Olho de Gato Seguir historia

cammis Cammis Silva

O quão perigoso poderia ser um amuleto com poderes de controle mental? O ser humano está preparado para carregar tal poder? E se as consequências forem irreversíveis?


Fanfiction Juegos No para niños menores de 13.

#crossover #lendas #Naruto-Uzumaki #uchiha #aventura #mistério #ação #Tomb-Raider #Lara-Croft #crackshipp #naruto #vemprocrack
Cuento corto
1
5683 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único


- Fanfic feita para o desafio Crackshipp #vemprocrack;

- Crackshipp: Naruto Uzumaki – Lara Croft;

- A Fanfic é baseada na Lara dos games Tomb Raider: Legend, 2006; e Tomb Raider Anniversary, 2007;

- Lara (26 anos) – Naruto (25 anos);

- Peço perdão antecipado pelo espanhol fajuto em uma cena da Fic.



~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-



Sala de treinamento – Mansão Croft

10h15min


A morena mantinha seus olhos fechados. Seu rosto estava preenchido por concentração. O silêncio predominava no ambiente. Trajava uma calça de moletom e um top de academia, ambos de cor preta. Seus fios castanhos estavam presos em um rabo de cavalo alto como de costume e havia um par de pistolas semi-automáticas em suas mãos.

O mutismo do cômodo foi se perdendo aos poucos conforme as batidas de Lose Yourself do Eminem preenchiam o local. A caixa de som vibrava com o volume da música que reproduzia e quando o refrão atingiu o ápice os alvos apareceram.

Lara abriu seus olhos afiados como os de um felino e os disparos foram certeiros. Não havia tempo para erros nos seus tempos de treinamento militar, em casa não seria diferente.

O Rap seguia estimulando sua energia conforme alvos cada vez mais difíceis apareciam desafiando seus reflexos. Hora no alto, hora no baixo, hora atrás de si.

Quando a música chegou ao fim havia 60 alvos atingidos e uma Lara satisfeita.

Logo outra faixa da playlist favorita da arqueóloga começou a tocar e mais tiros passaram a ser disparados naquela manhã que era tudo menos tranquila.


~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-



A grande biblioteca ostentava uma remessa de quase dois mil livros. Desde histórias de aventuras á textos antigos e pergaminhos.

Croft se encontrava diante da mesa de madeira escura e densa enquanto seu olhar carregado de tédio vagava pela ampla janela do cômodo. Estava desanimada, era sempre assim naquela data.

Usava distrações como treinar e ler para não pensar muito naquilo, mas o aniversário de sua mãe era sempre doloroso. Não poder abraçá-la e dizer o quanto á amava doía.

Limpou os resquícios de lágrimas em seu rosto assim que ouviu a porta do aposento ser aberta.

- Lady Croft? – Winston o mordomo saudou ficando de frente para a morena; carregava algumas pastas em suas mãos.

- O que foi?

- A senhorita parece triste.

- Impressão sua. – o sarcasmo presente fez o mais velho rir.

- Trouxe algo para melhorar o humor da senhorita. – deixou uma pasta de cor preta sobre a mesa.

Lara passou os olhos no conteúdo e suas orbes castanhas se reviraram ao fim da leitura.

- Grécia de novo? – sua sobrancelha arqueou. Winston soltou um suspiro e deixou outra pasta sobre a mesa.

- Sibéria? Já fui e não tem nada lá. – bufou.

- Bom, só sobrou está opção. – deixou a terceira e última pasta sobre a mesa.

A morena passou a ler as informações. Era algum tipo de templo no Peru.

- Madara Uchiha? – pediu.

- É um grande empresário japonês do ramo de antiguidades. Possui uma coleção invejável de peças históricas.

- E ele quer que eu encontre mais uma dessas peças. – concluiu.

- Sim. O senhor Uchiha solicita seus conhecimentos para ajuda-lo em uma busca, parece que é algo muito importante, ele aparentava estar ansioso ao telefone.

Lara ficou pensativa. Conhecia algumas lendas e histórias sobre a antiga civilização que vivia em terras ancestrais que agora era o país Peruano. Seria interessante averiguar.

- Diz que eu aceito.


[...]



Lima – Peru

Aeroporto Internacional

11h27min


A britânica caminhava de forma ligeira entre o mar de pessoas daquele lugar. Portava somente uma mala e sua costumeira mochila, apenas o necessário para uma possível aventura.

Trajava calças jeans e botas pretas até a altura de seus joelhos. A blusa era verde militar e seu rosto ostentava um Ray-Ban redondo na cor preta.

Chegou á saída do aeroporto e acenou para um táxi.

- Buenos días señorita! – cumprimentou o motorista – um senhor que aparentava está na casa dos cinquenta – após guardar a mala de Croft no bagageiro.

- Bueno.

- ¿A dónde debo llevar a la bella muchacha? – pediu seguindo com o veículo para fora do pátio pertencente ao aeroporto e mergulhando no tráfego de carros que havia naquela cidade.

- ¿Para el San Agustín Riviera Hotel, sí?

- Está bien.

No decorrer do caminho, Lara aproveitou para apreciar a paisagem. Fazia tempo desde a última vez que vira ao Peru e não tinha lembranças muito boas já que quase havia perdido a vida em uma de suas explorações que se mostrou perigosa demais.

Despertou de seus devaneios quando o carro estacionou em frente ao hotel desejado.

- ¿Cuánto le debo?

- 27,63.

Entregou uma nota de cinquenta ao senhor.

- Puede quedarse con el cambio.

- Gracias señorita. – sorriu simpático deixando a mala ao lado de Croft, retornando ao seu veículo para retirar-se dali.

A morena seguiu para o hall na intenção de fazer seu check-in e descansar da viagem. O encontro com Madara estava marcado para a noite no restaurante do hotel e Lara não negava que estava curiosa á respeito do comerciante.


~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-



O estabelecimento se encontrava com pouco movimento. Apenas alguns hóspedes ocupavam o local.

Lara analisava um casal ao fundo que aparentavam estar em lua de mel. Riu melancólica, há quanto tempo não saía com alguém?

Ela sabia. Desde que ele saíra de sua vida. Há três anos.

Ocupava-se com trabalhos e pesquisas para camuflar a solidão, mas sua mente sempre lhe lembrava dos fios dourados que adorava acariciar enquanto ele dormia e quanto amava observar as íris azuladas serem abertas quando ele despertava.

