Fuck me Seguir historia

ohhtrakinas Sasah Trakinas

Por causa de um filme pornô, Josuke tem o brilhante objetivo em fazer Rohan dizer "me foda", mesmo que a tarefa mostre-se extremamente difícil, levando em conta a personalidade difícil do mais velho.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 21 (adultos).

#yaoi #lemon #jjba #josuke #rohan #josuhan #jojo
Cuento corto
3
5386 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

one-sexo

O quarto escuro era iluminado unicamente pela televisão pequena que ficava em frente à sua cama.


Josuke abafava-se envolto em cobertores quentes, sentado no colchão de frente para as cenas eróticas que eram transmitidas na pequena tela. Seus olhos pouco piscavam, vidrados nas cenas pornográficas da fita que havia alugado escondido da mãe.


Como qualquer outro jovem de dezessete anos, tinha necessidades em procurar o próprio prazer ao meio da masturbação. Prestava bastante atenção nas pernas bem abertas da mulher que gemia compulsivamente em meio a penetração empenhada do homem desconhecido.


Ah, me fode, me fode!”


— Me fode... – Sem perceber acabara repetindo as mesmas palavras que a mulher havia proferido. Sua mente voltara ao normal quando piscou e por breves momentos deixara de prestar atenção no pornô. Aquela mulher falava palavras sujas e ao mesmo excitantes, na qual chamava sua atenção mais do que a própria penetração.


Naquele momento, Josuke percebeu que xingar no meio da transa poderia ser excitante também...


Uma de suas sobrancelhas levantou-se, levemente confuso. Desviou o olhar e passara a pensar em Rohan. O jovem mangaká era um boca suja quando queria, mas nunca ouvira o mesmo dizer palavrões além de gemidos quando transavam.


Não que estivesse reclamando da falta das palavras sujas; os gemidos de Rohan eram maravilhosos, mas...


— Por que ele nunca disse “me fode”?


Fuck me


As aulas haviam terminado no dia seguinte, e assim que saiu acompanhado de Okuyasu, Koichi e sua namorada problemática, desviou o caminho de sua casa para ir a casa de Rohan.


— Está visitando ele demais, irmão – Disse Okuyasu, com um semblante desconfiado –Mais um pouco e vou parar de pensar que os dois são só amigos...


— Larga disso, Okuyasu – Josuke revira os olhos – Vejo vocês amanhã.


— Até amanhã! – Gritaram em uníssono.


Josuke despediu-se deles e seguiu para a grande casa do jovem mangaká.


Assim que chegou, bateu na porta, e em poucos segundos a mesma se abre.


— Josuke...


— Quando vai passar a me chamar de Jojo, hein? –Soltou um riso nasal, colocando as mãos na cintura.


— O que faz aqui? –Ignorou-o.


— Me convide pra entrar, pelo menos...


O mais velho revira os olhos e dá espaço pro mais novo passar.


Josuke dirigiu-se ao sofá, jogando-se no mesmo espaçosamente.


— E então? –Insistiu, Rohan.


— Vim te ver, só isso –Respondeu, simplista. Pegou o controle que estava em cima da mesa de centro e começou a trocar os canais da TV.


Levemente incomodado com a folga de Josuke, Rohan se aproxima do mesmo e lhe toma o controle da mão, devolvendo ao canal que estava. Encarou Josuke com as sobrancelhas frisadas.


— Se não tem nada pra fazer aqui, se manda!


— Ah, vamos, Rohan! Eu vim passar a tarde aqui com você, oras. O que há de errado nisso?


— Não tem nada mais interessante pra fazer não, garoto?


— Não me chame de garoto como se me destratasse, merda –Estalou a língua, desviando o olhar, irritado –Não é a primeira vez que venho aqui ficar contigo, sabe disso –Rebateu –E de qualquer forma, estamos juntos, não estamos?


— Estamos? –Fez uma expressão de repulsa.


— Estamos.


Rohan ficou alguns segundos em silêncio, encarando Josuke com a mesma expressão desgostosa.


— Não faça essa cara! –Josuke diz numa expressão falsamente ofendida.


— Não estamos juntos –Rohan deu meia volta e dirigiu-se a cozinha.


— E o que eu preciso fazer pra começarmos a ficar!? –Levantou-se do sofá, o acompanhando.


— Não tem o que fazer, Josuke. Definitivamente não vamos ficar –Pegou uma faca de cozinha, começando a picotar alguns vegetais pra fazer uma sopa — A cidade de Morioh vai ficar perplexa quando souber que um cara como eu está ficando com um garoto como você.


