso. O grande Sasuke Uchiha, seu colega de trabalho, prodígio, gênio e o caralho a quatro gostava que o dominassem na cama. Isso era muito mais do que Naruto estava esperando.

E provavelmente, se surpreenderia em descobrir que ia além disso.

Afinal, não era qualquer um que podia se dar ao luxo de ver o moreno naquelas condições, mas Naruto sempre foi uma exceção a essa regra autoimposta.

Sasuke esteve o tempo todo cercado por expectativas e responsabilidades. Desde sempre recebia instruções de como deveria se comportar porque era um Uchiha e o sangue em suas veias assim como tal sobrenome tinham um peso que ele deveria carregar.

Conhecer alguém como Naruto no Ensino Médio era como mostrá-lo o prazer de se ter asas sem nunca poder voar.

O jeito daquele garoto era tão irritante quanto instigante. Fazia-o ter vontade de tirar aquele sorriso enorme de sua cara, mas via-se perdido ao perceber que tanto sua expressão raivosa como a alegre pareciam tão genuínas e livres de pretensões. Ele era tão autêntico o tempo todo. Tão espontâneo.

Era tudo que Sasuke jamais poderia ser.

Despedir-se no Ensino Médio era como um alívio e ainda assim doía. No entanto, descobrir que teria que lidar com ele em seu trabalho o deixou num misto de excitação e cansaço. A dinâmica entre eles parecia a mesma, um pouco mais maduros, mas ainda menos sutis quanto as suas reais intenções por trás da implicância.

Havia, finalmente, aparecido a oportunidade de aplacarem aquele desejo e Sasuke não queria ser o chefe naquele quarto. Não queria ser o que dava as ordens. Queria experimentar a espontaneidade de Naruto entre quatro paredes, pela primeira vez se deixando dominar por alguém como ele enquanto saciava todas as próprias vontades.

Naruto o empurrou até que Sasuke se deitasse na cama de casal. Virou-o de costas pra si, puxando os cabelos negros entre os dedos enquanto a boca corria da nuca e deslizava pelas costas. Apenas roçava os lábios, deixando um rastro da respiração quente pela tez branca. A pele se arrepiava em cada toque, fazendo a raposa sorrir em êxtase ao perceber a entrega do outro.

Apertou mais a bunda, deixando mais um tapa ali, ouvindo um novo gemido.

Gosta disso, né? - o loiro sussurrou contra seu ouvido – Eu vou te dar o que você quer.

Sem aviso, Naruto puxou os quadris de Sasuke, fazendo-o ficar de quatro. Saiu de trás dele e foi para perto do espelho da cama, sentando-se de frente para o moreno. Alisou seu rosto antes de puxar seus cabelos e ditar:

Me chupa.

A ordem fez Sasuke tremer e gemeu assim que sua boca encontrou o pau do loiro. Os gemidos se perdiam um no outro enquanto Sasuke abocanhava o máximo que podia, colocando sua língua para fora, levando o falo até o fundo da garganta. Não se importava com as poucas vezes em que engasgava, nem com as finas lágrimas se formando no canto dos olhos. Só queria dar prazer a ele.

Ai, caralho – a voz do Uzumaki falhava.

Alguns minutos com aquela boca sedenta e ele sabia que não aguentaria muito naquele ritmo. Empurrou-o com dificuldade, porque não tinha intenção de gozar ainda. Não quando finalmente podia se enterrar dentro dele.

Vira. Deixa eu ver essa bunda gostosa de novo.

Sasuke obedeceu novamente, virando-se deixando uma perna de cada lado do corpo do loiro enquanto se empinava na frente de seu rosto. Naruto espalmou as duas bandas, expondo a entrada pulsante e rosada. Via o membro alheio pulsar, todo melado, apenas por tê-lo chupado.

Quer que eu meta a língua aqui? - passou o dedo de leve pela entrada e Sasuke tentou olhar pra si, parecendo ansioso – Já disse pra responder quando eu perguntar.

Quero.

Quer o que, Sa-su-ke?

Quero sua língua em mim, por favor.