Limpou sua expressão com maestria quando alguém sentou á sua frente.

- Parece triste, Lady Croft.

O homem de longos e espetados fios negros com expressão mordaz lhe estendeu a mão.

- Madara Uchiha.

- O meu nome você já sabe. – o comerciante riu com a perspicácia da arqueóloga.

- Então não precisamos de enrolações não é? – acenou para o garçom e pediu um vinho. – Vamos aos negócios.

- Estou ouvindo. – Lara manteve sua expressão vazia.

- Quero que encontre um local para mim. Uma tumba para ser mais exato.

- Tumba? – arqueou a sobrancelha castanha.

- Tenho uma pesquisa em andamento e estou perto de encontrar meu objeto de estudos.

- Que seria?

- Um corpo.

- Porque um comerciante estudaria um corpo?

- Preciso analisar o que tenho antes de vender não acha? E eu coleciono relíquias é minha grande paixão.

- Sei... e quando quer começar?

- Que tal amanhã? Até onde descobri a tumba está em algum lugar aqui pelo Peru. Creio que com seus conhecimentos podemos encontrar o local rapidamente. Pagarei o quanto quiser. – bebeu um pouco de seu vinho. Croft se manteve analista estudando o Uchiha, não gostara do homem. Verdade fosse dita, raramente gostava de alguém.

- Eu preciso estudar sua pesquisa para ter uma base. Posso ir até seu cômodo para examinar o que tem?

- Vou solicitar que levem os meus arquivos até o seu quarto Lady Croft, sou um homem reservado. Não seria correto ter uma moça tão bela e jovem em meus aposentos, as pessoas podem interpretar errado. Odiaria ter meu nome envolto á boatos.

- Claro, tem razão.

- Fico satisfeito com o acordo senhorita. – terminou o vinho e deixou a taça sobre a mesa. – Se precisar de algo meus homens estarão a sua disposição. Nos vemos em breve Lady Croft. – sorriu o Uchiha mesmo que esse não tenha chego a seus olhos e seguiu para fora do restaurante junto de dois homens que Lara notou estarem esperando por ele em uma mesa mais afastada.

Para que tanta segurança?

Com a desconfiança atiçada, Croft seguiu até a recepção do hotel.

- Estou trabalhando com o senhor Uchiha e preciso entregar alguns documentos á ele, pode me dizer em que andar ele está hospedado?


-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~--~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-



O andar parecia isolado. Todos os quartos aparentavam estar vazios, exceto um que era guardado por dois seguranças. Um de cabelos brancos – talvez cinza – e um encapuzado de olhos verdes.

A britânica notou que ambos os homens estavam armados o que deixou Lara intrigada. O que eles guardavam naquele cômodo?

Com discrição a arqueóloga seguiu de volta para seu andar e entrou em seu quarto. Buscou em sua mala seu gancho automático, seria necessário para o que estava planejando.

Precisava matar sua curiosidade, a desconfiança que continha do Uchiha atiçava mais o desejo de descobrir o que o comerciante escondia.

Chegou ao parapeito de seu quarto e engatilhou o gancho na pistola disparando na parede do quarto que era seu alvo. O objeto se prendeu a parede e logo a britânica foi puxada para o alto e saltou com precisão na varanda do local.

O ambiente estava vazio. A cama estava intacta e nenhum objeto parecia fora do lugar. Olhou gavetas e embaixo dos móveis buscando algo que indica-se que suas suspeitas estavam certas. Porém, não havia nada. Suspirou frustrada.

Quando estava preste a saltar de volta a seu quarto, ouviu sons que pareciam estar vindo do banheiro. Seus olhos castanhos aumentaram de tamanho com a surpresa que a atingiu.

Reconhecia de longe aqueles fios loiros e os olhos azuis celestes que o homem possuía.

- Naruto?!

Correu para o rapaz de pele bronzeada que estava com uma corda prendendo suas mãos e pernas. Sua boca era mantida fechada com fita isolante e algemas o prendiam ao cano que ficava embaixo da pia.

Naruto também tinha sua expressão dominada por espanto ao reconhecer a ex-companheira de arqueologia.

A britânica arrancou a fita da boca do outro causando dor e incomodo.

- Ai! Devagar com essa porra. – resmungou o de olhos azulados.

- Que merda você ‘tá fazendo aqui Uzumaki? – o desprezo ao citar o sobrenome fez com que o rapaz sorrisse torto.

- É um prazer te ver também Croft.

- Desembucha!

- Será que pode me tirar daqui primeiro? Ou quer esperar aqueles caras perceberem que você está aqui?

- Por que estão te mantendo preso? Que merda ‘cê aprontou dessa vez? – a morena arqueou a sobrancelha desconfiada, cruzando os braços.

- Por que você sempre acha que a culpa é minha?

- Porque sempre é.

Naruto bufou.

- O Madara me contratou para achar o Olho de Gato para ele. E quando percebi suas verdadeiras intenções ele me pegou como refém e me mantém preso, obrigando-me a decifrar pistas sobre o paradeiro do objeto.

- Olho de gato? Ele me disse que estava atrás de uma tumba.

- Porque é lá que está o Olho de Gato.

- E o que é isso?

- Um colar que pertenceu ao governador Qualopec. Diz á lenda que o Olho de Gato tem poderes mentais e Madara o quer para beneficio próprio e fazer de si mesmo um Deus. Por isso, sei que ele vai matar a mim e a você assim que puser as mãos no amuleto.

Lara refletiu por alguns segundos. Naruto estava falando a verdade?

O som de porta sendo aberta despertou a arqueóloga que olhou depressa para o Uzumaki.

- São eles. Você precisa me tirar daqui!

- ‘Tá bem! – a morena tirou um canivete do bolso e cortou as cordas que prendiam as mãos e pernas do loiro.

- E essas algemas? – o rapaz direcionou o olhar para o objeto que o prendiam ao cano da pia, Lara deu de ombros.

- Se vira.

A porta do banheiro foi aberta pelos homens que estavam de guarda na entrada. O de cabelos brancos arregalou os olhos ao notar a britânica no cativeiro do Uzumaki e sacou sua arma no mesmo segundo.