— Muitas meninas querem ficar comigo.


— Meras vagabundas.


— Viu só? Está com ciúmes.


— Jamais!


— Rohan, sério, já transamos, até! Não sei por que ainda me trata assim –Cruzou os braços.


— Sempre te tratei assim.


Continuar naquela conversa sem fim não os levaria a lugar nenhum, e Josuke logo decide dar as primeiras investidas para chegarem a onde queria. Aproximou-se das costas de Rohan e pousou suas mãos na cintura do mesmo, depositando um beijo calmo em sua nuca, onde arrepiara por completo.


— O-o que está fazendo!? –Rohan vira-se bruscamente com a faca na mão, apontando-a para Josuke.


— Ei, ei, cuidado com isso! –Josuke afastou-se um passo com as mãos em rendição –Qual o problema em te dar um beijo na nuca?


— Por que quer me dar um beijo na nuca? –Estreitou os olhos, sem falhar o aperto no cabo da faca.


Josuke relaxa os ombros e faz uma expressão sugestiva, dando-lhe seu melhor sorriso safado.


— Ora vamos, não seja tão puritano –Soltou um riso nasal.


— Vai a merda, Josuke.


O estudante fora para a casa do mangaká com um simples objetivo. Desde a noite que assistira aquele pornô, sua mente colocara uma meta em ver Rohan gemendo seu nome enquanto falava palavrões. Não seria tarefa fácil, mas a sorte do Josuke em conhecer Rohan, era que o moreno sabia bem como conseguir a atenção do mais velho de uma forma mais íntima.


De um jeito não muito delicado –Dispensava tais cordialidades com Rohan, pois o mesmo não era nada delicado–, agarrou-o pelo braço, obrigando-o a desfazer-se daquela faca que logo fez barulho quando caiu ao chão, e o jogou contra a mesa de madeira, fazendo-o ficar de bruços sobre a mesma; derrubando alguns objetos no chão.


— Mas que...!


— Shh... Calma –Josuke o interrompeu, aproximando seu corpo de Rohan, encostando sua pélvis vestida à bunda do mais velho —Estou com vontade de fazer, Rohan –Disse numa voz rouca rente ao ouvido do mangaká.


Era jogo baixo ser prendido daquela forma na mesa da cozinha e escutar num timbre lascivo e excitante a voz de Josuke arrepiar-lhe os pelos.


Prendeu a respiração numa tentativa de disfarçar o arrepio que sentira. Mordeu o lábio inferior, estreitando os olhos e encarando-o por cima do ombro.


— Sai... –A relutância de Rohan era normal vinda do mesmo, uma vez que ao encarar-se transando com um adolescente irritante aos seus olhos era de certa forma humilhante.

Mas ainda assim, mesmo que reprovasse, nunca admitiria que em seu interior, acabava gostando das visitas eróticas do mais novo. Não podia fazer nada; Josuke fodia bem.


— Sabe que não vou sair –Josuke subiu uma de suas mãos ao rosto de Rohan para fazê-lo virar a boca até que pudesse beijar a mesma. Rohan aperta os olhos, comprimindo os lábios numa tentativa de recusa à Josuke; algo que já era esperado.


Insistente, Josuke pressiona com a língua a boca do outro, forçando-o abrir caminho até que pudessem iniciar um beijo lascivo. De inicio, Rohan relutava, mas não demorou para se entregar ao beijo e corresponder a altura o ósculo.


Soltaram suspiros para conseguir mais fôlego e voltar a se beijarem, deixando as bocas avermelhadas e inchadas.


Josuke desce uma de suas mãos pelo corpo esguio, sentindo a curvatura coberta pelas roupas até chegar ao cós da calça. Sentindo o pescoço doer por conta da posição, Rohan desfaz o beijo e abaixa a cabeça entre os braços, deixando amostra sua nuca que logo fora tomada por Josuke.


O mais novo então abre a braguilha da calça e a puxa pra baixo o suficiente para revelar sua bunda vestida pela cueca. O tecido estava esticado por conta de seu membro rijo que rogava por atenção.


Josuke achava Rohan uma pessoa um tanto contraditória, uma vez que de principio o recusava ao ponto de aponta-lhe uma faca, mas quem poucas investidas depois, entregava-se de corpo e alma.


Sem perder tempo, Josuke enfia uma de suas mãos para dentro da cueca de Rohan, segurando o membro duro que estava quente, melado pelo pré-gozo. Começara a masturbá-lo, sentindo o corpo abaixo de si endurecer com a tensão e um grunhido retido, constrangido, sair da boca do mesmo.


