E porque homens não choram, minhas nascentes devem secar Seguir historia

dimple doctor Jin

Logo eu era nada, nem Min, nem homem, nem alguém. Apenas uma criança imatura que se deixou levar pela beleza do Boto, influenciado por um criatura que não devia ter vindo de lugar algum e que encontrou seu destino certeiro. E novamente não se podia ouvir som algum reverberar, Yoongi não era uma índia que podia engravidar, Hoseok então resolveu sumir lhe deixando outro presente, uma dor tão grande que se tornou nascente. Yoongi!Centric | Angst | Oneshot | Folclore


Fanfiction No para niños menores de 13.

#Folclore #Drama #Bangtan #Hoseok #Yoongi #BTS
Cuento corto
3
5.8mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Talvez o único que entenda a minha solidão de mar deserto seja a baleia 52


 Sempre fui um bom aluno, muito astuto, aquele que os pais e professores não cansam de elogiar e se vangloriar em ter, diziam “Você terá um futuro brilhante, Yoongi”, mas ninguém me avisou o porquê ele iria brilhar.

 Com o tempo percebi que a luminosidade se dava em razão do reflexo de minhas águas, aquelas que eu não podia deixar escapar porque homens não choram. Pensei então que deveria me tornar caixa d’água, para armazenar tanto líquido quando papai não me deixou chorar depois de cair da bicicleta, quando meu cachorro fugiu, nem no dia que mamãe arrumou as malas para ir embora.

 E por não poder chorar, deixava que as águas do chuveiro levassem as minhas para longe, roubassem o que não posso expulsar.

 Papai sempre fora forte e queria que fosse como ele “Os Min são duros como rochas, não se abalam por besteira, honre nosso sobrenome, Yoongi!”, mas nunca gostei de carregar lemas de família, era apenas uma criança com medo de tantas mudanças e que queria de volta o colo da mãe. Ela me deixava ser rio e inundar seus ombros com as minhas correntezas, às vezes me tornava cachoeira e então podia ouvir sua voz soar como uma bela sereia Iara, acariciava minhas costas como a personagem folclórica fazia com os cabelos, seu cheiro me lembrava flores e tão logo fazia minhas águas se acalmarem.

 Mas o canto da minha Iara não voltou a ressoar, seu cheiro não habitava mais nenhum lugar, eu não era mais como os cabelos da sereia ou, talvez, os poucos fios que me representavam ali tenham sido levados pela correnteza.

 Não podia mais ser cachoeira, nem mesmo rio, tão pouco lago. Me sentia como um poço que devia secar porque papai não queria choros nem lamúrias, desejava de mim força e que tivesse um trabalho que o orgulhasse.


 Um dia um Boto apareceu entre minhas águas tão escondidas, vindo de lugar algum e sem destino certeiro, não era como uma sereia que zelava com tanto cuidado, sua presença trazia uma coloração e sentimento diferente e descobri que podia chorar de alegria ou de tanto rir. Foram as águas mais belas que um dia carreguei, o corpo arrepiava e a barriga revirava, a boca suspirava e me sentia cair nos encantos do ser tão galanteador, era diferente como tudo em sua chegada, ansiava pelo amanhecer para nos reencontrarmos e aprender um pouco mais sobre o tal sentimento de “amar”.

 Meu Boto Hoseok realmente amava dançar, me perdia nos seus movimentos, me deixei enfeitiçar com seus passos decorados, seu corpo esguio e sua face tão animada.

E tão forte como o prazer me atingiu a decepção surgiu aos olhos do meu pai. Seu olhar raivoso era anúncio de tempestade, descobri então que meu pai não secava suas águas, as transformava em rochas de gelo, ali não havia seca e sim uma abundância tão grande que fui engolido na tempestade polar.

 Logo eu era nada, nem Min, nem homem, nem alguém. Apenas uma criança imatura que se deixou levar pela beleza do Boto, influenciado por um criatura que não devia ter vindo de lugar algum e que encontrou seu destino certeiro. E novamente não se podia ouvir som algum reverberar, Yoongi não era uma índia que podia engravidar, Hoseok então resolveu sumir lhe deixando outro presente, uma dor tão grande que se tornou nascente.

 Sua vida que já parecia tão confusa se tornou incompreensível, as rochas de gelo do pai eram tantas que não havia mais lugar para as águas de Yoongi circularem, precisou criar novas rotas e então percebeu que era mar, suas águas eram conturbadas e violentas, tempestade lhe atingiam e as correntezas eram incontroláveis. Um mar que ninguém queria se aventurar, tão solitário quanto um deserto e foi o que se tornou. Yoongi não era mais um Min que levava o lema duro como rocha de gelo, nem o rio que sua nostálgica Iara se banhava, agora era um deserto líquido que afogava qualquer um que tentava se aproximar.

No fim, todos estavam certos...Era forte pela força da água e era um futuro brilhante porque os clarões da tempestade refletiam em suas águas salgadas. A solidão lhe atingia e o fazia desejar que algum marinheiro ou pescador pudessem navegar por suas ondas e lhe tornarem alguém novamente, que lhe devolvessem o sol, parasse aquela tempestade.

 Porém, ninguém podia ouvir o som de suas lamúrias entre tantas ondas e redemoinhos, queria voltar a ser os cabelos da Iara, o índio do Boto ou um Min rocha de gelo, ou...

“Ao menos, por favor, seque minhas nascentes porque homens não choram”


17 de Marzo de 2018 a las 22:07 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

doctor Jin Fantasmando enquanto posto minhas histórias.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~