Lara chutou o braço do albino o desarmando e acertou um soco no de olhos verdes que estava junto a ele.

Os três trocavam golpes enquanto o loiro chutava o cano da pia tentando soltar-se. No sexto chute o duto cedeu e água começou a espirrar molhando todo o banheiro. O Uzumaki – agora livre – pegou o cano e acertou na cabeça de Kakuzu que estava de costas para si lutando contra a morena.

O homem foi ao chão.

- Kakuzu! – gritou Hidan e a arqueóloga aproveitou o segundo de distração do albino para golpeá-lo com dois socos no rosto e um chute forte em seu estômago, levando o rapaz ao chão.

- Vamos fugir, logo Madara e o resto de seus homens virão atrás da gente. – o de tez bronzeada puxou a arqueóloga pela mão, essa não conseguiu evitar o arrepio ao entrar em contato com a pele do Uzumaki depois de tanto tempo.

Balançou a cabeça em negação. Não era momento para aquilo e não deveria se deixar levar pelo outro de novo.

Ao chegar à janela do quarto três homens apareceram armados e dispararam contra os dois.

- Se segura em mim. – pediu a de olhos castanhos.

- O quê? – o loiro não teve tempo para pensar, Croft pulou janela abaixo puxando o Uzumaki junto.

- VOCÊ É LOUCA? NÓS VAMOS MORRER!

- Cala boca, seu idiota! – Lara disparou seu gancho contra a parede do hotel e os dois pausaram a queda. Ela segurando a pistola do gancho que os salvara de um fim doloroso e o loiro abraçado ao corpo vistoso que tanto conhecia.

- Você é a pior pessoa para fazer um resgate. – resmungou Naruto enquanto a corda os descia.

- Pare de reclamar, se não fosse por mim estaria apodrecendo naquele banheiro. – rebateu parando a corda e os dois saltaram para a janela de um quarto que ficava no terceiro andar do hotel.

- Vamos pelas escadas, aposto que devem estar caçando a gente por todo o prédio e os elevadores são alvos fáceis. – disse o loiro enquanto corriam pelo quarto que estavam.

- Não me diga? – o deboche na voz da mulher fez Naruto ficar emburrado.

- Você é um saco, por isso não demos certo. – acusou abrindo a porta do quarto vagarosamente e espiando o corredor em busca de algum capanga do Uchiha.

- Ah, então agora a culpa é minha? – questionou a morena empurrando o Uzumaki e seguindo pelo corredor.

- Claro que foi, esse seu jeito controlador e arrogante irrita qualquer pessoa. – rebateu seguindo a arqueóloga até a escadaria do hotel.

- Nossa como se você tivesse sido um santo, Uzumaki. – havia três homens nas escadas que levavam ao térreo, logo foram para cima dos dois fugitivos.

- E o que foi que eu fiz de errado? – o loiro inqueriu sendo enforcado com uma chave de braço por trás de um dos homens que ele sabia se chamar Kisame, enquanto o outro Jeff lhe acertava socos na barriga.

- O nome Ino te diz alguma coisa? – refutou a morena batendo a cabeça do ruivo com quem lutava na parede e torcendo seu braço, roubando a pistola que estava em suas mãos.

Atirou na perna do loiro que socava Naruto e o arqueólogo aproveitou e puxou Kisame por cima de si o jogando de costas no chão. Pegou uma calibre 38 que estava no cós da calça do homem com aspecto azulado e atirou no braço dele.

- Eu não transei com ela. – os dois terminaram de descer as escadas e chegaram ao térreo, havia homens – capangas do Madara – nas saídas.

- Eu não me importo. – se esconderam atrás do balcão da recepção que estava vazio pela funcionária está conversando com sua paquera no restaurante do prédio.

- É claro que se importa, por isso terminou comigo. – contestou o Uzumaki. Olhou para um carrinho de lavanderia parado em um corredor vazio na lateral do saguão. Indicou o objeto para a morena.

- Não fui eu que terminei, você que foi embora. – seguiram disfarçadamente para o corredor e Naruto se jogou dentro da caçamba de roupas, enquanto Croft vestia rapidamente o uniforme de faxineira que estava entre as roupas do grande cesto.

- Você me mandou ir. – Lara empurrou o carrinho em direção às portas duplas que davam na lavanderia do prédio, sempre vigiando se não estavam sendo seguidos. Levou o carrinho até a saída do local e lá se livrou do uniforme e o loiro saiu da caçamba.

- E você foi. – prendeu o olhar nos azuis do homem ao seu lado. Não dava para medir qual dos dois estava mais magoado.

Correram para longe do grande hotel misturando-se as pessoas que trafegavam pelas ruas. Naruto acenou desesperadamente para um taxi e os dois se jogaram dentro do veículo respirando aliviados. Haviam conseguido escapar do Uchiha.

Pelo menos, por hora.


~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-



A dupla de arqueólogos esconderam-se em uma pequena pousada para não chamar a atenção. Naruto se encontrava no banho, enquanto Croft certificava-se que ninguém os seguira, fechando janelas e cortinas.

Estava apenas com sua ínfima mochila de costume, o resto de suas coisas haviam ficado para trás no hotel durante a fuga. Recarregou suas automáticas deixando-as prontas para qualquer imprevisto e se jogou na cama perdendo-se em pensamentos deixando somente o som do chuveiro habitar o local.

Sentia-se estranha. Sabia que era a presença do Uzumaki ali que provocava essa sensação. Ambos tinham assuntos inacabados. Fazia três anos que não via o loiro e admitia para si mesma que sentira falta dos olhos azuis.

Passou as mãos pelo rosto soltando um suspiro alto de insatisfação.

- Algum problema?

Foi tirada de seus devaneios pela voz rouca do outro. Ficou admirada por não desenvolver um torcicolo, tamanha fora a rapidez com que virou o pescoço na direção do rapaz com marcas exóticas nas bochechas. E talvez não devesse ter virado.

Naruto estava só com uma toalha cobrindo sua nudez e utilizava uma menor para secar os fios loiros.

A morena perdeu alguns segundos admirando o abdômen do ex-colega de arqueologia. Pigarreou e coçou a garganta desviando o olhar para o teto.

- Pode se vestir, por favor?

- Por quê? Não a nada aqui que você já não tenha visto... e provado.

- Naruto! – franziu o cenho irritada para o loiro que levantou as mãos em rendição.