Ao mesmo tempo que o masturbava, pressionava seu volume na bunda do mais velho, fazendo-o sentir o quão excitado estava.


— Pode gemer, se quiser –Disse Josuke fingindo uma falsa inocência, numa tentativa de irritar um pouco o mais velho.


— Vai se fu-ngh!


Josuke solta uma risada nasal, dando mais um beijo na nuca que estava marcada com chupões avermelhados. Interrompeu a masturbação para deslizar sua mão para a bunda do mesmo, apertando-a com força, sentindo a carne macia entre os dedos.


Logo se ajoelhou, ficando com o rosto frente a bunda, lambendo os lábios antes de separar cada banda e enfiar o rosto no meio, começando a lamber o orifício que piscava.


— J-josu-nn! Merda... –Rohan solta uma lufada de ar excitada, apertando suas mãos contra os braços que estavam cruzados em cima da mesa. A cada lambida de Josuke, seus ombros encolhiam com os arrepios e as pernas pareciam querer fraquejar. Mordia os lábios com força, tentando segurar os malditos gemidos que queriam denunciar-lhe.


Querendo dar um pouco de atenção á si mesmo, Josuke abre a própria calça para liberar seu membro que pula pra fora, já completamente rijo. Ao mesmo tempo que beijava e lambia o interior de Rohan, Josuke masturbava-se.


— P-pare logo com isso... –Grunhiu, trêmulo.


— Já? –A voz saiu abafada por conta das bandas cheias que estavam em volta de seu rosto. O moreno se afastou, não perdendo a oportunidade de dar uma mordida na bunda de Rohan, forte o suficiente para deixar a marca de seus dentes. Sentiu o músculo se contrair pela dor, e logo um murro que atingiu o seu ombro.


— Filho de uma puta! –Rohan gritou, irritado.


— Me xingue quando eu estiver dentro de você, baby. –Josuke soltara um riso nasal com seu melhor sorriso safado. O mais jovem adquirira uma aura sensual que era normal em homens mais velhos e experientes. Tal comportamento deixara Rohan sem jeito, mesmo levando em conta sua personalidade difícil.


— Cale a porra da boca, seu-Ah! –Rohan sente a pressão do pênis de Josuke ao invadir seu interior.


Devagar, Josuke empurrava para dentro, sentindo o orifício lhe apertar. Assim que sua pélvis bateu na bunda do mais velho, deixou-se soltar uma lufada de ar. Mordeu a barra de sua camisa para que pudesse ver a penetração e o tecido não ficasse por cima. Colocou as duas mãos na cintura de Rohan e começou a se mover.


Rohan mantinha a cabeça baixa, sentindo o corpo ir alavancar pra frente a cada estocada que Josuke dava em si. A boca comprimida segurava os gemidos, e apenas preocupava-se em soltar lufadas de ar silenciosas.


Josuke empenhava-se em continuar estocando, porém queria escutar a voz de Rohan; queria vê-lo da mesma forma que a mulher no filme pornô. Sabia ele que o filme não passava de uma ficção, onde o sexo era praticado por atores, e mesmo que a vida real não condizia muito com a fantasia, escutar um “me foda!” de Rohan seria magnífico.


Com esse pensamento, Josuke desfere um tapa forte na bunda de Rohan, sentindo o mesmo dar um sobressalto e um gemido de susto sair de seus lábios. O esverdeado não reclamou ou deu qualquer murro, apenas continuou na mesma posição, tentando não perder as estribeiras; como parecia.


Josuke solta a camisa de sua boca, deixando a cair sobre seu abdômen. Inclinou-se até que encostasse em Rohan, mantendo seu rosto apoiado na curva do ombro do mais velho. O moreno intensifica os movimentos, indo com mais força, fazendo a mesa começar a balançar.


— Hm! –Rohan sente suas pernas falharem por um momento com a intensidade das estocadas e por pouco um grito não escapa de sua boca.


— Vamos lá, Rohan... –Disse numa voz arrastada, totalmente entregue ao prazer — Geme pra mim... Grite, implore pra eu te foder.


— Vai à merda, garoto... Ngh! –Rohan segurava a mesa com força, mantendo as cortas arqueadas para que sua bunda ficasse empinada e recebe as estocadas melhor. O som que os corpos faziam ao se chocarem era eróticamente maravilhoso, fazendo tudo ficar mais excitante.


Josuke morde a nuca de Rohan, levanto uma de suas mãos ao pênis do esverdeado, continuando com suas estocadas enquanto masturbava-o. O moreno estava realmente empenado para tirar suspiros e gemidos do mais velho, e com isso, Rohan sente uma descarga elétrica percorrer sua espinha, arrepiando-o todo.