Aquilo era tão absolutamente inacreditável que poderia chegar ao orgasmo. Segurou-se com todo o autocontrole que não tinha enquanto levava a boca até a entrada de Sasuke. Lambeu com vontade, ouvindo os gemidos do Uchiha tornarem-se alucinados. Forçou a língua pra dentro, gemendo também quando Sasuke começou a mexer os quadris.

Isso, rebola pra mim – continuou com o beijo grego.

Depois de alguns minutos, deixou a tarefa e se debruçou sobre o corpo de Sasuke.

Onde tem camisinha e lubrificante? - perguntou.

N-Na gaveta – respondeu, ainda embriagado pelo prazer que acabara de receber.

Naruto se inclinou, abrindo a gaveta do criado-mudo e pegando uma camisinha e o tubo com o lubrificante. Melou os dedos levando a entrada já molhada pela própria saliva e colocou dois dedos de uma vez, fazendo o moreno voltar a se contorcer. Viu quando ele tentou se tocar, mas segurou seu braço com a mão livre.

Não – ordenou – Vai gozar só comigo te fodendo bem gostoso aqui – nesse momento, achou a próstata alheia, ouvindo o grito mais sensual de toda sua vida.

Como aquele filho da puta conseguia levá-lo ao delírio desse jeito?

Colocou outro dedo, alargando-o, preparando-o para seu pau. Já não aguentava mais quando vestiu a camisinha e se colocou atrás de Sasuke, segurando seus cabelos. Mesmo mordendo-se em vontade, roçou a glande pela entrada melada, decidido a fazê-lo implorar um pouco mais.

O que quer que eu faça agora?

Me fode – não precisou de mais incentivo, porque Sasuke não estava apenas implorando e não se fazia de rogado. Não havia mais tempo pra isso – Me fode o mais fundo e forte que conseguir. Eu te quero todo dentro de mim.

Por pouco e o feitiço não se voltou contra o feiticeiro. Naruto empurrou-se pra dentro em estocadas firmes, segurando-o tão forte que sabia que suas mãos deixariam marcas na pele clara. O Uchiha afundou o rosto no travesseiro quando sentiu o loiro todo dentro e as estocadas vieram fortes, assim como ele pediu.

O som das peles se chocando só não era mais excitante que os rosnados que escapavam das gargantas dos dois. Ambos se moviam, aumentando o choque entre seus corpos enquanto Naruto metia cada vez mais fundo.

Cu gostoso do caralho – murmurou o loiro – Rebola, Sasuke. Rebola no meu pau.

Os movimentos dos quadris do moreno ficaram ainda mais frenéticos enquanto Naruto aumentava a velocidade. Estavam realmente perto.

Foi Sasuke quem gozou primeiro, abafando o grito no colchão enquanto agarrava os lençóis. Naruto veio em seguida, jogando a cabeça pra trás enquanto sentia o orgasmo atingindo-o com força.

Deixou o corpo de Sasuke algum tempo depois, devagar. O Uchiha deitou-se de bruços, como estava, respirando lentamente enquanto Naruto sentava-se com as costas apoiadas no encosto da cama. A situação era bastante incomum.

Sabiam que quando a manhã chegasse ainda seriam os mesmos Naruto e Sasuke, chefe e subordinado e que o desejo que tinham pelo outro continuaria se equiparando ao desejo de possuir o que o outro tinha. Uma parte de suas mentes acreditava que, quando conseguissem o que queriam, como havia acontecido nessa fatídica noite, eles poderiam continuar sem se importar tanto com o outro, mas, no fundo, eles sabiam a verdade.

Aquela não seria a última vez, assim como nunca se cansariam daquele jogo tão repleto de volúpia e cobiça.

----------------------

EEEE FOI ISTO

Eu espero que ces tenham curtido, RISOS

um beijo no kokoro e Ja nee

30 de Mayo de 2018 a las 20:50 2 Reporte Insertar 13
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
KL Kitsune Lyra
Gente que Lemon foi esse? E esse Sasuke mais comivel do mundo? Posso pedir o Naru mandão de presente? Por favor *--* Você arrasou!
6 de Junio de 2018 a las 21:01
layelle silva layelle silva
Omg!!!! Sasuke coradinho e rebolando? KAMI AMADO ME ACUDAAAAAA
30 de Mayo de 2018 a las 17:43
~