- Calma Lady Estressadinha, foi só uma piada. Vou me vestir para você conseguir se concentrar sem babar em mim. – piscou para a morena que revirou os olhos castanhos.

- Quero explicações mais detalhadas sobre esse Olho de Gato e como você se envolveu nessa confusão toda. – pediu depois que o Uzumaki terminou de vestir a roupa que haviam comprado em uma lojinha depois de fugirem. Todos os pertences do arqueólogo estavam na posse de Madara.

A morena sentou-se encostando à cabeceira da cama e o loiro ocupou o espaço em frente á ela no mesmo colchão começando a narrar sua história.

- Bom... depois que nós termin...

- Pula essa parte Uzumaki.

O homem endireitou a postura.

- Depois que eu voltei do nosso último trabalho juntos o professor Hatake me pediu ajuda em uma pesquisa de antiguidades para a grade de estudos dele na universidade de Yale, ele ministra aulas lá e como eu estava desocupado resolvi aceitar.

- Hum.

Naruto revirou os olhos pela monossílaba da mulher, mas prosseguiu com a narração.

- Em meio às pesquisas e explorações eu me interessei por uma história em específico. Falava sobre um colar de um antigo governante que tinha um pingente muito poderoso com a forma de um olho de gato. Eu fiquei tão fascinado que comecei a me dedicar cada vez mais a obter informações á respeito.

- E o que descobriu?

- A lenda diz que o colar pertencia á Qualopec, um dos antigos governantes do continente perdido de Atlântida. Qualopec era um líder muito rígido, porém justo e matinha a ordem exímia no reino. Mas sua esposa Taigyra queria o controle sobre o continente e odiava Qualopec, pois seu casamento fora forçado pelos pais e ela não pôde ficar com quem realmente amava.

Lara não proferia nenhuma palavra. Estava absorta e interessada demais na história.

- Taigyra sabia dos poderes do colar e o queria para si. Então em uma noite, em meio à madrugada a esposa do governante atravessou uma lança de ouro – a favorita do marido – na garganta de Qualopec e roubou o Olho de Gato. Enquanto fugia pelos corredores do castelo, um dos guardas que fazia a ronda noturna pegou-a com o amuleto e logo os gritos de uma serva sobre o governante estar morto correu pelos cômodos do palácio. Taigyra foi condenada a morte e teve sua cabeça cortada em guilhotina na frente do povo de Atlântida.

Croft arregalou os olhos.

- E o colar?

- Dizem que foi enterrado junto a Qualopec. É por isso que Madara á contratou para achar a tumba. Ele não quer o possível corpo de Qualopec para estudos, ele quer o amuleto que está na tumba. Você é uma explorada famosa e sublime, a escolha perfeita para ele conseguir o que quer, ele só não contava com o fato de nos conhecermos.

- Temos que impedir que o colar chegue às mãos do Uchiha.

- Nesse momento ele deve ter contratado outro pesquisador para rastrear o Olho de Gato para ele. – ratificou Naruto.

- Então precisamos achar o colar antes dele.

- Eu sei onde está a tumba de Qualopec.

Os olhos de Croft dobraram de tamanho.

- Sério?

- Eu descobri quando ainda estava trabalhando para o Madara, mas escondi a informação e fingi não saber ler os pergaminhos que encontramos nas buscas. A única coisa que ele sabe é que está aqui no Peru.

- E em que lugar?

- Vilcabamba.

- Pois é para lá que vamos.



[...]



Vilcabamba – Peru

17h23min PM


Nuvens predominavam ao redor da região montanhosa deixando um aspecto de nevoeiro. A floresta era densa e Naruto agradecia por ainda estar de dia. Não queria virar caça dos animais que provavelmente saiam de suas tocas a noite para se alimentar.

- Uzumaki, tem certeza que o lugar é aqui? – questionou a britânica que seguia o caminho que o loiro fazia. Naruto portava um mapa da floresta de Vilcabamba para tentar se localizar.

- Eu acho que sim.

- Acha?

- O que você quer que eu faça? O cara foi enterrado a mais de dois mil anos, não posso dar uma localização exata. Mas está nessa floresta. – emburrou fazendo Lara bufar.

- Então estamos perdidos?

- Não estamos perdidos. Só não encontramos o lugar. – o Uzumaki seguiu por entre árvores tão estreitas que teve que se apertar para passar entre elas. Estavam andando há quase duas horas no meio daquele matagal e o suor demostrava que o cansaço os atingira.

Croft se irritava com os mosquitos que picavam sua pele e preocupava-se com a possibilidade do Uchiha encontrar o objeto antes deles.

Um rugido chegou aos ouvidos de Naruto que revirou os olhos.

- Não precisa rosnar para mim só porque não achei o lugar ainda, Croft. – reclamou o loiro.

- Do que está falando? - a de cabelos castanhos franziu o cenho. Naruto olhou para trás na intenção de encarar a mulher, porém seus olhos cresceram como pratos ao ver uma grande pantera atrás dela no galho de uma árvore. O animal os encarava fixamente e estava pronto para atacar.

Sem pensar duas vezes o rapaz bronzeado puxou a britânica pelo braço iniciando uma corrida.

- O que está fazendo Naruto? – pediu sendo arrastada pelo loiro aos tropeços.

- Olhe para trás!

Naruto teria rido da expressão cômica de susto que tomou conta do rosto da ex-colega se ele mesmo não esteve tão assustado.

Os dois depositavam tudo que podiam em suas pernas para fugir da fera que os perseguia com veemência. Era complicado correr por entre as grandes raízes das árvores que cobriam quase todo terreno e desviar das moitas e galhos que bloqueavam suas visões do que vinha pela frente.

O rugido cada vez mais alto do animal arrepiava os pelos do Uzumaki só de imaginar sua pele sendo rasgada por aqueles dentes enormes e afiados como faca.

Em um momento de distração observando o quão perto o animal estava a dupla não percebeu que á sua frente havia um penhasco.

A queda foi inevitável.

- QUE MERDA! – gritou o loiro segundos antes do seu corpo e o de Lara atingir a água do lago que se encontrava ao fundo do penhasco.