— Ah! –Gemeu com os olhos fechados, levantando um pouco o tronco por reflexo, sentindo seu membro soltar mais pré-gozo com a masturbação de Josuke.


O membro do mais novo praticamente saia por completo e entrava fácil, indo fundo, atingindo sua próstata repetidas vezes.


— Ngh, merda... Ah! J-josuke…!


Não conseguia mais segurar os gemidos que insistentemente saiam de sua boca, deixando os sons acuarem despudoradamente.


Josuke larga o pescoço de Rohan e apóia a testa em suas costas, soltando gemidos arrastados que se misturavam com os do mais velho, começando a sentir a cintura e a coluna reclamarem de dor com os movimentos repetitivos, e a virilha formigar com um possível orgasmo que se aproximava.


— E-estou perto... –Josuke engole a seco, o rosto suado e respiração descompassada. Rohan o encara por cima do ombro; os olhos cansados, mas ainda brilhosos de luxuria.


Num gemido arrastado, sem aviso prévio, o interior de Rohan se comprime fortemente, fazendo com que Josuke interrompa seus movimentos drasticamente. As pernas do mais velho tremem, agarrando-se a mesa para não cair. Gemeu alto, soltando jatos de gozo que sujaram o chão logo em seguida.


Alguns instantes depois, o corpo de Josuke amolece e o mesmo solta uma lufada de ar cansada, retirando seu membro do interior de Rohan, vendo o seu sêmen escorrer do orifício, contornando a coxa.


Rohan ficou mais alguns minutos apoiado na mesa na mesma posição, tentando recuperar o fôlego e do orgasmo.


­— Sabe que eu odeio... –Deu uma pausa, respirando fundo – quando goza dentro. Bastardo.


— Desculpe... –Josuke apóia-se a mesa, passando as mãos na nuca suada – Acabei não trazendo camisinha.


Rohan revira os olhos, levantando-se e estalando a coluna, respirando fundo. Ajeita as próprias calças e dá meia volta, parecendo ignorar a presença de Josuke quando saiu da cozinha. Josuke acompanhou-o com os olhos, vendo o mais velho subir as escadas que davam pro seu quarto.


Resolveu segui-lo, ajeitando sua roupa no caminho.


Assim que entrou do quarto de Rohan, viu o mesmo tirando suas roupas para tomar banho.


— E sequer disse “Me foda”... –Disse Josuke aleatoriamente, chamando a atenção de Rohan numa expressão confusa, arqueando uma de suas sobrancelhas.


­— O que? –Tombou a cabeça pro lado.


— Eu vim aqui justamente pra fazer você dizer essas palavrinhas mágicas –Cruzou os braços –E acabou não dizendo. Você é uma pessoa difícil, Rohan.


— Do que está falando, Josuke? –estreitou os olhos.


— Ontem a noite eu estava vendo um filme pornô onde a mulher dizia “Me foda” várias vezes. Logo depois acabei descobrindo que tenho fetiche nisso. Acho interessante falar umas sacanagens no meio da transa, sabe?


Rohan afrouxa a expressão que fazia, levantando as sobrancelhas num semblante entediante.


— Sério isso?


— Ah, qual o problema, Rohan? Não que eu não goste de transar com você, mas poderia, sei lá –Deu uma pausa, pensando no que iria dizer –Ser um pouco mais escandaloso? –Estreitou os olhos, indeciso —Não sei, dizer umas putarias. Espero que não encare isso como uma ofensa. Eu gosto bastante de você.


— Um adolescente chato como você não me ofenderia com esse tipo de coisa, Josuke –Revira os olhos, pegando uma toalha e a jogando no ombro, parecendo não se importar em estar nu na frente do outro.


— Pensei que ficaria bravo... –Murmurou, vendo Rohan entrar no banheiro, logo escutando o barulho do chuveiro sendo ligado.


— Não se ache tanto, garoto!


Josuke soltou um riso nasal, sentindo-se mais tranquilo.


Mesmo que Rohan daquela vez não tivesse dito “me foda”, haveriam outras chances de tentativa que Josuke teria, e aproveitaria todas elas.


Tirou as próprias roupas e invadiu o banheiro, entrando no box junto de Rohan.


— E-ei, o que está fazendo aqui!?


— Uma segunda rodada?


— Sai daqui, Josuke!


— Ah, vamos, vamos~     

15 de Abril de 2018 a las 19:18 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Sasah Trakinas Alcoólatra triste.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~