Os dois ficaram submersos e os corpos paralisados com o frio inesperado que aquela água gelada lhes causava. Croft abriu os olhos castanhos e com a visão um pouco embaçada por estar embaixo d’água viu distorcidamente à figura de uma caverna no fundo do lago onde caía a cachoeira que tinha naquela parte da floresta.

Foi tirada do transe criado pela curiosidade quando foi puxada para cima pela mão forte do loiro que a acompanhava. Passaram alguns segundos em silêncio olhando um ao outro com a respiração ofegante antes de Lara tomar a palavra.

- Eu vi uma caverna no fundo do lago embaixo da cachoeira.

- Uma caverna? – inquiriu o de olhos azuis passando mãos nos fios dourados que estavam encharcados.

- Sim. Mas teremos que poupar bastante fôlego, não sabemos onde ela vai terminar.

- Quer mesmo ir lá? E se não houver nada?

- Só saberemos se olharmos, Uzumaki. Pode dar em algum lugar.

O loiro suspirou.

- Então vamos logo, estou congelando nessa água.

Nadaram em direção a cachoeira e trocaram um olhar de confirmação, antes de submergirem e nadarem pela escura caverna.

Naruto tirou do bolso de sua calça uma pequena lanterna a prova d’água e foi iluminando o caminho. Alguns peixes – bem estranhos – os rodeavam vez ou outra e o loiro torcia para não serem atacados. Não poderia se defender direito dentro daquele lago.

O caminho estava ficando cada vez mais estreito e os arqueólogos já começavam a sentir a falta de ar os dominando. Aceleraram o nado o mais depressa possível. Depararam-se com o fim da caverna ficando em frente a um paredão de rochas gigantescas.

Croft apontou para cima e o de olhos azuis percebeu que poderiam nadar para o alto.

Naruto sentia sua cabeça pesar com a falta de oxigênio. Bateu os pés com força acelerando sua chegada a superfície.

A tosse veio rápido assim que o ar entrou em seus pulmões.

- Isso foi horrível. Pensei que iriamos morrer afogados, essa caverna parecia não ter fim. – reclamou com uma mão sobre a garganta.

- Você já foi mais corajoso. Está parecendo um novato sem experiência. – desdenhou a morena sorrindo ladina.

- Você é um saco.

Os dois saíram do pequeno lago que a água formava dentro da caverna. Lara abriu sua mochila – muita molhada – e tirou uma lanterna maior de lá. Bateu o objeto na mão para fazê-lo funcionar. Aquela lanterna não era tão resistente á água.

Suspirou aliviada quando o instrumento funcionou. Estavam em uma espécie de gruta. Havia muitas rochas pontiagudas no teto e as paredes eram úmidas e cobertas de musgo.

Seguiram pelo túnel de caminho único e andaram por pelos vinte minutos, até chegarem á um tipo de porta.

Parecia ser feita de pedra e tinha uma forma retangular. Havia vários símbolos desconhecidos na rocha e escrituras que deviam ser de milhares de anos.

- Como vamos abrir isso? – pediu Naruto cruzando os braços.

Lara iluminou as escritas e se aproximou para analisá-las. O Uzumaki se afastou para dar espaço a morena e acabou tropeçando em uma das rochas pelo chão. O loiro caiu sentado e uma de suas mãos afundou em uma pedra triangular – com símbolos iguais aos da porta – que havia no chão. A grande porta começou a se mover para baixo até que a passagem estivesse completamente livre.

Lara olhou para Naruto com uma expressão carregada de surpresa que foi respondida com um sorriso presunçoso.

- Eu sou demais!

Croft revirou os olhos.

A dupla seguiu pelo extenso corredor que os levava á uma sala de tamanho médio. As paredes já não eram mais rochosas e sim retas e cobertas de símbolos e escritas. Naruto se aproximou dela na intenção de fotografar com sua micro câmera guardada em seu bolso, mas ao tocar na parede uma parte das duas pilastras laterais que havia na sala se abriram e agulhas com veneno foram lançadas.

Em um reflexo Lara jogou-se sobre Naruto o derrubando no chão e os dois ficaram deitados até que o bombardeio de agulhas chegasse ao fim.

- Porra Naruto! Tenha cuidado, não sabemos o que esse lugar guarda. – bronqueou.

- Foi mal. – coçou a nuca sem jeito.

- Você é tão desastrado. – Croft balançou a cabeça em negação se levantando depois que o ataque havia se extinguido. – Vê se olha por onde anda e no que vai tocar.

- ‘Tá bem, mommy. – ganhou apenas um olhar irritado pelo pronome usado.

- Não me provoque.

Caminharam para fora da perigosa sala que dava em uma escadaria que indicava que deveriam descer.

Foram quase dez minutos descendo e Naruto se perguntava o porquê de ter escolhido estudar arqueologia.

Ao fim da longa escada se depararam com um amplo saguão. Havia pelo menos umas oito pilastras brancas similares ornamentadas com ouro nas pontas. Quatro de cada lado. O piso gasto parecia ser feito de granito e sua cor era cinza escuro, quase negro.

No meio do saguão havia uma espécie de piscina ou pequeno lago retangular e no centro do lago estava a tumba. A paisagem seria admirável se não houvesse esqueletos amarrados pelas mãos rentes ás paredes. No teto havia símbolos que Naruto reconheceu de sua pesquisa como homenagens a Qualopec.

O homem bronzeado e Lara terminaram de descer os últimos degraus e se aproximaram devagar do lago que cercava a tumba.

- É aqui. Aquelas escritas no teto são devoções a Qualopec. – indicou o teto para Croft que virou sua lanterna para o alto analisando os símbolos.

- Será que é fundo? – duvidou o loiro focando sua luz na piscina ao redor do túmulo. A água tinha uma cor esverdeada e ele conseguia notar os musgos nas laterais da piscina.

- Não da para ver. Vamos ter que nadar até a tumba.

- Eu vou. – Naruto deixou sua lanterna e câmera no chão.

- Porque você? Acha que eu não consigo?

- Eu não disse isso sua louca. – rebateu o de olhos azuis.

- Foi o que pareceu, fazendo essa pose toda de macho alfa.

- Eu não estou fazendo pose, só quero ir porque essa busca é minha.

- Sua?

- Sim, minha. É a minha pesquisa. E você sabe disso.

- Dane-se, vai logo. Aproveite e se afogue.

- Pode deixar, assim você tem o pretexto de fazer RCP para poder me beijar.

- Morre. – deu as costas para o Uzumaki e seguiu pelo saguão estudando o local.

Naruto mergulhou e deixou uma expressão de dor atravessar seu rosto em resposta a água gelada. Nadou em direção a tumba enquanto sentia alguns pequenos peixes mordiscarem a sua pele.

- Que porra é essa?! Ai caralho! – acelerou o nado quando um dos peixes mordeu forte seu pescoço e subiu rapidamente na plataforma que continha o túmulo. – Está cheio de peixes carnívoros nesse lago maldito.

- Que bom que foi você que entrou. Obrigada. – o rapaz bufou com o olhar de escárnio que recebeu.

Croft se aproximou da borda do lago esperando as ações do ex-colega e amante.

Naruto usou toda a sua força para empurrar a pedra retangular que cobria a tumba.

- Esse troço parece chumbo. – sua voz saiu esganiçada devido ao esforço. Conseguiu abrir até a metade e seus olhos se arregalaram.

Parecia uma criança que havia acabado de ganhar um presente do Papai Noel. O cadáver a sua frente tinham um aspecto nojento igual ao de uma múmia.

- Naruto e então? – pediu ansiosa.

- Está aqui! Encontramos! – sorriu tão grande que seus olhos se fecharam e Lara não conseguiu evitar que seus lábios fossem para cima sorrindo também.

O sorriso de Naruto era único demais para não ser apreciado.

O loiro voltou seu olhar fascinado para o colar que estava no pescoço do cadáver de Qualopec. Era lindo. A corrente era de ouro puro e seu amuleto tinha as bordas amarronzadas com um olho de gato no centro.

Naruto retirou o objeto do pescoço de Qualopec e mostrou para Croft.

- Olha que incrível! – a britânica sorriu admirada com objeto, porém seu sorriso foi morrendo aos pouco quando notou a movimentação atrás de Naruto.

- O que foi? – estranhou o Uzumaki e se virou na direção que Lara olhava. Os esqueletos que estavam presos nas paredes começaram a se mexer e logo se soltaram.

- NARUTO, VAMOS EMBORA! – gritou a morena e sentiu alguém saltar sobre si.

- LARA! – o Uzumaki se espantou com o esqueleto que atacava a companheira. Tirou do cós de sua calça uma das automáticas que Lara havia lhe dado e atirou no braço do esqueleto que soltou a arqueóloga.

Croft sacou sua arma e começou a disparar em outros dois esqueletos que se aproximavam. Eram raivosos e pareciam prontos para desmembra-los.

Naruto se jogou na água e nadou o mais rápido que conseguia. O número de peixes que haviam o atacado anteriormente parecia ter triplicado e o Uzumaki se debatia para fugir das mordidas.

Franziu o cenho quando a dor de uma forte mordida o atingiu na nuca. O sangue se misturava a água e Naruto sabia que precisava nadar mais que nunca se não quisesse ser devorado vivo.

Quando chegou a borda sentiu seus braços serem puxados, Croft o retirara da água.

- Vamos Naruto! Se continuarmos aqui iremos morrer! – bradou atirando contra um esqueleto que saltara em sua direção.

Ignorando a ardência dos ferimentos em sua pele e o sangue que escorria, Naruto colocou o colar em seu pescoço e passou a atirar contra as caveiras dando apoio a Croft.

- Segue para a escadaria, você cobre os lados e eu a retaguarda. – ditou o loiro e a mulher assentiu correndo em direção ás escadas atirando para os lados com o Uzumaki em seu encalço.

Quando as balas acabaram não houve tempo de recarregar. Os dois engataram em uma corrida desesperada escadaria acima enquanto os esqueletos que pareciam não ter fim os perseguiam. Viam rastejando pelas paredes como aranhas feitas de ossos com sede de sangue.

Lara puxou de seu porta armas um pequeno dispositivo explosivo e lançou em direção as caveiras que pareciam ter vindo do inferno. Uma alta explosão soou e as paredes rochosas tremeram logo começando a desabar.

- VOCÊ É LOUCA? QUER NOS MATAR? – gritou Naruto correndo exaltado ao lado de Croft.

- O QUE VOCÊ QUERIA QUE EU FIZESSE? ELES IRIAM NOS PEGAR.

Naruto puxou Lara para si quando uma rocha pontiaguda caiu do teto em direção á ela. O suor nos corpos aumentava cada vez mais e o desabamento estava perto de atingi-los. Ninguém ousava olhar para trás um segundo que fosse. O pequeno lago que os levara até ali apareceu em seus campos de visão e não pensaram duas vezes em se jogar na água cristalina.

Algumas rochas caiam na água e os dois faziam o possível para não serem atingidos enquanto nadavam para fora dali.

Naruto não sabia como expressar seu alivio quando se viu fora daquela caverna. A lua já ocupava o céu e o Uzumaki agradecia silenciosamente por terem sobrevivido.

A felicidade teria sido duradoura se não tivesse escutado armas sendo destravadas.

- Saiam da água. – ordenou o Uchiha com seu típico sorriso arrogante. Madara estava á margem do lago com seus homens aguardando paciente, os arqueólogos saírem de lá.

- Como nos achou cretino? – o Uzumaki pediu raivoso sendo empurrado para o chão por um dos capangas do comerciante, que ele reconheceu como Zetsu.

Um ruivo segurava os braços de Lara para trás enquanto outro homem estava ao seu lado com a arma apontada para a morena.

- Vocês não são muitos discretos, não foi difícil rastreá-los. – o Uchiha se aproximou de Croft e pegou a arma dela a entregando para Sasori que a mantinha presa. – Acho que você fica melhor sem isso, minha cara. – deu dois tapinhas no rosto da mulher logo se afastando e indo até o loiro jogado no chão.

Seu olhar ganhou tons de malícia ao ver o colar no pescoço do outro.

- Acho que você tem algo que me pertence Uzumaki.

- Eu não vou te dar o Olho de Gato.

Madara sorriu.

- Eu sei. Eu é que vou tomá-lo de você. – o comerciante sacou uma Glock e disparou na perna do loiro que se jogou no chão rugindo de dor.

- NARUTO! – gritou a morena tentando correr para o arqueólogo, porém foi segurada ainda com mais força por Sasori que riu de seu desespero.

Madara tirou o colar do pescoço do rapaz de olhos azulados e admirou o objeto com mordacidade.

O Uchiha sentia seu coração bater freneticamente contra seu peito. Depois de tantos anos, finalmente fora recompensado. Colocou o amuleto sobre seu pescoço, agora o mundo seria seu.

Sentindo a adrenalina dominar seu organismo, Lara deu uma cotovelada no rosto de Sasori e puxou sua arma da mão dele atirando no peito do ruivo e no pescoço do outro capanga que estava ao seu lado.

Madara e o resto de seus homens começaram a disparar contra a morena que correu escondendo-se atrás de uma árvore. Seu braço direito sangrava por conta de umas das balas que havia lhe atingido de raspão.

Naruto aproveitou a confusão e rolou pelo chão se escondendo atrás de uma grande pedra.

Espiou por cima da rocha e quase foi atingido por um tiro na cabeça. Voltou a se esconder. O arqueólogo catou pequenas pedras pelo chão lançando em direção aos meliantes.

Os tiros contra Lara não cessaram e a morena sabia que suas balas estavam acabando. Precisava achar uma saída ou iriam morrer.

Pegou seu último dispositivo explosivo e jogou na direção do Uchiha e seus homens.

O som da explosão repercutiu pela densa floresta. Os homens e Madara foram arremessados para longe. O Uzumaki aproveitou e correu – mancando com sua perna ferida – até o corpo de um capanga que Lara havia apagado e pegou a arma dele.

Os disparos foram certeiros, Naruto atirou fatalmente em todos os homens que restara. Procurou Madara varrendo os olhos pelo local, mas não havia nenhum sinal do Uchiha.

Um chute em sua mão fez com que deixasse a arma cair. Croft havia lhe golpeado.

- Que isso? Está louca mulher? – exaltou escandaloso, porém fora ignorado.

A arqueóloga lhe deu dois socos no rosto e um terceiro no estômago deixando o Uzumaki com falta de ar. Não conseguia lutar direito com sua perna machucada.

- Croft qual o seu problema? De que lado você está? – pediu bloqueando a sequência de golpes que recebia. Era difícil, Lara era uma lutadora exímia.

- Do meu lado. – o Uchiha sorriu. O sangue que escorria do ferimento em sua cabeça – resultado de seu baque em uma árvore por conta da explosão – tornava sua feição incômoda.

Em uma rápida análise o Uzumaki notou que as íris da morena agora estavam finos como fendas de gato. Ela estava sendo controlada pelo amuleto.

- Croft! Sou eu! Acorda! – gritava desviando dos golpes.

- Mate-o. – ordenou o comerciante assistindo a luta encostado á uma árvore como se fosse o mais belo show que apreciara. Seria lindo ver o Uzumaki ser assassinado pela mulher que amava.

Lara sacou sua faca e atingiu Naruto no braço que o loiro usara para se defender de última hora. Não aguentava mais. Sua perna ardia tamanha era a dor que sentia pelo tiro e seu corpo não tinha mais forças para lutar.

Seus olhos se arregalaram e  encheram-se de água quando sentiu a faca ser fincada com profundidade em sua barriga. Sua camisa logo manchara de sangue e Naruto caiu diante de Lara.

Ela tinha um olhar vazio e desumano. Naruto sabia que a morena não tinha culpa. Não devia ter se envolvido com Madara. Era tudo culpa sua.

Madara sorria cinicamente. Amava o sofrimento alheio. Era um sádico e gostava disso.

- Vai agonizar até a morte ou será devorado por algum bicho desse lugar maldito. Obrigado pelos seus serviços senhor Uzumaki, está dispensado para a morte. – empurrou a cabeça do loiro com o pé. – Como você matou meus melhores homens, acho que vou usar lady Croft para os meus propósitos. – os dois deram as costas para o rapaz loiro agonizando no chão.

Naruto tentou com sua mão trêmula alcançar a pistola caída perto de si durante a luta com Croft. Sentia um bolo de sangue subindo por sua garganta e sabia qual seria seu destino. Sua visão estava turva, mas a bala chegou ao alvo que queria.

Madara caiu com os olhos arregalados e um tiro na cabeça.

Os olhos da arqueóloga voltaram a serem os castanhos amendoados e ela estava sã novamente. Olhou em volta tentando raciocinar e seu peito ardeu com a imagem de Naruto caído e sangrando, correu para ele.

- Naruto! – deitou o rosto do loiro em seu colo. Os olhos azuis estavam quase se fechando.

- Descu-ulpe te envolver nis-sso. – pediu com a voz falha.

-Naruto, fica acordado eu vou te tirar daqui. – a voz desesperada e os olhos molhados dela fizeram o Uzumaki rir.

- Desculpe ter ido embora, eu devia ter lutado por você.

- Não faz isso comigo, não me deixa de novo, por favor... – chorava compulsivamente beijando os lábios quase frios de Naruto. O homem que amava estava morrendo em seus braços.

- Eu te...

A voz dele cessou e os olhos azuis se tornaram opacos.

Naruto estava morto.

A lua fora testemunha dos gritos de dor que os lábios de Lara proferiram agarrada ao corpo falecido do rapaz de olhos azulados.

Haviam conseguido parar o Uchiha, mas o custo havia sido caro. Com o coração em pedaços e o rosto molhado por lágrimas, Lara caminhou até o corpo de Madara e retirou o amuleto dele.

Olhou para o objeto com ódio.

Perdera Naruto por uma coisa tão pequena.

Jogou o colar no chão e descarregou todo o pente da arma até que o amuleto estivesse completamente destruído como seu coração estava.

20 de Abril de 2018 a las 21:44 8 Reporte Insertar 6
Fin

Conoce al autor

Cammis Silva Escritora (amadora); Leitora, apaixonada por fantasia e terror; Musica move meu mundo.

Comenta algo

Publica!
Karimy Karimy
Olá! Escrevo a você por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A Verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se não quiser modificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através do Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada em revisão pelos seguintes apontamentos retirados dela. 1)Acento: encontrei vários "á" na história, como "Chegou á saída do aeroporto" — esse "á" sozinho não é correto; é perceptível que estava tentando reproduzir o fenômeno da crase, mas a crase ocorre para o lado esquerdo = "à"; é importante observar que, em alguns lugares onde há "á", a crase não seria aceita. 2)Falta de vírgula em vocativos, como em "Buenos días señorita!" em vez de "Buenos días, señorita"; "até o seu quarto Lady Croft" em vez de "até o seu quarto, lady Croft". Falta de vírgula em elementos explicativos, como "e não tinha lembranças muito boas já que quase havia" em vez de "e não tinha lembranças muito boas, já que quase havia". Falta de vírgula em oração adverbial deslocada com mais de três palavras, como em "Ao fim da longa escada se depararam" em vez de "Ao fim da longa escada, se depararam". 3)Verbo: "aparentava está na casa" em vez de "aparentava estar na casa". É importante ter cuidado com o uso de gerúndio, por exemplo "deixando a mala ao lado de Croft, retornando ao seu veículo" — o gerúndio dá uma noção de ação contínua; se digo "Ela está falando", pensa-se que a pessoa está e continua a falar; sendo assim, seria impossível ele estar "retornando ao veículo" porque no momento ele está "deixando a mala ao lado de Croft". Falta de concordância, como em "um casal ao fundo que aparentavam" em vez de "um casal ao fundo que aparentava". Falta de vírgula em locução adverbial: "Então não precisamos de enrolações não é" em vez de "Então não precisamos de enrolações, não é?". Obs.: os apontamentos acima são exemplos; há mais o que ser revisado na história além deles. Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, assim como ajudar-nos com a gramática e ortografia. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. A sua história é maravilhosa; não é a primeira vez que leio, mas, mesmo assim, consegui sentir todas as emoções da primeira vez (isso se não foram mais!). Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
13 de Marzo de 2019 a las 14:54
Alice Alamo Alice Alamo
Oi! Parabéns por ter participado do desafio! Espero que tenha se divertido. Eu gostei do crossover, viu? Adorei a ideia de a Lara trabalhar com o Madara, e a visão do Madara como alguém de poder sempre me agrada. Tadinho do Naruto! Eu também desconfiaria que ele tinha feito algo de errado, concordo com a Lara hahahahaha. Mas fiquei surpresa que ele foi colocado na fic também como alguém aventureiro e atrás de tesouros, uma surpresa agradável! Adorei a parte de ação da fic. E a DR no meio do resgate? Nossa, eu consigo muito ver o Naruto fazendo exatamente isso, tentando discutir a relação enquanto foge hahahhaa. E a cena deles atrás do olho, com o Madara, fugindo, os tiros, nossa, ficou muito legal! A Lara sendo controlada então nem se fala! E eu não acreditei quando você matou o Naruto, sério, eu fiquei chocada com isso. Por um pequeno momento, eu tava com esperança de tudo dar certo, mas aí ele morreu! Ah, algumas coisas sobre sua escrita! Não é um erro, mas o uso de cores do cabelo para descrever os personagens não é o ideal; você pode deixar desse jeito, óbvio, mas acho que usar os nomes ou os pronomes ou pegar outras referências deles traria um tom mais sóbrio ao texto, sabe? De novo, não é um erro e vai muito do que você acha ;) Tem uns errinhos na fic também, nada muito grave, mas aconselho dar uma relida quando e se quiser. Eu percebi também que você usa bastante termos para se referir à personagem, "britânica", "arqueóloga", em algumas partes usar o pronome ficaria melhor e traria uma fluência maior ao texto, o que acha? Até porque chega um momento que até esses termos começam a se repetir. Enfim, parabéns pela fic! Eu gostei bastante.
6 de Mayo de 2018 a las 19:21
Botany Briefs Botany Briefs
Adorei a história, ficou perfeita! Cheia de detalhes, além de ser bem emocionante! Gostei dessa aventura e desse casal peculiar! Bjs!
25 de Abril de 2018 a las 20:56

  • Cammis Silva Cammis Silva
    Ah que bom que gostou!!!! Bem peculiar esses dois não é? Mas gostei muito de trabalhar com eles, fico satisfeita que tenha agradado. Obrigada pelo comentário <3 1 de Mayo de 2018 a las 15:20
Karimy Karimy
Adorei a ambientação da história e caracterização dos personagens, isso facilitou muito minha leitura. Consegui entrar na história e vivê-la. Os apóstrofos foram bem colocados, mas sugiro mais atenção com o fenômeno da crase e o verbo "haver". As discussões dos dois foram bem legais. Ino!? O ciúme ficou claro! E a sintonia dos dois deixou tudo ainda melhor. Gostei muito da história do amuleto e do jeito que foi colocado. Toda a tensão das lutas e da busca deixou a história mais intrigante e emocionante! Quando Naruto percebeu o que estava acontecendo com a Lara então... Nossa, fiquei doida para saber como ele resolveria isso! E, cara, o Naruto conseguiu abrir a passagem por causa de um desequilibro! Muito a cara dele, sério! Pude ver a cena em minha mente! Ah, concordo! O sorriso do Narutinho é único! Rsrsrsrs O final foi tocante! Adorei a história! Beijos, autora!
21 de Abril de 2018 a las 09:43

  • Cammis Silva Cammis Silva
    Nossa! Seu cometário me deixou de queixo caído e um sorriso enorme. Obrigada pelos toques sobre a escrita e pelos elogios feitos. Fico satisfeita que a história tenha ficada com uma boa ambientação. Procurei deixar detalhado para o leitor poder visulializar bem as cenas por conter muita ação. Naruto abrindo a passagem foi uma das cenas que eu mais ri pq realmente é muito ele kkkkk O final tbm me deixou na bad. Obrigada por esse comentário maravilhoso, bjos <3 1 de Mayo de 2018 a las 15:18
Way Borges Way Borges
AAAAAAAAAAAAA.... PQP! TO MORTA AQUI... Que hino, amei o crack, esse final me quebrou, tô com o coração partido, meu Narutinho lindo, sempre sofro quando ele morre em alguma historia, olha que eu já escrevi duas fic onde ele morria. Foi perfeita <3
20 de Abril de 2018 a las 18:11

  • Cammis Silva Cammis Silva
    AAAAAAAAH, que boom que gostou!!! Eu tbm fico trsite quando o Naruto morre, acredita que eu chorei enquanto escrevia? Ele muito meu bebêzinho, dói matá-lo. Obrigada pelo comentário <3 1 de Mayo de 2018 a las 15:13
~